• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 1
  • 1
  • Tagged with
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Influência das variantes anatômicas do sifão carotídeo e do polígono de Willis na origem de aneurismas de carótida interna-artéria comunicante posterior

Raimundo da Silva Neto, Ângelo 31 January 2009 (has links)
Made available in DSpace on 2014-06-12T23:00:03Z (GMT). No. of bitstreams: 2 arquivo4228_1.pdf: 1484940 bytes, checksum: 67e0dac52cb486890db0761a5f053007 (MD5) license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) Previous issue date: 2009 / Introdução: Os aneurismas da artéria carótida interna (ACI) no segmento comunicante posterior (AcomP) correspondem a 25% dos aneurismas intracranianos. Esses aneurismas são mais freqüentes em mulheres e após a quarta década de vida. Por sua particular relação anatômica com o sifão carotídeo e apresentar variabilidade relacionada à circulação com a artéria cerebral posterior (ACP), esses aneurismas podem sofrer influência de fatores hemodinâmicos. Variações anatômicas também relacionadas a fatores não hemodinâmicos, como gênero e idade, podem também influenciar na formação desses aneurismas. Objetivo: Avaliar variações do sifão carotídeo e da ACI na formação de aneurismas de carótida considerando gênero, idade e lateralidade. Pacientes e métodos: De uma série de 512 pacientes que realizaram angiografia cerebral diagnóstica, selecionamos 169 (33%) pacientes com aneurismas cerebrais, entre 2001 e 2007, no setor de Imagem do Hospital Universitário Onofre Lopes, Natal- RN. Destes 59 tinham aneurismas de AcomP. No grupo controle foram selecionados 34 pacientes sem aneurismas para o comparativo com o ângulo do sifão carotídeo. Este ângulo e variações anatômicas do polígono de Willis, com ênfase na circulação AcomPACP foram estudadas. Classificamos essa em tipos adulto, intermediário e fetal, baseado na relação da AcomP com o segmento P1 da ACP na arteriografia do sistema vértebro-basilar em antero-posterior (AP). Os grupos foram comparados com relação ao gênero. Resultados: Os aneurismas de AcomP foram mais freqüentes em mulheres (p<0,001). Houve associação com ângulo do sifão carotídeo mais fechado (p < 0,05) apenas do lado esquerdo. No grupo de pacientes com aneurismas o ângulo do sifão carotídeo foi menor que no grupo controle (27,3° ± 19,1° vs. 34.8° ± 22,6°). Essa diferença também foi encontrada nas mulheres ( 26,8 ± 19,6 vs. 38,4° ± 23,9°, p = 0,012). Observamos uma associação com presença de padrão fetal e a incidência de aneurismas da AcomP (p<0,001), havendo uma relação inversa com aneurismas de artéria comunicante anterior (p= 0,0125). Conclusões: O sifão carotídeo mais estreito pode ter relação com influência hemodinâmica na incidência de aneurismas de AcomP. Tal fato tem associação com a diferença entre os gêneros encontrada nesse tipo de aneurisma
2

Malformação arteriovenosa cerebral: estudo da angioarquitetura, variações anatômicas e aneurismas

Silva, Marcos Antônio Barbosa da 13 March 2013 (has links)
Submitted by Ramon Santana (ramon.souza@ufpe.br) on 2015-03-13T17:21:49Z No. of bitstreams: 2 license_rdf: 1232 bytes, checksum: 66e71c371cc565284e70f40736c94386 (MD5) TESE BIBLIOTECA - 01 AGOSTO DE 2014.pdf: 2014894 bytes, checksum: 9e2233a621684c5c2e8ddc908eecff84 (MD5) / Made available in DSpace on 2015-03-13T17:21:49Z (GMT). No. of bitstreams: 2 license_rdf: 1232 bytes, checksum: 66e71c371cc565284e70f40736c94386 (MD5) TESE BIBLIOTECA - 01 AGOSTO DE 2014.pdf: 2014894 bytes, checksum: 9e2233a621684c5c2e8ddc908eecff84 (MD5) Previous issue date: 2013-03-13 / Introdução: As Malformações Arteriovenosas Cerebrais (MAVs) são lesões vasculares provocadas pela persistência de fístulas arteriovenosas primitivas, apresentam aspecto em novelo com pedículos arteriais e veias de drenagem hipertrofiadas. O risco de morbidade e mortalidade pós-cirúrgica segundo a graduação aumenta de acordo com o grau da lesão. Objetivos: Avaliar através de angiografias cerebrais o perfil clínico das MAVs. Métodos: Foram estudados 1.760 indivíduos da região do nordeste brasileiro através da angiografia cerebral com apresentações clínicas diversas, diagnosticada 108 portadores de MAVs cerebrais, seguido de estudo da angioarquitetura com o intuito de fornecer as graduações das malformações, a presença de variações anatômicas e a formação de aneurismas. Resultados: Em todas MAVs o sinal clínico determinante foi o sangramento, principalmente quando relacionados com a presença de aneurismas intranidais e de fluxo. A constatação diagnóstica das MAVs tem prevalência acima dos 21 anos, independente de regiões, classe social ou sexo. Em ambos os sexos, não encontrou-se nenhuma diferença estatística capaz de predispor um caráter sexual. A convulsão teve uma presença maior na MAV grau IV onde existe maior roubo de fluxo e regime de hipertensão intracraniana, sendo um dos principais fatores para o desenvolvimento de crises convulsivas. As MAVs menos agressivas I e II com boa indicação cirúrgica e de baixo grau de morbidade pós-operatória, apresentavam fatores de risco elevados como aneurismas intranidais (05 no grau I e 12 no grau II). Não pode-se determinar se a formação aneurismática está relacionada ao desenvolvimento dos aneurismas cerebrais quando avaliou-se e correlacionou-se com a angioarquitetura das MAVs. Conclusão: Com base nos achados pode sugerir que a graduação de Spetzler e Martin associada ao estudo da angioarquitetura é importante para a indicação cirúrgica e que a persistência de variações anatômicas embrionárias arteriais podem ser um determinante na formação dos aneurismas intracranianos.

Page generated in 0.0754 seconds