Return to search

A construção discursiva de masculinidades bissexuais: um estudo em linguística Queer

Submitted by Amanda Silva (amanda.osilva2@ufpe.br) on 2015-03-10T14:37:48Z
No. of bitstreams: 2
TESE - ISMAR INÁCIO.pdf: 5232547 bytes, checksum: 1fae2a5adb75ff94ae7ade7d6cf10bb3 (MD5)
license_rdf: 1232 bytes, checksum: 66e71c371cc565284e70f40736c94386 (MD5) / Made available in DSpace on 2015-03-10T14:37:48Z (GMT). No. of bitstreams: 2
TESE - ISMAR INÁCIO.pdf: 5232547 bytes, checksum: 1fae2a5adb75ff94ae7ade7d6cf10bb3 (MD5)
license_rdf: 1232 bytes, checksum: 66e71c371cc565284e70f40736c94386 (MD5)
Previous issue date: 2012-03-09 / CNPq / Nos últimos anos, devido ao boom da Internet, e nessa os chats, tem acontecido um
movimento de homens que almejam “conversar” com outros homens, para
estabelecimento de relações sexuais. É o homoerotismo entre homens. Assim, nas
conversas tecladas as masculinidades têm sido reconfiguradas, forjando, de modo
expressivos, homens que se posicionam como bissexuais. Em função disto, este estudo
objetivou compreender o posicionamento desses homens nestas conversas e quais
performances de masculinidades bissexuais são por eles construídas, na tentativa de
compreender que imagens são propostas para esses homens, que comportamentos são
propostos, que identificação e ou distanciamento são forjados em relação às
masculinidades heterossexual e homossexual e se esses posicionamentos provocam
fissuras no sistema de gênero inteligível. A pesquisa se situa como um estudo em
Linguística Aplicada, pois tem em seus aportes orientações dos estudos em linguagem –
em estudos de gênero discursivo e estudos sociolinguísticos, através da linguística
queer, dos estudos socioantropológicos, dos estudos de gênero e dos estudos em
sexualidade, bem como dos estudos etnográficos. Dessa maneira, serviram de base os
estudos de Austin, Bakhtin, Bauman, Bucholtz e Hall, Butler, Carrara, Connell, Davies
e Harre, Foucault, Giddens, Goffman, Hine, Louro, Moita Lopes, Ochs, Seffner e
Wortham, dentre outros. Nesse bojo, a Linguística Aplicada necessitou se indisciplinar,
pois se constituiu por quadros conceituais híbridos, na tentativa de possibilitar a
aproximação com a complexidade da vida em seus sentidos de gênero e sexualidade. O
corpus analisado foi formado por conversas tecladas abertas, geradas através da
etnografia virtual, sendo, dessas, destacados “nicknames”, “gritos”, “anúncios de si” e
“flagras de conversas”. Além das conversas abertas, foram geradas entrevistas com
homens que se posicionavam como bissexuais, e nessas, algumas narrativas de si. Após
as análises, compreendemos que as configurações dessas masculinidades são realizadas
em cumplicidade e com o apoio do ideal de homem, o homem vitoriano, mas que, de
todo modo, são “outros” jeitos de encarar as masculinidades que são construídos nesse
espaço virtual; são outras compreensão para as masculinidades.

Identiferoai:union.ndltd.org:IBICT/oai:repositorio.ufpe.br:123456789/11663
Date09 March 2012
CreatorsSANTOS FILHO, Ismar Inácio dos
ContributorsHOFFNAGEL, Judith Chambliss
PublisherUniversidade Federal de Pernambuco
Source SetsIBICT Brazilian ETDs
LanguageBreton
Detected LanguagePortuguese
Typeinfo:eu-repo/semantics/publishedVersion, info:eu-repo/semantics/doctoralThesis
Sourcereponame:Repositório Institucional da UFPE, instname:Universidade Federal de Pernambuco, instacron:UFPE
RightsAttribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Brazil, http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/3.0/br/, info:eu-repo/semantics/openAccess

Page generated in 0.0202 seconds