• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 82
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • Tagged with
  • 82
  • 82
  • 13
  • 10
  • 9
  • 9
  • 8
  • 8
  • 8
  • 6
  • 6
  • 5
  • 5
  • 5
  • 5
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
31

Efeito do aleitamento materno no desenvolvimento de asma e atopia

Strassburger, Simone Zeni January 2006 (has links)
Made available in DSpace on 2013-08-07T19:06:37Z (GMT). No. of bitstreams: 1 000386562-Texto+Completo-0.pdf: 417347 bytes, checksum: aa471604ab35b9f25791df43d8599fca (MD5) Previous issue date: 2006 / Objective: Verify the association between breastfeeding and the development of asthma and allergies to the 4 years of age Method: Study carried through in children participants of birth cohort in São Leopoldo – RS, beginning on 2002. A group of children (intervention) received, during the first year of life, diet orientations based on “Ten Steps of Healthy Alimentation to Children Younger than 2 Years Old”, of Brazil Healthy Ministry, with emphasis on exclusive breastfeeding, and another group (control) was accompanied during the first year of life. Children that completed the first phases of study, at present with 4 years old, were revisited by trained interviewed for the attainment of data connected to breathing problems (based on ISSAC – International Study of Asthma and Allergy in Childhood), answered by their parents or relatives. Children also realized skin-prick test to common ambient allergens. Results: From total of 397 visited children on their first year of life on the original project, 347 were revisited on their forth year (87,4%) of São Leopoldo cohort. Group that suffered the intervention consisted of 163 children on the first year, and 146 (89,5%) answered to the questionnaire about breathing problems at 4 years old. Control group of the first year were formed by 234 children and on 4 years old, 201 children (85,9%) answered to the questionnaire. The middle age of children was of 3,97 (±0,27). From total of 347 children revisited, 328 realized skin-prick test (94,5%) and 94 (28,7%) presented at least one positive test. Did not have evidence of statistics difference between the groups in relation to positive skin-prick test, maternal history of asthma, weezing on last 12 months, active asthma, bronchiolitis some time of the life, hospitalizations by bronchiolitis and hospitalizations by pneumonia. The average in months of exclusive brestfeeding on intervention group was 3,3 months (±2,3), while on control group the average was 2,47 months (±2,1, p`0,01). Exclusive breastfeeding didn’t show significative association with asthma development, weezing or allergy. Breastfeeding, with water and tea addition was more prolonged and had showed itself conversely associated to positive skin-prick test (p`0,05). Conclusions: The duration of the breastfeeding showed protective effect in the atopia development. / Objetivo: Verificar a associação entre aleitamento materno e o desenvolvimento de asma e alergias aos 4 anos de idade. Método: Estudo realizado em crianças participantes de uma coorte de nascimento na cidade de São Leopoldo-RS, iniciada em 2002. Um grupo de crianças (intervenção) recebeu, durante o primeiro ano de vida, orientações dietéticas baseada nos “Dez Passos da Alimentação Saudável para Crianças Menores de Dois Anos”, do Ministério da Saúde do Brasil, com ênfase na amamentação exclusiva, e outro grupo (controle) foi acompanhado durante o primeiro ano de vida. As crianças que completaram a primeira fase do estudo, atualmente com 4 anos de idade, foram revisitadas por entrevistadores treinados para a obtenção dos dados relacionados a problemas respiratórios (baseado no questionário ISSAC- International Study of Asthma and Allergy in Childhood), respondido por seus pais ou familiares. As crianças também realizaram testes cutâneos para alergenos ambientais comuns. Resultados: Do total de 397 crianças visitadas no primeiro ano de vida no projeto original, 347 foram revisitadas aos 4 anos (87,4%) da coorte de São Leopoldo. O grupo que sofreu a intervenção constava 163 crianças no primeiro ano, e 146 (89,5%) responderam ao questionário sobre problemas respiratórios aos 4 anos de idade. O grupo controle do primeiro ano era formado por 234 crianças e aos 4 anos, 201 crianças (85,9%) responderam ao questionário. A idade média das crianças foi de 3,97 (±0,27). Do total das 347 crianças revisitadas, 328 realizaram os testes cutâneos (94,5%), e 94 (28,7%) apresentaram ao menos um teste positivo. Não houve evidência de diferença estatística entre os grupos com relação à teste cutâneo positivo, história materna de asma, sibilância nos últimos 12 meses, asma ativa, bronquiolite alguma vez na vida, hospitalizações por bronquiolite e hospitalizações por pneumonia.A média em meses do aleitamento materno exclusivo do grupo intervenção foi de 3,3 meses (±2,3), enquanto que no grupo controle a média foi de 2,47 meses (±2,1, p£ 0,01). Aleitamento materno exclusivo não mostrou associação significativa com o desenvolvimento de asma, sibilância ou alergia. Aleitamento materno, com acréscimo de água e chá foi mais prolongado e se mostrou inversamente associado à teste cutâneo positivo (p£ 0,05). Conclusões: A duração do aleitamento materno mostrou efeito protetor no desenvolvimento de atopia.
32

Ferritina como marcador prognóstico em crianças com sepse grave e choque séptico

Longhi, Fernanda January 2006 (has links)
Made available in DSpace on 2013-08-07T19:06:44Z (GMT). No. of bitstreams: 1 000388370-Texto+Completo-0.pdf: 396557 bytes, checksum: 02fe5b101260d3af54daf97c829cceb7 (MD5) Previous issue date: 2006 / Objective: To study the association between serum ferritin level and mortality in patients with severe sepsis and septic shock. Methods: contemporary cohort study performed in the Pediatric Intensive Care Unit at the Hospital São Lucas, Porto Alegre, Brazil. Patients between 1 month and 18 years-old of age with severe sepsis or septic shock admitted to the Pediatric Intensive Care Unit from January 2004 to September 2005 were enrolled in the study. Serum ferritin was measured when the diagnosis was made. A correction index was applied in agreement to the values of reference of ferritin, the ferritin index, that corresponds to the ratio between observed serum ferritin and maximum normal value of serum ferritin for the age and gender. Results: thirty-seven patients were enrolled in the study. Twenty-four were male (64,9%). The area under the receiver operator curve for ferritin index and mortality was 0,713, with an optimum cutoff of 1,7 (sensitivity, 91,7% and specificity, 60%).The patients were separed in 2 groups: group with serum ferritin normal and ferritin index < 1,7 and group with high serum ferritin and ferritin index ³ 1,7. Twenty-one patients presented elevated serum ferritin (56,8%). Among 37 patients, 12 underwent to death (32,4%). Of these, serum ferritin was elevated in 11 (91,7%). Among the survivors, serum ferritin was elevated in 10 (40%). Conclusions: in children with severe sepsis and septic shock, an elevated value of serum ferritin is associated with an increased risk of mortality. / Objetivo: estudar a associação entre nível sérico de ferritina e mortalidade em pacientes com sepse grave e choque séptico. Métodos: estudo de coorte contemporâneo realizado na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica do Hospital São Lucas, localizado em Porto Alegre, Brasil. Pacientes com idade entre 1 mês e 18 anos com diagnóstico de sepse grave ou choque séptico admitidos na referida Unidade no período de janeiro de 2004 a setembro de 2005 foram arrolados no estudo. A ferritina sérica foi dosada no momento do diagnóstico. Foi aplicado um índice de correção conforme os valores de referência da ferritina, o índice ferritina, que corresponde à razão entre a ferritina sérica obtida de cada paciente pelo valor máximo normal da ferritina sérica conforme a idade e o gênero. Resultados: foram incluídos no estudo 37 pacientes. Vinte e quatro pacientes eram do gênero masculino (64,9%). A área abaixo da curva operador recebedor de características para índice ferritina e mortalidade foi 0,713, sendo estabelecido o ponto de corte de 1,7 (sensibilidade de 91,7% e especificidade de 60%).Os pacientes foram separados em 2 grupos: grupo com ferritina normal e índice ferritina menor que 1,7 e grupo com ferritina elevada com índice ferritina maior ou igual a 1,7. Vinte e um pacientes apresentaram ferritina elevada (56,8%). Dos 37 pacientes, 12 evoluíram para o óbito (32,4%). Destes, a ferritina estava aumentada em 11 (91,7%). Dos 25 pacientes que sobreviveram (67,6%), a ferritina estava aumentada em 10 (40%). Conclusões: em crianças com sepse grave e choque séptico, um valor elevado de ferritina sérica está associado a um risco aumentado de mortalidade.
33

Incidência de diarréia aguda em crianças de 0 a 1 ano de idade

Nascimento, Deisy da Silva Fernandes January 2014 (has links)
Made available in DSpace on 2016-11-30T14:53:33Z (GMT). No. of bitstreams: 2 109326_Deisy.pdf: 1504428 bytes, checksum: 08142b2ab473f2977fbd9412d48d9dbf (MD5) license.txt: 214 bytes, checksum: a5b8d016460874115603ed481bad9c47 (MD5) Previous issue date: 2014 / Objetivos: Estimar a incidência de doença diarreica aguda e os fatores de risco em crianças de zero a um ano de idade.Método: Estudo observacional de coorte prospectiva. Foram inclusas 210 crianças, recrutadas na maternidade do Hospital Nossa Senhora da Conceição de Tubarão, SC, nascidas nos meses de julho a setembro de 2012 e acompanhadas por 12 meses. Foi considerado caso de diarreia aguda a presença de três ou mais evacuações líquidas ou amolecidas em 24 horas.Resultados: A incidência de diarreia aguda em crianças de 0 a 1 ano de idade foi de 23,3 casos por 1.000 criança-mês, e os fatores de risco independentes para a ocorrência de diarreia foram idade materna inferior a 20 anos e utilizar o atendimento médico pelo Sistema Único de Saúde. Houve baixa taxa de aleitamento materno exclusivo até seis meses de idade.Conclusão: A elevada incidência-densidade de diarreia encontrada no estudo revela a necessidade de que ações de educação da população sejam elencadas às metas da assistência básica do Sistema Único de Saúde (SUS), especialmente aos seguimentos cuja atenção está voltada para gestantes e crianças pequenas. / Objectives: To estimate the incidence and risk factors of acute diarrheal disease in children from birth to one year old.Method: An observational prospective cohort study was conducted on 210 children recruited at the Hospital Nossa Senhora da Conceição, in Tubarão, State of Santa Catarina, Brazil. Children born from July to September 2012 were followed-up for 12 months. The presence of three or more liquid or loose stools during a 24-hour period was considered acute diarrhea.Results: The incidence of acute diarrhea in 0-1-year-old children was 23.3 cases per 1,000 children per month. Independent risk factors for the occurrence of diarrhea were the following: maternal age less than 20 years, and medical services provided by the National Health Care System. The rate of exclusive breastfeeding for the first six months was low.Conclusion: The high incidence density of diarrhea among children found in this study indicates the need for education programs targeting the population involved. These programs should meet the goals of primary health care of the National Health Care System (SUS), especially those that focused on pregnant women and young children.
34

Incidência de infecções comunitárias das vias aéreas inferiores em crianças entre zero e um ano de idade

Martins, Ana Luisa Oenning January 2014 (has links)
Made available in DSpace on 2016-11-30T14:53:33Z (GMT). No. of bitstreams: 2 109328_Ana_Luisa.pdf: 1323841 bytes, checksum: 971409dfc274d9a87fce9194c496c06f (MD5) license.txt: 214 bytes, checksum: a5b8d016460874115603ed481bad9c47 (MD5) Previous issue date: 2014 / Introdução: As infecções agudas do trato respiratório inferior acometem aproximadamente um terço das crianças menores de um ano de idade, tendo como principais manifestações a pneumonia e a bronquiolite. Objetivos: Estimar a incidência de infecções comunitárias das vias aéreas inferiores e os fatores de risco associados a esta ocorrência em crianças de zero a um ano de idade nascidas no Município de Tubarão. Metodologia: Estudo observacional de coorte prospectiva realizado com crianças nascidas entre julho e setembro de 2012 no Hospital Nossa Senhora da Conceição, acompanhadas por 12 meses. A coleta de dados foi realizada pela entrevista com as mães e acompanhamento bimestral das crianças para investigação da ocorrência dos desfechos e registro de informações caracterizadas como fatores de risco. A incidência do desfecho foi calculada como incidência-densidade e para o cálculo do risco relativo bruto e ajustado das variáveis em relação ao desfecho utilizou-se a regressão de Cox. Resultados: A média de idade das mães foi de 26 anos, e 62% delas estudaram por tempo superior a 11 anos. Com relação à renda, 23,5% das entrevistadas encontrava-se sob risco de exclusão social. A incidência-densidade de pneumonia foi de 0,51/100 crianças-mês e a de bronquiolite foi de 3,1/100 crianças-mês. Crianças com peso ao nascer inferior a 2.500 gramas tiveram risco 5,96 vezes maior para a ocorrência de pneumonia do que as crianças que nasceram com peso igual ou superior a 2.500 gramas. Conclusão: A incidência de infecção aguda do trato respiratório inferior foi semelhante à encontrada em outros estudos. No entanto, no presente estudo, somente o baixo peso ao nascer apresentou-se como fator de risco independente para a ocorrência de pneumonia. / Introduction: Approximately, one-third of children less than one year of age are affected by acute lower respiratory tract infections, whose main manifestations are pneumonia and bronchiolitis. Objectives: To estimate the incidence of community-acquired infections of the lower airways and the risk factors associated with its occurrence in children less than one year of age in the city of Tubarão, state of Santa Catarina, Brazil. Methods: An observational prospective cohort study was conducted on children born between July and September 2012 at the Hospital Nossa Senhora da Conceição, who were followed for 12 months. Interviews were conducted with their mothers to collect data, and children were monitored bimonthly to investigate the occurrence of outcomes and collect information on possible risk factors. The outcome incidence was estimated as incidence-density, and Cox regression analysis was used to estimate the crude and adjusted relative risk of the variables associated with the outcomes. Results: The mean age of respondents was 26 years, and 62% of them had more than 11 years of education. With regard to income, 23.5% of the interviewees were at risk of social exclusion. The incidence density of pneumonia was 0.51 episodes per 100 children-month, and bronchiolitis was 3.1 episodes per 100 children-months. Babies who had low weight at birth (less than 2,500 grams) were 5.96 times more likely to have pneumonia than babies weighing 2,500 grams or more. Conclusion: The incidence of acute lower respiratory tract infection in children was similar to that found in other studies. However, in this study, only low weight at birth was an independent risk factor for the occurrence of pneumonia.
35

Validação dos questionários de qualidade de vida (CHAQ e CHQ-PF50®) em pacientes com febre reumática

Bandeira, Márcia [UNESP] 01 February 2007 (has links) (PDF)
Made available in DSpace on 2014-06-11T19:28:01Z (GMT). No. of bitstreams: 0 Previous issue date: 2007-02-01Bitstream added on 2014-06-13T18:32:27Z : No. of bitstreams: 1 bandeira_m_me_botfm.pdf: 879545 bytes, checksum: 26ce92fbb416c74cf983b2d5f3a4a09e (MD5) / Objetivo: Avaliar os índices de saúde e bem-estar físico e psico-social, por meio de questionários auto-aplicáveis, em pacientes com Febre Reumática (FR). Métodos: Os itens e escalas do Childhood Health Assessment Questionnaire (CHAQ) e Child Health Questionnaire (CHQ-PF-50) foram compilados em um estudo transversal, durante a fase ativa ou inativa da FR; comparados com valores normativos populacionais, e de acordo com o estado de atividade ou inatividade da doença. Resultados: Cento e sete questionários foram analisados. Dezessete casos foram avaliados durante a fase aguda, seja durante o primeiro surto ou recorrência, e 90 em inatividade. A média de idade e duração média de doença na avaliação foram de 14,4 l 3,9 e 0,7l1,7 anos para casos em atividade e 12, 5l 4,3 e 5,5l4,1 anos para casos em inatividade, respectivamente. Todos os domínios e o índice de incapacidade física do CHAQ, os índices Físico e o Psico-social do CHQ-PF-50, assim como as escalas de dor e bem-estar global, apresentaram diferença significante na pontuação quando comparados com a da população de referência. A comparação destes índices e escalas, entre os casos de FR em atividade e inatividade, também apresentou diferença significante, resultando em maior incapacidade e pior avaliação do estado de saúde, com exceção da escala de dor e do Indice Psicosocial. Conclusões: A FR tem impacto nos índices de saúde física e psico-social, comparados com a população saudável. As propriedades psicométricas de ambos os instrumentos, CHAQ e CHQ-PF50, foram consideradas adequadas revelando validade de face e discriminativa. / Objetive: The purpose of this study was to assess self-reported measures of physical and psychosocial well-being in Rheumatic Fever patients (RF). Methods: The Childhood Health Assessment Questionnaire (CHAQ) and the Child Health Questionnaire (CHQ-PF-50) itens and scales were compiled in clinic for a cross sectional study, during RF active and inactive phases, and compared to population normative values, as well as according to disease activity status. Results: One hundred and seven questionnaires were analysed. Seventeen cases were assessed during active phase, either during the first attack or relapse, and 90 during inactive phase. Mean age and mean disease duration at completion was 14,4 l 3,9 and 0,7l1,7 years for active cases and 12, 5l 4,3 and 5,5+4,1 years for inactive cases, respectively. The CHAQ and CHQ domains scoring, CHAQ-Disability Index, CHQPhysical - Psychosocial scores, and both pain and overall well-being scales, presented significant difference in patients with rheumatic fever compared to population normative values. The active and inactive RF cases values were compared as well, resulting in worse function and health, during active phase compared to inactive, except for pain-VAS and CHQ- Psychosocial Scores. Conclusions: RF causes impact on physical and psychosocial health scoring compared to the general population. Both tools, CHAQ and CHQ-PF50 have shown good psychometric properties with proper face and discriminant validity.
36

Trombose venosa profunda dos membros inferiores em crianças e adolescentes tratados em um único centro no Brasil: epidemiologia e evolução

Matida, Caroline Kazue [UNESP] 24 May 2010 (has links) (PDF)
Made available in DSpace on 2014-06-11T19:32:44Z (GMT). No. of bitstreams: 0 Previous issue date: 2010-05-24Bitstream added on 2014-06-13T21:04:42Z : No. of bitstreams: 1 matida_ck_dr_botfm.pdf: 889840 bytes, checksum: e2fb39fd0a8e59a674752ea187a4c74b (MD5) / A importância do estudo da trombose venosa profunda (TVP) em crianças e adolescentes reside no impacto desta doença sobre a qualidade de vida desta população, tendo em vista sua longa expectativa de vida e a morbidade associada ao tromboembolismo venoso. Com o passar dos anos, a síndrome pós-trombótica e a recorrência podem deixar sequelas que vão desde dor crônica nos membros, edema e até úlceras de difícil cicatrização. A TVP em crianças está sendo melhor estudada nos últimos anos. Até então, seu diagnóstico e tratamento eram baseados em experiências individuais, pequenas séries de casos ou extrapolados das recomendações para adultos. Realizamos a presente revisão para melhor compreensão da epidemiologia, fisiopatologia, etiologia, diagnóstico, tratamento desta doença / The study of deep vein thrombosis (DVT) in children and adolescents assesses the important impact of this disease on the quality of life of this population considering its long life expectancy and morbidity associated to venous thromboembolism. Within the years, the pos-thrombotic syndrome and recurrence can cause sequelae including chronic lower limb pain, edema and even hard cicatrization ulcer. Recently, DVT in children has been studied more appropriately. Previously, its diagnosis and treatment were based on individual experience, some serial cases or comparisons with recommendations to the adult treatments. This present study has been presented to better comprehend the epidemiology, physiopathology, etiology, diagnosis, treatment and prophylaxis of the deep vein thrombosis
37

Validação dos questionários de qualidade de vida (CHAQ e CHQ-PF50®) em pacientes com febre reumática /

Bandeira, Márcia. January 2007 (has links)
Orientador: Claudia Saad Magalhães / Banca: Nelson Itiro Miyague / Banca: José Roberto Fioretto / Resumo: Objetivo: Avaliar os índices de saúde e bem-estar físico e psico-social, por meio de questionários auto-aplicáveis, em pacientes com Febre Reumática (FR). Métodos: Os itens e escalas do Childhood Health Assessment Questionnaire (CHAQ) e Child Health Questionnaire (CHQ-PF-50) foram compilados em um estudo transversal, durante a fase ativa ou inativa da FR; comparados com valores normativos populacionais, e de acordo com o estado de atividade ou inatividade da doença. Resultados: Cento e sete questionários foram analisados. Dezessete casos foram avaliados durante a fase aguda, seja durante o primeiro surto ou recorrência, e 90 em inatividade. A média de idade e duração média de doença na avaliação foram de 14,4 l 3,9 e 0,7l1,7 anos para casos em atividade e 12, 5l 4,3 e 5,5l4,1 anos para casos em inatividade, respectivamente. Todos os domínios e o índice de incapacidade física do CHAQ, os índices Físico e o Psico-social do CHQ-PF-50, assim como as escalas de dor e bem-estar global, apresentaram diferença significante na pontuação quando comparados com a da população de referência. A comparação destes índices e escalas, entre os casos de FR em atividade e inatividade, também apresentou diferença significante, resultando em maior incapacidade e pior avaliação do estado de saúde, com exceção da escala de dor e do Indice Psicosocial. Conclusões: A FR tem impacto nos índices de saúde física e psico-social, comparados com a população saudável. As propriedades psicométricas de ambos os instrumentos, CHAQ e CHQ-PF50, foram consideradas adequadas revelando validade de face e discriminativa. / Abstract: Objetive: The purpose of this study was to assess self-reported measures of physical and psychosocial well-being in Rheumatic Fever patients (RF). Methods: The Childhood Health Assessment Questionnaire (CHAQ) and the Child Health Questionnaire (CHQ-PF-50) itens and scales were compiled in clinic for a cross sectional study, during RF active and inactive phases, and compared to population normative values, as well as according to disease activity status. Results: One hundred and seven questionnaires were analysed. Seventeen cases were assessed during active phase, either during the first attack or relapse, and 90 during inactive phase. Mean age and mean disease duration at completion was 14,4 l 3,9 and 0,7l1,7 years for active cases and 12, 5l 4,3 and 5,5+4,1 years for inactive cases, respectively. The CHAQ and CHQ domains scoring, CHAQ-Disability Index, CHQPhysical - Psychosocial scores, and both pain and overall well-being scales, presented significant difference in patients with rheumatic fever compared to population normative values. The active and inactive RF cases values were compared as well, resulting in worse function and health, during active phase compared to inactive, except for pain-VAS and CHQ- Psychosocial Scores. Conclusions: RF causes impact on physical and psychosocial health scoring compared to the general population. Both tools, CHAQ and CHQ-PF50 have shown good psychometric properties with proper face and discriminant validity. / Mestre
38

Infecção de corrente sanguínea relacionada ao uso de cateteres venosos centrais em pacientes pediátricos de um hospital terciário

Pierotto, Aline Aparecida da Silva January 2015 (has links)
Made available in DSpace on 2015-03-03T02:01:08Z (GMT). No. of bitstreams: 1 000465946-Texto+Completo-0.pdf: 1245081 bytes, checksum: 32c1690d51b54b12f00a7daa37c21cda (MD5) Previous issue date: 2015 / Objective: To analyze the risk factors of blood stream infections of patients with positive blood cultures of central venous catheters (CVC).Methods: Retrospective descriptive study, with analysis of medical records and laboratory tests, which examined 28 patients with 44 blood cultures positive CVC. The variables were: age, gender, reason for hospitalization, length of hospital stay, type of catheter, micro-organism with sensitivity, antimicrobial resistance and outcome.Results: We analyzed 28 patients who had positive blood cultures in the CVC, and who did not have clinical or laboratory diagnosis of any other focus, 321 patients had negative blood cultures, and only 28 with positive blood cultures in the periphery and CVC (paired samples). The identified risk factors for infections related to catheters were age less than 1 year of patients (8. 3 vs 23 months, the uninfected, p <0. 01), catheter usage time (16 vs. 7 days; p <0. 01) and length of stay in PICU (25 vs 6 days; p <0. 01). The greater involvement of the catheters were short double lumen residence and located in the right subclavian. The most diagnosed bacteria in blood cultures of these patients were Sthaphylococcos epidermidis Staphylococcus aureus and that showed high resistance to oxacillin and sensitivity to vancomycin.Conclusions: The rate of bloodstream infection associated with the use of central venous catheters in intensive care units and pediatric ward is significantly affected by presençao the central venous catheter. The bloodstream infections are important causa de morbidity and mortality in pediatric patients and premature removal of the central venous catheter is important for the prevention of such infection. / Objetivo: Analisar os fatores de risco das infecções de corrente sanguínea dos pacientes com hemocultura positiva dos cateteres venosos centrais (CVC).Métodos: Estudo retrospectivo descritivo, com analise de prontuários e exames laboratoriais, que analisou 28 pacientes com 44 hemoculturas de CVC positivas. As variáveis foram: idade, sexo, motivo da internação, tempo de permanência hospitalar, tipo de cateter, microrganismo com sensibilidade, resistência antimicrobiana e desfecho.Resultados: Foram analisados 28 pacientes que tiveram hemoculturas positivas nos CVC, e que não tiveram diagnóstico clínico ou laboratorial de qualquer outro foco, 321 pacientes apresentaram hemoculturas negativas, sendo apenas 28 com hemocultura positiva em periferia e CVC (coletas pareadas). Os fatores de risco identificados para infecções relacionadas ao uso de cateteres foram a idade do paciente menor de 1 ano (8,3 vs 23 meses, dos não infectados; p<0,01), tempo de uso do cateter (16 vs 7 dias; p<0,01) e tempo de permanência em UTIP (25 vs 6 dias; p< 0,01). Os cateteres de maior comprometimento foram os de curta permanência duplo lúmen e os localizados em subclávia direita. As bactérias mais diagnosticadas nas hemoculturas destes pacientes foram o Sthaphylococcos epidermidis e o Sthaphylococcus aureus que mostraram elevada resistência à oxacilina e sensibilidade à vancomicina.Conclusões: A taxa de infecção da corrente sanguínea associada ao uso de cateter venoso central, nas unidades de terapia intensiva e enfermaria pediátrica é significativamente afetada pela presençao do cateter venoso central. As infecções da corrente sanguínea são importantes causade morbidade e mortalidade em pacientes pediátricos e a retirada precoce do cateter venoso central é importante para a prevenção de tal infecção.
39

Prevalência de anticorpos antigliadina em crianças celíacas e não celíacas

Guimarães, Flávia Alice Timburibá de Medeiros 26 July 2006 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, 2006. / Submitted by Thaíza da Silva Santos (thaiza28@hotmail.com) on 2009-12-01T17:20:38Z No. of bitstreams: 1 Dissert_Flávia Alice Timburibá de Medeiros Guimarães.pdf: 270648 bytes, checksum: 9d8f121eaafd4034af61bfc5b90c5e01 (MD5) / Approved for entry into archive by Lucila Saraiva(lucilasaraiva1@gmail.com) on 2009-12-04T03:11:33Z (GMT) No. of bitstreams: 1 Dissert_Flávia Alice Timburibá de Medeiros Guimarães.pdf: 270648 bytes, checksum: 9d8f121eaafd4034af61bfc5b90c5e01 (MD5) / Made available in DSpace on 2009-12-04T03:11:33Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Dissert_Flávia Alice Timburibá de Medeiros Guimarães.pdf: 270648 bytes, checksum: 9d8f121eaafd4034af61bfc5b90c5e01 (MD5) Previous issue date: 2006-07-26 / Introdução: A dosagem de anticorpos antigliadina é, no Brasil, teste ainda hoje bastante difundido para o rastreamento e diagnóstico de casos de doença celíaca. Estes anticorpos são, no entanto, freqüentemente encontrados em indivíduos não portadores desta afecção, o que pode resultar em diagnósticos errôneos. Objetivo: avaliar a prevalência dos anticorpos antigliadina em grupos de crianças brasileiras celíacas e não celíacas. Métodos: a prevalência dos anticorpos antigliadina IgA e IgG foi determinada em dois grupos de pacientes pediátricos pelo teste imunoenzimático ELISA. O primeiro grupo foi composto por 131 crianças com variadas patologias gastrointestinais e dosagem do anticorpo antitransglutaminase negativa (grupo 1). O segundo grupo foi composto por 48 crianças celíacas com diagnóstico confirmado pelo teste sorológico antitransglutaminase e biópsia jejunal típica (grupo 2). Resultados: no grupo 2, os valores de IgA e IgG foram maiores que no grupo 1, havendo diferença estatisticamente significante, com p=0,000 para IgA e p=0,002 para IgG. O grupo 1 apresentou IgG positiva em 36,6% dos casos e IgA positiva em 9,2% dos casos. O grupo 2 apresentou positividade do exame em 52,1% dos casos para IgG e em 47,9% dos casos para IgA. Conclusões: na população estudada a prevalência de positividade do anticorpo antigliadina em crianças presumivelmente não celíacas foi alta para IgG (36,6%). _________________________________________________________________________________________ ABSTRACT / Introduction: The determination of antigliadin antibodies has been widely used in Brazil for the screening and diagnosis of celiac disease. These antibodies are, however, frequently found in non celiac patients. Objective: evaluate the prevalence of antigliadin antibodies in a two groups of Brazilian children composed by celiac and non celiac children. Methods: serum IgA and IgG antigliadin antibodies were analyzed by the ELISA method in two groups of children. One group of 131 patients, with varied gastrointestinal complaints and negative antitransglutaminase antibody test (group 1); and another group of 48 children with celiac disease diagnosis confirmed by positivity of the antitransglutaminase antibody test and jejunal biopsy (group 2). Results: the IgA and IgG antigliadin antibodies of group 2 showed higher values than group 1, with statistic significance (p=0,000 for IgA and p=0,002 for IgG). Group 1 had 36,6% of positive IgG and 9,2% of positive IgA. On the other side, group 2 was positive for IgG in 52,1% of the patients and in 47,9% of the patients for IgA. Conclusions: the prevalence of positive antigliadin antibodies in non celiac children was high for IgG (36,6%), on the studied population.
40

Impacto da vacina pneumocócica conjugada 10 valente na meningite pneumocócica em crianças até 2 anos de idade no Brasil

Grando, Indianara Maria 14 October 2013 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade UnB Ceilândia, Programa de Pós-Graduação em Ciências e Tecnologias em Saúde, 2013. / Submitted by Albânia Cézar de Melo (albania@bce.unb.br) on 2014-01-10T14:05:16Z No. of bitstreams: 1 2013_IndianaraMariaGrando.pdf: 23698328 bytes, checksum: 0ea3a3745510011939ef435189024e7e (MD5) / Approved for entry into archive by Luanna Maia(luanna@bce.unb.br) on 2014-01-23T14:27:46Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2013_IndianaraMariaGrando.pdf: 23698328 bytes, checksum: 0ea3a3745510011939ef435189024e7e (MD5) / Made available in DSpace on 2014-01-23T14:27:46Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2013_IndianaraMariaGrando.pdf: 23698328 bytes, checksum: 0ea3a3745510011939ef435189024e7e (MD5) / As doenças causadas por Streptococcus pneumoniae, incluindo pneumonia, meningite e sepse, são importantes contribuintes para a mortalidade infantil. O desenvolvimento de vacinas eficazes contra a doença pneumocócica demonstra a sua importância como a principal causa de mortes infantis evitáveis por vacina. Entre a doença pneumocócica, meningite é a síndrome clínica com as maiores taxas de letalidade e mortalidade, especialmente entre crianças. Entre as etiologias da meningite bacteriana, a doença pneumocócica tem a maior taxa de sequela grave e morte. O objetivo deste estudo foi avaliar o impacto da vacina pneumocócica conjugada 10-valente (PCV10) sobre as taxas de morbidade e mortalidade devido à meningite pneumocócica entre crianças brasileiras com idade ≤ 2 anos de 2007-2012. Trata-se de um estudo exploratório descritivo dos casos confirmados de meningite pneumocócica notificados ao Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). Para a análise estatística, foram definidos os períodos pré-vacinação (2007-2009) e pós-vacinal (2011-2012), com exceção de 2010 como o ano da introdução da vacina. Para avaliar o impacto da PCV10, foram comparadas as taxas de incidência e mortalidade durante os períodos pré e pós - PCV10. Foram identificados 1.580 casos de meningite pneumocócica e 430 óbitos em crianças ≤ 2 anos, durante o período de estudo. A incidência de meningite pneumocócica diminuiu 46% (p <0,05) de 3,41 por 100.000 durante o período pré-vacina para 1,84 por 100.000 após a vacinação, enquanto que as taxas de mortalidade declinaram 60% (p< 0,05) de 1,17 par 0,40/100.000 crianças ≤ 2 anos. As maiores reduções foram observadas entre as crianças de 6 a 11 meses idade, com uma redução de 76 % na incidência e de 84 % na mortalidade em 2012, apesar de 33% da média de letalidade entre os casos notificados em todo o período. Esta análise identificou os grupos etários com as mais altas taxas de notificação de meningite pneumocócica e compara a incidência relativa e taxas de mortalidade antes e após a introdução da vacina, fornecendo evidências preliminares de impacto da PCV10 sobre a síndrome de meningite pneumocócica dentro de dois anos da sua utilização para a vacinação de rotina na infância. ______________________________________________________________________________ ABSTRACT / Diseases caused by Streptococcus pneumoniae, including pneumonia, meningitis and sepsis, are important contributors to child mortality. The development of efficacious vaccines against pneumococcal disease have demonstrated its importance as the leading vaccine-preventable cause of infant mortality. Among pneumococcal disease, meningitis is the clinical syndrome with the highest case-fatality and mortality rates, especially in children. Among etiologies of bacterial meningitis, pneumococcal disease has the highest rate of severe sequella and fatality. The objective of this study was to assess the impact of 10-valent pneumococcal conjugate vaccines (PCV10) on the rates of morbidity and mortality due to pneumococcal meningitis among Brazilian children aged ≤ 2 years from 2007 to 2012. We conducted an exploratory descriptive analysis of the confirmed cases of pneumococcal meningitis reported to the Information System for Notifiable Diseases (SINAN). For statistical analysis, we defined pre-vaccine (2007-2009) and post-vaccine (2011-2012) periods, excluding 2010 as the year of vaccine introduction. To assess the impact of PCV10, we compared incidence and mortality rates during pre- and post-PCV10 periods. We identified 1580 cases of pneumococcal meningitis and 430 deaths of children ≤ 2 years during the study period. Incidence of pneumococcal meningitis decreased 46% (p< 0.05) from 3.41 per 100,000 during the pre-vaccine period to 1.84 per 100,000 after vaccination, while mortality rates declined 60% (p<0.05) from 1.17 to 0.40 per 100,000 children ≤ 2 years. The greatest reductions were observed in children from 6 to 11 month old, with a 76% reduction in incidence and 84% in mortality in 2012, despite average case-fatality rate (33%) of the reported cases throughout the period. This analysis identified the age band with highest pneumococcal meningitis notification rates and compares incidence and mortality rates before and after vaccine introduction, providing preliminary evidence of PCV10 impact on the syndrome of pneumococcal meningitis within two years of its use for routine childhood immunization.

Page generated in 0.0603 seconds