• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 385
  • 6
  • 2
  • 2
  • Tagged with
  • 402
  • 263
  • 153
  • 132
  • 114
  • 105
  • 76
  • 69
  • 55
  • 49
  • 49
  • 47
  • 45
  • 43
  • 38
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Antígeno carcinoembrionario en la recurrencia y sobrevida de pacientes con resección curativa de cáncer colorectal

Cribilleros Barrenechea, Jorge Renato January 2015 (has links)
El antígeno carcinoembrionario (CEA) ha sido asociado con estadios avanzados, pobre sobrevida y detección temprana de recurrencia de cáncer colorrectal (CCR). Objetivo: Establecer si existe relación significativa entre la concentración sérica de CEA con la recurrencia y sobrevida de pacientes con resección curativa de cáncer colorrectal. Diseño: Estudio retrospectivo, correlacional y explicativo. Población: Pacientes con resección curativa de CCR en hospital Rebagliati, durante los años 2000-2003. Métodos: Los pacientes tuvieron seguimiento hasta el año 2010. Se usó la diferencia de medias a través de la prueba T, para la comparación de variables cuantitativas. Se recurrió a técnicas de análisis de sobrevida a través del método de Kaplan-Meier y la regresión de Cox. Resultados: La concentración sérica elevada de antígeno carcinoembrionario en el pre y postoperativo reveló una mayor recurrencia significativa de cáncer colorrectal (p<0,05). La sobrevida en los pacientes con CEA patológico fue significativamente menor que en los pacientes con CEA normal (p<0,05). Conclusiones: La concentración sérica elevada de CEA, demostró una mayor recurrencia del cáncer colorrectal. El valor sérico de CEA en el preoperatorio constituye un valor predictivo de sobrevida.
2

Desfechos cirúrgicos e prognóstico no adenocarcinoma gástrico : comparação entre os tumores proximais e distais

Costa, Laurence Bedin da January 2016 (has links)
Resumo não disponível
3

Desfechos cirúrgicos e prognóstico no adenocarcinoma gástrico : comparação entre os tumores proximais e distais

Costa, Laurence Bedin da January 2016 (has links)
Resumo não disponível
4

Desfechos cirúrgicos e prognóstico no adenocarcinoma gástrico : comparação entre os tumores proximais e distais

Costa, Laurence Bedin da January 2016 (has links)
Resumo não disponível
5

Factores asociados a sobrevida de pacientes en tratamiento antirretroviral de gran actividad de un hospital de tercer nivel de Chiclayo

Rodriguez Gastelo, Janet Ivonne January 2017 (has links)
Objetivos: identificar factores demográficos, clínicos y laboratoriales asociados a la sobrevida del paciente en TARGA. Diseño: estudio cuantitativo, cohorte, retrospectivo. Materiales y métodos: se recolectaron 642 registros de pacientes de la Estrategia Sanitaria Nacional de ITS/VIH-SIDA, de los cuales 75 no cumplieron con criterios de inclusión. El seguimiento fue desde el año 2002 hasta 30 de julio del 2015. El análisis estadístico fue realizado en STATA 11; se usó curvas de Kaplan Meier para evaluar la sobrevida para cada factor evaluado, y modelos de Cox para calcular Hazard Ratios. Resultados: se encontró registro de 140 decesos durante el periodo de estudio. La sobrevida a 5,5 años fue del 60%. Los factores de riesgo asociados a baja sobrevida fueron la edad, ser iletrado, el estadio III y IV al inicio del tratamiento, la no profilaxis con cotrimoxazol. Un factor protector fue el aumento de hemoglobina. Conclusiones: a pesar que el tratamiento antirretroviral ha mejorado la sobrevida de los pacientes, se encontró asociación de los factores sociodemográficos, clínicos y laboratoriales con un bajo pronóstico de sobrevida; principalmente aquellos que se encuentran en estadios III y IV de la enfermedad. / Tesis
6

FOXP3 e IMP3 impacto na evolução dos diferentes subtipos clínicos de melanoma cutâneo /

Ocanha, Juliana Polizel January 2016 (has links)
Orientador: Mariângela Esther Alencar Marques / Resumo: INTRODUÇÃO: O melanoma apresentou aumento na sua incidência com o passar dos anos. A despeito das melhorias no diagnóstico e tratamento, demonstra mortalidade considerável. A incapacidade de prever com maior precisão sua evolução ainda intriga os pesquisadores. Dois marcadores imuno-histoquímicos, FOXP3 e IMP3 vêm sendo relacionados a pior prognóstico em vários estudos. OBJETIVO: Avaliar se a presença de FOXP3 e IMP3 é diferente entre os subtipos clínicos e se há correlação entre a sua presença e pior prognóstico. MÉTODOS: Estudo do tipo coorte retrospectiva, que avaliou todos os pacientes diagnosticados com Melanoma a partir do exame anatomopatológico no período de 2003 a 2011 provenientes dos serviços de Dermatologia e Patologia da Faculdade de Medicina de Botucatu (UNESP). As lâminas foram reanalisadas por dois patologistas e uma dermatologista, para assegurar subtipo clinico, Breslow, presença de ulceração, mitoses e regressão histológica. A partir dos blocos mantidos em arquivo se realizou a técnica imuno-histoquímica dos marcadores FOXP3 e IMP3. Além disso, foi realizado estudo de prontuário para avaliar aspectos demográficos, clínicos e de evolução do paciente. Foram aplicados os testes Qui-Quadrado ou Exato de Fisher, Kruskall Wallis, Teste de Dunn e Modelo de Regressão de Cox. Foi considerado estatisticamente significante p<0,05. RESULTADOS: A maioria de casos teve positividade < ou = a 25% tanto para IMP3 como para FOXP3. A positividade deles não pôde ser correlacio... (Resumo completo, clicar acesso eletrônico abaixo) / Mestre
7

“DETERMINACIÓN DEL ANTÍGENO KI67 Y DEL GEN P53 COMO FACTORES PRONÓSTICO DE SOBREVIDA EN PACIENTES CON GLIOBLASTOMA MULTIFORME”

Cortez Alvarado, Karen Magdaly January 2016 (has links)
Objetivos. Determinar la influencia de los marcadores: antígeno Ki67 y del gen p53 como factores pronóstico independiente en la sobrevida de los pacientes con Glioblastoma Multiforme. Materiales y métodos. Se revisó un total de 150 casos de pacientes con diagnóstico preliminar de Glioblastoma Multiforme (GBM) atendidos en el Instituto Nacional de Enfermedades Neoplásicas, entre los años 2008 y 2013 y se seleccionaron 60 casos que cumplían con los criterios de inclusión requeridos, información clínico patológica y seguimiento adecuado. Resultados. La media de edad es de 51 años (8-73 años), conformado por 34 hombres (56.7%) y 26 mujeres (43.3%). La mediana de sobrevida global (SG) es menor en el grupo de pacientes que sobreexpresaron el antígeno Ki67 (>= 20%), frente a los pacientes que tuvieron niveles de expresión moderada del antígeno (>= 10%). (26.5 vs 40 meses). Asimismo, se evidencia que la SG es mayor en los pacientes que expresan positivamente el gen p53 (>20%), frente a los pacientes que no llegaron a expresarlo. (40 vs 30 meses). Conclusiones. Tanto la expresión del antígeno ki67 como la expresión del gen p53 se pueden determinar como factores pronóstico de la sobrevida de pacientes que hayan sido diagnosticados con GBM con el fin de mejorar la calidad de vida de estos pacientes dándoles la posibilidad de recibir un tratamiento más específico acorde a los valores de estos marcadores inmunohistoquímicos.Objectives.To evaluate the influence of markers: Ki67 antigen and p53 gene as independent prognostic factors in the survival of patients with Glioblastom Multiform. Materials and methods. A total of 150 cases of patients with a preliminary diagnosis of Glioblastom Multiform (GBM) treated at the National Institute of Neoplastic Diseases between 2008 and 2013 were reviewed and 60 cases were selected that satisfy the inclusion criteria required, clinical pathological information and adequate follow-up information. Results. The mean age is 51 years (8-73 years), made up of 34 men (56.7%) and 26 women (43.3%). The median overall survival (OS) was lower in the group of patients who overexpressed the Ki67 antigen (> = 20%), compared to the patients who had moderate levels of antigen expression (> = 10%). (26.5 vs. 40 months). As well evidenced that the OS is higher in patients who positively express the p53 gene (> 20%), compared to patients who did not express it. (40 vs. 30 months. Conclusion. Both, the expression of the ki67 antigen and the expression of the p53 gene could be determined as prognostic factors for the survival of patients who have been diagnosed with GBM in order to improve the quality of life of these patients giving them the possibility of receiving a more specific treatment according to the values of these immunohistochemically markers.
8

Tratamento cirúrgico de tumores neurogênicos mediastinais em crianças : estudo interinstitucional

Fraga, José Carlos Soares de January 2009 (has links)
Introdução: Os tumores neurogênicos mediastinais na criança são incomuns, sendo responsáveis por 15-25% de todos os tumores primários desta localização. A maioria deles se origina dos nervos simpáticos, e se localizam quase que exclusivamente no mediastino posterior. Objetivos: Avaliar o tipo de tumor, idade, apresentação clínica, tipo de cirurgia e sobrevida de crianças operadas por tumor neurogênico de mediastino. Material e Métodos: Após aprovação das comissões de ética, foi realizada revisão retrospectiva de 43 crianças (22 do sexo masculino) operadas por tumor neurogênico mediastinal em dois hospitais terciários, no período de março de 1998 a junho de 2009. Resultados: A mediana de idade das crianças no momento do diagnóstico foi 3 anos (0,6- 4,7). Dos tumores operados, 20 (47%) eram neuroblastomas, 13 (30%) ganglioneuroblastomas e 10 (23%) ganglioneuromas. Somente 6 crianças (14%) eram assintomáticas no momento do diagnóstico; as restantes apresentavam tosse (30%), dispnéia (21%), sibilância (11,6%), manifestações de compressão de medula espinhal (7%), e Síndromes dos Olhos Dançantes (7%), e de Horner (7%). A cirurgia foi realizada por toracotomia em 38 (88%) e por videotoracoscopia em 5 (12%). Quando comparadas àquelas submetidas à toracotomia, as crianças operadas por videotoracoscopia apresentaram estatisticamente tumores de tamanho menor (p=0,01), bem como menos tempo de drenagem torácica (p=0,011) e de internação (p=0,016). Não houve mortalidade cirúrgica. Complicações pós-operatórias ocorreram em onze crianças (25,6%): Síndrome de Horner em 5 crianças (11,6%), sendo que 3 após toracotomia e 2 após toracoscopia; as demais ocorreram após toracotomia: quilotórax em 2 (4,7%), pneumotórax em 2 (4,7%), empiema em uma (2,3%) e traqueobroncomalacia grave em outra (2,3%). Houve recorrência do tumor em 4 crianças (9,3%) operadas por toracotomia, e 2 mortes em crianças com neuroblastoma (4,6%). A sobrevida geral foi de 95,4% com uma mediana de tempo de seguimento de 3,5 anos (0,7 – 4,4). Conclusões: A maioria das crianças com tumor neurogênico mediastinal é sintomática no momento do diagnóstico. A ressecção cirúrgica destes tumores é segura, e possibilita boa sobrevida em longo prazo. A abordagem por videotoracoscopia é apropriada para pequenos tumores, e possibilita menores tempos de drenagem torácica e de internação. / Introduction: Neurogenic mediastinal tumors are uncommon, and comprise 15-25% of all primary mediastinal tumours. The majority of them arises from sympathetic nerves and is found almost exclusively in the posterior mediastinum. Purpose: To identify age, type of tumor, clinical spectrum, type of surgical resection and survival in children with thoracic neurogenic tumours. Methods: With ethics approval we reviewed the case notes of 43 consecutive children (22 males) operated for mediastinal neurogenic tumour in two different institutions from March 1998 to June 2009. Results: The median age at diagnosis was 3 years (0,6-4,7). Of the 43 tumours operated: 20 were neuroblastomas (47%), 13 ganglioneuroblastomas (30%) and 10 ganglioneuromas (23%). Only 6 (14%) of these tumours were discovered incidentally, the remaining 37 (86%) being symptomatic: cough (30%), dyspnea (21%), wheezing (11,6%), neurological spinal compression (7%), dancing eyes (7%) and Horner (7%) syndromes. Tumour resection was undertaken by open operation in 38 cases (88%) and by thoracoscopy in 5 (12%). There were no surgical deaths. Postoperative complications occurred in 11 children (25,6%). Horner’s syndrome was seen in 5 children (11,6%), 2 thoracoscopic and 3 open. All others complications were observed after open surgery: chylothorax in 2 (4,7%), pneumothorax in 2 (4,7%), thoracic empyema in 1 (2,3%) and severe tracheobronchomalacia in a further one (2,3%). Tumour recurrence occurred in 4 children (9,3%) operated by open surgery, and there were 2 death in children with neuroblastoma. The all survival was 95.4% in a median follow-up of 3,5 years (0,7-4,4). Conclusions: Most children with thoracic neurogenic tumours are symptomatic at diagnosis. Surgical resection of these tumours in children is safe and with good long-term survival. The thoracoscopic approach is appropriate for small tumours, and it carries out less postoperative lengths of thoracic drain and hospitalization.
9

Digitoxina aumenta a sobrevida de ratas portadoras de insuficiência cardíaca consequente ao infarto do miocárdio de grandes dimensões / Digotoxin prolongs survival of female rats with heart failure due to large myocardial infarction

Helber, Izo [UNIFESP] January 2008 (has links) (PDF)
Made available in DSpace on 2015-12-06T23:47:38Z (GMT). No. of bitstreams: 0 Previous issue date: 2008 / Objetivo Insuficiência cardíaca congestiva (ICC) é o maior preditor de mortalidade entre as doenças cardíacas. Este trabalho foi conduzido para analisar, pela primeira vez, se a digitoxina afeta a sobrevida de ratos com ICC que se segue ao Infarto do Miocárdio. Material e métodos e Resultados Durante período de observação de 280 dias, foi avaliada a influência da administração de digitoxina (0,1 mg/100 g/dia, via oral) na sobrevida de ratas fêmeas (n = 170) infartadas e randomizadas em dois grupos: Controle (C: n = 85) ou Digitoxina (D: n = 85). A sobrevida média foi de 235 ± 7 dias (95% IC: 220 to 249) em C e 255 ± 5 dias (95% IC: 244 to 265) em D; o teste logrank aproximou-se dos limites da significância (p = 0,0602). A digitoxina não afetou a sobrevida de ratos com ICC dependente de Infarto do Miocárdio (IM) < 40% do ventrículo esquerdo, mas prolongou a sobrevida de ratos com IM ≥ 40%. Morte foi observada em 56% de C ≥ 40% e em 34% de D ≥ 40%. O teste logrank caracterizou maior mortalidade em C (p = 0,0161), com razão de risco igual a 2,03. ICC foi identificada em todas as ratas que faleceram. O teor de água do pulmão e a mecânica miocárdica – analisada em músculo papilar – foram analisadas em C (n = 7) e D (n = 14). Diferenças significantes foram observadas (x±epm) no teor de água do pulmão (C: 82 ± 0,4; D: 80 ± 0,3%; p = 0,0014), tensão desenvolvida (C: 2,7 ± 0,3; D: 3,8 ± 0,3 g/mm2 ; p = 0,0286) e em sua primeira derivada temporal (C: 24 ± 3; D: 39±4 mg/mm2 /s; p = 0,0109). A depressão da contração pós-pausa foi atenuada em D. Conclusões: A administração por período prolongado de digitoxina reduziu marcadamente o comprometimento miocárdico após Infarto do Miocárdio, atenuou a disfunção miocárdica, reduziu a congestão pulmonar, fornecendo a primeira evidência da eficiência da digitoxina em prolongar a sobrevida na Insuficiência Cardíaca experimental. / Congestive heart failure (CHF) is a major predictor of death. We design this protocol aiming to analyze, for the first time, whether digitoxin affect survival of rats with CHF due to Myocardial Infarction. Methods and Results – The influence of digitoxin administration (0.1 mg/100 g/day, orally) on the survival of decompensate infarcted female rats (n=170) randomized as Control (C: n=85) or Digitoxin (D: n=85) was evaluated during a 280-day observational period. Mean survival was 235±7 days (95%CI: 220; 249) for C and 255±5 days (95%CI: 244; 265) for D; the logrank test revealed a borderline significant difference (p=0.06). Digitoxin did not affect (p=0.5595) survival in rats presenting CHF due to myocardial infarction (MI) <40% of the left ventricle; however, prolonged survival in rats presenting MI ≥40%. Indeed, death was reported for 56% in C≥40% and 34% rats in D≥40%; the logrank test defined significantly (p=0.0161) higher mortality in C, with a hazard ratio of 2.03 (95%CI: 1.13; 3.55). CHF was present in all deceased rats. Pulmonary water content (PWC) and papillary muscle mechanics were analyzed in C (n=7) and D (n=14) survivors. Significant differences were observed (x±epm) regarding PWC (C: 82±0.4; D: 80±0.3%; p=0.0014), developed tension (C: 2.7±0.3; D: 3.8±0.3 g/mm2 ; p=0.0286) and +dT/dt (C: 24±3; D: 39±4 mg/mm2 /s; p=0.0109). Post-rest contraction was more depressed in C than in D. Conclusion – long-term digitoxin administration markedly reduced cardiac impairment after myocardium infarction, attenuated myocardial dysfunction, reduced pulmonary congestion, and provided the first evidence regarding the efficiency of digitalis in prolonging survival in experimental cardiac failure. / BV UNIFESP: Teses e dissertações
10

Benefício da sobrevida do transplante hepático em longo prazo de acordo com a gravidade da doença hepática no momento da inclusão em lista

Gleisner, Ana Luiza Mandelli January 2009 (has links)
O transplante ortotópico de fígado (TOF) é o tratamento de escolha para pacientes com doença hepática terminal. Entretanto, o benefício desse procedimento, em termos de sobrevida, é incerto, especialmente em longo prazo. Estudos recentes sugerem que, enquanto existe claro benefício na sobrevida para indivíduos com doença hepática mais avançada, para aqueles com doença menos significativa, o risco de óbito pode ser maior com o transplante do que permanecer em lista de espera. O objetivo deste trabalho é comparar a sobrevida em transplantados e listados a fim de definir o benefício atribuído ao TOF, especialmente considerando-se a gravidade da doença hepática. Neste estudo, foram incluídos pacientes com doença hepática crônica terminal listados para transplante hepático no estado do Rio Grande do Sul, Brasil, entre janeiro de 2001 e dezembro de 2005. Os pacientes foram seguidos até junho de 2006. Dos 1130 pacientes listados, 520 foram transplantados. Os critérios para alocação de órgãos neste período foram exclusivamente o tempo de espera em lista e o grupo sanguíneo. O escore MELD foi utilizado como marcador da gravidade da doença hepática. Foram observados 290 óbitos por 1000 pacientes/ano entre pacientes listados e 119 óbitos por 1000 pacientes/ano entre os pacientes transplantados. As estimativas de sobrevida de Kaplan-Meier demonstraram cruzamento da sobrevida de listados e transplantados, confirmando a inadequação dos métodos tradicionais de análise de sobrevida. Já através do modelo Gama Generalizado, as funções de sobrevida e risco (hazards) puderam ser adequadamente estimadas. Foram definidos parâmetros de localização, formato e escala específicos para listados e transplantados, permitindo funções de risco distintas para cada grupo. O escore MELD foi incluído como variável explanatória para o parâmetro de localização, sendo significativamente associado ao tempo de sobrevida tanto em listados (redução de 11% na mediana para cada aumento de um ponto no escore MELD) quanto em transplantados (redução de 12% na mediana). Através da utilização dos parâmetros do modelo Gama Generalizado, foram calculadas razões de risco em função do tempo de seguimento com intervalos de confianca estimados pelo método Delta. Foi observado um aumento imediato na razão de risco pós-TOF quando comparado à permanência em lista de espera, com razão de risco (RR) de 7,12 e intervalo de confiança com 95% de significância (IC 95%) de 3,52-14,39 para indivíduos com escore MELD de 15, a média desta população. A RR decresceu exponencialmente até cruzar a igualdade (RR igual a um) em aproximadamente três meses. Funções de sobrevida em função do escore MELD foram também estimadas através dos mesmos parâmetros. A magnitude na diferença da sobrevida em um ano aumentou proporcionalmente ao aumento do escore MELD (MELD 10: 83% vs. 90%; MELD 15: 81% vs. 80%; MELD 20: 63% vs. 78%; MELD 25: 42% vs. 74%; MELD 30: 21% vs. 71%; listados vs. transplantados, respectivamente). O escore MELD, para o qual o transplante foi significativamente benéfico relativamente a permanecer em lista de espera, foi 23 em 6 meses, 17 em 12 meses, 15 em 24 meses e 12 em 60 meses de seguimento. No modelo multivariado, outras possíveis variáveis explanatórias foram incluídas para o parâmetro de localização. Nesta análise, a idade do receptor demonstrou-se significativamente associada com a sobrevida pós-TOF, com redução de 9% na mediana por cada ano adicional. Em conclusão, o transplante hepático aumenta a sobrevida em longo prazo de pacientes elegíveis, mesmo em pacientes com doença hepática menos avançada. Entretanto, os benefícios do transplante são mais marcantes e imediatos em pacientes com doença hepática mais avançada.

Page generated in 0.0461 seconds