• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 15
  • Tagged with
  • 15
  • 15
  • 15
  • 6
  • 6
  • 6
  • 6
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Avaliação da influência da medicação pré-anestésica sobre os efeitos da anestesia geral intravenosa nos parâmetros endócrinos e metabólicos relacionados ao estresse em eqüinos

Castro Junior, Jarbas Francisco da Costa January 2003 (has links)
O estresse é considerado ao mesmo tempo um mecanismo de defesa contra diferentes fatores agressores e a causa de importantes alterações orgânicas que podem levar ao estabelecimento de estados mórbidos. A definição de estresse em animais é tema de controvérsia, no entanto a ativação do eixo hipotalâmico-hipofisário-adrenal (HHA) é utilizado como parâmetro para avaliação do grau de alteração imposto. Em eqüinos, a anestesia isoladamente pode desencadear a cascata de eventos ligados ao estresse, não necessitando como em outras espécies a participação de intervenções cirúrgicas. No entanto, a anestesia geral intravenosa têm sido considerada como menos agressiva e conseqüentemente não desencadeadora de estresse. No presente estudo foi avaliado uma combinação para indução anestésica, a tiletamina-zolazepam (TZ=1,1 mg.kg-1), tendo como medicação pré-anestésica a romifidina (80 µg.kg-1), utilizada isolada ou associada a acepromazina (0,08 mg.kg-1) ou diazepam (0,1 mg. .kg-1). A romifidina é um agonista adrenérgico α-2, de marcada ação sedativa e miorrelaxante. A acepromazina é um derivado fenotiazínico cuja ação tranqüilizante tem sido aplicada na combinação com diversos outros fármacos para indução anestésica. O diazepam é considerado o benzodiazepínico clássico, com atividade ansiolítica e miorrelaxante. Os três fármacos são de uso corrente na medicina veterinária eqüina. A tiletamina é uma ciclohexamina de ação semelhante à cetamina e é disponível comercialmente associada ao zolazepam, na proporção de 1:1. Foram utilizados neste trabalho 24 eqüinos de ambos os sexos, diferentes idades e raças, todos enquadrados na categoria ASA I (American Society of Anesthesiologists). Os animais foram divididos aleatoriamente em três grupos. Os grupos, foram definidos pela combinação pré-anestésica como RTZ (romifidina), ARTZ (acepromazina + romifidina) e DRTZ (diazepam + romifidina). Os fármacos foram administrados por via intravenosa. Entre a romifidina e TZ foi estabelecido um intervalo de 10 minutos em todos os grupos, entre a acepromazina e a romifidina um período de 30 minutos e, a partir da administração de diazepam, houve uma pausa de 3 horas até a romifidina. As colheitas de sangue para as dosagens hormonais foram realizadas em três tempos nos grupos RTZ e ARTZ. Antes de qualquer fármaco (P), após a administração da MPA (M) e 15 minutos após a indução (I). No grupo DRTZ, como se desejava avaliar o efeito do benzodiazepínico isolado, foi realizada uma quarta colheita antes da administração de romifidina (B). Para os demais parâmetros os tempos considerados foram P e I. Foram avaliados a concentração plasmática de ACTH e cortisol, a concentração sérica de glicose e lactato, freqüências cardíaca e respiratória, parâmetros hematológicos (eritrócitos, leucócitos, hemograma e hemoglobina), gasometria arterial, traçado eletrocardiográfico e tempo de imobilidade. Os dados foram analisados estatisticamente por ANOVA para medidas repetidas e teste t de Student. O nível de significância foi de α=0,05. Os resultados revelaram que a anestesia geral intravenosa com os protocolos propostos, não desencadeou a ativação do eixo HHA, exceção feita ao Grupo ARTZ. Os valores de ACTH diferiram entre o grupo DRTZ e os demais, sendo que neste houve valores inferiores. Não houve diferença estatística nos valores dos demais parâmetros com exceção da freqüência cardíaca que no grupo RTZ não revelou variações entre as colheitas. O tempo de imobilidade observado no grupo ARTZ foi superior aos demais.
2

Avaliação da influência da medicação pré-anestésica sobre os efeitos da anestesia geral intravenosa nos parâmetros endócrinos e metabólicos relacionados ao estresse em eqüinos

Castro Junior, Jarbas Francisco da Costa January 2003 (has links)
O estresse é considerado ao mesmo tempo um mecanismo de defesa contra diferentes fatores agressores e a causa de importantes alterações orgânicas que podem levar ao estabelecimento de estados mórbidos. A definição de estresse em animais é tema de controvérsia, no entanto a ativação do eixo hipotalâmico-hipofisário-adrenal (HHA) é utilizado como parâmetro para avaliação do grau de alteração imposto. Em eqüinos, a anestesia isoladamente pode desencadear a cascata de eventos ligados ao estresse, não necessitando como em outras espécies a participação de intervenções cirúrgicas. No entanto, a anestesia geral intravenosa têm sido considerada como menos agressiva e conseqüentemente não desencadeadora de estresse. No presente estudo foi avaliado uma combinação para indução anestésica, a tiletamina-zolazepam (TZ=1,1 mg.kg-1), tendo como medicação pré-anestésica a romifidina (80 µg.kg-1), utilizada isolada ou associada a acepromazina (0,08 mg.kg-1) ou diazepam (0,1 mg. .kg-1). A romifidina é um agonista adrenérgico α-2, de marcada ação sedativa e miorrelaxante. A acepromazina é um derivado fenotiazínico cuja ação tranqüilizante tem sido aplicada na combinação com diversos outros fármacos para indução anestésica. O diazepam é considerado o benzodiazepínico clássico, com atividade ansiolítica e miorrelaxante. Os três fármacos são de uso corrente na medicina veterinária eqüina. A tiletamina é uma ciclohexamina de ação semelhante à cetamina e é disponível comercialmente associada ao zolazepam, na proporção de 1:1. Foram utilizados neste trabalho 24 eqüinos de ambos os sexos, diferentes idades e raças, todos enquadrados na categoria ASA I (American Society of Anesthesiologists). Os animais foram divididos aleatoriamente em três grupos. Os grupos, foram definidos pela combinação pré-anestésica como RTZ (romifidina), ARTZ (acepromazina + romifidina) e DRTZ (diazepam + romifidina). Os fármacos foram administrados por via intravenosa. Entre a romifidina e TZ foi estabelecido um intervalo de 10 minutos em todos os grupos, entre a acepromazina e a romifidina um período de 30 minutos e, a partir da administração de diazepam, houve uma pausa de 3 horas até a romifidina. As colheitas de sangue para as dosagens hormonais foram realizadas em três tempos nos grupos RTZ e ARTZ. Antes de qualquer fármaco (P), após a administração da MPA (M) e 15 minutos após a indução (I). No grupo DRTZ, como se desejava avaliar o efeito do benzodiazepínico isolado, foi realizada uma quarta colheita antes da administração de romifidina (B). Para os demais parâmetros os tempos considerados foram P e I. Foram avaliados a concentração plasmática de ACTH e cortisol, a concentração sérica de glicose e lactato, freqüências cardíaca e respiratória, parâmetros hematológicos (eritrócitos, leucócitos, hemograma e hemoglobina), gasometria arterial, traçado eletrocardiográfico e tempo de imobilidade. Os dados foram analisados estatisticamente por ANOVA para medidas repetidas e teste t de Student. O nível de significância foi de α=0,05. Os resultados revelaram que a anestesia geral intravenosa com os protocolos propostos, não desencadeou a ativação do eixo HHA, exceção feita ao Grupo ARTZ. Os valores de ACTH diferiram entre o grupo DRTZ e os demais, sendo que neste houve valores inferiores. Não houve diferença estatística nos valores dos demais parâmetros com exceção da freqüência cardíaca que no grupo RTZ não revelou variações entre as colheitas. O tempo de imobilidade observado no grupo ARTZ foi superior aos demais.
3

Avaliação da influência da medicação pré-anestésica sobre os efeitos da anestesia geral intravenosa nos parâmetros endócrinos e metabólicos relacionados ao estresse em eqüinos

Castro Junior, Jarbas Francisco da Costa January 2003 (has links)
O estresse é considerado ao mesmo tempo um mecanismo de defesa contra diferentes fatores agressores e a causa de importantes alterações orgânicas que podem levar ao estabelecimento de estados mórbidos. A definição de estresse em animais é tema de controvérsia, no entanto a ativação do eixo hipotalâmico-hipofisário-adrenal (HHA) é utilizado como parâmetro para avaliação do grau de alteração imposto. Em eqüinos, a anestesia isoladamente pode desencadear a cascata de eventos ligados ao estresse, não necessitando como em outras espécies a participação de intervenções cirúrgicas. No entanto, a anestesia geral intravenosa têm sido considerada como menos agressiva e conseqüentemente não desencadeadora de estresse. No presente estudo foi avaliado uma combinação para indução anestésica, a tiletamina-zolazepam (TZ=1,1 mg.kg-1), tendo como medicação pré-anestésica a romifidina (80 µg.kg-1), utilizada isolada ou associada a acepromazina (0,08 mg.kg-1) ou diazepam (0,1 mg. .kg-1). A romifidina é um agonista adrenérgico α-2, de marcada ação sedativa e miorrelaxante. A acepromazina é um derivado fenotiazínico cuja ação tranqüilizante tem sido aplicada na combinação com diversos outros fármacos para indução anestésica. O diazepam é considerado o benzodiazepínico clássico, com atividade ansiolítica e miorrelaxante. Os três fármacos são de uso corrente na medicina veterinária eqüina. A tiletamina é uma ciclohexamina de ação semelhante à cetamina e é disponível comercialmente associada ao zolazepam, na proporção de 1:1. Foram utilizados neste trabalho 24 eqüinos de ambos os sexos, diferentes idades e raças, todos enquadrados na categoria ASA I (American Society of Anesthesiologists). Os animais foram divididos aleatoriamente em três grupos. Os grupos, foram definidos pela combinação pré-anestésica como RTZ (romifidina), ARTZ (acepromazina + romifidina) e DRTZ (diazepam + romifidina). Os fármacos foram administrados por via intravenosa. Entre a romifidina e TZ foi estabelecido um intervalo de 10 minutos em todos os grupos, entre a acepromazina e a romifidina um período de 30 minutos e, a partir da administração de diazepam, houve uma pausa de 3 horas até a romifidina. As colheitas de sangue para as dosagens hormonais foram realizadas em três tempos nos grupos RTZ e ARTZ. Antes de qualquer fármaco (P), após a administração da MPA (M) e 15 minutos após a indução (I). No grupo DRTZ, como se desejava avaliar o efeito do benzodiazepínico isolado, foi realizada uma quarta colheita antes da administração de romifidina (B). Para os demais parâmetros os tempos considerados foram P e I. Foram avaliados a concentração plasmática de ACTH e cortisol, a concentração sérica de glicose e lactato, freqüências cardíaca e respiratória, parâmetros hematológicos (eritrócitos, leucócitos, hemograma e hemoglobina), gasometria arterial, traçado eletrocardiográfico e tempo de imobilidade. Os dados foram analisados estatisticamente por ANOVA para medidas repetidas e teste t de Student. O nível de significância foi de α=0,05. Os resultados revelaram que a anestesia geral intravenosa com os protocolos propostos, não desencadeou a ativação do eixo HHA, exceção feita ao Grupo ARTZ. Os valores de ACTH diferiram entre o grupo DRTZ e os demais, sendo que neste houve valores inferiores. Não houve diferença estatística nos valores dos demais parâmetros com exceção da freqüência cardíaca que no grupo RTZ não revelou variações entre as colheitas. O tempo de imobilidade observado no grupo ARTZ foi superior aos demais.
4

Receptores do hormônio luteinizante em diferentes porções do oviduto de éguas em estro. / Receptors for luteinizing hormone in different portions of the oviduct of mares in estrus

Flores, Jonas Gomes January 2012 (has links)
O desenvolvimento embrionário tem inicio a partir da fecundação do oócito pelo espermatozóide no interior do oviduto. O oviduto é um órgão tortuoso que mede de 20 a 30cm e está dividido em três porções: istmo, ampola e infundíbulo. Os hormônios influenciam a atividade das células-alvo pela ligação de moléculas receptoras especificas. A imuno-histoquímica é o conjunto de procedimentos que utiliza anticorpos como reagentes específicos para detecção de antígenos presentes em células ou tecidos, portanto, através desta técnica é possível verificar a presença de receptores hormonais em determinados órgãos. Este estudo teve como objetivo localizar a presença de receptores para o hormônio luteinizante (LH) nas diferentes porções do oviduto utilizando a técnica de imuno-histoquímica. Foram utilizadas 18 éguas que se encontravam em estro, ou seja, apresentavam um folículo maior que 35mm e trato reprodutivo condizente com a fase estrogênica do ciclo estral. Das 18 éguas utilizadas neste trabalho, 16 éguas (88,8 %) apresentaram receptores para hormônio luteinizante (RLH) no oviduto. Destas 16 éguas, 8 (44,4 %) apresentaram RLH no epitélio e 7 (38,8 %) apresentaram RLH no tecido muscular do istmo, 14 (77,7 %) apresentaram RLH no epitélio e 13 (72,2 %) no tecido muscular da ampola, 10 (55.5 %) apresentaram RLH no epitélio e 1 (5,5 %) no tecido muscular do infundíbulo. Nas éguas que apresentaram receptores no epitélio a intensidade verificada foi de 1,5; 2,5 e 2,6 no istmo, ampola e infundíbulo, respectivamente enquanto que na porção muscular foi de 1,14; 2,3 e 3 respectivamente, para cada uma das três porções estudadas. Foi verificada uma maior intensidade de receptores na ampola do oviduto, o que pode relacionar o LH no processo de fecundação do oócito pelo o espermatozóide. / Embryonic development begins with the fertilization of the egg by the sperm in the oviduct. The oviduct is a tortuous organ which extended measures 20 to 30cm and is divided into three parts: the isthmus, ampulla and infundibulum. Hormones influence the activity of target cells by binding to specific receptor molecules. Immunohistochemistry is the set of procedures that use antibodies as reagents for detection of specific antigens present in cells or tissues, therefore, using this technique it is possible to verify the presence of hormone receptors in certain organs. This study aimed to verify the presence of hormone receptors for luteinizing hormone (LH) in different portions of the oviduct using the technique of immunohistochemistry. We used 18 mares were in estrus that had a follicle greater than 35mm and reproductive tract consistent with the estrogen phase of the estrous cycle. From the 18 mares that were part of that study, 16 mares (88.8 %) had receptors for luteinizing hormone (RLH) in the oviduct. From these 16 mares, 8 (44.4 %) had RLH in the epithelium and 7 (38.8 %) had RLH in the muscle of the isthmus, 14 (77.7 %) had RLH epithelium and 13 (72.2 %) in the muscle of the ampulla, 10 (55.5 %) had RLH in the epithelium m and 1 (5.5 %) in the muscle of the infundibulum. In mares that had receptors in the epithelium the intensity verified was 1,5 ; 2,5 and 2,6 on the isthmus, ampulla and infundibulum, respectively while in the muscular portion was 1,14 ; 2,3 and 3 respectively, for each of the three portions studied. It was verified a greater intensity of receptors in the ampulla of the oviduct, which may relate the LH in the process of fertilization of the oocyte by the sperm.
5

Expressão gênica das metaloproteinases de matriz e de receptores de LH no desenvolvimento folicular da égua / Gene expression of matrix metalloproteinases and LH receptors in the follicular development in the mare

Bastos, Henrique Boll de Araujo January 2013 (has links)
O período compreendido da emergência, desenvolvimento folicular até a formação de um folículo dominante, requer um grande remodelamento tecidual. A ação de enzimas que promovem a lise do colágeno como as metaloproteinases de matriz (MMPs) são fundamentais para o desenrolar deste processo. É sugerido que a produção destas enzimas seja desencadeada pelo aumento na concentração de LH circulante, que atua sobre o epitélio superficial ovariano (ESO). O objetivo deste estudo foi aprofundar o conhecimento da expressão do RNAm das MMP-1 e MMP-2, durante o desenvolvimento folicular em éguas. A técnica de reação em cadeia da polimerase em tempo real (real-time PCR) foi utilizada, para relacionar à expressão do RNAm do receptor de hormônio luteinizante (RLH) e a imunolocalização deste RLH nas células que compõe o ESO da região da fossa de ovulação. Foram selecionadas diferentes porções de ovários de éguas cíclicas. As éguas foram distribuídas em dois grupos. Grupo 1: animais onde os folículos foram < 28mm de diâmetro (crescimento); Grupo 2: animais com folículos foram ≥28mm de diâmetro (dominância folicular). Os resultados mostraram que o RNAm para as MMP-1, MMP-2 e RLH, está presente no ovário equino durante todo o período de desenvolvimento folicular e nas diferentes porções do ovário analisadas. No Grupo 2, a MMP-1 e o RLH apresentaram uma concentração significativamente maior (p<0,05), de RNAm no ovário com folículo dominante do que no ovário contra-lateral. No Grupo 2, quando analisadas somente as diferentes porções do ovário com folículo dominante, evidenciou-se que a MMP-1, MMP-2 e RLH tiveram uma concentração maior (p<0,05), na região do estroma ovariano do que na região da fossa de ovulação. As éguas do Grupo 2, apresentaram uma concentração significativamente menor (p<0,05) do que as éguas do grupo 1 na quantidade de RNAm para RLH. Através da imunohistoquímica observou-se que as células da ESO na região da fossa de ovulação expressaram o RLH com diferença nas intensidades médias. As éguas com folículos dominantes tiveram maior intensidade média quando comparadas as éguas sem folículos dominantes (p<0,05). Os resultados sugerem que a MMP-1 e MMP-2 têm uma atividade importante em todo o processo de remodelamento tecidual, que ocorre durante o desenvolvimento folicular e que RLH presente no ovário e no ESO podem ter um papel fundamental para o mecanismo de sinalização para a produção das MMPs, visto que os ovários que apresentaram maiores concentrações de RLH tiveram maior expressão genica das MMPs. / The period extending from the follicular emergence and development to the formation of a dominant follicle requires a remarkable tissue reshaping. The action of enzymes that promote collagen lysis, such as matrix metalloproteinases (MMP), is fundamental to this process. It has been suggested that the production of those enzymes is triggered by an increased concentration of circling LH, which acts on the ovarian surface epithelium (OSE). The aim of this study was to deepen knowledge about the action of mRNA of MMP-1 and MMP-2 along the follicular development in mares by using the technique of real-time polymerase chain reaction (real-time PCR) to relate the luteinizing hormone receptor (LHR) mRNA expression and the immunolocalization of LHR in the cells that compose OSE in the region of the ovulation fossa. Were selected different portions of ovaries of 12 cyclic mares. The mares were distribuited into two groups. Group 1 was composed of animals whose follicles were up to 28 millimiter wide (growth); Group 2 consisted of animals whose follicles were wider than 28 millimeters (follicular dominance).The results showed that mRNA for MMP-1, MMP-2 and LHR was present in the equine ovary during the whole period of follicular development and in the different portions of ovaries analyzed. Within Group 2, MMP-1 and LHR evidenced a significantly higher concentration of mRNA (p<0.05) in the ovary with dominant follicle than in the contralateral ovary. In Group 2, in which only the different portions of the ovary with dominant follicle were analyzed, MMP-1, MMP-2 and LHR showed a higher concentration (p<0.05) in the region of ovarian stroma than in the ovulation fossa. Mares from Group 2 presented a significantly lower concentration (p<0.05) than mare from Group 1 in terms of mRNA for LHR. Through immunohistochemistry, it was observed that OSE cells in the region of the ovulation fossa expressed LHR with different mean intensity. Mares with dominant follicles (Group 2) evidenced higher mean intensity in comparison to mares without dominant follicles (Group 1). The results have suggested that MMP-1 and MMP-2 participate in the whole tissue reshaping process, and LHR present in OSE may play a central role in the signaling mechanism for MMP production, as the ovaries presenting higher LHR concentrations had higher MMP gene expression.
6

Avaliação dos efeitos analgésicos do tramadol administrado pela via oral e intramuscular na espécie equina (equus caballus) utilizando modelo de ferradura modificada para indução de dor solar.

Molnar, Bruna Favieiro Pellin de January 2013 (has links)
O presente estudo teve como objetivo a avaliação dos efeitos analgésicos do tramadol na dose de 2mg/kg, administrado pela via oral e intramuscular, em equinos submetidos à claudicação induzida com modelo de ferradura modificada. Para o modelo experimental, utilizou-se ferradura comercial modificada e adaptada para induzir claudicação nos animais. Os graus de claudicação foram registrados antes e após a administração do fármaco pelas duas vias utilizadas. O primeiro grupo (seis animais) recebeu o cloridrato de tramadol por via oral em cápsulas (grupo PO), através de sonda nasogástrica, na dose de 2mg/kg e o segundo grupo (seis animais) recebeu cloridrato de tramadol na formulação injetável pela via intramuscular profunda na região glútea (grupo IM), na dose de 2mg/kg. Os graus de claudicação foram avaliados no tempo 0 (antes da administração do fármaco) e nos tempos 30, 60, 90, 120, 180, 240, 300 e 360 minutos após a administração do fármaco. Foram avaliados nos mesmos tempos parâmetros fisiológicos como frequência cardíaca, frequência respiratória, motilidade intestinal nos quadrantes superior direito, superior esquerdo, inferior direito e inferior esquerdo, além da temperatura retal. Parâmetros hemogasométricos foram avaliados no tempo 0 (antes da administração do fármaco), 30 e 60 minutos após a administração do fármaco, sendo mensurados pH sanguíneo, paCO2, paO2, HCO3-, Na, Ca, K e glicose. Os animais não apresentaram sinais adversos com a administração do tramadol, pelas vias e dose utilizadas, como disforia, hiperexcitabilidade, aumento na atividade locomotora e hipomotilidade intestinal, porém não houve diminuição significativa no grau de claudicação (P>0,05). O modelo de ferradura modificado utilizado para induzir claudicação nos equinos, mostrou-se eficiente como modelo experimental de dor. / This study aimed to evaluate the analgesic effects of tramadol the dose of 2mg/kg by oral and intramuscular administration in horses undergoing induced lameness with modified horseshoe model. For the experimental model we used commercial horseshoe modified and adapted for inducing lameness in animals. The degrees of lameness were recorded before and after drug administration for the two routes used. The first group (six animals) received tramadol hydrochloride orally in capsules (group PO) via a nasogastric tube at a dose of 2mg/kg and the second group (six animals) received tramadol hydrochloride in the formulation by intramuscular injection deep in the gluteal region (group IM) at a dose of 2mg/kg. The degrees of lameness were evaluated at time 0 (before drug administration) and at times 30, 60, 90, 120, 180, 240, 300 and 360 minutes after drug administration. Were assessed at the same times physiological parameters such as heart rate, respiratory rate, intestinal motility in the upper right quadrant, upper left, lower right and lower left and rectal temperature. Blood gas parameters were evaluated at time 0 (before drug administration), 30 and 60 minutes after drug administration, and measured blood pH, PaCO2, PaO2, HCO3-, Na, K, Ca and glucose. The animals showed no adverse signs with the administration of tramadol, by routes and dose used, such as dysphoria, hyperexcitability, increased locomotor activity and intestinal hypomotility, but there was no significant decrease in lameness (P> .05). The modified horseshoe model used to induce lameness in horses was effective as an experimental model of pain.
7

Expressão gênica das metaloproteinases de matriz e de receptores de LH no desenvolvimento folicular da égua / Gene expression of matrix metalloproteinases and LH receptors in the follicular development in the mare

Bastos, Henrique Boll de Araujo January 2013 (has links)
O período compreendido da emergência, desenvolvimento folicular até a formação de um folículo dominante, requer um grande remodelamento tecidual. A ação de enzimas que promovem a lise do colágeno como as metaloproteinases de matriz (MMPs) são fundamentais para o desenrolar deste processo. É sugerido que a produção destas enzimas seja desencadeada pelo aumento na concentração de LH circulante, que atua sobre o epitélio superficial ovariano (ESO). O objetivo deste estudo foi aprofundar o conhecimento da expressão do RNAm das MMP-1 e MMP-2, durante o desenvolvimento folicular em éguas. A técnica de reação em cadeia da polimerase em tempo real (real-time PCR) foi utilizada, para relacionar à expressão do RNAm do receptor de hormônio luteinizante (RLH) e a imunolocalização deste RLH nas células que compõe o ESO da região da fossa de ovulação. Foram selecionadas diferentes porções de ovários de éguas cíclicas. As éguas foram distribuídas em dois grupos. Grupo 1: animais onde os folículos foram < 28mm de diâmetro (crescimento); Grupo 2: animais com folículos foram ≥28mm de diâmetro (dominância folicular). Os resultados mostraram que o RNAm para as MMP-1, MMP-2 e RLH, está presente no ovário equino durante todo o período de desenvolvimento folicular e nas diferentes porções do ovário analisadas. No Grupo 2, a MMP-1 e o RLH apresentaram uma concentração significativamente maior (p<0,05), de RNAm no ovário com folículo dominante do que no ovário contra-lateral. No Grupo 2, quando analisadas somente as diferentes porções do ovário com folículo dominante, evidenciou-se que a MMP-1, MMP-2 e RLH tiveram uma concentração maior (p<0,05), na região do estroma ovariano do que na região da fossa de ovulação. As éguas do Grupo 2, apresentaram uma concentração significativamente menor (p<0,05) do que as éguas do grupo 1 na quantidade de RNAm para RLH. Através da imunohistoquímica observou-se que as células da ESO na região da fossa de ovulação expressaram o RLH com diferença nas intensidades médias. As éguas com folículos dominantes tiveram maior intensidade média quando comparadas as éguas sem folículos dominantes (p<0,05). Os resultados sugerem que a MMP-1 e MMP-2 têm uma atividade importante em todo o processo de remodelamento tecidual, que ocorre durante o desenvolvimento folicular e que RLH presente no ovário e no ESO podem ter um papel fundamental para o mecanismo de sinalização para a produção das MMPs, visto que os ovários que apresentaram maiores concentrações de RLH tiveram maior expressão genica das MMPs. / The period extending from the follicular emergence and development to the formation of a dominant follicle requires a remarkable tissue reshaping. The action of enzymes that promote collagen lysis, such as matrix metalloproteinases (MMP), is fundamental to this process. It has been suggested that the production of those enzymes is triggered by an increased concentration of circling LH, which acts on the ovarian surface epithelium (OSE). The aim of this study was to deepen knowledge about the action of mRNA of MMP-1 and MMP-2 along the follicular development in mares by using the technique of real-time polymerase chain reaction (real-time PCR) to relate the luteinizing hormone receptor (LHR) mRNA expression and the immunolocalization of LHR in the cells that compose OSE in the region of the ovulation fossa. Were selected different portions of ovaries of 12 cyclic mares. The mares were distribuited into two groups. Group 1 was composed of animals whose follicles were up to 28 millimiter wide (growth); Group 2 consisted of animals whose follicles were wider than 28 millimeters (follicular dominance).The results showed that mRNA for MMP-1, MMP-2 and LHR was present in the equine ovary during the whole period of follicular development and in the different portions of ovaries analyzed. Within Group 2, MMP-1 and LHR evidenced a significantly higher concentration of mRNA (p<0.05) in the ovary with dominant follicle than in the contralateral ovary. In Group 2, in which only the different portions of the ovary with dominant follicle were analyzed, MMP-1, MMP-2 and LHR showed a higher concentration (p<0.05) in the region of ovarian stroma than in the ovulation fossa. Mares from Group 2 presented a significantly lower concentration (p<0.05) than mare from Group 1 in terms of mRNA for LHR. Through immunohistochemistry, it was observed that OSE cells in the region of the ovulation fossa expressed LHR with different mean intensity. Mares with dominant follicles (Group 2) evidenced higher mean intensity in comparison to mares without dominant follicles (Group 1). The results have suggested that MMP-1 and MMP-2 participate in the whole tissue reshaping process, and LHR present in OSE may play a central role in the signaling mechanism for MMP production, as the ovaries presenting higher LHR concentrations had higher MMP gene expression.
8

Avaliação dos efeitos analgésicos do tramadol administrado pela via oral e intramuscular na espécie equina (equus caballus) utilizando modelo de ferradura modificada para indução de dor solar.

Molnar, Bruna Favieiro Pellin de January 2013 (has links)
O presente estudo teve como objetivo a avaliação dos efeitos analgésicos do tramadol na dose de 2mg/kg, administrado pela via oral e intramuscular, em equinos submetidos à claudicação induzida com modelo de ferradura modificada. Para o modelo experimental, utilizou-se ferradura comercial modificada e adaptada para induzir claudicação nos animais. Os graus de claudicação foram registrados antes e após a administração do fármaco pelas duas vias utilizadas. O primeiro grupo (seis animais) recebeu o cloridrato de tramadol por via oral em cápsulas (grupo PO), através de sonda nasogástrica, na dose de 2mg/kg e o segundo grupo (seis animais) recebeu cloridrato de tramadol na formulação injetável pela via intramuscular profunda na região glútea (grupo IM), na dose de 2mg/kg. Os graus de claudicação foram avaliados no tempo 0 (antes da administração do fármaco) e nos tempos 30, 60, 90, 120, 180, 240, 300 e 360 minutos após a administração do fármaco. Foram avaliados nos mesmos tempos parâmetros fisiológicos como frequência cardíaca, frequência respiratória, motilidade intestinal nos quadrantes superior direito, superior esquerdo, inferior direito e inferior esquerdo, além da temperatura retal. Parâmetros hemogasométricos foram avaliados no tempo 0 (antes da administração do fármaco), 30 e 60 minutos após a administração do fármaco, sendo mensurados pH sanguíneo, paCO2, paO2, HCO3-, Na, Ca, K e glicose. Os animais não apresentaram sinais adversos com a administração do tramadol, pelas vias e dose utilizadas, como disforia, hiperexcitabilidade, aumento na atividade locomotora e hipomotilidade intestinal, porém não houve diminuição significativa no grau de claudicação (P>0,05). O modelo de ferradura modificado utilizado para induzir claudicação nos equinos, mostrou-se eficiente como modelo experimental de dor. / This study aimed to evaluate the analgesic effects of tramadol the dose of 2mg/kg by oral and intramuscular administration in horses undergoing induced lameness with modified horseshoe model. For the experimental model we used commercial horseshoe modified and adapted for inducing lameness in animals. The degrees of lameness were recorded before and after drug administration for the two routes used. The first group (six animals) received tramadol hydrochloride orally in capsules (group PO) via a nasogastric tube at a dose of 2mg/kg and the second group (six animals) received tramadol hydrochloride in the formulation by intramuscular injection deep in the gluteal region (group IM) at a dose of 2mg/kg. The degrees of lameness were evaluated at time 0 (before drug administration) and at times 30, 60, 90, 120, 180, 240, 300 and 360 minutes after drug administration. Were assessed at the same times physiological parameters such as heart rate, respiratory rate, intestinal motility in the upper right quadrant, upper left, lower right and lower left and rectal temperature. Blood gas parameters were evaluated at time 0 (before drug administration), 30 and 60 minutes after drug administration, and measured blood pH, PaCO2, PaO2, HCO3-, Na, K, Ca and glucose. The animals showed no adverse signs with the administration of tramadol, by routes and dose used, such as dysphoria, hyperexcitability, increased locomotor activity and intestinal hypomotility, but there was no significant decrease in lameness (P> .05). The modified horseshoe model used to induce lameness in horses was effective as an experimental model of pain.
9

Receptores do hormônio luteinizante em diferentes porções do oviduto de éguas em estro. / Receptors for luteinizing hormone in different portions of the oviduct of mares in estrus

Flores, Jonas Gomes January 2012 (has links)
O desenvolvimento embrionário tem inicio a partir da fecundação do oócito pelo espermatozóide no interior do oviduto. O oviduto é um órgão tortuoso que mede de 20 a 30cm e está dividido em três porções: istmo, ampola e infundíbulo. Os hormônios influenciam a atividade das células-alvo pela ligação de moléculas receptoras especificas. A imuno-histoquímica é o conjunto de procedimentos que utiliza anticorpos como reagentes específicos para detecção de antígenos presentes em células ou tecidos, portanto, através desta técnica é possível verificar a presença de receptores hormonais em determinados órgãos. Este estudo teve como objetivo localizar a presença de receptores para o hormônio luteinizante (LH) nas diferentes porções do oviduto utilizando a técnica de imuno-histoquímica. Foram utilizadas 18 éguas que se encontravam em estro, ou seja, apresentavam um folículo maior que 35mm e trato reprodutivo condizente com a fase estrogênica do ciclo estral. Das 18 éguas utilizadas neste trabalho, 16 éguas (88,8 %) apresentaram receptores para hormônio luteinizante (RLH) no oviduto. Destas 16 éguas, 8 (44,4 %) apresentaram RLH no epitélio e 7 (38,8 %) apresentaram RLH no tecido muscular do istmo, 14 (77,7 %) apresentaram RLH no epitélio e 13 (72,2 %) no tecido muscular da ampola, 10 (55.5 %) apresentaram RLH no epitélio e 1 (5,5 %) no tecido muscular do infundíbulo. Nas éguas que apresentaram receptores no epitélio a intensidade verificada foi de 1,5; 2,5 e 2,6 no istmo, ampola e infundíbulo, respectivamente enquanto que na porção muscular foi de 1,14; 2,3 e 3 respectivamente, para cada uma das três porções estudadas. Foi verificada uma maior intensidade de receptores na ampola do oviduto, o que pode relacionar o LH no processo de fecundação do oócito pelo o espermatozóide. / Embryonic development begins with the fertilization of the egg by the sperm in the oviduct. The oviduct is a tortuous organ which extended measures 20 to 30cm and is divided into three parts: the isthmus, ampulla and infundibulum. Hormones influence the activity of target cells by binding to specific receptor molecules. Immunohistochemistry is the set of procedures that use antibodies as reagents for detection of specific antigens present in cells or tissues, therefore, using this technique it is possible to verify the presence of hormone receptors in certain organs. This study aimed to verify the presence of hormone receptors for luteinizing hormone (LH) in different portions of the oviduct using the technique of immunohistochemistry. We used 18 mares were in estrus that had a follicle greater than 35mm and reproductive tract consistent with the estrogen phase of the estrous cycle. From the 18 mares that were part of that study, 16 mares (88.8 %) had receptors for luteinizing hormone (RLH) in the oviduct. From these 16 mares, 8 (44.4 %) had RLH in the epithelium and 7 (38.8 %) had RLH in the muscle of the isthmus, 14 (77.7 %) had RLH epithelium and 13 (72.2 %) in the muscle of the ampulla, 10 (55.5 %) had RLH in the epithelium m and 1 (5.5 %) in the muscle of the infundibulum. In mares that had receptors in the epithelium the intensity verified was 1,5 ; 2,5 and 2,6 on the isthmus, ampulla and infundibulum, respectively while in the muscular portion was 1,14 ; 2,3 and 3 respectively, for each of the three portions studied. It was verified a greater intensity of receptors in the ampulla of the oviduct, which may relate the LH in the process of fertilization of the oocyte by the sperm.
10

Receptores do hormônio luteinizante em diferentes porções do oviduto de éguas em estro. / Receptors for luteinizing hormone in different portions of the oviduct of mares in estrus

Flores, Jonas Gomes January 2012 (has links)
O desenvolvimento embrionário tem inicio a partir da fecundação do oócito pelo espermatozóide no interior do oviduto. O oviduto é um órgão tortuoso que mede de 20 a 30cm e está dividido em três porções: istmo, ampola e infundíbulo. Os hormônios influenciam a atividade das células-alvo pela ligação de moléculas receptoras especificas. A imuno-histoquímica é o conjunto de procedimentos que utiliza anticorpos como reagentes específicos para detecção de antígenos presentes em células ou tecidos, portanto, através desta técnica é possível verificar a presença de receptores hormonais em determinados órgãos. Este estudo teve como objetivo localizar a presença de receptores para o hormônio luteinizante (LH) nas diferentes porções do oviduto utilizando a técnica de imuno-histoquímica. Foram utilizadas 18 éguas que se encontravam em estro, ou seja, apresentavam um folículo maior que 35mm e trato reprodutivo condizente com a fase estrogênica do ciclo estral. Das 18 éguas utilizadas neste trabalho, 16 éguas (88,8 %) apresentaram receptores para hormônio luteinizante (RLH) no oviduto. Destas 16 éguas, 8 (44,4 %) apresentaram RLH no epitélio e 7 (38,8 %) apresentaram RLH no tecido muscular do istmo, 14 (77,7 %) apresentaram RLH no epitélio e 13 (72,2 %) no tecido muscular da ampola, 10 (55.5 %) apresentaram RLH no epitélio e 1 (5,5 %) no tecido muscular do infundíbulo. Nas éguas que apresentaram receptores no epitélio a intensidade verificada foi de 1,5; 2,5 e 2,6 no istmo, ampola e infundíbulo, respectivamente enquanto que na porção muscular foi de 1,14; 2,3 e 3 respectivamente, para cada uma das três porções estudadas. Foi verificada uma maior intensidade de receptores na ampola do oviduto, o que pode relacionar o LH no processo de fecundação do oócito pelo o espermatozóide. / Embryonic development begins with the fertilization of the egg by the sperm in the oviduct. The oviduct is a tortuous organ which extended measures 20 to 30cm and is divided into three parts: the isthmus, ampulla and infundibulum. Hormones influence the activity of target cells by binding to specific receptor molecules. Immunohistochemistry is the set of procedures that use antibodies as reagents for detection of specific antigens present in cells or tissues, therefore, using this technique it is possible to verify the presence of hormone receptors in certain organs. This study aimed to verify the presence of hormone receptors for luteinizing hormone (LH) in different portions of the oviduct using the technique of immunohistochemistry. We used 18 mares were in estrus that had a follicle greater than 35mm and reproductive tract consistent with the estrogen phase of the estrous cycle. From the 18 mares that were part of that study, 16 mares (88.8 %) had receptors for luteinizing hormone (RLH) in the oviduct. From these 16 mares, 8 (44.4 %) had RLH in the epithelium and 7 (38.8 %) had RLH in the muscle of the isthmus, 14 (77.7 %) had RLH epithelium and 13 (72.2 %) in the muscle of the ampulla, 10 (55.5 %) had RLH in the epithelium m and 1 (5.5 %) in the muscle of the infundibulum. In mares that had receptors in the epithelium the intensity verified was 1,5 ; 2,5 and 2,6 on the isthmus, ampulla and infundibulum, respectively while in the muscular portion was 1,14 ; 2,3 and 3 respectively, for each of the three portions studied. It was verified a greater intensity of receptors in the ampulla of the oviduct, which may relate the LH in the process of fertilization of the oocyte by the sperm.

Page generated in 0.1268 seconds