Return to search

Interação das toxinas Cry do Bacillus thuringiensis svar. israelensis com o mesêntero de larvas do vetor Aedes aegypti (Diptera: Culicidae) / Interaction of Cry toxins from Bacillus thuringiensis svar. israelensis with the mesenteron of the larvae of the vector Aedes aegypti (Diptera: Culicidae)

Made available in DSpace on 2012-05-07T14:43:55Z (GMT). No. of bitstreams: 2
license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5)
000004.pdf: 691391 bytes, checksum: c2676ae4df935413ee508028e9a02a22 (MD5)
Previous issue date: 2006 / O Bacillus thuringiensis svar. israelensis (Bti) é um importante entomopatógeno utilizado na produção de larvicidas para o controle do Aedes aegypti, vetor da dengue. A toxicidade do Bti está baseada no cristal, produzido durante a esporulação, que contém quatro protoxinas Cry11Aa (70 kDa), Cry4Aa (125 kDa), Cry4Ba (130 kDa) e Cyt1A (28 kDa). Sua ação ocorre através da ingestão dos cristais que são solubilizados no mesêntero, onde as protoxinas são liberadas e clivadas por serina-proteases em toxinas ativas que agem em sinergia no epitélio intestinal e provocam a morte das larvas. Apesar da alta seletividade do Bti, ainda não foi completamente elucidado como as toxinas Cry interagem com os receptores específicos presentes no epitélio das larvas. O objetivo principal do trabalho foi caracterizar, através de ensaios in vitro de natureza quantitativa, a capacidade de ligação de cada toxina Cry (4Aa, 4Ba e 11Aa) às preparações de microvilli intestinal (BBMF) de larvas de Ae. aegypti. Para tal, cada componente Cry foi produzido a partir de cepas recombinantes, Bt cepa 4Q2-81, para produção de biomassas. A atividade inseticida das biomassas para larvas do 3o/4o estádios foi determinada através de bioensaios e, outra parte da biomassa foi utilizada para a obtenção dos cristais. Os cristais contendo cada protoxina foram processados in vitro e uma amostra de cada uma delas foi marcada com iodo (I125). Para realizar os estudos de ligação foram feitas preparações BBMF, a partir de larvas do 3o/4o estádios. Os estudos da capacidade de ligação da toxina foram realizados através de ensaios de competição, de saturação e de cinética, através de incubações entre a toxina- I125 e preparações de BBMF, na ausência ou na presença de um competidor. (...) Os resultados obtidos mostraram que as toxinas Cry competem pelos mesmos sítios e partilham receptores presentes na BBMF. Em todos os casos estudados, a afinidade do complexo toxinareceptor não foi elevada, e não foi detectada sinergia entre as toxinas Cry para a ligação à BBMF. A ligação entre as toxinas-I125 e a BBMF é irreversível, e observou-se uma forte tendência à oligomerização nos três casos. Os resultados obtidos nesse trabalho sugerem que a toxicidade das toxinas Cry para larvas de Aedes está relacionada à etapa irreversível de ligação com os receptores, e não é caracterizada por um padrão elevado de afinidade do complexo toxina-receptor ...

Identiferoai:union.ndltd.org:IBICT/oai:www.arca.fiocruz.br:icict/3931
Date January 2006
CreatorsBeltrão, Henrique de Barros Moreira
ContributorsSilva-Filha, Maria Helena Neves Lobo
Source SetsIBICT Brazilian ETDs
LanguagePortuguese
Detected LanguagePortuguese
Typeinfo:eu-repo/semantics/publishedVersion, info:eu-repo/semantics/masterThesis
Sourcereponame:Repositório Institucional da FIOCRUZ, instname:Fundação Oswaldo Cruz, instacron:FIOCRUZ
Rightsinfo:eu-repo/semantics/openAccess

Page generated in 0.0018 seconds