• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 1864
  • 27
  • 25
  • 25
  • 25
  • 14
  • 13
  • 12
  • 10
  • 6
  • 5
  • 4
  • 4
  • 1
  • Tagged with
  • 1915
  • 1170
  • 698
  • 364
  • 235
  • 169
  • 164
  • 151
  • 150
  • 143
  • 126
  • 113
  • 112
  • 110
  • 107
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

O uso do método AVO 4D para determinação da variação de pressão e saturação em reservatório casrbonático / Use of AVO4D method for determining pressure and saturation changes in carbonate reservoir

Silva, Evângela Patrícia Alves da 21 September 2012 (has links)
Orientadores: Rodrigo de Souza Portugal, Alexandre Campane Vidal / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia Mecânica e Instituto de Geociências / Made available in DSpace on 2018-08-21T18:03:03Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Silva_EvangelaPatriciaAlvesda_M.pdf: 3646847 bytes, checksum: 883531af3ee1e2c002c10ccaac9c5a59 (MD5) Previous issue date: 2012 / Resumo: A resposta sísmica pode variar devido a mudanças de pressão e saturação de fluidos no reservatório durante a produção. Entender o impacto dessas mudanças nas diferenças sísmicas contribui para o gerenciamento do reservatório. Todavia, os efeitos das mudanças de pressão e saturação podem produzir respostas similares ou até mesmo iguais, conduzindo a interpretações errôneas. Analisar tais efeitos em conjunto e separadamente pode evitar ambiguidades na interpretação da resposta sísmica 4D. A metodologia AVO 4D foi utilizada nesse trabalho para separar os efeitos da mudança de pressão e saturação de fluidos por meio da variação na resposta das diferenças sísmicas. O método foi aplicado em diferentes cenários de produção: i) mudança de pressão e saturação; ii) mudança de pressão; e iii) mudança de saturação. A analise dos resultados foi realizada em seções de diferenças sísmicas sintéticas geradas a partir de dados sísmicos, petrofísicos e de produção. A metodologia proposta por Landro (2001) foi aplicada com o intuito de determinar as variações de pressão e saturação de fluidos em cada cenário, por meio de calibração petrofísica das amostras de carbonato. Foi realizado ajuste teórico por meio das equações apresentadas por Landro (2001) e comparados ambos os resultados, em seções de mudança de pressão e/ou saturação de fluidos e mapas de amplitude RMS para o topo do reservatório / Abstract: The 4D seismic response may be impacted by changes in pressure and fluid saturation in the reservoir during production. Understanding these changes in seismic differences contribute to the management of the reservoir. However, the effects of pressure and saturation changes may have the same response, leading to erroneous interpretations. To analyze these effects together and separately can avoid ambiguities in the interpretation of 4D seismic response. The 4D AVO methodology used in this work was applied in order to separate the effects of changes in pressure and fluid saturation through variation in the response of seismic differences. The method was applied in different production scenarios: i) change in pressure and saturation, ii) change in pressure, and iii) change in saturation. The analysis of the results was performed on seismic differences synthetic sections generated from seismic data, petrophysical and production. The methodology proposed by Landro (2001) was applied in order to discriminate the variations of pressure and fluid saturation in each scenario, using calibration samples of carbonate petrophysics. Were adjusted by means of theoretical equations presented by Landro (2001) and compared both results in sections of pressure change and/or fluid saturation and RMS amplitude maps to the top of the reservoir / Mestrado / Reservatórios e Gestão / Mestre em Ciências e Engenharia de Petróleo
2

Repercussão da pressão positiva expiratória final na pressão de perfusão cerebral em pacientes adultos com acidente vascular cerebral hemorrágico na fase aguda

LIMA, Wildberg Alencar 31 January 2009 (has links)
Made available in DSpace on 2014-06-12T15:49:10Z (GMT). No. of bitstreams: 2 arquivo1940_1.pdf: 1316631 bytes, checksum: dad3a4711b9255d286859be7667afed5 (MD5) license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) Previous issue date: 2009 / Foi realizada uma revisão de literatura acerca dos trabalhos que avaliam os efeitos terapêuticos utilizando elevados valores de Pressão Positiva Expiratória final (PEEP) relacionando com a Pressão Intracraniana (PIC) e Pressão de Perfusão Cerebral (PPC), no período entre 1965 e 2008, nas seguintes fontes de busca: Biblioteca Virtual em Saúde, COCHRANE, BIREME, LILACS, PUBMED e MEDLINE. É conhecido que muitos pacientes com lesão cerebral desenvolvem distúrbios pulmonares evoluindo com necessidade de estratégias para otimizar a troca gasosa melhorando a pressão arterial de oxigênio. Uma das maneiras mais eficazes é a utilização de PEPP em valores mais elevados. Sabendo-se que valores elevados de PEEP podem desencadear alterações hemodinâmicas repercutindo nas pressões intracerebrais e, devido ao reduzido número de trabalhos encontrados na literatura e os resultados controversos foi realizada esta revisão, sugerimos então que no emprego da PEEP elevada como estratégia ventilatória, em pacientes com lesão cerebral, deve ser avaliada a relação risco benefício
3

Avaliação do efeito da metformina na pressão arterial em pacientes hipertensos não diabéticos : ensaio clínico randomizado placebo controlado

Correa Junior, Vicente January 2017 (has links)
Parte do efeito protetor da metformina na prevenção de eventos cardiovasculares em diabéticos parece ser atribuído a efeitos pleiotrópicos, incluindo a redução na pressão arterial. Estudos experimentais encontraram um efeito de redução na pressão arterial com o uso de metformina. No entanto, estudos clínicos demostram resultados inconsistentes. Considerando-se que maioria não foi desenhado especificamente para avaliar o efeito da metformina sobre a pressão arterial e que esta não foi avaliada através da MAPA-24h, hoje considerada como padrão ouro para aferição da pressão arterial, desenvolvemos este projeto com o objetivo de avaliar o efeito da metformina na PA medida por MAPA-24H. Métodos: em ensaio clínico, 97 indivíduos hipertensos não diabéticos foram randomizados para receber metformina (n=48) 850-1700mg/d ou placebo (n=49). Medidas antropométricas, laboratoriais e MAPA-24H foram realizados no início e após oito semanas de seguimento. Resultados: não houve diferença na PA medida por MAPA-24H ou de consultório entre os grupos. Houve redução significativa na medida da cintura com o uso de metformina (95,110,4; 89,327,4cm; p=0,02).
4

Avaliação do efeito da metformina na pressão arterial em pacientes hipertensos não diabéticos : ensaio clínico randomizado placebo controlado

Correa Junior, Vicente January 2017 (has links)
Parte do efeito protetor da metformina na prevenção de eventos cardiovasculares em diabéticos parece ser atribuído a efeitos pleiotrópicos, incluindo a redução na pressão arterial. Estudos experimentais encontraram um efeito de redução na pressão arterial com o uso de metformina. No entanto, estudos clínicos demostram resultados inconsistentes. Considerando-se que maioria não foi desenhado especificamente para avaliar o efeito da metformina sobre a pressão arterial e que esta não foi avaliada através da MAPA-24h, hoje considerada como padrão ouro para aferição da pressão arterial, desenvolvemos este projeto com o objetivo de avaliar o efeito da metformina na PA medida por MAPA-24H. Métodos: em ensaio clínico, 97 indivíduos hipertensos não diabéticos foram randomizados para receber metformina (n=48) 850-1700mg/d ou placebo (n=49). Medidas antropométricas, laboratoriais e MAPA-24H foram realizados no início e após oito semanas de seguimento. Resultados: não houve diferença na PA medida por MAPA-24H ou de consultório entre os grupos. Houve redução significativa na medida da cintura com o uso de metformina (95,110,4; 89,327,4cm; p=0,02).
5

Relação da pressão arterial medida no consultório e por MRPA com o ecocardiograma em indivíduos idosos

Myrian de Amorim Garcia, Jessica 31 January 2008 (has links)
Made available in DSpace on 2014-06-12T15:49:42Z (GMT). No. of bitstreams: 2 arquivo2022_1.pdf: 3256770 bytes, checksum: c51e172a440bae547a2d31222c0be644 (MD5) license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) Previous issue date: 2008 / Com o aumento da expectativa de vida se observa uma maior incidência de eventos cardiovasculares e uma elevada prevalência de hipertensão arterial (HA), que constitui o maior fator de risco cardiovascular modificável. O diagnóstico de HA se baseia em várias medidas da pressão arterial (PA) no consultório e, nos idosos, há uma especial preocupação com essas medidas. A monitorização residencial da pressão arterial (MRPA) se confirma como ferramenta útil no diagnóstico de HAS e no acompanhamento do paciente hipertenso. As medidas da PA obtidas pela MRPA, comparadas com aquelas registradas no consultório, mostram que os níveis pressóricos têm interferência com a presença do observador, além do ambiente, e que os registros obtidos em casa são significantemente inferiores àqueles obtidos no consultório. A PA casual não pode identificar os indivíduos com hipertensão mascarada (HM) e hipertensão do avental branco (HAB), porém a MRPA, assim como a monitorização ambulatorial da pressão arterial (MAPA), podem ser utilizadas para identificar tais situações, que têm tratamento e prognósticos distintos.A análise dos dados obtidos nos estudos em idosos demonstra que a MRPA correlaciona-se melhor com lesões em órgão-alvo e tem maior valor prognóstico para morbi-mortalidade cardiovascular quando comparada com a medida casual. A aplicação da MRPA em idosos se justifica pela maior prevalência HAB e HM nessa população, bem como pela importância do diagnóstico e controle da HA nesse grupo
6

Avaliação do efeito da metformina na pressão arterial em pacientes hipertensos não diabéticos : ensaio clínico randomizado placebo controlado

Correa Junior, Vicente January 2017 (has links)
Parte do efeito protetor da metformina na prevenção de eventos cardiovasculares em diabéticos parece ser atribuído a efeitos pleiotrópicos, incluindo a redução na pressão arterial. Estudos experimentais encontraram um efeito de redução na pressão arterial com o uso de metformina. No entanto, estudos clínicos demostram resultados inconsistentes. Considerando-se que maioria não foi desenhado especificamente para avaliar o efeito da metformina sobre a pressão arterial e que esta não foi avaliada através da MAPA-24h, hoje considerada como padrão ouro para aferição da pressão arterial, desenvolvemos este projeto com o objetivo de avaliar o efeito da metformina na PA medida por MAPA-24H. Métodos: em ensaio clínico, 97 indivíduos hipertensos não diabéticos foram randomizados para receber metformina (n=48) 850-1700mg/d ou placebo (n=49). Medidas antropométricas, laboratoriais e MAPA-24H foram realizados no início e após oito semanas de seguimento. Resultados: não houve diferença na PA medida por MAPA-24H ou de consultório entre os grupos. Houve redução significativa na medida da cintura com o uso de metformina (95,110,4; 89,327,4cm; p=0,02).
7

Influência da qualidade do sono no descenso noturno da pressão arterial

Alessi, Alexandre January 1998 (has links)
Orientador: Claudio L. Pereira da Cunha / Dissertação(mestrado)-Universidade Federal do Parana, Setor de Ciencias da Saude / Resumo: Há relatos na literatura de distúrbios na arquitetura habitual do sono decorrentes dos estímulos sonoro, tátil e compressivo, causados pela monitorização ambulatória! da pressão arterial (MAPA), inclusive recomendando-se utilizar os parâmetros tensionais noturnos com cautela. Para avaliar a influência da qualidade do sono sobre o descenso noturno da pressão arterial, por diferentes modos de determinação dos períodos de vigília e sono, foram estudados 168 pacientes. Todos foram submetidos a MAPA e a avaliação da qualidade do sono no dia do exame, informada via questionário específico, após a retirada do monitor da MAPA. O equipamento utilizado para obtenção dos parâmetros pressóricos, que permitiram quantificar o descenso pressórico noturno, foi o monitor SpaceLabs 90207. Os parâmetros obtidos pela MAPA foram analisados em separado dos dados sobre a qualidade do sono. Determinou-se como horário "real" o período de vigília e sono relatado pelo paciente em diário da MAPA e como horário "fixo", aquele das 10:00 às 20:00 horas para o período da vigília e das 24:00 às 06:00 horas para o período do sono. Os questionários da qualidade do sono foram julgados por consenso de neurologistas especialistas em Distúrbios do Sono. Quando se avaliou a qualidade do sono no dia do exame em comparação com o habitual, observou-se diferença significativa nos seguintes achados: número de pacientes que despertaram (130 vs. 113, p< 0,05); freqüência média de despertares ( 2,4 ± 1,7 vs. 2,1 ± 1,3, p< 0,05); número de pacientes que relataram roncar (31 vs. 65, p<0,05). Mantendo-se a correlação entre o grau de tolerância ao MAPA e a qualidade do sono, portanto os pacientes que toleraram melhor o exame apresentaram melhor qualidade do sono ( p<0,05). Quanto ao tempo na cama, tempo total de sono e o cochilo, não observou-se diferença estatística. A análise global dos questionários identificou 62 pacientes ( 36,9%) com sono inadequado, não havendo correlação estatística (p> 0,05) entre a qualidade do sono e a apresentação do descenso noturno da pressão arterial, independentemente do modo de determinação dos períodos de vigília e sono ( horário "real" vs. "fixo", p> 0,05). Conclui-se que a MAPA gera distúrbios na arquitetura do sono em aproximadamente 1/3 dos exames, a qualidade do sono está associada ao grau de tolerância ao exame, porém não houve influência da qualidade do sono na apresentação do descenso noturno da pressão arterial, seja determinado por horário "real" ou "fixo". / Abstract: As the literature reports, the ambulatory blood pressure monitoring (ABPM) may cause many sleep disorders due to sonorous, tactile, and constrictive stimulus. So, blood pressure (BP) levels at night should be considered with caution. 168 patients were studied in order to evaluate the sleep quality on nocturnal blood pressure fall. Each subject had a 24-hour blood pressure recording and was required to fulfill the questionnaire about the sleep quality. Blood pressure was monitored by use of the SpaceLabs 90207 device, and ambulatory measurements were done without the sleep questionnaire results. The awake and asleep BP were established on two basis. The "real time" was based on the patient's reports of the awake and sleep time. The "fixed" time was 10:00 a.m. to 8:00 p.m. for the awake time and 24:00 to 06:00 a.m. for the sleep time. Two qualified neurologists have analyzed the sleep questionnaire. There were remarkable differences between the normal seep quality and the sleep quality on the ABPM day, in the following aspects : the number of patients who aroused (130 vs. 113, p< 0,05); frequency of arousal (2,4 ± 1,7 vs. 2,1 ± 1,3, p< 0,05); and the number of patients who snored (31 vs. 65, p< 0,05). There was a correlation between ABPM tolerance and the sleep quality (p< 0,05) and there was no statistic difference on bedtime, total sleep time and number of naps. 62 subjects (36.9%) had inadequate sleep by the questionnaire, although it did not have a statistic correlation between sleep quality and nocturnal BP fall (p> 0,05), both by "real and fixed" sleep time, p> 0,05. In conclusion, ABPM is responsable for sleep disorders in 1/3 of cases, and depends on ABPM tolerance, but it does not affect the nocturnal BP fall, both in "real or fixed" sleep time.
8

Estudo numérico para a determinação das pressões devidas à ação do vento em edifícios industriais

Manfrim, Stéfano Torres [UNESP] 21 August 2006 (has links) (PDF)
Made available in DSpace on 2014-06-11T19:25:21Z (GMT). No. of bitstreams: 0 Previous issue date: 2006-08-21Bitstream added on 2014-06-13T19:53:02Z : No. of bitstreams: 1 manfrim_st_me_ilha.pdf: 3544826 bytes, checksum: c05e63a4dcf999f9b2c9e29583e099bd (MD5) / Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) / Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) / O presente trabalho tem por objetivo obter numericamente os valores das distribuições de pressões devidas à ação do vento nas paredes e nos telhados de edifícios industriais. As distribuições de pressões nas paredes e nos telhados são determinadas através da simulação numérica, utilizando-se o programa ANSYS 9.0, considerando-se a interação fluído-estrutura. Para a simulação numérica, a geometria do edifício foi modelada tridimensionalmente, não possuindo nenhuma abertura e o fluído é o ar no qual a edificação está inserida. As distribuições de pressão foram determinadas para relações geométricas em planta do edifício, entre o comprimento e largura (a/b) iguais a 1.0, 1.5, 2.0 e 4.0. Para relações geométricas em elevação do edifício, entre a altura e largura (h/b), foram tomadas iguais a 0.5, 1.0, 1.5 e 2.0. A inclinação do telhado sempre foi considerada igual a 15°. Posteriormente, comparam-se os resultados numéricos obtidos na simulação através do ANSYS com os valores apresentados na norma NBR-6123:1988, a fim de verificar a viabilidade da utilização da simulação numérica para obtenção das distribuições de pressão em outras estruturas, determinando, assim, o seu comportamento estrutural. / The present work shows the pressures distributions values due the wind action in the walls and in the roofs on industrial buildings. The pressures distributions in the walls and in the roofs are determinate by numerical simulation environment, used the ANSYS 9.0 program, considering the interaction fluid-structure. For the numerical simulation, the geometry was considering in 3D dimensions, without opening in the industrial building. The pressures distributions were determined for the industrial buildings with geometry relations in floor by length and width ratio equal 1.0, 1y .5, 2.0, 4.0. In elevation, for geometric relations by width and height ratio was considered equal to o.5, 1.0, 1.5, 2.0. The roof slope was considering constant like 15 degrees and the wind incidence like zero degrees, that is, in front of the industrial building.
9

Efeitos agudos do exercício resistido na pressão intra-ocular em homens ativos, jovens e saudáveis / Variações agudas da pressão intra-ocular durante o exercício resistido dinâmico em homens, jovens, ativos e saudáveis

Vieira, Geraldo Magela 03 June 2008 (has links)
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, 2008. / Submitted by Larissa Ferreira dos Angelos (ferreirangelos@gmail.com) on 2010-03-09T02:48:00Z No. of bitstreams: 1 2008_GeraldoMagelaVieira.pdf: 698788 bytes, checksum: 7fbcacb7f63e662f9de54bbfb8966c77 (MD5) / Approved for entry into archive by Daniel Ribeiro(daniel@bce.unb.br) on 2010-03-10T01:12:38Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2008_GeraldoMagelaVieira.pdf: 698788 bytes, checksum: 7fbcacb7f63e662f9de54bbfb8966c77 (MD5) / Made available in DSpace on 2010-03-10T01:12:38Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2008_GeraldoMagelaVieira.pdf: 698788 bytes, checksum: 7fbcacb7f63e662f9de54bbfb8966c77 (MD5) Previous issue date: 2008-06-03 / OBJETIVO: Verificar os do exercício resistido de supino reto horizontal sobre a pressão intra-ocular (PIO) executado com e sem bloqueio da respiração. MÉTODOS: Sessenta olhos de 30 indivíduos (todos homens) foram envolvidos. Os indivíduos executaram 4 repetições do exercício de supino, de dois modos diferentes. No modo I, eles deveriam prender a respiração durante a última repetição. No modo dois, eles deveriam soltar o ar normalmente durante a última repetição. A tonometria eletrônica (Tono-pen XL) foi utilizada para as medições da PIO. O olho direito foi usado para testar o modo I, e o esquerdo para o modo II. A PIO foi medida durante a quarta e última repetição, enquanto o indivíduo sustentava a barra de pesos na posição superior. RESULTADOS: A PIO média durante o exercício no modo I sofreu um aumento de 4,3 (SD 4,2) mmHg (p< 0.001, teste t pareado; variando de – 3,6 a + 17,7 mmHg). No modo II, a PIO média sofreu um aumento de 2,2 (SD 3,0) mmHg (p< 0.001, teste ANOVA, variando de -6,0 a + 8,7 mmHg). A PIO aumentou em 90% dos olhos submetidos ao exercício modo I e em 62 % no modo II. Um aumento na PIO > 5,0 mmHg foi observado em 9 olhos (30%) no modo I, e em 6 olhos no modo II (21%). A PIO em dois indivíduos que executaram o exercício modo I teve um aumento marcante (> 10.0 mmHg). CONCLUSÃO: A PIO aumenta de modo significativo durante o levantamento de peso no exercício de supino. Prender a respiração durante o exercício leva a um aumento extra da PIO. Os resultados podem são clinicamente significantes. _____________________________________________________________________________________ ABSTRACT / AIM: To evaluate the effect of resisted exercise bench press on intraocular pressure (IOP). METHODS: Sixty eyes of 30 normal, male subjects were enrolled. Subjects performed four repetitions of bench press exercise in two different ways: in mode I, breathing was held in the last repetition, and in mode II, subjects exhaled normally in the last repetition. An electronic tonometer (Ton-pen XL) was used for IOP measurements. The right eye was used for testing in mode I and the left eye for testing in mode II. IOP was measured during the fourth repetition in both modes while the subject sustained the exercise. RESULTS: mean IOP during exercise in mode I increased by 4.3 (SD 4.2) mmHg (p<0.001, ANOVA test; range -3.6 to +17.7 mmHg). In mode II, mean IOP increased by 2.2 (SD 3.0) mmHg (p< 0.001, paired t test; range -6.0 to + 8.7 mmHg). IOP increased in 90% of eyes submitted to mode I, and in 60% of eyes in mode II. An increase on IOP > 5.0 was observed in 9 eyes (30%) in mode I, and in six eyes (21%) in mode II. IOP in two eyes from subjects who performed exercise mode I was markedly increased (> 10.0 mmHg). CONCLUSION: IOP increases significantly during weight lifting in a bench press exercise. Holding the breath during the exercise leads to a further increase on IOP. The results are clinically significant.
10

Efeito da Sinvastatina sobre o controle autonômico da pressão arterial em ratas espontaneamente hipertensas

Beck, Derliane Glonvezynski dos Santos January 2007 (has links)
A hipertensão arterial é resultado de disfunções nos mecanismos de controle da pressão arterial (PA). O controle reflexo da PA, feito pelo sistema nervoso autônomo (SNA), promove as alterações fisiológicas necessárias para diminuir a variação da PA. A disfunção no sistema simpatovagal devido, tanto a uma hiperatividade do sistema simpático como uma diminuição da atividade do sistema parassimpático, contribui para o aumento da variabilidade da PA e o desenvolvimento da hipertensão. A avaliação da variabilidade da freqüência cardíaca (FC) e PA nos domínios do tempo e da freqüência (análise espectral) tem sido utilizada no estudo da fisiopatologia da disfunção autonômica e da hipertensão. Com o propósito de reduzir os riscos cardiovasculares, as estatinas, fármacos provenientes da cultura de fungos, vêm sendo amplamente estudadas pelos efeitos sobre a redução das concentrações plasmáticas de colesterol, ação antioxidante e anti-inflamatória, e sua possível ação sobre a sensibilidade barorreflexa e sobre o controle autonômico da circulação.Dessa forma, este trabalho estudou o efeito da administração de sinvastatina sobre o controle autonômico da PA de ratas espontaneamente hipertensas (SHR) na ausência de estrogênio. Para isto, foram utilizadas 14 fêmeas SHR com 16 semanas, divididas em dois grupos: ratas SHR ooforectomizadas sem (SC;n=8) e com (ST;n=6) administração de sinvastatina por gavagem durante 7 dias. Foram avaliadas: 1) a sensibilidade barorreflexa e a variabilidade da PA e FC nos domínios do tempo e da freqüência; e 2) as concentrações plasmáticas de colesterol total. Os resultados mostraram que as concentrações plasmáticas de colesterol, medidas antes do tratamento com sinvastatina (SC = 61,36 ± 14,30e ST = 57,61 ± 12,62 mg/dL), não diferiram significativamente daquelas observadas após o tratamento (SC = 66,45 ± 13,16 e ST = 70,64 ± 6,99 mg/dL). A sensibilidade barorreflexa avaliada pelos alfas LF e HF não apresentou diferença significativa entre os grupos (Alfa LF: SC = 0,59 ± 0,25; ST = 0,56 ± 0,19; alfa HF: SC = 1,75 ± 0,63, ST = 2,21 ± 0,98), apesar da diferença encontrada na variabilidade da pressão sistólica (SC = 9,13 ± 2,31; ST = 6,16 ± 1,23 mmHg), que apresentou-se significativamente diminuída no grupo tratado com sinvastatina. A VFC no domínio do tempo não foi diferente entre os grupos (SC = 7,74 ± 1,32 ms; ST = 8,43 ± 2,17 ms). Além disso, houve uma melhora significativa no balanço simpatovagal, evidenciada na análise dos componentes HF (SC = 69,02 ± 10,91 e ST = 82,61 ± 8,12 ms2) e LF (SC = 30,97 ± 10,91 e ST = 17,38 ± 8,12 ms2) em unidades normalizadas, bem como na relação LF/HF (SC = 0,48 ± 0,25 e ST = 0,22 ± 0,12 ms2). O grupo ST apresentou o componente HF (controle vagal) mais ativado, enquanto no grupo SC houve predomínio significativamente maior do componente simpático, ou LF.Os resultados obtidos confirmam a hipótese proposta de que a sinvastatina melhora o balanço simpato/vagal em ratas espontaneamente hipertensas. Dessa forma, nossos resultados indicam que a sinvastatina melhora o controle autonômico da PA por mecanismos ainda desconhecidos, que independem das alterações nas concentrações plasmáticas de colesterol. / The arterial hypertension is caused by dysfunction in the cardiovascular control. The autonomic blood pressure control is responsible to the physiological alterations necessary to decrease variations in blood pressure. An autonomic dysfunction caused either by sympathetic hyperactivity or by parasympathetic hypo activity, contributes to increase blood pressure variability and induces hypertension. The pulse interval and mean arterial pressure fluctuation were assessed in the frequency domain, and they have been used to study the autonomic dysfunction and hypertension. To reduce cardiovascular risk, the statins have been studied for their effects on reducing cholesterol blood levels, antioxidant and antiinflammatory actions, and their possible action on baroreceptor sensitivity and autonomic control of the circulation. Thus, this study verified the effect of sinvastatin administration on the autonomic control of arterial pressure in oophorectomized spontaneous hypertensive female rats (SHR) by absence of estrogen. In this study, 14 spontaneous hypertensive females rats, 16 weeks old, were divided in 2 groups: oophorectomized females, without (SC; n=8) or with (ST;n=6) 7 days sinvastatin administration by gavage. The baroreflex sensitivity, mean arterial pressure and pulse interval were assessed in the time and frequency domain, and the total cholesterol and nitric oxide metabolites were studied. Our results showed that cholesterol blood levels were not significantly different before (SC = 61,36 ± 14,30 e ST = 57,61 ± 12,62 mg/dL) and after (SC = 66,45 ± 13,16 e ST = 70,64 ± 6,99 mg/dL) sinvastatin treatment. In addition, it was not observed differences between plasmatic nitrites (SC= 0,023 ± 0,009 e ST = 0,023 ± 0,015 Umoles/L) andnitrates (SC = 0,38 ± 0,15 e ST = 0,39 ± 0,24 Umoles/L) after treatment. Although the systolic blood pressure variability had been higher in the SC group (SC = 9,13 ± 2,31; ST = 6,16 ± 1,23 mmHg), the baroreflex sensitivity, evaluated through LF and HF component (Alfa LF: SC = 0,59 ± 0,25; ST = 0,56 ± 0,19; alfa HF: SC = 1,75 ± 0,63, ST = 2,21 ± 0,98) and heart rate variability in time domain (SC = 7,74 ± 1,32 ms; ST = 8,43 ± 2,17 ms) were not different between groups. On the other hand, there was a significant increase in the autonomic function seen through HF (SC = 69,02 ± 10,91 e ST = 82,61 ± 8,12 ms2) and LF (SC = 30,97 ± 10,91 e ST = 17,38 ± 8,12 ms2) component, as well as in the LF/HF relationship (SC = 0,48 ± 0,25 e ST = 0,22 ± 0,12 ms2).The ST group showed an increased HF component participation (vagal control) compared to SC group, which had a significant increase in the sympathetic component, or LF. Our results confirm the proposal that sinvastatin improves the sympathetic-parasympathetic balance in spontaneous hypertensive female rats. The mechanism by which sinvastatin is doing its action remains to be discovered, but they are probably independent by reducing plasmatic cholesterol concentration.

Page generated in 0.0499 seconds