• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 636
  • 24
  • 13
  • 6
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 1
  • 1
  • Tagged with
  • 685
  • 450
  • 449
  • 307
  • 224
  • 218
  • 47
  • 45
  • 44
  • 42
  • 40
  • 39
  • 39
  • 36
  • 35
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Germinação in vitro e embriogênese somática do híbrido de dendezeiro BRS manicoré (Elaeis guineensis (Jacq) x E. oleifera)

Bonetti, Keila Alves do Prado January 2015 (has links)
Orientadora : Profª. Drª. Marguerite Quoirin / Coorientador : Prof. Dr. Henrique Soares Koehler / Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Botânica. Defesa: Curitiba, 13/03/2015 / Inclui referências / Área de concentração : Estrutura e fisiologia / Resumo: A propagação natural do híbrido BRS Manicoré (E. guineensis x E. oleífera), é limitada, porque as sementes apresentam um endocarpo duro, demoram até um ano para germinar e tem baixas taxas de germinação (30%). Os objetivos desta pesquisa foram otimizar a germinação in vitro de embriões zigóticos (EZ) e obter embriões somáticos a partir de EZ e pela técnica de "thin cell layer" (TCL). Para a germinação, EZ foram inoculados nos meios de cultura MS (sais e vitaminas) com e sem NaH2PO4 e MS ½, N6 e Y3 (sais e vitaminas), este último adicionado ou não de NaH2PO4. No meio MS contendo NaH2PO4, a taxa de germinação foi aumentada de 40 a 68% em comparação com o meio sem fosfato. Na comparação entre os meios de cultura MS, MS ½, N6 e Y3, foram observados que 75% dos EZ cultivados no meio Y3 formaram plantas (raiz e parte aérea), diferindo estatisticamente dos outros meios de cultura (46; 35 e 17%). Para a embriogênese somática, foram utilizados EZ e TCLs da parte aérea de plântulas cultivadas in vitro. EZ foram cultivados em meios Y3 e MS suplementados com picloram ou 2,4-D (500 ?M) e, em outro experimento em meio Y3 adicionado ou não de 2,4-D (250, 500, 750 ?M) no escuro. Os calos formados foram transferidos para meio de multiplicação, contendo sais e vitaminas do meio Y3 100 ?M de 2,4-D ou picloram, e 7,9 ?M de BAP ou 2iP. Para a formação de calos embriogênicos e embriões somáticos (ES), os calos foram transferidos para meio Y3 suplementado ou não de 2,4-D (9 ou 27 ?M), 1000 ?M de putrescina e 0,5 g.L-¹ de carvão ativado (CA). ES foram obtidos no meio Y3 acrescido ou não de 2,4- D (9 ?M) + 1000 ?M de putrescina (em 37,16 e 43,3% dos calos, respectivamente) e 40% foram convertidos em plântulas no meio Y3 sem reguladores contendo 3% de sacarose, 2 g.L-1 de CA e 6 g.L-1 de ágar em condições de luz. Os TCLs basais da parte aérea foram cultivados primeiro no meio Y3 suplementado de 2,4-D (500 ou 800 ?M) e, em um segundo experimento, no meio Y3 com ou sem 2,4-D (250, 500, 800 ou 1000 ?M), no escuro. Nos dois experimentos, os meios foram adicionados de 2 g.L-¹ de CA, 3% de sacarose e 2,5 g.L-¹ de Gelzan. Para a formação de calos embriogênicos e ES, os calos foram cultivados no meio com 2,4-D (50 ou 100 ?M) ou sem acrescido de 100 ?M de putrescina e 0,5 g.L-¹ de CA. ES foram obtidos nestes meios, em 49 a 53% dos calos e 50% foram convertidos em plântulas no meio Y3 sem reguladores, com 2 g.L-¹ de CA em condições de luz. Conclui-se que EZ germinam melhor no meio de cultura Y3, desenvolvendo plantas com raiz e parte aérea. Para a embriogenêse somática a partir de EZ, o 2,4-D é eficiente para a formação de calos, já para a formação de ES não é necessária à adição do mesmo, quando o meio é acrescido de putrescina. A técnica do TCL basal é eficiente para a formação de calos e obtenção de ES no meio de cultura Y3. Palavras-chave: híbrido interespecífico, fosfato de sódio, putrescina, thin cell layer. / Abstract: The natural propagation of the interspecific hybrid of oil palm BRS Manicoré (E. guineensis x E. oleifera) is limited because the seeds have a hard core, take up to one year to germinate and have low germination rates (30%). The objectives of this study were to optimize the in vitro germination of zygotic embryos (EZ) and obtain somatic embryos from EZ and by the technique of Thin Cell Layer (TCL). For germination, EZ were inoculated in MS medium (salts and vitamins) with and without NaH2PO4, MS ½, N6 and Y3 (salts and vitamins) with or without added phosphate. In MS medium containing NaH2PO4, germination rate was increased from 40 to 68% in comparison with the medium without phosphate. Comparing the MS, MS ½, N6 and Y3 culture media, it was observed that 75% of zygotic embryos cultured in Y3 medium formed whole plants (roots and shoots), differing from the MS culture media, MS ½ and N6 (46, 35, and 17%). For somatic embryogenesis EZ and TCLs of shoots of in vitro plantlets were used. EZ were cultured in the dark on MS medium supplemented with Y3 and picloram or 2,4- D (500 ?M) and Y3 medium supplemented with 2,4-D (250, 500, 750 ?M) or without. The calluses were transferred to Y3 multiplication medium with 100 ?M auxin plus 7.9 ?M BAP or 2iP. In order to obtain embryogenic calluses and somatic embryos (ES), the calluses were transferred to Y3 medium supplemented or not with 9 or 27 ?M 2,4 -D, 1000 ?M putrescine and 0.5 g.L-¹ activated charcoal (AC). ES were obtained in Y3 medium with or without 2,4-D (9 ?M) + 1000?M putrescine (in 37.16 and 43.3% of these calluses, respectively) and 40% were converted into plantlets in the Y3 culture medium without regulators, containing 3% sucrose , 2g.L-1 AC and 6 g.L- 1 agar in the presence of light. TCLs of the shoot base were cultured in the dark, first in Y3 medium supplemented with 2,4-D (500 or 800 ?M ) and, in another experiment, in Y3 medium with or without 2,4-D (250, 500, 800 or 1000 ?M). In both experiments, the media were supplemented with 2 g.L-¹ AC, 3% sucrose, 2,5 g.L-¹ Gelzan. For the formation of embryogenic calluses and ES, the calluses were transferred to the same medium with or without 2,4-D (50 or 100 ?M) plus 100 ?M of putrescine and 0.5 g.L-¹ AC. ES were obtained in these media in 49-53% of the calluses, and 50% were converted into seedlings in Y3 medium without regulators, supplemented with 2 g.L-¹ AC in the presence of light. It is concluded that the germination of EZ is better (with development of shoot and primary root) on Y3 medium. For somatic embryogenesis from EZ, the 2,4-D is effective for inducing the formation of callus, but it is not necessary for the formation of somatic embryos when the medium contains putrescine. The TCL technique is effective for callus formation and formation of somatic embryos in Y3 medium. Keywords: interspecific hybrid, sodium phosphate, thin cell layer, putrescine.
2

Estudos biossistemáticos no complexo Anthurium augustinum K. Koch & Lauche (araceae)

Cardozo, Ana Paula January 2013 (has links)
Orientador : Prof. Dr. Eric de Camargo Smidt / Coorientadora : Profª Drª Lívia Godinho Temponi / Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Botânica. Defesa: Curitiba, 19/04/2013 / Inclui referências ao final de cada capítulo / Resumo: Araceae é caracterizada por sua inflorescência que compreende uma bráctea chamada espata e uma espiga denominada espádice. É uma família subcosmopolita e com maior diversidade nos trópicos. Anthurium é maior gênero de Araceae. A variação morfológica intraespecífica, comum dentro de Anthurium, combinada com a falta de informações geográficas e ecológicas de populações naturais, resulta na formação de complexos de espécies de difícil identificação. Um destes complexos foi abordado no presente estudo, o complexo Anthurium augustinum que inclui as espécies A. augustinum; A. hatschbachii, A. jureianum; A. laucheanum; A. lhotzkyanum; A. lucidum; A. maximiliani e A. parvum. Este conjunto de táxons é endêmico da Floresta Atlântica entre os estados do Rio de Janeiro e Santa Catarina. Apresentam alta variação morfológica intra e interespecífica, o que torna difícil a delimitação dos táxons. No capítulo um, utilizando a morfometria foliar, através da Análise Elíptica de Fourier (EFA) e análises multivariadas, indicamos a necessidade de revisão dos nomes aceitos atualmente. Os resultados das análises de agrupamento, CVA e MANOVA associados à taxonomia clássica indicam que A. laucheanum, A. lhotzkyanum e A. maximiliani são sinônimos de A. augustinum. No capítulo dois, acessamos a variabilidade e a estruturação genética das mesmas populações utilizando os marcadores ISSR. Os valores de heterozigosidade das populações (0,203 a 0,358) foram superiores aos encontrados em populações de espécies que apresentam as mesmas características biológicas. A Análise de Variância Molecular (AMOVA) apontou alta variação dentro das populações (75%) e baixa divergência entre as populações (25%). A análise Bayesiana indicou a ocorrência de oito grupos genéticos (K=8) em um gradiente geográfico. As relações fenéticas entre os pares de populações indicam que tanto a circunscrição dos táxons aceitos atualmente, e os padrões morfológicos evidenciados no capitulo um não refletem a totalidade da variação genética acessada. Contudo, os táxons Anthurium hatschbachii, A. jureianum, A. lucidum apresentaram diferenciação genética suficiente para serem indicadas como táxons válidos. Anthurium parvum apesar de não ser geneticamente diferenciado, é morfologicamente distinto dos demais táxons do complexo e sugerimos que seja mantido. Não foi possível visualizar a estruturação genética para sustentar a distinção dos táxons A. augustinum, A. maximiliani, A. laucheanum e A. lhotzkyanum. Isso corrobora com o que foi verificado na morfometria e, portanto sugerimos que os táxons Anthurium laucheanum, A. lhotzkyanum, A. maximiliani, sejam considerados como sinônimos de A. augustinum. Palavras-Chave: Morfometria, Análise Elíptica de Fourier, ISSR, variabilidade genética, Anthurium seção Urospadix Engl. / Abstract: Araceae is characterized by its inflorescence comprising a bract called spathe and a skipe called spadix. It is a sub-cosmopolitan family and the greatest diversity is found in the tropics. Anthurium Schott is a neotropical genus of Araceae with the largest number of species in the Americas. The intraspecific morphological variation is common within Anthurium, and combined with the lack of geographical and ecological information from natural populations, results in the formation of species complex of difficult identification. One of these complexes was addressed in this study, the complex Anthurium augustinum (A. augustinum; A. hatschbachii; A. jureianum; A. laucheanum; A. lhotzkyanum; A. lucidum; A. maximiliani and A. parvum). This set of taxa is endemic of the Atlantic Forest between the states of Rio de Janeiro and Santa Catarina. They have high intra and interspecific morphological variation, making it difficult the delimitation of taxa. On chapter one, using leaf morphometry through Elliptic Fourier Analysis (EFA) and multivariate analyzes, we indicate the need for revision of the currently accepted names. The results of cluster analysis, MANOVA and CVA associated with classical taxonomy indicate that A. laucheanum, A. lhotzkyanum and A. maximiliani should be synonymous with A. augustinum. On chapter two, we assessed the variability and genetic structure of these populations using ISSR. The values of heterozygosity of populations (0.203 to 0.358) were higher than those found in populations of species that have the same biological characteristics. Analysis of molecular variance (AMOVA) showed high variation within populations (75%) and low divergence among populations (25%). The Bayesian analysis indicated the occurrence of eight genetic groups (K = 8) in a geographical gradient. The phenetic relationships between pairs of populations indicate that both the currently accepted circumscription of taxa, and morphological patterns evidenced in chapter one does not reflect the totality of genetic variation accessed. However, the taxa Anthurium hatschbachii, A. jureianum, A. lucidum showed sufficient genetic differentiation to be appointed as valid taxa. Anthurium parvum despite not being genetically different is morphologically distinct from other taxa and we suggest the complex to be maintained. It was unable to visualize the genetic structure to sustain the distinction of taxa A. augustinum, A. maximiliani, A. laucheanum and A. lhotzkyanum. This corroborates with what was found in morphometry and therefore suggest that the taxa Anthurium laucheanum, A. lhotzkyanum, and A. maximiliani, are regarded as synonyms of A. augustinum. Keywords: Morphometrics, elliptic Fourier analysis, ISSR, genetic variability, Anthurium section Urospadix Engl.
3

Biogeografia do gênero Galeandra lindl. (Orchidaceae : Catasetinae) no neotrópico e estudo taxonômico para o estado do Paraná

Braga, Thuane Bochorny de Souza January 2015 (has links)
Orientador : Prof. Dr. Eric de Camargo Smidt / Coorientadora : Profª Drª Silvana Helena Nascimento Monteiro / Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Botânica. Defesa: Curitiba, 19/02/2015 / Inclui referências / Resumo: A região neotropical abriga a maior diversidade de espécies do planeta, contendo aproximadamente 37% de todas as plantas conhecidas atualmente. Explicar esta extraordinária diversidade tem sido um grande desafio, que requer identificar padrões de distribuição geográfica dos táxons e compreender quais processos podem ter influenciado sua diversificação. Galeandra Lindl. é um gênero de orquídeas neotropicais, que possui 18 espécies de forma de vida epífita ou terrícola. Suas espécies são reconhecidas pelas flores com labelo em forma de funil e calcar na base, sendo o gênero considerado monofilético com duas linhagens principais, um grupo de epífitas, associadas principalmente a região Amazônica e um grupo de espécies terrícolas, mais associadas às regiões de Cerrado. Esta dissertação teve como objetivo investigar os padrões de distribuição geográficos atuais e os processos envolvidos na história evolutiva de Galeandra e apresenta-se dividida em três capítulos: estudo dos padrões biogeográficos do gênero e sua conservação (Capítulo I); a história biogeográfica de Galeandra (Capítulo II) e a flora para o estado do Paraná (Capítulo III). A primeira parte deste estudo indicou que as áreas com maior riqueza e diversidade estão presentes no Brasil e três novas áreas de endemismo são indicadas na América Central, na Amazônia e no Cerrado. A situação de conservação do gênero é preocupante, já que 55,5% das espécies encontram-se em alguma categoria de ameaça. No segundo capítulo, contendo a datação molecular, a história evolutiva de Galeandra foi datada do Período Neógeno ao Quaternário e compartilha um ancestral comum das linhagens modernas no Mioceno Médio (~14.3 Ma). Os eventos biogeográficos que deram origem à diversificação das linhagens podem estar relacionados a eventos geológicos e climáticos como as mudanças nos padrões de drenagem da região amazônica, o fim dos sistemas de lagos, o desenvolvimento progressivo da "Diagonal de Formações Abertas Secas" e ao Istmo do Panamá. A análise de reconstrução de áreas ancestrais indicou que a diversificação de Galeandra parece estar relacionada à Amazônia, de onde o grupo se expandiu para o Cerrado, Mata Atlântica e posteriormente para a América Central. Na terceira e última parte desta dissertação o estudo taxonômico para o estado do Paraná, mostrou que o gênero está presente nas cinco unidades fitogeográficas do estado, sendo que das quatro espécies encontradas, três apresentaram-se em alguma categoria de ameaça. Palavras-chave: Biogeografia histórica, conservação, diversificação, distribuição geográfica, padrões de distribuição, endemismo, neotrópico, Orchidaceae, taxonomia. / Abstract: The Neotropics is the region with the greatest diversity of species on the planet and approximately 37% of all plants currently known. To explain this extraordinary diversity has been a major challenge, which requires identifying distribution patterns of taxa and understand which processes may have influenced their diversification. Galeandra Lindl. is a neotropical genus of orchid, which has 18 species of epiphytic or terrestrial plants. The genus are recognized by the flowers with lip-shaped funnel and calcar at the base. The genus is considered monophyletic with two main clades, a group of epiphytes mainly associated with Amazon and a group of terrestrial species more associated with savanna regions. This work aimed to investigate the current geographic distribution patterns, the processes involved in the evolution history of Galeandra and is composed by three chapters: study of Conservation and distribution patterns (Chapter I); the biogeographic history of Galeandra (Chapter II) and the flora for Paraná state (Chapter III). The first part of this study shows that the most richness and diversity areas are present in Brazil and three areas of endemism were identified: Central America, the Amazon and Cerrado. The species conservation situation is concerning, since 55.5% are in some category of threat. The second chapter, dealing with the molecular dating, Galeandra showed a evolutionary history from the Neogene Period to the Quaternary and the most common ancestor was reconstructed at Middle Miocene (~ 14.3 Ma). The biogeographic events that led to the diversification of lineages may be related to geological and climatic events such as the changes in drainage patterns in the Amazon region; the end of Amazonian lake systems; the progressive development of "Diagonal of Open Formations " and the Isthmus of Panama. The reconstruction analysis of ancestral areas indicated that the Galeandra's ancestral was probably Amazon, and several dispersals events led the group has expanded to Cerrado, Atlantic Forest and then to Central America. The third and final part of this dissertation contains the taxonomic study for Paraná state which presented G. beyrichii,, G. montana , G. paraguayensis e G. styllomisantha in the five phytogeographic units of the state, and three species were classified in some category of threat. Keywords: Biogeography history, conservation, diversification, distribution patterns, endemism, geographic distribution, neotropics, Orchidaceae, taxonomy.
4

Dinâmica de crescimento das espécies arbóreas de um manguezal no sul do Brasil

Alvarenga, Allan Maurício Sanches Baptista de January 2015 (has links)
Orientadora : Profª. Drª. Patrícia Soffiatti / Coorientador : Dr. Paulo César Botosso / Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Botânica. Defesa: Curitiba, 11/05/2015 / Inclui referências / Área de concentração : Anatomia e ecologia vegetal / Resumo: O presente estudo tem por objetivo investigar as relações entre o incremento em circunferência do tronco, a fenologia e as variáveis abióticas, de três espécies arbóreas representativas em uma área de manguezal na Baía de Guaratuba, PR. Durante 12 meses foram realizadas mensalmente leituras do incremento em circunferência do tronco das árvores e dos eventos fenológicos vegetativos e reprodutivos. Enquanto a temperatura máxima influencia diretamente a frutificação em Avicennia schaueriana, a mesma está fortemente relacionada à produção de folhas e à floração em Laguncularia racemosa e Rhizophora mangle, respectivamente. A precipitação mensal é significativamente relacionada à floração de R. mangle, mas não com as outras duas espécies, ou ainda a brotação foliar é correlacionada diretamente com a umidade do ar apenas em L. racemosa. O incremento em circunferência foi significativamente correlacionado aos eventos fenológicos apenas em A. schaueriana, às fenofases de brotação e senescência. Nenhuma variável abiótica apresentou correlação com esse evento para as outras duas espécies. Contudo, a maior taxa de incremento para as três espécies ocorre durante o período de maior temperatura e precipitação. Concluímos que a dinâmica de crescimento das espécies arbóreas desse ambiente compreende uma relação de interdependência entre os diversos fatores endógenos e abióticos, sendo a precipitação a variável determinante dos padrões fenológicos e de crescimento na área de estudo. Palavras chave: Avicennia, Dendrômetros, Fenofases, Laguncularia, Mangue, Rhizhopora / Abstract: The present study aimed to investigate the relationships between stem circumference growth, phenology and abiotic variables, of three tree species representatives of a mangrove in Guaratuba Bay, Southern Brazil. During 12 months we followed species circumference growth using dendrometer bands and vegetative and reproductive phenological events. While the maximum temperature influences directly the fruiting phenophase of Avicennia schaueriana, it is strongly related to the production of leaves and flowering in Laguncularia racemosa and Rhizophora mangle, respectively. Monthly precipitation is significantly related to the flowering phenophase of R. mangle, but not with the other two species. Leaves sprouting is correlated directly with air humidity only in L. racemosa. Stem circumference growth was significantly correlated with phenological events only in A. schaueriana, to the phenophases of leaves sprouting and senescence. No abiotic variable presented correlation to this event for the other two studied species. However, the highest rate of stem circumference increment for the three species occurred during the period of highest temperature and precipitation. We conclude that the growth dynamics of tree species in this environment comprises a relationship of interdependence between endogenous and abiotic factors where rainfall is a determinant variable for phenological and growth patterns in the study area. Keywords: Avicennia, Dendrometers, Phenophases, Laguncularia, Mangrove, Rhizhopora
5

Gesneriaceae Rich & Juss. ex DC. no estado do Paraná

Hinoshita, Lucas Katsumi Rocha January 2017 (has links)
Orientador : Prof. Dr. Renato Goldenberg / Coorientadora : Profª Drª Andrea Onofre de Araújo / Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Botânica. Defesa: Curitiba, 23/02/2016 / Inclui referências / Resumo: A família Gesneriaceae possui cerca de 150 gêneros contendo 3000 espécies, tem distribuição pantropical e monofiletismo comprovado por evidências morfológicas e moleculares. Para o Brasil são registrados cerca de 200 espécies, com maior diversidade para a região sudeste do país onde se concentram a maior parte dos trabalhos florísticos já feitos para o grupo. No Paraná, onde não foi feito ainda nenhum levantamento florístico para a família, foram encontrados 7 gêneros: Besleria (1), Codonanthe (3), Gloxinia (1), Napeanthus (2), Nematanthus (6), Seemannia (1) e Sinningia (23). A maioria das espécies habitam áreas de Floresta Atlântica, com menos espécies em campos ou cerrado. Tendo em vista sintetizar a informação taxonômica sobre a família Gesneriaceae no Paraná, nesta dissertação são apresentados dois capítulos. No primeiro são apresentadas descrições, chaves de identificação, dados de distribuição, floração e ilustrações das espécies de Besleria, Codonanthe , Gloxinia, Napeanthus, Nematanthus e Seemannia do estado. No segundo capítulo é apresentado tratamento semelhante, desta vez para as espécies de Sinningia ocorrentes no Paraná. Palavraschave: Columneinae, Ligeriinae, Nematanthus , Taxonomia, Sinningia. / Abstract: Gesneriaceae is a monophyletic family with about 150 genera and 3000 species, and pantropical distribution. In Brazil there are more than 200 species, with greater diversity to the southeast of the country, where most floristic tratments on the family have been done. In Paraná there are seven genres with native or naturalized species: Besleria( 1), Codonanthe (3), Gloxinia (1), Napeanthus (2), Nematanthus (6), Seemannia (1) and Sinningia (23). Most species inhabit Atlantic Forest areas, with fewer species in grasslands or cerrado. In order to synthethize taxonomic information about the Gesneriaceae in Parana, this dissertation provide a treatment in two chapters. In the first we present descriptions, identification keys, data on distribution and phenology, and illustrations for the species of Besleria, Codonanthe, Gloxinia, Napeanthus, Nematanthus and Seemannia. In the second chapter we have a similar treatment on the species of Sinningia occurring in Paraná. Keywords:Columneinae, Ligeriinae, Nematanthus , Taxonomy, Sinningia .
6

Gesneriaceae Rich & Juss. ex DC. no estado do Paraná

Hinoshita, Lucas Katsumi Rocha January 2017 (has links)
Orientador : Prof. Dr. Renato Goldenberg / Coorientadora : Profª Drª Andrea Onofre de Araújo / Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Botânica. Defesa: Curitiba, 23/02/2016 / Inclui referências / Resumo: A família Gesneriaceae possui cerca de 150 gêneros contendo 3000 espécies, tem distribuição pantropical e monofiletismo comprovado por evidências morfológicas e moleculares. Para o Brasil são registrados cerca de 200 espécies, com maior diversidade para a região sudeste do país onde se concentram a maior parte dos trabalhos florísticos já feitos para o grupo. No Paraná, onde não foi feito ainda nenhum levantamento florístico para a família, foram encontrados 7 gêneros: Besleria (1), Codonanthe (3), Gloxinia (1), Napeanthus (2), Nematanthus (6), Seemannia (1) e Sinningia (23). A maioria das espécies habitam áreas de Floresta Atlântica, com menos espécies em campos ou cerrado. Tendo em vista sintetizar a informação taxonômica sobre a família Gesneriaceae no Paraná, nesta dissertação são apresentados dois capítulos. No primeiro são apresentadas descrições, chaves de identificação, dados de distribuição, floração e ilustrações das espécies de Besleria, Codonanthe , Gloxinia, Napeanthus, Nematanthus e Seemannia do estado. No segundo capítulo é apresentado tratamento semelhante, desta vez para as espécies de Sinningia ocorrentes no Paraná. Palavraschave: Columneinae, Ligeriinae, Nematanthus , Taxonomia, Sinningia. / Abstract: Gesneriaceae is a monophyletic family with about 150 genera and 3000 species, and pantropical distribution. In Brazil there are more than 200 species, with greater diversity to the southeast of the country, where most floristic tratments on the family have been done. In Paraná there are seven genres with native or naturalized species: Besleria( 1), Codonanthe (3), Gloxinia (1), Napeanthus (2), Nematanthus (6), Seemannia (1) and Sinningia (23). Most species inhabit Atlantic Forest areas, with fewer species in grasslands or cerrado. In order to synthethize taxonomic information about the Gesneriaceae in Parana, this dissertation provide a treatment in two chapters. In the first we present descriptions, identification keys, data on distribution and phenology, and illustrations for the species of Besleria, Codonanthe, Gloxinia, Napeanthus, Nematanthus and Seemannia. In the second chapter we have a similar treatment on the species of Sinningia occurring in Paraná. Keywords:Columneinae, Ligeriinae, Nematanthus , Taxonomy, Sinningia .
7

Revisão taxonômica do gênero Ossaea DC. (Melastomataceae) no Brasil

Souza, Maria Leonor D'el Rei 05 December 2013 (has links)
Tese (doutorado) - Universidade de São Paulo, Instituto de Biociências, São Paulo, 1998. / Made available in DSpace on 2013-12-05T20:41:23Z (GMT). No. of bitstreams: 1 277535.pdf: 19721993 bytes, checksum: d02b48e300a7532e3e24e3d6f0f264e6 (MD5)
8

Revisão de Andropogon L. (Poaceae - Panicoideae - Andropogoneae) no Brasil

Zanin, Ana January 2001 (has links)
Tese (doutorado) - Universidade de São Paulo, Instituto de Biociências / Made available in DSpace on 2013-12-05T20:58:23Z (GMT). No. of bitstreams: 1 179135.pdf: 16780803 bytes, checksum: 5b3e9657332ff28ba82bd31b7fbe5401 (MD5) Previous issue date: 2001
9

Alterações citológicas durante a formação do aerênquima em raízes de Pistia stratiotes L.(Araceae)

Borges, Denisele Neusa Aline Flores January 2014 (has links)
Orientadora : Profª. Drª. Cleusa Bona / Coorientadora : Profª Drª Alexandra Antunes Mastroberti / Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Botânica. Defesa: Curitiba, 28/02/2014 / Inclui referências / Resumo: Os conceitos de esquizogenia e lisigenia, utilizados para descrever a origem do aerênquima em raízes de angiospermas, tem sido insuficientes para classificar os diversos padrões de aerênquima. A incongruência de informações na literatura evidencia a necessidade de estudos mais amplos que possam auxiliar na classificação dos padrões e no entendimento de sua funcionalidade. O objetivo deste trabalho foi analisar o aerênquima das raízes de Pistia stratiotes L., a fim de esclarecer sua origem e estrutura das células envolvidas na formação das cavidades. Para microscopia de luz, as raízes foram fixadas com solução Karnovsky, incluídas em resina hidroxietilmetacrilato e coradas com azul de toluidina. Para Microscopia Eletrônica de Transmissão (MET) e imunocitoquímica, as amostras foram fixadas com uma solução de glutaraldeído 1%, formaldeído 4% em tampão fosfato de sódio, pós-fixadas com tetróxido de ósmio e incluídas em resina LRWhite®. Para MET, as grades com secções (60nm) foram contrastadas com acetato de uranila e citrato de chumbo. Para imunocitoquímica, as secções (500nm) foram submetidas as incubações com anticorpos monoclonais para detecção de diferentes glicanos de parede celular. O córtex externo é parenquimático e oriundo da camada subjacente à protoderme. O aerênquima na raiz de P. stratiotes é formado na região interna do córtex a partir de divisões periclinais da pró-endoderme. As lacunas de ar são formadas pela separação, divisão e distensão das células dispostas radialmente no córtex interno. As células formadoras do aerênquima apresentam parede, tonoplasto, núcleo e organelas com aparência normal. Os compostos pécticos e hemicelulósicos analisados provavelmente não tem uma ligação direta com a separação celular. O aerênquima das raízes de P. stratiotes é esquizógeno do tipo radial. Palavras-chave: ontogênese, imunocitoquímica, alface d’água, aerênquima esquizógeno. / Abstract: The concepts of schizogeny and lysogeny used to describe the origin of aerenchyma in roots of angiosperms have been insufficient to categorize the several aerenchyma patterns. The inconsistency of data in the literature highlights the need for further studies that can assist in the classification of patterns and understanding of its functionality. The objective this study is to analyze the aerenchyma in roots of Pistia stratiotes L. (Araceae) to describe their origin and structure of the cells involved in the formation of cavities. For anatomical aspects, roots were fixed in Karnovsky solution, embedded in methacrylate resin and stained with toluidine blue. For ultrastructural and immunocytochemistry studies, samples were fixed in a 1 % glutaraldehyde and 4% formaldehyde in sodium phosphate buffer solution, post-fixed with osmium tetroxide and embedded in resin LRWhite. Grids were counterstained with uranyl acetate and lead citrate. Immunocytochemical sections (500nm) were subjected to incubation with monoclonal antibodies to the detection of cell wall glycans. The outer cortex of the root is parenchymatous and derived from the underlying layer protoderm. The periclinal divisions of the proendoderm originate the aerenchyma in the inner region of the cortex. These air spaces develop through the separation, division and distension of cortical cells arranged radially in the inner cortex. Cells of the aerenchyma show tonoplast, nucleus and organelles with normal appearance. The pectic and hemicellulosic compounds analyzed seem not to be directly involved with the cell separation. The aerenchyma of roots of P. stratiotes is schizogenous the radial type. Keywords: ontogeny, immunocytochemistry, water lettuce, schizogenous aerenchyma.
10

Anatomia do caule de Merianthera burlemarxii Wurdack (Melastomataceae)

Ziemmer, Juliana Klostermann January 2016 (has links)
Orientador : Profª. Drª. Erika Amano / Coorientador : Prof. Dr. Renato Goldenberg / Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Botânica. Defesa: Curitiba, 29/11/2016 / Inclui referências : f. 37-45 / Resumo: Merianthera burlemarxii Wurdack (Melastomataceae) é um arbusto endêmico de afloramentos rochosos no leste do Brasil, e sujeita a temperaturas extremas e déficit hídrico. As plantas apresentam caules fistulosos que são finos na base e espessos no ápice. O caule de fistuloso foi mencionado como uma adaptação (domácia caulinar) relacionada à associação mutualística com formigas (mirmecofitismo). A fim de elucidar os aspectos adaptativos na história de vida de M. burlemarxii, ou seja, se estas adaptações estão relacionadas com a sobrevivência sob condições adversas ou à associação com formigas, descrevemos sua anatomia caulinar, com foco no desenvolvimento do caule e na morfogênese das fístulas. Secções seriadas foram feitas a partir do ápice até a base; também foram realizados testes histoquímicos, maceração, microscopia de fluorescência e microscopia eletrônica de varredura. Não encontramos características anatômicas que normalmente estão relacionadas ao mirmecofismo, tais como prostomas, tecidos de cicatrização, medula heterogênea e recompensas alimentares. Por outro lado, existem várias características que sugerem estratégias adaptativas relacionadas a ambientes secos, que podem incluir a formação de fístulas. A medula ocupa cerca de ¾ do volume do caule, com vasta reserva de água e amido, e também compostos fenólicos; feixes vasculares ocorrem nas regiões nodais da medula. Antes do desenvolvimento da primeira fístula, há uma diminuição no volume das células da medula, e suas paredes tornaram-se onduladas, aumentando o tamanho dos espaços intercelulares. As fístulas começam a aparecer no 9º entrenó, onde algumas células se separam e dão origem a pequenas fendas. As células que circundam as fístulas estão vivas, (isto é, com núcleo), apesar do volume reduzido. Parece que as reservas armazenadas na medula podem ser usadas durante períodos secos, resultando em uma diminuição no volume das células e consequentemente originando as fístulas. Os feixes vasculares medulares permitem que a planta utilize efetivamente os recursos armazenados na medula. As células da periferia das fístulas estão vivas, apesar da redução de volume, o que indica que estas células podem armazenar água novamente. Este é o primeiro registro de uma espécie xerófita de Melastomataceae com tais características anatômicas no caule. Palavras-chave: Mirmecófitas. Estresse hídrico. Inselbergues. Feixes medulares. Pontoações guarnecidas. / Abstract: Merianthera burlemarxii Wurdack (Melastomataceae) is a shrub endemic to granitic inselbergs in eastern Brazil, and subject to extreme temperature and water availability ranges. The plants have fistulose branches that are thin at the bases and wider at the apex. The fistulose stem has already been mentioned as an adaptation (caulinar domatia) related to mutualistic association with ants (myrmecophytism). In order to elucidate adaptive aspects in M. burlemarxii?s life history, i.e., whether these adaptations are related to survival under harsh conditions or to association with ants, we describe its caulinar anatomy, focusing on stem development and the morphogenesis of the fistulae. Serial sections were made from the apex to the base; were also made histochemical tests, maceration, fluorescence and scanning electronic microscopy analysis. We did not find any anatomical characters that are usually related to myrmecophytism, such as prostomas, wound tissues, heterogeneous pith and food bodies. On the other hand, there are several features that suggest adaptive strategies related to dry environments, and that may include the formation of the fistulae. The pith occupies about ¾ of the stem volume, with a vast reserve of water and starch, and also phenolic compounds; medullary vascular bundles occur at the nodal regions of the pith. Before the development of the first fistulae, there is a decrease in the pith cells volume, and their walls became undulated, increasing the size of the the intercellular spaces. The fistulae start to appear at the 9th internode, where some cells become separated and give rise to small slits. The cells surrounding the fistulae are alive (i.e., with nuclei), despite the reduced volume. It seems that the reserves stored in the pith may be used during dry periods, resulting in a decrease in the cells volume and consequently originating the fistulae. The medullary vascular bundles allows the plant to exploit the resources allocated in the pith. The cells on the periphery of the fistulae are alive, despite volume reduction, which indicates that these cells may store water again. This is the first record of a xerophytic species of Melastomataceae with such caulinar anatomical features. Key-words: Myrmecophytes. Hydric stress. Inselbergs. Medullary bundles. Vestured pits.

Page generated in 0.0552 seconds