• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 224
  • 21
  • 4
  • 2
  • 1
  • Tagged with
  • 255
  • 131
  • 92
  • 82
  • 74
  • 47
  • 44
  • 38
  • 38
  • 34
  • 31
  • 30
  • 28
  • 26
  • 24
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Étude de l'effet prophylactique, propriétés immunogènes et effet adjuvant, de la profiline des Apicomplexes contre la toxoplasmose chronique en modèle murin

Hedhli, Dorsaf Mevelec, Marie Noëlle. January 2008 (has links) (PDF)
Thèse de doctorat : Sciences de la vie et de la santé : Tours : 2008. / Titre provenant de l'écran-titre.
2

Contrôle de qualité et sérodiagnostic de la toxoplasmose : standardisation des techniques et interprétation des résultats.

Samak, Henri, January 1900 (has links)
Th. univ.--Pharm.--Paris 5, 1981. N°: 550.
3

Prévalence et incidence de la toxoplamose chez les femmes enceintes du Nunavik 1994-2003 /

Ndassebe, Angela Davys. January 2007 (has links) (PDF)
Thèse (M.Sc.)--Université Laval, 2007. / Bibliogr.: f. [86]-97. Publié aussi en version électronique dans la Collection Mémoires et thèses électroniques.
4

Utilidade da pesquisa de anticorpos IgA anti-toxoplasma gondii para o diagnostico sorologico da toxoplasmose aguda adquirida

Takahashi, Emilia Emiko Hieda 08 March 1996 (has links)
Orientador: Claudio Lucio Rossi / Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciencias Medicas / Made available in DSpace on 2018-07-21T01:20:49Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Takahashi_EmiliaEmikoHieda_D.pdf: 2223620 bytes, checksum: 56da014976ab8fdcaa1606ddef7afc11 (MD5) Previous issue date: 1996 / Resumo: A toxoplasmose, infecção causada pelo parasita intracelular Toxoplasma gondii, em indivíduos imunocompetentes é, geralmente, assintomática ou se apresenta associada com manifestações clínicas leves e não específicas. O diagnóstico sorológico da toxoplasmose aguda tem, tradicionalmente, sido feito pela detecção de anticorpos específicos da classe IgM e/ou pela demonstração de um aumento significativo dos títulos de anticorpos específicos, usualmente da classe IgG. Entretanto, a presença de altos títulos de anticorpos IgG anti- Toxoplasma gondii em um número significativo de pessoas sadias e a persistência, em alguns casos, dos anticorpos da classe IgM por vários meses, ou mesmo anos, após a infecção com o parasita, tem dificultado a interpretação dos resultados dos testes sorológicos para o diagnóstico da fase aguda da toxoplasmose. O presente estudo foi delineado para avaliar a utilidade da pesquisa dos anticorpos IgA anú-T.gondii para o diagnóstico da toxoplasmose aguda adquirida. Anticorpos IgA anti-T.gondii foram pesquisados, através das técnicas de ELISA direta (ELISA d), ELISA de captura (ELISAc) e Imunocaptura-aglutinação (IC-A), em 54 pacientes com toxoplasmose aguda adquirida, 50 pacientes com infecções heterólogas e em 27 pessoas sadias. As três técnicas apresentaram alta sensibilidade e especificidade para o diagnóstico da toxoplasmose: ELISAd - 98% de sensibilidade e 97% de especificidade; ELISAc-100% de sensibilidade e 99% de especificidade; IC-A-100% de sensibilidade e especificidade. Através de um estudo comparativo, a persistência dos anticorpos IgA, detectados por ELISAd, ELISAc e IC-A, e a dos anticorpos IgM, detectados por imunofluorescência indireta (IFI), ELISAc e por uma técnica de quimioluminescência baseada em princípios imunoenzimáticos (QmL), foram avaliadas utilizando-se amostras sequenciais de soros de 10 pacientes com toxoplasmose, obtidas a diferentes intervalos de tempo após as manifestações clínicas da infecção. Os resultados da pesquisa de IgM confirmaram as observações de outros autores referentes a longa persistência desta classe de anticorpos específicos após a infecção com o parasita. Foi, ainda, observada uma relação direta entre a sensibilidade da técnica utilizada e a persistência dos anticorpos IgM. Do mesmo modo, a análise dos resultados referentes a pesquisa de IgA mostrou que as técnicas de ELISAd e IC-A permaneceram, também, positivas por um longo período de tempo após a infecção, em um número significativo de casos. Com relação a identificação da fase aguda da toxoplasmose adquirida através da pesquisa de anticorpos específicos, levando em consideração a freqüência de detecção dos anticorpos e a persistência dos mesmos no curso da infecção, os melhores resultados foram obtidos com a técnica de ELISAc para IgA, considerando como significativos níveis de anticorpos superiores a 40 unidades arbitrárias por ml de soro (UA/ml). A pesquisa de anticorpos IgA por ELISAc associada a pesquisa de anticorpos IgM através de IFI ou de uma técnica de maior sensibilidade tal como ELISAc ou QmL, poderá contribuir significativamente para o diagnóstico sorológico da toxoplasmose aguda adquirida / Abstract: Toxoplasmosis, an infection caused by the intracellular parasite Toxoplasma gondii, is generally asymptomatic or is associated with mild, nonspecific clinical manifestations in immunocompetent subjects. The detection of Toxoplasma-specific antibodies has been considered the most valuable tool for diagnosing toxoplasmosis. Serological diagnosis of acute toxoplasmosis has traditonally been performed by detecting specific IgM antibodies and/or by demonstrating a significant increase in specific IgG antibody levels. However, the presence of high anti-Toxoplasma IgG antibody titers in a significant number of normal subjects and the persistence, in some persons, of specific IgM antibodies for several months or even years following the acute infection have complicated the interpretation of serological test results when toxoplasmosis is suspected. The present study was designed to evaluate the usefulness of detecting Toxoplasma - specific IgA antibodies for the diagnosis of acute acquired toxoplasmosis. The sensitivities and specificities of the direct ELISA (dELISA), immunocapture ELISA (cELISA) and immunocapture-agglutination assay (IC-A) for detecting Toxoplasma-specific IgA antibodies were determined by analysing the following groups of sera: 54 serum samples from patients with acute acquired toxoplasmosis, 50 serum samples from patients with heterologous infections and 27 serum samples from healthy controls. The performances of the three techniques were excellent and very similar: 98% sensitivity and 97% specificity for the dELISA, 100% sensitivity and 99% specificity for the cELISA and 100% sensitivity and specificity for the IC-A In a comparative study, the persistence of Toxoplasma- specific IgA antibodies, detected by dELISA cELISA and IC-A, and of Toxoplasma-specific IgM antibodies, detected by indirect immunofluorescence (IFI), cELISA and an enzyme-mediated chemiluminescent assay (QmL), were assessed using sequential serum samples obtained from ten patients at various intervals after the beginning of the clinical manifestations of toxoplasmosis Our results from screening for Toxoplasma - specific IgM antibodies confirmed the observations of others regarding the sustained persistence of such antibodies after infection with the parasite. A longer persistence of IgM was observed using the cELISA and QmL in a significant number of cases. The dELISA and IC-A techniques also detected specific IgA antibodies for a long period after the infection with T.gondii. The best results for IgA were obtained with the cELISA for which values>40 AU/ml represented significant antibody levels. We conclude that the screening for IgA antibodies by cELISA coupled with the screening for IgM antibodies by IFI or a technique with a higher sensitivity could significantly improve the serological diagnosis of acute acquired toxoplasmosis / Doutorado / Doutor em Clínica Médica
5

Associação entre uveíte posterior ativa presumivelmente por Toxoplasma gondii e IgA secretora específica na lágrima

Isabel Lynch Gaete, Maria January 2003 (has links)
Made available in DSpace on 2014-06-12T18:31:20Z (GMT). No. of bitstreams: 2 arquivo8022_1.pdf: 389596 bytes, checksum: 9b316e58bc0285ecf3355aeb772f91c2 (MD5) license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) Previous issue date: 2003 / Toxoplasmose é a principal causa de uveíte posterior focal. A sorologia é importante para o esclarecimento diagnóstico. A mais relevante das imunoglubulinas contra o T. gondii, é a IgG, considerada marcador de contato prévio, seguida de IgA, IgE e IgM no soro, podendo ser determinadas também no humor aquoso. A IgA pela sua localização intravascular e ao nível de mucosas tem sido objeto de estudos para evidenciar seu papel no controle de parasitoses assim como indicadora diagnóstica de infecção recente. A IgA sérica tem sido observada nos primeiros meses após infecção por T. gondii e foi detectada IgA secretora específica (IgAs) na lágrima de indivíduos sadios porém IgG positivos para T. gondii. O presente estudo, objetivou estudar a associação de uveíte posterior ativa presumivelmente por T. gondii e a presença de IgA secretora específica na lágrima, assim como IgM, IgG e IgA sérica específicas para T. gondii. Participaram 75 indivíduos, 25 portadores da doença ocular e 50 controles sem a mesma, com IgG positiva para T. gondii. Considerou-se padrão de seleção (padrão ouro) lesões de uveíte posterior ativa, satélite de lesão cicatrizada. Foram determinadas a IgG, IgM, IgA sérica e IgAs, através de ELISA, utilizando antígeno bruto de T . gondii. A diferença de intensidade da reação da IgG não foi estatisticamente significante (p= 0,082). A pesquisa de IgM foi negativa nos dois grupos participantes. A IgA sérica apresentou média de absorbância significantemente maior nos casos (p=0,040). Todos os portadores de doença ocular foram IgA positivos no soro. A IgA secretora foi verificada em 84,0% dos casos e 22,0 % dos controles. A média da absorbância da IgA secretora mostrou-se maior nos casos (p=0,007). A associação entre uveíte posterior ativa presumivelmente toxoplásmica mostrou 18 vezes mais probabilidades de apresentar IgA secretora nos casos que nos controles ( odds-ratio = 18,61; p=0,0001). A sensibilidade do teste foi 84,0% e a especificidade 78,0%. Conclui-se que a IgA secretora anti-T. gondii da lágrima pode constituir-se em um indicador promissor para diagnóstico de toxoplasmose ocular ativa. Acreditamos que uma posterior purificação do antígeno utilizado para esta reação possa aumentar a especificidade do teste imunoenzimático para IgAs
6

Análise comparativa entre testes de ELISA convencional (soro) e papel filtro (sangue seco), para detecção de Toxoplasmose IgM

Minuzzi, Ana Lucia M. January 2008 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, 2008. / Submitted by Kelly Marques (pereira.kelly@gmail.com) on 2009-11-13T19:31:41Z No. of bitstreams: 1 2008_AnaLuciaMulazzaniMinuzzi.pdf: 587368 bytes, checksum: da9a2658017bd01ebfac9a5f04807d60 (MD5) / Approved for entry into archive by Guimaraes Jacqueline(jacqueline.guimaraes@bce.unb.br) on 2009-12-11T15:29:12Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2008_AnaLuciaMulazzaniMinuzzi.pdf: 587368 bytes, checksum: da9a2658017bd01ebfac9a5f04807d60 (MD5) / Made available in DSpace on 2009-12-11T15:29:12Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2008_AnaLuciaMulazzaniMinuzzi.pdf: 587368 bytes, checksum: da9a2658017bd01ebfac9a5f04807d60 (MD5) Previous issue date: 2008 / Atualmente o potencial de uso do papel filtro é justificado, pois é um meio barato de coleta, armazenamento e transporte de amostras biológicas, uma vez que o material biológico após a coleta é estável e não infectante. É uma excelente alternativa para países com recursos limitados e com regiões de difícil acesso.A Toxoplasmose é uma doença infecciosa, que requer especial atenção em gestantes, pois se mantém assintomática na grande maioria dos casos, causando seqüelas de intensidade variável ao feto. Objetivo: Comparar os resultados de Anticorpos Anti-Toxoplasma IgM em papel filtro (sangue seco) e soro. Materiais e Métodos: Realizou-se um estudo comparativo com amostras coletadas entre Julho de 2006 e Julho de 2007, provenientes de gestantes atendidas no Programa de Proteção à Gestante do Estado de Goiás e encaminhadas para o Instituto de Diagnóstico e Prevenção da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Goiânia. As amostras são coletadas em papel filtro S&S 903 e posteriormente eluídas para realização dos testes de triagem pré-natal (Toxoplasmose, Rubéola, Citomegalovirus, Sífilis, Hepatites B e C, Anti-HIV, Chagas e Anti-HTLV). Foram coletadas 1755 amostras, sendo 1093 amostras negativas para Toxoplasmose IgM, 621 amostras positivas para Toxoplasmose IgM e 41 amostras indeterminadas para Toxoplasmose IgM. As amostras negativas para Toxoplasmose IgM foram provenientes de pacientes presumidamente positivas ou indeterminadas para marcadores de Hepatite B e confirmadas como negativas para Toxoplasmose IgM. As amostras positivas ou indeterminadas para Toxoplasmose IgM, foram provenientes de gestantes que na triagem inicial em papel filtro obtiveram estes resultados. Usou-se como critério de exclusão amostras hemolisadas ou lipêmicas e amostras com volume insuficiente para as devidas determinações. Resultados: Foram analisadas 1755 amostras em papel filtro e soro, onde inicialmente 621 amostras eram positivas, 1093 eram negativas e 41 eram amostras com resultados indeterminados para Toxoplasmose IgM. A concordância de resultados entre os dois métodos foi de 99,12 %. Encontrou-se um Índice Kappa de 0,98 ( ótima concordância). A Sensibilidade para Toxoplasmose IgM em Papel Filtro foi de 99, 83 %, enquanto que a Especificidade para o exame de Toxoplasmose IgM em Papel Filtro ficou em 98,73. Conclusões: A pesquisa de Toxoplasmose IgM em papel filtro é um método confiável para triagem de populações específicas, pois possui uma Sensibilidade de 99,83% e uma Especificidade de 98,73% , com um Índice Kappa de 0,98. __________________________________________________________________________________________ ABSTRACT / Currently the potential paper filter use is justified, because it is a cheap way of collecting, storage and biological samples transport, since the biological material after collection is stable and not infecting. Is an excellent alternative for countries with limited resources and with difficult access regions. Toxoplasmosis is a infectious disease, that requires special attention to pregnant women, because it remains asymptomatic in most cases, causing injuries of varying intensity to the fetus. Objective: To compare the results of Auto-antibodies Anti- Toxoplasmosis IgM in filter paper (dried blood) and serum. Methods: A study was carried out with collected samples between July 2006 and July 2007, from pregnant women assisted by the Pregnant Women Protection Program of the State of Goiás and routed for the APAEGoiânia’s Prevention and Diagnostic Institute. Samples are collected in filter paper S&S 93 and then eluted for conducting the prenatal triage tests (Toxoplasmosis, Rubella, Cytomegalovirus, Syphilis, Hepatitis B e C, Anti-HIV, Chagas’ disease and Anti-HTLV). Were collected 1755 samples, with 1093 negative samples for Toxoplasmosis IgM, 621 positive samples for Toxoplasmosis IgM and 41 undetermined samples for Toxoplasmosis IgM. Negative samples for Toxoplasmosis IgM were coming of vainly positive or undetermined patients for labels of Hepatitis B and confirmed as negative for Toxoplasmosis IgM. Positive or undetermined samples for Toxoplasmosis IgM, were coming of pregnant women with in preliminary triage in filter paper obtained this results. It is used as a criterion for exclusion hemolysate and lipaemic samples with insufficient volume for the necessary determinations. Results: Were analyzed 1755 samples in filter paper and serum, firstly 621 samples were positive, 1093 were negative and 41 were samples with undetermined results for Toxoplasmosis IgM. Results correlation between both methods was 99,12%. Kappa index of 0,98 (great agreement) was found. Filter paper sensitivity for Toxoplasmosis IgM was 99,83%, while filer paper specificity for Toxoplasmosis IgM was 98,73%.
7

Avaliação da Reatividade de Anticorpos Anti-toxoplasma gondii pela Técnica de Citometria de Fluxo Como indicadores de Lesão Ocular em Soros de Recémnascidos com Toxoplasmose Congênita

JESUS, L. N. N. P. 05 December 2014 (has links)
Made available in DSpace on 2016-08-29T15:34:59Z (GMT). No. of bitstreams: 1 tese_8372_Dissertação Laura Néspoli.pdf: 1629298 bytes, checksum: 4f06298ca89a21aa7b5c0cf540d13579 (MD5) Previous issue date: 2014-12-05 / A retinocoroidite é a manifestação mais comum causada pela infecção congênita por Toxoplasma gondii. Devido a gravidade das lesões oculares que podem até levar à perda completa da visão, a detecção precoce da toxoplasmose congênita e da lesão ocular são essenciais para o tratamento. Este trabalho possuiu o objetivo de avaliar a aplicabilidade da pesquisa de anticorpos IgG e das subclasses IgG1, IgG2, IgG3 e IgG4 anti-T. gondii por citometria de fluxo como marcador laboratorial das diferentes formas de lesões retinocoroidais na toxoplasmose congênita. Foram analisadas 88 amostras de soro de recém-nascidos com toxoplasmose congênita, sendo 25 sem lesão ocular (SL), 10 com lesão ocular ativa (RA), 26 com lesão ocular ativa e cicatricial (RAC) e 27 com lesão ocular cicatricial (RC). Foram também utilizadas 19 amostras de soro de recém-nascidos não infectados que apresentaram IgG positivo após o nascimento (NI). Essas amostras foram obtidas a partir de soros de recémnascidos participantes de um programa de triagem neonatal realizado em Minas Gerais realizado nos anos de 2006 e 2007. Os resultados demonstraram que os recém-nascidos com toxoplasmose congênita apresentam maior reatividade de anticorpos IgG total e subclasses IgG1, IgG2 e IgG3 do que indivíduos não infectados. No grupo não infectado, o único anticorpo com mais de 50% de indivíduos com alta reatividade de anticorpos foi IgG4. Ao comparar os grupos de indivíduos com toxoplasmose congênita, foi observado que o grupo RAC, seguido de RC, apresentou maior reatividade principalmente para os anticorpos IgG1 e IgG3 comparado aos recém-nascidos dos grupos RA e SL, enquanto que pacientes do grupo RA apresentaram maior reatividade para IgG4 do que indivíduos dos outros grupos. IgG1 foi a única subclasse capaz de diferenciar os grupos NI, SL dos grupos RAC e RC. Também foi avaliado o índice de avidez de IgG total, que não permitiu estabelecer nenhum critério de diferenciação das formas de lesão ocular causadas pelo T. gondii. Portanto, a citometria de fluxo demonstrou que pode ser um método laboratorial complementar para ser utilizado como indicador das diferentes lesões oculares causadas pela toxoplasmose congênita.
8

Die Bedeutung von IL-12 und IL-23 in der Immunantwort gegen Toxoplasma gondii

Struck, Daniela January 2009 (has links)
Zugl.: Berlin, Freie Univ., Diss., 2009
9

Toxoplasmose em gestantes : abordagem epidemológica nos postos de saúde da rede pública da cidade de Rio Verde-Goiás

Giffoni, Aparecida Andreani January 2007 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, 2007. / Submitted by Kathryn Cardim Araujo (kathryn.cardim@gmail.com) on 2009-11-27T14:05:37Z No. of bitstreams: 1 2007_AparecidaAndreaniGiffoni.pdf: 319281 bytes, checksum: f120595ea449269348955781a2eb9c45 (MD5) / Approved for entry into archive by Joanita Pereira(joanita) on 2009-12-03T16:58:39Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2007_AparecidaAndreaniGiffoni.pdf: 319281 bytes, checksum: f120595ea449269348955781a2eb9c45 (MD5) / Made available in DSpace on 2009-12-03T16:58:39Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2007_AparecidaAndreaniGiffoni.pdf: 319281 bytes, checksum: f120595ea449269348955781a2eb9c45 (MD5) Previous issue date: 2007 / INTRODUÇÂO: A toxoplasmose é uma doença cosmopolita, provocada pelo Toxoplasma gondii, atingindo grande maioria das espécies de animais. A infecção em indivíduos imunocompetentes pode ocorrer sem sintomas, com quadro clínico inespecífico leve ou moderado em 80 a 90%. No entanto, esta patologia tem provocado preocupações, devido ao seu comportamento assintomático na maior parte dos indivíduos, mas com conotação dramática em alguns fetos portadores de infecção congênita, e nos indivíduos com imunodeficiência OBJETIVOS: Determinar, pela primeira vez, o perfil sorológico da população de gestantes do setor público do município de Rio Verde, GO. Observar a presença de transmissão vertical, seroconversão, e perfil epidemiológico em amostra de gestantes do município de Rio Verde (GO), Brasil, com relação à toxoplasmose. MATERIAIS E MÉTODOS: Estudo retrospectivo dos resultados dos testes sorológicos para IgG e IgM anti-T. gondii efetuados no período de janeiro de 2005 a março de 2006 em 2035 mulheres participantes do Programa da Mamãe, atendidas na Rede Pública de Saúde, e aplicação de entrevista semi-estruturada para avaliar as características sócio-econômicas e dietético-higiênicas de amostra populacional (48 sujeitos). RESULTADOS: A prevalência de seropositividade no total de mulheres pesquisadas foi de 74%, e 0,84% apresentaram imunidade recente (IgM positiva). Houve associação estatisticamente significativa entre a seroprevalência e a idade ( 2 = 15,41, gl= 4, p=0,004) e o número de gestações ( 2 = 26,88, gl=8, p=0,001) na população estudada. Foi observado dois abortamentos em gestantes IgM positiva, e um caso de toxoplasmose congênita. Houve 55,17% de seroconversão em amostra de mulheres que não eram imunes durante a gestação. O local com maior prevalência no município foi o Bairro Valdeci Pires. Dentre os fatores epidemiológicos avaliados nas entrevistas, apenas o consumo de carne de porco apresentou a associação estatística com a presença de imunidade. CONCLUSÃO: A alta prevalência encontrada e taxa de seroconversão apontam existência de fatores epidemiológicos marcantes nesta população e necessidade de melhorar os instrumentos diagnósticos disponíveis com otimização dos mesmos. _________________________________________________________________________________________ ABSTRACT / INTRODUCTION: Toxoplasmosis is a cosmopolitan illness, caused by the Toxoplasma gondii, and reaches the great majority of the species of animals. The infection in immunocompetent subjects can occur without symptoms or with mild, nonspecific clinical manifestation from 80 to 90%. However, this pathology has provoked concerns, had to its asymptomatic behavior for the most part of the individuals, but infections in pregnant women can cause severe sequelae in the infant OBJECTIVES: To determine the serological profile (positivity to IgG and/or IgM), vertical transmission and seroconversion, beyond the profile epidemiological of pregnants from Rio Verde City, Goias, Brazil, in relation to toxoplasmosis. MATERIALS AND METHODS: Retrospective study of the results of the serological tests for IgG and IgM anti-T. gondii effected in the period of January of 2005 to March of 2006 in participant women of the Mother Program, taken care of in the Public Net of Health, and application of half-structuralized interview to evaluate the social-economic and dietaryhygienical characteristics of the 48 women. RESULTS: The prevalence of seropositivity in the total of searched women was 74%, between which 0.84% presented recent immunity (positive IgM). It had statistically significant association between the seroprevalence and the age (χ 2 = 15.41, gl= 4, p=0,004) and the number of gestations of the studied women (χ 2 = 26,88, gl=8, p=0,001). Two cases of vertical transmission and 55,17% of seroconversion of a group of not immune pregnants during the gestation had been observed. The place with bigger prevalence was the Quarter Valdeci Pires, and amongst the factors epidemiologists questioned in the interviews, only the consumption of pig meat presented an associated statistics with the immunity. CONCLUSION: These results demonstrate the importance of the accomplishment and the constant improvement of the screening program for the prevention and possible treatment of congenital toxoplasmosis.
10

Fatores de risco e marcadores precoces no diagnóstico da toxoplasmose congênita

Porto, Liú Campello 14 December 2010 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, 2010. / Texto completo do resumo e abstract disponível em PDF. / Submitted by Jaqueline Ferreira de Souza (jaquefs.braz@gmail.com) on 2011-02-18T12:24:35Z No. of bitstreams: 2 2010_LiuCampelloPorto_Resumo Completo.pdf: 42912 bytes, checksum: bbcdee708c1ad1dc26b90766df371a65 (MD5) 2010_LiuCampelloPorto.pdf: 1222656 bytes, checksum: 4af2b9abc730e6f7cb3393347445c9c3 (MD5) / Approved for entry into archive by Guimaraes Jacqueline(jacqueline.guimaraes@bce.unb.br) on 2011-02-28T18:48:59Z (GMT) No. of bitstreams: 2 2010_LiuCampelloPorto_Resumo Completo.pdf: 42912 bytes, checksum: bbcdee708c1ad1dc26b90766df371a65 (MD5) 2010_LiuCampelloPorto.pdf: 1222656 bytes, checksum: 4af2b9abc730e6f7cb3393347445c9c3 (MD5) / Made available in DSpace on 2011-02-28T18:48:59Z (GMT). No. of bitstreams: 2 2010_LiuCampelloPorto_Resumo Completo.pdf: 42912 bytes, checksum: bbcdee708c1ad1dc26b90766df371a65 (MD5) 2010_LiuCampelloPorto.pdf: 1222656 bytes, checksum: 4af2b9abc730e6f7cb3393347445c9c3 (MD5) / INTRODUÇÃO: No Brasil, cerca de 90% das crianças com toxoplasmose congênita (TC) nascem assintomáticas, porém 85% dessas crianças poderão desenvolver sinais e sintomas da doença tardiamente, incluindo graves sequelas. O diagnóstico precoce (intrauterino ou neonatal) é importante para instituição oportuna do tratamento e diminuição do risco de morbidades e sequelas. Atualmente, o diagnóstico da TC baseia-se principalmente em resultados de exames laboratoriais e acompanhamento clínico da criança. No entanto, alguns desses exames que poderiam ser decisivos para o diagnóstico da TC, tais como PCR, não estão disponíveis na prática clínica e os testes sorológicos disponíveis comercialmente nem sempre apresentam altas sensibilidade e especificidade. Alem disso, falhas frequentes no rastreamento sorológico da gestante durante o pré-natal omitem informação relevante para o diagnóstico da TC na criança. Adicionalmente, a confirmação diagnóstica a partir de acompanhamento clínico e laboratorial poderá ser, inaceitavelmente, tardio. Em consequência a fatos que acompanham o diagnóstico da TC, há demora frequente na instituição do tratamento específico ou o tratamento desnecessário de criança não infectada iniciado antes da confirmação diagnóstica. Dessa forma, torna-se importante que sejam identificados fatores associados ao risco transmissão vertical do T.gondii (incluindo características maternas, época provável da infecção na gestação, tratamento recebido durante o pré-natal, e perfil sorológico materno assim como identificar sinais clínicos precoces na criança (antes dos 3 meses de vida) que estejam associados com a confirmação diagnóstica da TC e que porventura possam auxiliar na tomada de decisão e manejo clínico da criança, precocemente. É bem descrito na literatura que a época da infecção materna em relação à gestação é importante fator de risco para a transmissão vertical do T.gondii. Porém, outros fatores de risco, incluindo o perfil sorológico materno, não são bem estudados, assim como são controversos, ainda, os achados referentes ao papel do tratamento pré-natal na prevenção da TC ou na redução de morbidade e sequelas. Além disso, não se encontram bem estabelecidos parâmetros que permitam prever a evolução da infecção pelo T.gondii em crianças sintomáticas ou assintomáticas. Porém, existe um número importante de estudos demonstrando os efeitos incapacitantes da infecção tanto nas formas sub-clínicas, quanto nas formas aparentes ao nascimento, Dessa forma os resultados do presente estudo, relativos à identificação de fatores maternos associados a TC e aos marcadores precoces (sinais clínicos e resultados laboratoriais presentes antes dos 3 meses de vida) úteis para o diagnóstico da TC, poderão auxiliar no manejo mais adequado do paciente (incluindo a investigação, diagnóstico e tratamento mais precoce da TC), tanto pelo pediatra geral quanto pelo especialista, assim como auxiliar na definição na definição de diretrizes para as políticas e programas em saúde pública, evitando os graves danos físicos, emocionais e financeiros causados pela doença. MÉTODOS: O desenho é de um estudo observacional, analítico, tipo coorte clínica histórico-concorrente, com o uso de dados secundários. Todas as crianças elegíveis identificadas no maior serviço de referência de infectologia pediátrica do Distrito Federal (Ambulatório de Infectologia Pediátrica do Hospital Regional da Asa Sul) , entre 1994 e 2009, foram acompanhadas até 1 ano de vida, a fim de identificar fatores de risco associados à probabilidade de confirmação do diagnóstico de toxoplasmose congênita (TC) e marcadores precoces (0-3 meses de vida) da infeção. O estudo compreende uma primeira etapa descritiva, sobre os dados demográficos, clínicos e laboratoriais maternos e da criança. A segunda etapa, analítica, avaliou associações para a identificação de fatores de risco para a ocorrência da TC, incluindo o perfil sorológico materno e a instituição do tratamento pré-natal, bem como o papel preditor dos marcadores precoces da doença na criança (clínicos e laboratoriais) para a presença do desfecho (toxoplasmose congênita). A etapa analítica foi apresentada sob a forma de dois artigos. RESULTADOS: A maior parte das gestantes (61,3%) não pôde ser classificada quanto à definição de caso devido à ausência ou incompletude de registros dos prontuários. Entre as gestantes consideradas casos confirmados de toxoplasmose aguda (n=19), o risco TC foi 6 vezes maior do que nos grupos de gestantes com suspeita da doença (prováveis e possíveis). Nenhum caso de TC foi identificado entre o grupo de mães classificadas como casos improváveis de toxoplasmose aguda. As crianças que não receberam tratamento (46,18% n=242/524) tiveram um risco quase 3 vezes maior de serem casos de TC que as crianças tratadas no pré-natal (OR= 2,77; IC 95%: 1,54 a 4,97; p=0,001). Porém, o tipo de tratamento pré-natal parece não ter relevância no risco de TC (OR= 0,19; IC95%: 0,02 a 1,51; p=0,115). O tratamento completo foi fator protetor para TC (OR=0,35; IC 95%: 0,19 a 0,65; p=0,001). Quanto aos marcadores precoces, crianças com os seguintes sinais clínicos tiveram maior probabilidade de confirmação de TC: calcificação intracraniana (OR=45,64; IC95%: 8,20 a 254,07; p<0,001), macrocrania (OR=15,52; IC95%: 2,10 a 114,36; p=0,007), hepatomegalia (OR=12,61; IC95%: 3,19 a 49,75; p<0,001), microcrania (OR=11,84; IC95%: 1,44 a 97,17; p=0,021), retinocoroidite (OR=7,77; IC95%: 3,26 a 18,51; p<0,001), estrabismo (OR=6,88; IC95%: 1,18 a 40,05; p=0,032) e Pequeno para Idade Gestacional (OR=4,35; IC95%: 1,67% a 1,33; p=0,003). Nenhum dos exames laboratoriais estudados foi associado significativamente à ocorrência de TC. CONCLUSÃO: A classificação de Lebech (modificada pelos autores) apresentou baixa capacidade para discriminar grupos de alto risco de TC, exceto no grupo de gestantes com infecção aguda confirmada. A impossibilidade de classificar 61,3% das gestantes e a parcela relevante de crianças que não receberam tratamento pré-natal, refletem a necessidade de melhoria da qualidade do pré-natal , com atendimento por profissionais capacitados ao manejo clínico adequado da toxoplasmose congênita e garantia de realização de exames laboratoriais e tratamento precoces. Alem disso, as associações identificadas entre sinais clínicos e a confirmação da TC no primeiro ano de vida podem auxiliar a tomada de decisão clínica e terapêutica precoces na população de estudo.

Page generated in 0.0612 seconds