• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 25
  • 4
  • Tagged with
  • 29
  • 29
  • 9
  • 7
  • 7
  • 7
  • 6
  • 6
  • 6
  • 6
  • 6
  • 5
  • 5
  • 5
  • 4
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Web-based bug tracking solutions : applied to business

Matos, Tiago Duarte Tavares January 2008 (has links)
Estágio realizado na Wipro Retail / Tese de mestrado integrado. Engenharia Informátca e Computação. Faculdade de Engenharia. Universidade do Porto. 2008
2

Avaliação de desempenho de processos de testes de software

Luiz Monteiro Marinho, Marcelo 31 January 2010 (has links)
Made available in DSpace on 2014-06-12T15:56:43Z (GMT). No. of bitstreams: 2 arquivo2981_1.pdf: 3215822 bytes, checksum: 207b7ae6534fc85e3430543b64c88b38 (MD5) license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) Previous issue date: 2010 / A procura por softwares com maior qualidade tem motivado a definição de métodos e técnicas para o desenvolvimento de softwares que atinjam os padrões de qualidade impostos. Com isso, o interesse pela atividade de teste de software vem aumentando nos últimos anos. As fábricas de software enfrentam dificuldades na elaboração de processos de testes adequados ao projeto de maneira que sejam efetivos com relação à qualidade do produto e, ao mesmo tempo, tenham execução eficiente. Esses aspectos concorrentes podem afetar os níveis de qualidade almejado ou induzir o desenvolvimento de processos rebuscados e ineficientes. Parte desse problema ocorre tanto devido à dificuldade enfrentada pelas organizações na definição de processos a cada projeto particular, quanto pela ausência de mecanismos que possibilitem a provisão de meios para escolha das alternativas mais convenientes a cada projeto particular em termos de desempenho e critérios de qualidade. Dessa forma, ambientes que proporcionem a avaliação do desempenho dos processos e que possibilitem estimativa do uso de recursos são mecanismos que concorrem para melhoria dos índices de qualidade e produtividade das organizações. Modelos de execução de processo voltados para estimativa de desempenho que levem em consideração combinações de cenários diversos e ativos podem trazer ganhos substanciais de produtividade tanto na customização dos processos quanto na efetividade do processo definido para o projeto. Este trabalho propõe uma metodologia de avaliação de desempenho aplicada a Processos de Testes de Software. Com a aplicação da metodologia proposta, é possível verificar o impacto de mudanças no processo, avaliar o desempenho do processo de testes, realizar simulações com o objetivo de obter estimativas mais precisas e, principalmente, ajudar na garantia da qualidade do produto. Além disso, essa metodologia possibilitará a avaliação de diferentes alternativas de implementações, bem como a verificação de melhor composição de recursos pessoais para as atividades do processo. Isso tudo pode ser realizado sem a necessidade da real implementação do processo, tornando mais ágil e barato todo o processo
3

Balanced testing scorecard: um modelo para avaliação e melhoria de desempenho de equipes de testes de software

Oliveira Nóbrega, Rafael 31 January 2008 (has links)
Made available in DSpace on 2014-06-12T15:54:14Z (GMT). No. of bitstreams: 2 arquivo1969_1.pdf: 2882917 bytes, checksum: 36ee907cc40f94325100a5c06710405e (MD5) license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) Previous issue date: 2008 / A realização de testes é uma atividade vital para o desenvolvimento de software com qualidade. Muitas empresas têm investido alto visando a melhoria do desempenho das equipes de testes. Para ajudar na satisfação deste objetivo, os modelos de maturidade de testes são ferramentas bastante utilizadas atualmente. Porém, segundo James Bach (1994), estes modelos não são populares entre empresas desenvolvedoras de software altamente competitivas e inovadoras porque, entre outros motivos, encorajam as organizações a utilizarem objetivos que realizam uma missão fictícia de "atingir um maior nível de maturidade", ao invés de realizar a missão definida pela própria organização. O que, segundo ele, geralmente impede que a empresa utilize seus recursos da melhor maneira possível. Desta forma, esta dissertação propõe o modelo Balanced Testing Scorecard (BTSC) para avaliação e melhoria do desempenho de equipes de testes, que usa como base o Balanced Scorecard (KAPLAN & NORTON, 2004) e modelos de maturidade de testes (ERICSON et al., 1998) (SOGETI, 2008) (BURNSTEIN et al., 1996a, 1996b). O BTSC é capaz de alinhar os objetivos da organização e dos seus clientes, com os objetivos dos modelos de maturidade de testes, a fim de melhorar seu desempenho. O modelo foi refinado por especialistas de testes e aplicado em uma equipe de testes. Os resultados mostraram resultados concretos para a avaliação do desempenho da equipe, além dos benefícios já conhecidos dos modelos de maturidade de testes
4

An empirical investigation of source code metrics and findbugs warnings

Cunha, André Amarante dos Santos January 2010 (has links)
Tese de mestrado integrado. Engenharia Informática e Computação. Faculdade de Engenharia. Universidade do Porto, Delft University of Technology. 2010
5

Teste de interfaces de voz

Gomes, Rui Jorge Reis January 2007 (has links)
Tese de mestrado. Engenharia Informática. 2007. Faculdade de Engenharia. Universidade do Porto
6

Plataforma de teste a aplicações web suportando múltiplos web-browsers

Carvalho, Paulo Luciano Simões de January 2010 (has links)
Documento confidencial. Não pode ser disponibilizado para consulta / Tese de mestrado integrado. Engenharia Informática e Computação. Faculdade de Engenharia. Universidade do Porto. 2010
7

Geração automática de testes a partir de especificações algébricas

Silva, Francisco Ricardo Pinto da January 2012 (has links)
Tese de mestrado integrado. Engenharia Informática e Computação. Faculdade de Engenharia. Universidade do Porto. 2012
8

Scaling testing of refactoring engines.

SABINO, Melina Mongiovi Cunha Lima. 05 June 2018 (has links)
Submitted by Maria Medeiros (maria.dilva1@ufcg.edu.br) on 2018-06-05T13:58:29Z No. of bitstreams: 1 MELINA MONGIOVI CUNHA LIMA SABINO - TESE (PPGCC) 2016.pdf: 4752189 bytes, checksum: e1034c42632a733df07a498a7eea6d0b (MD5) / Made available in DSpace on 2018-06-05T13:58:29Z (GMT). No. of bitstreams: 1 MELINA MONGIOVI CUNHA LIMA SABINO - TESE (PPGCC) 2016.pdf: 4752189 bytes, checksum: e1034c42632a733df07a498a7eea6d0b (MD5) Previous issue date: 2016 / Capes / Definir e implementar refatoramentos não é uma tarefa trivial, pois é difícil definir todas as pré-condições necessárias para garantir que a transformação preserve o comportamento observável do programa. Com isso, ferramentas de refatoramentos podem ter condições muito fracas, condições muito fortes e podem aplicar transformações que não seguem a definição do refatoramento. Na prática, desenvolvedores escrevem casos de testes para checar suas implementações de refatoramentos e se preocupam em evitar esses tipos de bugs, pois 84% das asserções de testes do Eclipse e JRRT testam as ferramentas com relação aos bugs citados anteriormente. No entanto, as ferramentas ainda possuem esses bugs. Existem algumas técnicas automáticas para testar ferramentas de refatoramentos, mas elas podem ter limitações relacionadas com tipos de bugs que podem ser detectados, geração de entradas de testes, automação e performance. Este trabalho propõe uma técnica para escalar testes de ferramentas de refatoramentos. A técnica contém DOLLY um gerador automático de programas Java e C, no qual foram adicionadas mais construções de Java (classes e métodos abstratos e interface) e uma estratégia de pular algumas entradas de testes com o propósito de reduzir o tempo de testar as implementações de refatoramentos. Foi proposto um conjunto de oráculos para avaliar a corretude das transformações, dentre eles SAFEREFACTORIMPACT que identifica falhas relacionadas com mudanças comportamentais. SAFEREFACTORIMPACT gera testes apenas para os métodos impactados pela transformação. Além disso, foi proposto um novo oráculo para identificar transformações que não seguem a definição do refatoramento e uma nova técnica para identificar condições muito fortes. A técnica proposta foi avaliada em 28 implementações de refatoramentos de Java (Eclipse e JRRT) e C (Eclipse) e detectou 119 bugs relacionados com erros de compilação, mudanças comportamentais, condições muito fortes, e transformações que não seguem a definição do refatoramento. Usando pulos de 10 e 25 no gerador de programas, a técnica reduziu em 90% e 96% o tempo para testar as implementações de refatoramentos, enquanto deixou de detectar apenas 3% e 6% dos bugs, respectivamente. Além disso, detectou a primeira falha geralmente em alguns segundos. Por fim, com o objetivo de avaliar a técnica proposta com outras entradas de testes, foram avaliadas implementações do Eclipse e JRRT usando os programas de entrada das suas coleções de testes. Neste estudo, nossa técnica detectou mais 31 bugs não detectados pelos desenvolvedores das ferramentas. / Defining and implementing refactorings is a nontrivial task since it is difficult to define preconditions to guarantee that the transformation preserves the program behavior. There fore, refactoring engines may have overly weak preconditions, overly strong preconditions, and transformation issues related to the refactoring definition. In practice, developers manually write test cases to check their refactoring implementations. We find that 84% of the test suites of Eclipse and JRRT are concerned with identifying these kinds of bugs. However, bugs are still present. Researchers have proposed a number of techniques for testing refactoring engines. Nevertheless, they may have limitations related to the bug type, program generation, time consumption, and number of refactoring engines necessary to evaluate the implementations. In this work, we propose a technique to scale testing of refactoring engines by extending a previous technique. It automatically generates programs as test inputs using Dolly, a Java and C program generator. We add more Java constructs in DOLLY, such abstract classes and methods and interface, and a skip parameter to reduce the time to test the refactoring implementations by skipping some consecutive test inputs. Our technique uses SAFEREFACTORIMPACT to identify failures related to behavioral changes. It generates test cases only for the methods impacted by a transformation. Also, we propose a new oracle to evaluate whether refactoring preconditions are overly strong by disabling a subset of them. Finally, we present a technique to identify transformation issues related to the refactoring definition. We evaluate our technique in 28 refactoring implementations of Java (Eclipse and JRRT) and C (Eclipse) and find 119 bugs related to compilation errors, behavioral changes, overly strong preconditions, and transformation issues. The technique reduces the time in 90% and 96% using skips of 10 and 25 in Dolly while missing only 3% and 6% of the bugs, respectively. Additionally, it finds the first failure in general in a few seconds using skips. Finally, we evaluate our proposed technique by using other test inputs, such as the input programs of Eclipse and JRRT refactoring test suites. We find 31 bugs not detected by the developers.
9

Uma abordagem para implantação de testes baseada em metodologias ágeis

OCHNER, Juliana 31 January 2008 (has links)
Made available in DSpace on 2014-06-12T15:51:47Z (GMT). No. of bitstreams: 1 license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) Previous issue date: 2008 / Nas últimas décadas, indústrias de software têm investido um esforço substancial na melhoria da qualidade de seus produtos. Pensando nisso, muitas empresas estão buscando implantar ou melhorar seus processos de teste. A melhoria de processo de testes é uma instanciação da melhoria de processos. Com o intuito de facilitar a melhoria de processo de software, diversos modelos têm surgido, tais como IDEAL [McFeeley, 1996], ISO/IEC 15504 [ISO 15504, 2005] e Pro2Pi [Salviano, 2006]. Existem também modelos de referência específicos para definição de requisitos necessários a um Processo de Testes, como: TMM [Burnstein, 2003], TIM [Ericson, 1996] e TPI [Koomen, 1999]. No entanto, estes modelos não fornecem diretrizes para a sua implantação em uma organização de testes. A melhoria de processo de testes é uma instanciação da melhoria de processos. Embora tenham surgido tais modelos de melhoria de processo, bem como os modelos de referência para processos de testes, e haja resultados encorajadores, grande parte da indústria de software ainda apresenta muitas dificuldades em realizar um programa de melhoria de processo de testes de software efetivo. Isto ocorre por uma série de motivos, dentre os quais, podemos destacar o fato de que estes modelos são genéricos e exigem diversas adaptações para tratar as dificuldades comumente encontradas em um programa de melhoria de testes. Diante deste cenário, a abordagem proposta neste trabalho guiará as empresas de maneira simples e ágil a estabelecer processos de teste de software, possibilitando o alcance de melhores níveis de qualidade de seus produtos
10

Modelo de maturidade em testes com foco em ambientes de testes heterogêneos

de Souza Alves, Gustavo January 2007 (has links)
Made available in DSpace on 2014-06-12T16:00:31Z (GMT). No. of bitstreams: 2 arquivo6680_1.pdf: 2321804 bytes, checksum: af9683ec20e14908477df5e0ec721097 (MD5) license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) Previous issue date: 2007 / No passado as grandes empresas confiavam a qualidade dos seus sistemas aos seus fornecedores (sejam internos ou externos). Novas tecnologias estão surgindo, processos de desenvolvimento estão mais maduros, mas os fornecedores ainda pecam na qualidade do produto. Falhas no desenvolvimento dos sistemas, cronogramas estourados e defeitos em produção são os principais problemas que prejudicam todo o planejamento financeiro e estratégico de uma organização [TER_01]. Boas práticas em testes de software contribuem para a melhoria da qualidade e redução dos custos dos produtos finais, pela diminuição de retrabalho nos estágios posteriores de testes, durante a implantação e na manutenção. Modelos de maturidade para o desenvolvimento de software, como CMMi vêm sendo utilizados em larga escala para amenizar estes problemas, entretanto esses modelos não tratam com grande atenção as atividades relacionadas a testes. Em resposta a esta deficiência foram criados modelos de maturidade para os processos de testes. Entre eles, o TMM, Testing Maturity Model [TMM_01], o TIM, Test Improvement Model [TIM_01] e o TPI, Test Process Improvement [TPI_01]. Um novo modelo de maturidade em teste, fruto deste trabalho tem como objetivo cobrir as ausências dos modelos citados. A principal delas é falta de detalhes sobre ambientes de teste. O TMM-e (enviroment) como será chamado é adequado para empresas de grande porte onde encontramos uma variedade de plataformas, linguagens de programação e dispositivos todos funcionando de forma integrada. O mesmo servirá de referência para estas empresas implantarem um processo de testes de qualidade, além de fornecer segurança e qualidade na definição e montagem de seus ambientes de testes

Page generated in 0.0946 seconds