Return to search

Resposta da hemodinamica renal a sobrecarga oral com carne de frango ou bovina

Orientador: Jose Butori Lopes de Faria / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciencias Medicas / Made available in DSpace on 2018-07-21T16:11:02Z (GMT). No. of bitstreams: 1
Simon_AdolfoHenriqueRodrigues_M.pdf: 3304219 bytes, checksum: b256590bed53ffabb5f2992575d1f76f (MD5)
Previous issue date: 1996 / Resumo: Em situações onde há perda do número de néfrons (ablações de tecido renal ou doenças renais crônicas) e no diabetes mellitus, tem sido sugerido que a hiperfiltração e o aumento da pressão intraglomerular desempenham papel importante na evolução para insuficiência renal. É provável que a dieta restrita em proteínas reduza a velocidade da perda da função renal nestas situações. Entretanto, os problemas inerentes a esta restrição têm motivado a busca de fontes protéicas que não provoquem hiperfiltração, em vez das grandes restrições alimentares de proteínas. Em diabéticos tipo I (insulino-dependentes), foi sugerido que a substituição dietética da carne bovina pela de frango é tão efetiva quanto a restrição protéica para reduzir o elevado ritmo de filtração glomerular (RFG). Todavia, os efeitos renais da sobrecarga protéica aguda, com a carne de frango, são ainda desconhecidos. Nosso objetivo foi comparar a resposta renal, provocada por esta sobrecarga, com a obtida após a mesma quantidade de proteínas fornecida como carne bovina. Em oito voluntários normais (6 M e 2 F; idade = 31:t7 anos), medimos o RFG (depuração de insulina) e o fluxo plasmático renal (FPR) (depuração de PAH) nos períodos basal e. uma, duas e três horas após uma refeição de carne (400g de carne de frango ou bovina, cerca de 90g de proteínas). A ordem dos experimentos foi aleatória, com intervalo de uma semana entre os estudos com uma ou outra fonte protéica. Tanto o RFG como o FPR aumentaram de forma significativa, atingindo os valores máximos 2 h após as refeições com as duas carnes (carne de frango: 98:t13 vs 119:t18* e 476:t123 vs 569:t99* mI/min/l,73 m2; carne bovina: 107:t14 vs 122:t16* e 501:t118 vs 560:t97* mI/min/l,73 m2; para o RFG e o FPR, e basal e 2h, respectivamente; * p<0,05). Entretanto, não houve diferença entre as respostas dos RFG e FPR, quando comparamos as medianas das áreas sob a curva (AVC), obtidas dos experimentos com cada uma das carnes (RFG = 110,7 vs 111,0 mI/min/l,73 m2, p = 0,57 e FPR = 488 vs 542 mI/min/l,73 m2, p = 0,95, respectivamente para as carnes de frango e bovina). As alterações induzi das pelas duas fontes protéicas, na glucagonemia e nos aminoácidos séricos, também foram semelhantes. Os dados obtidos neste estudo demonstraram que, em indivíduos normais, a carne de frango e a bovina induzem graus semelhantes de hiperfiltração. É improvável que a simples substituição da carne bovina pela de frango, na dieta, possa beneficiar os pacientes com doença renal crônica / Abstract: In diabetic patients it has been suggested that the substitution in the diet of the red meat for chicken meal is as effective as low protein diet to correct the elevated glomerular filtration rate (GFR), though to be deleterious for the evolution of the renal disease in this population. However the renal effects of an acute protein load in the form of chicken meal is unknown. To compare the renal hemodynamic response to red meat with chicken meal we studied 8 (6 males and 2 females; age: 31 :t 7 years) normal individuaIs. GFR (by inulin clearance) and renal plasma flow (by PAR clearance) were determined at baseline and 1, 2 and 3h after a protein load (400g of red meat or chicken, corresponding to approximately 90g of protein). The order of the experiments was randomized with one week interval between each study. Glomerular filtration rate and RPF increased significantly 2h after both red meat or chicken meal (red meat: 107:t14 vs. 122:t16* and 501:t118 vs. 560:t97* ml/min./1.73 m2; chicken: 98:t13 vs. 119:t18* and 483:t123 vs. 570:1:99* ml/min./1.73 m2, for GFR and RPF, and basal vs. 2h, respectively, * p < 0.05). However, there were no significant differences on GFR and RPF responses following red meat or chicken meal, calculated as area under the curve (GFR ~edians = 110,8 vs. 111,0 ml/min./1.73 m2, p=0.57 and RPF medians = 488 vs. 542 ml/min./1.73 m2, p=0.95; for red meat and chicken meal, respectively). The plasma glucagon and total serum amino acids also increased significantly but the changes induced by the meat meals were not different with the two protein sources. We conclude that, in normal subjects, red meat or chicken meal induced similar degree of glomerular hyperfiltration. It is unlike that the substitution of red meat for chicken in the diet will benefit patients with chronic renal disease / Mestrado / Clinica Medica / Mestre em Clinica Medica

Identiferoai:union.ndltd.org:IBICT/oai:repositorio.unicamp.br:REPOSIP/309962
Date20 August 1996
CreatorsSimon, Adolfo Henrique Rodrigues
ContributorsUNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS, Faria, Jose Butori Lopes de, 1955-
Publisher[s.n.], Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Ciências Médicas, Programa de Pós-Graduação em Clínica Médica
Source SetsIBICT Brazilian ETDs
LanguagePortuguese
Detected LanguagePortuguese
Typeinfo:eu-repo/semantics/publishedVersion, info:eu-repo/semantics/masterThesis
Format111f., application/pdf
Sourcereponame:Repositório Institucional da Unicamp, instname:Universidade Estadual de Campinas, instacron:UNICAMP
Rightsinfo:eu-repo/semantics/openAccess

Page generated in 0.0025 seconds