• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 5952
  • 215
  • 215
  • 212
  • 211
  • 197
  • 99
  • 68
  • 68
  • 33
  • 17
  • 17
  • 11
  • 10
  • 9
  • Tagged with
  • 6185
  • 2603
  • 2545
  • 2387
  • 1224
  • 1134
  • 1112
  • 1108
  • 1034
  • 1005
  • 971
  • 921
  • 882
  • 870
  • 858
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Análise constrativa dos sistemas fonológicos do japonês e do português : subsídios para o ensino de japonês para falantes do português do Brasil

Joko, Alice Tamie January 1987 (has links)
Dissertação (Mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Expressão e Comunicação, Departamento de Linguística, Línguas Clássicas e Vernácula, 1987. / Submitted by Guimaraes Jacqueline (jacqueline.guimaraes@bce.unb.br) on 2011-11-18T12:05:24Z No. of bitstreams: 1 1987_AliceTamieJoko.pdf: 3000296 bytes, checksum: 6dd5e8e17f9306e879a82f3ee2008029 (MD5) / Approved for entry into archive by Guimaraes Jacqueline(jacqueline.guimaraes@bce.unb.br) on 2011-11-18T12:05:51Z (GMT) No. of bitstreams: 1 1987_AliceTamieJoko.pdf: 3000296 bytes, checksum: 6dd5e8e17f9306e879a82f3ee2008029 (MD5) / Made available in DSpace on 2011-11-18T12:05:51Z (GMT). No. of bitstreams: 1 1987_AliceTamieJoko.pdf: 3000296 bytes, checksum: 6dd5e8e17f9306e879a82f3ee2008029 (MD5) / Este trabalho compoe-se de três partes: a primeira é uma descrição dos sistemas fonológicos do japonês e do portuuês seguida de uma analise contrastiva destes dois sistemas; a segunda e um levantamento, através de testes de percepção e articulação, das principais dificuldades que os falantes do português do Brasil apresentam ao estudar o japonês; a terceira é a averiguação das possíveis interferências do sistema fonológico da língua materna na aprendizagem do japonês por falantes do português do Brasil relacionando o resultado da segunda parte com a análise contrastiva feita na primeira parte. A descrição dos sistemas fonológicos e a analise contrastiva do japonês e do português nos permitiram estabelecer as semelhanças e as diferenças existentes entre as duas línguas em questão. Os levantamentos feitos com informantes, estudantes de japonês, mostraram-nos que as dificuldades que persistem neles após a fase iniciai da aprendizagem estão diretamente relacionadas aos fatos supra-seguimentais de acento e duração. Como conclusão, um falante de língua portuguesa que deseja dominar o padrão da língua japonesa aceito por falantes nativos desta, terá que habituar-se a utilizar o acento musical, a duração e a mora como traços constitutivos da palavra e a entoação como elemento constitutivo da frase. _______________________________________________________________________________ ABSTRACT / The study that follows is presenteei in three parts. Firstly, a description of the phonological systems of the Japanese and. Portuguese languages is made followed by a contrastive analysis of these two systems. Secondly, resorting to perception and larticulations tests, a survey of the main difficulties that face JBrazilian Portuguese speakers as they try to learn Japanese is presented. Thirdly, an investigation of the possible interferences that the mother tongue can bring about in the learning of Japanese by Portuguese speakers is made and at the same time it is established a comparison between the results of the second part above and the ontrastive analysis of the first part. The description of the phonological systems and the contrastive analysis made it possible to establish similarities and differences between Brazilian Portuguese and Japanese. The survey using students of Japanese as subjects showed that the difficulties that remain after the first initial learning stages are directly related to suprasegmental phenomena such as stress and length. Therefore, the conclusion is that a Portuguese speaker desiring to mas ter the Japanese accepted by native speakers will have to acquire the habit of using musical stress, length and mora as essential features of the word and intonation as essential elements of the phrase.
2

Investigating lexical access in multilinguals

Toassi, Pâmela Freitas Pereira January 2016 (has links)
Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-Graduação em Inglês: Estudos Linguísticos e Literários, Florianópolis, 2016. / Made available in DSpace on 2016-12-13T03:10:26Z (GMT). No. of bitstreams: 1 342978.pdf: 2454590 bytes, checksum: 5029e5a16857d53c82bdc747622c1c4e (MD5) Previous issue date: 2016 / Abstract : The interaction of two or more languages in the bilingual/multilingual brain may influence lexical access during language comprehension and production. The present study investigated lexical access of trilingual speakers of Brazilian Portuguese, German and English in three experiments dealing with language comprehension and production. The thesis of the present study is that lexical access of multilinguals is qualitatively different from that of bilinguals and monolinguals. More specifically, the present study has the following objectives: (1) to investigate which cognates are more facilitative in the comprehension of English as a target language, double cognates (between English and German, and English and Brazilian Portuguese) or triple cognates (among English, German, and Brazilian Portuguese), (2) to investigate how lexical access is influenced by cognates among German, English and Brazilian Portuguese in the oral production of English, and (3) to investigate if there is a difference in the semantic priming effect when presented in the native (Brazilian Portuguese), non-native (German) or target language (English) for bilingual and trilingual speakers. There were 56 participants who took part in the present study, which were divided into the following groups: (1) native speakers of English ? the L1G, (2) native speakers of Brazilian Portuguese with English as the L2 ? the L2G, and (3), native speakers of Brazilian Portuguese, with German as the L2 and English as the L3 ? the L3G. Participants took part in an experimental session which consisted of three experiments: (1) an eye-tracking experiment with a sentence comprehension task containing cognates among the participants? three languages, (2) a narrative oral production experiment, in which there were pictures that represented cognate words in the participants? three languages, and (3) a cross-language priming experiment, in which participants had to name pictures (which were preceded by a masked prime, which was the name of the word in English, German or Brazilian Portuguese) in English, as fast and accurately as possible. The results of the three experiments of the present study showed that for the participants from the L3G, triple cognates facilitated the comprehension of English sentences, whereas the prime word in German caused an increase in reaction time. The results of the present study were interpreted as evidence of non-selective lexical access as well as of a common lexical storage for the trilinguals? languages. Nevertheless, an asymmetry in trilingual lexical organization is proposed, where links L1-L2, L1-L3 are stronger than links L2-L3. The thesis that lexicalaccess of trilinguals is qualitatively different from that of bilinguals was supported by the findings of the present study. The present study contributed with new data to the discussion regarding the multilingual lexicon, with a new language combination Brazilian Portuguese-German-English, in the Brazilian context.<br> / A interação de duas ou mais línguas no cérebro bilíngue/multilíngue pode influenciar o acesso lexical durante a compreensão e a produção da linguagem. O presente estudo investigou o acesso lexical de trilíngues falantes de português brasileiro, alemão e inglês em três experimentos envolvendo a compreensão e a produção da linguagem. A tese apresentada no presente estudo é de que o acesso lexical de multilíngues é qualitativamente diferente daquele de bilíngues e monolíngues. Mais especificamente, o presente estudo tem os seguintes objetivos: (1) investigar quais cognatos facilitam mais a compreensão do inglês como língua alvo, se cognatos duplos (entre o inglês e o alemão, e, entre o inglês e o português) ou triplos (entre o inglês, o alemão, e o português), (2) investigar como o acesso lexical é influenciado por cognatos entre o alemão, o inglês e o português na produção oral de inglês, e (3) investigar se há diferença no efeito de priming semântico quando apresentado na língua materna (português), na língua não-materna (alemão) ou na língua alvo (inglês) para falantes bilíngues e trilíngues. O presente estudo contou com 56 participantes, os quais foram divididos nos seguintes grupos: (1) falantes nativos de inglês o L1G, (2) falantes nativos de português brasileiro com inglês como L2 o L2G, e (3) falantes nativos de português brasileiro, com alemão como L2 e inglês como L3 o L3G. A seção experimental consistiu de três experimentos: (1) um experimento de rastreamento ocular com uma tarefa de compreensão de sentenças contendo cognatos entre as três línguas dos participantes, (2) um experimento de produção oral de narrativa, na qual haviam figuras que representavam palavras cognatas nas três línguas dos participantes, e (3) um experimento de priming interlinguístico, no qual participantes tinham que nomear figuras (as quais eram precedidas por um prime mascarado, que podia ser o nome da palavra em inglês, em alemão ou em português) em inglês, o mais correto e rapidamente possível. Os resultados dos três experimentos do presente estudo mostraram que para os participantes do grupo L3, cognatos triplos facilitaram a compreensão das sentenças em inglês, enquanto que o prime em alemão causou um aumento no tempo de reação. Os resultados do presente estudo são interpretados como evidência de acesso lexical não-seletivo bem como de um armazenamento integrado para as três línguas do trilíngue. Com base nesses resultados, propõe-se uma assimetria na organização lexical do trilíngue, onde os links L1-L2, L1-L3 são mais fortes que os links L2-L3. A tese de que o acesso lexical de trilíngues é qualitativamente diferente daquele de bilíngues foi confirmada pelos resultados do presente estudo, o qual contribuiu com novos dados para a discussão sobre o léxico multilíngue, com uma nova combinação linguística, português brasileiro-alemão-inglês, no contexto brasileiro.
3

Roteiros culturais, frames e metáforas conceituais : abordagens para o estudo da unidade/diversidade linguistica/cultural dos falantes da língua espanhola

Alvarez, Alba Elena Escalante 28 March 2009 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Letras, Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução, 2009. / Submitted by Larissa Ferreira dos Angelos (ferreirangelos@gmail.com) on 2010-02-26T20:16:06Z No. of bitstreams: 1 2009_AlbaElenaEscalanteAlvrez.pdf: 652986 bytes, checksum: 6fd530bdc8d3f9f9814d33e652e02a15 (MD5) / Approved for entry into archive by Lucila Saraiva(lucilasaraiva1@gmail.com) on 2010-02-26T22:36:29Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2009_AlbaElenaEscalanteAlvrez.pdf: 652986 bytes, checksum: 6fd530bdc8d3f9f9814d33e652e02a15 (MD5) / Made available in DSpace on 2010-02-26T22:36:29Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2009_AlbaElenaEscalanteAlvrez.pdf: 652986 bytes, checksum: 6fd530bdc8d3f9f9814d33e652e02a15 (MD5) Previous issue date: 2009-03-28 / Esta pesquisa tem como objetivo analisar as estratégias de comunicação de um grupo de hispânicos de origens diversas. Para isso, convencionamos definir as estratégias de comunicação como recursos utilizados nos intercâmbios face a face para dar significado ao que se deseja expressar. Dada a abrangência da idéia, essas estratégias são definidas em termos de unidades de análise delimitadas pelos seguintes modelos teóricos: Roteiros Culturais, Frames e Metáforas Conceituais. Esta escolha permite delinear o complexo conformado por língua, cultura e pensamento, numa perspectiva empírica que proporciona o marco para o estudo da unidade/diversidade lingüístico/cultural característica dos falantes da língua espanhola. Trata-se de um estudo qualitativo descritivo e de um estudo de caso. Os dados foram coletados por meio de questionários e entrevistas. Os participantes pertencem a quatro das oito áreas geolectais do espanhol (andaluza, andina, caribenha e castelhana). Os resultados evidenciam diferentes níveis de unidade/diversidade lingüístico/cultural que podem ser distribuídos em um contínuo que vai da homogeneidade até a heterogeneidade. As maiores coincidências foram observadas, por um lado entre os participantes das regiões andina e caribenha, e por outro, entre os da região andaluza e castelhana. Surgem da análise traços de contraste que possuem substratos tanto individuais quanto coletivos e tomam formas diversas (idéias, ações, sentimentos, valores, etc.), desta forma confirmamos a efetividade destes modelos teóricos na abordagem dos fenômenos em questão, e a utilidade dos mesmos para desenvolver propostas de aplicação de conteúdos socioculturais no ensino/aprendizagem do espanhol como língua estrangeira. ________________________________________________________________________________________ ABSTRACT / This study aims to analyze communications strategies of a group of Hispanics of different origins. For that purpose, we define communications strategies as resources used in face to face encounters to give meaning to what we want to express. These are broken down into analytical units based on the following theoretical models: cultural scripts, frames, and conceptual metaphors. This choice allows us to outline the relationship between language, culture and thought with an empirical perspective that offers a framework to study the diversity of language and culture of Spanish speakers. The data for this case study was obtained through questionnaires and interviews with representatives of four of the eight linguistic categories of Spanish: Andalusian, Andean, Caribbean, and Castillian. The results show varying degrees of cultural and linguistic homogeneity. The largest similarities were between speakers from the Andean and Caribbean region on the one hand, and the Andalusian and Andean on the other. The study also shows traces of individual and cultural differences such as ideas, actions, sentiments, values, etc. This confirms the usefulness of these theoretical models in studying the subject and in developing proposals to apply socio-cultural content in teaching Spanish as a foreign language.
4

Língua estrangeira moderna no vestibular : que conhecimento lingüístico é exigido nas provas de língua espanhola?

Fraga, Sandra Madalena da Rocha January 2001 (has links)
Este trabalho desenvolve-se na área da Lingüística Aplicada ao Ensino do Espanhol como Língua Estrangeira. O propósito é o de examinar as provas de espanhol dos vestibulares de três Instituições de Ensino Superior de Porto Alegre e Grande Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, no período compreendido entre os anos de 1996 a 2000, para depreender delas o tipo de conhecimento lingüístico exigido do candidato. Empregamos como base metodológica a avaliação formativa, com enfoque qualitativo na interpretação das informações e quantitativo na coleta e exposição dos dados, resultando em um quadro descritivo da realidade das provas examinadas. O estudo caracteriza-se como exploratório, sem levantamento de hipóteses. A falta de pesquisas sobre as provas de espanhol nos vestibulares, e de literatura específica sobre o assunto resultou na busca de uma base teórica que desse suporte a uma análise clara e ajustada ao objetivo. Teóricos clássicos como Saussure (1974), Bloom (1983) até autores contemporâneos como Ortega Olivares (1990), Orlandi (1987) e Wiggins e McThige (1998) constituíram o referencial teórico do trabalho. A análise das provas de espanhol foi organizada tendo em vista os conceitos de Orlandi sobre tipos de discurso, o de Wiggins e MacThige sobre os tipos de perguntas de compreensão e de Ortega Olivares sobre o conceito de gramática. Os resultados apontam para a presença dos discursos autoritário, lúdico e polêmico com a predominância desse último. As perguntas de unidade preponderam sobre as do tipo essencial e o conhecimento gramatical, em grande parte, ainda de base estruturalista indicam que uma nova postura deva ser adotada em relação à elaboração das provas de vestibular e à abordagem do conteúdo.
5

Língua estrangeira moderna no vestibular : que conhecimento lingüístico é exigido nas provas de língua espanhola?

Fraga, Sandra Madalena da Rocha January 2001 (has links)
Este trabalho desenvolve-se na área da Lingüística Aplicada ao Ensino do Espanhol como Língua Estrangeira. O propósito é o de examinar as provas de espanhol dos vestibulares de três Instituições de Ensino Superior de Porto Alegre e Grande Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, no período compreendido entre os anos de 1996 a 2000, para depreender delas o tipo de conhecimento lingüístico exigido do candidato. Empregamos como base metodológica a avaliação formativa, com enfoque qualitativo na interpretação das informações e quantitativo na coleta e exposição dos dados, resultando em um quadro descritivo da realidade das provas examinadas. O estudo caracteriza-se como exploratório, sem levantamento de hipóteses. A falta de pesquisas sobre as provas de espanhol nos vestibulares, e de literatura específica sobre o assunto resultou na busca de uma base teórica que desse suporte a uma análise clara e ajustada ao objetivo. Teóricos clássicos como Saussure (1974), Bloom (1983) até autores contemporâneos como Ortega Olivares (1990), Orlandi (1987) e Wiggins e McThige (1998) constituíram o referencial teórico do trabalho. A análise das provas de espanhol foi organizada tendo em vista os conceitos de Orlandi sobre tipos de discurso, o de Wiggins e MacThige sobre os tipos de perguntas de compreensão e de Ortega Olivares sobre o conceito de gramática. Os resultados apontam para a presença dos discursos autoritário, lúdico e polêmico com a predominância desse último. As perguntas de unidade preponderam sobre as do tipo essencial e o conhecimento gramatical, em grande parte, ainda de base estruturalista indicam que uma nova postura deva ser adotada em relação à elaboração das provas de vestibular e à abordagem do conteúdo.
6

As categorias de avaliação da produção textual no discurso do professor

Marcuschi, Elizabeth January 2004 (has links)
Made available in DSpace on 2014-06-12T18:34:19Z (GMT). No. of bitstreams: 2 arquivo8271_1.pdf: 2772132 bytes, checksum: 7ccfb7b77d8642f71ad0449cf2ced279 (MD5) license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) Previous issue date: 2004 / Universidade Federal de Pernambuco / Nas reflexões desenvolvidas neste estudo partimos da suposição de que os parâmetros da avaliação escolar são socialmente construídos e historicamente situados. Consideramos também que o ensino e a avaliação da língua materna no espaço escolar devem ocupar-se essencialmente dos aspectos interativos, cognitivos e discursivos da língua. Admitidos esses fundamentos, questionamos: Como são construídas pelo professor de língua as categorias com as quais ele opera na avaliação dos textos escritos por seus alunos, ou seja, quais são e como são tratados os fenômenos lingüísticos selecionados pelo docente, quando da elaboração de categorias avaliativas? O interesse do nosso estudo volta-se, portanto, para o processo de produção e seleção, pelo professor, das categorias que determinam o valor do texto do aluno, a conhecida redação, e apóia-se predominantemente nas concepções teóricas advindas da Lingüística Cognitiva de base sócio-interacional, articulando a elas contribuições provenientes da Análise do Discurso e da Lingüística de Texto. Concluímos que as categorias avaliativas são interativamente construídas e estabilizadas para fins práticos, adquirindo saliência, nesse processo, os valores lingüísticos inspirados em um modelo monológico (não-dialógico) de redação
7

Língua estrangeira moderna no vestibular : que conhecimento lingüístico é exigido nas provas de língua espanhola?

Fraga, Sandra Madalena da Rocha January 2001 (has links)
Este trabalho desenvolve-se na área da Lingüística Aplicada ao Ensino do Espanhol como Língua Estrangeira. O propósito é o de examinar as provas de espanhol dos vestibulares de três Instituições de Ensino Superior de Porto Alegre e Grande Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, no período compreendido entre os anos de 1996 a 2000, para depreender delas o tipo de conhecimento lingüístico exigido do candidato. Empregamos como base metodológica a avaliação formativa, com enfoque qualitativo na interpretação das informações e quantitativo na coleta e exposição dos dados, resultando em um quadro descritivo da realidade das provas examinadas. O estudo caracteriza-se como exploratório, sem levantamento de hipóteses. A falta de pesquisas sobre as provas de espanhol nos vestibulares, e de literatura específica sobre o assunto resultou na busca de uma base teórica que desse suporte a uma análise clara e ajustada ao objetivo. Teóricos clássicos como Saussure (1974), Bloom (1983) até autores contemporâneos como Ortega Olivares (1990), Orlandi (1987) e Wiggins e McThige (1998) constituíram o referencial teórico do trabalho. A análise das provas de espanhol foi organizada tendo em vista os conceitos de Orlandi sobre tipos de discurso, o de Wiggins e MacThige sobre os tipos de perguntas de compreensão e de Ortega Olivares sobre o conceito de gramática. Os resultados apontam para a presença dos discursos autoritário, lúdico e polêmico com a predominância desse último. As perguntas de unidade preponderam sobre as do tipo essencial e o conhecimento gramatical, em grande parte, ainda de base estruturalista indicam que uma nova postura deva ser adotada em relação à elaboração das provas de vestibular e à abordagem do conteúdo.
8

A terapeutica cirurgica nos cancerosos operáveis da lingua

Rego, Alfredo de Almeida January 1923 (has links)
No description available.
9

Alguns operadores de agulhagem comunicativa (na prosa narrativa de Eça de Queirós e José Cardoso Pires)

Duarte, Isabel Margarida January 1989 (has links)
No description available.
10

Standard e substandard do alemão em contato com o português : variação na competência de fala em hochdeutsch de falantes de hunsrückisch

Machado, Lucas Löff January 2016 (has links)
Die vorliegende Masterarbeit betrifft das Thema der Präsenz des Hochdeutschen (Hdt.) in der linguistischen oralen Kompetenz von Gemeinschaften des Hunsrückischen (Hrs.) als brasilianische Einwanderersprache neben dem Portugiesischen und Spanischen in Brasilien und teils von Argentinien und Paraguay. Diese Gemeinschaften gehören zum Netz des Sprachkontaktatlas der deutschen Minderheiten im Rio de la Plata-Beckenojektes: Hunsrückisch (ALMA-H). Dieses Thema geht davon aus, dass Studien in der letzten Zeit ihren Blick auf die Standard Achse im Kontakt mit dem Hrs.gerückt haben (cf. ALTENHOFEN, 2016, no prelo). Durch die Nationalisierung des Portugiesischen, v. a. in der Diktatur (cf. Estado-Novo, 1937-1945) und durch den Mangel am Gebrauch des Hdt. nach dem zweiten Weltkrieg, hat sich der Glaube und der Stereotyp verbreitet, dass die Kompetenz der Sprecher auf den Dialekt als abweichende Varietät beschränkt sei. Es scheint in neuerer Zeit einen Aufruf zum Gebrauch der Standardsprache zu geben (z. B. Deutschunterricht in der Schule und die Nutzung von Internet und Fernsehen). Außerdem ist weiter festzustellen, dass das Hdt. in dem Bereich der Religion genutzt wird. Mit Rücksicht auf diese und andere historische Aspekte haben wir die folgende Frage in den Mittelpunkt der Forschung gestellt: Inwiefern ist das Hdt. als linguistische Kompetenz in diesen Gemeinschaften existent? Ziel dieses Beitrags ist dabei zu analysieren, inwieweit das Hdt. in der Sprachkompetenz hunsrückischer Sprecher präsent ist, wobei die Parameter Raum, Alter und Schulniveau berücksichtigt werden. Die verwendeten Daten integrieren die Datenbank des ALMA-H Projektes. Als grundlegende Theorie werden die Prinzipien der Pluridimensionalen Dialektologie (RATDKE & THUN, 1998), deren Dimension die diatopische (41 Punkte), diagenerationale (ab 55 Jahren [GII] vs. zwischen 18 und 36 Jahren [GI]) und diastratische (Obere [Ca] und niedrige Schulniveau [Cb]) ausgewählt wurden. Über die drei Dimensionen hinaus werden auch die diarreligiöse (Katholiken vs. Evangelischen) und die diarreferentiale Dimension (metasprachliche Kommentare) beobachtet. Die bisherigen Ergebnisse weisen darauf hin, dass (1) die Einwanderer westlich der Alten Kolonien (nach 1850), (2) die Gruppe GII (in der trotz allem ein Kompetenzverlust im Hdt. festzustellen ist) und (3) die Gruppe Ca mit höherem Sprachniveau, in denen der Unterricht auf Deutsch bereits wieder aufgenommen wurde, die gröten Kenntnisse im Hdt. haben. Unter den Evangeliken lassen sich mehr Merkmale der Standardvarietät im Vergleich zu den Katholiken festzustellen. Andere Faktoren, die besser erforscht werden müssen, sind die Wahrnehmung, sowie die Salienz von spezifischen Marken (z. B. Umlaute; /a/ Verdumpfung bei Hahn [pt. 'galo']. Darüber hinaus lässt sich festhalten, dass der Kontakt zwischen Standard und Substandard bzw. Varietät unter dem Einfluss von vielfältigen soziologischen und linguistischen Faktoren steht. Dies widerspricht unter anderem dem monolinguistischen Glauben, dass nur der falsche Dialekt in diesem Raum gesprochen wird. / A presente dissertação de mestrado tem como tema a presença do Hochdeutsch (Hdt.) na competência linguística oral de comunidades falantes de Hunsrückisch (Hrs.) como língua brasileira de imigração em contato com o Português e o Espanhol no Brasil e em parte da Argentina e do Paraguai, os quais constituem a rede de pontos do projeto Atlas Linguístico-Contatual das Minorias Alemãs na Bacia do Prata (ALMA-H). Pesquisas linguísticas focadas anteriormente no dialeto-base da língua acabaram favorecendo a ideia de unicidade do dialeto. O interesse pelo eixo standard em contato com as variedades dialetais vem crescendo, conforme demonstram estudos mais recentes (cf. ALTENHOFEN, 2016, no prelo). Com as políticas de nacionalização do português, sobretudo a partir do Estado-Novo (1937-1945), e o desuso forçado da variedade standard do alemão no Brasil após as duas guerras mundiais ampliou-se a crença e o estereótipo, entre falantes externos e da própria comunidade, de que sua fala estaria limitada apenas ao dialeto, o qual seria agramatical e errôneo em relação ao Hdt. Observa-se, contudo, uma retomada de práticas amparadas na língua alemã standard (ex. ensino de alemão nas escolas e acesso a meios de comunicação como a TV e a Internet, entre outros) - sem contar a preservação daquelas ligadas ao uso da variedade standard, como no âmbito da religião. Em vista desses e dos demais indícios históricos, nossa pesquisa ocupou-se da pergunta em que medida a variedade Hdt. está presente na competência linguística dos falantes dessas comunidades? Constitui, portanto, o objetivo central desta contribuição analisar em que medida o Hdt. está presente na competência oral de fala dos falantes de Hrs. dessas comunidades, considerando os parâmetros espaço, faixa etária e nível de escolaridade. A fundamentação teórica da pesquisa segue os princípios da dialetologia pluridimensional (RATDKE & THUN, 1998) e os dados utilizados integram a base de dados do projeto ALMA-H. O recorte do estudo considerou as dimensões diatópica (41 pontos de análise), diageracional (geração entre 18 e 36 anos [GI] e geração acima de 55 [GII]) e diastrática (nível de escolaridade maior [Ca] e menor [Cb]). De modo complementar, foram analisados fatores da religião (dimensão diarreligiosa [católicos vs. luteranos]) e metalinguísticos explicitados em comentários dos próprios falantes (dimensão diarreferencial). Os resultados sugerem maior competência oral no nível fonético em (1) subáreas de imigração posteriores a 1850 (colônias velhas ao oeste); (2) falantes do grupo GII, o que indica uma mudança em curso com perda da competência em Hdt. e (3) grupo Ca, em pontos com aparente reinserção do ensino de alemão e possivelmente aumento do intercâmbio e do turismo nos últimos anos. Entre falantes luteranos parece haver uma presença maior de marcas em Hdt. Outro fator que precisa ser mais bem aprofundado é o conhecimento de marcas específicas (ex. arredondamento de vogais) ou saliência de determinados traços do Hdt. (elevação de /a/ em Hahn 'galo') por parte dos falantes. Sob a influência de variados fatores sociais e linguísticos, percebe-se a presença considerável e o contato entre variedades standard e substandard do alemão na competência linguística dos falantes, o que, entre outras coisas contraria a crença de cunho monolinguista de que só é falado o alemão mais dialetal e “errado” nas comunidades pesquisadas.

Page generated in 0.0375 seconds