Return to search

Metodologia para a otimização da manutenção de equipamentos e sistemas

Orientador: Carlos Amadeu Pallerosi / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Matematica, Estatistica e Computação Cientifica / Made available in DSpace on 2018-07-21T11:45:45Z (GMT). No. of bitstreams: 1
Santos_IsmarSimoesdos_M.pdf: 3591660 bytes, checksum: 528ddafc70e2c71d5ca0d3a9f990af8e (MD5)
Previous issue date: 1996 / Resumo: A maioria dos programas computacional de gerenciamento da manutenção possui um módulo com os dados históricos de manutenção dos equipamentos, mas não calculam a disponibilidade, confiabilidade e mantenabilidade destes equipamentos. Com o objetivo de criar um método para a otimização da manutenção, tendo como base os dados históricos dos equipamentos, o Sistema 7123 de Gerenciamento da Manutenção foi modificado para permitir o cálculo direto das estimativas dos parâmetros das distribuições dos tempos até falha e dos tempos até recolocação em serviço, através do programa computacional RAMP. O RAMP calcula .a disponibilidade, confiabilidade e mantenabilidade dos sistemas, equipamentos e componentes. com estes resultados e utilizando-se árvores lógicas de decisões, baseadas em conceitos confiabilísticos, pode-se manter ou melhorar a disponibilidade das plantas de processo, fazendo melhorias nas instalações e estabelecendo a freqüência e o tipo de manutenção (preventiva sistemática, preventiva preditiva, testes periódicos para detecção de falhas ocultas ou corretiva), mais econômicos e efetivos a serem aplicados. A manutenção preventiva sistemática, prática comum na atividade de manutenção para aumentar a confiabilidade e a disponibilidade dos equipamentos, somente em alguns casos específicos satisfaz este objetivo. A manutenção preventiva sistemática só aumenta a disponibilidade significativamente quando as taxas de falha são crescentes e o tempo médio até recolocação em serviço da manutenção preventiva é muito menor que o tempo médio até recolocação em serviço da manutenção corretiva. Uma forma mais abrangente de considerar a questão, quando a falha não tem efeito na segurança das operações, é considerar o custo operacional do equipamento. Neste caso a prática da manutenção preventiva sistemática tem se mostrado mais econômico quando as taxas de falha são crescentes e o custo da manutenção corretiva é muito maior que o custo, da manutenção preventiva sistemática. Quando uma falha pode comprometer a segurança operacional, o prazo de manutenção preventiva deve ser em função da desconfiabilidade máxima que se pretende assumir. / Abstract: Not informed. / Mestrado / Mestre em Qualidade

Identiferoai:union.ndltd.org:IBICT/oai:repositorio.unicamp.br:REPOSIP/306814
Date21 June 1996
CreatorsSantos, Ismar Simões dos
ContributorsUNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS, Pallerosi, Carlos Amadeu, 1940-, Petenate, Ademir José, Wada, Cicilia Yuko
Publisher[s.n.], Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica, Programa de Pós-Graduação em Qualidade
Source SetsIBICT Brazilian ETDs
LanguagePortuguese
Detected LanguagePortuguese
Typeinfo:eu-repo/semantics/publishedVersion, info:eu-repo/semantics/masterThesis
Format78f. : il., application/pdf
Sourcereponame:Repositório Institucional da Unicamp, instname:Universidade Estadual de Campinas, instacron:UNICAMP
Rightsinfo:eu-repo/semantics/openAccess

Page generated in 0.0309 seconds