Return to search

Gênero, saúde reprodutiva e trabalho: as formas subjetivas de viver e resistir às condições de trabalho Gender, reproductive health and I work: the subjective forms of to live and to resist to the work conditions

Made available in DSpace on 2012-09-06T01:12:30Z (GMT). No. of bitstreams: 2 license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) 547.pdf: 2216469 bytes, checksum: 2c11ae9d75b6e8cfd8f28a067989728a (MD5) Previous issue date: 2001

A presente proposta de estudo, inserida na problemática saúde e trabalho da linha de pesquisa Relações de Gênero, Precarização do Trabalho e Saúde desenvolvida no Centro de Estudos em Saúde do Trabalhador e Ecologia Humana/ENSP (CESTH) visa discutir a experiência subjetiva das trabalhadoras em relação à sua vida reprodutiva com uma abordagem que assegure sua voz, ou seja, seus sentimentos, referências e linguagem. O estudo tem como objetivo mostrar a importância da articulação entre gênero, saúde reprodutiva da mulher e trabalho. Neste sentido, a preocupação recai, especialmente, sobre a discussão das formas como as mulheres vivem e resistem às condições de trabalho potencialmente prejudiciais à saúde, incluindo-se a saúde reprodutiva. Tratamos do nexo saúde trabalho gênero considerando a pluralidade conceitual e metodológica respaldados nas discussões das novas dimensões em saúde e trabalho nas diferentes perspectivas analíticas dos temas gênero, sexualidade e saúde reprodutiva apoiados na abordagem da psicodinâmica do trabalho. Os procedimentos metodológicos incluem entrevistas individuais, história de vida tópica e análise documental, envolvendo gestantes do Programa da Gestante Trabalhadora, desenvolvida numa maternidade pública do Rio de Janeiro como um estudo preliminar e a análise dos elementos subjetivos dos modos de vida e trabalho de nove operárias da área de produção de uma indústria de fármacos do município do Rio de Janeiro através de suas narrativas, tendo a fonte oral como base de análise. A investigação proposta visa mostrar a formação da qualificação invisível , a construção de novos papéis de gênero, a discussão entre a violência doméstica e a violência no trabalho, a conciliação dos tempos de trabalho, a importância dos laços de cooperação para a defesa da saúde, como se deixa escapar o medo, o desenvolvimento da experiência prática, a conciliação entre gestação, maternidade e trabalho, e as formas de prazer no trabalho. Trata-se de um estudo analítico-exploratório que busca dar visibilidade às experiências femininas na relação saúde reprodutiva e trabalho de forma que contribua para pensar a fronteira entre a busca por saúde e o sofrimento impresso pelo cotidiano de vida e trabalho.

Identiferoai:union.ndltd.org:IBICT/oai:www.arca.fiocruz.br:icict/5347
Date2001
CreatorsOliveira, Ana Cristina Oliveira de
ContributorsBrito, Jussara Cruz de
Source SetsIBICT Brazilian ETDs
LanguagePortuguese
Detected LanguagePortuguese
Typeinfo:eu-repo/semantics/publishedVersion, info:eu-repo/semantics/masterThesis
Sourcereponame:Repositório Institucional da FIOCRUZ, instname:Fundação Oswaldo Cruz, instacron:FIOCRUZ
Rightsinfo:eu-repo/semantics/openAccess

Page generated in 0.0023 seconds