Return to search

Straight edge: uma genealogia das condutas na encruzilhada do punk

Straight edge é a palavra utilizada para descrever os sujeitos que, em suas vidas cotidianas, aliam-se ao punk de modo a não utilizarem substâncias consideradas viciantes, como álcool, tabaco e psicoativos. Seus começos derivam do final da década de 1970 e começo da década de 1980 nos Estados Unidos. No entanto, a análise genealógica de suas práticas atravessa os séculos, remontando aos movimentos abstêmios dos Estados Unidos e da Inglaterra entre os séculos XIX e XX e seu lastro na formação da moral, infundindo na elaboração de políticas que determinariam condutas. Com o surgimento do punk na década de 1970 como crítica aos moralismos, à sociedade e ao Estado, o straight edge emerge neste contexto trazendo uma higienização do punk e, com o passar dos anos, se tornou mais violento e reducionista, desvinculando-se de sua protoforma e vertendo novos meios para se construir e se solidificar. O straight edge aproximou-se dos movimentos ambientalistas, procurando elencar aspectos anarquistas em sua prática, mas reiterou apenas outras formas políticas que vinculam-se mais a progressismos que, de fato, aos anarquismos. Neste intento, vários straight edgers que procuraram os anarquismos como forma de vida, romperam com o straight edge para dar prosseguimento a sua trajetória libertária, e mantiveram, ao mesmo tempo, as práticas abstêmias sem o uso da nomenclatura que os identificava anteriormente. No Brasil, semelhantemente ao ocorrido nos Estados Unidos e na Europa, a intensificação da cena straight edge trouxe, ainda, o irrompimento de células anarquistas para a construção de um grupo de orientação vegana apropriando-se de uma nomenclatura anarquista para sua consolidação entre jovens libertários, causando não apenas a balbúrdia entre seus pares, mas capturas dos anarquismos e do punk

Straight edge is the word used to describe persons who, in their everyday lives, are allied to the punk to not use substances considered addictive as alcohol, tobacco and psychoactive. Its beginnings derive from the late 1970s and early 1980s in the United States. However, the genealogical analysis of their practices through the centuries, going back to abstainers movements of the United States and England between the nineteenth and twentieth centuries and its ballast in the formation of moral, instilling in policy that determine behavior. With the emergence of punk in the 1970s as criticism of moralism, society and the state, the straight edge emerges in this context bringing a punk hygiene and, over the years, has become more violent and reductionist, emancipating itself from protoform and pouring a new ways to build and to solidify. The straight edge approached the environmental movements, looking to list anarchist aspects in their practice, but only reiterated other political forms that are linked more to progressivism that, in fact, to anarchism. In this purpose, several straight edgers who sought anarchism as a way of life, broke with the straight edge to proceed their libertarian path, and kept at the same time, the practical abstainers without the use of the nomenclature that identified previously. In Brazil, similar to what happened in the United States and Europe, the intensification of the straight edge scene brought also the anarchist cells of eruption for the construction of a group of vegan orientation appropriating an anarchist nomenclature for its consolidation among young libertarians causing not only the bedlam among their peers, but catches of anarchism and punk

Identiferoai:union.ndltd.org:IBICT/oai:agregador.ibict.br.BDTD_PUCSP:oai:leto:handle/2512
Date9 March 2015
CreatorsFernandes, Walisson Pereira
ContributorsPassetti, Edson
PublisherPontifícia Universidade Católica de São Paulo
Source SetsIBICT Brazilian ETDs
LanguagePortuguese
Detected LanguageEnglish
Typeinfo:eu-repo/semantics/masterThesis, info:eu-repo/semantics/publishedVersion
Formatapplication/pdf
SourceFernandes, Walisson Pereira. Straight edge: uma genealogia das condutas na encruzilhada do punk. 2015. 266 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015., reponame:BDTD, instname:PUC_SP
Rightsinfo:eu-repo/semantics/openAccess

Page generated in 0.0023 seconds