Return to search

Excesso de peso, práticas alimentares e características do ambiente alimentar em adolescentes da rede estadual de ensino de uma capital do sul do Brasil

Orientadora: Profª. Drª. Doroteia Aparecida Höfelmann / Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Defesa: Curitiba, 10/07/2017 / Inclui referências / Resumo: Práticas alimentares e ambientes obesogênicos contribuem para o aumento na prevalência de excesso de peso e das doenças a ele associadas. Este estudo estimou a prevalência do excesso de peso e investigou sua associação com características do ambiente alimentar escolar e dos adolescentes das escolas estaduais de Curitiba/PR. Estudo transversal, analítico, conduzido entre Março/2016 e Maio/ 2017, com adolescentes de 10 a 19 anos, diretores escolares e administradores de cantinas. Prevalência de excesso de peso (sobrepeso e obesidade) estimada com base no Índice de Massa Corporal. Dados de comportamentos relacionados à saúde e de práticas alimentares dos adolescentes, e informações dos diretores das escolas, foram coletados por meio de questionário autopreenchível; dados das cantinas obtidos por meio de entrevista com os administradores. Utilizada análise multivariável, estratificada por sexo, para expressar razão de prevalência (RP), não ajustada e ajustada, intervalo de confiança de 95% (IC95%), de modo a identificar associações entre excesso de peso e variáveis de exposição. Utilizada estatística descritiva e correlações para avaliar a relação entre oferta de alimentos permitidos ou não pela Lei das Cantinas e variáveis, por meio da construção de índice para cada grupo destes alimentos. Participaram 1.232 adolescentes (proporção de resposta 75,9%), 30 diretores e 27 administradores de cantinas escolares. Mais de 2/3 das cantinas vendia alimentos não permitidos, com presença de corantes, alto teor de sódio e gordura, tais como bebidas açucaradas (n=22; 81,5%) e doces, pipocas e salgadinhos industrializados (n=13; 48,2%). A maioria das cantinas servia salgados assados (n=25; 92,6%) e apenas uma (3,7%) comercializava salgados fritos. Não foram encontrados produtos sem rotulagem ou data de validade. Apenas a oferta de ensino técnico esteve associada à maior disponibilidade de alimentos permitidos pela legislação (p=0,033). Entre os adolescentes, 51,8% eram do sexo masculino e com idade média de 14,3 anos (desvio-padrão 2,0). A prevalência de excesso de peso foi de 30,4% (IC95%: 26,4;34,4): 31,6% (IC95%: 27,1;36,0) para meninos e 29,2% (IC95%: 24,2;34,2) para as meninas. Observada redução da prevalência do excesso de peso com o aumento da faixa etária em meninos (p=0,002, teste de tendência linear). A prevalência de excesso de peso foi menor entre os meninos que realizaram mais de 4-5 refeições ao dia (RP=0,62; IC95%: 0,45;0,86) e entre meninas que realizaram mais de 6 refeições ao dia, (RP=0,37; IC 95%: 0,23;0,59); foi menor entre os meninos (RP=0,56; IC95%: 0,36;0,89) e maior entre as meninas (RP=1,73; IC95%: 1,21;2,47) que experimentaram álcool, respectivamente. Não foi observada associação entre o desfecho e índices de alimentos permitidos e não permitidos pela Lei das Cantinas. Em conclusão, o estudo constatou associação do excesso de peso com a experimentação de álcool e o número de refeições. Em relação ao ambiente alimentar, as cantinas avaliadas se caracterizaram como locais de comercialização de lanches rápidos e oferta de alimentos proibidos, apesar da existência da Lei. Destaca-se a importância de estudos, longitudinais e qualitativos, que investiguem detalhadamente as fontes e os alimentos consumidos na escola, sua significação e o impacto da oferta de alimentos nas cantinas sobre o estado nutricional e sobre o consumo alimentar dos adolescentes. Palavras-chave: Sobrepeso. Adolescente. Alimentação escolar. Comportamento alimentar. Cantina. / Abstract: Eating practices and obesogenic environments contribute to the increase in the prevalence of overweight and associated diseases. This study estimated the prevalence of overweight and investigated its association with the school food environment and characteristics of adolescents from state schools of Curitiba / PR. A cross-sectional, analytical study, conducted between March/2016 and May/2017, with adolescents aged 10 to 19, school directors and school canteens managers. Prevalence of overweight (overweight and obesity) was estimated based on the Body Mass Index. Data on health-related behaviors and eating habits of adolescents, as well as information of the school director, were collected through a self-reported questionnaire; canteens data obtained through an interview with the managers. Multivariate analysis, stratified by gender, was used to express crude and adjusted prevalence ratio (PR), with a 95% confidence interval (95%CI), in order to identify associations between overweight and exposure variables. Descriptive statistics and correlations were used to evaluate the relationship between food supply allowed and not allowed by the Canteen Law and the variables, by constructing index for each group of these foods. A total of 1,232 adolescents (response rate 75.9%), 30 school directors and 27 school canteens managers participated in the study. More than 2/3 of canteens sold food not allowed, with presence of synthetic colorant, high sodium and fat content, such as sugary beverages (n=22, 81.5%) and candies, industrialized popcorn and salty snacks (n=13, 48.2%). Mainly canteens offer to sell baked snacks (n=25, 92.6%), only one offered fried snacks (n=1, 3.7%). No products were found without labeling or expiration data. Only the offer of technical education was associated with greater availability of food allowed by legislation (p=0.033). Among adolescents, 51.8% were male and the mean age was 14.3 years (standard deviation 2.0). The prevalence of overweight was 30.4% (95%CI: 26.4, 34.4): 31.6% (95%CI: 27.1, 36.0) for boys and 29.2% (95%CI: 24.2; 34.2) for girls and decrease with age in males (p = 0.002, linear trend test). The prevalence of overweight was lower among boys who had more than 4-5 meals per day (PR=0.62, 95%CI: 0.45, 0.86) and among girls who had more than 6 meals a day, (PR=0.37, 95%CI 0.23, 0.59); was lower among boys (PR=0.56, 95%CI: 0.36, 0.89) and higher among girls (PR=1.73, 95%CI: 1.21, 2.47) who experienced alcohol, respectively. No association was observed between the outcome and food indices allowed and not allowed by the Canteen Law. In conclusion, this study found association of overweight with alcohol experimentation and number of meals. In relation to the food environment, the canteens evaluated were characterized as places for the commercialization of snacks and supply of prohibited foods, despite the existence of the Law. Highlights the importance of longitudinal and qualitative studies that investigate in detail the sources and foods consumed at school, your meaning and the impact of the food supply in canteens on the nutritional status and food consumption of adolescents. Key words: Overweight. Adolescent. School feeding. Eating behavior. Canteen.

Identiferoai:union.ndltd.org:IBICT/oai:dspace.c3sl.ufpr.br:1884/51528
Date January 2017
CreatorsMachado, Christiane Opuszka
ContributorsUniversidade Federal do Paraná. Setor de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Höfelmann, Doroteia Aparecida
Source SetsIBICT Brazilian ETDs
LanguagePortuguese
Detected LanguagePortuguese
Typeinfo:eu-repo/semantics/publishedVersion, info:eu-repo/semantics/masterThesis
Format147 f., application/pdf
Sourcereponame:Repositório Institucional da UFPR, instname:Universidade Federal do Paraná, instacron:UFPR
Rightsinfo:eu-repo/semantics/openAccess

Page generated in 0.0079 seconds