• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 1163
  • 55
  • 49
  • 34
  • 30
  • 29
  • 29
  • 19
  • 12
  • 11
  • 5
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • Tagged with
  • 1303
  • 605
  • 207
  • 175
  • 141
  • 138
  • 110
  • 107
  • 106
  • 97
  • 88
  • 82
  • 73
  • 68
  • 65
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Análise filogenética e revisão taxonômica de Pseudotothyris Britski & Garavello, 1984 (Loricariidae: Hypoptopomatinae) /

Martins, Fernanda de Oliveira. January 2012 (has links)
Orientador: Francisco Langeani Neto / Coorientador: Heraldo A. Britski / Coorientador: Márcio C. Chiachio / Banca: Roberto Esser dos Reis / Banca: Marcelo Ribeiro de Britto / Resumo: Pseudotothyris Britski & Garavello, 1984 é um gênero de cascudinhos pequenos da subfamília Hypoptopomatinae que conta com duas espécies válidas, P. obtusa e P. janeirensis. O gênero tem distribuição somente por bacias litorâneas do sul e sudeste do Brasil entre os estados do Rio de Janeiro e Santa Catarina. Schaefer (1991), em uma análise filogenética da subfamília Hypoptopomatinae, afirma não haver nenhum caráter diagnóstico unicamente derivado para Pseudotothyris, questionando sua validade taxonômica e sugerindo uma análise comparativa mais detalhada com os demais hipoptopomatíneos a fim de se determinar, se existirem, caracteres diagnósticos exclusivos para o gênero. Apesar dos inúmeros trabalhos posteriormente realizados sobre as relações filogenéticas da subfamília, nenhum deles incluiu as duas espécies válidas para o gênero. Com base no exposto, o presente trabalho realizou a análise filogenética e a revisão taxonômica do gênero a fim de avaliar sua composição específica, seu monofiletismo e o relacionamento filogenético entre suas espécies e delas com os demais Hypoptopomatinae. Para a análise filogenética foi realizado um estudo a partir de 108 caracteres observados para 49 táxons terminais, incluindo membros de Loricariinae, Hypostominae, Neoplecostominae e Hypoptopomatinae. Os resultados corroboram o monofiletismo do gênero, que é suportado por duas sinapomorfias não ambíguas: espinho neural central da vértebra 8 bem desenvolvido, alcançando pelo menos metade do tamanho do espinho neural central da vértebra 7; e odontódeos da margem anterior do focinho muito desenvolvidos apenas na região dorsal. Este último estado de caráter constituindo uma sinapomorfia exclusiva para o gênero dentro de Hypoptopomatinae. Assim como esperado e já sugerido... (Resumo completo, clicar acesso eletrônico abaixo) / Abstract: Pseudotothyris Britski & Garavello, 1984 is a genus of small catfishes of Hypoptopomatinae with two species, P. obtusa and P. janeirensis. The genus occurs only in coastal basins in southern and southeastern Brazil, between Rio de Janeiro and Santa Catarina States. Schaefer (1991), in a phylogenetic analysis of the subfamily Hypoptopomatinae, did not found any uniquely derived unreversed character which diagnoses Pseudotothyris, and questioned the taxonomic validity of the genus, suggesting that a more detail comparative analysis is need to find exclusive diagnostic characters to the genus. Despite numerous studies about Hypoptopomatinae relationships performed later, no one of them included the two valid species of the genus. Based on this, the present study aims to perform the phylogenetic analysis and taxonomic revision of the genus, evaluating its specific composition, its monophyly, and the phylogenetic relationship within the genus and among the genus and other Hypoptopomatinae genera. Phylogenetic analysis was performed with 108 characters observed to 49 terminal taxa, including members of the Loricariinae, Hypostominae, Neoplecostominae, and Hypoptopomatinae. The results corroborated the monophyly of the genus that is supported by two unambiguous synapomorphies: central neural spine of eighth vertebra well developed, reaching at least half of the size of the central spine of the seventh vertebra; and anterior snout odontodes well developed only on dorsal region. Among the Hypoptopomatinae, this last character state is an exclusive synapomorphy for the genus. As expected and already suggested by other authors, Pseudotothyris is recovered as sister group of Otothyris, another genus that occurs in coastal drainages. As result of the taxonomic revision, we present... (Complete abstract click electronic access below) / Mestre
2

Análise filogenética e revisão taxonômica de Hasemania Ellis, 1911 (Characiformes, Characidae) /

Serra, Jane Piton. January 2003 (has links)
Orientador: Francisco Langeani Neto / Banca: Osvaldo Takeshi Oyakawa / Banca: Lilian Casatti / Resumo: São apresentadas a análise filogenética e a revisão taxonômica de Hasemania Ellis, 1911. Hasemania, Ellis, 1911, compreende doze espécies; sete anteriormente descritas: H. nana (Lütken, 1875) descrita para a bacia do rio São Francisco; H. melanura Ellis, 1911 (espécie-tipo por designação original), bacia do rio Iguaçu; H. maxillaris Ellis, 1911, mesma localidade de H. melanura; H. hanseni (Fowler, 1949), Estado de Goiás; H. crenuchoides Zarske & Géry, 1999, bacia do alto rio Paraná; H. bilineata Ellis, 1911, bacia do rio Tietê, descrita originalmente em Hasemania mas transferida por Géry (1966) para Coptobrycon; H. negodagua Lima & Gerhard, 2001, bacia do alto rio Paraguaçu, descrita originalmente em Hyphessobrycon; e cinco espécies novas: H. sp.n.1, bacia do rio Tocantins-Araguaia, H. sp.n.2, bacia do rio Jequitinhonha, H. sp.n.3, bacia do alto rio Paraná, H. sp.n.4, bacia do rio Doce e H. sp.n.5, bacia do rio Tocantins-Araguaia. A análise filogenética envolvendo as espécies de Hasemania e outros Tetragonopterinae e Characidade resultou em uma única árvore filogenética (Passos: 602; IR: 0,5368; ICR: 0,1213). O gênero é hipotetizado como monofilético com base em uma apomorfia exclusiva (com reversão em H. hanseni): mesetmóide bastante delgado, com um estreitamento mediano muito acentuado, deixando boa parte do vômer visível em vista dorsal. Além das relações de Hasemania, são também discutidas algumas relações filogenéticas em Tetragonopterinae. INTRODUÇÃO GERAL Hasemania Ellis, 1911, originalmente abrigava três espécies: H. melanura (espécie tipo por designação original) descrita para Porto União, rio Iguaçu, bacia do rio Paraná, Estado do Paraná; H. maxillaris, Ellis, 1911, descrita para a mesma localidade, e H. bilineata, Ellis, 1911, descrita para Paranapiacaba (Alto da Serra), São Paulo, bacia do rio Tietê, Estado de São Paulo...(Resumo completo, clicar acesso eletrônico abaixo) / Mestre
3

Ultra-estrutura de espermatozóide e filogenia de serpentes (Lepidosauria, Squamata)

Bastos, Leonora Tavares January 2007 (has links)
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal, 2007. / Submitted by Rebeca Araujo Mendes (bekinhamendes@gmail.com) on 2009-12-20T23:58:21Z No. of bitstreams: 8 Textocompleto_parte6.PDF: 276378 bytes, checksum: 1119efefea11f35cb9548bc0147defcc (MD5) Textocompleto_parte5.rar: 21367808 bytes, checksum: b65148b4d91f2d42cf1ec3ba074bb25f (MD5) Textocompleto_parte4.PDF: 2319579 bytes, checksum: 842a434612e201ddc429955b9ca4a43d (MD5) Textocompleto_parte3.PDF: 1149127 bytes, checksum: c07240c6b56a5469ccefa7da0cd9f397 (MD5) Textocompleto_parte2c.PDF: 835079 bytes, checksum: f35356bd7ea8ba05b94398b52186b1f7 (MD5) Textocompleto_parte2b.PDF: 8923977 bytes, checksum: ce1e8da76c2748eedbab5c4dbdb6ed22 (MD5) Textocompleto_parte2a.rar: 23185185 bytes, checksum: fe4437073d0b4fe3c3d696cb60d09385 (MD5) Textocompleto_parte1.PDF: 2018994 bytes, checksum: 529a1120bfe2808c62670ae5c537146b (MD5) / Approved for entry into archive by Daniel Ribeiro(daniel@bce.unb.br) on 2010-01-08T21:56:08Z (GMT) No. of bitstreams: 8 Textocompleto_parte6.PDF: 276378 bytes, checksum: 1119efefea11f35cb9548bc0147defcc (MD5) Textocompleto_parte5.rar: 21367808 bytes, checksum: b65148b4d91f2d42cf1ec3ba074bb25f (MD5) Textocompleto_parte4.PDF: 2319579 bytes, checksum: 842a434612e201ddc429955b9ca4a43d (MD5) Textocompleto_parte3.PDF: 1149127 bytes, checksum: c07240c6b56a5469ccefa7da0cd9f397 (MD5) Textocompleto_parte2c.PDF: 835079 bytes, checksum: f35356bd7ea8ba05b94398b52186b1f7 (MD5) Textocompleto_parte2b.PDF: 8923977 bytes, checksum: ce1e8da76c2748eedbab5c4dbdb6ed22 (MD5) Textocompleto_parte2a.rar: 23185185 bytes, checksum: fe4437073d0b4fe3c3d696cb60d09385 (MD5) Textocompleto_parte1.PDF: 2018994 bytes, checksum: 529a1120bfe2808c62670ae5c537146b (MD5) / Made available in DSpace on 2010-01-08T21:56:08Z (GMT). No. of bitstreams: 8 Textocompleto_parte6.PDF: 276378 bytes, checksum: 1119efefea11f35cb9548bc0147defcc (MD5) Textocompleto_parte5.rar: 21367808 bytes, checksum: b65148b4d91f2d42cf1ec3ba074bb25f (MD5) Textocompleto_parte4.PDF: 2319579 bytes, checksum: 842a434612e201ddc429955b9ca4a43d (MD5) Textocompleto_parte3.PDF: 1149127 bytes, checksum: c07240c6b56a5469ccefa7da0cd9f397 (MD5) Textocompleto_parte2c.PDF: 835079 bytes, checksum: f35356bd7ea8ba05b94398b52186b1f7 (MD5) Textocompleto_parte2b.PDF: 8923977 bytes, checksum: ce1e8da76c2748eedbab5c4dbdb6ed22 (MD5) Textocompleto_parte2a.rar: 23185185 bytes, checksum: fe4437073d0b4fe3c3d696cb60d09385 (MD5) Textocompleto_parte1.PDF: 2018994 bytes, checksum: 529a1120bfe2808c62670ae5c537146b (MD5) Previous issue date: 2007 / A filogenia de serpentes tem sido inferida a partir de dados morfológicos e moleculares, entretanto, não há consenso entre as relações filogenéticas de serpentes. Recentemente a ultra-estrutura de espermatozóide tem sido utilizada para as reconstruções filogenéticas, por conter significante informação filogenética. Além da análise filogenética, o mapeamento de caracteres permite inferir o curso da evolução de caracteres. A evolução da ultra-estrutura de espermatozóide na família Boidae foi investigada, sendo encontradas novas sinapomorfias (Serpentes, Pythonidae + Boidae, Boidae, Epicrates cenchria e Boa constrictor). Os resultados indicaram melhor concordância entre a ultra-estrutura de espermatozóide e a filogenia morfológica. Ademais, análises filogenéticas foram realizadas utilizando dados de ultra-estrutura de espermatozóide, osteológicos, e moleculares. As análises corroboraram a divisão basal entre Scolecophidia e Alethinophidia e a hipótese que sugere que o fóssil Dinilysia patagonica seja táxon irmão de Alethinophidia. Os dados de ultra-estrutura de espermatozóide contêm informação filogenética e podem fornecer caracteres adicionais para as reconstruções filogenéticas entre as serpentes, entretanto, ainda se faz necessário aumentar a cobertura taxonômica, o número de caracteres, além de estudos sobre espermiogênese. Os resultados sugerem que os dados da ultra-estrutura de espermatozóide são tão bons quanto qualquer outro caráter, devido principalmente ao fato de que revelaram novas sinapomorfias de Serpentes. Enfim, acredito que a integração de biologia comparada, história evolutiva, e combinação de caracteres possam ajudar no esclarecimento das relações de parentesco de serpentes. _______________________________________________________________________________ ABSTRACT / The snake relationships has been inferred from morphological and molecular data sets. However, there is no final conclusion about these relationships. The sperm ultrastructure has being used in phylogenetic analyses for a while, because it contains significant phylogenetic signal. Besides the phylogenetic analyses, mapping of characters permits inferences about the course of character evolution. We investigated the evolution of sperm ultrastructure among boids, and had found novel synapomorphies (Serpentes, Pythonidae + Boidae, Boidae, Epicrates cenchria e Boa constrictor). Our results indicate a better agreement between sperm ultrastructure and morphological phylogeny. In addition, we conducted a phylogenetic analyses based on sperm ultrastructural, osteological, and molecular characters. Our analyses corroborated the basal division of Scolecophidia and Alethinophidia, and hypothesis the support which the fossil Dinilysia patagonica is sister taxon of Alethinophidia. The sperm ultrastructure data contain phylogenetic information and may provide additional characters to phylogenetic analyses in snakes. However, it is still necessary to increase taxonomic sampling, number of characters, and spermiogenesis studies. Results suggest that sperm ultrastructure data are as good as any other character, due principally to the fact that they revealed novel synapomorphies of snakes. Finally, we conclude that the integration of comparative biology, evolution history, and combined analyses may provide insights into the snakes phylogenetic relationships.
4

Estudo filogenético das espécies da seção Torva do gênero Solanum L. (Solanaceae) na região sul do Brasil

Miz, Rogeria Beatriz January 2006 (has links)
O gênero Solanum L. (Solanaceae) compreende mais de 1000 espécies, incluindo táxons de grande interesse econômico por seu valor alimentício e medicinal. Este gênero é dividido em três subgêneros: Bassovia, Solanum e Leptostemonum. O subgênero Leptostemonum é dividido em dez seções, e entre essas destaca-se a seção Torva que possui representantes no sul do Brasil, e cujas espécies têm amplo interesse por apresentarem substâncias ativas de grande utilidade farmacológica. Entretanto, dentro dessa seção existem problemas taxonômicos, inclusive com a presença de indivíduos de morfologia intermediária, que dificultam sua classificação e, conseqüentemente, o seu melhor aproveitamento. Nesse trabalho, foram realizados dois estudos de caráter filogenético a fim de conhecer as relações de parentesco entre as espécies de Solanum seção Torva, presentes no sul do Brasil, e destas com espécies de outras seções do subgênero Leptostemonum. Em ambos os estudos foram utilizados quatro marcadores (genomas nuclear e plastidial): a região ITS (espaçadores internos transcritos do DNA nuclear ribossomal) incluindo ITS1, ITS2 e o gene 5,8S; o íntron trnL e os espaçadores intergênicos trnL-trnF e trnS-trnG do DNA plastidial. O marcador ISSR (Inter Simple Sequence Repeats) foi utilizado para verificar a variabilidade genética entre as espécies de Solanum seção Torva e testar o grau de polimorfismo de quatro “primers” dentro dessa seção. As análises realizadas evidenciaram uma origem monofilética para a seção Torva. Além disso, foi verificada uma relação de parentesco mais acentuado dessa seção com S. melongena, S. jamaicense e S. sisymbriifolium. Dentro da seção Torva foram observados agrupamentos que relacionam a espécie de morfologia intermediária a seus possíveis progenitores S. paniculatum e S. guaraniticum. Os quatro agrupamentos mais freqüentes observados dentro da seção foram: a aproximação de S. guaraniticum, S. bonariense e S. paniculatum X S. guaraniticum; o relacionamento entre S. adspersum e S. tabacifolium; a interação entre S. paniculatum e a espécie de morfologia intermediária; e a aproximação entre S. paniculatum e S. variabile. Este trabalho contribuiu para o conhecimento evolutivo das espécies dessa complexa seção que vem levantando interesse de inúmeros pesquisadores.
5

Systematics of Multisieae (COMPOSITAE, MUTISIOIDEAE) with emphasis on Trichocline / Systematics of Mutisieae (Compositae, Mutisioideae) with emphasis on Trichocline

Pasini, Eduardo January 2016 (has links)
A tribo Mutisieae, juntamente com as tribos Onoserideae e Nassauvieae compõem a subfamília Mutisioideae. É uma das mais diversas tribos em número de gêneros (14) e espécies (200) e apresenta a mais ampla distribuição geográfica em comparação com as outras duas tribos de Mutisioideae. A maior parte dos gêneros é encontrada na América do Sul, com grande diversidade de espécies nos Andes e Região Sul do Brasil. Alguns gêneros atingem maiores latitudes, onde podem ser encontrados na América do Norte e Ásia, além disso ocorrem em regiões de grandes altitudes no leste e sul da África ou em áreas de clima mediterrâneo na Austrália, onde apenas um gênero é encontrado. Trichocline é o quarto maior gênero da tribo Mutisieae, com 23 espécies distribuídas principalmente nos Andes e Região Sul do Brasil. As espécies caracterizam-se pela presença de corolas bilabiadas, flores marginais conspícuas com lábios abaxiais expandidos, presença de estaminódios e cipsela truncada coberta de tricomas gêmeos claviformes. Trichocline faz parte do Complexo-Gerbera, um grupo morfologicamente homogêneo, representado por oito gêneros: Amblysperma, Chaptalia, Gerbera, Leibnitzia, Lulia, Perdicium, Piloselloides e Uechtritzia. A relação sistemática entre os gêneros do Complexo-Gerbera, especialmente Gerbera, Chaptalia, Trichocline e Leibnitzia é pouco compreendida, principalmente pelo fato de que poucos caracteres delimitam os gêneros, além disso eles são variáveis e se sobrepõem entre espécies de gêneros diferentes. Os objetivos deste trabalho foram inferir a filogenia do gênero Trichocline e compreender a evolução e relações sistemáticas dos gêneros do Complexo-Gerbera. De modo a avaliar o monofiletismo do gênero Trichocline, foram sequenciados seis marcadores plastidias (trnL-trnF, trnQ-rps16, trnL-rpl32, psbA-trnH, matK e ndhF) e dois marcadores nucleares (ITS e ETS). A maioria das espécies de Trichocline (exceto Trichocline deserticola), Lulia nervosa e três espécies de Brachyclados foram usadas como grupo interno, e uma espécie de Chaptalia foi usada como grupo externo. Para a outra análise foram amostrados os gêneros do Complexo-Gerbera, exceto Perdicium, e nove espécies da tribo Nassauvieae como grupo interno, e quatro espécies da tribo Onoserideae como grupo externo. Foram sequenciados os marcadores ITS, trnL-trnF e trnL-rpl32 de cinco amostras de Trichocline, duas de Amblysperma, duas de Chaptalia e três de Mutisia. As sequencias restantes foram obtidas do GenBank. Os resultados mostram que Trichocline é monofilético, provavelmente originou-se nos Andes e diversificouse recentemente no Planalto Sul-Brasileiro. Brachyclados é o grupo-irmão de Trichocline e o gênero monospecífico Lulia compartilha um ancestral comum mais próximo com Brachyclados + Trichocline. A presente filogenia indica que os caracteres utilizados para circunscrição do Complexo-Gerbera não o tornavam monofilético. Conforme a atual delimitação morfológica (hábito herbáceo), Brachyclados não é incluído no Complexo, entretanto, os dados moleculares mostram o contrário. Além disso, Amblysperma, um gênero endêmico da Austrália, o qual uma vez estava incluído em Trichocline, mostrou-se irmão das espécies africanas de Gerbera. Como resultado a classificação do Complexo-Gerbera necessita revisão. Para melhor compreender a biogeografia e evolução de caracteres das espécies asiáticas do Complexo-Gerbera, futuros estudos devem aumentar a amostragem, especialmente do gênero Gerbera. Juntamente com os principais resultados da filogenia do Complexo-Gerbera e Trichocline, foram realizados trabalhos a campo e revisões de herbários, as quais resultaram nos trabalhos taxonômicos e nomenclaturais apresentados nesta tese. A nova espécie, Trichocline minuana, endêmica dos campos do Pampa no sul do Brasil e Uruguai, é descrita e ilustrada, e seu estado de conservação avaliado. Além disso, durante uma saída a campo no norte do Uruguai, Trichocline maxima foi redescoberta em uma nova localidade, a qual não havia sido coletada há quase 80 anos. A espécie é ilustrada, seu estado de conservação avaliado, e uma chave de identificação para as espécies Uruguaias e Brasileiras de Trichocline é apresentada. Finalmente, um neótipo é indicado para o nome Bichenia aurea e lectótipos são designados para os nomes Onoseris heterophylla e Trichocline linearifolia. / The tribe Mutisieae, together with Onoserideae and Nassauvieae, is currently circumscribed under the subfamily Mutisioideae. It is one of most diverse in number of genera (14) and species (200) and presents the widest geographical distribution, in comparison with the other tribes of Mutisioideae. Most of the genera are found in South America, with a greater diversity of species in the Andes and South of Brazil. Some genera have reached higher latitudes of the northern hemispheres, where they can be found in North America and Asia, besides that, they occur in higher altitudes of eastern and southern Africa, and in the mediterrenean climate of Australia, where only one genus occur. Trichocline is the fourth largest genus of the tribe Mutisieae, comprising about 23 species, distributed mainly in the Andes and southern Brazil. The species are characterized by bilabiate corollas, conspicuous marginal florets with expanded abaxial lip, presence of staminodes, and truncated cypselae covered with claviform twin hairs. The genus belongs to the tribe Mutisieae, placed in the Gerbera- Complex, a morphologically homogeneous group represented by eight genera of herbs with monocephalic scapes: Amblysperma, Chaptalia, Gerbera, Leibnitzia, Lulia, Perdicium, Piloselloides and Uechtritzia. The systematic relationships among the genera of the Gerbera-Complex, especially Gerbera, Chaptalia, Trichocline and Leibnitzia are poorly understood mainly because there are few characters that delimit the genera, and besides that they are variable and overlap among species of different genera. The goals of this study were to determine a phylogeny of Trichocline and to understand the evolution and systematic boundaries of the genera of the Gerbera- Complex. To assess the monophyly of the genus Trichocline, both plastid (trnL-trnF, trnL-rpl32, psbA-trnH, matK and ndhF) and nuclear (ITS and ETS) markers were sequenced. Most of the species of Trichocline (except Trichocline deserticola), Lulia nervosa and three species of Brachyclados were sampled as part of the ingroup and one species of Chaptalia was used as outgroup. For the other analysis we used all the genera of the Gerbera-Complex, except Perdicium, and nine species of the tribe Nassauvieae as the ingroup, and four species of the tribe Onoseridae as outgroup. We sequenced ITS, trnL-trnF and trnL-rpl32 of five samples of Trichocline, two of Amblysperma, two of Chaptalia and three of Mutisia. The other sequences were obtained from GenBank. The results show that Trichocline is a monophyletic genus that probably originated in the northern Andes and had a recent rapid radiation on the southern Brazilian Plateau. Brachyclados is the sister group of Trichocline and the monospecific and endemic Lulia the closest lineage of Brachyclados + Trichocline. The phylogeny of the Gerbera-Complex indicates that the morphological characters used to circumscribe the Complex were non-homologous and as a result it was nonmonophyletic. For example, based on morphology (herbaceous habit) Brachyclados is not included in the Complex, however, the molecular data shows the opposite. In addition, Amblysperma, a genus that is endemic to Australia and was once included under Trichocline, is shown to be sister to the African species of Gerbera. As a result the classification of the Complex needs revision. In order to better understand the biogeography and evolution of characters of the Asian species of the Gerbera- Complex, further studies will focus on increasing the dataset, with special attention to the genus Gerbera. Alongside with the main results regarding the Gerbera-Complex and Trichocline phylogenetic analysis, fieldworks and herbarium investigation were conducted, resulting in the taxonomic and nomenclatural works presented here. The new species Trichocline minuana, endemic to the Pampas grasslans of South Brazil and Uruguay, is described and illustrated, and its conservation status assessed. Also, during a fieldwork in northern Uruguay the rare species Trichocline maxima, which has not been collected for over 80 years, was rediscovered. The species is also illustrated, its conservation status assessed, and a key to the Uruguaian and Brazilian species of Trichocline is presented. Finally a neotype is indicated for the name Bichenia aurea and lectotypes are designated for the names Onoseris heterophylla, T. humilis and T. linearifolia.
6

Systematics of Multisieae (COMPOSITAE, MUTISIOIDEAE) with emphasis on Trichocline / Systematics of Mutisieae (Compositae, Mutisioideae) with emphasis on Trichocline

Pasini, Eduardo January 2016 (has links)
A tribo Mutisieae, juntamente com as tribos Onoserideae e Nassauvieae compõem a subfamília Mutisioideae. É uma das mais diversas tribos em número de gêneros (14) e espécies (200) e apresenta a mais ampla distribuição geográfica em comparação com as outras duas tribos de Mutisioideae. A maior parte dos gêneros é encontrada na América do Sul, com grande diversidade de espécies nos Andes e Região Sul do Brasil. Alguns gêneros atingem maiores latitudes, onde podem ser encontrados na América do Norte e Ásia, além disso ocorrem em regiões de grandes altitudes no leste e sul da África ou em áreas de clima mediterrâneo na Austrália, onde apenas um gênero é encontrado. Trichocline é o quarto maior gênero da tribo Mutisieae, com 23 espécies distribuídas principalmente nos Andes e Região Sul do Brasil. As espécies caracterizam-se pela presença de corolas bilabiadas, flores marginais conspícuas com lábios abaxiais expandidos, presença de estaminódios e cipsela truncada coberta de tricomas gêmeos claviformes. Trichocline faz parte do Complexo-Gerbera, um grupo morfologicamente homogêneo, representado por oito gêneros: Amblysperma, Chaptalia, Gerbera, Leibnitzia, Lulia, Perdicium, Piloselloides e Uechtritzia. A relação sistemática entre os gêneros do Complexo-Gerbera, especialmente Gerbera, Chaptalia, Trichocline e Leibnitzia é pouco compreendida, principalmente pelo fato de que poucos caracteres delimitam os gêneros, além disso eles são variáveis e se sobrepõem entre espécies de gêneros diferentes. Os objetivos deste trabalho foram inferir a filogenia do gênero Trichocline e compreender a evolução e relações sistemáticas dos gêneros do Complexo-Gerbera. De modo a avaliar o monofiletismo do gênero Trichocline, foram sequenciados seis marcadores plastidias (trnL-trnF, trnQ-rps16, trnL-rpl32, psbA-trnH, matK e ndhF) e dois marcadores nucleares (ITS e ETS). A maioria das espécies de Trichocline (exceto Trichocline deserticola), Lulia nervosa e três espécies de Brachyclados foram usadas como grupo interno, e uma espécie de Chaptalia foi usada como grupo externo. Para a outra análise foram amostrados os gêneros do Complexo-Gerbera, exceto Perdicium, e nove espécies da tribo Nassauvieae como grupo interno, e quatro espécies da tribo Onoserideae como grupo externo. Foram sequenciados os marcadores ITS, trnL-trnF e trnL-rpl32 de cinco amostras de Trichocline, duas de Amblysperma, duas de Chaptalia e três de Mutisia. As sequencias restantes foram obtidas do GenBank. Os resultados mostram que Trichocline é monofilético, provavelmente originou-se nos Andes e diversificouse recentemente no Planalto Sul-Brasileiro. Brachyclados é o grupo-irmão de Trichocline e o gênero monospecífico Lulia compartilha um ancestral comum mais próximo com Brachyclados + Trichocline. A presente filogenia indica que os caracteres utilizados para circunscrição do Complexo-Gerbera não o tornavam monofilético. Conforme a atual delimitação morfológica (hábito herbáceo), Brachyclados não é incluído no Complexo, entretanto, os dados moleculares mostram o contrário. Além disso, Amblysperma, um gênero endêmico da Austrália, o qual uma vez estava incluído em Trichocline, mostrou-se irmão das espécies africanas de Gerbera. Como resultado a classificação do Complexo-Gerbera necessita revisão. Para melhor compreender a biogeografia e evolução de caracteres das espécies asiáticas do Complexo-Gerbera, futuros estudos devem aumentar a amostragem, especialmente do gênero Gerbera. Juntamente com os principais resultados da filogenia do Complexo-Gerbera e Trichocline, foram realizados trabalhos a campo e revisões de herbários, as quais resultaram nos trabalhos taxonômicos e nomenclaturais apresentados nesta tese. A nova espécie, Trichocline minuana, endêmica dos campos do Pampa no sul do Brasil e Uruguai, é descrita e ilustrada, e seu estado de conservação avaliado. Além disso, durante uma saída a campo no norte do Uruguai, Trichocline maxima foi redescoberta em uma nova localidade, a qual não havia sido coletada há quase 80 anos. A espécie é ilustrada, seu estado de conservação avaliado, e uma chave de identificação para as espécies Uruguaias e Brasileiras de Trichocline é apresentada. Finalmente, um neótipo é indicado para o nome Bichenia aurea e lectótipos são designados para os nomes Onoseris heterophylla e Trichocline linearifolia. / The tribe Mutisieae, together with Onoserideae and Nassauvieae, is currently circumscribed under the subfamily Mutisioideae. It is one of most diverse in number of genera (14) and species (200) and presents the widest geographical distribution, in comparison with the other tribes of Mutisioideae. Most of the genera are found in South America, with a greater diversity of species in the Andes and South of Brazil. Some genera have reached higher latitudes of the northern hemispheres, where they can be found in North America and Asia, besides that, they occur in higher altitudes of eastern and southern Africa, and in the mediterrenean climate of Australia, where only one genus occur. Trichocline is the fourth largest genus of the tribe Mutisieae, comprising about 23 species, distributed mainly in the Andes and southern Brazil. The species are characterized by bilabiate corollas, conspicuous marginal florets with expanded abaxial lip, presence of staminodes, and truncated cypselae covered with claviform twin hairs. The genus belongs to the tribe Mutisieae, placed in the Gerbera- Complex, a morphologically homogeneous group represented by eight genera of herbs with monocephalic scapes: Amblysperma, Chaptalia, Gerbera, Leibnitzia, Lulia, Perdicium, Piloselloides and Uechtritzia. The systematic relationships among the genera of the Gerbera-Complex, especially Gerbera, Chaptalia, Trichocline and Leibnitzia are poorly understood mainly because there are few characters that delimit the genera, and besides that they are variable and overlap among species of different genera. The goals of this study were to determine a phylogeny of Trichocline and to understand the evolution and systematic boundaries of the genera of the Gerbera- Complex. To assess the monophyly of the genus Trichocline, both plastid (trnL-trnF, trnL-rpl32, psbA-trnH, matK and ndhF) and nuclear (ITS and ETS) markers were sequenced. Most of the species of Trichocline (except Trichocline deserticola), Lulia nervosa and three species of Brachyclados were sampled as part of the ingroup and one species of Chaptalia was used as outgroup. For the other analysis we used all the genera of the Gerbera-Complex, except Perdicium, and nine species of the tribe Nassauvieae as the ingroup, and four species of the tribe Onoseridae as outgroup. We sequenced ITS, trnL-trnF and trnL-rpl32 of five samples of Trichocline, two of Amblysperma, two of Chaptalia and three of Mutisia. The other sequences were obtained from GenBank. The results show that Trichocline is a monophyletic genus that probably originated in the northern Andes and had a recent rapid radiation on the southern Brazilian Plateau. Brachyclados is the sister group of Trichocline and the monospecific and endemic Lulia the closest lineage of Brachyclados + Trichocline. The phylogeny of the Gerbera-Complex indicates that the morphological characters used to circumscribe the Complex were non-homologous and as a result it was nonmonophyletic. For example, based on morphology (herbaceous habit) Brachyclados is not included in the Complex, however, the molecular data shows the opposite. In addition, Amblysperma, a genus that is endemic to Australia and was once included under Trichocline, is shown to be sister to the African species of Gerbera. As a result the classification of the Complex needs revision. In order to better understand the biogeography and evolution of characters of the Asian species of the Gerbera- Complex, further studies will focus on increasing the dataset, with special attention to the genus Gerbera. Alongside with the main results regarding the Gerbera-Complex and Trichocline phylogenetic analysis, fieldworks and herbarium investigation were conducted, resulting in the taxonomic and nomenclatural works presented here. The new species Trichocline minuana, endemic to the Pampas grasslans of South Brazil and Uruguay, is described and illustrated, and its conservation status assessed. Also, during a fieldwork in northern Uruguay the rare species Trichocline maxima, which has not been collected for over 80 years, was rediscovered. The species is also illustrated, its conservation status assessed, and a key to the Uruguaian and Brazilian species of Trichocline is presented. Finally a neotype is indicated for the name Bichenia aurea and lectotypes are designated for the names Onoseris heterophylla, T. humilis and T. linearifolia.
7

Microanatomia da cavidade bucal e condrocrânio de girinos de leptodactylus (anura, leptodactylidae) : descrição e implicações para a filogenia do gênero

Miranda, Núbia Esther de Oliveira 17 December 2010 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal, 2010. / Submitted by Jaqueline Ferreira de Souza (jaquefs.braz@gmail.com) on 2011-04-12T21:38:26Z No. of bitstreams: 1 2009_NubiaEstherdeOliveiraMiranda.pdf: 37891804 bytes, checksum: 033bde878691a71a6a81e6171ce4873d (MD5) / Approved for entry into archive by Jaqueline Ferreira de Souza(jaquefs.braz@gmail.com) on 2011-04-12T21:40:00Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2009_NubiaEstherdeOliveiraMiranda.pdf: 37891804 bytes, checksum: 033bde878691a71a6a81e6171ce4873d (MD5) / Made available in DSpace on 2011-04-12T21:40:00Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2009_NubiaEstherdeOliveiraMiranda.pdf: 37891804 bytes, checksum: 033bde878691a71a6a81e6171ce4873d (MD5) / O gênero Leptodactylus Fitzinger, 1826 compreende 87 espécies agrupadas em cinco grupos fenéticos, com base no comportamento, na morfologia e na ecologia dos adultos. A despeito dos trabalhos sobre a sistemática destes grupos, a taxonomia e a filogenia do gênero Leptodactylus e da família Leptodactylidae ainda não são totalmente compreendidas. Assim, a morfologia larvária, mesmo incipiente, desponta como mais uma ferramenta para auxiliar em novos estudos sistemáticos da família. Este trabalho tem por objetivo descrever e realizar uma análise comparativa da microanatomia bucal interna e do condrocrânio de larvas de anfíbios anuros do gênero Leptodactylus, buscando fornecer novos caracteres que possam auxiliar na compreensão das relações filogenéticas do gênero. Com isso buscamos testar a validade da utilização deste conjunto de caracteres em estudos sistemáticos e compreender os padrões anatômicos e sua distribuição no gênero. Girinos e desovas de Leptodactylus foram coletados em diferentes localidades da região do Distrito Federal e entorno e material adicional foi obtido de coleções científicas. Foram realizadas observações, fotodocumentações e descrições da microanatomia bucal interna e do condrocrânio. Para determinar a utilidade dos caracteres larvários de microanatomia bucal interna e condrocrânio na compreensão das relações filogenéticas do gênero Leptodactylus foram realizadas análises de parcimônia com buscas heurísticas e exaustivas nos programas PAUP 4.0b1 e TNT 1.1. A análise dos cladogramas obtidos foi feita através dos programas MacClade 4.0 e Mesquite 2.71. O monofiletismo do gênero Leptodactylus foi corroborado tanto pelos caracteres larvários quanto pelos caracteres codificados a partir de espécimes adultos. Apesar disso, as relações das espécies que compõem o gênero merecem ser estudadas mais a fundo, pois o monofiletismo e as relações entre os grupos de espécies aceitos e amplamente utilizados não foram corroboradas. Os caracteres larvários se mostraram potencialmente úteis na reconstrução das relações filogenéticas e devem ser utilizados como uma fonte adicional de dados nos próximos trabalhos de inferência filogenética. Entretanto, como o conhecimento sobre a morfologia larvária ainda é escasso, torna-se necessária a realização de trabalhos de descrição e comparação das estruturas anatômicas. _________________________________________________________________________________ ABSTRACT / The genus Leptodactylus Fitzinger, 1826 comprises 87 species grouped in five phenetic groups, based on their adults behavior, morphology and ecology. Despite the works on systematics involving these groups, taxonomy and phylogeny of the genus Leptodactylus and the Lleptodactylidae family are not completely understood yet. Tthus, larval morphology, incipient or not, rises as an additional tool to future systematic studies on this family. Tthe present work aims on describing and analyze comparatively the internal mouth and chondrocranial morphology of tadpoles from the genus Leptodactylus, on the attempt to provide new characters which might reinforce the understanding of the phylogenetic relationships amongst the genus. Leptodactylus tadpoles and spawning were collected in different locations in Ddistrito Federal and its surroundings. Additional biological materials were obtained from scientific collections. Iinternal mouth and chondrocranial anatomy were observed, photographed and described. Iin order to determine the contribution of the larval characters on the understanding of the phylogenetic relationships of the genus Leptodactylus, parsimony analyses were performed using heuristic and exhaustive searches on the PAaUP 4.0b1 and TNTtnt 1.1 softwares. Tthe cladogram analyzes were done using MacCclade 4.0 and Mesquite 2.71 softwares.The monophyly of the genus Leptodactylus was corroborated by both larval and adult characters. Hhowever, more studies are needed for a better understanding of the relationships between the species of the genus, for the monophyly and the relationships amongst current phenetic groups were not corroborated. Llarval characters appeared to be potentially useful on the reconstruction of the phylogenetic relationships and must be used as an additional data source on phylogenetic studies. The data about larval morphology is still scarce, which shows the importance of new works describing and comparing larval anatomical structures.
8

Sistemática filogenética de espécies do grupo Leptodactylus marmoratus (Anura, Leptodactylidae) : uma abordagem miológica e osteológica

Py-Daniel, Tainã Rapp 16 February 2012 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Biológicas, Departamento de Ciências Fisiológicas, 2012. / Submitted by Tania Milca Carvalho Malheiros (tania@bce.unb.br) on 2012-04-20T13:14:50Z No. of bitstreams: 1 2011_TainãRappPy-Daniel_Parcial.pdf: 2428484 bytes, checksum: ef471fdcf33431fabc18ebe4cfdfefc7 (MD5) / Rejected by Patrícia Nunes da Silva(patricia@bce.unb.br), reason: on 2012-04-20T14:37:13Z (GMT) / Submitted by Tania Milca Carvalho Malheiros (tania@bce.unb.br) on 2012-04-20T14:51:27Z No. of bitstreams: 1 2012_TainãRappPy-Daniel_Parcial.pdf: 2428484 bytes, checksum: ef471fdcf33431fabc18ebe4cfdfefc7 (MD5) / Approved for entry into archive by Patrícia Nunes da Silva(patricia@bce.unb.br) on 2012-04-23T21:19:36Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2012_TainãRappPy-Daniel_Parcial.pdf: 2428484 bytes, checksum: ef471fdcf33431fabc18ebe4cfdfefc7 (MD5) / Made available in DSpace on 2012-04-23T21:19:36Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2012_TainãRappPy-Daniel_Parcial.pdf: 2428484 bytes, checksum: ef471fdcf33431fabc18ebe4cfdfefc7 (MD5) / O gênero Leptodactylus é composto por 89 espécies distribuidas no sul da América do Norte, América do Sul e algumas ilhas Caribenhas. Estas espécies costumam ser divididas em cinco grupos fenéticos. O grupo L. marmoratus é caracterizado por espécies de pequeno porte que constroem câmaras subterrâneas aonde se desenvolvem girinos endo ou exotróficos. Análises filogenéticas com base em dados moleculares recentes sugerem que o grupo L. marmoratus seja monofilético. Entretanto, poucos estudos analisaram as relações entre as espécies do grupo e há escassos trabalhos morfológicos com o grupo. Com base nisso, o presente trabalho teve como objetivo investigar conjuntos de dados miológicos e osteológicos e, a partir destes, propor uma hipótese filogenética para espécies do grupo L. marmoratus. Foram acessados dados da musculatura superficial da mandíbula, hióide e da língua, assim como a osteologia cranial e pós-cranial de 12 espécies do grupo (duas das quais ainda não foram descritas) e duas espécies do grupo externo. Um levantamento preliminar de músculos de duas espécies do grupo L. fuscus também foi realizado. Em todas as espécies do grupo analisadas foram encontradas evidências de dimorfismo sexual para os músculos petrohióide anterior e geniohióide lateral, os quais estão relacionados ao aparato hióide. Também foram encontradas características sexualmente dimorficas na osteologia da região do crânio de todas as espécies do grupo L. marmoratus. A maior parte dos músculos analisados se manteve constante entre as espécies do grupo L. marmoratus. Entretanto, diferenças foram encontradas entre este grupo e duas espécies do grupo L. fuscus, o que sugere que possam representar informações indicativas de grupos monofiléticos entre as espécies de Leptodactylus. Assumindo-se que o grupo L. marmoratus seja monofilético, realizamos uma análise cladística com 42 caracteres. Os resultados indicam grande conteúdo de informação entre os caracteres avaliados, uma vez que apenas uma árvore sem politomias foi obtida. Estes resultados corroboram o monofilestismo das espécies do grupo L. marmoratus. Este grupo se subdividiu em dois clados: um composto por espécies amazônicas de ambientes abertos e de Cerrado, e outro clado composto por espécies do sudeste, sul, nordeste e uma espécie amazônica de ambiente florestado. ______________________________________________________________________________ ABSTRACT / The genus Leptodactylus comprises 89 species which are distributed along south of North America, South America and a few Caribbean islands. These species are commonly divided in five phenetic groups. The L. marmoratus group is characterized by its small sized species that construct subterranean chambers where the development of endo or exotrophic tadpoles takes place. Phylogenetic analyses based in recent molecular data suggest that the L. marmoratus group is monophyletic. However, few studies have analyzed the internal relationships between its species and there are scarce morphological studies with the group. Based on these facts, this work aimed to investigate sets of miological and osteological data and, from these, propose a phylogenetic hypothesis for species of the L. marmoratus group. We accessed data from the superficial mandible, hyoid and tongue musculature, as well as cranial and postcranial osteology for 12 species of the group (two of which have not yet been described) e two species of the outgroup. A preliminary survey of muscles of two species of the group L. fuscus was also accomplished. Evidence of sexual dimorphism is indicated for the múscles anterior petrohyoideus and geniohyoideus lateralis, which are involved with the hyoide apparatus. We also found sexually dimorphic characteristics on the cranial osteology of all the species of the L. marmoratus group examined. The majority of the muscles analyzed were constant between the species of the L. marmoratus group, however distinct differences were found between the species of this group and species of the L. fuscus group, suggesting that they might indicate monophyletic groups among the species of Leptodactylus. Assuming that the L. marmoratus group is monophyletic, we implemented a cladistic analysis with 42 characters. The results indicate a large amount of information between the characters, since only one tree without polytomies was obtained. These results corroborate the monophyletism of the L. marmoratus group. This group was subdivided in two clades: one composed of Amazonian species of open habitats and of Cerrado, and another clade composed of species of the southeast, south and northeastern Brazil and one Amazonian species of forested regions.
9

Estudo filogenético das espécies da seção Torva do gênero Solanum L. (Solanaceae) na região sul do Brasil

Miz, Rogeria Beatriz January 2006 (has links)
O gênero Solanum L. (Solanaceae) compreende mais de 1000 espécies, incluindo táxons de grande interesse econômico por seu valor alimentício e medicinal. Este gênero é dividido em três subgêneros: Bassovia, Solanum e Leptostemonum. O subgênero Leptostemonum é dividido em dez seções, e entre essas destaca-se a seção Torva que possui representantes no sul do Brasil, e cujas espécies têm amplo interesse por apresentarem substâncias ativas de grande utilidade farmacológica. Entretanto, dentro dessa seção existem problemas taxonômicos, inclusive com a presença de indivíduos de morfologia intermediária, que dificultam sua classificação e, conseqüentemente, o seu melhor aproveitamento. Nesse trabalho, foram realizados dois estudos de caráter filogenético a fim de conhecer as relações de parentesco entre as espécies de Solanum seção Torva, presentes no sul do Brasil, e destas com espécies de outras seções do subgênero Leptostemonum. Em ambos os estudos foram utilizados quatro marcadores (genomas nuclear e plastidial): a região ITS (espaçadores internos transcritos do DNA nuclear ribossomal) incluindo ITS1, ITS2 e o gene 5,8S; o íntron trnL e os espaçadores intergênicos trnL-trnF e trnS-trnG do DNA plastidial. O marcador ISSR (Inter Simple Sequence Repeats) foi utilizado para verificar a variabilidade genética entre as espécies de Solanum seção Torva e testar o grau de polimorfismo de quatro “primers” dentro dessa seção. As análises realizadas evidenciaram uma origem monofilética para a seção Torva. Além disso, foi verificada uma relação de parentesco mais acentuado dessa seção com S. melongena, S. jamaicense e S. sisymbriifolium. Dentro da seção Torva foram observados agrupamentos que relacionam a espécie de morfologia intermediária a seus possíveis progenitores S. paniculatum e S. guaraniticum. Os quatro agrupamentos mais freqüentes observados dentro da seção foram: a aproximação de S. guaraniticum, S. bonariense e S. paniculatum X S. guaraniticum; o relacionamento entre S. adspersum e S. tabacifolium; a interação entre S. paniculatum e a espécie de morfologia intermediária; e a aproximação entre S. paniculatum e S. variabile. Este trabalho contribuiu para o conhecimento evolutivo das espécies dessa complexa seção que vem levantando interesse de inúmeros pesquisadores.
10

Nymphalidae (Lepidoptera) : fitogenia incluindo caracteres de imaturos, com testes de troca de planta hospedeira

Freitas, André Victor Lucci, 1971- 26 April 1999 (has links)
Orientador: Keith Spalding Brown Jr / Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Biologia / Made available in DSpace on 2018-07-25T13:26:48Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Freitas_AndreVictorLucci_D.pdf: 9190740 bytes, checksum: cb93477fdc2cca8a4d6fdaaf0e24697f (MD5) Previous issue date: 1999 / Resumo: Foram estudadas 95 espécies em 94 gêneros de todos os subgrupos reconhecidos da família Nymphalidae (Lepidoptera), com escolha de caracteres de todos os estágios de desenvolvimento. Os estados foram polarizados em relação a um grupo externo formado por Libytheana e diversos outros Papilionoidea e Hesperioidea; em alguns casos outros grupos de mariposas foram usados nas comparações. No total, foram usados 134 caracteres de imaturos (15 caracteres do ovo, 21 da larva de primeiro estádio, 79 da larva de último estádio, 19 da pupa), e 100 de adultos, resultando em 234 caracteres. As árvores obtidas mostraram que os taxa se distribuem em seis grupos coesos, indissociáveis na maioria das análises: G 1 - Libytheinae; G2 - Danainae, Tellervinae e Ithomiinae; G3 - Charaxinae, Apaturinae, Morphinae, Brassolinae, Satyrinae, Calinaginae, e Biinae; G4 - Limenitidinae, Cyrestidinae; G5 - Eurytelinae; e G6 - Heliconiinae e Nymphalinae (incluindo Coloburini). Os testes de troca de planta hospedeira se baseiam na hipótese de que uma espécie derivada seria mais propensa a aceitar uma hospedeira em uma família vegetal usada pelos ancestrais da sua linhagem de que hospedeiras usadas pelos taxa de linhagens mais derivadas. Trocas de planta hospedeira foram feitas com 2099 larvas, totalizando 388 testes. Os resultados mostraram que a aceitação de plantas "ancestrais" (18,1 %) foi maior do que a aceitação de plantas usadas por grupos posteriores na filogenia (7,6%), corroborando a hipótese (X2 = 4,4; P < 0,01; gl = 1). Com base nestes mesmos testes, Urticaceae-Moraceae-Ulmaceae foi considerado grupo-hospedeiro dos ancestrais de Nymphalidae, por ser o mais largamente aceito (mesmo por larvas se alimentando em plantas de outras famílias) e por ser usado por diversas espécies de todas as linhagens de Nymphalidae. Este trabalho é um dos primeiros a utilizar um grande número de caracteres dos estágios imaturos em filogenia de Lepidoptera, associados a um número similar mas menor de caracteres de adultos. Os resultados obtidos podem ser considerados como uma boa aproximação da filogenia de fitófagos, com testes de troca de plantas hospedeiras (comportamento e bioquímica) servindo como apoio a uma hipótese filogenética obtida principalmente de caracteres morfológicos / Abstract: A phylogeny was prepared using 95 species in 94 genera of all known subgroups in the family Nymphalidae (Lepidoptera). Characters were evaluated from all developmental stages. The character states were polarized in relation to an outgroup formed by Libytheana and several other Papilionoidea and Hesperioidea; in some cases, further groups of moths were used in comparisons. In alI, 134 characters of immatures (15 characters from eggs, 21 from first instar larvae, 79 from last instar larvae, 19 from pupae) were used along with 100 from adults, resulting in 234 valid characters. The trees obtained showed that all taxa were distributed among six constant groups, inseparable in all analyses: G 1 - Libytheinae; G2 - Danainae, Tellervinae and Ithomiinae; G3 - Charaxinae, Apaturinae, Morphinae, Brassolinae, Satyrinae, Calinaginae and Biinae; G4 - Limenitidinae and Cyrestidinae; G5 - Eurytelinae; and G6 - Heliconiinae and Nymphalinae (inc1uding Coloburini). Corroborative experiments of host plant shift were based on the hypothesis that a derived species would be more likely to accept a host in a plant family used by the ancestors of its lineage, than hosts used by taxa belonging to more terminallineages. Host plant shifts were done with 2099 larvae, totalling 388 tests. The results showed that acceptance of "ancestral" hosts (18.1 %) was higher than the acceptance of hosts used by later groups in the phylogeny (7.6%), supporting the hypothesis (X2 = 4.4; P < 0,01; gl = 1). Based on these tests, Urticaceae-Moraceae-Ulmaceae was considered to be the host-group of the ancestors of the Nymphalidae, since these plant families were the most accepted (even by larvae feeding on species of different families) and are used by various species in all Nymphalidae lineages. This work is one of the first to use sue h a large number of eharaeters from immature stages in Lepidoptera phylogeny, associated with a similar but lesser number of eharaeters of adults. The results obtained may be eonsidered as a fertile approaeh to herbivore phylogeny, with tests of host plant shift (behavior and biochemistry) supporting a phylogenetic hypothesis derived largely from morphological eharacters / Doutorado / Ecologia / Doutor em Ciências Biológicas

Page generated in 0.0627 seconds