• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 44
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • Tagged with
  • 44
  • 44
  • 38
  • 35
  • 18
  • 16
  • 11
  • 9
  • 8
  • 8
  • 7
  • 7
  • 7
  • 7
  • 7
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Efeito da temperatura da água durante imersão em água gelada na recuperação do dano muscular induzido pelo exercício

Vieira, Amilton 24 June 2016 (has links)
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, 2016. / Submitted by Fernanda Percia França (fernandafranca@bce.unb.br) on 2016-07-20T12:27:34Z No. of bitstreams: 1 2016_AmiltonVieira.pdf: 1949866 bytes, checksum: dc5acebad3067cb5b9548348da1fcbdd (MD5) / Approved for entry into archive by Marília Freitas(marilia@bce.unb.br) on 2016-07-26T10:57:30Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2016_AmiltonVieira.pdf: 1949866 bytes, checksum: dc5acebad3067cb5b9548348da1fcbdd (MD5) / Made available in DSpace on 2016-07-26T10:57:30Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2016_AmiltonVieira.pdf: 1949866 bytes, checksum: dc5acebad3067cb5b9548348da1fcbdd (MD5) / Introdução: A imersão em água gelada (IAG) com temperaturas variando de 5 a 15 ºC vem sendo frequentemente utilizada no tratamento dos sinais e sintomas do dano muscular induzidos pelo exercício (DMIE). No entanto, até o momento não existe um consenso da temperatura ideal na recuperação do DMIE. Objetivo: O objetivo do presente estudo foi investigar os efeitos de diferentes temperaturas de IAG (i.e., 5 ºC e 15 ºC) na recuperação do DMIE. Métodos: Quarenta e dois homens universitários realizaram cinco séries de 20 repetições de salto em profundidade ‘drop jump’ e foram aleatóriamente alocados em um dos três grupos experimentais: 1) IAG a 5 ºC (G5, n = 14); 2) IAG a 15 ºC (G15, n = 14); ou 3) controle (GC, n = 14). Após o exercício, os indivíduos dos grupos IAG tiveram seus membros inferiores imersos em água gelada por 20 min, enquanto que aqueles do GC permaneceram sentados pelo mesmo período de tempo sem IAG. Força isométrica dos extensores do joelho, salto com contramovimento (SCM), dor muscular de início tardio (DMIT), e creatina quinase (CK) foram mensurados antes (pré) e ao longo de uma semana após o exercício. Resultados: Não houve diferença entre os grupos na recuperação da força isométrica (p = 0.73). No entanto, G5 e G15 recuperaram o desempenho do SCM mais rapidamente que o GC (p < 0.05). O desempenho do SCM retornou aos níveis pré-exercício após 72h para G15, após 96h para G5, enquanto que o GC não recuperou em nenhum dos momentos avaliados. Além disso, CK retornou aos níveis basais em 72h e assim permaneceu nos demais momentos para o G15, enquanto que em ambos G5 e GC os níveis permaneceram elevados por pelo menos 168h. Houve uma tendência para uma menor DMIT (p=0.06) no G15 quando comparado com GC 24h após o exercício. Conclusão: IAG acelerou a recuperação do desempenho do SCM, mas não a recuperação da força isométrica. Este resultado sugere que IAG possa promover a recuperação do desempenho em atividades que envolvam o ciclo alongamento-encurtamento. Porém, parece não influenciar na recuperação da força máxima contrátil. Adicionalmente, a imersão em água muito gelada como a 5 ºC não parece ser tão efetiva quanto em águas menos geladas (15 ºC) em promover recuperação ao exercício estenuante. _______________________________________________________________________________________________ ABSTRACT / Introduction: Although cold water immersion (CWI) is often used to treat sign and symptoms of exercise-induced muscle damage (EIMD), the water temperature has been poorly controlled. Purpose: The purpose of the present study was to investigate the effects of 5ºC and 15ºC CWI on recovery from exercise resulting in EIMD. Methods: Forty-two college-aged men performed five sets of 20 drop jumps and were randomly allocated into one of three groups: 1) CWI at 5ºC (G5, n = 14); 2) CWI at 15ºC (G15, n = 14); or 3) control (CG, n = 14). After exercise, individuals from the CWI groups had their lower limbs immerged in iced water for 20 min, whereas those from the CG remained seated for the same period of time without CWI. Isometric knee extensor torque, countermovement jump (CMJ), delayed-onset muscle soreness (DOMS), and creatine kinase (CK) were measured before (pre) along one week period post exercise. Results: There was no between-group difference in isometric strength recovery (p=0.73). However, CMJ recovered quicker in G5 and G15 compared to CG (p<0.05). CMJ returned to baseline after 72h for G15, G5 recovered after 96h and GC did not recovered at any time point measured. Also, CK returned to baseline at 72h and remained stable for all remaining measurements for G15, whereas CK in both G5 and GC remained elevated past 168h. There was a trend toward lower DOMS (p=0.06) in G15 when compared to CG at 24h post-exercise. Conclusions: CWI accelerated CMJ performance, but not isometric strength recovery. The result suggests that CWI might promote recovery of stretch-shortening cycle performance, but may not influence the recovery of maximal contractile force. Additionally, immersion at warmer temperature may be more effective than colder temperatures promoting recovery from strenuous exercise.
2

Eletroestimulação neuromuscular como estratégica precoce para preservar a musculatura periférica em indivíduos politraumatizados sob ventilação mecânica

Urache, Luciana Vieira Tavernard de Oliveira 29 September 2016 (has links)
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ceilândia, Programa de Pós-Graduação em Ciências e Tecnologias em Saúde, 2016. / Submitted by Fernanda Percia França (fernandafranca@bce.unb.br) on 2017-02-14T17:03:55Z No. of bitstreams: 1 2016_LucianaVieiraTavernarddeOliveiraUrache.pdf: 3508025 bytes, checksum: ec8449be949842603347c168bc60acdf (MD5) / Approved for entry into archive by Raquel Viana(raquelviana@bce.unb.br) on 2017-03-27T21:09:43Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2016_LucianaVieiraTavernarddeOliveiraUrache.pdf: 3508025 bytes, checksum: ec8449be949842603347c168bc60acdf (MD5) / Made available in DSpace on 2017-03-27T21:09:43Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2016_LucianaVieiraTavernarddeOliveiraUrache.pdf: 3508025 bytes, checksum: ec8449be949842603347c168bc60acdf (MD5) / Introdução: A segurança e reprodutibilidade da ultrassonografia para avaliação da musculatura esquelética em indivíduos politraumatizados criticamente enfermos ainda não foram avaliados. Politraumatizados são geralmente jovens e previamente saudáveis, mas estão expostos à inflamação e inatividade desde o momento pré-hospitalar, o que pode levar a uma deterioração muscular precoce e mais grave. A estimulação elétrica neuromuscular (EENM) pode ser benéfica a esses pacientes. Objetivos: (i) Avaliar a segurança e reprodutibilidade da avaliação muscular por ultrassonografia; (ii) descrever mudanças precoces na espessura e ecointensidade muscular, e mediadores de sinalização de crescimento muscular e inflamação sistêmica; (iii) avaliar a efetividade de um protocolo precoce e de curto prazo de EENM para minimizar o dano muscular. Métodos: (i) Estudo de segurança e reprodutibilidade da aquisição e análise das imagens do musculo quadríceps por dois examinadores, com e sem experiência prévia em ultrassonografia; (ii) estudo prospectivo observacional; para avaliar o dano muscular, foram obtidos por cinco dias consecutivos medidas sonográficas de ecointensidade e espessura muscular, e níveis séricos de insulin-like growth factor I (IGF-I) e citocinas inflamatórias; (iii) ensaio clínico randomizado; o grupo intervenção recebeu uma sessão diária de EENM bilateral no quadríceps, por cinco dias consecutivos, enquanto o grupo controle recebeu apenas o tratamento convencional; a espessura e ecointensidade muscular foram avaliadas por ultrassonografia; mediadores de sinalização do crescimento muscular – IGF-I and metaloproteinase de matriz (MMP)-2, e inflamação – citocinas e MMP-9, foram quantificados em amostras sanguíneas. Resultados: (i) Excelente reprodutibilidade foi encontrada tanto para aquisição quanto para a análise das imagens; os valores de ecointensidade medidos pelo método do quadrado foram maiores do que pelo traçado; (ii) ao longo de cinco dias, observou-se um aumento na ecointensidade e uma redução na espessura musculares; os níveis séricos de IGF-I diminuíram, assim como a IL-4, enquanto as citocinas pró-inflamatórias aumentaram; (iii) o grupo EENM teve ecointensidade e espessura melhor preservadas em comparação ao grupo controle, com menor redução nos níveis séricos de IGF-I e MMP-2, maior aumento nos níveis de IL-4, menor aumento no IFN-y, redução no TNF-α e na MMP-9. Conclusão: A ultrassonografia é um método seguro e reprodutível para avaliação muscular em indivíduos politraumatizados criticamente enfermos, independente do nível de experiência do examinador. Mudanças significativas na espessura e ecointensidade muscular iniciam-se já em 48 horas após a admissão hospitalar, com redução no IGF-I e alterações nas citocinas. A EENM é uma estratégia efetiva para prevenir o dano muscular nesses indivíduos. / Rationale: Ultrasound safety and reliability in critically ill trauma patients is still unclear. Major trauma patients are usually young and previously healthy, but are exposed to inflammation and inactivity since pre-hospital phase, which may lead to an earlier and worsen impairment. Neuromuscular electrical stimulation (NMES) may benefit those patients. Objectives: (i) To assess the safety and reliability of ultrasound muscle assessment; (ii) to describe the very early changes in muscle quality and size, and signaling mediators of muscle growth and systemic inflammation; (iii) to investigate the efectiveness of an early and short-term protocol of NMES to alleviate acute muscle wasting in critically ill trauma patients. Methods: (i) Study of safety and reliability of image acquisition and analysis by two examiners, with and without previous expertise in ultrasonography; (ii) prospective observational study; to examine skeletal muscle wasting, serial ultrasound measures of muscle echogenicity and thickness, and circulating levels of insulin-like growth factor I (IGF-I) and inflammatory cytokines, were obtained for five consecutive days; (iii) randomized controlled trial; intervention group received a daily session of bilateral NMES on quadriceps muscle, for five consecutive days, while control group received usual care alone; muscle echogenicity and thickness were daily evaluated by ultrasonography; signaling mediators of muscle growth – IGF-I and matrix metalloproteinase (MMP)-2, and inflammation – cytokines and MMP-9, were assessed in blood samples. Results: (i) Excellent reliability was found both for image acquisition and analysis; echogenicity values were higher using the square versus the trace technique; (ii) an increase on echogenicity and a decrease on thickness were observed over the five days; circulating levels of IGF-I decreased, as well as IL-4, while pro-inflammatory cytokines increased; (iii) NMES group had better-preserved muscle echogenicity and thickness compared to control, with a smaller decrease in IGF-I and MMP-2, a greater increase in IL-4, a smaller increase in IFN-y, a decrease in TNF- α and a decrease in MMP-9. Conclusions: Ultrasound is safe and reliable for muscle assessment in critically ill trauma patients, regardless of the assessor’s level of expertise. Significant changes on muscle quality and size start as early as 48 hours after hospital admission, with decrease in IGF-I and change in cytokines levels. NMES is an effective strategy to prevent muscle wasting in those patients.
3

Dano muscular induzido pelo sistema de treinamento de cargas descendentes em exercício resistido / Muscle damage induced by drop set training system in resistance exercise

Togashi, Giovanna Benjamin 17 December 2009 (has links)
INTRODUÇÃO: O dano muscular induzido pelo exercício (DMIE) em humanos ocorre quando o indivíduo realiza exercícios não-habituais, muito intensos ou de longa duração. Muitos protocolos experimentais têm se dedicado ao estudo do DMIE, porém poucos deles, principalmente aqueles com ações excêntricas, reproduzem uma situação real de treinamento físico. OBJETIVO: O objetivo geral desta pesquisa é verificar e comparar a ocorrência de dano muscular nos flexores do cotovelo induzido pelo sistema de treinamento de cargas descendentes em exercício resistido em duas diferentes intensidades por meio de marcadores indiretos de dano muscular: creatina quinase (CK), mioglobina (Mio), dor e torque muscular. MÉTODO: Foram voluntários 9 indivíduos do gênero masculino com idade média (\'+ OU -\' desvio padrão) de 26,78 \'+ OU -\' 4,32 anos, peso médio 84,02 \'+ OU -\' 13,88 quilos e altura média 181,33 \'+ OU -\' 8,46 centímetros. Os indivíduos realizaram dois protocolos de exercício resistido com ações concêntricas e excêntricas dos flexores do cotovelo nos exercícios rosca Scott e rosca direta com cargas descendentes em diferentes intensidades, uma iniciada em 90% de 1-RM (PROTOCOLO 90%) e outra iniciada em 75% de 1-RM (PROTOCOLO 75%). Os marcadores de dano muscular CK, Mio, dor e torque muscular foram avaliados previamente ao exercício, imediatamente após o exercício, 24, 48, 96 e 168 horas após o exercício. RESULTADOS: O pico de concentração de CK ocorreu 24 horas após a sessão de exercício dos PROTOCOLOS 75% e 90%, sem diferenças significativa entre os valores (p < 0,05). O pico de concentração de Mio ocorreu imediatamente após a sessão de exercício dos PROTOCOLOS 75% e 90%, sem diferenças significativa entre os valores (p < 0,05). O pico de dor ocorreu 24 horas após a sessão de exercício do PROTOCOLO 75% e permaneceu com o mesmo valor 48 horas após, com percepção referente à \"dor um pouco forte\" indicada na escala de Borg e no PROTOCOLO 90% obteve o pico imediatamente após o esforço com percepção referente à \"dor moderada\". A maior diminuição do torque muscular ocorreu imediatamente após a sessão de exercício dos PROTOCOLOS 75% e 90% sem diferenças significativa entre os valores (p < 0,05). CONCLUSÃO: Foi possível sugerir a ocorrência do dano muscular e ambos os protocolos pelas variáveis investigadas. O torque muscular demonstrou ser o melhor marcador do dano muscular por avaliar de forma não-invasiva a funcionalidade e restabelecimento das estruturas do músculo. O PROTOCOLO 90% parece ser mais vantajoso praticamente por demonstrar as mesmas características nas variáveis CK, Mio e torque muscular com menor percepção de dor. Porém, pesquisas com adaptações ao treinamento crônico são necessárias para fortalecer estas afirmações. / INTRODUCTION: Exercise-induced muscle damage (EIMD) in humans occurs after unaccustomed or vigorous exercise. Various experimental models was dedicated to EIMD, however few studies, essential those with eccentric action, replicated action that commonly occur during real physical training. PURPOSE: The general purpose of this research was to verify and to compare changes in indirect markers of muscle damage (Creatine Kinase (CK), myoglobin (Myo), pain and muscle torque) on the elbow flexors following training system of drop set in resistance exercise in two different intensities. METHODS: 9 young men (age: 26,78 \'+ OU -\' 4,32 years, height: 181,33 \'+ OU -\' 8,46 cm, body mass: 84,02 \'+ OU -\' 13,88 Kg) performed two exercise protocols of drop set resistance exercise with actions concentric and eccentric of the elbow flexors in Scott arm curl and direct arm curl of 90% (PROTOCOL 90%) and 75% (PROTOCOL 75%) of one maximal repeated. The indirect markers was obtained before, immediately after, and 24, 48, 96 and 168 hours after exercise. RESULTS: The CK\'s concentration peak occurs 24 hours after exercise in both protocols, without significant differences (p < 0.05). The Myo\'s concentration peak occurs 24 immediately after the exercise in both protocols, without any significant differences (p < 0.05). The pain peak 24 hours after the exercise of PROTOCOL 75% and continued in the same value 48 hours later, with pain perception of \"pain a little strong\", indicated in Borg\'s Scale. In the PROTOCOL 90% obtained a peak immediately after exercise with perception of \"moderate pain\". The greater reduction of the muscle torque occurs immediately after the exercise in both protocols, without any significant difference (p < 0.05). CONCLUSION: It was possible suggest, through of indirect markers, that both protocols induced a muscle damage. The muscle torque shown to be a better marker of muscle damage because is a non-invasive way to evaluate the functionality of muscle structure. The PROTOCOL 90% seem to be more profitable in the practice because of magnitude pain perception.
4

Dano muscular induzido pelo sistema de treinamento de cargas descendentes em exercício resistido / Muscle damage induced by drop set training system in resistance exercise

Giovanna Benjamin Togashi 17 December 2009 (has links)
INTRODUÇÃO: O dano muscular induzido pelo exercício (DMIE) em humanos ocorre quando o indivíduo realiza exercícios não-habituais, muito intensos ou de longa duração. Muitos protocolos experimentais têm se dedicado ao estudo do DMIE, porém poucos deles, principalmente aqueles com ações excêntricas, reproduzem uma situação real de treinamento físico. OBJETIVO: O objetivo geral desta pesquisa é verificar e comparar a ocorrência de dano muscular nos flexores do cotovelo induzido pelo sistema de treinamento de cargas descendentes em exercício resistido em duas diferentes intensidades por meio de marcadores indiretos de dano muscular: creatina quinase (CK), mioglobina (Mio), dor e torque muscular. MÉTODO: Foram voluntários 9 indivíduos do gênero masculino com idade média (\'+ OU -\' desvio padrão) de 26,78 \'+ OU -\' 4,32 anos, peso médio 84,02 \'+ OU -\' 13,88 quilos e altura média 181,33 \'+ OU -\' 8,46 centímetros. Os indivíduos realizaram dois protocolos de exercício resistido com ações concêntricas e excêntricas dos flexores do cotovelo nos exercícios rosca Scott e rosca direta com cargas descendentes em diferentes intensidades, uma iniciada em 90% de 1-RM (PROTOCOLO 90%) e outra iniciada em 75% de 1-RM (PROTOCOLO 75%). Os marcadores de dano muscular CK, Mio, dor e torque muscular foram avaliados previamente ao exercício, imediatamente após o exercício, 24, 48, 96 e 168 horas após o exercício. RESULTADOS: O pico de concentração de CK ocorreu 24 horas após a sessão de exercício dos PROTOCOLOS 75% e 90%, sem diferenças significativa entre os valores (p < 0,05). O pico de concentração de Mio ocorreu imediatamente após a sessão de exercício dos PROTOCOLOS 75% e 90%, sem diferenças significativa entre os valores (p < 0,05). O pico de dor ocorreu 24 horas após a sessão de exercício do PROTOCOLO 75% e permaneceu com o mesmo valor 48 horas após, com percepção referente à \"dor um pouco forte\" indicada na escala de Borg e no PROTOCOLO 90% obteve o pico imediatamente após o esforço com percepção referente à \"dor moderada\". A maior diminuição do torque muscular ocorreu imediatamente após a sessão de exercício dos PROTOCOLOS 75% e 90% sem diferenças significativa entre os valores (p < 0,05). CONCLUSÃO: Foi possível sugerir a ocorrência do dano muscular e ambos os protocolos pelas variáveis investigadas. O torque muscular demonstrou ser o melhor marcador do dano muscular por avaliar de forma não-invasiva a funcionalidade e restabelecimento das estruturas do músculo. O PROTOCOLO 90% parece ser mais vantajoso praticamente por demonstrar as mesmas características nas variáveis CK, Mio e torque muscular com menor percepção de dor. Porém, pesquisas com adaptações ao treinamento crônico são necessárias para fortalecer estas afirmações. / INTRODUCTION: Exercise-induced muscle damage (EIMD) in humans occurs after unaccustomed or vigorous exercise. Various experimental models was dedicated to EIMD, however few studies, essential those with eccentric action, replicated action that commonly occur during real physical training. PURPOSE: The general purpose of this research was to verify and to compare changes in indirect markers of muscle damage (Creatine Kinase (CK), myoglobin (Myo), pain and muscle torque) on the elbow flexors following training system of drop set in resistance exercise in two different intensities. METHODS: 9 young men (age: 26,78 \'+ OU -\' 4,32 years, height: 181,33 \'+ OU -\' 8,46 cm, body mass: 84,02 \'+ OU -\' 13,88 Kg) performed two exercise protocols of drop set resistance exercise with actions concentric and eccentric of the elbow flexors in Scott arm curl and direct arm curl of 90% (PROTOCOL 90%) and 75% (PROTOCOL 75%) of one maximal repeated. The indirect markers was obtained before, immediately after, and 24, 48, 96 and 168 hours after exercise. RESULTS: The CK\'s concentration peak occurs 24 hours after exercise in both protocols, without significant differences (p < 0.05). The Myo\'s concentration peak occurs 24 immediately after the exercise in both protocols, without any significant differences (p < 0.05). The pain peak 24 hours after the exercise of PROTOCOL 75% and continued in the same value 48 hours later, with pain perception of \"pain a little strong\", indicated in Borg\'s Scale. In the PROTOCOL 90% obtained a peak immediately after exercise with perception of \"moderate pain\". The greater reduction of the muscle torque occurs immediately after the exercise in both protocols, without any significant difference (p < 0.05). CONCLUSION: It was possible suggest, through of indirect markers, that both protocols induced a muscle damage. The muscle torque shown to be a better marker of muscle damage because is a non-invasive way to evaluate the functionality of muscle structure. The PROTOCOL 90% seem to be more profitable in the practice because of magnitude pain perception.
5

Respostas musculares à realização de ações excêntricas em diferentes velocidades e sua influência no efeito da carga repetida / Muscular responses to eccentric action performed at different velocities and its influence in the repeated bout effect

Silva, Renato Barroso da 07 December 2007 (has links)
A realização de uma sessão com ações excêntricas provoca dano na estrutura muscular. Durante o processo de recuperação, essa estrutura sofre adaptações que a protegem da ocorrência de dano nas sessões subseqüentes. Essas adaptações são chamadas de Efeito da Carga Repetida (ECR). Esse efeito foi estudado com a realização de apenas duas sessões de exercícios. A velocidade da ação excêntrica também pode contribuir para a variabilidade do dano induzido. O objetivo desse estudo foi investigar através da análise dos indicadores indiretos, creatina quinase (CK), força, dor, circunferência e amplitude de movimento (ADM), o dano induzido por diferentes velocidades da ação excêntrica e o efeito da carga repetida com a realização das diferentes velocidades (60ºs-1 (Exc60) e 180ºs-1 (Exc180)); e verificar se o efeito da carga repetida seria maior com a realização de três sessões de exercícios. Os resultados dos indicadores analisados tiveram alterações semelhantes nos grupos Exc60 e Exc180, sugerindo que as diferentes velocidades parecem não interferir na magnitude do dano induzido. O ECR não foi diferente entre as velocidades, pois o comportamento das variáveis analisadas foi semelhante entre os dois grupos nas duas sessões iniciais. A realização da terceira sessão de exercícios excêntricos não promove o aumento do efeito protetor, visto que não houve diferenças significantes entre a segunda e a terceira sessão. Indicando que o ECR advém principalmente da realização da primeira sessão / Performing a bout of eccentric exercise causes muscle damage. During recovery, some adaptations occur that can protect muscle structure. These adaptations are known as Repeated Bout Effect. However, this phenomenon has been studied with two bouts. Velocity of eccentric action has been referred as one possible factor which can affect the extension of muscle damage. The aim of this study was to investigate muscle damage induced by different velocities, the repeated bout effect with different velocities and to verify if the repeated bout effect could be larger if three bouts of eccentric exercise were performed. Results of indirect markers of muscle damage (CK, DOR, upper-arm circumference, maximal isometric force) showed similar alterations in groups Exc60 and Exc180, suggesting that different velocities do not affect the extension of muscle damage. Repeated bout effect is not different between velocities, because changes in markers were comparable in both groups after the first two bouts. After performing a third bout of eccentric exercise, there was not any significant differences between second and third bouts. It indicates that the first bout is responsible for the adaptations of the repeated bout effect
6

Associação entre doença periodontal e dano muscular induzido pelo exercício : resultados preliminares de um estudo longitudinal

Pinto, João Paulo Nascimento e Silva January 2017 (has links)
O dano muscular induzido pelo exercício (DMIE) e os diferentes elementos envolvidos em seu processo têm sido amplamente estudados. A doença periodontal (DP), por sua vez, tem sido indicada como um possível fator de risco para várias condições sistêmicas, como diabetes, doenças cardiovasculares, partos prematuros, obesidade, entre outros. Tais associações têm sido atribuídas à possibilidade de que a DP possa induzir um processo de inflamação sistêmica de baixa intensidade, caracterizado pela elevação de biomarcadores sanguíneos que também estão envolvidos no mecanismo de dano muscular induzido pelo exercício (DMIE). O objetivo do presente estudo é investigar se a doença periodontal pode atuar como um modificador do DMIE em homens saudáveis. Foram avaliados 40 indivíduos, com idade entre 25 e 45 anos, que buscaram atendimento na faculdade de odontologia da UFRGS ou eram praticantes de atividades físicas. Questionário estruturado para obtenção de dados demográficos e comportamentais e o IPAQ (International Physical Activity Questionnaire) foram aplicados. Dois periodontistas examinaram perda de inserção (PI), profundidade de sondagem, sangramento à sondagem e índices de placa e sangramento gengival no exame basal, juntamente com avaliações antropométricas. Os participantes então realizaram um protocolo de indução de dano muscular que incluiu cinco séries de 15 contrações excêntricas máximas dos quadríceps de uma perna, em um dinamômetro isocinético. Força muscular (contrações isométricas voluntárias máximas - CIVM), espessura e ecogenicidade muscular (ultrassonografia) e dor (escala visual analógica) foram avaliadas em diferentes momentos em relação ao protocolo. Modelos de regressão logística multivariados foram ajustados para idade, educação, índice de massa corporal, fumo, consumo de álcool, proteína C reativa e nível de atividade física. Nessa amostra, PI esteve associada a maiores reduções de força muscular após o protocolo, com um aumento de 1 mm na média de PI representando 7% a mais de redução na CIVM. Pode-se concluir, a partir dessa análise preliminar, que a doença periodontal pode ser considerada um modificador do processo de dano muscular, aumentando a deterioração da força muscular. / Exercise-induced muscle damage (EIMD) and the different elements involved in it´s process has been largely studied. Periodontal diseases (PD) has been pointed out as a possible risk fator for a number of systemic conditions, like diabetes, cardiovascular diseases, preterm birth, obesity, and others. Such associations has been atribbuted to the fact that PD can lead to a low-grade inflammatory process, characterized by elevated blood concentrations of biomarkers that are also involved in the EIMD mechanisms. The aim of this study is to assess whether PD can act as a EIMD modifier in healthy men. This study included 40 healthy males with 25-45 yrs that seek for treatment at Dentistry Faculty or are physical activiy practitioners. A structured questionnaire to obtain demographic and comportamental data and the IPAQ (International Physical Activity Questionnaire) were applied. Two periodontists assessed attachment loss (AL), probing depth (PD), bleeding on probing (BOP), plaque and bleeding index in the baseline exam, together with anthropometrical evaluation. The participants then performed a muscle damage protocol comprising five sets of 15 maximum eccentric contractions of the quadriceps muscles of one leg in a isokinetic dynamometer. Evaluations of muscle strength (maximal voluntary isometric contraction), muscle thickness and echo intensity (ultrasonography images) and soreness (visual analogue scale) were made at different periods in relation to the protocol. Multivariable logistic models were fitted adjusting for age, education, body mass index (BMI), smoking, alcohol consumption, C-reactive protein (CRP) and physical activiy level. In this sample, AL was associated with higher reductions of muscle force, with a 1- mm increment in AL mean significantly decreased CIVM by 7%. It can be concuded, based on this preliminar analysis, that PD may be considered as a modifier of EIMD, increasing muscle strenght deterioration.
7

Relação entre economia de corrida e força muscular : análise pelo modelo de dano muscular induzido pela corrida em declive /

Lima, Leonardo Coelho Rabello de. January 2017 (has links)
Orientador: Benedito Sérgio Denadai / Banca: Tiago Rezende Figueira / Banca: Adalgizo Coscrato Cardozo / Banca: Ronei Silveira Pinto / Banca: Carlos Roberto Bueno Junior / Resumo: Introdução: Alguns estudos longitudinais têm mostrado que a força pode influenciar a economia de corrida (EC). Entretanto, outros modelos [p.ex., dano muscular (DM) induzido por corridas em declive (CrED)] mostram que a magnitude e a cinética de recuperação da EC e da força máxima medida em exercícios de cadeia cinética aberta [pico de torque isométrico de extensão do joelho (PTI)] podem ser diferentes. Fatores como o tipo de exercício usado para medir a força e a forma pela qual a força se manifesta (máxima e explosiva), podem explicar, pelo menos em parte, estes dados antagônicos. O objetivo geral deste estudo foi utilizar o modelo de DM induzido pela CrED para analisar a relação entre força máxima e explosiva e a EC. Método: Para isso, foram empregadas três intervenções para modular o DM induzido pela CrED e verificar seus efeitos sobre a força e a EC. Participaram do estudo 85 sujeitos ativos (22,3 ± 2,4 anos, 78 ± 9,4 kg, 176,9 ± 5 cm) que foram aleatoriamente separados em grupo controle (CON), placebo (PLA), suplementação (SUP), isométrico (ISO) e combinado (COMB). CON foi dividido em indivíduos com presença e ausência da α-actinina-3, resultante de polimorfismo do gene ACTN3. Todos os grupos realizaram uma CrED (-15%) por 30 min a 70% VO2max. SUP ingeriu um suplemento rico em compostos flavonoides antes e após a CrED, PLA ingeriu um placebo nos mesmos períodos, ISO realizou 10 contrações isométricas máximas (CIM) dois dias antes da CrED e COMB ingeriu o suplemento e re... (Resumo completo, clicar acesso eletrônico abaixo) / Abstract: Introduction: Longitudinal studies have been showing that strength production capacity might influence running economy (RE). However, other study models [e.g., downhill running (DhR) induced muscle damage (MD)] show different magnitudes of change and recovery kinetics between strength measured with open kinetic chain exercises [knee extension isometric peak torque (IPT)] and RE might differ. Factors such as the type of exercised used to measures strength and its form of manifestation (maximal or explosive) might, at least in part, explain these differences. The aim of the present study was to analyze the association between strength production capacity and RE using an DhR induced MD model. Methods: To do so, three different prophylactic strategies were adopted to modulate MD induced by DhR and also analyze their effects on strength production capacity and RE. Eighty five active subjects (22.3 ± 2.4 years, 78 ± 9.4 kg, 176.9 ± 5 cm) participated in the study and were randomly allocated to control (CON), placebo (PLA), supplementation (SUP), isometric (ISO), and combined (COMB) groups. Participants in CON were separated based on their ACTN3 polymorphisms. All groups ran downhill (-15%) for 30 min at 70%VO2max. SUP ingested a flavonoid-rich supplement before and following DhR, PLA ingested an isocaloric placebo at the same time points, ISO performed 10 maximal isometric contractinons (MIC) two days prior to the DhR, and COMB ingested the supplement and performed the MIC before D... (Complete abstract click electronic access below) / Doutor
8

Associação entre doença periodontal e dano muscular induzido pelo exercício : resultados preliminares de um estudo longitudinal

Pinto, João Paulo Nascimento e Silva January 2017 (has links)
O dano muscular induzido pelo exercício (DMIE) e os diferentes elementos envolvidos em seu processo têm sido amplamente estudados. A doença periodontal (DP), por sua vez, tem sido indicada como um possível fator de risco para várias condições sistêmicas, como diabetes, doenças cardiovasculares, partos prematuros, obesidade, entre outros. Tais associações têm sido atribuídas à possibilidade de que a DP possa induzir um processo de inflamação sistêmica de baixa intensidade, caracterizado pela elevação de biomarcadores sanguíneos que também estão envolvidos no mecanismo de dano muscular induzido pelo exercício (DMIE). O objetivo do presente estudo é investigar se a doença periodontal pode atuar como um modificador do DMIE em homens saudáveis. Foram avaliados 40 indivíduos, com idade entre 25 e 45 anos, que buscaram atendimento na faculdade de odontologia da UFRGS ou eram praticantes de atividades físicas. Questionário estruturado para obtenção de dados demográficos e comportamentais e o IPAQ (International Physical Activity Questionnaire) foram aplicados. Dois periodontistas examinaram perda de inserção (PI), profundidade de sondagem, sangramento à sondagem e índices de placa e sangramento gengival no exame basal, juntamente com avaliações antropométricas. Os participantes então realizaram um protocolo de indução de dano muscular que incluiu cinco séries de 15 contrações excêntricas máximas dos quadríceps de uma perna, em um dinamômetro isocinético. Força muscular (contrações isométricas voluntárias máximas - CIVM), espessura e ecogenicidade muscular (ultrassonografia) e dor (escala visual analógica) foram avaliadas em diferentes momentos em relação ao protocolo. Modelos de regressão logística multivariados foram ajustados para idade, educação, índice de massa corporal, fumo, consumo de álcool, proteína C reativa e nível de atividade física. Nessa amostra, PI esteve associada a maiores reduções de força muscular após o protocolo, com um aumento de 1 mm na média de PI representando 7% a mais de redução na CIVM. Pode-se concluir, a partir dessa análise preliminar, que a doença periodontal pode ser considerada um modificador do processo de dano muscular, aumentando a deterioração da força muscular. / Exercise-induced muscle damage (EIMD) and the different elements involved in it´s process has been largely studied. Periodontal diseases (PD) has been pointed out as a possible risk fator for a number of systemic conditions, like diabetes, cardiovascular diseases, preterm birth, obesity, and others. Such associations has been atribbuted to the fact that PD can lead to a low-grade inflammatory process, characterized by elevated blood concentrations of biomarkers that are also involved in the EIMD mechanisms. The aim of this study is to assess whether PD can act as a EIMD modifier in healthy men. This study included 40 healthy males with 25-45 yrs that seek for treatment at Dentistry Faculty or are physical activiy practitioners. A structured questionnaire to obtain demographic and comportamental data and the IPAQ (International Physical Activity Questionnaire) were applied. Two periodontists assessed attachment loss (AL), probing depth (PD), bleeding on probing (BOP), plaque and bleeding index in the baseline exam, together with anthropometrical evaluation. The participants then performed a muscle damage protocol comprising five sets of 15 maximum eccentric contractions of the quadriceps muscles of one leg in a isokinetic dynamometer. Evaluations of muscle strength (maximal voluntary isometric contraction), muscle thickness and echo intensity (ultrasonography images) and soreness (visual analogue scale) were made at different periods in relation to the protocol. Multivariable logistic models were fitted adjusting for age, education, body mass index (BMI), smoking, alcohol consumption, C-reactive protein (CRP) and physical activiy level. In this sample, AL was associated with higher reductions of muscle force, with a 1- mm increment in AL mean significantly decreased CIVM by 7%. It can be concuded, based on this preliminar analysis, that PD may be considered as a modifier of EIMD, increasing muscle strenght deterioration.
9

Efeito da suplementação de β-hidroxi-β-metilbutirato ácido livre (hmb-fa) na recuperação do dano muscular induzido pelo exercício em homens fisicamente ativos

Correia, Ana Luiza Matias 08 August 2017 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Educação Física, Programa de Pós-Graduação em Educação Física, 2017. / Submitted by Priscilla Sousa (priscillasousa@bce.unb.br) on 2017-10-16T14:07:41Z No. of bitstreams: 1 2017_AnaLuizaMatiasCorreia.pdf: 1139947 bytes, checksum: 732b2e9f0d52e3918861a0e3957fdc64 (MD5) / Approved for entry into archive by Raquel Viana (raquelviana@bce.unb.br) on 2017-10-25T15:54:19Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2017_AnaLuizaMatiasCorreia.pdf: 1139947 bytes, checksum: 732b2e9f0d52e3918861a0e3957fdc64 (MD5) / Made available in DSpace on 2017-10-25T15:54:19Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2017_AnaLuizaMatiasCorreia.pdf: 1139947 bytes, checksum: 732b2e9f0d52e3918861a0e3957fdc64 (MD5) Previous issue date: 2017-10-25 / O dano muscular induzido pelo exercício promove a redução da amplitude de movimento articular, da produção de força muscular e da velocidade de execução do movimento, afetando negativamente o desempenho físico. Estratégias de recuperação do dano muscular induzido pelo exercício, como a intervenção dietética, têm por objetivo reduzir os efeitos e sintomas do próprio dano, restaurar a capacidade de produção de trabalho e função muscular mais rapidamente e/ou reduzir a magnitude do dano inicial. Objetivo: Investigar o efeito da suplementação de HMB-FA na recuperação do dano muscular induzido pelo exercício em homens fisicamente ativos. Materiais e Métodos: O estudo, realizado em um desenho randomizado duplo-cego, foi composto por quatro visitas. Vinte indivíduos com idade entre 18 e 30 anos, do sexo masculino, praticantes de atividade física regular há pelo menos doze meses, foram divididos em dois grupos: suplementação (GS) e controle (GC). Os indivíduos foram submetidos, em repouso, à avaliação dos marcadores indiretos de dano muscular: pico de torque isométrico, capacidade de trabalho, espessura muscular, salto vertical com contramovimento e dor muscular tardia. Após a primeira avaliação, os voluntários ingeriram uma única dose de 3g de placebo (GC) ou HMB-FA (GS), e permaneceram em repouso, durante 60 minutos. Em seguida, os indivíduos foram submetidos a um protocolo de indução de dano muscular, composto por sete séries de 20 saltos. Imediatamente após, 24, 48 e 72 horas após a realização do protocolo de dano muscular, foram avaliados novamente os marcadores indiretos de dano muscular. A normalidade dos dados foi verificada pelo teste de Shapiro-Wilk. As características da amostra e a experiência em treinamento foram comparados pelo teste T independente. Os marcadores indiretos de dano muscular nos dois grupos e nos quatro momentos foram analisados por uma análise de variância mista de dois fatores (Grupo x Momento), com post hoc Least Significant Difference (LSD). O nível de significância adotado foi de p ≤ 0,05. Resultados: Não houve diferenças entre os grupos nas características antropométricas, na experiência de treinos e no consumo alimentar (p > 0,05). Não houve interação significativa para grupos e momentos na força isométrica (p = 0,950), na espessura muscular (p = 0,953) e na dor muscular tardia (p = 0,127). Entretanto, houve interação significativa na capacidade de trabalho (p = 0,021). O GP apresentou uma redução significativa da capacidade de trabalho imediatamente após, 24h, 48h e 72h, em relação ao pré (p < 0,05). Já o GS apresentou redução apenas imediatamente após (p = 0,003). Vinte e quatro horas após o protocolo, o GS já não apresentou diferenças em relação ao pré (p > 0,05). Não houve interação significativa na altura do salto vertical (p > 0,05). Entretanto, o GS recuperou o desempenho na altura do salto vertical mais rapidamente que o GP (p < 0,05). Conclusão: A suplementação de uma única dose de HMB-FA antes do exercício excêntrico intenso acelera a recuperação da capacidade de trabalho e tende a contribuir para a recuperação do desempenho muscular, mesmo não exercendo influência na força isométrica, no edema muscular e na dor muscular tardia. / Exercise induced muscle damage induces decrements in range of motion, maximal strength and motion velocity that impair physical performance. So, strategies to recover exercise induced muscle damage, such as dietetic intervention, aim to reduce the effects and symptoms of muscle damage, to repair work capacity and muscle function briefly, and/or to reduce the magnitude of damage. Purpose: To investigate the effect of HMB-FA supplementation on exercise-induced muscle damage in physically active men. Methods: This study was designed as a randomized, placebo-controlled and double-blinded trial. Twenty physically active men, aged between 18 and 30 years, attended to the laboratory four times and were divided in two groups: supplementation (GS) and placebo (GP). The individuals were submitted in rest to evaluations of indirect markers of muscle damage: peak torque, total work, muscle thickness, countermovement vertical jump and muscle soreness. Following the first evaluation, the volunteers ingested a single 3g doses of placebo (GP) or HMB-FA (GS), and rested by 60 minutes. After supplementation intake and rest, all volunteers were submitted to an inducing muscle damage protocol composed by seven sets of 20 drop jumps. Immediately after, 24h, 48h, and 72h after drop jump protocol, the indirect markers of muscle damage were measured. Data normality were verified by Shapiro-Wilk test. Sample characteristics, training experience, and dietary consumption were compared by independent T test. Muscle damage indirect markers in both groups and all moments were assessed by a two factors mixed-model variance analyses (Group x Moment), with post hoc Least Significant Difference (LSD). Significance level was adopted as p ≤ 0.05. Results: There were no significant differences between groups for sample characteristics, training experience and dietary consumption (p > 0.05). There were no significant interactions for group x moment in peak torque (p = 0,950), muscle thickness (p = 0,953), and muscle soreness (p = 0,127). However, there was a significant interaction in total work (p = 0,021). GP showed a significant reduction in total work immediately after, 24h, 48h and 72h, compared to pre (p < 0.05), while GS showed a significant reduction in total work only immediately after drop jumps protocol (p = 0,003). Twenty-four to seventy-two hours after protocol, GS showed no difference in total work compared to pre (p > 0.05). There was no significant interaction in vertical jump high (p > 0.05). However, GS recovered jump performance quicker than GP (p < 0,05). Conclusion: A single 3g dose supplementation of HMB-FA before an intense eccentric exercise accelerate work capacity recovery and tends to contribute to jump performance recovery, despite not having any influence in isometric muscle strength, muscle swelling and muscle soreness.
10

Comparação de dano muscular induzido pelo exercício resistido entre uma sessão de treinamento de força com pesos livres e máquinas

Ferreira, Diogo Vilela 16 July 2015 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Educação Física, Programa de Pós-Graduação Strictu-Sensu em Educação Física, 2015. / Submitted by Marília Freitas (marilia@bce.unb.br) on 2015-10-21T10:57:10Z No. of bitstreams: 1 2015_DiogoVilelaFerreira.pdf: 1290040 bytes, checksum: c1690f689bb65898845068b1e5e2368f (MD5) / Approved for entry into archive by Patrícia Nunes da Silva(patricia@bce.unb.br) on 2015-12-23T14:30:33Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2015_DiogoVilelaFerreira.pdf: 1290040 bytes, checksum: c1690f689bb65898845068b1e5e2368f (MD5) / Made available in DSpace on 2015-12-23T14:30:33Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2015_DiogoVilelaFerreira.pdf: 1290040 bytes, checksum: c1690f689bb65898845068b1e5e2368f (MD5) / OBJETIVO: Comparar os efeitos de diferentes modelos de exercícios de membros superiores utilizando pesos livres e máquinas no dano muscular induzido pelo exercício (DMIE) em homens adultos jovens com experiência em treinamento de força (TF). MÉTODOS: 27 voluntários (23,52 ± 3,77 anos; 80,11 ± 7,54 kg; 1,75 ± 0,06 m) com experiência em TF (4,36 ± 3,12 anos) foram divididos aleatoriamente em três grupos. Um grupo realizou um treino no supino com a barra livre (BARRA, n=9), outro grupo realizou o supino no aparelho Smith (SMITH, n=9) e o terceiro grupo realizou o supino com halteres (HALTER, n=9). O treino consistiu em realizar 8 séries de 10 repetições com 90% de 10 RM, com 2 minutos de intervalo entre as séries. Mudanças no: pico de torque (PT), trabalho total (TT), percepção subjetiva de dor, espessura muscular (EM), echo intensity (EI) e prontidão para treinar. O PT, TT, EM e dor foram avaliados individualmente no peitoral maior (PM) e no tríceps braquial (TB). Essas avaliações foram realizadas nos momentos: antes do exercício (PRÉ), 10 min após (PÓS), com 24, 48, 72 e 96 horas após a sessão de treino. RESULTADOS: Não foram encontradas diferenças significativas (p>0,05) nas comparações entre grupos para as avaliações do PT, TT, dor (PM) e EM, em nenhum momento. No entanto, o grupo HALTER não ficou com o TB dolorido em nenhum momento (p>0,05). O grupo BARRA recuperou a prontidão para treinar somente com 96 h, enquanto que os demais grupos recuperaram com 72 h. O PT dos adutores horizontais de ombro retornou aos valores basais com 72 h, ao passo que, o TT não se recuperou com 96 h. Contudo, para os extensores de cotovelo o PT e o TT recuperaram com 24 h. CONCLUSÕES: Os resultados indicam que o grupo BARRA foi submetido a um maior estresse fisiológico quando comparado com SMITH e HALTER. A diferença entre a recuperação do PT e TT dos adutores horizontais do ombro em comparação com os extensores de cotovelo sugerem que essas musculaturas sofreram um nível de tensão diferente. Como o PT e o TT, dos adutores horizontais do ombro, se recuperaram em momentos diferentes, esses resultados podem ser levados em consideração durante a elaboração do TF para essa população. ______________________________________________________________________________________________ ABSTRACT / PURPOSE: To compare the effects of different modes of upper limb exercises using free weights and machines in exercise-induced muscle damage (EIMD) in young adult men with experience in strength training (ST). METHODS: 27 subjects (23.52 ± 3.77 years; 80.11 ± 7.54 kg; 1.75 ± 0.06 m) with experience in ST (4.36 ± 3.12 years) were randomly assigned in three groups. One group performed the free barbell bench press (BARBELL, n=9), another group performed the bench press in a Smith machine (SMITH, n=9) and the third group performed the bench press with dumbbells (DUMBBELLS, n=9). The training consisted of performing 8 sets of 10 repetitions with 90% of 10 RM load, with two minutes of rest between sets. Changes in: peak torque (PT), total work (TT), delayed-onset muscle soreness (DOMS), muscle thickness (MT), echo intensity (EI) and readiness to train. The PT, TT, MS and pain were assessed individually in pectoralis major (PM) and triceps brachii (TB). These assessments were carried out in six different time points: before exercise (PRE), 10 min after (POST), 24, 48, 72 and 96 hours after the training session. RESULTS: No significant differences were found (p> 0.05) in the comparison between groups for evaluations of the PT, TT, DOMS (PM) in any time points. However, the group DUMBBELLS did not experienced muscle soreness in the TB at any time (p> 0.05). BARBELL group recovery readiness to train only 96 h postexercise, while the other groups recovered after 72 h. The PT of the horizontal shoulder adductors returned to baseline at 72 h, whereas TT was not recovered after 96 h. However, for the elbow extensors PT and TT recovered 24 h. CONCLUSIONS: Our results indicate that the BARBELL group underwent a greater physiological stress as compared to SMITH and DUMBBELLS. The difference between the recovery of the PT and TT of the horizontal shoulder adductors compared to the elbow extensors suggest that these musculatures have suffered different levels of tension. As the PT and the TT of the horizontal shoulder adductors recovered at different time points, these results could be taken into account when designing ST programs for this population.

Page generated in 1.1975 seconds