• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 4771
  • 124
  • 41
  • 4
  • Tagged with
  • 5020
  • 1921
  • 706
  • 579
  • 539
  • 535
  • 503
  • 494
  • 484
  • 472
  • 455
  • 426
  • 416
  • 405
  • 392
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

A linguagem operativa do direito e sua repercussão no exercício da advocacia

Bento, Heliete Rosa 2000 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico. Made available in DSpace on 2012-10-17T10:37:03Z (GMT). No. of bitstreams: 0Bitstream added on 2014-09-25T17:33:21Z : No. of bitstreams: 1 175108.pdf: 5858852 bytes, checksum: c9bf3cac8eea09f327d16732d6460cdd (MD5) O comportamento humano é função de uma cultura antes de ser uma singularidade. Uma cultura ou sociedade humana é um sistema complexo de produção que utiliza meios semióticos e virtuais (sistemas lingüísticos e psíquicos) para agir sobre forças naturais. Este processo produtivo que caracteriza uma cultura humana produz tanto a objetividade quanto a subjetividade, isto é, as formas materiais e as formas psicovirtuais da realidade. No interior de uma cultura, aquilo que se tem por realidade objetiva é o produto da atividade sócio-cultural que conecta e ativa forças e matérias naturais, meios de produção, signos da linguagem e agentes produtivos, num processo de produção que é sua objetividade biológica ou pessoal, pois o ser humano só pode existir no interior de sistemas lingüísticos ou exteriorização, relativa. O direito pode ser encarado sob diversas perspectivas, mas podemos destacar precisamente duas: como elemento de dominação ou como instrumento de promoção das transformações sociais. A lingüística nos ensina que não há termos precisos e valendo-se dessa realidade é que o discurso jurídico torna-se um instrumento de controle e ajuste do sistema social. A linguagem do direito, de certa forma, traduz a imagem mental dos que exercem ou convivem com esse tipo de atividade. É uma linguagem operativa, parecida com o Português (se nos referimos a advocacia brasileira) mas, ao mesmo tempo, diferente deste, visto que os significados das palavras têm, aí, um sentido bem específico, não comum ao jargão popular. O direito que tanto pode ser um ordenamento jurídico, como quer KELSEN (1988), como pode ser entendido como um conjunto de discursos: discurso dos legisladores, dos juízes, dos advogados, dos professores da área e de tantos operadores do direito. Disto resulta que o direito é também uma linguagem. Não se pretende analisar neste trabalho a linguagem da Ciência do Direito, atividade esta, desenvolvida pelos juristas-filósofos, mas tão somente refletir sobre a linguagem dos operadores do direito.
2

Disturbio especifico do desenvolvimento da linguagem : subtipos e correlações neuroanatomicas

Hage, Simone Rocha de Vasconcellos 2000 (has links)
Orientador: Marilisa Mantovani Guerreiro Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciencias Medicas Made available in DSpace on 2018-07-26T23:41:27Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Hage_SimoneRochadeVasconcellos_D.pdf: 38077391 bytes, checksum: 4e6c0b3bafc86eb94e2021d80b87aab9 (MD5) Previous issue date: 2000 Resumo: O objeto de estudo desta pesquisa foi o quadro denominado de Distúrbio Específico do Desenvolvimento da Linguagem (DEDL). Os objetivos foram: caracterizar as manifestações comunicativas lingüísticas e não-lingüísticas, considerando os diferentes tipos de DEDL, e correlacioná-las com alterações cerebrais detectadas através de exame de neuroimagem. Este estudo selecionou 13 crianças com DEDL. Também foram selecionadas 13 crianças com desenvolvimento normal da linguagem, as quais constituíram o grupo controle. Os 13 sujeitos com DEDL foram submetidos às avaliações neurológicas (clínica e por imagem), psicológica e fonoaudiológica (audiológica e específica de linguagem). Já as 13 crianças pertencentes ao grupo controle foram submetidas somente à avaliação de linguagem para obtenção de parâmetros de comparação. Três subtipos do DEDL foram encontrados, sendo eles: Distúrbio Fonológico-sintático, Distúrbio da Programação Fonológica e Distúrbio Léxico-sintático. Os sujeitos que não falavam foram classificados como apresentando Distúrbio Global, na medida que apresentaram alterações na expressão e compreensão da linguagem. Estudos de neuroimagem, particularmente RM, evidenciaram que o DEDL tem um substrato neuroanatômico na maioria dos pacientes. Três tipos de alterações neuroanatômicas foram encontradas: difusa - extensa polimicrogiria perisylviana bilateral (5 de 6 sujeitos apresentaram sinais pseudobulbäres); posterior - polimicrogiria parietal bilateral (3 sujeitos sem sinais pseudobulbäres); frontal - polimicrogiria frontal (1 sujeito com sinais pseudo-bulbares). Três sujeitos apresentaram RM normal (sem sinais pesudobulabares). Diante do espectro de gravidade das manifestações clínicas e do espectro de intensidade das imagens pela RM, pode-se correlacionar os achados e agrupar os sujeitos em dois sub- grupos: DEDL com manifestações clínicas mais graves e imagens evidenciando envolvimento cortical extenso, comprometendo de modo importante es regiões frontais (sujeitos: 2E, 3E, 4E, 6E, 11E, 12E, 13E) e DEDL com manifestações clínicas mais sutis e imagens normais ou evidenciando comprometimento cortical posterior (sujeitos: 1E, 5E, 7E, 8E, 9E, 10E) Abstract: Developmental language disturbance (DLD) was addressed in this study. Our purpose was: characterize the linguistic and non-linguistic communicative manifestations considering the different types of DLD and correlate the findings with abnormalities in the central nervous system detected by imaging studies. This study selected 13 children with DLD and 13 children with normal language development as a control group Only patients underwent neurological evaluation (clinical examination and neuroimaging exams), psychological assessment, audiologic and language evaluations. We found three DLD subtypes: phonologic- syntactic disturbance, phonologic programing disturbance and lexic-syntactic disturbance. Patients who could not speak were classified as having global disturbance because they had both comprehension and expression problems. Neuroimaging studies, particularly MRI, revealed abnormalities in the majority of our patients. Three different types of neuroanatomic alterations were seen: diffuse - extense bilateral perisylvian polymicrogyria (5 out of 6 patients had pseudobulbar signs); posterior - bilateral parietal polymicrogyria (3 patients with no paseudobulbar signs); frontal - frontal polymicrogyria (1 patient with pseudobulbar signs). Three patients had normal MRI (and no pseudobulbar signs). According to the spectrum of severity of the clinical manifestations and the spectrum of intensity of MRI imaging findings, we were able to subdivide patients in two groups: DLD with severe clinical manifestations and imaging showing extense cortical abnormalities, involving mostly forntal regions; DLD with subtle clinical manifestations and either normal imaging findings or neuroimaging exams showing posterior cortical abnormalities Doutorado Neurologia Doutor em Ciências Médicas
3

Mecanismos de indeterminação do agente : o fenomeno de apassivação na aquisição da linguagem

Perotino, Silvana 1995 (has links)
Orientador: Ester M. Scarpa Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos de Linguagem Made available in DSpace on 2018-07-20T19:08:45Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Perotino_Silvana_M.pdf: 15968645 bytes, checksum: 09eb0ac44e6cab3a673c32531116e471 (MD5) Previous issue date: 1995 Resumo: Baseado em dados de aquisição do português do Brasil, este estudo mostra que a criança usa diferentes recursos na expressão da indeterminação do agente. Nos dados linguísticos de uma criança, no período de três aos cinco anos de idade, aparece um número reduzido de passivas perifrásticas, podendo ser caracterízadas como fórmulas padronizadas/cristalizadas ("foi feito") da língua. Verificamos que a função de indeterminação do agente está sendo preenchida por construções alternativas como as ergativas, as perífTases verbais com a forma "estar + [V+ _do]" e as construções de tópico. Nas ergativas, as estruturas do tipo V+N, com o N pós-verbal correspondendo ao objeto afetado pela mudança de estado ou lugar, perfazem a quase totalidade das ocorrências. Com relação à segunda estrutura, a criança a usa geralmente nos contextos em que se marca o Aspecto imperfectivo resultativo do fato verbal referido. Ao empregar a construção de tópico, a criança destaca um outro N, que não o agente na posição inicial da sentença. Observamos que as construções sintáticas com a função de indeterrninar o agente também estão presentes na fala de seu interlocutor adulto. As poucas ocorrências de passivas perifTásticas encontradas na _ala do adulto vêm reforçar a idéia de que estas estruturas são mais representativas da modalidade escrita que da oralidade. É a profusão dos recursos de indeterminação do agente encontradas na produção linguística dessa criança que nos leva a questionar a hipótese de mapeamento cognitivo de estruturas linguíticas, ou seja, a que postula a noção de reversibilidade de pensamento (referida por Sinclair, 1973), no caso, como fundamental na produção da passiva. Os dados mostram que as soluções linguísticas encontradas pela criança para indeterminar o agente as diversas manifestações do fenômeno da apassivação - surgem nas situações dialógicas adulto-criança em que o agente responsável pela mudança ocorrida, muitas vezes a própria criança, não está mencionado. Neste sentido, poderíamos dizer que há situações de interlocução específicas (envolvendo a noção de agentividade) que estão contribuindo para a reorganização do sub-sistema linguístico da apassivação na fala da criança Abstract: Based on Brazilian Portuguese acquisition data, this study shows children using different resources of expression of agent indetennination. In a age-span ranging ITom 3 to 5 years old, there is a reduced number of periphrastic passive constructions ("foi feito") which can be characterized as standardized/crystallized formulae. The function ofthe agent indetennination is being fulfilled by altemative construction such as ergatives, verbal periphrasis with "estar +[ V + _do]" form and topic construction. In ergatives, V+N type structures, with N corresponding to the affected object through the change of state or place, make up most of occurences. In relation to the second structure, the child uses it in contexts in which the resultative imperfective Aspect of the referred verbal fact is marked. Using a topic construction, the child stands out another N, which is not the agent in initial position of the sentence. The syntactic constructions with agent indetennination are also current in the adult interlocutor. The few occurrences of perphrastic passive phrases found in the adult speech reinforce the idea that these structures are more representative of the written modality than the oral one. The profusion of agent indetermination resources found in this child's speech questions the hypothesis of cognitive mapping that postules the notion of thought reversibility (according to Sinclair, 1973). The data show that the linguistic solutions found by the child to indetennine the agent/subject appear in the adult-child dialogical situations in which the agent responsible for the occured change (many times the child itself), is not mentioned. In this way, we could say that are specific interlocution situations (including the notidn of agentivity) which contribute to passive linguistic subsystem reorganization in the child's speech Mestrado Mestre em Linguística
4

Causatividade : um estudo longitudinal de suas principais manifestações no processo de aquisição do portugues por uma criança

Figueira, Rosa Attie, 1948- 1985 (has links)
Orientador: Claudia de Lemos Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem Made available in DSpace on 2018-07-15T01:02:22Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Figueira_RosaAttie_D.pdf: 7447910 bytes, checksum: e22313691b2c367efbb840783b33d91d (MD5) Previous issue date: 1985 Resumo: Este é um estudo longitudinal observacional do desenvolvimento da expressão de causatividade na fala de uma criança brasileira, paulista, de classe média. Os dados analisados foram obtidos em diário e em sessões semanais de gravação de interação informal da criança com um adulto do ambiente familiar. As 109 sessões correspondentes a 82 h de gravação abrangem o período de 2;8 a 5 anos de idade. Com o objetivo de descrever e explicar as etapas de organização do subsistema de causatividade, a análise dos dados foi feita segundo uma abordagem interacionista-constr tivista. Constatou-se a presença de dois tipos de desvios envolvendo a expressão de causatividade: uso de um item não-causativo por um item causativo e uso de um item causativo por um item não-causativo. Tais desvios foram interpretados como relevando de um uso particular imposto à forma verbal, resultante da obliteração de uma oposição lexical, estando o foco de atenção sobre o objeto lingüístico colocado predominantemente sobre a ordem sintática. Ao longo do período observado, assistiu-se também à emergência da forma composta com lazer, cuja entrada no sistema em elaboração pode ser inicialmente associada à expressão de causa indireta, e só adiante a causa direta-manipulativa. Neste último emprego, teria exercido uma função intra-sistema (eficácia interna)precipitando a análise dos causativos lexicalizados, cuja entrada com estatuto de forma analisada vai se processar item por item, em diferentes momentos do processo. Paralelamente, pode-se observar que o desenvolvimento da noção de agentividade - central na construção deste subsistema - reflete ou deriva dos papéis experimentados na situação de interação. Assim, as conclusões deste trabalho apontam, de um lado, para o fato de que a aquisição do subsistema de causatividade consiste na organização de recursos expressivos distintos; e, de outro lado, para o fato de que a aquisição de tais recursos está intimamente ligada a situações de discurso instauradas em particulares contextos de interação verbal. De tal forma que, ao enfocá-los é preciso considerar simultaneamente os aspectos sintáticos, semânticos e pragmáticos do fenômeno Abstract: Not informed. Doutorado Doutor em Linguística
5

A expressão do FOXP2 : uma introdução ao estudo das relações entre genes e linguagem

Gonçalves, Renata Rocha Fernandes 2006 (has links)
A aquisição da linguagem é um processo invariavelmente dependente da exposição ao ambiente. Contudo, a mais famosa e controversa hipótese desenvolvida por Chomsky sustenta que a criança traz para o processo de aprendizagem da língua um conjunto de recursos específicos – a Gramática Universal – para superar a pobreza de estímulos do ambiente e construir uma gramática final adequada, composta por princípios universais e parâmetros fixados de acordo com a experiência na comunidade lingüística. A Gramática Universal é, assim, entendida como uma dotação genética, necessária, mas não suficiente, para a aquisição da linguagem. Para além da hipótese do inatismo – central à tradição gerativista – a relação entre genes e linguagem vem sendo investigada há muitos anos, com evidências significativas de transmissão hereditária e etiologia genética para diversos tipos de distúrbios de linguagem. Mais recentemente, em 2001, foi descoberto o primeiro caso de um gene, o FOXP2, implicado na habilidade de adquirir e desenvolver a fala e a linguagem. Este trabalho parte de uma introdução ao processo de aquisição da linguagem em uma perspectiva inatista (Capítulo I) para enfocar os aspectos centrais à organização biológica da faculdade da linguagem (Capítulo II), propondo, a partir da análise dos efeitos da mutação do gene FOXP2, uma discussão introdutória sobre como o estudo dos distúrbios do desenvolvimento da linguagem, avaliados a partir de suas características fenotípica e genotípica, pode contribuir para a exploração de questões fundamentais acerca do desenvolvimento lingüístico e cognitivo (Capítulo III). Language acquisition invariably depends on environmental exposure. However, Chomsky’s most famous and controversial hypothesis assumes that children bring to the process of language learning a set of specific resources – the Universal Grammar – in order to overcome difficulties imposed by poverty of stimulus and develop an adequate grammatical representation, composed of universal principles and parameters fixed by experience. Universal Grammar is, therefore, understood as a genetic make up, necessary but not sufficient for language acquisition. In addition to the innateness hypothesis – a central aspect of the generative tradition – the relationship between genes and language has been investigated for several years, with significant evidence of hereditary transmission and genetic etiology for various language disorders. More recently, in 2001, studies described the first case of a gene, FOXP2, thought to be implicated in our ability to acquire speech and language. This work begins with an introduction to the process of language acquisition according to the innateness hypothesis (Chapter I); this discussion is followed by a description of the main aspects concerning the biological organization of the language faculty (Chapter II). Finally, based on an analysis of the impact of the FOXP2 mutation, we present an introductory debate on how developmental language disorders, evaluated based on their phenotype and genotype, can contribute to the advancement of fundamental questions concerning linguistic and cognitive development (Chapter III).
6

Erro de pessoa : levantamento de questões sobre o equivoco em aquisição da linguagem

Carvalho, Gloria Maria Monteiro de 1995 (has links)
Orientador: Claudia Thereza Guimarães de Lemos Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem Made available in DSpace on 2018-07-20T11:44:31Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Carvalho_GloriaMariaMonteirode_D.pdf: 5564945 bytes, checksum: 22029e1edb3fb905e626b4bf20215bca (MD5) Previous issue date: 1995 Resumo: Propõe-se, neste trabalho, colocar em questão a naturalidade com que o erro tem sido tratado 'em Aquisição da Linguagem. Não se poderia contudo chegar a tal proposta sem um confronto com a questão de um saber atribuído ao sujeito cujo fundamento, segundo Pêcheux, se localiza na noção idealista pela qual a subjetividade é concebida como ponto de partida. Nessa posição clássica, o erro tem sido considerado como "falha" num saber prévio e esta, por sua vez, remete a questões mais amplas como à verdade e incompletude lógicas e, ainda, à dicotomia possível vs impossível linguístico. Na teoria Chomskiana, o possível ocupa um lugar central colocando-se como o eixo em tomo do qual se constituiu o saber totalizante da Gramática Gerativa. Foi em relação' a esse todo que teve lugar a discussão de posições teóricas em Aquisição da linguagem. Essa discussão retomou a questão da incompletude a qual é redefinida por Milner, no âmbito da linguística, em termos de um incessante retomo do equívoco sobre o todo da língua, desfazendo seus estratos, como acontece com o pronome eu que desfaz a divisão entre menção e uso, entre som e sentido. Na perspectiva aqui adotada, o erro é focalizado a partir da noção de "efeito de estranhamento" ou "efeito de enigma" provocado pela fala da criança, noção que é proposta por Teresa Lemos. A análise de alguns desses efeitos, percorrendo o caminho do significante, segundo a concepção de Cláudia Lemos, aponta para relações entre a "produção estranha" - "cadeia manifesta" - e "cadeias latentes" pertencentes a outros discursos, sendo levantadas, em tal percurso, questões que suspendem a univocidade de sentido atribuída à produção da criança pelo adulto (mãe ou investigador). Este estudo aponta, então, para a abordagem do erro em termos de um impasse o qual se localiza, inevitavelmente, no cruzamento entre saber e falta e que pode ser formulado nos seguintes termos: se de um lado, o não saber - isto, é o equívoco que se faz presente na fala da criança - somente pode ser apreendido por seus efeitos num saber, de outro lado é o próprio equívoco que suspende este saber Abstract: Not informed. Doutorado Doutor em Ciências
7

A expressão do FOXP2 : uma introdução ao estudo das relações entre genes e linguagem

Gonçalves, Renata Rocha Fernandes 2006 (has links)
A aquisição da linguagem é um processo invariavelmente dependente da exposição ao ambiente. Contudo, a mais famosa e controversa hipótese desenvolvida por Chomsky sustenta que a criança traz para o processo de aprendizagem da língua um conjunto de recursos específicos – a Gramática Universal – para superar a pobreza de estímulos do ambiente e construir uma gramática final adequada, composta por princípios universais e parâmetros fixados de acordo com a experiência na comunidade lingüística. A Gramática Universal é, assim, entendida como uma dotação genética, necessária, mas não suficiente, para a aquisição da linguagem. Para além da hipótese do inatismo – central à tradição gerativista – a relação entre genes e linguagem vem sendo investigada há muitos anos, com evidências significativas de transmissão hereditária e etiologia genética para diversos tipos de distúrbios de linguagem. Mais recentemente, em 2001, foi descoberto o primeiro caso de um gene, o FOXP2, implicado na habilidade de adquirir e desenvolver a fala e a linguagem. Este trabalho parte de uma introdução ao processo de aquisição da linguagem em uma perspectiva inatista (Capítulo I) para enfocar os aspectos centrais à organização biológica da faculdade da linguagem (Capítulo II), propondo, a partir da análise dos efeitos da mutação do gene FOXP2, uma discussão introdutória sobre como o estudo dos distúrbios do desenvolvimento da linguagem, avaliados a partir de suas características fenotípica e genotípica, pode contribuir para a exploração de questões fundamentais acerca do desenvolvimento lingüístico e cognitivo (Capítulo III). Language acquisition invariably depends on environmental exposure. However, Chomsky’s most famous and controversial hypothesis assumes that children bring to the process of language learning a set of specific resources – the Universal Grammar – in order to overcome difficulties imposed by poverty of stimulus and develop an adequate grammatical representation, composed of universal principles and parameters fixed by experience. Universal Grammar is, therefore, understood as a genetic make up, necessary but not sufficient for language acquisition. In addition to the innateness hypothesis – a central aspect of the generative tradition – the relationship between genes and language has been investigated for several years, with significant evidence of hereditary transmission and genetic etiology for various language disorders. More recently, in 2001, studies described the first case of a gene, FOXP2, thought to be implicated in our ability to acquire speech and language. This work begins with an introduction to the process of language acquisition according to the innateness hypothesis (Chapter I); this discussion is followed by a description of the main aspects concerning the biological organization of the language faculty (Chapter II). Finally, based on an analysis of the impact of the FOXP2 mutation, we present an introductory debate on how developmental language disorders, evaluated based on their phenotype and genotype, can contribute to the advancement of fundamental questions concerning linguistic and cognitive development (Chapter III).
8

Silvestre Pinheiro Ferreira : a sua contribuição para a filosofia da linguagem

Pregitzer, Maria Elsa 1990 (has links)
No description available.
9

Confluências das línguas caboverdiana e portuguesa : perspectiva interdisciplinar

Lima, Maria de Lourdes Santos 2000 (has links)
A realidade linguística de Cabo Verde descreve-se enquanto confluência das línguas caboverdiana e portuguesa. No presente trabalho, fundamentado e baseado em trabalho de campo e pesquisa de material inédito, estuda-se o modo como se processa a convivência das duas línguas que, nesse espaço nacional disfrutam de estatutos diferenciados (língua oficial "versus" língua nacional). Numa visão tão abrangente quanto o permite a devida profundidade no tratamento do tema, apresentam-se os usos das línguas em presença, através de levantamento - em cuja metodologia confluem métodos das áreas da linguística e os de outras Ciências Ssociais pertinentes. Baseado no exame tão exaustivo quanto possível da produção teórica existente neste campo.
10

Significado e linguagem em Paul Grice

Barbosa, António Jorge Castro 2010 (has links)
Neste trabalho procura-se apresentar os elementos fundamentais da teoria da linguagem de Paul Grice. É apresentada a análise básica do significado no âmbito da qual Grice fala do significado do locutor, e são discutidas a suficiência e necessidade dessa análise. Relaciona-se também o significado das palavras com o significado do locutor. De seguida, aborda-se a teoriagriceana da conversação, onde se inclui a noção crucial de implicatura. Faz-se também uma breve contextualização da teoriagriceana do significado, comparando-a com as teorias de Wittgenstein e Chomsky. Ao encarar a conversação como um empreendimento racional, intencional e interpessoal, regido por um Princípio Cooperativo, Grice está a tentar esclarecer o mistério relativo à aceitação de regras na utilização da linguagem. Procurou-se mostrar que a primazia da função comunicativa da linguagem pode ter excelentes resultados teóricos.

Page generated in 0.0562 seconds