Return to search

Interação microfitobentos X copepoda harpacticoida em área estuarina do canal de Santa Cruz - Recife

Made available in DSpace on 2014-06-12T23:02:49Z (GMT). No. of bitstreams: 2
arquivo8269_1.pdf: 698382 bytes, checksum: 4926e77ff1d70c1c55c59f5380ae6582 (MD5)
license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5)
Previous issue date: 2007 / Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico / Os Harpacticoida participam de processos importantes do bentos porém suas
interações específicas com os produtores primários ainda são pouco
conhecidas. Este trabalho verificou a seletividade dos Harpacticoida sobre as
microalgas e se a distribuição em microescala dos mesmos é influenciada pela
distribuição dessas microalgas. Em laboratório realizou-se um experimento,
onde as microalgas e quatro espécies de Harpacticoida (Cletocamptus deitersi;
Mesochra sp.; Robertsonia mourei; Metis holothuriae) foram isoladas e
cultivadas a partir de amostras de sedimento e de água coletadas em
10/08/2006, durante baixa-mar, no mediolitoral do Canal de Santa Cruz. O
tempo de pastagem dos Harpacticoida sobre as microalgas foi de 24hs. No
mesmo dia e local, foram coletadas amostras de sedimento, com 25 seringas
contíguas (1,3cm2), em um centímetro de profundidade para verificar a relação
microespacial in situ. A caracterização da área deu-se pelas variáveis: clorofilaa;
feopigmentos; percentual de silte/argila; conteúdo de matéria orgânica e
salinidade. Em laboratório, diferenças significativas (Mann-Whitney, p=0,0104)
foram observadas para as densidades das microalgas Diploneis bombus e
Navicula longa na presença de Mesochra sp. e no controle final. Na presença
de R. mourei observou-se diferenças significativas (M-W, p=0,0104),
comparando com o controle final, para Navicula sp., Tryblionella coarctata e
Tryblionella punctata. Diferenças significativas (M-W, p=0,0104), para Cymbella
sp.1, Cymbella sp.2 e Gomphonema sp., foram observadas na presença de C.
deitersi e no controle final. M. holothuriae não determinou diferenças
significativas para nenhuma espécie de microalga. Mesochra sp., R. mourei, C.
deitersi, mostraram seletividade para as microalgas e o tamanho das mesmas
parece influenciar esta seleção, assim como outros fatores podem explicar
porque algumas microalgas não são ingeridas. Quanto a microdistribuição
espacial, tanto o grupo Harpacticoida (rs=0,542; p=0,005) como C. deitersi
(rs=0,0572; p=0,003) se correlacionaram significativamente com Gomphonema
sp. Apesar dos Harpacticoida selecionarem microalgas, as correlações não
demonstram de forma inequívoca a influência espacial desta seletividade. A
abundância do alimento, a distribuição vertical no sedimento das microalgas e
dos Harpacticoida, a predação de níveis tróficos superiores, entre outros
fatores, podem fazer com que simples correlações não determinem claramente
a influência das microalgas na distribuição microespacial dos Harpacticoida

Identiferoai:union.ndltd.org:IBICT/oai:repositorio.ufpe.br:123456789/8837
Date January 2007
CreatorsLopes Trindade, Renata
ContributorsJorge Parreira dos Santos, Paulo
PublisherUniversidade Federal de Pernambuco
Source SetsIBICT Brazilian ETDs
LanguagePortuguese
Detected LanguagePortuguese
Typeinfo:eu-repo/semantics/publishedVersion, info:eu-repo/semantics/masterThesis
Sourcereponame:Repositório Institucional da UFPE, instname:Universidade Federal de Pernambuco, instacron:UFPE
Rightsinfo:eu-repo/semantics/openAccess

Page generated in 0.0014 seconds