Return to search

O “retalho” do comércio: a política partidária, a comunidade portuguesa e a nacionalização do comércio a retalho, Pernambuco 1830- 1870

Submitted by Marcelo Andrade Silva (marcelo.andradesilva@ufpe.br) on 2015-03-05T19:51:04Z
No. of bitstreams: 2
Bruno Câmara - Tese 2012.pdf: 9092048 bytes, checksum: 962d593cca9d240c8b7fe6833a0ec718 (MD5)
license_rdf: 1232 bytes, checksum: 66e71c371cc565284e70f40736c94386 (MD5) / Made available in DSpace on 2015-03-05T19:51:04Z (GMT). No. of bitstreams: 2
Bruno Câmara - Tese 2012.pdf: 9092048 bytes, checksum: 962d593cca9d240c8b7fe6833a0ec718 (MD5)
license_rdf: 1232 bytes, checksum: 66e71c371cc565284e70f40736c94386 (MD5)
Previous issue date: 2012 / CNPq, CAPES / O antilusitanismo e as manifestações pela nacionalização do comércio foram constantes na
província de Pernambuco, durante o século XIX. O tema, quando não estava estampado nos
jornais e periódicos da época, estava presente nas ruas, na forma de violentos matamarinheiros,
onde portugueses eram espancados e as casas de comércio sofriam saques. Entre
as décadas de 1830 a 1870, a questão esteve na pauta das bancadas do partido liberal e de
outras facções políticas. O ápice da discussão se deu nos meses que antecederam a Insurreição
Praieira, quando o deputado Nunes Machado propôs o projeto mais radical, nacionalizando de
uma única vez o ramo do comércio a retalho. O tema tinha grande popularidade. No
parlamento e em algumas assembléias provinciais ocorreram tentativas de se criar impostos
restringindo a entrada de estrangeiros como caixeiros de comércio. Na contramão desse
processo, a comunidade portuguesa do Recife cresceu e se consolidou como um grupo
economicamente importante, com influência no poder e na política partidária. Para avaliar a
chamada “influência lusitana” e a sua importância é necessário uma pesquisa minuciosa dos
membros que compunham essa comunidade e suas redes de solidariedade e o seu poder
dentro e fora da província. Por outro lado, quase todas as políticas em prol da inclusão do
trabalhador nacional no comércio foram abafadas pela questão maior da imigração e da
manutenção de capitais estrangeiros. A nacionalização foi feita, mas de forma lenta e com a
presença desses portugueses e de outros estrangeiros, num processo que teve origem em
vários pontos: a naturalização desses comerciantes, o legado comercial deixado aos filhos já
brasileiros, a redução do contingente de imigrantes e do fluxo de empregados estrangeiros que
renovava os quadros no comércio, bem como o fim da perspectiva de ascensão social e
econômica por meio da profissão de caixeiro. A presente tese procura discutir a política
partidária em torno dos projetos de nacionalização do comércio, em diferentes conjunturas
políticas pelas quais passou a província. Esse processo também contou com a participação da
comunidade portuguesa, que se organizou para a manutenção de seus interesses econômicos.

Identiferoai:union.ndltd.org:IBICT/oai:repositorio.ufpe.br:123456789/10974
Date31 January 2012
CreatorsCâmara, Bruno Augusto Dornelas
ContributorsCarvalho, Marcus Joaquim Maciel de
PublisherUniversidade Federal de Pernambuco
Source SetsIBICT Brazilian ETDs
LanguageBreton
Detected LanguagePortuguese
Typeinfo:eu-repo/semantics/publishedVersion, info:eu-repo/semantics/masterThesis
Sourcereponame:Repositório Institucional da UFPE, instname:Universidade Federal de Pernambuco, instacron:UFPE
RightsAttribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Brazil, http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/, info:eu-repo/semantics/openAccess

Page generated in 0.0151 seconds