Return to search

Abrindo os códigos do tesão: encantamentos de resistência entre o transfeminismo pós-pornográfico

Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Florianópolis, 2015. / Made available in DSpace on 2016-10-19T12:57:10Z (GMT). No. of bitstreams: 1
337741.pdf: 2104122 bytes, checksum: 1ad2ad41fb5a4d62220c204ef76c6b48 (MD5)
Previous issue date: 2015 / Vinculada a ativismos queer e (trans)feministas, a pós-pornografia consiste num convite (artístico, erótico e político) para incitar corpos a se reapropriarem das tecnologias que operam o dispositivo da sexualidade, experimentando possibilidades de dissidência ao longo desse processo. A presente pesquisa é uma tentativa de responder a este convite, compondo uma cartografia situada desde minha corpa branca, de classe média, não-heterossexual e transgênera. As músicas, performances, fotos, oficinas e vídeos pós-pornograficos são aqui evocados não enquanto objetos , mas como personagens que se aliam à construção das minhas próprias ficções, derivando experimentações com a escritura que buscam interferir e (re)articular as normas de sexo e gênero que me cruzam. Opero o conceito da abertura de código , como um processo de mapear normatividades que costumam ser tomadas como naturais por aparelhos discursivos, farmacológicos e visuais da biomedicina, possibilitando estabelecer uma relação lúdica, erótica e criativa com tais tecnologias. Proponho que a póspornografia não é simplesmente uma ferramenta do (trans)feminismo, mas implica o exercício de outras éticas e formas de resistência políticas, pautadas desde modos de experimentação hedonistas que articulam o prazer como uma arma passível de responder às violências exercidas em nome da normalidade.<br> / Abstract : Connected to queer and (trans)feminists activisms, post-pornography works as an artistic,
erotic and political invitation, inciting bodies to reappropriate technologies that operates the sexuality dispositive, and to experience possibilities of dissent through such processes. This research is an attempt to respond such invitation, creating a cartography that locates through my white, middle class, non-heterosexual and transgender body. Postpornographical musics, performances, photos, workshops and videos are hereby evoked not as objects , but as characters, working as allies to my own fictions, deriving through writing experiences that interferes and (re)articulate those sex/gender norms by which I'm constructed. I operate through the concept of code opening , as a way to map normativities that are usually thought as natural by Biomedical discursive, pharmacological and visual tools making it possible
to establish playful, erotic and creative relations with such technologies. Postpornography seems to be more than a (trans)feminist tool , implicating the exercise of new ethics and political resistences, guided by hedonistic modes of experience which articulates pleasure as a weapon to respond against the violences that works in the name of normality.

Identiferoai:union.ndltd.org:IBICT/oai:repositorio.ufsc.br:123456789/169459
Date January 2015
CreatorsCabral, Arthur Grimm
ContributorsUniversidade Federal de Santa Catarina, Toneli, Maria Juracy Filgueiras
Source SetsIBICT Brazilian ETDs
LanguagePortuguese
Detected LanguagePortuguese
Typeinfo:eu-repo/semantics/publishedVersion, info:eu-repo/semantics/doctoralThesis
Format111 p.| il.
Sourcereponame:Repositório Institucional da UFSC, instname:Universidade Federal de Santa Catarina, instacron:UFSC
Rightsinfo:eu-repo/semantics/openAccess

Page generated in 0.015 seconds