• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 145
  • 3
  • 2
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • Tagged with
  • 150
  • 150
  • 106
  • 62
  • 54
  • 37
  • 17
  • 16
  • 14
  • 13
  • 12
  • 12
  • 11
  • 11
  • 11
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

O custo da incontinência urinária no Brasil- Experiência do serviço de Uroginecologia da UNIFESP / Brazilian costs of urinary incontinence – UNIFESP Uroginecology service experience

Araujo, Gabriela Tannus Branco de [UNIFESP] 27 May 2009 (has links) (PDF)
Made available in DSpace on 2015-07-22T20:50:28Z (GMT). No. of bitstreams: 0 Previous issue date: 2009-05-27. Added 1 bitstream(s) on 2015-08-11T03:25:28Z : No. of bitstreams: 1 Publico-00281.pdf: 184696 bytes, checksum: 7c5630a61f9f42fb87d74a4bfc363fe0 (MD5) / Introdução: A incontinência urinária feminina não é uma doença que ameaça a vidas das pacientes, mas consome recursos da paciente e do sistema de saúde e, no Brasil, pouco se sabe sobre quais são estes gastos e qual a ordem de grandeza dos mesmos.Objetivo: Estimar os custos diretos, médicos e não médicos, envolvidos no diagnóstico, tratamento da incontinência urinária feminina e cuidados diários de higiene das pacientes sob a perspectiva da fonte pagadora pública e das pacientes.Método: Estudo observacional prospectivo, por meio de ficha estruturada para a coleta de informações. Foram considerados os custos relativos ao diagnóstico e ao tratamento. Os custos foram avaliados sob a perspectiva do reembolso governamental e para os custos das pacientes os preços do varejo. Resultados: 645 pacientes foram avaliadas e o tempo médio para a procura de um serviço médico desde o início dos sintomas de incontinência até o início de tratamento foi de 5 anos. O rendimento mediano familiar mensal destas pacientes é de R{dollar} 800,00 e o gasto mensal mediano da paciente com a lavagem de roupas, por causa da incontinência urinária, foi estimado em R{dollar} 36,80. O diagnóstico das pacientes tem reembolso do SUS de R{dollar} 40,32 e o tratamento das pacientes tem reembolso mediano de R{dollar} 405,20 para as que realizam cirurgia e R{dollar} 129,32 para as sessões de fisioterapia. Conclusão: As pacientes com incontinência urinária despendem do próprio bolso R{dollar} 2.208,00 desde o início dos sintomas até o encaminhamento para tratamento e este valor pode ter impacto significativo no orçamento familiar desta pacientes. A estimativa conservadora de reembolso do governo para o diagnóstico e tratamento das pacientes avaliadas neste trabalho foi de R{dollar} 165.347,76. / Introduction: Female urinary incontinence isn’t a menace for the patients life, but consume the patients and heath system resources and, in Brazil, we know just a little about what is and how much is this expendures. Objective: Direct costs estimation, medical an non-medical, involved in diagnosis and treatment of female urinary incontinence, by the public health perspective, and hygiene daily care by the patients perspective. Method: A cross sectional prospective study was developed using a structured questionnaire. Costs of medical services (diagnostics and treatment) were considered. Resource use was valued using government reimbursement for hospital services and retail prices for the patient’s expendures. Results: 645 patients were evaluated. The mean times from the beginning of the symptoms until the treatment outcome was 5 years. The mean monthly familiar incomes is R{dollar} 800,00 and the mean patients expendure with laundry, because of the urinary incontinence, was estimated in R{dollar} 36,8. The Diagnosis for urinary incontinence received R{dollar} 40,32 reimbursed and the treatment had a mean reimbursement of R{dollar} 405,20 for the surgery and R{dollar} 129,32 for the physiotherapy sessions by the government. Conclusion: Female urinary incontinence have a estimated out-of-the-pocket expendure was R{dollar} 2.208,00 form the first symptoms moment until the treatment outcome and this value can be a high impact on the familiar budget. The conservative estimative of reimbursement by the government for the diagnosis and treatment of the evaluated patients is R{dollar} 165.347,76. / TEDE
2

Avaliação do controle pressórico de pacientes hipertensos em seguimento farmacoterapêutico de acordo com o índice de complexidade da farmacoterapia e análise de custo-efetividade / Evaluation of blood pressure control of hypertensive patients in pharmacotherapy follow-up according to the Complexity Index of Pharmacotherapy and costeffectiveness analysis

Rodrigues, Fernanda D'Athayde January 2015 (has links)
Introdução: A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é a principal responsável por eventos cardiovasculares na população. A baixa adesão ao tratamento medicamentoso leva ao baixo índice de controle da pressão arterial (PA) e aumenta os riscos de eventos cardiovasculares. A atenção farmacêutica (AF), uma prática profissional farmacêutica, da qual o seguimento farmacoterapêutico (SFT) é parte, visa melhorar não só a adesão à terapia medicamentosa, mas também melhorar a qualidade de vida dos pacientes. A complexidade da farmacoterapia associada à baixa adesão gera aumento nos custos com saúde e estão relacionados a complicações causadas pela HAS. Objetivos: Avaliar se a complexidade da farmacoterapia influencia os resultados obtidos com o SFT, em pacientes hipertensos de difícil controle, que receberam atendimento farmacêutico por, pelo menos, doze meses, no período de junho de 2005 a junho de 2013, e avaliar o custoefetividade do seguimento farmacoterapêutico dos pacientes do ambulatório de seguimento farmacoterapêutico do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), na perspectiva do Sistema Único de Saúde (SUS). Métodos: Consiste em uma coorte histórica com população aberta ou dinâmica dos pacientes referenciados ao Ambulatório de Hipertensão do Serviço de Cardiologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). Os dados foram coletados dos arquivos do Sistema de Atendimento do Ambulatório de Hipertensão e do seguimento farmacoterapêutico e do sistema de registros informatizado do hospital (AGHWEB). O artigo 1 consiste de uma coorte de pacientes hipertensos referenciados pela equipe médica para o Seguimento Farmacoterapêutico, no período de 1º junho de 2005 a 31 de junho de 2013. Utilizou-se o instrumento denominado índice de complexidade da farmacoterapia (ICFT), para quantificar a complexidade da terapia farmacológica nas prescrições de primeira consulta e na consulta após doze meses de SFT. Foram analisados os valores de pressão arterial na primeira consulta, e após doze meses de acompanhamento. Os desfechos avaliados foram o ICFT, nas duas consultas, categorizado em baixa, média e alta complexidade, a taxa de controle da pressão arterial sistólica (PAS), pressão arterial diastólica (PAD) e delta de PAS e PAD. O artigo 2 consiste em um estudo de custo-efetividade a partir de dados primários de uma coorte do Ambulatório de Hipertensão do Serviço de Cardiologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). O grupo exposto eram pacientes com HAS, referenciados pela equipe médica para SFT, a partir de 1º junho de 2005, tendo como tempo de acompanhamento 12 meses. Os não expostos foram acompanhados no mesmo período, e receberam apenas tratamento usual (consultas médicas e de outros profissionais, exceto o farmacêutico). Os desfechos de efetividade utilizados, redução de PAS e PAD, foram estimados em um estudo prévio dessa mesma coorte de pacientes. A análise econômica considerou os custos diretos ambulatoriais de consultas médicas, consultas com outros profissionais, exames, idas à emergência, procedimentos e internações registradas no sistema eletrônico do hospital (AGHWEB). O custo dos medicamentos levou em conta todos os medicamentos prescritos. Valores de exames, consultas ambulatoriais, internações, visitas à emergência e procedimentos médicos e cirúrgicos foram obtidos através da tabela de preços de serviços do SUS e os medicamentos do Banco de Preço do Ministério da Saúde da base SIASG. O horizonte temporal foi de doze meses. Os dados foram apresentados pela razão de custo-efetividade incremental de custo em reais/ mmHg reduzido de PAS e PAD. Análises de sensibilidade univariadas e multivariadas foram realizadas para avaliar a robustez dos achados em diferentes cenários. Resultados: O artigo 1 avaliou 213 pacientes hipertensos que receberam seguimento farmacoterapêutico. A média de idade foi de 62,0 ±11,8, sendo 72,8% dos pacientes do sexo feminino. O número de medicamentos, por paciente, foi 6,8 ±2,4. O ICFT foi calculado em relação ao tratamento, contabilizando todos os medicamentos utilizados pelos pacientes, sendo que a média foi de 16,8±6,6 na consulta basal e 17,1± 7,1 na consulta após doze meses (P=0,35). Houve redução nos níveis de PAS e PAD e nas taxas de controle da primeira para a segunda consulta, após 12 meses. A PAS variou de 162,8 (±20,1) mmHg para 148,8 (±17,8) mmHg (P <0,001), 169,9 (±24,1)mmHg para 155,8(±26,7) mmHg (P<0,001) e 165,1 (±23,7) mmHg para 152,1(±28,6) mmHg (P= 0,023) nas categorias baixa, média e alta complexidade, respectivamente. A taxa de hipertensão controlada (PA ≤ 140/90mmHg) elevou-se de 7,5% para 26,8% (P<0,001). Observou-se elevação estatisticamente significativa na taxa de controle de hipertensão antes e depois do seguimento farmacoterapêutico, nos grupos de média e alta complexidade e tendência no de baixa complexidade. O artigo 2 avaliou 213 pacientes que receberam SFT e 212 pacientes em tratamento usual. O custo médio anual dos pacientes em SFT foi de R$ 1707,09, enquanto no tratamento usual foi de R$ 1615,49, no horizonte de tempo analisado. O caso-base apresentou uma razão de custo efetividade incremental (RCEI) de R$ 3,46 por mmHg reduzido, enquanto para PAD foi R$ 7,63 por mmHg reduzido. Os gastos com medicamentos e internações foram os parâmetros de custos mais sensíveis nas análises univariadas. Para a análise multivariada, criaram-se cenários com as variáveis medicamentos disponibilizados no SUS, internações e redução de PAS e PAD. Os resultados variaram de dominados pelo SFT até um acréscimo de oito vezes a RCEI do caso base principal para PAS, e acréscimo de até dez vezes para PAD. Conclusão: No primeiro artigo, o seguimento farmacoterapêutico, juntamente com o atendimento médico usual, mostrou que, mesmo mantendo índices de complexidade da farmacoterapia iguais, foi efetivo na redução da PA desses pacientes de forma semelhante nos três grupos. O artigo 2 concluiu que SFT oferecido em serviço de atenção secundária para pacientes com hipertensão arterial de difícil controle e suspeita de baixa adesão ao tratamento mostrou-se custo-efetivo na perspectiva do SUS. / Introduction: Hypertension is mainly responsible for cardiovascular events in the population. The low adherence to drug treatment leads to low blood pressure control rate (PA) and increases the risk of cardiovascular events. The Pharmaceutical Care, a pharmaceutical professional practice which includes the pharmacotherapy follow-up, aims to improve not only adherence to drug therapy, but also increase the quality of life of patients. The complexity of pharmacotherapy is associated with low compliance that leads to an increase in healthcare costs associated with complications caused by hypertension. Objectives: To assess the impact of the complexity of pharmacotherapy in the results obtained with the Pharmacotherapy follow-up in difficult-to-control hypertensive patients receiving pharmaceutical care for at least twelve months from June 2005 to June 2013, and to assess the cost-effectiveness of pharmacotherapy follow-up of patients in the pharmacotherapy follow-up clinic of Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), considering the SUS perspective. Methods: The study consists of a historical cohort with open population of patients referred to the Hypertension Clinic of HCPA. Data were collected from the Hypertension Clinic System File, Pharmacotherapeutic Follow-up records and from the hospital's computerized records system (AGHWEB). Article 1 consists of a cohort of hypertensive patients referred by medical staff for pharmacotherapy follow-up, from 1th June 2005 until June 31, 2013. We used the instrument called pharmacotherapy complexity index (PCI) to quantify complexity of drug therapy in the first visit prescription and in the last visit after twelve months of followup. The blood pressure values in the first visit and after twelve months of follow-up were analyzed. The outcome measures were the PCI in each visit (categorized into low, medium and high complexity), the control rate of systolic blood pressure (SBP), diastolic blood pressure (DBP) and SBP and DBP delta. Article 2 consists of a cost-effectiveness study based on primary data from the same cohort. The exposed group were patients with hypertension referenced by the medical team for pharmacotherapy follow-up, from 1th June 2005, with 12 months of pharmacotherapy follow-up. The unexposed group was followed in the same period, and received only usual care (medical appointments and other professionals, except the pharmacist). The effectiveness outcomes were the reduction on SBP and DBP, which had been estimated in a previous study of the same cohort of patients. The economic analysis included the direct costs of outpatient visits with doctors, other professionals, exams, emergency visits, procedures and hospitalizations registered in the hospital electronic system. The drugs cost took into account all prescription drugs. Values of tests, outpatient visits, hospitalizations, visits to emergency and medical and surgical procedures were obtained from SUS services price list, and medicines from the prices bank of the Ministry of Health SIASG base. The time horizon was twelve months. The data were presented as incremental cost ratio in Real by each reduced mmHg in SBP and DBP. Univariate and multivariate sensitivity analyzes were performed to assess the robustness of the findings in different scenarios. Results: In article 1, 213 hypertensive patients who received pharmacotherapy follow-up were evaluated. The average age was 62.0 ± 11.8, and 72.8% were female. The number of drugs per patient was 6.8 ± 2.4. The PCI was calculated considering all medications used by patients, being 16.8 ± 6.6 at baseline and 17.1 ± 7.1 after twelve months (P = 00.35). There was a reduction in SBP and DBP levels and in the rates of controlled hypertension consultation after 12 months. The SBP ranged from 162.8 (± 20.1) mmHg to 148.8 (± 17.8) mmHg (P <0.001) in the low PCI, 169.9 (± 24.1) mmHg to 155.8 (± 26.7) mmHg (P <0.001) in the middle and from 165.1 (± 23.7) mmHg to 152.1 (± 28.6) mmHg (P = 0.023) in the highest complexity group. The rate of controlled hypertension (BP ≤ 140 / 90mmHg) increased from 7.5% to 26.8% (P <0.001). There was a statistically significant increase in hypertension control rates before and after the pharmacotherapeutic follow-up in the media and high complexity groups, and a trend in the low complexity group. In the second article, 213 patients evaluated in pharmacotherapeutic follow-up and 212 in the usual treatment were analyzed. The average annual cost of patients in pharmacotherapeutic follow-up was R $ 1,707.09 while the usual treatment was R $ 1,615.49 on the horizon of analysis time. The base case presented an incremental cost effectiveness ratio (ICER) of R $ 3.46 per mmHg reduced while for PAD, it was R $ 7.63 per mm Hg reduced. Spending on medicines and hospital costs were the most sensitive parameters in the univariate analyzes. Different scenarios were created for multivariate analysis regarding medicines available on the NHS, hospital admissions and reducing SBP and DBP. The results ranged from dominated by pharmacotherapeutic follow-up, to an increase of eight times in the main base-case ICER for SBP, and increased up to ten times for DBP. Conclusion: In the first article the pharmacotherapeutic follow-up along with the usual medical care showed that even keeping the same complexity index, it was effective in reducing BP across the three complexity groups. In the article 2, we concluded that pharmacotherapeutic follow-up offered in secundary care service to patients with difficult-tocontrol hypertension and suspected of poor adherence to treatment was cost-effective in the SUS perspective.
3

Esclerose múltipla no brasil : estudo de custo da doença e de custo-efetividade dos tratamentos disponíveis no país

Finkelsztejn, Alessandro January 2013 (has links)
Este é um estudo que envolveu dois objetivos: determinação do custo da Esclerose Múltipla no Brasil, considerando custos diretos e indiretos ao longo de 1 ano de vida; e determinação da relação de custo-efetividade dos tratamentos disponíveis no País em relação ao tratamento sintomático da doença. Foram aplicados questionários a 102 pacientes de um hospital universitário, e foram revisados seus respectivos prontuários. Todos os custos relativos à doença foram computados: consultas médicas, medicações de uso sintomático, terapia com imunomoduladores ou imunossupressores, internações, exames complementares realizados, custos de cuidadores, tratamento de pulsoterapia em hospital-dia e taxa de aposentadoria. Quanto aos aspectos de custo-efetividade, foi realizada uma modelagem de Markov no sentido de determinar os custos e os ganhos em QALYs de cada um dos tratamentos disponíveis para a EM no Brasil, ou seja, o beta-interferon 1b, beta-interferon 1a intramuscular, beta-interferon 1a sub-cutâneo, acetato de glatiramer, natalizumabe, e fingolimode. O custo geral de cada paciente com EM ao longo de 1 ano foi de R$ 22.648,12 , sendo que 0,4% foi devido a consultas médicas, 4,04% devido a custo de cuidadores, 0,3% devido a atendimento domiciliar, 1,66% a exames complementares, 0,3% a medicações sintomáticas, 0,3% a tratamento de pulsoterapia em hospital-dia, 0,4% a internações, e 92,3% a medicações específicas para EM (imunomoduladores e imunossupressores). Quanto aos resultados da análise de custo-efetividade, o caso-base, após 10 anos de tratamento, demonstrou que o natalizumabe foi o medicamento mais custo-efetivo (em QALYs) em relação a todos os demais tratamentos, seguido pelo fingolimode, porém às custas de uma razão custoefetividade incremental (RCEI) elevada. / This is a study with 2 objectives: calculation of the costs (direct and indirect costs) of Multiple Sclerosis (MS) in Brazil during a 1-year period ; and the calculation of the cost-effectiveness of fingolimod in Brazil. A hundred and two questionnaires were applied to MS patients in a tertiary hospital, and their respective medical registries were reviewed. All costs related to the disease were computed: medical consultations, symptomatic medications, immunonodulators or immunossupressants, admissions, complementary tests, day-hospital use, and rates of retirement. In relation to the cost-effectiveness aspects, there was performed a Markov modeling in order to determine the costs and QALYs gains for every available therapy in Brazil, obviously including fingolimod, that is not reimbursed in our country yet. The mean annual cost of a MS patient in Brazil is R$ 22.648,12. The relative participation of each particular cost in the mean annual cost is the following: medical consultations (0,4%), caregivers (4,04%), home care assistance (0,3%), complementary tests (1,66%), symptomatic medications (0,3%), day-hospital use (0,3%), admissions (0,4%), and specific medications for MS (92,3%). In relation to the cost-effectiveness analysis, the base-case after 10-year treatment, demonstrated that natalizumab was the most cost-effective drug when compared to any other treatment for MS, followed by fingolimod. Their respective ICERs were, however, elevated.
4

Avaliação do controle pressórico de pacientes hipertensos em seguimento farmacoterapêutico de acordo com o índice de complexidade da farmacoterapia e análise de custo-efetividade / Evaluation of blood pressure control of hypertensive patients in pharmacotherapy follow-up according to the Complexity Index of Pharmacotherapy and costeffectiveness analysis

Rodrigues, Fernanda D'Athayde January 2015 (has links)
Introdução: A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é a principal responsável por eventos cardiovasculares na população. A baixa adesão ao tratamento medicamentoso leva ao baixo índice de controle da pressão arterial (PA) e aumenta os riscos de eventos cardiovasculares. A atenção farmacêutica (AF), uma prática profissional farmacêutica, da qual o seguimento farmacoterapêutico (SFT) é parte, visa melhorar não só a adesão à terapia medicamentosa, mas também melhorar a qualidade de vida dos pacientes. A complexidade da farmacoterapia associada à baixa adesão gera aumento nos custos com saúde e estão relacionados a complicações causadas pela HAS. Objetivos: Avaliar se a complexidade da farmacoterapia influencia os resultados obtidos com o SFT, em pacientes hipertensos de difícil controle, que receberam atendimento farmacêutico por, pelo menos, doze meses, no período de junho de 2005 a junho de 2013, e avaliar o custoefetividade do seguimento farmacoterapêutico dos pacientes do ambulatório de seguimento farmacoterapêutico do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), na perspectiva do Sistema Único de Saúde (SUS). Métodos: Consiste em uma coorte histórica com população aberta ou dinâmica dos pacientes referenciados ao Ambulatório de Hipertensão do Serviço de Cardiologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). Os dados foram coletados dos arquivos do Sistema de Atendimento do Ambulatório de Hipertensão e do seguimento farmacoterapêutico e do sistema de registros informatizado do hospital (AGHWEB). O artigo 1 consiste de uma coorte de pacientes hipertensos referenciados pela equipe médica para o Seguimento Farmacoterapêutico, no período de 1º junho de 2005 a 31 de junho de 2013. Utilizou-se o instrumento denominado índice de complexidade da farmacoterapia (ICFT), para quantificar a complexidade da terapia farmacológica nas prescrições de primeira consulta e na consulta após doze meses de SFT. Foram analisados os valores de pressão arterial na primeira consulta, e após doze meses de acompanhamento. Os desfechos avaliados foram o ICFT, nas duas consultas, categorizado em baixa, média e alta complexidade, a taxa de controle da pressão arterial sistólica (PAS), pressão arterial diastólica (PAD) e delta de PAS e PAD. O artigo 2 consiste em um estudo de custo-efetividade a partir de dados primários de uma coorte do Ambulatório de Hipertensão do Serviço de Cardiologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). O grupo exposto eram pacientes com HAS, referenciados pela equipe médica para SFT, a partir de 1º junho de 2005, tendo como tempo de acompanhamento 12 meses. Os não expostos foram acompanhados no mesmo período, e receberam apenas tratamento usual (consultas médicas e de outros profissionais, exceto o farmacêutico). Os desfechos de efetividade utilizados, redução de PAS e PAD, foram estimados em um estudo prévio dessa mesma coorte de pacientes. A análise econômica considerou os custos diretos ambulatoriais de consultas médicas, consultas com outros profissionais, exames, idas à emergência, procedimentos e internações registradas no sistema eletrônico do hospital (AGHWEB). O custo dos medicamentos levou em conta todos os medicamentos prescritos. Valores de exames, consultas ambulatoriais, internações, visitas à emergência e procedimentos médicos e cirúrgicos foram obtidos através da tabela de preços de serviços do SUS e os medicamentos do Banco de Preço do Ministério da Saúde da base SIASG. O horizonte temporal foi de doze meses. Os dados foram apresentados pela razão de custo-efetividade incremental de custo em reais/ mmHg reduzido de PAS e PAD. Análises de sensibilidade univariadas e multivariadas foram realizadas para avaliar a robustez dos achados em diferentes cenários. Resultados: O artigo 1 avaliou 213 pacientes hipertensos que receberam seguimento farmacoterapêutico. A média de idade foi de 62,0 ±11,8, sendo 72,8% dos pacientes do sexo feminino. O número de medicamentos, por paciente, foi 6,8 ±2,4. O ICFT foi calculado em relação ao tratamento, contabilizando todos os medicamentos utilizados pelos pacientes, sendo que a média foi de 16,8±6,6 na consulta basal e 17,1± 7,1 na consulta após doze meses (P=0,35). Houve redução nos níveis de PAS e PAD e nas taxas de controle da primeira para a segunda consulta, após 12 meses. A PAS variou de 162,8 (±20,1) mmHg para 148,8 (±17,8) mmHg (P <0,001), 169,9 (±24,1)mmHg para 155,8(±26,7) mmHg (P<0,001) e 165,1 (±23,7) mmHg para 152,1(±28,6) mmHg (P= 0,023) nas categorias baixa, média e alta complexidade, respectivamente. A taxa de hipertensão controlada (PA ≤ 140/90mmHg) elevou-se de 7,5% para 26,8% (P<0,001). Observou-se elevação estatisticamente significativa na taxa de controle de hipertensão antes e depois do seguimento farmacoterapêutico, nos grupos de média e alta complexidade e tendência no de baixa complexidade. O artigo 2 avaliou 213 pacientes que receberam SFT e 212 pacientes em tratamento usual. O custo médio anual dos pacientes em SFT foi de R$ 1707,09, enquanto no tratamento usual foi de R$ 1615,49, no horizonte de tempo analisado. O caso-base apresentou uma razão de custo efetividade incremental (RCEI) de R$ 3,46 por mmHg reduzido, enquanto para PAD foi R$ 7,63 por mmHg reduzido. Os gastos com medicamentos e internações foram os parâmetros de custos mais sensíveis nas análises univariadas. Para a análise multivariada, criaram-se cenários com as variáveis medicamentos disponibilizados no SUS, internações e redução de PAS e PAD. Os resultados variaram de dominados pelo SFT até um acréscimo de oito vezes a RCEI do caso base principal para PAS, e acréscimo de até dez vezes para PAD. Conclusão: No primeiro artigo, o seguimento farmacoterapêutico, juntamente com o atendimento médico usual, mostrou que, mesmo mantendo índices de complexidade da farmacoterapia iguais, foi efetivo na redução da PA desses pacientes de forma semelhante nos três grupos. O artigo 2 concluiu que SFT oferecido em serviço de atenção secundária para pacientes com hipertensão arterial de difícil controle e suspeita de baixa adesão ao tratamento mostrou-se custo-efetivo na perspectiva do SUS. / Introduction: Hypertension is mainly responsible for cardiovascular events in the population. The low adherence to drug treatment leads to low blood pressure control rate (PA) and increases the risk of cardiovascular events. The Pharmaceutical Care, a pharmaceutical professional practice which includes the pharmacotherapy follow-up, aims to improve not only adherence to drug therapy, but also increase the quality of life of patients. The complexity of pharmacotherapy is associated with low compliance that leads to an increase in healthcare costs associated with complications caused by hypertension. Objectives: To assess the impact of the complexity of pharmacotherapy in the results obtained with the Pharmacotherapy follow-up in difficult-to-control hypertensive patients receiving pharmaceutical care for at least twelve months from June 2005 to June 2013, and to assess the cost-effectiveness of pharmacotherapy follow-up of patients in the pharmacotherapy follow-up clinic of Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), considering the SUS perspective. Methods: The study consists of a historical cohort with open population of patients referred to the Hypertension Clinic of HCPA. Data were collected from the Hypertension Clinic System File, Pharmacotherapeutic Follow-up records and from the hospital's computerized records system (AGHWEB). Article 1 consists of a cohort of hypertensive patients referred by medical staff for pharmacotherapy follow-up, from 1th June 2005 until June 31, 2013. We used the instrument called pharmacotherapy complexity index (PCI) to quantify complexity of drug therapy in the first visit prescription and in the last visit after twelve months of followup. The blood pressure values in the first visit and after twelve months of follow-up were analyzed. The outcome measures were the PCI in each visit (categorized into low, medium and high complexity), the control rate of systolic blood pressure (SBP), diastolic blood pressure (DBP) and SBP and DBP delta. Article 2 consists of a cost-effectiveness study based on primary data from the same cohort. The exposed group were patients with hypertension referenced by the medical team for pharmacotherapy follow-up, from 1th June 2005, with 12 months of pharmacotherapy follow-up. The unexposed group was followed in the same period, and received only usual care (medical appointments and other professionals, except the pharmacist). The effectiveness outcomes were the reduction on SBP and DBP, which had been estimated in a previous study of the same cohort of patients. The economic analysis included the direct costs of outpatient visits with doctors, other professionals, exams, emergency visits, procedures and hospitalizations registered in the hospital electronic system. The drugs cost took into account all prescription drugs. Values of tests, outpatient visits, hospitalizations, visits to emergency and medical and surgical procedures were obtained from SUS services price list, and medicines from the prices bank of the Ministry of Health SIASG base. The time horizon was twelve months. The data were presented as incremental cost ratio in Real by each reduced mmHg in SBP and DBP. Univariate and multivariate sensitivity analyzes were performed to assess the robustness of the findings in different scenarios. Results: In article 1, 213 hypertensive patients who received pharmacotherapy follow-up were evaluated. The average age was 62.0 ± 11.8, and 72.8% were female. The number of drugs per patient was 6.8 ± 2.4. The PCI was calculated considering all medications used by patients, being 16.8 ± 6.6 at baseline and 17.1 ± 7.1 after twelve months (P = 00.35). There was a reduction in SBP and DBP levels and in the rates of controlled hypertension consultation after 12 months. The SBP ranged from 162.8 (± 20.1) mmHg to 148.8 (± 17.8) mmHg (P <0.001) in the low PCI, 169.9 (± 24.1) mmHg to 155.8 (± 26.7) mmHg (P <0.001) in the middle and from 165.1 (± 23.7) mmHg to 152.1 (± 28.6) mmHg (P = 0.023) in the highest complexity group. The rate of controlled hypertension (BP ≤ 140 / 90mmHg) increased from 7.5% to 26.8% (P <0.001). There was a statistically significant increase in hypertension control rates before and after the pharmacotherapeutic follow-up in the media and high complexity groups, and a trend in the low complexity group. In the second article, 213 patients evaluated in pharmacotherapeutic follow-up and 212 in the usual treatment were analyzed. The average annual cost of patients in pharmacotherapeutic follow-up was R $ 1,707.09 while the usual treatment was R $ 1,615.49 on the horizon of analysis time. The base case presented an incremental cost effectiveness ratio (ICER) of R $ 3.46 per mmHg reduced while for PAD, it was R $ 7.63 per mm Hg reduced. Spending on medicines and hospital costs were the most sensitive parameters in the univariate analyzes. Different scenarios were created for multivariate analysis regarding medicines available on the NHS, hospital admissions and reducing SBP and DBP. The results ranged from dominated by pharmacotherapeutic follow-up, to an increase of eight times in the main base-case ICER for SBP, and increased up to ten times for DBP. Conclusion: In the first article the pharmacotherapeutic follow-up along with the usual medical care showed that even keeping the same complexity index, it was effective in reducing BP across the three complexity groups. In the article 2, we concluded that pharmacotherapeutic follow-up offered in secundary care service to patients with difficult-tocontrol hypertension and suspected of poor adherence to treatment was cost-effective in the SUS perspective.
5

Esclerose múltipla no brasil : estudo de custo da doença e de custo-efetividade dos tratamentos disponíveis no país

Finkelsztejn, Alessandro January 2013 (has links)
Este é um estudo que envolveu dois objetivos: determinação do custo da Esclerose Múltipla no Brasil, considerando custos diretos e indiretos ao longo de 1 ano de vida; e determinação da relação de custo-efetividade dos tratamentos disponíveis no País em relação ao tratamento sintomático da doença. Foram aplicados questionários a 102 pacientes de um hospital universitário, e foram revisados seus respectivos prontuários. Todos os custos relativos à doença foram computados: consultas médicas, medicações de uso sintomático, terapia com imunomoduladores ou imunossupressores, internações, exames complementares realizados, custos de cuidadores, tratamento de pulsoterapia em hospital-dia e taxa de aposentadoria. Quanto aos aspectos de custo-efetividade, foi realizada uma modelagem de Markov no sentido de determinar os custos e os ganhos em QALYs de cada um dos tratamentos disponíveis para a EM no Brasil, ou seja, o beta-interferon 1b, beta-interferon 1a intramuscular, beta-interferon 1a sub-cutâneo, acetato de glatiramer, natalizumabe, e fingolimode. O custo geral de cada paciente com EM ao longo de 1 ano foi de R$ 22.648,12 , sendo que 0,4% foi devido a consultas médicas, 4,04% devido a custo de cuidadores, 0,3% devido a atendimento domiciliar, 1,66% a exames complementares, 0,3% a medicações sintomáticas, 0,3% a tratamento de pulsoterapia em hospital-dia, 0,4% a internações, e 92,3% a medicações específicas para EM (imunomoduladores e imunossupressores). Quanto aos resultados da análise de custo-efetividade, o caso-base, após 10 anos de tratamento, demonstrou que o natalizumabe foi o medicamento mais custo-efetivo (em QALYs) em relação a todos os demais tratamentos, seguido pelo fingolimode, porém às custas de uma razão custoefetividade incremental (RCEI) elevada. / This is a study with 2 objectives: calculation of the costs (direct and indirect costs) of Multiple Sclerosis (MS) in Brazil during a 1-year period ; and the calculation of the cost-effectiveness of fingolimod in Brazil. A hundred and two questionnaires were applied to MS patients in a tertiary hospital, and their respective medical registries were reviewed. All costs related to the disease were computed: medical consultations, symptomatic medications, immunonodulators or immunossupressants, admissions, complementary tests, day-hospital use, and rates of retirement. In relation to the cost-effectiveness aspects, there was performed a Markov modeling in order to determine the costs and QALYs gains for every available therapy in Brazil, obviously including fingolimod, that is not reimbursed in our country yet. The mean annual cost of a MS patient in Brazil is R$ 22.648,12. The relative participation of each particular cost in the mean annual cost is the following: medical consultations (0,4%), caregivers (4,04%), home care assistance (0,3%), complementary tests (1,66%), symptomatic medications (0,3%), day-hospital use (0,3%), admissions (0,4%), and specific medications for MS (92,3%). In relation to the cost-effectiveness analysis, the base-case after 10-year treatment, demonstrated that natalizumab was the most cost-effective drug when compared to any other treatment for MS, followed by fingolimod. Their respective ICERs were, however, elevated.
6

Avaliação do controle pressórico de pacientes hipertensos em seguimento farmacoterapêutico de acordo com o índice de complexidade da farmacoterapia e análise de custo-efetividade / Evaluation of blood pressure control of hypertensive patients in pharmacotherapy follow-up according to the Complexity Index of Pharmacotherapy and costeffectiveness analysis

Rodrigues, Fernanda D'Athayde January 2015 (has links)
Introdução: A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é a principal responsável por eventos cardiovasculares na população. A baixa adesão ao tratamento medicamentoso leva ao baixo índice de controle da pressão arterial (PA) e aumenta os riscos de eventos cardiovasculares. A atenção farmacêutica (AF), uma prática profissional farmacêutica, da qual o seguimento farmacoterapêutico (SFT) é parte, visa melhorar não só a adesão à terapia medicamentosa, mas também melhorar a qualidade de vida dos pacientes. A complexidade da farmacoterapia associada à baixa adesão gera aumento nos custos com saúde e estão relacionados a complicações causadas pela HAS. Objetivos: Avaliar se a complexidade da farmacoterapia influencia os resultados obtidos com o SFT, em pacientes hipertensos de difícil controle, que receberam atendimento farmacêutico por, pelo menos, doze meses, no período de junho de 2005 a junho de 2013, e avaliar o custoefetividade do seguimento farmacoterapêutico dos pacientes do ambulatório de seguimento farmacoterapêutico do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), na perspectiva do Sistema Único de Saúde (SUS). Métodos: Consiste em uma coorte histórica com população aberta ou dinâmica dos pacientes referenciados ao Ambulatório de Hipertensão do Serviço de Cardiologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). Os dados foram coletados dos arquivos do Sistema de Atendimento do Ambulatório de Hipertensão e do seguimento farmacoterapêutico e do sistema de registros informatizado do hospital (AGHWEB). O artigo 1 consiste de uma coorte de pacientes hipertensos referenciados pela equipe médica para o Seguimento Farmacoterapêutico, no período de 1º junho de 2005 a 31 de junho de 2013. Utilizou-se o instrumento denominado índice de complexidade da farmacoterapia (ICFT), para quantificar a complexidade da terapia farmacológica nas prescrições de primeira consulta e na consulta após doze meses de SFT. Foram analisados os valores de pressão arterial na primeira consulta, e após doze meses de acompanhamento. Os desfechos avaliados foram o ICFT, nas duas consultas, categorizado em baixa, média e alta complexidade, a taxa de controle da pressão arterial sistólica (PAS), pressão arterial diastólica (PAD) e delta de PAS e PAD. O artigo 2 consiste em um estudo de custo-efetividade a partir de dados primários de uma coorte do Ambulatório de Hipertensão do Serviço de Cardiologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). O grupo exposto eram pacientes com HAS, referenciados pela equipe médica para SFT, a partir de 1º junho de 2005, tendo como tempo de acompanhamento 12 meses. Os não expostos foram acompanhados no mesmo período, e receberam apenas tratamento usual (consultas médicas e de outros profissionais, exceto o farmacêutico). Os desfechos de efetividade utilizados, redução de PAS e PAD, foram estimados em um estudo prévio dessa mesma coorte de pacientes. A análise econômica considerou os custos diretos ambulatoriais de consultas médicas, consultas com outros profissionais, exames, idas à emergência, procedimentos e internações registradas no sistema eletrônico do hospital (AGHWEB). O custo dos medicamentos levou em conta todos os medicamentos prescritos. Valores de exames, consultas ambulatoriais, internações, visitas à emergência e procedimentos médicos e cirúrgicos foram obtidos através da tabela de preços de serviços do SUS e os medicamentos do Banco de Preço do Ministério da Saúde da base SIASG. O horizonte temporal foi de doze meses. Os dados foram apresentados pela razão de custo-efetividade incremental de custo em reais/ mmHg reduzido de PAS e PAD. Análises de sensibilidade univariadas e multivariadas foram realizadas para avaliar a robustez dos achados em diferentes cenários. Resultados: O artigo 1 avaliou 213 pacientes hipertensos que receberam seguimento farmacoterapêutico. A média de idade foi de 62,0 ±11,8, sendo 72,8% dos pacientes do sexo feminino. O número de medicamentos, por paciente, foi 6,8 ±2,4. O ICFT foi calculado em relação ao tratamento, contabilizando todos os medicamentos utilizados pelos pacientes, sendo que a média foi de 16,8±6,6 na consulta basal e 17,1± 7,1 na consulta após doze meses (P=0,35). Houve redução nos níveis de PAS e PAD e nas taxas de controle da primeira para a segunda consulta, após 12 meses. A PAS variou de 162,8 (±20,1) mmHg para 148,8 (±17,8) mmHg (P <0,001), 169,9 (±24,1)mmHg para 155,8(±26,7) mmHg (P<0,001) e 165,1 (±23,7) mmHg para 152,1(±28,6) mmHg (P= 0,023) nas categorias baixa, média e alta complexidade, respectivamente. A taxa de hipertensão controlada (PA ≤ 140/90mmHg) elevou-se de 7,5% para 26,8% (P<0,001). Observou-se elevação estatisticamente significativa na taxa de controle de hipertensão antes e depois do seguimento farmacoterapêutico, nos grupos de média e alta complexidade e tendência no de baixa complexidade. O artigo 2 avaliou 213 pacientes que receberam SFT e 212 pacientes em tratamento usual. O custo médio anual dos pacientes em SFT foi de R$ 1707,09, enquanto no tratamento usual foi de R$ 1615,49, no horizonte de tempo analisado. O caso-base apresentou uma razão de custo efetividade incremental (RCEI) de R$ 3,46 por mmHg reduzido, enquanto para PAD foi R$ 7,63 por mmHg reduzido. Os gastos com medicamentos e internações foram os parâmetros de custos mais sensíveis nas análises univariadas. Para a análise multivariada, criaram-se cenários com as variáveis medicamentos disponibilizados no SUS, internações e redução de PAS e PAD. Os resultados variaram de dominados pelo SFT até um acréscimo de oito vezes a RCEI do caso base principal para PAS, e acréscimo de até dez vezes para PAD. Conclusão: No primeiro artigo, o seguimento farmacoterapêutico, juntamente com o atendimento médico usual, mostrou que, mesmo mantendo índices de complexidade da farmacoterapia iguais, foi efetivo na redução da PA desses pacientes de forma semelhante nos três grupos. O artigo 2 concluiu que SFT oferecido em serviço de atenção secundária para pacientes com hipertensão arterial de difícil controle e suspeita de baixa adesão ao tratamento mostrou-se custo-efetivo na perspectiva do SUS. / Introduction: Hypertension is mainly responsible for cardiovascular events in the population. The low adherence to drug treatment leads to low blood pressure control rate (PA) and increases the risk of cardiovascular events. The Pharmaceutical Care, a pharmaceutical professional practice which includes the pharmacotherapy follow-up, aims to improve not only adherence to drug therapy, but also increase the quality of life of patients. The complexity of pharmacotherapy is associated with low compliance that leads to an increase in healthcare costs associated with complications caused by hypertension. Objectives: To assess the impact of the complexity of pharmacotherapy in the results obtained with the Pharmacotherapy follow-up in difficult-to-control hypertensive patients receiving pharmaceutical care for at least twelve months from June 2005 to June 2013, and to assess the cost-effectiveness of pharmacotherapy follow-up of patients in the pharmacotherapy follow-up clinic of Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), considering the SUS perspective. Methods: The study consists of a historical cohort with open population of patients referred to the Hypertension Clinic of HCPA. Data were collected from the Hypertension Clinic System File, Pharmacotherapeutic Follow-up records and from the hospital's computerized records system (AGHWEB). Article 1 consists of a cohort of hypertensive patients referred by medical staff for pharmacotherapy follow-up, from 1th June 2005 until June 31, 2013. We used the instrument called pharmacotherapy complexity index (PCI) to quantify complexity of drug therapy in the first visit prescription and in the last visit after twelve months of followup. The blood pressure values in the first visit and after twelve months of follow-up were analyzed. The outcome measures were the PCI in each visit (categorized into low, medium and high complexity), the control rate of systolic blood pressure (SBP), diastolic blood pressure (DBP) and SBP and DBP delta. Article 2 consists of a cost-effectiveness study based on primary data from the same cohort. The exposed group were patients with hypertension referenced by the medical team for pharmacotherapy follow-up, from 1th June 2005, with 12 months of pharmacotherapy follow-up. The unexposed group was followed in the same period, and received only usual care (medical appointments and other professionals, except the pharmacist). The effectiveness outcomes were the reduction on SBP and DBP, which had been estimated in a previous study of the same cohort of patients. The economic analysis included the direct costs of outpatient visits with doctors, other professionals, exams, emergency visits, procedures and hospitalizations registered in the hospital electronic system. The drugs cost took into account all prescription drugs. Values of tests, outpatient visits, hospitalizations, visits to emergency and medical and surgical procedures were obtained from SUS services price list, and medicines from the prices bank of the Ministry of Health SIASG base. The time horizon was twelve months. The data were presented as incremental cost ratio in Real by each reduced mmHg in SBP and DBP. Univariate and multivariate sensitivity analyzes were performed to assess the robustness of the findings in different scenarios. Results: In article 1, 213 hypertensive patients who received pharmacotherapy follow-up were evaluated. The average age was 62.0 ± 11.8, and 72.8% were female. The number of drugs per patient was 6.8 ± 2.4. The PCI was calculated considering all medications used by patients, being 16.8 ± 6.6 at baseline and 17.1 ± 7.1 after twelve months (P = 00.35). There was a reduction in SBP and DBP levels and in the rates of controlled hypertension consultation after 12 months. The SBP ranged from 162.8 (± 20.1) mmHg to 148.8 (± 17.8) mmHg (P <0.001) in the low PCI, 169.9 (± 24.1) mmHg to 155.8 (± 26.7) mmHg (P <0.001) in the middle and from 165.1 (± 23.7) mmHg to 152.1 (± 28.6) mmHg (P = 0.023) in the highest complexity group. The rate of controlled hypertension (BP ≤ 140 / 90mmHg) increased from 7.5% to 26.8% (P <0.001). There was a statistically significant increase in hypertension control rates before and after the pharmacotherapeutic follow-up in the media and high complexity groups, and a trend in the low complexity group. In the second article, 213 patients evaluated in pharmacotherapeutic follow-up and 212 in the usual treatment were analyzed. The average annual cost of patients in pharmacotherapeutic follow-up was R $ 1,707.09 while the usual treatment was R $ 1,615.49 on the horizon of analysis time. The base case presented an incremental cost effectiveness ratio (ICER) of R $ 3.46 per mmHg reduced while for PAD, it was R $ 7.63 per mm Hg reduced. Spending on medicines and hospital costs were the most sensitive parameters in the univariate analyzes. Different scenarios were created for multivariate analysis regarding medicines available on the NHS, hospital admissions and reducing SBP and DBP. The results ranged from dominated by pharmacotherapeutic follow-up, to an increase of eight times in the main base-case ICER for SBP, and increased up to ten times for DBP. Conclusion: In the first article the pharmacotherapeutic follow-up along with the usual medical care showed that even keeping the same complexity index, it was effective in reducing BP across the three complexity groups. In the article 2, we concluded that pharmacotherapeutic follow-up offered in secundary care service to patients with difficult-tocontrol hypertension and suspected of poor adherence to treatment was cost-effective in the SUS perspective.
7

Esclerose múltipla no brasil : estudo de custo da doença e de custo-efetividade dos tratamentos disponíveis no país

Finkelsztejn, Alessandro January 2013 (has links)
Este é um estudo que envolveu dois objetivos: determinação do custo da Esclerose Múltipla no Brasil, considerando custos diretos e indiretos ao longo de 1 ano de vida; e determinação da relação de custo-efetividade dos tratamentos disponíveis no País em relação ao tratamento sintomático da doença. Foram aplicados questionários a 102 pacientes de um hospital universitário, e foram revisados seus respectivos prontuários. Todos os custos relativos à doença foram computados: consultas médicas, medicações de uso sintomático, terapia com imunomoduladores ou imunossupressores, internações, exames complementares realizados, custos de cuidadores, tratamento de pulsoterapia em hospital-dia e taxa de aposentadoria. Quanto aos aspectos de custo-efetividade, foi realizada uma modelagem de Markov no sentido de determinar os custos e os ganhos em QALYs de cada um dos tratamentos disponíveis para a EM no Brasil, ou seja, o beta-interferon 1b, beta-interferon 1a intramuscular, beta-interferon 1a sub-cutâneo, acetato de glatiramer, natalizumabe, e fingolimode. O custo geral de cada paciente com EM ao longo de 1 ano foi de R$ 22.648,12 , sendo que 0,4% foi devido a consultas médicas, 4,04% devido a custo de cuidadores, 0,3% devido a atendimento domiciliar, 1,66% a exames complementares, 0,3% a medicações sintomáticas, 0,3% a tratamento de pulsoterapia em hospital-dia, 0,4% a internações, e 92,3% a medicações específicas para EM (imunomoduladores e imunossupressores). Quanto aos resultados da análise de custo-efetividade, o caso-base, após 10 anos de tratamento, demonstrou que o natalizumabe foi o medicamento mais custo-efetivo (em QALYs) em relação a todos os demais tratamentos, seguido pelo fingolimode, porém às custas de uma razão custoefetividade incremental (RCEI) elevada. / This is a study with 2 objectives: calculation of the costs (direct and indirect costs) of Multiple Sclerosis (MS) in Brazil during a 1-year period ; and the calculation of the cost-effectiveness of fingolimod in Brazil. A hundred and two questionnaires were applied to MS patients in a tertiary hospital, and their respective medical registries were reviewed. All costs related to the disease were computed: medical consultations, symptomatic medications, immunonodulators or immunossupressants, admissions, complementary tests, day-hospital use, and rates of retirement. In relation to the cost-effectiveness aspects, there was performed a Markov modeling in order to determine the costs and QALYs gains for every available therapy in Brazil, obviously including fingolimod, that is not reimbursed in our country yet. The mean annual cost of a MS patient in Brazil is R$ 22.648,12. The relative participation of each particular cost in the mean annual cost is the following: medical consultations (0,4%), caregivers (4,04%), home care assistance (0,3%), complementary tests (1,66%), symptomatic medications (0,3%), day-hospital use (0,3%), admissions (0,4%), and specific medications for MS (92,3%). In relation to the cost-effectiveness analysis, the base-case after 10-year treatment, demonstrated that natalizumab was the most cost-effective drug when compared to any other treatment for MS, followed by fingolimod. Their respective ICERs were, however, elevated.
8

Análise de custo-efetividade das medidas para prevenção e controle de infecções por Staphylococcus aureus resistente à oxacilina em unidade de terapia intensiva / Analysis the cost-effectiviness of an intervention to prevent infection caused by ORSA at intensive care unit

Freitas, Marise Reis de [UNIFESP] January 2000 (has links) (PDF)
Made available in DSpace on 2015-12-06T23:00:48Z (GMT). No. of bitstreams: 0 Previous issue date: 2000 / Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) / O Staphylococcus aureus resistente a oxacilina (ORSA) e um dos principais agentes das infeccoes hospitalares em nosso meio. No Hospital São Paulo o ORSA e endemico, representando cerca de 65 por cento das cepas de S. aureus isoladas, ocasionando morbidade, mortalidade e custos consideraveis. O controle da disseminacao dessa bacteria nos hospitais exige a adocao de medidas especificas. Este estudo teve como objetivo medir o custo-efetividade de uma intervencao para prevenir a ocorrencia de infeccoes por ORSA na unidade de terapia intensiva (UTI) da disciplina de anestesiologia do Hospital São Paulo. A intervencao consistiu de um pacote de medidas educativas para os profissionais da UTI, culturas de vigilancia atraves de swab da narina anterior dos pacientes e profissionais, erradicacao do ORSA nasal com mupirocina e precaucao de contato para os pacientes colonizados e infectados. Desenho do estudo: estudo longitudinal com avaliacao pre e pos. Indicadores de infeccao por ORSA e custos foram avaliados no periodo de 01 de junho a 31 outubro de 1996 (periodo controle) e de 01 de novembro de 96 a 31 de outubro de 1997 (periodo intervencao). Apenas os custos diretos da intervencao (culturas de vigilancia de pacientes e profissionais da UTI, tratamento dos pacientes e profissionais colonizados, aulas expositivas) e os custos diretos da internacao dos pacientes (diaria hospitalar, antimicrobianos, nutricao parenteral, procedimentos invasivos, cirurgias, exames bioquimicas, hematologicos, microbiologicos e radiologicos) foram considerados. Foram definidos como parametros de efetividade a incidencia das infeccoes e bacteremias por ORSA, a permanencia n UTI e a letalidade relacionada ao ORSA. Foram incluidos 138 pacientes n periodo controle e 245 pacientes no periodo intervencao. A densidade d incidencia das infeccoes por ORSA caiu de 10,24/1000 para 5,411000 pacientes dia durante a intervencao (p = O,04; Cl95 por cento 1,00-3,55). A densidade de incidencia das bacteremias primarias reduziu de 3,63/1000 para O,9111000 cateter-dia (p O,06; Ci95 por cento O,9-16,0). A permanencia na UTI da populacao estuda foi maior n periodo intervencao em razao do maior numero de pacientes com indicadores d gravidade nesse periodo. A media de permanencia dos pacientes que nao infectaram foi de 6,0 dias, enquanto a permanencia dos pacientes que desenvolveram bacteremia e infeccao por ORSA foram 18,5 e 34,0 dia respectivamente (p < O,001)...(au) / The oxacillin-resistant Staphylococcus aureus (ORSA) is one of the main organisms involved in nosocomial infection. ORSA is endemic at Hospital São Paulo. It represents approximately 65% of the isolated S. aureus and accounts for considerable morbidity, mortality and costs. To control the dissemination of S aureus at hospital setting, specific measures should be undertaken. The objective of this study was to assess the costeffectiveness of an intervention to prevent infection caused by ORSA at intensive care unit (ICU) of the anesthesiology sector of the Hospital São Paulo. The intervention consisted of an educational package offered to ICU medical and paramedical staff, together with surveillance cultures of the secretion of the anterior nares of patients and health care workers (HCW) aiming at identifying ORSA-positive individuals. Eradication of those found colonized were attempted through nasal mupirocin and contact precaution observed to colonized or infected patients. Design of the study: before-and-after study. ORSA indicators and costs were evaluated in the period of June 1st to October 31st 1996 (control period) and compared with the period of November 1st to October 31st 1997 (intervention period). Only direct costs incurred by control measures and costs derived from hospital stays (antibiotics, invasive procedures, surgeries, blood tests, cultures, radiologic tests and hospital fees) were considered. The incidence of infections and bacteremias due to ORSA, length of stay and mortality were used as outcome measures of effectiveness. A total of 138 patients were enrolled in the control period and 245 patients in the intervention period. The incidence of ORSA infections decreased from 10.24/1000 to 5.4/1000 patient-days ( = 0.04; CI95% 1.00-3.55). Primary bloodstream ORSA infections also decreased from 3.63/1000 to 0.91/1000 central line-days ( = 0.06; CI95% 0.9-16). There were significantly more severe cases during the intervention period, which translated in a longer length of stay at the ICU. The mean number of days at the ICU for the patients with no infection was 6.5 days, whereas the mean length of stay of patients who developed ORSA bacteremia and ORSA infection were 18.5 days and 34.0 days, respectively (p < 0.001). Mortality attributed to ORSA in the first 14 days of onset of infection was the same in both periods. Nasal colonization by ORSA was seen in 31% of the patients and 53% of these patients presented with colonization at ICU admission. The length of stay was longer for colonized patients (28.7 days) than for patients who were not colonized (7.6 days) (p < 0.001). In regard to nasal colonization by ORSA of the ICU HCW, 12.2% of them were shown to be colonized during the study of which 94.4% were nurses. Intranasal mupirocin bid for 5 days was used in colonized patients and HCW. Eradication rates in 81.25% of the patients and in 88.2% of the HCW ensued after mupirocin. Despite favorable eradication rates following nasal mupirocin, the estimated transmission rate per day of ORSA at the ICU did not change with the intervention due to the high proportion of patients already colonized at the ICU admission. The estimated extra length of stays at the ICU were 16 days and 12.6 days, respectively due ORSA infection and bacteremia. The mean total cost of a patient with ORSA infection was R$ 20,799.19 considerably higher than the cost of a patient without ORSA infection. The estimated extra cost attributable to an ORSA infection was R$ 11,843.52. The additional cost to prevent an ORSA infection in 1,000 patient-days was R$ 917.13. This amount represents the cost-effectiveness ratio of the proposed intervention. The adoption of specific strategies to prevent and control ORSA infection at the ICU setting seems warranted based on the result of this cost-effectiveness analysis. / BV UNIFESP: Teses e dissertações
9

Estudo de custo-utilidade das alternativas de abordagem da dispepsia não investigada em países de alta prevalência do Helicobacter pylori

Sander, Guilherme Becker January 2008 (has links)
Introdução: a dispepsia não investigada é de alta prevalência, sendo possíveis diferentes formas de abordagem para o seu manejo. Objetivo: Descrever a razão de custo-efetividade das principais alternativas de manejo da dispepsia não investigada em zonas de alta prevalência de Helicobacter pylori. Métodos: um modelo analítico incluindo a história natural dos pacientes dispépticos não investigados segundo Roma III foi construído. Pacientes dispépticos não investigados em atendimento no nível primário de saúde foram selecionados para estudo da utilização de recursos, causas dos sintomas dispépticos, qualidade de vida e prevalência do H. pylori. Cinco estratégias foram consideradas: endoscopia imediata; teste com inibidor da bomba de prótons (IBP) e endoscopia; testar e tratar; inibidor da bomba de prótons empírico e tratamento com antiácidos. As probabilidades de transição no modelo foram estabelecidas através de revisão da literatura. Foi realizada análise probabilística e os resultados principais foram expressos em curva de aceitabilidade. Resultados: as estratégias antiácido e inibidores da bomba de prótons empírico foram dominadas pela estratégia IBP/Endoscopia. A relação de custo efetividade incremental da estratégia endoscopia imediata foi de R$26.143,69. A estratégia testar e tratar foi dominada pela estratégia endoscopia imediata. Conclusões: neste modelo a estratégia de iniciar inibidor da bomba de prótons por 3 meses seguida de endoscopia para os pacientes refratários foi a opção mais custo-efetiva, dentro dos padróes brasileiros de disposição a pagar por um “Qaly”. Na análise probabilística, esta opção permaneceu com melhor perfil de aceitabilidade em uma ampla faixa de disposição a pagar por um “Qaly”.
10

Rastreio de doença arterial obstrutiva periférica : impacto no tratamento farmacológico de pacientes hipertensos e análise de custo-efetividade para re-estratificação de risco cardiovascular

Neyeloff, Jeruza Lavanholi January 2012 (has links)
Introdução: Doença arterial obstrutiva periférica é uma síndrome na qual placa aterosclerótica causa obstrução de artérias dos membros inferiores. Entre os fatores de risco estão tabagismo, dislipidemia, diabetes e hipertensão arterial. Embora esta última seja certamente o fator de risco mais freqüente, prevalência de DAOP nessa população não foi adequadamente avaliada. Apenas cerca de 10% dos indivíduos acometidos são sintomáticos e, portanto, diagnóstico exige exame complementar; o índice tornozelo braquial (ITB) é obtido calculando a razão entre pressão arterial aferida na artéria pediosa ou na tibial posterior sobre a pressão na artéria braquial, e é considerado padrão ouro para diagnóstico não invasivo. Valores abaixo de 0,9 são considerados para o diagnóstico de DAOP. Há grande associação entre baixo ITB e incidência de eventos cardiovasculares. Buscando identificar indivíduos que obteriam maior benefício na prevenção de eventos, ITB foi proposto como possível re-estratificador para pacientes de risco cardiovascular intermediário. Decisão sobre inclusão de exame na rotina de avaliação de pacientes de uma população tão ampla deve considerar também aspecto econômico; foram publicadas análises sobre uso de estatina em prevenção primária, e também estudo considerando Proteína C Reativa de alta sensibilidade como exame para re-estratificação, porém todas em cenário internacional. Até o momento não há avaliação econômica sobre o ITB como re-estratificador de risco, em cenário internacional ou nacional. Para a revisão da literatura necessária optou-se por calcular sumário de efeitos utilizando software amplamente disponível, e evidenciou-se que um guia para tal análise não estava presente na literatura. Ainda, identificou-se dificuldade em visualizar graficamente dados descritivos de estudos observacionais. Métodos: Foi conduzido estudo transversal em ambulatório de referência em hipertensão. Uma amostra aleatória de pacientes teve ITB aferido por dois examinadores treinados. Dois métodos de cálculo do ITB foram utilizados, considerando-se a maior pressão e a menor pressão do tornozelo (respectivamente, HAP e LAP). Um subgrupo de participantes teve ITB aferido por dois examinadores para avaliar concordância. Para análise econômica, desenhou-se estudo de custo-utilidade da perspectiva do sistema público de saúde. Construiu-se um modelo de Markov seguindo uma coorte teórica de pacientes de risco cardiovascular intermediário, comparando as estratégias de cuidado usual (sem uso de estatinas e sem rastreio), rastreio por ITB (e conseqüente prescrição de estatinas para pacientes com ITB baixo), e estatinas para todos os pacientes (sem rastreio). Os custos foram baseados em estimativas do sistema público de saúde e outros parâmetros foram baseados em uma ampla revisão da literatura. Resultados: Orientação passo a passo para condução de meta-análise de estudos observacionais utilizando o Microsoft Excel foi descrita, e foi também desenvolvida metodologia para geração de gráficos Forest Plot nesse software. Planilhas com as fórmulas e modelo de gráfico foram disponibilizadas para download em periódico de acesso livre. No estudo transversal, 222 pacientes foram incluídos (85,6% da amostra inicial). A maioria dos participantes era do sexo feminino (71,7%), com idade média de 64 ± 11,2 anos. Prevalência de DAOP foi de 14,9% (10,81% - 18,99%), considerando HAP e 33,8% (28,31% - 39,29%), considerando LAP. Concordância entre examinadores foi satisfatória por todas as avaliações. Entre os pacientes (38%) que não recebiam estatinas, 8,2% teriam mudança de prescrição após aferição de ITB por HAP (3% da amostra inicial). No entanto, utilizando o método de LAP, até 31,8% dos que não utilizavam hipolipemiantes mudariam de prescrição (12% da amostra original). No modelo de custo-utilidade desenvolvido, a prescrição de estatinas para todos os pacientes de risco intermediário dominou as demais estratégias no caso base, retornando mais utilidades e menos custos. O modelo foi sensível aos efeitos adversos das estatinas, e um decréscimo de 1% na qualidade de vida dos pacientes em uso de estatinas anularia benefícios de redução de eventos. Em um cenário alternativo considerando os custos de compra privada de estatinas, cuidado usual seria a alternativa menos dispendiosa, e os ICERs para rastreio com ITB e para prescrição de estatinas para todos os pacientes seriam 72.317 e 83.325 R$ / QALY para os homens e 47.496 e 77.721 R$ / QALY para as mulheres. Conclusões Principais: Identificamos que DAOP é prevalente entre pacientes hipertensos, particularmente se considerado cálculo por menor pressão distal. Entre os principais achados da tese, vê-seque aferição de ITB como exame de rastreio nessa população pode acarretar mudança no tratamento farmacológico de contingente significativo de pacientes. Apesar disso, os resultados da análise econômica indicam que estratégia que prescreva estatinas para toda população de risco cardiovascular intermediário deve prover mais utilidades e menor custo, desde que seja considerada como medicamento com pouco impacto deletério na qualidade de vida dos pacientes e de muito baixo custo. Em cenários alternativos onde essas premissas não se mantenham, ITB como exame de rastreio poderia constituir alternativa com razão de custo-efetividade incremental dentro do aceitável para padrões brasileiros. / Thesis Title: Screening for Peripheral Arterial Disease: Impact on Pharmacological treatment of Hypertensive Patients and Cost-Effectiveness Analysis in Cardiovascular Risk Re-Stratification Introduction: Peripheral arterial disease (PAD) is a syndrome in which atherosclerotic plaque causes obstruction in the arteries of the lower limbs. Smoking, dyslipidemia, diabetes and hypertension are among the risk factors. While the latter is certainly the most frequent risk factor, the prevalence of PAD in this population has not been adequately evaluated. Only about 10% of affected individuals are symptomatic, and therefore diagnosis requires further examination. The ankle brachial index (ABI), which is the ratio of blood pressure measured in the dorsalis pedis or posterior tibial artey to the pressure measured on the brachial artery, is considered the gold standard for noninvasive diagnosis. Values below 0.9 are considered abnormal. There is a strong association between low ABI and incidence of cardiovascular events. In an effort to identify individuals who would more likely benefit from primary prevention, the ABI has been proposed as a tool for re-stratifying patients at intermediate cardiovascular risk. A decision regarding inclusion of this test in routine evaluation of such a large population must consider economic consequences; analyses of statin use on primary prevention have been published, and a study evaluating screening with high-sensitivity C-Reactive Protein has also been published, but only considering an international scenario. To date, no economic assessment regarding the ABI has been conducted, neither abroad nor at national level. During literature review, we identified that guides for meta-analyzing data using widely available software were not available. We also encountered difficulty in graphically displaying descriptive data from observational studies. Methods: We conducted a cross-sectional study in a reference hypertension outpatient clinic. A random sample of patients was selected and had ABI measured by two trained examiners. Two methods of calculating the ABI were used, considering the higher (HAP) and lower (LAP) ankle pressures. In a subset of patients the ABI was performed by both examiners to assess agreement. For the economic assessment, we conducted a cost-utility analysis from the public health system perspective. Markov model was designed to follow theoretical cohorts at intermediate-risk for cardiovascular events, comparing the strategies of usual care (no statins and no screening), ABI screening (and prescription of statins for patients with low ABI), and statins for all patients (without screening). Costs were based in public health system estimates and other parameters were based on a broad literature review. Results: A step by step description on performing a meta-analysis on Microsoft Excel was described, and a methodology for generating Forest Plots using this software was also developed. Spreadsheets with the formulas and a chart model was made available for download on an open access journal. On the cross-sectional study 222 patients were included (85.6% of the original sample). Most participants were females (71.7%), with a mean age of 64 ± 11.2. Prevalence of PAD was 14.9% (10.81% – 18.99%) considering the HAP and 33.8% (28.31% – 39.29%) considering LAP. Agreement between examiners was satisfactory by all assessments. Among the 38% of patients not receiving lipid therapy, 8.2% would change prescription after ABI screening by HAP (3% of the original sample). However, using the LAP method, up to 31.8% of those not using lipid lowering therapy would change prescription (12% of the original sample). On the cost-utility analysis, prescribing statins for all intermediate risk patients dominated the other strategies on the base case, yielding more utilities and fewer costs. The model was sensible to statin adverse effects, with a 1% decrement in quality of life negating statins benefits. In an alternative scenario considering costs for over the counter statins purchase, no screening would be the least costly alternative, and the ICERS for ABI screening and statins for all patients would be 72,317 and 83,325 R$/QALY for men and 47,496 and 77,721 R$/QALY for women. Main Conclusions: We identified that PAD is prevalent among hypertensive patients, particularly if the lower ankle pressure is considered. Among the main findings of this thesis, we conclude that measurement of ABI as a screening test in this population may lead to change in the pharmacological treatment of a significant number of patients. Nevertheless, the results of the economic analysis indicate that a strategy prescribing statins to all intermediate cardiovascular risk population would provide more utilities at a lower cost, once statins are considered a drug with little deleterious impact on quality of life and of a very low cost . In alternative scenarios where these assumptions may not hold, the incremental cost-effectiveness ratio of an ABI screening strategy could be within the acceptable standards for Brazil.

Page generated in 0.0313 seconds