Return to search

A seiva e o traço: configurações da memória na escrita do diário de viagem do botânico Francisco Freire Alemão (1859-1861)

TEIXEIRA, Karoline Viana. A seiva e o traço: configurações da memória na escrita do diário de viagem do botânico Francisco Freire Alemão (1859-1861). 2017. 397f. – Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-graduação em História, Fortaleza (CE), 2017.

Submitted by Gustavo Daher (gdaherufc@hotmail.com) on 2017-08-17T11:51:27Z No. of bitstreams: 1 2008_tese_kvteixeira.pdf: 4494197 bytes, checksum: 1e803db1f2c9e4818aa6057b71fcf9a2 (MD5)

Rejected by Márcia Araújo (marcia_m_bezerra@yahoo.com.br), reason: on 2017-08-17T14:43:36Z (GMT)

Submitted by Gustavo Daher (gdaherufc@hotmail.com) on 2017-08-17T14:52:26Z No. of bitstreams: 1 2017_tese_kvteixeira.pdf: 4494197 bytes, checksum: 1e803db1f2c9e4818aa6057b71fcf9a2 (MD5)

Approved for entry into archive by Márcia Araújo (marcia_m_bezerra@yahoo.com.br) on 2017-08-17T15:19:29Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2017_tese_kvteixeira.pdf: 4494197 bytes, checksum: 1e803db1f2c9e4818aa6057b71fcf9a2 (MD5)

Made available in DSpace on 2017-08-17T15:19:30Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2017_tese_kvteixeira.pdf: 4494197 bytes, checksum: 1e803db1f2c9e4818aa6057b71fcf9a2 (MD5) Previous issue date: 2017

This thesis deals with Francisco Freire Alemão’s travel journal. One of the leading Brazilian naturalists of the 19th century, Freire Alemão wrote this journal during the Scientific Exploration Commission, an expedition that ran between 1859 and 1861 in the backlands of Ceará, as well as parts of the provinces of Rio Grande do Norte, Piauí and Pernambuco. Freire Alemão accumulated the functions of president of the Scientific Commission and head of the Botanical Section, bringing to the Court a herd of 14,000 plants. Considered the first scientific trip composed exclusively by Brazilian naturalists, the Scientific Commission of Exploration reflected the effort of the Brazilian Empire in the promotion of discoveries that were to leverage the economy of the country, as it happened in the European nations and in the United States. Despite the criticism, scarcity of funds and administrative and personal disagreements that undermined the continuity of its work, I try to approach the experience of the Scientific Commission within the possibilities and limits in the use of science as the intellectual arm of the development of the Brazilian Empire. Because of the cessation of the work of the Botanical Section and the illness of Freire Alemão, the diary remained in its original form, without any type of editing or cut, an operation that would have happened if it had been published. My purpose is to highlight the writing of the diary as the production of a particular memory, through a writing produced from a strategic knowledge aimed not only for the flourishing of science, but also to meet the demands of a policy aimed at using all the potentiality of the natural world. But a writing that at the same time registers an experience permeated by uncertainties, misunderstandings, unusual body reactions to the environment and inversions of the role of observer and observed. As a record of a memory and memory of a record, I take the diary as a privileged object to approach lived experiences, as well as to discern the diverse and complex fabric of mnemonic compositions, bringing together the connections between the subject in his private experiences and his relation with the collective.

Esta tese tem por objeto o diário de viagem que Francisco Freire Alemão, um dos principais naturalistas brasileiros do século XIX, redigiu no transcurso da Comissão Científica de Exploração, expedição que percorreu, entre 1859 e 1861, os sertões do Ceará, além de partes das províncias do Rio Grande do Norte, Piauí e Pernambuco. Freire Alemão acumulava as funções de presidente da Comissão Científica e chefe da Seção Botânica, tendo trazido para o Corte um hervário com 14 mil plantas. Considerada a primeira viagem científica composta exclusivamente por naturalistas brasileiros, a Comissão Científica de Exploração refletia o esforço do Império brasileiro na promoção de descobertas que viessem a alavancar a economia do país, como ocorria nas nações europeias e nos Estados Unidos. A despeito das críticas, escassez de verbas e desavenças administrativas e pessoais que minaram a continuidade dos seus trabalhos, procuro abordar a experiência da Comissão Científica dentro das possibilidades e limites no uso da ciência como braço intelectual do desenvolvimento do Império brasileiro. Por conta da cessação dos trabalhos da Seção Botânica e do adoecimento de Freire Alemão, o diário permaneceu em sua forma original, sem qualquer tipo de edição ou corte, operação que fatalmente ocorreria caso tivesse sido publicado. Meu objetivo é evidenciar a escrita do diário como a produção de uma determinada memória, por meio de uma escrita produzida a partir de um saber estratégico voltado não apenas para o florescimento da ciência, como também para atender a demandas de uma política voltada para utilizar toda a potencialidade do mundo natural. Mas uma escrita que, ao mesmo tempo, registra uma experiência permeada de incertezas, incompreensões, reações inusitadas ao ambiente e inversões do papel de observador e observado. Como registro de uma memória e memória de um registro, abordo o diário como objeto privilegiado para abordar experiências vividas, bem como divisar a tessitura diversa e complexa das composições mnemônicas, congregando as conexões entre o sujeito nas suas vivências privadas e na sua relação com o coletivo.

Identiferoai:union.ndltd.org:IBICT/oai:www.repositorio.ufc.br:riufc/24772
Date2017
CreatorsTeixeira, Karoline Viana
ContributorsLucas, Meize Regina de Lucena
Source SetsIBICT Brazilian ETDs
LanguagePortuguese
Detected LanguageEnglish
Typeinfo:eu-repo/semantics/publishedVersion, info:eu-repo/semantics/doctoralThesis
Sourcereponame:Repositório Institucional da UFC, instname:Universidade Federal do Ceará, instacron:UFC
Rightsinfo:eu-repo/semantics/openAccess

Page generated in 0.021 seconds