Return to search

Aprendizado com base em problemas: motivando e qualificando alunos e professores nos cursos de engenharia

Submitted by infopei ufba (infopei@ufba.br) on 2016-12-07T20:58:50Z
No. of bitstreams: 1
DISSERTACAO_FINAL_FERNANDO_LIRA.pdf: 2799677 bytes, checksum: ad6e79a92145ac922848a45345616895 (MD5) / Approved for entry into archive by Escola Politécnica Biblioteca (biengproc@ufba.br) on 2017-03-16T14:19:36Z (GMT) No. of bitstreams: 1
DISSERTACAO_FINAL_FERNANDO_LIRA.pdf: 2799677 bytes, checksum: ad6e79a92145ac922848a45345616895 (MD5) / Made available in DSpace on 2017-03-16T14:19:36Z (GMT). No. of bitstreams: 1
DISSERTACAO_FINAL_FERNANDO_LIRA.pdf: 2799677 bytes, checksum: ad6e79a92145ac922848a45345616895 (MD5) / O grau e a qualidade do crescimento econômico de um país assim como sua capacidade de
inovação e desenvolvimento tecnológico guardam uma estreita relação com a qualidade e
quantidade dos seus engenheiros. O Brasil não tem se destacado neste setor, mesmo se
caracterizando como um país de proporção quase continental e com uma população da ordem
de 200 milhões de habitantes, apresentando um PIB nominal que o coloca entre as dez
maiores economias do mundo nos últimos 20 anos, dispondo de variadas fontes de recursos
naturais para geração de matéria-prima e de energia, e contando com um ambiente sóciopolitico-
econômico que vem favorecendo seu desenvolvimento.
A classificação dos últimos anos das 100 melhores universidades no campo da engenharia e
tecnologia, conforme o Times Higher Education World University Rankings, não inclui qualquer
instituição brasileira. O índice FIESP de Competitividade das Nações coloca o Brasil na 37ª
posição em 2012, dentre 43 países avaliados, e o índice de 0,24 patentes de residentes no
país/ 10.000 habitantes é bastante reduzido quando comparado ao valor 6,5 para o mesmo
indicador medido entre os países de competitividade elevada.
Por sua dimensão e importância, principalmente para seus habitantes, o país precisa criar uma
base sólida para manter seu crescimento econômico e social através de um desenvolvimento
tecnológico sustentável. Se inovação e tecnologia são inseparáveis da engenharia, é necessário
formar novos engenheiros com qualificação compatível para a geração de ideias e sua
transformação em novos processos, novos produtos, novas tecnologias.
A existência de mais de 600 IES no Brasil, com uma oferta em torno de 2.800 cursos de
engenharia e um ingresso anual (2011) da ordem de 195.000 novos alunos, parece indicar que
não há propriamente uma limitação quantitativa no número de faculdades existentes e de
alunos matriculados para formar novos engenheiros no país. Por outro lado, um número
aproximado de 45.000 concluintes nas engenharias em 2012 e uma taxa média anual de
evasão de alunos das engenharias da ordem de 45% para cursos de universidades públicas permitem supor que uma melhoria na qualidade e eficiência do ensino nos cursos de
engenharia poderá trazer maior qualificação aos engenheiros graduados e melhorar a taxa
anual de conclusão dos cursos de engenharia.
Neste sentido este trabalho procura mostrar que a experiência acumulada em métodos de
ensino ativo e colaborativo, em especial a pedagogia Aprendizado com Base em Problemas
(PBL), tem se mostrado um caminho eficaz de ensino-aprendizagem nas engenharias para
estimular e fixar os alunos até o fim da graduação, possibilitar o estreitamento da colaboração
universidade-empresa e conferir uma razoável qualificação técnico-comportamental aos
alunos ao longo de sua formação. Pesquisas conduzidas no ambiente de cursos de engenharia
de Salvador e de empresas do Pólo Industrial de Camaçari-Ba, e dados da introdução do PBL
em cursos de engenharia de universidades no Brasil, procuram mostrar que há um campo
favorável à ampliação da prática do PBL como forma de elevar a qualificação dos novos
engenheiros e reduzir as taxas de evasão nas engenharias do país. / The extent and excellence of economic growth as well as the innovation and technological development capacity of a given country keep a close relation with the amount and qualification of its engineers. Brazil does not rank in a good position in this area, although it stands as a continental size country with a population of almost 200 million people, has a GDP which ranks the country among the ten strongest economies in the world for the last 20 years, relies on a wide range of natural resources are available favoring raw materials exploration
and energy production, and presents a fairly reliable social, economic and political scenery to support its development.
The 100 best ranking universities in the engineering and technology field published by Times Higher Education World Rankings does not include any Brazilian institution among them. The Competitiveness of Nations index from the Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) ranks Brazil in the 37th position among the 43 countries assessed. The Brazilian ratio of 0,24 patents per 10.000 inhabitants strikes as too low when compared to a 6.5 ratio for the same parameter taken among highly developed countries. The challenges from the global competition demand a persistent and sustainable technological development effort in the country to meet the required economic and social growth which in turn rests on knowledge and professional performance solid ballast. Since innovation and technology cannot prosper apart from engineering, new well qualified engineering graduates are necessary to produce concepts and to transform them in new processes, new products, new technologies. A number of 600 universities or more offering around 2.800 engineering courses that take 195.000 new students yearly (2011 data) seems to demonstrate that there is no quantitative restraint on the number of existing undergraduate engineering programs and enrolled students so that the required number of new engineers can graduate in Brazil. On the other hand, an approximate number of 45.000 graduates in engineering (2012 data) and an yearly Cavalcante, F. - Dissertação de M.Sc., PEI/EP/UFBA, 2014 Preliminares vii engineering student dropout rate around 50% (in public colleges) in the last decade make it possible to imagine that an improvement in quality and efficiency in the engineering education may increase engineer graduates capability and strongly reduce dropout rates in engineering. This study aims to demonstrate that the experience collected through active and collaborative instruction methods, especially Problem Based Learning (PBL) pedagogy, have proved a very useful teaching-learning route to motivate and retain engineering students in their programs until graduation, to narrow cooperation between companies and university, and to add professional generic skills to the traditional curriculum content. Data obtained through inquiries applied to engineering course faculties at EPUFBA-Salvador and companies in the Pólo Industrial de Camaçari-Ba, as well as recent information on the introduction of PBL methodology in engineering courses in Brazil, attempt to offer evidence that there are favorable conditions for PBL to be applied in order to stimulate engineering students tograduate as they improve their professional skills, bearing to a decrease in dropout rates

Identiferoai:union.ndltd.org:IBICT/oai:192.168.11:11:ri/21692
Date01 March 2014
CreatorsCavalcante, Fernando Parente Lira
ContributorsSouza, Marcelo Embiruçu de, Embiruçu de Souza, Marcelo, Bastos, Antônio Virgílio Bittencourt, Andrade, José Célio Silveira, Costa, Ana Paula Cabral Seixas
PublisherUniversidade Federal da Bahia, Departamento de Engenharia Quimica, Engenharia Industrial, PEI, brasil
Source SetsIBICT Brazilian ETDs
LanguagePortuguese
Detected LanguagePortuguese
Typeinfo:eu-repo/semantics/publishedVersion, info:eu-repo/semantics/masterThesis
Sourcereponame:Repositório Institucional da UFBA, instname:Universidade Federal da Bahia, instacron:UFBA
Rightsinfo:eu-repo/semantics/openAccess

Page generated in 0.0029 seconds