• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 891
  • 22
  • 6
  • 1
  • 1
  • Tagged with
  • 941
  • 309
  • 240
  • 228
  • 217
  • 140
  • 128
  • 124
  • 123
  • 121
  • 110
  • 109
  • 97
  • 85
  • 79
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Estudo semântico/pragmático do E n'a relíquia

Dias, Ana Maria Grund 1995 (has links)
No description available.
2

Questões de coesão gramatical e lexical em texto dissertativo-argumentativos de alunos do ENEM

Freitas, Jesuane Lucas de, Silva, Fátima 2009 (has links)
No description available.
3

Lugar de Paradoxos: pelos caminhos discursivos do setor nuclear

2002 (has links)
Made available in DSpace on 2014-06-12T16:29:45Z (GMT). No. of bitstreams: 2 arquivo4563_1.pdf: 549935 bytes, checksum: 39beb5dd6eff9dd9f1891d35102fec89 (MD5) license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) Previous issue date: 2002 Baseado em teorias da Análise Crítica do Discurso, da Análise de Discurso Francesa e da Pragmática, este trabalho evidencia a relação existente entre o discurso das instituições do setor que desenvolve a tecnologia nuclear no Brasil e a perpetuação do estigma que carregam. Abordando temas como memória social, interdiscurso, formação imaginária, atos de fala e pressuposições, defende-se que o discurso pró-nuclear se encontra permeado pelo antinuclear e que essa realidade reforça a imagem negativa e os problemas de aceitação pública que esse setor ainda enfrenta. O corpus da análise constitui-se em dois blocos: o site da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) entidade federal que licencia e controla as atividades de todas as instituições nucleares no país , representando o discurso pró-nuclear; e o textos divulgados em jornais, revistas e sites, posicionando-se contra a tecnologia nuclear. Contrapondo os textos pró e antinucleares, a investigação mostrou que o discurso da CNEN está construído por um posicionamento que apenas se defende dos ataques efetivados pelo discurso antinuclear. Enquanto este último expõe fatos envolvendo acidentes e possíveis perigos relacionados à tecnologia nuclear, o primeiro aborda princípios e garantias, além de trazer toda a lembrança dos mesmos fatos explorados pelo discurso opositor. Chegou-se à conclusão de que o discurso da CNEN está aprisionado por um campo de significações negativas e que essa situação demanda um estudo mais profundo sobre a construção dos sentidos para, talvez, apontar saídas que reorientem o quadro do atual discurso pró-nuclear
4

Elementos para uma proposição da noção de interlocutor como categoria linguistica

1981 (has links)
Orientador: Carlos Vogt Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem Made available in DSpace on 2017-03-14T14:58:20Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Goncalves, Maria Stela.pdf: 5930158 bytes, checksum: 43c87ffe04ab815b72b6076aa1321f5f (MD5) Previous issue date: 1981 Resumo: A presente investigação trata da verificação teórico-prática do alcance operacional da noção de interlocutor e da valida de de uma concepção de linguagem que o incorpore como elemento significativo. Centrada em uma concepção de linguagem, atribuída Voloshinov, para a qual a relação dia lógica está sempre presente enunciação, sendo a base do sentido linguístico, visa ela a, por meio da revisão crítica de algumas contribuições de trabalhos sobre Ideologia, linguagem e sociedade, linguagem B representação, Retórica, Análise do Discurso e da Teoria Semântica de Ducrot, arrolar argumentos teóricos que justifiquem a proposição do interlocutor como categoria linguistica. Além disso, procura ela, à luz de uma Teoria da Ideologia, estudar as condições que permitam a inserção da concepção dialógica da linguagem no corpo da própria teoria linguística. Tendo estes objetivos em vista, foram realizados, além da revisão crítica aludida, análises de um "corpus", com o objetivo de validar as possibilidades de operacionalização de conceitos, resultantes da investigação Abstract: Not informed. Mestrado Mestre em Linguistica
5

Processos de referenciação : anaforas associativas e nominalizações

2003 (has links)
Orientador: Ingedore G. Villaça Koch Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem Made available in DSpace on 2017-03-28T02:51:22Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Zamponi, Graziela.pdf: 11122944 bytes, checksum: 5e381ee24d469a51f27193e146e815fb (MD5) Previous issue date: 2003 Made available in DSpace on 2017-07-04T14:55:04Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Zamponi_Graziela_D.pdf: 11122944 bytes, checksum: 5e381ee24d469a51f27193e146e815fb (MD5) Previous issue date: 2003 Resumo: Esta tese busca refletir sobre a anáfora associativa e a nominalização, além de lançar luz sobre o funcionamento do determinante definido e demonstrativo nesses tipos de anáforas. Conduzimos a investigação com base em exemplos atestados, notadamente extraídos de jornais e revistas. Nosso estudo é realizado da perspectiva teórica que tem como objeto o discurso, dentro de uma concepção sócio-construtivista do fenômeno referencial, de acordo com a qual os sujeitos constroem, através de práticas discursivas e cognitivas, social e culturalmente partilhadas, as versões públicas do mundo. A anáfora associativa introduz um objeto-de-discurso novo, no modo conhecido (sem relação de correferência), interpretado graças a informações anteriores introduzidas na memória discursiva. A relação que o elemento anafórico - um SN definido ou demonstrativo - mantém com a âncora que lhe serve de antecedente é de ingrediência e se dá com base nos conhecimentos semânticos e nos modelos mentais arquivados na memória. Assim, na nossa concepção, a anáfora associativa não se reduz apenas às relações previstas no léxico, mas é tributária do discurso, que envolve a dimensão cognitivo-interacional. A nominalização constitui a operação discursiva que consiste em referir um processo ou estado previamente significado por uma proposição, por meio de um sintagma nominal definido ou demonstrativo ou ainda de um pronome. Nessa construção, o anafórico sumariza as informações-suporte contidas em segmentos precedentes do texto, encapsulando-as e transformando-as em objetos-de-discurso. A nominalização envolve, assim, um processo de categorização, não sendo raro veicular avaliações sobre o objeto-de-discurso, numa clara estratégia argumentativa. Quanto ao determinante nas expressões nominais anafóricas, se na nominalização parece haver uma clara propensão à determinação demonstrativa, na anáfora associativa, ao contrário, há uma tendência muito acentuada ao uso do definido. A determinação demonstrativa neste tipo de anáfora é fonte de controvérsia, sendo considerada "desviante" dentro da concepção semântica do fenômeno. No entanto, a nosso ver, o uso de um ou outro determinante depende mais de interesses interacionais do que de restrições semânticas a priori Abstract: This work intends to discuss associative anaphor and nominalisation and show definite and demonstrative determiner use in these kinds of anaphor. The work main1y deaIs with empirical data, obtained trom newspapers and magazines. The perspective that was adopted considers the discourse as being a social and construtivist referential phenomenon. In this way, we consider that individuaIs construct public versions of the world, by cognitivally, socially and culturally sharing discourse practices. An anaphor is said to be associative when it refers to a new referent which, although has not been explicitly mentioned in the prior context, is presented as being as well-known referent, and can be identified on the basis of information provided by the prior context, stocked in discourse memory. The relationship that the anaphoric element - a definite or demonstrative NP - maintains with the antecedent is called a ingredience relation and is based on semantic knowledge and mental models. Thus, in our conception, associative anaphors don't involve lexical relationships only, but depend on the discourse, which involves a cognitive and interactive dimension. Nominalisation is a discourse operation which consists in refering to a process or state, previously presented by proposition, by a definite or demonstrative NP, or even a pronoun. In this operation, the anaphoric element condenses prior information, which is encapsulated and transformed into discourse objects. Thus, nominalisation involves a categorisation process and it is not incommon to express evaluations about discourse objects in a c1early argumentative procedure. In terms of determiners of anaphoric nominal expressions, there seems to be a tendency towards demonstrative determination in nominalisation; on the other hand, there is a strong tendency to use definite determination in associative anaphors. The use of demonstrative determiners in associative anaphors is seen as being unacceptable within semantic conception of the phenomenon. Nevertheless, in our point of view, the use of the definite or demonstrative determiner depends rather on interactive interests than semantic restrictions "a priori" Doutorado Doutor em Linguistica
6

Mesmo : uma proposta de analise dentro da teoria semantica argumentativa

1979 (has links)
Orientador: Carlos Alberto Vogt Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciencias Humanas Made available in DSpace on 2017-03-14T20:28:02Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Tafarello, Maria Cristina de Moraes.pdf: 4622349 bytes, checksum: 60e85d2d98ee21b5363463211d489b63 (MD5) Previous issue date: 1979 Made available in DSpace on 2017-06-22T19:22:55Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Tafarello_MariaCristinadeMoraes_M.pdf: 4622349 bytes, checksum: 60e85d2d98ee21b5363463211d489b63 (MD5) Previous issue date: 1979 Resumo: O objetivo deste trabalho é fundamentalmente um só: o de analisar semanticamente a partícula mesmo, do português, procurando abranger o maior numero possível de suas ocorrências, a pesquisa se efetuou pela leitura de várias propostas de descrição já elaboradas a respeito desse elemento, o que acabou por evidenciar que, embora as hipóteses de partida sejam distintas, as noções básicas acabam por permitir um enquadramento dessas análises em dois grupos: aquelas que se utilizam da noção de implicação lógica e aquelas que preferem a da pressuposição e da argumentação. Algumas dúvidas e indagações, envolvendo em princípio a negação nem mesmo, acabarão por dar corpo a una análise que, chamada conciliatória, nada nais é do que uma tentativa de interpretar a partícula mesmo, levando em conta não só a noção de implicação, nas também aquelas normalmente eleitas pela teoria semântica argumentativa Abstract: Not informed. Mestrado Mestre em Linguistica
7

Polissemia nos usos do verbo ter : arbitrariedade ou iconicidade?

Peixoto, Cleiliane Sisi. 2012 (has links)
Orientador: Vânia Cristina Casseb Galvão Coorientador: Sanderléia Roberta Longhin Thomazi Banca: Vânia Cristina Casseb Galvão Banca: Cristina dos Santos Carvalho Banca: Edson Rosa Francisco de Souza Banca: Gisele Cássia de Sousa Resumo: O objetivo desta pesquisa é descrever e analisar os usos do verbo ter no português brasileiro, de um ponto de vista diacrônico. De um ponto de vista funcionalista da linguagem, os usos auxiliares de ter teriam se desenvolvido um do outro mediante processos cognitivos como a metáfora e/ou a metonímia, a partir da noção de posse do verbo. Mais especificamente, o cline de mudança dos usos seria: ter pleno > ter auxiliar aspectual > ter auxiliar temporal > ter auxiliar modal. Como a mudança é lenta e gradativa, ela geraria a polissemia, num recorte sincrônico. A hipótese é que, na língua portuguesa brasileira, esse desenvolvimento não ocorreria; não haveria iconicidade entre a forma ter e as suas funções. Seguindo uma orientação funcionalista da linguagem, a pesquisa se baseia nos pressupostos teóricos de: i) Dik (1989; 1997) e Neves (2001; 2002), a respeito da gramática de orientação funcional; ii) Croft e Cruse (2004), Haiman (1980; 1985) e Langacker (1985), sobre a iconicidade e os mecanismos cognitivos de abstratização de sentido mencionados acima, a metáfora e a metonímia; e iii) Heine et alii (1991), Heine (1993) e Hopper (1991), a respeito da gramaticalização e dos princípios e propriedades inerentes a esse processo de mudança linguística. O universo de pesquisa compreende a adoção do "Corpus do Português" (disponível em: www.corpusdoportugues.org.br), que contém registros da língua do século XVI ao XX, provenientes de fontes textuais diversas. A escolha desse corpus se justifica pela hipótese de que os usos de ter seriam favorecidos por diferentes gêneros textuais. Os usos de ter são descritos em termos do cruzamento entre o estatuto categorial e o valor semântico do verbo, e analisados segundo a tipologia de Estado de Coisas de Dik (op. cit.) e os pressupostos teóricos que norteiam este estudo... (Resumo completo, clicar acesso eletrônico abaixo) Abstract: The aim of the current research is to describe and to analyze the uses of the verb ter in Brazilian Portuguese from a diachronic point of view. From a functional point of view, the auxiliaries uses of the verb would have developed from one another through cognitive processes such as metaphor and/or metonymic, from the possession meaning of the verb. More specifically, the cline of change would be: ter full verb > ter aspect auxiliary > ter tense auxiliary > ter mood auxiliary. As change process in language is slow and gradual, it would result in polysemy, from a synchronic point of view. The hypothesis is that this development would not occur in Brazilian Portuguese; there would not be iconicity between the form ter and their functions. According to a functional perspective of language, the research is based on theoretical assumptions of: i) Dik (1989; 1997) and Neves (2001; 2002), concerning functional grammar; ii) Croft and Cruse (2004), Haiman (1980; 1985) and Langacker (1985), concerning iconicity and cognitive mechanisms of meaning abstraction such as metaphor and metonymic; and iii) Heine et alii (1991), Heine (1993) and Hopper (1991), concerning grammaticalization and its properties and principles. The research is based on "Corpus do Português" (available in: www.corpusdoportugues.org.br), which contains language data from the sixteenth to the twentieth century. The data were collect from different text sources. The choice of this corpus is based on the hypothesis that the uses of ter woud be favored by different kinds of texts. The uses of ter are described in terms of the crossing between categorical status and semantic of the verb, and analyzed according to Dik's State of Affairs typology and the theoretical assumptions of the authors described above. The results of the analysis show existence of uses of ter with categorical status which... (Complete abstract click electronic access below) Doutor
8

As operações de linguagem com a marca "quando"

Gomes, Antônio Carlos. 2007 (has links)
Orientador: Letícia Marcondes Rezende Banca: Marília Blundi Onofre Banca: Marcia Cristina Romero Lopes Banca: Silvia Dinicci Fernandes Banca: Sebastião Expedito Ignácio Resumo: Esta pesquisa é uma análise da marca quando, apoiada na Teoria das Operações Enunciativas, de Antoine Culioli, para quem a linguagem é uma atividade de regulação, referenciação e representação do pensamento pelos sujeitos enunciadores. Tal estudo é um exercício que pretende ir além do domínio do imediatamente observável, para tentar descrever os processos de produção (e de reconhecimento) subjacentes a uma seqüência de signos. A marca quando aparece em enunciados com verbos nos tempos presente, passado e futuro. Ela não só torna mais evidente a noção de tempo, como também opera uma (in)determinação no enunciado, influenciando diretamente as categorias de aspecto e de modalidade. Quando ela conecta duas léxis, pode haver a propriedade de voz, verificada na relação de causalidade. Após as análises, pudemos entender que a regulação de um enunciado e da relação semântica entre as léxis que o compõem, não depende só do conector, mas do sentido já imbricado a sua direita e esquerda. A marca quando é usada em variados contextos, sustentada por uma invariante. Ela pode ter valores referenciais denso, compacto ou discreto. Esses valores são aferidos pelas operações de localização, pela determinação ou não da noção, pelo intervalo de tempo, pelo espaço de referência e pela configuração da marca no domínio nocional do tempo. Abstract: This research paper is the analyses of the linguistic make when based upon the Enunciative Operations Theory by Antoine Culioli to whom language is an activity of regulation, reference and representation of thought by the enunciator subject. The referred study is an exercise which intends to go further than the promptly observed in order to describe the process of production (and also recognition) beyond a sign sequence. The make when appears in sentences with verbs in the present, past and future tenses. It not only makes evidence of the notion of time but also works as an undetermined term of the enunciation, directly influencing both the aspect and modality. Whether it connects two lexis a voice property may occur verified in the relation of causality. Through the analyses we could understand that the regulation of the enunciate and the semantic aspects between the lexis which form them, depend not only on the connector but also on the meaning already existent on its right or its left. The make when is used in the most varied contexts supported by an invariable word. It may have dense referred values or also compact or discrete ones. Such values are determined by its location, the determination or not of its notion, the interval, the reference space and by the configuration of the make in the notional domain of the time. Doutor
9

Complementos e modificadores preposicionais do nome : o caso das preposições De e A

Silva, Catarina Coutinho 2008 (has links)
A presente dissertação tem como objectivo estudar alguns aspectos que caracterizam a distinção entre complementos e modificadores preposicionais do nome. A tese consta de duas partes: uma primeira parte, mais longa e desenvolvida, dedicada à análise e discussão linguística do problema e uma segunda parte de aplicação didáctica. Na primeira parte, apresenta-se e discute-se, nos dois primeiros capítulos, o problema da estrutura argumental dos nomes em especial das nominalizações, baseado em Pustejovsky (1995) e Dowty (1991) e também em Grimshaw(1990) e Brito e Oliveira (1997). Com o intuito de compreender em que condições se pode considerar que se está perante um complemento ou um modificador foram aplicados testes de Colaço et alii (2007/2008) ao tipo de sintagmas seleccionados, isto é, sintagmas preposicionais com a preposição De e A. Para tal, depois de brevemente discutiro estatuto das preposições e das construções em que ocorrem (cap. 3), procedeu-se à análise, considera-se não só os casos em que há um sintagma preposicional seleccionado mas também aqueles em que há dois sintagmas preposicionais. Na segunda parte da dissertação, como se disse antes, fazem-se algumas propostas de aplicação didáctica sobre este tema para alunos do terceiro ciclo.
10

Produção e segmentação de palavras iniciadas pelas sequências gráficas "es+C" e "ex+C" em falantes do Português

Henriques, Maria Isabel Dias 2008 (has links)
As palavras iniciadas pelas sequências gráficas "es+C" e "ex+C" constituem uma área consensualmente considerada como problemática, sobretudo no que se refere à sua segmentação silábica. O estudo desenvolvido tem como objectivos: i) analisar a forma como estas estruturas se encontram representadas no conhecimento fonológico (CF) dos falantes, comprovando, assim, que o CF intuitivo dos falantes deve ser tido em conta pela teoria fonológica; ii) comprovar que a aprendizagem da língua (leitura/escrita) influencia a consciência fonológica; iii) verificar a existência ou não de vogal inicial subjacente nas sequências em análise; iv) verificar se as sequências têm uma representação subjacente igual ou distinta; v) constatar se se pode pode falar de variação em curso, caso estas sequências ocorram como tautossilábicas. Com estes objectivos em mente, foram seleccionados os informantes de diferentes grupos etários. Procedeu-se, assim, a um estudo com dez informantes do pré-escolar, dez informantes do 5º ano e outros dez do 9º ano. Aos informantes foi pedido que produzissem e segmentassem as palavras seleccionadas. No caso dos alunos do 5º e 9º ano foram realizadas gravações no Porto e em Lisboa, para testar o possível efeito da variável dialectal. A aprendizagem da leitura e da escrita influencia a consciencia fonológica e as sequÊncias são produzidas de forma diferente pelos falantes, comprovando-se a ideia que estas iniciais têm estruturas subjacentes distintas. Entende-se que o presente trabalho poderá contribuir para a compreensão do papel da linguagem oral e da consciência linguística dos falantes na aprendizagem da leitura e escrita. Pretende-se ainda avaliar a interferência da ortografia sobre o desenvolvimento do conhecimento fonológico.

Page generated in 0.0698 seconds