Return to search

Biodegradabilidade de isômeros de xileno por bactérias isoladas do terminal portuário de SUAPE - PE

Made available in DSpace on 2014-06-12T15:51:19Z (GMT). No. of bitstreams: 2
arquivo4488_1.pdf: 877722 bytes, checksum: aebb28bad5f7b64dcc8fe3c179caf4a9 (MD5)
license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5)
Previous issue date: 2005 / O xileno, também chamado de dimetilbenzeno, é um hidrocarboneto monoaromático
existente sob as três formas isoméricas: orto, meta e para. Tem ampla utilização em tintas, colas,
tintas de impressão, na formulação de pesticidas, nas indústrias do couro e da borracha, em
laboratórios histológicos e como componente da gasolina. A constante introdução desse
composto no ambiente pode ocasionar problemas ambientais e a saúde humana devido à sua
toxicidade. Uma alternativa para eliminar ou minimizar esses problemas é a biorremediação,
tecnologia que utiliza microrganismos para degradarem poluentes. Este trabalho objetiva estudar
a biodegradabilidade de isômeros de xileno por bactérias isoladas do Terminal Portuário de
Suape-PE. A partir de quarenta culturas bacterianas, previamente isoladas de ambiente poluído
por petroderivado, foi realizada a seleção de linhagens degradadoras, isoladas e em consórcios,
aplicando-se a técnica do indicador redox 2,6 diclorofenol indofenol, utilizando os isômeros de
xileno isolados e a mistura deles. A linhagem selecionada foi identificada e aclimatada,
variando-se a concentração da fonte oleosa (1%, 3% e 5% v/v) em meio mineral de Bushnell-
Haas (BH). Os ensaios de biodegradação foram efetuados em frascos Erlenmeyer (500 mL),
vedados com rolha de borracha, contendo 75% do meio BH, 20% de inóculo aclimatado e 5% da
fonte de carbono, sob agitação de 200 rpm, temperatura de 30±1°C por 24h e 72h, sendo feitas as
medidas da quantificação celular e do percentual de biodegradação nos referidos tempos. Das 40
linhagens testadas, a UFPEDA-816 apresentou potencial degradador para os três isômeros de
xileno, enquanto que a UFPEDA-837 foi capaz de oxidar apenas os isômeros orto- e meta-xileno
e o consórcio formado por essas duas linhagens não apresentou potencialidade para degradar os
referidos isômeros. A linhagem UFPEDA-816 foi identificada como Bacillus megaterium. Na
aclimatação, os valores de pH ficaram próximos da neutralidade; a cultura apresentou melhor
crescimento na presença de orto-xileno e na mistura dos isômeros; houve uma maior redução na
tensão superficial do meio quando para-xileno era a fonte oleosa. Nos ensaios de biodegradação,
verificou-se, após 24h, um crescimento significativo do B. megaterium com orto-xileno e com a
mistura dos isômeros; após 72h, houve uma redução do crescimento celular na presença de todas
as fontes de carbono. O maior percentual de biodegradação ocorreu nas primeiras 24h, sendo
significativo apenas para orto-xileno

Identiferoai:union.ndltd.org:IBICT/oai:repositorio.ufpe.br:123456789/1594
Date January 2005
CreatorsLIMA, Laureni Alves
ContributorsSOUZA, Maria de Fátima Vieira de Queiroz
PublisherUniversidade Federal de Pernambuco
Source SetsIBICT Brazilian ETDs
LanguagePortuguese
Detected LanguagePortuguese
Typeinfo:eu-repo/semantics/publishedVersion, info:eu-repo/semantics/masterThesis
Sourcereponame:Repositório Institucional da UFPE, instname:Universidade Federal de Pernambuco, instacron:UFPE
Rightsinfo:eu-repo/semantics/openAccess

Page generated in 0.0018 seconds