• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 2837
  • 92
  • 92
  • 91
  • 82
  • 76
  • 76
  • 28
  • 16
  • 15
  • 15
  • 10
  • 7
  • 7
  • 7
  • Tagged with
  • 3010
  • 1259
  • 721
  • 630
  • 547
  • 508
  • 497
  • 444
  • 409
  • 392
  • 369
  • 368
  • 340
  • 339
  • 322
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Os efeitos do exercício do ato de escrever

Machado, Ana Maria Netto January 1989 (has links)
Este trabalho tece a especificidade do ato de escrever em confronto com escrita, transcriçao, ditado. cópia, leitura, etc, para situá-lo lado á lado com a fala na psicanálise. 'Escrever é como falar sem ser interrompido', onde a folha. silªncio material. desempenha papel semelhante ao do psicanalista na sua funçao de escuta. A leitura pontuadora, como função de corte do discurso. em oposição à leitura antropofágica (reprodutora), viabiliza ao próprio sujeito que escreveu. algo semelhante à intervenção do psicanalista sobre o discurso do psicanalisante, isto é, "escrever" um outro texto, explorando caminhos diferentes dos já trilhados durante o exercício do ato de escrever. é condiçao para este exercício, deixar-se escrever livremente (deixar-se "falar" como no diva), abstendo-se de qualquer censura prévia, confiantes em que desta forma, o que PODE ser escrito irá articular-se na folha, em oposição ao que deveria idealmente ser escrito, e por ser ideal permanece simplesmente impossível de ser realizado. Necessariamente. este EXERClCIO tem como EFEITO uma obra. portadora das marcas do sujeito no discurso, e, seja ela o que for, comporta um esti lo que exige reconhecimento. Trata-se de uma práxis que institui uma ética, não do bem ou do dever ser. mas do que é próprio da destinaçao do desejo: inscrever-se num corpo material, que pode ser a carne que sofre sem saber por qué, ou numa mediação simbólica, entre outras possibilidades. a FOLHA que "sangra" disseminando sentidos. / Este trabajo teje la especificidad Del acto de escribir em confronto com La escrita, La trancripoión, el dictado, la copia, la lectura, etc, para situarlo lado a lado con el Habla en el psicoanálisis. Escribir es como hablar sin ser interrumpido, y en este sentido, la hoje, sliencio material, desempeña un papel semejante al del psicoanalista em su función de escucha. La lectura puntuadora, como función de CORTE del discurso, en oposición a la lectura antropofágica (reposductora), viabiliza al sujeto que escribió, al semejante a la intervención del psicoanalista sobre el discurso del psicoanalisando, que asi escribe outro texto, excursionando por caminos diferentes de los já pasados durante el ejercicio del acto de escribir. Es condición para este ejercicio, dejar-se escribir libremente ( dejar-se “hablar” como en el diván), absteniéndose de cualquier censura previa, confiantes en que, de esta manera, lo que PUEDE ser escrito se articulará en la hoja, en opisición a lo que DEBERIA IDEALMENTE ser escrito, y por ser ideal es simplemente imposible de ser realizado. Necessariamente, este EJERCICIO tiene como EFECTO una OBRA, portadora de las marcas del sujeito en el discurso, y sea lo que sea, la acompaña un ESTILO que exige reconocimiento. Trátase de un praxis que instituye una ÉTICA, no del BIEN o del DEBER SER, pero de lo que es propio del DESTINO del DESEO”: inscribirse en un cuerpo material, que puede ser la carne que sufre sin saber por que, o en una mediación simbólica, la HOJA que “sangra” diseminando sentidos.
2

Os efeitos do exercício do ato de escrever

Machado, Ana Maria Netto January 1989 (has links)
Este trabalho tece a especificidade do ato de escrever em confronto com escrita, transcriçao, ditado. cópia, leitura, etc, para situá-lo lado á lado com a fala na psicanálise. 'Escrever é como falar sem ser interrompido', onde a folha. silªncio material. desempenha papel semelhante ao do psicanalista na sua funçao de escuta. A leitura pontuadora, como função de corte do discurso. em oposição à leitura antropofágica (reprodutora), viabiliza ao próprio sujeito que escreveu. algo semelhante à intervenção do psicanalista sobre o discurso do psicanalisante, isto é, "escrever" um outro texto, explorando caminhos diferentes dos já trilhados durante o exercício do ato de escrever. é condiçao para este exercício, deixar-se escrever livremente (deixar-se "falar" como no diva), abstendo-se de qualquer censura prévia, confiantes em que desta forma, o que PODE ser escrito irá articular-se na folha, em oposição ao que deveria idealmente ser escrito, e por ser ideal permanece simplesmente impossível de ser realizado. Necessariamente. este EXERClCIO tem como EFEITO uma obra. portadora das marcas do sujeito no discurso, e, seja ela o que for, comporta um esti lo que exige reconhecimento. Trata-se de uma práxis que institui uma ética, não do bem ou do dever ser. mas do que é próprio da destinaçao do desejo: inscrever-se num corpo material, que pode ser a carne que sofre sem saber por qué, ou numa mediação simbólica, entre outras possibilidades. a FOLHA que "sangra" disseminando sentidos. / Este trabajo teje la especificidad Del acto de escribir em confronto com La escrita, La trancripoión, el dictado, la copia, la lectura, etc, para situarlo lado a lado con el Habla en el psicoanálisis. Escribir es como hablar sin ser interrumpido, y en este sentido, la hoje, sliencio material, desempeña un papel semejante al del psicoanalista em su función de escucha. La lectura puntuadora, como función de CORTE del discurso, en oposición a la lectura antropofágica (reposductora), viabiliza al sujeto que escribió, al semejante a la intervención del psicoanalista sobre el discurso del psicoanalisando, que asi escribe outro texto, excursionando por caminos diferentes de los já pasados durante el ejercicio del acto de escribir. Es condición para este ejercicio, dejar-se escribir libremente ( dejar-se “hablar” como en el diván), absteniéndose de cualquier censura previa, confiantes en que, de esta manera, lo que PUEDE ser escrito se articulará en la hoja, en opisición a lo que DEBERIA IDEALMENTE ser escrito, y por ser ideal es simplemente imposible de ser realizado. Necessariamente, este EJERCICIO tiene como EFECTO una OBRA, portadora de las marcas del sujeito en el discurso, y sea lo que sea, la acompaña un ESTILO que exige reconocimiento. Trátase de un praxis que instituye una ÉTICA, no del BIEN o del DEBER SER, pero de lo que es propio del DESTINO del DESEO”: inscribirse en un cuerpo material, que puede ser la carne que sufre sin saber por que, o en una mediación simbólica, la HOJA que “sangra” diseminando sentidos.
3

A construção da intertextualidade na produção textual de alfabetizandos adolescentes e adultos

Araujo, Denise Lino de 18 December 1995 (has links)
Orientador: Ines Signorini / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem / Made available in DSpace on 2018-07-20T19:52:04Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Araujo_DeniseLinode_M.pdf: 4150894 bytes, checksum: 34de866166800e52132d181656f89490 (MD5) Previous issue date: 1995 / Resumo: Esta dissertação tem como objetivo investigar o processo de construção da intertextualidade na produção textual de alfabetizandos adolescentes e adultos de uma escola pública municipal. A base empírica dessa investigação foi constituída por dados coletados durante uma intervenção pedagógica do pesquisador/alfabetizador em aulas de língua materna, dos três níveis do supletivo de 10 grau. As principais referências teóricas para a análise desses dados nos foram fornecidas pelos estudos sobre o Letramento e pelos estudos sobre a intertextualidade, na perspectiva da Lingüística Textual. Os resultados da análise. revelaram que o processo de construção e a manifestação das relações intertextuais na leitura e na produção textual dos alfabetizandos não está dissociado do processo de (re)formulação dos seus conceitos de texto, de leitura e de produção textual. As relações intertextuais verificadas nas produções textuais dos alfabetizandos são, em sua maioria, do tipo estrito, subgrupo das manifestações implícitas (KOCH, 1991b) e remetem principalmente aos meios de comunicação de massa, notadamente o rádio e a TV. Nessas produções, esse tipo de manifestação intertextual tem, além de implicações diretas sobre o conteúdo dos textos, implicações a nível do volume de escrita e da assimilação das convenções gráficas da escrita / Abstract: Action-research was used to investigate the process of the construction of intertextuality during the production of the texts by adolescentes and adults undergoing alphabetization in a public school. Empirical data were collected during pedagogical intervention in classes of Portuguese, the mother tongue of the students. The theoretical base for the analysis of the data were those of Literacy Studies and of intertextuality as defined by Textual Linguistics. The results showed that the process of construction and the manifestation of intertextual relations in both reading and the production of texts of individuais undergoing alphabetization are related to the process of (re)formulation of the concepts of text, reading and textual production of these individuais. intertextual relations verified in the production of these individuais during the process of alphabetization are largely relation the strito type, which consist of a subgroup of implicit manifestations (KOCH, 1991 b) linked principally to the mass media, especially radio and television. In addition to direct implications for the content of the texts, this type of intertextual manifestation also has implications for the quantity of written production and the assimilation of grafic conventions / Mestrado / Ensino-Aprendizagem de Lingua Materna / Mestre em Linguística Aplicada
4

Os efeitos do exercício do ato de escrever

Machado, Ana Maria Netto January 1989 (has links)
Este trabalho tece a especificidade do ato de escrever em confronto com escrita, transcriçao, ditado. cópia, leitura, etc, para situá-lo lado á lado com a fala na psicanálise. 'Escrever é como falar sem ser interrompido', onde a folha. silªncio material. desempenha papel semelhante ao do psicanalista na sua funçao de escuta. A leitura pontuadora, como função de corte do discurso. em oposição à leitura antropofágica (reprodutora), viabiliza ao próprio sujeito que escreveu. algo semelhante à intervenção do psicanalista sobre o discurso do psicanalisante, isto é, "escrever" um outro texto, explorando caminhos diferentes dos já trilhados durante o exercício do ato de escrever. é condiçao para este exercício, deixar-se escrever livremente (deixar-se "falar" como no diva), abstendo-se de qualquer censura prévia, confiantes em que desta forma, o que PODE ser escrito irá articular-se na folha, em oposição ao que deveria idealmente ser escrito, e por ser ideal permanece simplesmente impossível de ser realizado. Necessariamente. este EXERClCIO tem como EFEITO uma obra. portadora das marcas do sujeito no discurso, e, seja ela o que for, comporta um esti lo que exige reconhecimento. Trata-se de uma práxis que institui uma ética, não do bem ou do dever ser. mas do que é próprio da destinaçao do desejo: inscrever-se num corpo material, que pode ser a carne que sofre sem saber por qué, ou numa mediação simbólica, entre outras possibilidades. a FOLHA que "sangra" disseminando sentidos. / Este trabajo teje la especificidad Del acto de escribir em confronto com La escrita, La trancripoión, el dictado, la copia, la lectura, etc, para situarlo lado a lado con el Habla en el psicoanálisis. Escribir es como hablar sin ser interrumpido, y en este sentido, la hoje, sliencio material, desempeña un papel semejante al del psicoanalista em su función de escucha. La lectura puntuadora, como función de CORTE del discurso, en oposición a la lectura antropofágica (reposductora), viabiliza al sujeto que escribió, al semejante a la intervención del psicoanalista sobre el discurso del psicoanalisando, que asi escribe outro texto, excursionando por caminos diferentes de los já pasados durante el ejercicio del acto de escribir. Es condición para este ejercicio, dejar-se escribir libremente ( dejar-se “hablar” como en el diván), absteniéndose de cualquier censura previa, confiantes en que, de esta manera, lo que PUEDE ser escrito se articulará en la hoja, en opisición a lo que DEBERIA IDEALMENTE ser escrito, y por ser ideal es simplemente imposible de ser realizado. Necessariamente, este EJERCICIO tiene como EFECTO una OBRA, portadora de las marcas del sujeito en el discurso, y sea lo que sea, la acompaña un ESTILO que exige reconocimiento. Trátase de un praxis que instituye una ÉTICA, no del BIEN o del DEBER SER, pero de lo que es propio del DESTINO del DESEO”: inscribirse en un cuerpo material, que puede ser la carne que sufre sin saber por que, o en una mediación simbólica, la HOJA que “sangra” diseminando sentidos.
5

De correspondências e correspondentes : cultura escrita e práticas epistolares no Brasil entre 1880 e 1950

Gastaud, Carla Rodrigues January 2009 (has links)
O objeto deste estudo foi o exame de práticas e artefatos mobilizados na escrita epistolar e sua relevância no Brasil no final do século XIX e primeira metade do século XX. Assim, usos da escrita, distribuição das capacidades de escrever e ler, materialidades do escrito, maneiras das escritas e leituras, foram pensados no âmbito da escrita epistolar. O alargamento dos processos de escolarização e a crescente alfabetização resultaram na ampliação do número de pessoas que tem acesso a esse universo, de pessoas capazes de escrever e de ler uma carta. Inscrito nos marcos de uma História Cultural da Educação, o estudo buscou acompanhar a afirmação das práticas epistolares numa sociedade da cultura escrita. Para isso, analisei três conjuntos de escritas epistolares: Família Maciel, Família D e Família G. Práticas de correspondência mobilizam habilidades gráficas e sociais dos correspondentes que se concretizam em papel e tinta. Essas materialidades das cartas - múltiplas e protocolares ao mesmo tempo, conforme a norma ou contra ela - indiciam competências gráficas, sociabilidades, práticas de escrita e leitura que perduram e reverberam em nosso tempo. / The object of this study was the examination of practices and artifacts deployed in epistolary writing and its relevance in Brazil in the late nineteenth and first half of the twentieth century. Thus, in the context of epistolary writing, uses of writing, the distribution of abilities to write and read, materialities of writing, ways of writing and reading, were taken into cconsideration. The extension of the schooling processes and the increasing literacy resulted in increasing the number of people who have access to the universe of people capable of writing and reading letters. In the scope of Cultural History of Education, this study sought to establish epistolary literacy as social practice. For this purpose, I analyzed three sets of private correspondence: Maciel family, family D and family G. For the purpose of the analysis I also used civility manuals, epistolary novels and published correspondence. Epistolary practices involve graphic and social skills of the correspondent, taking form in paper and ink. This materiality of each letter - singular and ‘regulated’ at the same time, to the norm or against it – work as evidence indicating graphic skills, and sociability, writing and reading that last and reverberate in our time
6

De correspondências e correspondentes : cultura escrita e práticas epistolares no Brasil entre 1880 e 1950

Gastaud, Carla Rodrigues January 2009 (has links)
O objeto deste estudo foi o exame de práticas e artefatos mobilizados na escrita epistolar e sua relevância no Brasil no final do século XIX e primeira metade do século XX. Assim, usos da escrita, distribuição das capacidades de escrever e ler, materialidades do escrito, maneiras das escritas e leituras, foram pensados no âmbito da escrita epistolar. O alargamento dos processos de escolarização e a crescente alfabetização resultaram na ampliação do número de pessoas que tem acesso a esse universo, de pessoas capazes de escrever e de ler uma carta. Inscrito nos marcos de uma História Cultural da Educação, o estudo buscou acompanhar a afirmação das práticas epistolares numa sociedade da cultura escrita. Para isso, analisei três conjuntos de escritas epistolares: Família Maciel, Família D e Família G. Práticas de correspondência mobilizam habilidades gráficas e sociais dos correspondentes que se concretizam em papel e tinta. Essas materialidades das cartas - múltiplas e protocolares ao mesmo tempo, conforme a norma ou contra ela - indiciam competências gráficas, sociabilidades, práticas de escrita e leitura que perduram e reverberam em nosso tempo. / The object of this study was the examination of practices and artifacts deployed in epistolary writing and its relevance in Brazil in the late nineteenth and first half of the twentieth century. Thus, in the context of epistolary writing, uses of writing, the distribution of abilities to write and read, materialities of writing, ways of writing and reading, were taken into cconsideration. The extension of the schooling processes and the increasing literacy resulted in increasing the number of people who have access to the universe of people capable of writing and reading letters. In the scope of Cultural History of Education, this study sought to establish epistolary literacy as social practice. For this purpose, I analyzed three sets of private correspondence: Maciel family, family D and family G. For the purpose of the analysis I also used civility manuals, epistolary novels and published correspondence. Epistolary practices involve graphic and social skills of the correspondent, taking form in paper and ink. This materiality of each letter - singular and ‘regulated’ at the same time, to the norm or against it – work as evidence indicating graphic skills, and sociability, writing and reading that last and reverberate in our time
7

Os sentidos de escrita no discurso das crianças, seus pais e professora /

Lyra, Gracielle Böing, Souza, Osmar de, Universidade Regional de Blumenau. Programa de Pós-Graduação em Educação. January 2008 (has links) (PDF)
Orientador: Osmar de Souza. / Dissertação (mestrado) - Universidade Regional de Blumenau, Centro de Ciências da Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação.
8

De correspondências e correspondentes : cultura escrita e práticas epistolares no Brasil entre 1880 e 1950

Gastaud, Carla Rodrigues January 2009 (has links)
O objeto deste estudo foi o exame de práticas e artefatos mobilizados na escrita epistolar e sua relevância no Brasil no final do século XIX e primeira metade do século XX. Assim, usos da escrita, distribuição das capacidades de escrever e ler, materialidades do escrito, maneiras das escritas e leituras, foram pensados no âmbito da escrita epistolar. O alargamento dos processos de escolarização e a crescente alfabetização resultaram na ampliação do número de pessoas que tem acesso a esse universo, de pessoas capazes de escrever e de ler uma carta. Inscrito nos marcos de uma História Cultural da Educação, o estudo buscou acompanhar a afirmação das práticas epistolares numa sociedade da cultura escrita. Para isso, analisei três conjuntos de escritas epistolares: Família Maciel, Família D e Família G. Práticas de correspondência mobilizam habilidades gráficas e sociais dos correspondentes que se concretizam em papel e tinta. Essas materialidades das cartas - múltiplas e protocolares ao mesmo tempo, conforme a norma ou contra ela - indiciam competências gráficas, sociabilidades, práticas de escrita e leitura que perduram e reverberam em nosso tempo. / The object of this study was the examination of practices and artifacts deployed in epistolary writing and its relevance in Brazil in the late nineteenth and first half of the twentieth century. Thus, in the context of epistolary writing, uses of writing, the distribution of abilities to write and read, materialities of writing, ways of writing and reading, were taken into cconsideration. The extension of the schooling processes and the increasing literacy resulted in increasing the number of people who have access to the universe of people capable of writing and reading letters. In the scope of Cultural History of Education, this study sought to establish epistolary literacy as social practice. For this purpose, I analyzed three sets of private correspondence: Maciel family, family D and family G. For the purpose of the analysis I also used civility manuals, epistolary novels and published correspondence. Epistolary practices involve graphic and social skills of the correspondent, taking form in paper and ink. This materiality of each letter - singular and ‘regulated’ at the same time, to the norm or against it – work as evidence indicating graphic skills, and sociability, writing and reading that last and reverberate in our time
9

Cenas de letramentos sociais

de Abreu Lopes, Iveuta January 2004 (has links)
Made available in DSpace on 2014-06-12T18:34:22Z (GMT). No. of bitstreams: 2 arquivo8282_1.pdf: 2166044 bytes, checksum: acbd2ff9211a49b8562bde1685be9592 (MD5) license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) Previous issue date: 2004 / Compreendendo que o letramento é um fenômeno essencialmente social e que os usos da escrita são determinados pelas matrizes socioculturais que as configuram no contexto social, o presente estudo objetiva, através de uma abordagem etnográfica, investigar os usos que se fazem da escrita numa comunidade localizada na periferia da cidade de Teresina, capital do Estado do Piauí, formada a partir da ocupação de uma propriedade particular, para assentamento de famílias sem-teto, minuciosamente planejada por entidades que atuam em movimentos sociais. O trabalho tem como suporte teórico os princípios e postulados que fundamentam os Novos Estudos do Letramento, perspectiva segundo a qual o letramento é concebido como prática social que se processa pela intermediação da palavra escrita e vê a leitura e a escrita não como habilidades individuais, mas como atividades interativas, socialmente situadas e vinculadas a aspectos da cultura e das estruturas de poder nas quais se constituem. Os dados da pesquisa etnográfica revelam que, na comunidade pesquisada, como em qualquer outro espaço social, a escrita é, por natureza, um recurso que se presta a estabelecer e a manter a comunicação entre aqueles que dela lançam mão. Desta função geral, no entanto, observam-se desdobramentos que se conformam às demandas impostas pelo contexto sócio-histórico e é neste contexto que os significados dos atos de ler e de escrever adquirem nuances particulares. As demandas que emergem nos contextos por onde transitam os atores sociais da pesquisa oferecem-lhes oportunidades para que atuem em práticas sociais em instâncias diversas, numa dinâmica interacional que lhes garante a possibilidade de cultivar laços afetivos e sociais, organizar minimamente a casa onde residem e a própria vida pessoal, informar-se e participar ativamente do convívio social. Nessa dinâmica a escrita tem papel imprescindível e se reveste de um significado social muito particular: a um só tempo as ações que se processam por intermédio da palavra escrita configuramse em desafios e em símbolos de mudanças
10

A produção do texto dissertativo por alunos de 3ºgrau

Ramos, Dilzete da Silva Mota, 1962- 10 November 2000 (has links)
Orientador: Maria Cecilia Perroni / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Estudos da Linguagem / Made available in DSpace on 2018-07-27T05:16:00Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Ramos_DilzetedaSilvaMota_M.pdf: 17260111 bytes, checksum: ca1b85c732b368f5984b24a94917c957 (MD5) Previous issue date: 1999 / Resumo: Este é um estudo sobre a produção do texto dissertativo na modalidade escrita por alunos do terceiro grau (faixa etária de adultos). Pelo que se tem notícia, trata-se de tema pouco investigado, tendo os estudiosos da área da aquisição da linguagem escrita, em sua grande maioria, centrado seus estudos nas fases iniciais da aquisição, que em geral coincide com o início da escolaridade. Foram analisados no total 97 textos de alunos do primeiro e do oitavo semestres do Curso de Pedagogia da FESIUNEB em Serrinha, Bahia, com o objetivo de identificar e analisar os recursos lingüísticos mais freqüentemente usados por esses alunos universitários para obter os efeitos de atemporalidade, de generalidade de sujeito e de generalidade de objeto, os quais constituem aspectos fundamentais do texto dissertativo. Este trabalho se propõe também a identificar e analisar alguns dos problemas daqueles textos, relativos aos fatores de coesão e de coerência. Os resultados a que chegamos apontanl que esses alunos de fato dominam a habilidade de produzir textos dissertativos escritos, do ponto de vista fonnal, sendo as dificuldades encontradas relativas ao uso dos recursos lingüísticos de estabelecimento de coesão e de coerência ao texto. A pesquisa apresenta resultados que julgamos relevantes sobre os aspectos fonnais de enunciados usados por alunos universitários ao produzirem textos dissertativos. Espera-se assim contribuir para o desenvolvimento da área de Aquisição da Linguagem, em especial, da aquisição da escrita, em nosso país / Abstract: Not informed. / Mestrado / Mestre em Linguística

Page generated in 0.0346 seconds