Return to search

Comportamento de Biomphalaria glabrata variantes Albina e Melanica frente a infecção por schistosoma Mansoni

Orientador : Luiz Augusto Magalhães / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Biologia / Made available in DSpace on 2018-07-14T00:08:31Z (GMT). No. of bitstreams: 1
Allegretti_SilmaraMarques_M.pdf: 6511036 bytes, checksum: 4d3a915357351dbac82fa0b6b8ede347 (MD5)
Previous issue date: 1991 / Resumo: O trabalho teve como objetivo verificar as diferenças de comportamento exiswtentes entre Biomphalaria glabrata, variantes albina e melanica, em relação a susceptibilidade ao Schistosoma mansoni, atraves da observação da eliminação de cercarias por um periodo de 3 meses e a verificação das taxas de mortalidade nos moluscos controles e infectados Foi também objetivo do trabalho analisar a existencia de diferenças em numero de celulas estreladas e não estreladas nos diferentes periodos de infecção e observar, atraves de cortes histologicos, a evolução da infecção nos tecidos. Foram infextados moluscos Biomphalaria glabrata variantes albina e melanica da linhagem BH com Schistosoma mansoni da linhagem BH com a intenção de verificarmos qual as duas variantes era a variantes era a mias susceptivel ao parasita. Verificamos que houve maior numero de moluscos melanicos que eliminaram cercarias e por um tempo mais prolongado. Foi observado que houve uma interrupção precoce na eliminação de cercarias pelos moluscos albinos. A taxa de mortalidade dos moluscos infectados pertencentes a variante melanica também foi maior do que a observada na variante albina. Isto era esperado, em decorrencia dos danos provocados pelo parasita no molusco. A contagem das celulas da hemolinfa, feita nas diferentes horas, mostrou-nos que a variante albina possuiu um maior numero de celulas estreladas e não estreladas do que a variante melanica. A variante albina apresentou maior numero de celulas estreladas combateu mais eficientemente a infecção. Isto se explica pela capacidade destas celulas fagocitarem parasitas e qualquer corpo estranho que entre no organismo do molusco. Foi observado que no inicio da infecção houve uma queda do numero de amebocitos estrelados devido, provavelmente, a sua migração para os tecidos, com a finalidade de combater a infecção. Depois de um certo periodo observou-se um pico no numero de celulas nas duas variantes, o que pode significar que estas celulas podem ter retornado dos tecidos para a hemolinfa ou então que houve uma produção de celulas pelo APO. Pode ainda ter ocorrido uma combinação detas duas hipoteses. A analise da infecção nos tecidos teve como intenção principal verificar se havia diferença do comportamento dos amebocitos nas duas variantes. Observou-se que nas duas primeiras horas de infecção. houve dicreta reação amebocitaria ao redor da larva de Schistosoma mansoni em ambas as variantes, porem foram observados esporocistos degenerados com discreta reação amebocitaria, levando-nos a acreditar na existencia de fatores do plasma que atuariam na existencia de fatores do plasma que atuariam na morte dos esporocistos. Nos intervalos de tempo estudados, constatou-se maior numero de esporocistos degenerados na variante albina e maior numero de esporocistos integros na variante melanica. Comparando os resultados obtidos, em Biomphalaria glabrata, variantes albina e melanica, concluimos que os moluscos melanicos tiveram taxas de susceptibilidade e mortalidade maiores que os moluscos da variante albina. Os moluscos da variante albina apresentaram maior numero de celulas estreladas e não estrelados na hemolinfa circulante. Nos cortes histologicos havia maior numero de esporocistos degenerados na variante albina e maior numero de esporocistos integros na variante melanica. Por estes resultados, sugerimos que moluscos pertencentes a especie Biomphalaria glabrata, variante melanica de Belo Horizonte, infectados com Schistosoma mansoni simpatricos são mais susceptiveis que os moluscos da mesmo especie e origem, pertencentes a variante albina / Mestrado / Parasitologia / Mestre em Ciências Biológicas

Identiferoai:union.ndltd.org:IBICT/oai:repositorio.unicamp.br:REPOSIP/314947
Date02 July 1991
CreatorsAllegretti, Silmara Marques, 1963-
ContributorsUNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS, Magalhães, Luiz Augusto, 1932-2017
Publisher[s.n.], Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Biologia, Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas
Source SetsIBICT Brazilian ETDs
LanguagePortuguese
Detected LanguagePortuguese
Typeinfo:eu-repo/semantics/publishedVersion, info:eu-repo/semantics/masterThesis
Format[98]f. : il., application/pdf
Sourcereponame:Repositório Institucional da Unicamp, instname:Universidade Estadual de Campinas, instacron:UNICAMP
Rightsinfo:eu-repo/semantics/openAccess

Page generated in 0.0019 seconds