• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 597
  • 30
  • 22
  • 11
  • 7
  • 6
  • 6
  • 6
  • 1
  • 1
  • 1
  • Tagged with
  • 669
  • 246
  • 196
  • 151
  • 139
  • 122
  • 97
  • 95
  • 88
  • 86
  • 79
  • 79
  • 77
  • 71
  • 66
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Ecologia de bruquídeos (coleoptera) predadores de sementes de Senna Multijuga L. C. Richard I. e B. (Caesalpinaceae)

Sari, Lisiane Taiatella January 2003 (has links)
Orientadora : Cibele Stramare Ribeiro-Costa / Co-orientador : James Roper / Tese (doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciencias Biológicas
2

Filogenia, classificação e associação de sexo em Trichomyia (Diptera, Psychodidae, Trichomyiinae)

Araújo, Maíra Xavier January 2017 (has links)
Orientadora : Dr. Claudio José Barros de Carvalho / Coorientador : Dr. Freddy Ruben Bravo Quijano / Tese (doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Entomologia). Defesa: Curitiba, 31/07/2017 / Inclui referências ao final de cada capítulo / Resumo: Trichomyia é um gênero cosmopolita que inclui todas as espécies viventes de Trichomyiinae (Psychodidae). Por muito tempo foi um gênero subestimado em relação ao conhecimento de sua diversidade, mas nos últimos anos, um grande número de novas espécies vem sendo descritas, principalmente para a Região Neotropical. No total, são conhecidas 191 espécies viventes, uma espécie inquirenda e 21 espécies fósseis. A grande diversidade morfológica entre as espécies de Trichomyia dificultou por muito tempo o agrupamento interno, o qual foi inicialmente feito com base em grupos (Grupo A e Grupo B) e posteriormente em subgêneros. Por outro lado, tais agrupamentos não incluíam todas as espécies conhecidas e foram, em sua maioria, propostos sem a aplicação de métodos modernos de filogenia. O presente trabalho teve como objetivo promover um aumento na compreensão das espécies de Trichomyia, relações filogenéticas e evolução. Neste contexto, um catálogo atualizado para as espécies de Trichomyiinae foi incluído e um estudo morfológico baseado na descrição de uma nova espécie com o uso de microscopia eletrônica de varredura, levantamento bibliográfico e desenhos é disponibilizado na tentativa de sanar dúvidas com relação à homologia no grupo. A filogenia do gênero também é apresentada, assim como uma nova proposta de classificação baseada na divisão de Trichomyia em dois gêneros e 23 subgêneros. No total, 16 novos subgêneros são propostos e seis são corroborados como monofiléticos. A distribuição de seis espécies é ampliada (Trichomyia annae Bravo, 2001; Trichomyia hispida Araújo e Bravo, 2016; Trichomyia mendesi Araújo & Bravo, 2016; Trichomyia festiva Bravo, 2001; Trichomyia imarui Araújo e Bravo, 2012 e Trichomyia spinosa Araújo & Bravo, 2016) e cinco espécies são redescritas (Trichomyia trukensis Quate, 1959; Trichomyia xaniostylis Quate, 1996; Trichomyia dolichakis Quate, 1996; Trichomyia biloba Quate, 1999 e Trichomyia intricata Quate, 1996). O presente trabalho também aplica, pela primeira vez no grupo, técnicas moleculares para a associação entre macho e fêmea, um problema que causa um grande impedimento taxonômico em Trichomyia, devido a dificuldade de comparação entre fêmeas morfologicamente semelhantes. Palavras-chave: evolução, filogenia, molecular, psicodídeo, taxonomia. / Abstract: Trichomyia is a cosmopolitan genus that includes all recent species of Trichomyiinae (Psychodidae). For a long time it was a genus that has been underestimated as to its diversity, but in the last years, a great variety of new species has been described, mainly from the Neotropical region. In total, 191 recent species are known, an inquirenda species and 21 fossil species. The morphological diversity between the species of Trichomyia is wide and made it difficult for a long time the internal grouping, which was initially based in groups (Group A and Group B) and later in subgenera. On the other hand, such groupings did not include all known species and were, for the most part, proposed without methods of phylogeny. The present work aimed to promote a significant increase on the understanding of Trichomyia species, phylogenetic relationships, and evolution. In this context, an actualized catalog for the species of Trichomyiinae is included and a morphological study based on the description of a new species based on scanning electron microscopy, bibliographical survey and drawings is available in an attempt to solve doubts regarding homology in the group. The phylogeny of the genus is also presented, as well as a new classification proposal based on the division of Trichomyia into two genera and the maintenance and designation of subgenera. In total, 16 subgenera are proposed and six are corroborated as monophyletic. The distribution of six species is expanded (Trichomyia annae Bravo, 2001; Trichomyia hispida Araújo e Bravo, 2016; Trichomyia mendesi Araújo & Bravo, 2016; Trichomyia festiva Bravo, 2001; Trichomyia imarui Araújo and Bravo, 2012 and Trichomyia spinosa Araújo & Bravo, 2016) and five species are redescribed (Trichomyia trukensis Quate, 1959; Trichomyia xaniostylis Quate, 1996; Trichomyia dolichakis Quate, 1996; Trichomyia biloba Quate, 1999 and Trichomyia intricata Quate, 1996). The present study also applies, for the first time in the group, molecular techniques for the association between male and female, a problem that causes a taxonomic impediment in Trichomyia, due to the difficulty of comparison between the morphologically similar females. Keywords: evolution, phylogeny, molecular, psychodid, taxonomy.
3

A comunidade de abelhas silvestres (Hymenoptera, Apoidea) da Ilha das Cobras (Paraná, Brasil) : aspectos ecológicos e biogeográficos

Schwartz Filho, Deni January 1993 (has links)
Orientador: Sebastião Laroca / Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Entomologia) / Resumo: A comunidade de abelhas silvestres de uma pequena ilha do litoral paranaense (Ilha das Cobras/26,5 ha), sul do Brasil, foi estudada com relação à composição faunística, abundância relativa, diversidade e visitação às flores. Os dados obtidos foram comparados aos de duas outras áreas da mesma região: Ilha do Mel (2762 ha), uma outra ilha, 104 vezes maior que a primeira e Alexandra, no continente. Tais comparações foram possíveis graças ao emprego de uma mesma técnica de coleta em todas as amostras ( S a k a g a m i , L a r o c a & M o u r e , 1967). Entre as três áreas amostradas, foram capturados 5876 indivíduos pertencentes a 164 espécies de abelhas. A amostra do continente apresentou 122 espécies, das quais 56% foram exclusivas deste local. Já as amostras das ilhas, apresentaram uma grande redução no número total de espécies coletadas, respectivamente 75 na Ilha do Mel (28% exclusivas) e 57 na Ilha das Cobras (21% exclusivas). Tal resultado evidencia que, nas ilhas, foram extintas muitas das espécies de abelhas encontradas atualmente no continente. A extinção da maioria das espécies de Meliponinae nas ilhas, provavelmente contribuiu para que, nestas, houvesse um crescimento significativo nas populações de várias espécies de Haüctidae, entre as quais Dialictus opacus que, na Ilha do Mel, representou 42,5% da amostra e na Ilha das Cobras 34,1%. Estes dados podem indicar que tais grupos são competidores potenciais. Cerca de 95% das abelhas foram capturadas visitando flores de 150 espécies de plantas. Compositae foi a família mais visitada entre as três amostras como um todo (cerca de 20% das visitas). Outras famílias muito visitadas foram Rubiaceae (a mais visitada na Ilha do Mel), Leguminosae, Melastomataceae, Verbenaceae e Malvaceae (a mais visitada na Ilha das Cobras). A análise fenológica dos dados da Ilha das Cobras mostra uma flutuação de atividades similar aos padrões frequentemente observados em comunidades tropicais de abelhas silvestres. Assim, a maioria das quedas bruscas de atividade parece estar mais correlacionada com condições de tempo adversas (chuva) reinantes durante as coletas do que propriamente com tendências sazonais. A intensidade da atividade de vôo ao longo de cada dia parece estar relacionada com a temperatura e a disponibilidade de recursos florais. São discutidos também outros aspectos relacionados com a biogeografia de ilhas, como isolamento, colonização, migração, diversidade, similaridade, compensação de densidade, competição e problemas de genética de populações. / Abstract: Relative abundance, diversity and flower visits of wild bees at a small island in littoral of Paraná state - South Brazil (Ilha das Cobras/26.5 ha) were studied. The informations were compared with data from two other sites in the same region: Ilha do Mel (island with 2762 ha) and Alexandra (continent). The standardized sampling techniques (S a k a g a m i , L a r o c a & M o u r e , 1967) allow discussions about some biogeographic aspects of the wild bees communities in insular environments. At the three sites 5876 individuals belonging to 164 species were collected. The continental sample was the richest in species (122), most of them (56%) exclusive from this place. In both islands the total number of bee species is smaller: 75 in Ilha do Mel (28% exclusive) and 57 in Ilha das Cobras (21% exclusive). In the islands, species richness of Halictidae - mainly Dialictus (Chloralictus) opacus (Moure) - probably is related to extinction of the most Meliponinae species, which indicates potential competition between these groups. About 95% of bees were collected visiting 150 flower species. Compositae was the most visited family at the three areas, followed by Rubiaceae, Leguminosae, Melastomataceae, Verbenaceae and Malvaceae. The phenologic analysis of Ilha das Cobras data shows a fluctuation of activity similar to the patterns observed in tropical bee communities. The abrupt decreases in activity seem to be more correlated with the adverse wheather conditions (rain) than truely seasonal tendencies. The flight activity along each collecting day seems to be correlated with temperature and the disponibility of floral resources. Aspects of island biogeography such as immigration, diversity, density compensation, competition and population genetic problems are also discussed.
4

Estudo taxonômico de Poeciloscarta Stal, (Hemiptera, Auchenorryncha, Cicadellidae)

Corrêa, Paula Rafaela de Oliveira Alves January 2016 (has links)
Orientador : Prof. Dr. Rodney Ramiro Cavichioli / Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Entomologia). Defesa: Curitiba, 18/08/2016 / Inclui referências: f.: 47-49 / Resumo: Atualmente Poeciloscarta Stål, (1869) está constituído por quatro espécies conhecidas: Poeciloscarta cardinalis (Fabricius, 1803) espécie-tipo, P. extricans (Walker, 1858), P. aurorula (Breddin, 1901) e P. mielkei, Cavichioli, 1989. As espécies são registradas para o Norte da América do Sul: Bolívia, Brasil, Colômbia, Guiana, Guiana Francesa, Peru e Suriname. Neste estudo foram analisados 149 exemplares provenientes de quatro instituições. As quatro espécies válidas foram redescritas, a identidade de P. cardinalis definida, uma vez que a mesma era conhecida apenas pelo seu lectótipo e este não possui abdômen. Foram propostas três novas espécies, todas com ocorrência no Norte do Brasil, ampliando dessa forma o conceito do gênero, através de novos caracteres, principalmente, da genitália dos machos. Além disso, as descrições incluem estudos das estruturas do ovipositor das fêmeas, que demonstrou ser um bom diagnóstico para identificação do gênero, principalmente, a forma do esternito VII. É apresentada uma chave para identificação das espécies. PALAVRA CHAVE: Cicadellinae, Distribuição, Taxonomia. / Abstract: Poeciloscarta Stål (1869) comprises four known species: Poeciloscarta cardinalis (Fabricius, 1803) type species, P. extricans (Walker, 1858), P. aurorula (Breddin, 1901) and P. mielkei, Cavichioli, 1989. The species are recorded form north of South America: Bolivia, Brazil, Colombia, Guyana, French Guyana, Peru and Suriname. In this study were observed 149 specimens from four institutions. All previously described species were redescribed, the identity of P. Cardinalis is defined since its Lectotype lack abdomen. Three new species have been proposed, all occurring in northern Brazil, the concept of Poeciloscarta was expanded and new characters are added, especially about the male genitalia. The descriptions includes structures of female ovipositor, which proved to be good diagnosis caracter for identification of Poeciloscarta, especially the shape of the sternite VII. A key to species is present. KEY WORD: Cicadellinae, distribution, taxonomy.
5

Revisão do gênero Appula Thomson, 1864 (Coleoptera, Cerambycidae, Cerambycinae, Elaphidionini)

Franceschini, André Franco January 2000 (has links)
Made available in DSpace on 2013-08-07T19:12:55Z (GMT). No. of bitstreams: 1 000415448-Texto+Completo-0.pdf: 4616487 bytes, checksum: b4750569b2cae561676391294cb2fcf7 (MD5) Previous issue date: 2000 / A taxonomic revision of the genus Appula Thomson, 1864 is presented. The following new species are described: from Brazil, A. diamantinensis (Pará, Mato Grosso) and A. santarensis (Pará); and from Peru and Brazil (Mato Grosso, Goiás), A. eduardae. Seven species are redescribed, illustrated and keyed. Male and female genitalia are studied for the first time for the Appula species. / Apresenta-se a revisão taxonômica do gênero Appula Thomson, 1864 com a redescrição das sete espécies conhecidas: A. aliena Martins, 1981; A. argenteoapicalis Fuchs, 1961; A. lateralis (White, 1853); A. melancholica Gounelle, 1909; A. nigripes Bates, 1960; A. sericatula Gounelle, 1909; A. undulans (White, 1853). Mais três espécies novas são descritas: do Brasil, A. diamantinensis (Pará, Mato Grosso) e A. santarensis (Pará); do Peru e do Brasil (Mato Grosso, Goiás), A. eduardae. As espécies foram ilustradas e separadas em chave. A genitália de machos e fêmeas foi estudada pela primeira vez para as espécies de Appula.
6

Biologia e interação com plantas associadas dos percevejos barriga-verde, Dichelops furcatus (F., 1775) e Dichelops melacanthus (Dallas, 1851) (Hemiptera: Heteroptera: Pentatomidae)

Smaniotto, Lisonéia Fiorentini January 2015 (has links)
Orientador : Dr. Antônio Ricardo Panizzi / Tese (doutorado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Entomologia). Defesa: Curitiba, 27/02/2015 / Inclui referências / Área de concentração : Entomologia / Resumo: Estudos referentes à identificação, bioecologia e preferência alimentar dos percevejos barriga-verde Dichelops furcatus (F., 1775) e Dichelops melacanthus (Dallas, 1851) em diferentes plantas cultivadas [milho, Zea mays L., trigo, Triticum aestivum L., Poaceae, e soja, Glycine max (L.) Merrill, Fabaceae] e não-cultivadas (buva, Conyza bonariensis L., picão-preto, Bidens pilosa L., Asteraceae, e leiteiro, Euphorbia heterophylla L., Euphorbiaceae) foram realizados na região de Passo Fundo, RS. A identificação e diferenciação dos percevejos do gênero Dichelops Spinola, 1837 foram baseadas na genitália masculina e caracteres externos dos insetos (coloração do pronoto, tamanho do inseto). Em levantamento realizado durante o período de dois anos (2011/13), o percevejo barriga-verde encontrado na região de Passo Fundo, RS, foi identificado como D. furcatus; sendo observado com maior frequência durante o outono, inverno e primavera. A área em pousio, com presença de restos das culturas de soja e milho, assim como área com pastagem perene, contribuíram para a manutenção e o desenvolvimento do percevejo D. furcatus. Verificou-se que esse percevejo apresentou distribuição desuniforme no campo. D. melacanthus não foi encontrada. Em testes em laboratório, os melhores resultados quanto ao desempenho de ninfas de D. furcatus e D. melacanthus foram quando elas se alimentaram com vagem verde de soja (VVS); quando os alimentos foram oferecidos na forma de plântulas nenhuma das ninfas chegou à fase adulta. Ninfas de D. furcatus alimentadas com VVS tenderam a apresentar menor mortalidade (30%), em comparação com os demais alimentos [83,3% em sementes maduras de trigo (SMT); 93,3% em vagem verde de feijão (VVF); 100,0% em sementes maduras de soja (SMS), sementes maduras de milho (SMM), e plântulas de soja (PLS), de trigo (PLT) e de milho (PLM)]. Ninfas de D. melacanthus alimentadas com VVS tenderam a apresentar menor mortalidade (30,0%), em comparação aos outros alimentos [50,0% em VVF; 70,0% em SMT; 83,3% em SMS; 100% em PLS; PLT e PLM]. As ninfas de ambas as espécies, alimentadas com plantas não-cultivadas apresentaram alta mortalidade. Ninfas de D. furcatus alimentadas com sementes maduras de picão-preto B. pilosa (SMP) apresentaram mortalidade (93,3%), e 100,0% nos seguintes alimentos: sementes maduras de buva C. bonariensis (SMB); sementes maduras de leiteiro E. heterophylla (SML); plântulas de picão-preto B. pilosa (PLP); plântulas de buva C. bonariensis, (PLB); plântulas de leiteiro E. heterophylla (PLL). Ninfas de D. melacanthus tiveram mortalidade de 100,0% quando alimentadas com SMP, SMB, SML, PLP, PLB e PLL. Os adultos de D. furcatus apresentaram melhor desempenho ao se alimentarem de partes reprodutivas em comparação às vegetativas (plântulas). VVF e VVS proporcionaram um desempenho reprodutivo melhor para os adultos de D. furcatus, com maior percentagem de fêmeas em oviposição (70,0 e 55,0% respectivamente); nos alimentos SMS, SMT e SMM o desempenho reprodutivo variou de 15,0-35,0%; as fêmeas que foram alimentadas com plântulas não ovipositaram. Os adultos de D. melacanthus apresentaram melhor desempenho ao se alimentar com VVS e VVF, nos quais, 75,0% das fêmeas ovipositaram; nos alimentos SMM, SMT e SMS o desempenho variou de 45,0-55,0%; em plântulas, as fêmeas não ovipositaram. Em alimentos derivados de plantas não-cultivadas, fêmeas de ambas as espécies não ovipositaram. Em coletas realizadas a campo, o percevejo D. furcatus apresentou espinhos pronotais curtos e mais arredondados nos meses do outono/inverno, e mais longo nos meses da primavera/verão; a coloração abdominal variou durante o ano; na primavera/verão a coloração abdominal foi predominantemente verde, e parte da população no outono/inverno apresentaram abdômen marrom-acinzentado. Os machos e fêmeas das espécies D. furcatus e D. melacanthus apresentaram órgãos reprodutivos imaturos no outono/inverno. No teste de preferência com a utilização de olfatômetro, adultos de D. furcatus preferiram plântulas de trigo, soja e milho. Em gaiolas de criação, adultos de D. furcatus, preferiram plântulas de buva, C. bonariensis, picão-preto B. pilosa, e leiteiro E. heterophylla. Para D. melacanthus em teste de olfatometria os adultos preferiram plântulas de milho e trigo. Em gaiolas de criação adultos de D. melacanthus preferiram plântulas de buva C. bonariensis, picão-preto B. pilosa, e leiteiro E. heterophylla. Em geral, as plântulas de plantas cultivadas foram preferidas quando comparadas as plântulas de plantas não-cultivadas em teste de olfatometria, e, em gaiolas de criação, a preferência foi por plântulas de plantas não-cultivadas. Palavras-chaves: Percevejos, Dichelops furcatus, Dichelops melacanthus, preferência alimentar, plantas cultivadas, plantas não-cultivadas, olfatometro. / Abstract: Studies referring to the identification, bioecology and feeding preference of the green-bellied stink bugs Dichelops furcatus (F., 1775) and Dichelops melacanthus (Dallas, 1851) in different cultivated plants [corn, Zea mays L., wheat, Triticum aestivum L., Poaceae, e soybean, Glycine max (L.) Merrill, Fabaceae] and non-cultivated (flax-leaf fleabane, Conyza bonariensis L., black-jack, Bidens pilosa L., Asteraceae, and fireplant, Euphorbia heterophylla L., Euphorbiaceae) have been carried out along the region of Passo Fundo, RS. The identification and differentiation of the Dichelops Spinola, 1837 stink bugs were based mainly on male genitalia and external features of the insects (pronotum coloration, insect size). On field surveys, realized during a period of two years (2011/13), the green-bellied bug found in the region of Passo Fundo, RS, was identified as D. furcatus being more frequently observed during autumn, winter and spring. The area of fallowing, with the presence of remaining of soybean and corn cultures, as well as in perennial pasture areas, contributed to the maintenance and development of the stink bug D. furcatus. It was verified that the distribution of the bug was not uniform. The species D. melacanthus was not found. In lab tests, the best results on nymphs performance D. furcatus and D. melacanthus was when the fed on soybean pod (VVS); when the food offered was in the form of seedlings no nymphs reached the adult phase. D. furcatus nymphs fed with VVS presented less mortality (30,0%), in comparison with other foods [83,3% in mature wheat seeds (SMT); 93,3% in green beans (VVF); 100,0% in mature soybean seeds (SMS), in mature corn seeds (SMM), and in soybean seedlings (PLS)]. D. melacanthus nymphs fed with VVS tended to presented less mortality (30,0%) in comparison with other foods [50,0% in VVF; 70,0% in SMT; 83,3% in SMS; 100% in PLS; PLT and PLM]. Nymphs of both species fed with non-cultivated plants presented high mortality rates. D. furcatus nymphs fed with mature seeds of black-jack B. pilosa (SMP) presented mortality (93,3%). Nymphs fed with mature seeds of black-jack showed mortality (93,3%), and 100,0% on the following foods: flax-leaf mature seeds C. bonariensis (SMB); fireplant mature seeds E. heterophylla (SML); black-jack seedlings B. pilosa (PLP); flax-leaf seedlings C. bonariensis, (PLB); fireplant seedlings E. heterophylla (PLL). D. melacanthus nymphs had a rate of 100,0% mortality when fed with SMP, SMB, SML, PLP, PLB and PLL. D. furcatus adults showed better performance when feeding on reproductive parts in comparison to vegetative (seedlings). VVF and VVS provided a better reproductive performance, with a higher percentage of females in oviposition (70,0% and 55,0%); in the SMS, SMT and SMM foods, the reproductive performance varied between 15,0 - 35,0%; the females fed with seedlings did not oviposit. Adults of D. melacanthus showed better performance when feeding with VVS and VVF, in which 75,0% of females oviposit; with the SMM, SMT and SMS foods the performance varied between 45,0-55,0%; with seedlings the females did not oviposit. In foods derived from non-cultivated plants, females of both species did not oviposit. In field collects, the D. furcatus stink bug presented shorter and rounder spines during the autumn/winter months, and longer spines during the spring/summer months; the abdominal coloration varied along the year; in spring/summer it was mainly green, and part of the population presented greyish brown abdominal coloration during the autumn/winter. Males and females of D. furcatus e D. melacanthus presented immature reproductive organs during autumn/winter. In the preference test with olfactometer, adults of D. furcatus preferred wheat, soybean and corn seedlings. In cages, D. furcatus preferred seedlings of flax-leaf, C. bonariensis, black-jack B. pilosa, and fireplant E. heterophylla. For D. melacanthus in the olfactometer tests, the adults preferred corn and wheat seedlings. In cages D. melacanthus preferred flax-leaf C. bonariensis, black-jack B. pilosa, and fireplant E. heterophylla. In general, in the olfactometer tests seedlings of cultivated plants where preferred in comparison to non-cultivated plants; in cages tests the opposite was observed. Keywords: Stink bug, Dichelops furcatus, Dichelops melacanthus, feeding preference, cultivated plants, non-cultivated plants, olfactometer.
7

Revisão e análise filogenética do gênero Paratetrapedia (Hymenoptera, Apidae, Tapinotaspidini)

Aguiar, Antonio José Camillo de 18 March 2013 (has links)
Resumo: O gênero Paratetrapedia Moure, 1941 é aqui revisado. Dezenove novas espécies são descritas, totalizando 32 espécies para o gênero. Além das 19 novas espécies, as seguintes espécies são reconhecidas: P. duckei (Friese, 1910) = P. xanthaspis (Cockerell, 1929) syn. nov., P. romani (Friese, 1923) comb. nov., P. lineata (Spinola, 1851) = P. lacteipennis (Vachal, 1909) comb. nov., syn. nov.; P. bicolor (Smith, 1854) = P. nasuta (Smith, 1854); P. fervida (Smith, 1879) comb. nov. = P. bunchosiae (Friese, 1899) syn. nov. = P. flaviventris (Friese, 1899) syn. nov. = P. obsoleta (Schrottky, 1902) syn. nov. = P. velutina (Friese, 1910) syn. nov. = P. albilabris (Friese, 1916) comb. nov., syn. nov.; P. connexa (Vachal, 1909) comb. nov. = P. mayarum (Cockerell, 1912) comb. nov., syn. nov. = P. hypoleuca Cockerell, 1923 comb. nov., syn. nov.; P. lugubris (Cresson, 1878) = P. amplipennis (Smith, 1879) = P. gigantea (Schrottky, 1909) syn. nov. = P. bombitarsis (Vachal, 1909) comb. nov. = P. gigantea (Friese, 1910) comb. nov. = P. dentiventris (Friese, 1921) comb. nov, syn. nov.; P. volatilis (Smith, 1879) comb. nov. = P. maculata (Friese, 1899) syn. nov. = P. fuliginosa (Schrottky, 1902) comb. nov., syn. nov. = P. bimaculata (Schrottky, 1902) comb. nov., syn. nov.; P. leucostoma (Cockerell, 1923); P. calcarata (Cresson ,1878) = P. antennata (Friese, 1899); P. testacea (Smith, 1854) comb. nov. = P. obtusa Vachal, 1909 comb. nov.; P. maesta (Cresson, 1878); P. flavipennis (Smith, 1879). Lectótipos são designados para 12 espécies: Tetrapedia amplipennis Smith, T. gigantea Friese, T. dentiventris Friese, T. maculata Friese, T. fuliginosa Schrottky, T. antennata Friese, T. obtusa Vachal, T. lacteipennis Vachal, T. romani Friese, T. duckei Friese. Chaves de identificação para machos e fêmeas são fornecidas, incluindo mapas de distribuição e ilustrações de aspectos gerais e da terminália. Uma análise filogenética para as espécies foi gerada através de 71 caracteres e 41 táxons terminais. Uma mesma árvore foi gerada através da análise com pesagem igual e com pesagem implícita. A árvore de relacionamento filogenético entre as espécies de Paratetrapedia corrobora a monofilia do gênero e permite o reconhecimento de cinco grupos principais de espécies: grupo lugubris, grupo maesta, grupo bicolor, grupo lineata e grupo flavipennis. As espécies de Paratetrapedia são primariamente florestais e associadas a Floresta Amazônica. Paratetrapedia apresenta um padrão biogeográfico semelhante ao observado para outros gêneros de abelhas neotropicais e florestais, onde o grupo irmão apresenta distribuição na porção oeste da Amazônia.
8

Comunidade de Alticini (Newman, 1834) (Coleoptera: Chrysomelidae: Galerucinae) em áreas com diferentes tipos de manejo e níveis de preservaçao vegetal na floresta de Araucaria dfo Paraná, Brasil

Linzmeier, Adelita Maria January 2005 (has links)
A fauna de Alticini (Coleoptera, Chrysomelidae) de cinco áreas, duas com diferentes tipos de manejo e três em diferentes níveis de preservação, na Floresta de Araucária do Paraná foi levantada, através de armadilha Malaise. O material foi coletado semanalmente de setembro/1999 a agosto/2001, no Parque Estadual de Vila Velha, Ponta Grossa, Paraná. Foram coletados 1.891 exemplares de Alticini alocados em 106 espécies. A área de Borda, um ecótono, apresentou o maior número de espécies e o menor número de indivíduos. Nas áreas em sucessão, a riqueza de espécies foi condizente com o nível de preservação das áreas. A área de Borda apresentou os maiores índices de diversidade e nas áreas em sucessão os valores aumentaram com o grau de preservação das mesmas. A curva de acumulação de espécies evidenciou que no primeiro ano 79% das espécies já haviam sido coletadas. As estimativas de riqueza de espécies apontam que para Vila Velha ainda poderão ser coletadas entre 7 e 50 espécies e, os estimadores Bootstrap e Michaelis-Menten mostraram-se inadequados devendo ser melhor avaliados. A proporção de Chrysomelidae/Coleoptera diminuiu com o aumento do grau de preservação das áreas, podendo tal relação, servir como indicador de qualidade ambiental. Alticini não apresentou valores em ordem decrescente entre as três áreas, porém a menor proporção foi registrada na área mais preservada. Apesar das áreas serem relativamente próximas, apenas sete espécies foram comuns a todas as áreas, sendo, as áreas florestadas com manejo (Araucária) e em estágio inicial a avançado de preservação (Fase 1), as mais semelhantes. Quanto à estrutura de comunidade, as áreas Fase 1 e Fase 2 mostraram-se mais relacionadas. A área Fase 1, em estágio inicial de preservação, apresentou a maior variação tanto no número de indivíduos quanto no número de espécies, de um ano para outro e a área de Araucária, apesar de ter sido manejada, ocupa uma posição intermediária entre as áreas Fase 1 e Fase 2. A sazonalidade de Coleoptera, Chrysomelidae e Alticini foram coerentes com o padrão observado para insetos de áreas temperadas, com maior abundância nos meses mais quentes de primavera e verão, porém verificou-se que os picos de abundância desses grupos não ocorrem no mesmo mês. As cinco espécies mais abundantes representaram 54,5% do total coletado, sendo elas: Dinaltica gigia, Trichaltica elegantula, Phyllotrupes violaceomaculatus, Monoplatus ocularis e Syphraea olga. As duas primeiras possuem comportamento sazonal bem marcado, ocorrendo nos meses de primavera. Provavelmente são especialistas, estando restritas ao aparecimento de determinada planta hospedeira ou possuem um período de diapausa. As outras três espécies ocorrem durante o ano todo, sendo que S. olga, foi mais abundante no inverno. Provavelmente essas espécies são especialistas e/ou generalistas, tendo o recurso alimentar disponível o ano todo
9

Revisão do gênero Lispe Latreille, 1797 (Diptera: Musicadae) na América do Sul

Fogaça, João Manuel January 2015 (has links)
Orientador : Prof. Dr. Claudio J. B. de Carvalho / Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas (Entomologia). Defesa: Curitiba, 23/02/2015 / Inclui referências : fls. 33-37 / Área de concentração : Entomologia / Resumo: Muscidae é uma numerosa família de Diptera, com cerca de 5210 espécies descritas com ocorrência em todas as regiões biogeográficas. Na Região Neotropical são reconhecidas cerca de 840 espécies em 84 gêneros, do quais 80 ocorrem na América do Sul. O gênero Lispe Latreille, 1797, com L. tentaculata (De Geer, 1776) como espécie tipo do gênero, destaca-se por sua diversidade morfológica e fácil identificação. Pode ser reconhecido pelas seguintes características: ambos os sexos dicópticos; placa frontoorbital e parafaciália com sétulas; palpo dilatado apicalmente, em forma de espátula; anepímero com sétulas na região central; meron nu ou com sétulas e prosterno sempre nu. Lispe possui aproximadamente 156 espécies, das quais 12 ocorrem na Região Neotropical, sendo oito na América do Sul. As espécies do gênero são predadores e auxiliam no controle populacional de outros insetos e pequenos invertebrados de corpo mole. Apesar de alguns trabalhos terem sido realizados para região Neotropical, faz-se necessária uma revisão das espécies, pois as descrições do grupo são antigas e geralmente carecem de informações. O objetivo desse trabalho foi revisar as espécies de Lispe da América do Sul, buscando melhor detalhamento dos caracteres, com redescrição das espécies e proposição uma chave de identificação para o gênero na América do Sul. Como resultados seis espécies foram redescritas: L. latana, Snyder 1949; L. levis Stein, 1911; L. lisarba Snyder, 1949; L. serotina Wulp, 1896; L. setuligera Stein, 1911; L. vilis Stein, 1911. Foi proposta uma diagnose para L. rufitibialis Macquart, 1843. Foi figurada a genitália do macho, palpo, abdômen, tarsômeros anteriores e quinto esternito de L. tentaculata De Geer, 1776, e pela primeira vez foi feita uma chave pictórica para o gênero que inclui todas as espécies reconhecidas para o gênero na Região Neotropical. / Abstract: Muscidae is a large family of flies (Order Diptera) from all biogeographic regions comprising 5210 described species. Of the 84 genera found in the Neotropical Region 80 are found in South America. Of these, the genus Lispe Latreille, 1797 (type species L. tentaculata (De Geer, 1776)) is interesting due to its morphological diversity and easy identification. The following characteristics allow identification: both sexes are dichoptic; fronto-orbital plate and parafacialia setulose; spatula-like palpus enlarged apically; anepimeron setulose in center; meron bare or with setulae and prosternum invariably bare. Lispe includes ca. 156 species, of which 12 are in the Neotropical Region, of which eight are in South America. These species are predators and may be important in controlling populations of other insects and soft-bodied invertebrates. This group requires revision because descriptions are often old and lack important information. Thus, here we review and redescribe the South American species in the genus Lispe, examining characters for more taxonomic details. We also propose an identification key for the genus in South America. Six species were redescribed: L. latana, Snyder 1949; L. levis Stein, 1911; L. lisarba Snyder, 1949; L. serotina Wulp, 1896; L. setuligera Stein, 1911; L. vilis Stein, 1911. A diagnosis for L. rufitibialis Macquart, 1843 was proposed. We illustrated male genitalia, palpus and abdomen of L. tentaculata De Geer, 1776 and we provide the first pictorial key for the genus that includes all species recognized in the Neotropical Region
10

Análise da fauna de Coleoptera (Insecta) associada a carcaças enterradas de coelhos, Oryctolagus cuniculus (L.,1758) (Lagomorpha, Leporidae), em Curitiba, Paraná

Corrêa, Rodrigo César 30 April 2010 (has links)
No description available.

Page generated in 0.0506 seconds