• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 3
  • Tagged with
  • 3
  • 3
  • 3
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Avaliação da terapia fotodinâmica em modelo experimental de artrite por paracoccidioides brasiliensis / Evaluation photodynamic therapy in an experimental model of arthritis induced by paracoccidioides brasiliensis

Tomadon, Aniele 01 February 2016 (has links)
Made available in DSpace on 2017-07-10T14:17:17Z (GMT). No. of bitstreams: 1 aniele_ tomadon.pdf: 1946569 bytes, checksum: 9b3b2e8ea732badbc11f5df6fa34a988 (MD5) Previous issue date: 2016-02-01 / Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico / Paracoccidioidomycosis (PCM), caused by the dimorphic fungus Paracoccidioides brasiliensis, is one of the most prevalent systemic mycosis in Latin America. Infection can occur accidentally through direct inoculation or mainly through inhalation of propagules of P. brasiliensis, which are installed initially in the lungs and can spread to organs and tissues of the host. In the acute form of the disease the major clinical manifestation is the febrile lymphoproliferative syndrome, occurring osteoarticular involvement; the same for the chronic form, in which 60% of cases, bone and joint changes usually treated for extended periods with conventional antifungal agents. Drug therapy is the most widely used to treatment the disease, however, high costs, poor adherence to treatment and adverse side effects, take the need to search for alternative therapies such as photodynamic (PDT), which has low cost and toxicity, local action and does not induce resistance to microorganisms. In vitro studies have shown positive results of PDT against various fungi, but there are no in vivo reports on its action in the control of P. brasiliensis. In this sense, the present study aimed to evaluate the PDT response in an experimental model of arthritis by P. brasiliensis. For this purpose, male Wistar rats (n = 42) were divided into groups submitted to inoculation with P. brasiliensis and PBS (control) in the right knee joint. After the development of arthritis, the mice were treated from the eighth to the eleventh day to the therapy: Groups L40 and L120 laser treated at dosages of 40 and 120 J/cm2, AM group treated with the photosensitizer methylene blue and PDT40 and PDT120 groups treated with PDT at doses of 40 and 120 J/cm2. The laser and AM therapies were used individually as a control for PDT. The groups were evaluated: edema, by measuring the lateral-lateral diameter of the joint; the intensity of arthritis, for histopathology and titration of anti-gp43 antibody by ELISA. The results showed that the edema formation was lower in the groups treated with PDT 40 and 120 J/cm2 (p = 0.8359 and p = 0.7167, respectively). The analysis of the intensity of arthritis as assessed by histopathology showed that the group treated with PDT 120 J/cm2 had the lowest morphological changes in the joint. Titration of anti-gp43 antibodies, showed the highest production of specific antibodies in the yeast group, but the differences were not significant when comparing the groups. Thus, the morphological evidence of normal tissue recovery aspects, the joint subjected to PDT 120 J/cm2, revealed the potential use of this therapy in reducing arthritis caused by P. brasiliensis / A Paracoccidioidomicose (PCM), causada pelo fungo dimórfico Paracoccidioides brasiliensis, é uma das micoses sistêmicas de maior prevalência na América Latina. A infecção pode ocorrer acidentalmente por inoculação direta ou, principalmente, através da inalação de propágulos de P. brasiliensis, que se instalam inicialmente nos pulmões e podem se disseminar para órgãos e tecidos do hospedeiro. Na forma aguda da doença a principal manifestação clínica é a síndrome linfoproliferativa febril, podendo ocorrer acometimento osteoarticular; o mesmo para a forma crônica, onde em 60% dos casos há alterações ósseas e articulares, geralmente tratadas por longos períodos com antifúngicos convencionais. A terapia medicamentosa é a mais utilizada para o controle da doença, entretanto, custos elevados, baixa adesão ao tratamento e efeitos colaterais adversos, levam a necessidade de se pesquisar terapias alternativas, como a fotodinâmica (TFD), que apresenta baixo custo e toxicidade, ação local e não induz resistência aos microorganismos. Estudos in vitro têm demonstrado resultados positivos da TFD contra diversos fungos, mas não existem relatos in vivo sobre sua ação no controle de P. brasiliensis. Nesse sentido, o presente estudo objetivou avaliar a resposta da TFD em modelo experimental de artrite por P. brasiliensis. Para tanto, ratos Wistar machos (n=42), foram distribuídos em grupos submetidos à inoculação de P. brasiliensis e PBS (controle) na articulação do joelho direito. Após o desenvolvimento da artrite, os grupos foram tratados, do oitavo ao décimo primeiro dia com as terapias: grupos L40 e L120 tratados com laser nas dosagens de 40 e 120 J/cm2, grupo AM tradado com o fotossensibilizador azul de metileno e grupos TFD40 e TFD120 tratados com TFD nas dosagens de 40 e 120 J/cm2. Os tratamentos com laser e AM foram utilizados de forma individual como controle para a TFD. Nos grupos foram avaliados: o edema, através da medida do diâmetro látero-lateral da articulação; a intensidade da artrite, por exame histopatológico e a titulação do anticorpo anti-gp43, por ELISA. Os resultados mostraram que, a formação do edema foi menor nos grupos tratados com TFD 40 e 120 J/cm2 (p=0,8359 e p=0,7167, respectivamente). A análise da intensidade da artrite, revelou que o grupo tratado com TFD 120 J/cm2 apresentou as menores alterações morfológicas na articulação. A titulação de anticorpos anti-Gp43, demonstrou a maior produção de anticorpos específicos no grupo levedura, porém as diferenças não foram significativas na comparação entre os demais grupos. Assim, as evidências morfológicas de recuperação de aspectos teciduais normais, na articulação submetida a TFD 120 J/cm2, revelaram o potencial uso desta terapia na redução da artrite causada por P. brasiliensis.
2

Estudo sobre as respostas inflamatórias em modelo experimental de artrite séptica induzida por Staphylococcus aureus e suas vesículas / Study of inflammatory responses in experimental staphylococcal septic arthritis model induced by Staphylococcus aureus and extracellular vesicles

Farah Fatima 06 March 2018 (has links)
A artrite séptica (AS), também chamada de artrite infecciosa, é uma doença inflamatória das articulações iniciada por um agente infeccioso. O agente causal mais comum da SA é Staphylococcus aureus (S. aureus). A patogênese da SA inclui uma resposta inflamatória complexa envolvendo sistema imune inato e adaptativo. As citocinas liberadas a partir de macrófagos, tais como TNF-?, IL-1? e IL-6, foram classicamente apontadas como os principais mediadores da inflamação grave que precede a destruição da cartilagem e osso e a disfunção articular permanente mediante a AS. A evidência radiológica está frequentemente presente, mas não diferencia o afrouxamento mecânico do septo das articulações. Portanto, se houver algum indício de suspeita de infecção, deve ser aspirado para avaliação microbiológica. Recentemente, as tecnologias de imagem como a micro tomografia computadorizada (?CT) foram amplamente utilizadas para modelos pré-clínicos de distúrbios articulares auto-imunes. No entanto, as características radiológicas da AS em camundongos ainda são amplamente desconhecidas. No estudo atual, os camundongos NMRI foram inoculados intravenosamente ou intra-articularmente com a cepas de S. aureus Newman ou LS-1. Os sinais radiológicos e clínicos da artrite séptica foram acompanhados durante 10 dias usando ?CT. Avaliamos as correlações entre alterações radiológicas conjuntas e sinais clínicos, alterações histológicas e níveis séricos de citocinas. Nos dias 5-7 após a infecção intravenosa, a destruição óssea verificada por ?CT tornou-se evidente na maioria das articulações infectadas. Os sinais radiológicos de destruição óssea eram dependentes da dose bacteriana. O local mais comumente afetado pela artrite séptica foi o fêmur distal nos joelhos. A destruição óssea detectada pelo ?CT foi correlacionada positivamente com alterações histológicas na artrite séptica local e hematogênica. Os níveis séricos de IL-6 foram significativamente correlacionados com a gravidade da destruição das articulações. Coletivamente, nossos dados mostram que o ?CT é um método sensível para monitorar a progressão da doença e determinar a gravidade da destruição óssea em um modelo de artrite séptica do mouse; enquanto que a IL-6 é um potencial biomarcador de destruição óssea na artrite séptica. / Extracellular vesicles (EVs) are heterogeneous population of nano- and micro-sized vesicles secreted from almost every cell type. The process of EV secretion seems to be evolutionary conserved across the species kingdoms, ranging from simple prokaryotes to higher eukaryotes including bacteria, viruses, and parasitic protozoa such as leishmania and malarial parasites, fungi, plants and animals. Recent data suggests that Staphylococcus aureus (S. aureus) bacteria secretes EVs that could mediate host-pathogen interactions. EVs have been investigated in various bacterial species which modulate the secretion of immunoregulatory molecules such as cytokines and may have key role in infection. However, their role in S. aureus septic arthritis has not been explored yet. In current study, we postulate novel perspectives for the implementation of S. aureus-derived EVs in vitro as well as in vivo model of septic arthritis. EVs derived from S. aureus were applied to stimulate mice splenocytes in vitro as well as intra-articularly and the cytokine levels were measured. Our results showed that S. aureus derived EVs potentially provoke the production of proinflammatory cytokines. TNF-?, and IL-6 were significantly elevated in splenocytes in vitro after EV-based stimulation. Moreover, NMRI mice were injected with variable doses of EVs intraarticularly and mice were observed for 10 days to examine inflammation and development of septic arthritis. Bone and cartilage destruction was assessed by histochemistry analysis to score the joint erosion. Altogether, our results demonstrate the putative role of S. aureus-derived EVs in provoking inflammation and immunological responses suggesting that these vesicles could induce and disseminate systemic immune response during the development of septic arthritis.
3

Estudo sobre as respostas inflamatórias em modelo experimental de artrite séptica induzida por Staphylococcus aureus e suas vesículas / Study of inflammatory responses in experimental staphylococcal septic arthritis model induced by Staphylococcus aureus and extracellular vesicles

Fatima, Farah 06 March 2018 (has links)
A artrite séptica (AS), também chamada de artrite infecciosa, é uma doença inflamatória das articulações iniciada por um agente infeccioso. O agente causal mais comum da SA é Staphylococcus aureus (S. aureus). A patogênese da SA inclui uma resposta inflamatória complexa envolvendo sistema imune inato e adaptativo. As citocinas liberadas a partir de macrófagos, tais como TNF-?, IL-1? e IL-6, foram classicamente apontadas como os principais mediadores da inflamação grave que precede a destruição da cartilagem e osso e a disfunção articular permanente mediante a AS. A evidência radiológica está frequentemente presente, mas não diferencia o afrouxamento mecânico do septo das articulações. Portanto, se houver algum indício de suspeita de infecção, deve ser aspirado para avaliação microbiológica. Recentemente, as tecnologias de imagem como a micro tomografia computadorizada (?CT) foram amplamente utilizadas para modelos pré-clínicos de distúrbios articulares auto-imunes. No entanto, as características radiológicas da AS em camundongos ainda são amplamente desconhecidas. No estudo atual, os camundongos NMRI foram inoculados intravenosamente ou intra-articularmente com a cepas de S. aureus Newman ou LS-1. Os sinais radiológicos e clínicos da artrite séptica foram acompanhados durante 10 dias usando ?CT. Avaliamos as correlações entre alterações radiológicas conjuntas e sinais clínicos, alterações histológicas e níveis séricos de citocinas. Nos dias 5-7 após a infecção intravenosa, a destruição óssea verificada por ?CT tornou-se evidente na maioria das articulações infectadas. Os sinais radiológicos de destruição óssea eram dependentes da dose bacteriana. O local mais comumente afetado pela artrite séptica foi o fêmur distal nos joelhos. A destruição óssea detectada pelo ?CT foi correlacionada positivamente com alterações histológicas na artrite séptica local e hematogênica. Os níveis séricos de IL-6 foram significativamente correlacionados com a gravidade da destruição das articulações. Coletivamente, nossos dados mostram que o ?CT é um método sensível para monitorar a progressão da doença e determinar a gravidade da destruição óssea em um modelo de artrite séptica do mouse; enquanto que a IL-6 é um potencial biomarcador de destruição óssea na artrite séptica. / Extracellular vesicles (EVs) are heterogeneous population of nano- and micro-sized vesicles secreted from almost every cell type. The process of EV secretion seems to be evolutionary conserved across the species kingdoms, ranging from simple prokaryotes to higher eukaryotes including bacteria, viruses, and parasitic protozoa such as leishmania and malarial parasites, fungi, plants and animals. Recent data suggests that Staphylococcus aureus (S. aureus) bacteria secretes EVs that could mediate host-pathogen interactions. EVs have been investigated in various bacterial species which modulate the secretion of immunoregulatory molecules such as cytokines and may have key role in infection. However, their role in S. aureus septic arthritis has not been explored yet. In current study, we postulate novel perspectives for the implementation of S. aureus-derived EVs in vitro as well as in vivo model of septic arthritis. EVs derived from S. aureus were applied to stimulate mice splenocytes in vitro as well as intra-articularly and the cytokine levels were measured. Our results showed that S. aureus derived EVs potentially provoke the production of proinflammatory cytokines. TNF-?, and IL-6 were significantly elevated in splenocytes in vitro after EV-based stimulation. Moreover, NMRI mice were injected with variable doses of EVs intraarticularly and mice were observed for 10 days to examine inflammation and development of septic arthritis. Bone and cartilage destruction was assessed by histochemistry analysis to score the joint erosion. Altogether, our results demonstrate the putative role of S. aureus-derived EVs in provoking inflammation and immunological responses suggesting that these vesicles could induce and disseminate systemic immune response during the development of septic arthritis.

Page generated in 0.0697 seconds