Return to search

A ética como ciência em Thomas Hobbes

Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Florianópolis, 2015. / Made available in DSpace on 2015-10-27T03:07:23Z (GMT). No. of bitstreams: 1
335660.pdf: 1303616 bytes, checksum: 32ef3722095065b043e92eaf6a2b031e (MD5)
Previous issue date: 2015 / Thomas Hobbes apresenta em seu Leviatã a ética como um ramo da Filosofia Natural. Ela é concebida com uma investigação das ?consequências das paixões?. A classificação da investigação moral como uma ciência que é parte da física foi tomada por alguns comentadores como um sinal do caráter descritivo da teoria moral hobbesiana. Algumas interpretações que propuseram uma teoria moral com conteúdo prescritivo viram a necessidade de tomarem a moralidade como uma investigação independente da filosofia natural. Alguns intérpretes tentaram tomar a sério a ideia de que a ética está vinculada às ciências naturais e defenderam a teoria moral hobbesiana como sendo uma vertente do naturalismo moral. A presente tese parte da possibilidade de se afirmar a ética como uma investigação que segue um padrão científico na perspectiva hobbesiana, e ao mesmo tempo tenta mostrar que ela é uma teoria prescritiva com uma normatividade moral em sentido forte. A ética é tomada neste trabalho não como uma descrição das paixões e suas consequências como podem ser vistas na realidade e nas condutas particulares, mas como a construção de um modelo racional de ação que toma a natureza humana de um ponto de vista universal. Ciência é o trabalho da razão. A razão articula nomes e proposições em teorias. Nomes e proposições assim articulados podem causar em nossa mente um arranjo diferente de nossas ideias. A razão é capaz de corrigir nossas concepções de várias maneiras. Estas correções são feitas através da linguagem, concebida como ?signos? ou ?marcas sensíveis? de nossos pensamentos. Nomes e proposições articulados em uma teoria ética compõem o que podemos tomar como a forma racional de conceber a ação humana. Todas as ações ou paixões que aparecem sem uma organização racional ou não são racionalmente justificáveis não podem ser aceitas como ?boas? e nem ?corretas?. Assim, a ética não apenas uma tentativa de compreender quais são as paixões e quais são as ações que os homens empreendem normalmente, mas quais são as conexões necessárias de nossas crenças. O modelo racional da natureza humana e da ação humana não pode engendrar contradições. A investigação das consequências das paixões humanas é a investigação do modelo coerente da natureza humana, das paixões não contraditórias e das contradições que devem ser evitadas. Uma teoria coerentista daverdade é apresentada como a melhor interpretação do conceito de ciência verdadeira na teoria hobbesiana.<br> / Abstract : Thomas Hobbes presents, in his Leviathan, Ethics as a branch of Natural Philosophy. It is conceived as an investigation of the ?consequences of the passions?. The classification of the moral investigation as a science that is part of physics was taken by some commentators as a sign of the descriptive character of Hobbes?s moral theory. Some interpretations that tried to defend a prescriptive content in Hobbes?s ethics saw the necessity of taking the morality as an independent investigation. There are others that tried to make sense of the relation between natural science and ethics and defended Hobbes?s moral theory as a kind of naturalism. The present thesis investigates the possibility of affirming ethics as an investigation that has a scientific pattern in Hobbes?s view, and at the same time tries to show that it is a prescriptive theory with a very strong sense of moral normativity. Ethics is taken in this work not as a description of the passions and the consequences as they are seen in reality, but as the construction of a rational model of action that takes human nature in a universal sense. Science is the work of reason. Reason articulates names and propositions in theories. Names and propositions so articulated are able to cause in our mind a different composition of ideas. Reason is able to correct our senses in many ways. These corrections are made through language, conceived as the ?signs? or ?sensible marks? of our thoughts. Names and propositions articulated in an ethical theory compound what we could take as the rational way of conceiving human action. All the actions or passions that arise without a rational organization or is not rational justifiable cannot be accepted as good or right. So, ethics is not just the attempt to understand what are the passions and what are the actions human beings currently perform, but what are the necessary rational connections of our believes. The rational model of human nature and of human action cannot bear contradictions. The investigation of the consequences of the human passions is the investigation of the coherent model of human nature, of the non contradictory passions and the contradictions that need to beavoided. A coherence theory of truth is presented as the best interpretation of the concept of true science in Hobbes?s theory.

Identiferoai:union.ndltd.org:IBICT/oai:repositorio.ufsc.br:123456789/135791
Date January 2015
CreatorsSecco, Márcio
ContributorsUniversidade Federal de Santa Catarina, Dutra, Delamar José Volpato
Source SetsIBICT Brazilian ETDs
LanguagePortuguese
Detected LanguagePortuguese
Typeinfo:eu-repo/semantics/publishedVersion, info:eu-repo/semantics/doctoralThesis
Sourcereponame:Repositório Institucional da UFSC, instname:Universidade Federal de Santa Catarina, instacron:UFSC
Rightsinfo:eu-repo/semantics/openAccess

Page generated in 0.0019 seconds