Return to search

O meu pai não me deu mestre, minha mãe não me ensinô, não sei por quem eu puxei, violeiro e cantadô : memórias de um caiçara fandangueiro de Guaraqueçaba, PR

Orientador : Prof. Dr. Manoel Flores Lesama / Coorientador : Prof. Dr. Eduardo Harder / Tese (doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Setor Litoral, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial Sustentável. Defesa: Matinhos, 27/03/2017 / Inclui referências : p. 246-262 / Resumo: Proibido no século XVI, tendo historicamente sofrido descaracterização frente a erudição cultural em séculos posteriores, depois mapeado como folclórico, o Fandango Caiçara, no século XXI é reconhecido como Patrimônio Imaterial do Brasil, atuando como forte instrumento de reafirmação da identidade do Caiçara, povo tradicional que, habitando áreas naturais, enfrenta restrições em seu modo de vida, bem como na continuidade de manifestações de sua cultura. As ações que pautaram o seu 'resgate', primeiramente na década de 1960 e fortemente a partir dos anos 1990, já em centros urbanos, se configuraram em formação de grupos que, obedecendo caraterísticas técnicas e artísticas o moldaram, em muitos casos, como espetáculo cultural, em partes afastando-o de costumes inerentes em sua realização quando ainda no 'sítio'. A autobiografia por ora apresentada trata-se das memórias e reflexões de um caiçara, guaraqueçabano e fandangueiro que entende sua cultura não apenas moldada pelo agente externo que prioriza o espetáculo artístico, mas sim engendrada num sistema de relações ambiental-social-cultural que ultrapassam o palco, figurino e ou maquiagem e constantemente apresenta-se como ferramenta de empoderamento e reafirmação da identidade do caiçara. Palavras-Chave: Fandango Caiçara; Patrimônio Cultural; Espetacularização da Cultura; Autobiografia; Guaraqueçaba / Abstract: Forbidden in the sixteenth century, having historically suffered decharacterization against cultural erudition in later centuries, later mapped as folkloric, Fandango Caiçara, in the 21st century is recognized as Intangible Heritage of Brazil, acting as a strong instrument to reaffirm the identity of Caiçara, a traditional people Who, inhabiting natural areas, faces restrictions on their way of life, as well as on the continuity of manifestations of their culture. The actions that guided their rescue, first in the 1960s and strongly since the 1990s, already in urban centers, were formed into groups that, obeying technical and artistic characteristics shaped it, in many cases, as a spectacle Cultural, in parts away from the customs inherent in its realization while still in the 'place'. The autobiography presented here is about the memories and reflections of a caiçara, guaraqueçabano and fandangueiro who understands their culture not only shaped by the external agent that prioritizes the artistic spectacle, but is engendered in a system of environmental-social-cultural relations that surpasses the Stage, costumes and or make-up and constantly presents itself as a tool for empowerment and reaffirmation of the identity of the caiçara Word-key: Fandango Caiçara; Cultural heritage; Spectacularization of Culture; Autobiography; Guaraqueçaba

Identiferoai:union.ndltd.org:IBICT/oai:dspace.c3sl.ufpr.br:1884/52611
Date January 2017
CreatorsMuniz, José Carlos
ContributorsHarder, Eduardo, Universidade Federal do Paraná, Setor Litoral, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial Sustentável, Lesama, Manoel Flores
Source SetsIBICT Brazilian ETDs
LanguagePortuguese
Detected LanguagePortuguese
Typeinfo:eu-repo/semantics/publishedVersion, info:eu-repo/semantics/doctoralThesis
Format278 p. : il. algumas color., application/pdf
Sourcereponame:Repositório Institucional da UFPR, instname:Universidade Federal do Paraná, instacron:UFPR
Rightsinfo:eu-repo/semantics/openAccess
RelationDisponível em formato digital

Page generated in 0.0112 seconds