Return to search

Toxidade do nim (Azadirachta indica A. Juss.: Meliaceae) para Apis melifera e sua importância apícola na caatinga e mata litorânea cearense / Toxicity of neem (Azadirachta indica A. Juss.: Meliaceae) for Apis mellifera and its beekeeping importance in caatinga and coastal vegatations of Ceará

ALVES, José Everton. Toxidade do nim (Azadirachta indica A. Juss.: Meliaceae) para Apis melifera e sua importância apícola na caatinga e mata litorânea cearense. 2010. 141 f. Tese (doutorado em zootecnia)- Universidade Federal do Ceará, Fortaleza-CE, 2010. / Submitted by Elineudson Ribeiro (elineudsonr@gmail.com) on 2016-04-08T20:25:10Z
No. of bitstreams: 1
2010_tese_jealves.pdf: 1476115 bytes, checksum: 763c8a027ee7f984de55649684970c82 (MD5) / Approved for entry into archive by José Jairo Viana de Sousa (jairo@ufc.br) on 2016-05-25T21:45:33Z (GMT) No. of bitstreams: 1
2010_tese_jealves.pdf: 1476115 bytes, checksum: 763c8a027ee7f984de55649684970c82 (MD5) / Made available in DSpace on 2016-05-25T21:45:33Z (GMT). No. of bitstreams: 1
2010_tese_jealves.pdf: 1476115 bytes, checksum: 763c8a027ee7f984de55649684970c82 (MD5)
Previous issue date: 2010 / Neem (Azadirachta indica A. Juss.: Meliaceae) is a plant species originating in India introduced to Brazil mainly due to its insecticidal properties. However, the effect of such insecticidal properties on floral visitors, wild or reared, is not known. This study aimed to evaluate the toxicity of this plant species to Apis mellifera and its importance as a source of pollen and nectar for beekeeping. Experiments on the neem floral biology, floral visitors, A. mellifera colony development in areas with and without neem in the caatnga a coastal vegetations and larval and adult survivalship when fed with pollen or nectar of neem in controlled environment were carried out in the bee labs of the Universidade Federal do Ceará - UFC, Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA and private properties in the state of Ceará, Brazil. Results showed that all neem individuals studied bore bissexual flowers, with anthesis occurring around 16:00h and most flower buds presenting receptive stigmas and releasing pollen, though still unviable, 24h before anthesis. The highest pollen viability was observed at anthesis. Flowers of A. indica produced nectar in diminute amounts that did not allow sampling with capilars. Apis mellifera workers were the only floral visitors registered showing higher frequency early in the morning, when searching for pollen and nectar, and pollinating neem flowers. The wind played no role in neem pollination. Results also showed that honeybee colonies placed in the area with neem produced significantly (p<0.05) larger brood area than those palcedwhere neem was absent, both in caatinga and coastal vegetations. This difference was significanlty (p<0.05) greater in caatinga, where there were less natural resources during the dry season than in the coastal vegetation. Regarding brood mortality, that in caatinga with neem was higher (p<0.05) than thaof coastal vegetation with neem, and when compared within the same biome, brood mortality in colonies placed in areas with neem was significantly (p<0.05) higher than that in colonies of areas without neem. Despite brood mortality be higher in areas with neem, such mortality percentual was less than 10%, and within normal mortality parameters for honeybee brood. Under controlled environment, adult A. mellifera fed exclusively on neem were the ones with the shortest lifespan, but as neem was progressively replaced in the diet for other food sources, the worker lifespan increased. Flower odor per si did not produce repelence nor affect bee lifespan. Honeybee brood reared in artificial cups in the lab receiving larval food + neem pollen presented 100% mortality, significantly (p<0.05) higher than the other treatments (larval food, larval food + 100% pollen from other sources, larval food + 50% pollen from other sources + 50% neem pollen). It was concluded that the use of neem in association with other sources of pollen and nectar seems to estimulate colony growth due to the augment in food availability compensating, in populational terms, the increase in brood mortality. This effect seems to be inversally proportional to the scarcity of other floral resources, being as higher as shorter becomes the availability of other sources of pollen and nectar. However, both neem pollen and neem nectar are toxic for adults and larvas of A. mellifera, and it is not advisable its use as exclusive food source to these bees. Regarding other floral vistors of caatinga and coastal vegetation fauna, apparently neem does not constitute any threat or food resource, because no native species was observed exploiting this plant species. There is a need for further studies to determine safety levels for use of neem in beekeeping, to learn about other possible effects on A. mellifera individuals and colony and to investigate better the relationship of this plant species with native floral visitors. / O nim (Azadirachta indica A. Juss.: Meliaceae) é uma planta de origem indiana introduzida no território brasileiro principalmente devido às suas propriedades inseticidas. No entanto, não se sabe ainda como essas propriedades afetam os visitantes florais e seus possíveis efeitos sobre polinizadores silvestres e para a apicultura. O presente estudo objetivou, portanto, avaliar a toxicidade dessa espécie vegetal para Apis mellifera e sua importância como planta apícola. Para tanto, experimentos sobre a biologia floral da espécie, visitantes florais, desenvolvimento de colônias de A. mellifera em áreas com e sem nim nos bioma caatinga e mata litorânea e sobrevivência de larvas e adultos alimentados com pólen e/ou néctar de nim em ambiente controlado foram conduzidos no Laboratório de Abelhas da Universidade Federal do Ceará - UFC, no Laboratório de Apicultura da Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA e em propriedades particulares no Estado do Ceará. Os resultados mostraram que todos os indivíduos estudados de nim apresentaram flores bissexuadas, com antese por volta das 16 horas e que a maioria dos botões florais encontra-se com seus estigmas receptivos e suas anteras liberando pólen, ainda inviável, 24 horas antes da antese. A maior viabilidade do pólen ocorre no momento da antese. Foi encontrado néctar nas flores de A. indica, porém em quantidades diminutas que não permitiu a captura pelos tubos capilares. As abelhas Apis mellifera foram os únicos visitantes florais, apresentando maior freqüência logo nas primeiras horas do amanhecer, onde procuraram coletar néctar e pólen, sendo as responsávéis pela polinização do nim. O vento não apresentou influência na polinização. Os resultados mostraram que as colônias distribuídas na área com nim apresentaram uma população de crias significativamente maior (p<0,05) do que as dispostas na área sem nim, tanto na caatinga como na mata litorânea. Essa diferença foi siginificativamente maior (p<0,05) na caatinga, onde havia menos recursos naturais no período seco do ano, do que na mata litorânea. Quanto à mortalidade de larvas das colônias, a da caatinga com nim foi mais elevada (p<0,05) do que a da mata litorânea com nim, e quando comparadas dentro do mesmo bioma, a mortalidade das larvas das colônias nas áreas com nim foi significativamente superior (p<0,05) às das colônias colocadas nas áreas sem nim. Apesar da mortalidade das crias ter sido mais elevada em áreas com nim, este percentual de mortalidade geralmente foi inferior a 10%, valor limite considerado aceitável. Em ambinete controlado, adultos de A. mellifera que se alimentaram exclusivamente dos recursos florais de A. indica foram os que apresentaram menor tempo médio de vida. Verificou-se que na medida em que os recursos florais de A. indica eram substituídos por outras fontes alimentares na dieta, o tempo médio de vida aumentava. O simples odor das flores não apresentou efeito de repelência e não afetou a longevidade das operárias. As larvas de operárias de A. mellifera criadas em cúpulas artificiais, sob condições de laboratório, que receberam alimento larval juntamente com pólen exclusivo de A. indica tiveram mortalidade de 100%, sendo significativamente superior (p<0,05) à mortalidade das demais dietas (alimento larval, alimento larval + 100 % pólen diverso, alimento larval + 50% pólen diverso + 50% pólen de nim). Conclui-se então que o uso do nim associado à outras fontes de pólen e néctar parece estimular o desenvolvimento das colônias pelo acréscimo da oferta de alimento, compensando, em termos populacionais, o aumento da mortalidade larval. Esse efeito parece ser inversamente proporcional à escassez de outros recursos florais, sendo tão maior quanto menor for a disponibilidade de outras fontes de pólen e néctar. No entanto, tanto o néctar quanto o pólen do nim são tóxicos para adultos e larvas de A. mellifera, não sendo aconselhável o seu uso como fonte exclusiva de alimento para essas abelhas. No que se refere a outros visitantes florais da fauna da caatinga e mata litorânea cearense, aparententemente o nim não constitui ameaça ou recurso alimentar, haja vista que não foi verificada visitação por parte de qualquer espécie nativa. Há a necessidade de maiores estudos para determinar níveis seguros de utilização do nim na apicultura, conhecer outros possíveis efeitos sobre os indivíduos e colônia de A. mellifera e aprofundar o conhecimento da relação dessa planta com os visitantes florais nativos.

Identiferoai:union.ndltd.org:IBICT/oai:www.repositorio.ufc.br:riufc/17036
Date January 2010
CreatorsAlves, José Everton
ContributorsFreitas, Breno Magalhães
Source SetsIBICT Brazilian ETDs
LanguagePortuguese
Detected LanguagePortuguese
Typeinfo:eu-repo/semantics/publishedVersion, info:eu-repo/semantics/doctoralThesis
Sourcereponame:Repositório Institucional da UFC, instname:Universidade Federal do Ceará, instacron:UFC
Rightsinfo:eu-repo/semantics/openAccess

Page generated in 0.0038 seconds