Return to search

Antropologia, diversidade sexual e educação

Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Florianópolis, 2016 / Made available in DSpace on 2016-09-20T04:36:40Z (GMT). No. of bitstreams: 1
340494.pdf: 2530186 bytes, checksum: 8f6b22a3e064d1d44ee8d67123ef62e9 (MD5) / Esta dissertação pretende revelar como os processos econômicos, políticos e sócio-culturais, permitiram a constituição e a emergência das práticas discursivas de dez intelectuais mayas, interlocutoras neste trabalho. Além disso, coloca em evidência como os fatos de subjetivação e objetivação dessas mulheres tiveram um papel fundamental na construção de suas trajetórias bem como, de suas diversas estratégias de resistência e transgressão. Tais estratégias resultaram em uma profunda transformação pessoal, constituindo-se também em paradigmas diferentes para as próximas gerações de mulheres mayas e para a sociedade guatemalteca em geral. Adotei como ponto de partida os relatos de dez histórias de vida que tem como pano de fundo a violência extrema contra as mulheres vivida na cotidianidade guatemalteca. Destes relatos destacam-se as relações de poder, tendo como base teórica Michel Foucault, que as explica como uma força que coage, disciplina e controla os individuos através do aparato ideológico, burocrático e bélico. Essas relações de poder e suas diversas expressões serão enfatizadas a partir da intersecção com o gênero, a classe e a etnia, a fim de entender os nexos existentes entre as identidades dessas mulheres e seu trabalho político e intelectual. Epistemologicamente, a Antropologia Feminista é o eixo que guia esta etnografia, já que como ferramenta teórico-metodológica torna visível o lugar das mulheres, assim como também valoriza a questão da subjetividade e o significado da experiência individual, acadêmica e coletiva dos sujeitos da pesquisa. Paralelamente, como metodologia, revisou-se os aportes teóricos do modelo foucaulteano da #genealogia e arqueologia do saber#, para estabelecer a emergência das práticas discursivas. E, para alcançar este objetivo, se privilegiou a metodologia qualitativa, pois esta dá ênfase ao estudo dos processos sociais. Como parte da estratégia metodológica buscou-se trabalhar com a técnica de #Histórias de Vida e testemunhos#, portanto, no que se refere aos procedimentos metodológicos, cabe mencionar que a etnografia aqui não é apenas pensada como um conjunto de técnicas, mas sim como uma articulação entre dados empíricos e teóricos que acaba por fornecer, na fase final do trabalho, um texto de cunho antropológico. A importância deste estudo sobre as mulheres indígenas torna-se mais uma ferramenta para que se identifiquem eventos cotidianos de resistência e transgressão nos espaços rituais, políticos, acadêmicos, territoriais, sociais, étnicos e religiosos. Finalmente percebe-se que embora, as protagonistas desta etnografia se desenvolvam em um sistema dominante neoliberal, elas emergem com uma série de práticas discursivas, com as quais propõem e participam da construção de uma sociedade mais equitativa, enriquecendo e transformando o conteúdo simbólico, político e social das mulheres indígenas da Guatemala e, nesse sentido, das mulheres indígenas do mundo. Mulheres intelectuais mayas que como menciona Edwar Said (1996) desmistificam, que criticam, que estão sempre alertas à manipulação do poder e, sobretudo, lutam por sua independência intelectual, tanto através de seus espaços privados quanto públicos, onde elas transitam permanentemente. <br> / Abstract : This dissertation analyses how the matter of sexual diversity was implemented in governmental education policies and materialized as documents, programs and actions in the city of Lauro de Freitas (BA). The ethnography, which took place in the education system of a city known to be pioneer in gender and race politics in 2015, had as its field the Municipal Secretary of Education, a public elementary school and the local professor s labor union. For seven months, the method above was grounded in participant observation and interviews, as well as in the analysis of videos, social networks and documents that guide the municipal education. The collected data allowed me to observe the lack of public policies for education which address multiple expressions of gender and sexuality identities, here understood as "sexual diversity". What is happening in that city is the production of wider educational policies, the so called "diversity policies". However, if, on the one hand, there are gains such as a better support in local political discussions, on the other, there are losses in the construction of specific policies that include the needs of lesbians, gays, bisexuals, transsexuals and transgenders rights agenda. The insertion of the sexual diversity matter in schools is, thereby, understood, embraced and implemented with professor s intermediation. In conclusion, the Human Rights promotion and difference's acknowledgment is only possible in a perspective of equality, through public policies imbricated in collective actions of subjects that are articulated with the government. In this way, the school, as an institution that (re)produces prejudices, discriminations and sexist, misogynist and homophobic violence, can as well be a place of resistance, transformation and production of multiple sexualities.

Identiferoai:union.ndltd.org:IBICT/oai:repositorio.ufsc.br:123456789/167935
Date20 September 2016
CreatorsNunes, Virgínia de Santana Cordolino
ContributorsUniversidade Federal de Santa Catarina, Grossi, Miriam Pillar, Graupe, Mareli Eliane
Source SetsIBICT Brazilian ETDs
LanguagePortuguese
Detected LanguagePortuguese
Typeinfo:eu-repo/semantics/publishedVersion, info:eu-repo/semantics/masterThesis
Format214 p.| ils.
Sourcereponame:Repositório Institucional da UFSC, instname:Universidade Federal de Santa Catarina, instacron:UFSC
Rightsinfo:eu-repo/semantics/openAccess

Page generated in 0.4664 seconds