• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 2
  • Tagged with
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 1
  • 1
  • 1
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

"Cadernos íntimos" diários publicados : um estudo das práticas da escrita de diários, no âmbito das práticas sociais disseminadas

Brito, Ingrid Zacarelli. 2011 (has links)
Orientador: Maria Rosa R. Martins de Camargo Banca: Eliete Marly D'onófrio Banca: Cesar Donizetti Pereira Leite Resumo: A pesquisa aqui apresentada é parte integrante do Projeto intitulado A aventura da escrita: práticas, saberes e cenários que visa a aprofundar os estudos do ato de escrever na perspectiva de sua permanente metamorfose e da metamorfose de quem escreve e/ou lê, fundada na autonarração e autointerpretação que podem ser lidas [e interpretadas], também nos diários, escritos por pessoas comuns. Nesta pesquisa, focamos como objeto de estudo o diário situando-o entre as práticas da escrita disseminadas. A pesquisa embasa-se em estudos de diários publicados, escritos em sua maioria por mulheres. Cadernos aparentemente íntimos e secretos, editados e transformados em livros. Trata-se, como bem apresenta Nora Catelli, de uma dupla marginalidade muito atraente. Segundo a autora, ―el diario íntimo de mujer sería, sin duda, el lugar de escritura más cercano a la verdad existencial de lo diferente" (2007, p.45). Há duas questões que mobilizam as discussões sobre os diários publicados: uma enunciada pelo pesquisador francês Philippe Lejeune (2008, p.260) - ―quando se lê ‗o mesmo texto' impresso em um livro, será de fato o mesmo?‖ e a outra elaborada por Laura Freixas (1996, p.11) - ―¿Son verdaderamente diários íntimos?‖ Pesa sobre essas questões a apreensão do diário enquanto uma prática cultural ordinária e do livro enquanto um objeto cultural que instaura uma ordem. Segundo o historiador Roger Chartier, "os autores não escrevem livros: eles escrevem textos que se tornam objetos escritos, manuscritos, gravados, impressos" (1994, p.17). Daí que soa estranho o termo livro-diário. Enquanto livros, eles se apresentam como qualquer outro livro: capa, título, prefácio, apresentação, índice... Enquanto diário: o que há nesses livros? O texto é o mesmo? A intimidade composta é a mesma? ... (Resumo completo, clicar acesso eletrônico abaixo) Abstract: The research presented here is part of a project entitled The adventure of writing: practices, knowledge and scenarios, that seeks to deepen studies the act of writing in the perspective of its permanent metamorphosis and of metamorphosis of one who writes and/or read, based on self-narration and self-interpretation that can be read [and interpreted], also in the diaries written by ordinary people. In this research, we focus as objects of study the diary placing it among the disseminated practice of writing. The researches were based on the studies published diaries, written in its majority by women. Apparently intimate and secret notebooks edited and turned into books. It is, as well as Nora Catelli presents of a very attractive double marginality. According to the author, ―el diario íntimo de mujer sería, sin duda, el lugar de escritura más cercano a la verdad existencial de lo diferente" (2007, p.45). There are two questions that can be said mobilize discussions about the published diaries: one enunciated by the French researcher Philippe Lejeune (2008, p.260) - "When you read 'the same' text printed in a book, will actually be the same?" And the other developed by Laura Freixas (1996, p.11) - ―¿Son verdaderamente diários íntimos?‖. Weighs about these questions the seizure of the diary as a ordinary cultural practice and the book as a cultural object that establishes an order. According to historian Roger Chartier, "the authors do not write books, do not they write texts that have become objects writings, manuscripts, engravings, printed" (1994, p.17) .It seems strange that the term book-diary. As books, they appear like any other book: cover, title, preface, presentation, content ... As diary: what's in these books? The text is the same? The composed intimacy is the same? What remains and what it becomes ... (Complete abstract click electronic access below) Mestre
2

Cadernos íntimos diários publicados: um estudo das práticas da escrita de diários, no âmbito das práticas sociais disseminadas

Brito, Ingrid Zacarelli [UNESP] 2 September 2011 (has links)
A pesquisa aqui apresentada é parte integrante do Projeto intitulado A aventura da escrita: práticas, saberes e cenários que visa a aprofundar os estudos do ato de escrever na perspectiva de sua permanente metamorfose e da metamorfose de quem escreve e/ou lê, fundada na autonarração e autointerpretação que podem ser lidas [e interpretadas], também nos diários, escritos por pessoas comuns. Nesta pesquisa, focamos como objeto de estudo o diário situando-o entre as práticas da escrita disseminadas. A pesquisa embasa-se em estudos de diários publicados, escritos em sua maioria por mulheres. Cadernos aparentemente íntimos e secretos, editados e transformados em livros. Trata-se, como bem apresenta Nora Catelli, de uma dupla marginalidade muito atraente. Segundo a autora, ―el diario íntimo de mujer sería, sin duda, el lugar de escritura más cercano a la verdad existencial de lo diferente” (2007, p.45). Há duas questões que mobilizam as discussões sobre os diários publicados: uma enunciada pelo pesquisador francês Philippe Lejeune (2008, p.260) - ―quando se lê ‗o mesmo texto‘ impresso em um livro, será de fato o mesmo?‖ e a outra elaborada por Laura Freixas (1996, p.11) - ―¿Son verdaderamente diários íntimos?‖ Pesa sobre essas questões a apreensão do diário enquanto uma prática cultural ordinária e do livro enquanto um objeto cultural que instaura uma ordem. Segundo o historiador Roger Chartier, os autores não escrevem livros: eles escrevem textos que se tornam objetos escritos, manuscritos, gravados, impressos (1994, p.17). Daí que soa estranho o termo livro-diário. Enquanto livros, eles se apresentam como qualquer outro livro: capa, título, prefácio, apresentação, índice... Enquanto diário: o que há nesses livros? O texto é o mesmo? A intimidade composta é a mesma?... The research presented here is part of a project entitled The adventure of writing: practices, knowledge and scenarios, that seeks to deepen studies the act of writing in the perspective of its permanent metamorphosis and of metamorphosis of one who writes and/or read, based on self-narration and self-interpretation that can be read [and interpreted], also in the diaries written by ordinary people. In this research, we focus as objects of study the diary placing it among the disseminated practice of writing. The researches were based on the studies published diaries, written in its majority by women. Apparently intimate and secret notebooks edited and turned into books. It is, as well as Nora Catelli presents of a very attractive double marginality. According to the author, ―el diario íntimo de mujer sería, sin duda, el lugar de escritura más cercano a la verdad existencial de lo diferente” (2007, p.45). There are two questions that can be said mobilize discussions about the published diaries: one enunciated by the French researcher Philippe Lejeune (2008, p.260) – When you read 'the same' text printed in a book, will actually be the same? And the other developed by Laura Freixas (1996, p.11) - ―¿Son verdaderamente diários íntimos?‖. Weighs about these questions the seizure of the diary as a ordinary cultural practice and the book as a cultural object that establishes an order. According to historian Roger Chartier, the authors do not write books, do not they write texts that have become objects writings, manuscripts, engravings, printed (1994, p.17) .It seems strange that the term book-diary. As books, they appear like any other book: cover, title, preface, presentation, content ... As diary: what's in these books? The text is the same? The composed intimacy is the same? What remains and what it becomes ... (Complete abstract click electronic access below)

Page generated in 0.0319 seconds