Return to search

O discurso da revista Crescer na normatização da sexualidade feminina na gravidez

Made available in DSpace on 2014-06-12T23:00:29Z (GMT). No. of bitstreams: 2
arquivo729_1.pdf: 1068821 bytes, checksum: a36623222a81c435a345a829bfcb322d (MD5)
license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5)
Previous issue date: 2010 / Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior / Nas últimas décadas a sexualidade na gravidez vem ganhando espaço na mídia. A barriga outrora escondida vem aparecendo sensualizada através de novos enunciados sobre a sexualidade da mulher grávida. As revistas para mãe e grávidas tem sido um dos espaços midiáticos de produção dos novos discursos. Nesse sentido, este trabalho buscou identificar em que medida os discursos sobre sexualidade na gravidez, produzidos pela revista Crescer, rompem com antigos padrões normativos em torno da sexualidade feminina. Procurou ainda identificar as tensões e contradições entre sexualidade e maternidade e analisar como a revista posiciona homens e mulheres discursivamente em torno da sexualidade na gravidez. A presente pesquisa dialoga com o universo das ciências sociais e humanas e se afilia aos estudos da Psicologia Social. Tomando como norte epistemológico o Construcionismo Social, este trabalho pretende contribuir para uma melhor compreensão das relações de poder, que perpassam a construção da sexualidade feminina. Para análise dos dados, foi adotado o referencial metodológico das práticas discursivas e as ferramentas foucaultianas para a análise do discurso. O corpus da pesquisa foi composto pelas matérias produzidas pela revista Crescer, sobre o tema da sexualidade na gravidez, no período de janeiro de 1993 a janeiro de 2009. A análise dos dados aponta que a sexualização da gravidez pertence a uma nova tecnologia de poder, que entrelaça saberes médicos e psicológicos para produzir novas normativas sobre a sexualidade feminina. A partir do discurso do bem-estar, o sexo é visto como forma de manutenção do vínculo conjugal. O corpo grávido é sensualizado a partir de um padrão de beleza não-grávido, que reproduz a fragmentação mulher-mãe. Apesar dos novos enunciados, o homem continua sendo posicionado como sujeito desejante e a mulher como objeto do desejo, atualizando antigas relações de poder

Identiferoai:union.ndltd.org:IBICT/oai:repositorio.ufpe.br:123456789/8503
Date31 January 2010
CreatorsFlavia Leite Cortez, Ana
Contributorsde Lourdes Meira Cordeiro, Rosineide
PublisherUniversidade Federal de Pernambuco
Source SetsIBICT Brazilian ETDs
LanguagePortuguese
Detected LanguagePortuguese
Typeinfo:eu-repo/semantics/publishedVersion, info:eu-repo/semantics/masterThesis
Sourcereponame:Repositório Institucional da UFPE, instname:Universidade Federal de Pernambuco, instacron:UFPE
Rightsinfo:eu-repo/semantics/openAccess

Page generated in 0.0038 seconds