• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 97
  • 8
  • Tagged with
  • 109
  • 109
  • 47
  • 46
  • 13
  • 12
  • 12
  • 11
  • 11
  • 11
  • 11
  • 11
  • 10
  • 10
  • 10
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Impacto dos haplótipos do gene ΒS sobre os marcadores de hemólise em pacientes com anemia falciforme em estado basal The impact of the βs gene haplotypes on the markers of hemolysis in adult patients with sickle cell anemia at baseline

Moreira, Juliane Almeida 2013 (has links)
MOREIRA, Juliane Almeida. Impacto dos haplótipos do gene ΒS sobre os marcadores de hemólise em pacientes com anemia falciforme em estado basal. 2013. 70 f. Dissertação (Mestrado em Patologia) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2013. Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2014-08-28T13:49:10Z No. of bitstreams: 1 2013_dis_jamoreira.pdf: 958559 bytes, checksum: b94266eed179e412bd3693b4e235960b (MD5) Approved for entry into archive by denise santos(denise.santos@ufc.br) on 2014-08-28T13:54:00Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2013_dis_jamoreira.pdf: 958559 bytes, checksum: b94266eed179e412bd3693b4e235960b (MD5) Made available in DSpace on 2014-08-28T13:54:00Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2013_dis_jamoreira.pdf: 958559 bytes, checksum: b94266eed179e412bd3693b4e235960b (MD5) Previous issue date: 2013 A anemia falciforme (AF) é uma doença hereditária resultante de uma mutação pontual (GAG  GTG) no códon do gene da βS - globina, levando a uma substituição de ácido glutâmico por valina na sexta posição da cadeia polipeptídica, gerando uma hemoglobina (Hb) anormal denominada de HbS, em homozigose. A AF se caracteriza por anemia hemolítica crônica associada a múltiplos eventos tais como processo inflamatório crônico, aumento do estresse oxidativo, dano endotelial, diminuição da biodisponibilidade do óxido nítrico (NO), ativação da coagulação, dentre outros. Os biomarcadores de hemólise tais como: contagem de reticulócitos, lactato desidrogenase (LDH), ácido úrico e arginase I são fundamentais na avaliação do grau da hemólise, principalmente, de natureza intravascular contribuindo com o monitoramento da anemia nesses pacientes. O presente estudo teve como objetivo avaliar o impacto dos haplótipos do gene βS sobre os marcadores de hemólise em adultos com AF em estado basal, acompanhados no ambulatório do serviço de hematologia no Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC). Um total de 50 pacientes adultos com AF foi selecionado, com diagnóstico confirmado por estudo molecular. Os pacientes se encontravam em uso de hidroxiuréia (HU), dose variando de 500 mg a 1,5 g/kg/dia por no mínimo seis meses. Um grupo controle foi elaborado, sendo constituído por 20 indivíduos supostamente saudáveis. Foram coletados 10 mL de sangue venoso em tubo de coleta a vácuo, contendo o anticoagulante EDTA (etileno-diamino-tetracético), para a realização da contagem de reticulócitos e 6 mL de sangue venoso em tubo de coleta a vácuo contendo gel separador, sem anticoagulante, para as dosagens séricas de LDH , ácido úrico e arginase I. As variáveis idade, sexo, dosagem e tempo de uso do medicamento, concentração da Hb e da hemoglobina fetal (HbF) foram obtidas nos prontuários médicos no momento da realização do estudo. As análises estatísticas foram realizadas no programa GraphPad Prism (versão 5.0) e o nível de significância estabelecido foi p < 0,05. Foi verificado aumento significante nos níveis de reticulócitos, LDH, ácido úrico e arginase I nos pacientes com AF em relação ao grupo controle (p < 0,05). Foi observada diferença significativa na Hb nos grupos Bantu/Benin em relação aos demais haplótipos do cluster da βs-globina. Os níveis de HbF apresentaram uma tendência a aumento no haplótipo Benin/Benin em relação aos demais. Foi verificada uma tendência no aumento de LDH no genótipo Bantu/Bantu em comparação com os demais haplótipos. Foi observada diferença significativa da arginase I entre os grupos Bantu/Bantu vs Bantu/Benin e Bantu/Bantu vs Benin/Benin. Os resultados do presente estudo reforçam a hipótese de que a arginase I possa ser utilizada como possível indicador de gravidade uma vez que a mesma foi associada ao haplótipo Bantu.
2

Triagem familiar ampliada para o gene da hemoglobina S Broder model of family triage to the hemoglobin S gene

Bandeira, Flavia Miranda Gomes de Constantino 2006 (has links)
Made available in DSpace on 2012-05-07T14:40:38Z (GMT). No. of bitstreams: 2 license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) 000003.pdf: 1461143 bytes, checksum: bf5c26f12e6dd903592863c2a4cc1881 (MD5) Previous issue date: 2006 Objetivou-se determinar a prevalência de síndromes falciformes em familiares selecionados a partir de casos índice, com particular interesse em determinar o número de afetados adicionais detectados pelo modelo de triagem familiar ampliado. Utilizou-se um estudo de corte transversal de base populacional, realizado em familiares dos casos-índice identificados pela triagem neonatal no Recife, região metropolitana do Recife e em algumas cidades do interior do estado de Pernambuco. Foram estudados os membros familiares dos casos-índice recrutados a partir da listagem fornecida pelo Programa de Triagem Neonatal de Pernambuco alocados em núcleos definidos como: 1) núcleo reduzido (NR): constituído de pai, mãe e irmãos; 2) núcleo de primeiro grau (N1): constituído de avós, tios e primos de primeiro grau; 3) núcleo de segundo grau (N2): filhos dos primos de primeiro grau; 4) núcleo ampliado (NA): NR+N1+N2 e 5) núcleo ampliado de primeiro grau (NA1): NR+N1. Foram coletadas de agosto de 2004 a junho de 2005, informações e amostras de sangue periférico de 463 membros familiares pertencentes a 21 casos-índice. A mediana de idade foi de 22 anos onde 81,5 por cento desconheciam o que era anemia falciforme. Destes, 90,5 por cento eram do Recife e região metropolitana. O gene HBB*S esteve presente em 114 indivíduos. A freqüência deste gene foi maior no NR (69 por cento), mas também elevada no N1 (22,8 por cento). De fato, o NA1 resultou na detecção de 69 portadores adicionais (cerca de 172 por cento de casos adicionais). Também ocorreu um incremento de 73 por cento na média comparando o NR com o N1. Esses resultados indicam que um número relevante de indivíduos portadores do gene HBB*S seria detectado com a ampliação do NR através da inclusão do N1. Observou-se que 53,3 por cento da população estudada, estava na faixa considerada reprodutiva e 80 por cento das pessoas que carregavam o gene HBB*S já tinham gerado filhos. Os resultados permitem as seguintes recomendações: 1) A triagem para hemoglobinopatias deve permanecer de maneira universal no estado de Pernambuco. 2) A triagem familiar ampliada, para identificação de portadores de síndrome falciforme deve ser estendida para os familiares até o primeiro grau. 3) É recomendável que ações educativas sobre as síndromes falciformes ocorram de forma sistemática em Pernambuco. 4) É necessário o envolvimento dos atores do sistema de atenção básica à saúde no tocante a multiplicação do conhecimento sobre estas síndromes.
3

Caracterização clínica, hematológica e molecular dos pacientes com anemia falciforme em Fortaleza, Ceará Clinical, hematological and molecular caracterization of sickle cell anemia patients in Fortaleza, Ceará

Silva, Lilianne Brito da 2009 (has links)
SILVA, Lilianne Brito da. Caracterização clínica, hematológica e molecular dos pacientes com anemia falciforme em Fortaleza, Ceará. 2009. 75 f. Dissertação (Mestrado em Patologia) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2009. Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2011-12-21T15:55:40Z No. of bitstreams: 1 2009_dis_lbsilva.pdf: 1279336 bytes, checksum: 99b7beb606dc53352dd46882758c40db (MD5) Approved for entry into archive by Eliene Nascimento(elienegvn@hotmail.com) on 2012-02-02T16:15:37Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2009_dis_lbsilva.pdf: 1279336 bytes, checksum: 99b7beb606dc53352dd46882758c40db (MD5) Made available in DSpace on 2012-02-02T16:15:37Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2009_dis_lbsilva.pdf: 1279336 bytes, checksum: 99b7beb606dc53352dd46882758c40db (MD5) Previous issue date: 2009 Introduction: The sickle cell anemia is the result of a point mutation in the β-globin gene, leading to a substitution of glutamic acid by valine at the sixth position of the polypeptide chain. The sickle cell anemia presents heterogeneous clinical manifestations, which may be related to the type of haplotype associated with the gene for HbS and HbF levels. Objective: Clinical characterization, molecular and haematological patients with sickle cell anemia in Fortaleza, Ceará. Methods: We analyzed 47 patients with sickle cell anemia, adults of both sexes. The determination of hematological values was performed on blood cells automated meter; the determination of the presence of HbSS was performed by alkaline hemoglobin electrophoresis on cellulose acetate tapes and by differentiation electrophoresis on agar-phosphate pH 6.2; the levels of HbF were determined by alkali denaturation technique; and the analysis of the haplotypes of the ßS mutation was done by polymerase chain reaction-restriction fragment length polymorphism (PCR-RFLP). Statistical analysis was developed in the program GraphPad Prism (version 5.0) and the level of significance was set p <0.05. Results: The distribution of the haplotypes of βS-globin gene - 63% of the Bantu type, 25% of the Benin type and 12% atypical – was in conformity with that observed for the entire Brazilian population, in which the Bantu haplotype is most prevalent, followed by the Benin and Senegal. There was no significant difference between the results found in this study and those found for the cities of Rio de Janeiro, Porto Alegre, Campinas and Ribeirão Preto; but there was a significant difference with the results obtained for the cities of Salvador and Belém and the state of Amazonas, and by other researchers in Ceará. The distribution of haplotype frequencies of the βS-globin gene in the different studies is in line with the history of the formation of the Brazilian population, except for the results of a previous study carried out in Ceará, in which the Benin haplotype was found to be most prevalent. According to the historical information on the origins of the slave population brought to Ceará, the Bantu haplotype should be the most prevalent. In the comparison between the haplotypes and the haematological characteristics studied, only the values of HbF and Ht showed statistically significant difference. The levels of HbF were higher in the Benin haplotype, followed by the Bantu haplotype, which is in accordance with the literature. Was demonstrated greater presence of painful episodes and episodes of pneumonia in Benin haplotype/Atypical haplotype than in Bantu/Atypical and increased presence of urinary infection crises in Benin haplotype/Atypical haplotype than in Benin/Benin. There was no statistically significant difference between the haplotypes Bantu/Bantu and Benin/Benin for clinical complications, however it was observed that the haplotype Bantu/Bantu has a higher frequency in all studied clinical events when compared to Benin/Benin. Among the results was shown a trend of fewer patients with painful episodes and of leg ulcers with increased levels of HbF. There was no statistically significant difference in the comparison between the levels of HbF and the values of red blood cells, hemoglobin, hematocrit, leukocytes and platelets. Conclusions: The determination of haplotypes of sickle cell anemia is of great importance not only for monitoring and prognosis of patients, but also as a tool for anthropological studies which help in clarifying the origin of Africans who have contributed so much in training ethnological, economic, cultural and social Brazil. Introdução: A anemia falciforme é o resultado de uma mutação pontual (GAGGTG) no códon do gene da globina β, conduzindo a uma substituição de ácido glutâmico por valina na sexta posição da cadeia polipeptídica. A anemia falciforme apresenta manifestações clínicas heterogêneas, que podem ser relacionadas ao tipo de haplótipo associado ao gene da HbS e aos níveis de HbF. Objetivo: Caracterização clínica, hematológica e molecular dos pacientes com anemia falciforme em Fortaleza, Ceará. Metodologia: Foram analisados 47 pacientes com anemia falciforme, adultos e de ambos os sexos. A determinação dos valores hematológicos foi realizada em contador automático de células sangüíneas; a determinação da presença de HbSS foi realizada por eletroforese em pH alcalino em fitas de acetato de celulose e por eletroforese de diferenciação em Ágar-fostato pH 6.2; os níveis de HbF foram determinados pela técnica da desnaturação alcalina; e a análise dos haplótipos da mutação ßS foi realizada por meio da técnica da reação em cadeia mediada pela polimerase para polimorfismo dos comprimentos dos fragmentos de restrição (PCR-RFLP). As análises estatísticas foram desenvolvidas no programa GraphPad Prism (versão 5.0) e o nível de significância estabelecido foi p < 0,05. Resultados: A distribuição dos haplótipos do gene da βS-globina, 63% do tipo Bantu, 25% do tipo Benin e 12% do tipo Atípico, está em conformidade com a observada para a população brasileira, em que o haplótipo Bantu é o mais prevalente, seguido pelo Benin e Senegal. Não houve diferença significativa entre o presente estudo e os resultados encontrados no Rio de Janeiro, Porto Alegre, Campinas e Ribeirão Preto; porém uma diferença significativa foi observada quando o estudo foi comparado aos resultados obtidos em Salvador, Belém, Amazonas e por outros pesquisadores no Ceará. A distribuição das freqüências dos haplótipos do gene da βS-globina nos diferentes estudos está condizente com a história da formação da população brasileira, exceto nos resultados do estudo anterior realizado no Ceará, que obteve o haplótipo Benin com maior prevalência. Conforme os dados históricos sobre as origens da população negra trazida ao estado do Ceará, o haplótipo Bantu seria o mais prevalente. Na comparação entre os haplótipos e as características hematológicas estudadas, apenas os valores de HbF e Ht apresentaram diferença estatisticamente significativa. Os níveis de HbF foram maiores no haplótipo Benin, seguido do haplótipo Bantu, o que está em conformidade com os dados da literatura. Foi demonstrada maior presença de crises vaso-oclusivas e episódios de pneumonia no haplótipo Benin/Atípico do que no haplótipo Bantu/Atípico; e maior presença de crises de infecção urinária no haplótipo Benin/Atípico do que no haplótipo Benin/Benin. Não houve diferença estatisticamente significativa entre os haplótipos Bantu/Bantu e Benin/Benin em relação às complicações clínicas, entretanto foi observado que o haplótipo Bantu/Bantu tem uma maior freqüência em todos os eventos clínicos estudados quando comparado ao Benin/Benin. Dentre os resultados foi demonstrada uma tendência de menor número de pacientes com crises vasos-oclusivas e úlceras de perna com o aumento dos níveis de HbF. Não houve diferença estatisticamente significativa na comparação entre os níveis de HbF e os valores de Hemácias, Hemoglobina, Hematócrito, Leucócitos e Plaquetas. Conclusões: A determinação dos haplótipos da anemia falciforme é de grande importância não só para o acompanhamento e prognóstico dos pacientes, como também como ferramenta para estudos antropológicos que contribuam no esclarecimento da origem dos africanos que tanto contribuíram na formação etnológica, econômica, cultural e social do Brasil.
4

Avaliação dos níveis séricos de malonaldeído (MDA), óxido nítrico (NO) e lactato desidrogenase láctica (LDH) na anemia falciforme e suas correlações com o uso de hidroxiuréia Evaluation of serum levels of malonaldehyde (MDA), nitric oxide (NO) and lactate dehydrogenase (LDH) in sickle cell disease and their correlation with the use of hydroxyurea

Elias, Darcielle Bruna Dias 2009 (has links)
ELIAS, Darcielle Bruna Dias. Avaliação dos níveis séricos de malonaldeído (MDA), óxido nítrico (no) e lactato desidrogenase láctica (LDH) na anemia falciforme e suas correlações com o uso de hidroxiuréia. 2009. 88 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Fortaleza, 2009. Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2012-12-17T13:25:41Z No. of bitstreams: 1 2009_dis_dbdelias.pdf: 3072701 bytes, checksum: 48257d613b0dfb82a04492bb659b30b2 (MD5) Approved for entry into archive by Erika Fernandes(erikaleitefernandes@gmail.com) on 2012-12-17T13:47:02Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2009_dis_dbdelias.pdf: 3072701 bytes, checksum: 48257d613b0dfb82a04492bb659b30b2 (MD5) Made available in DSpace on 2012-12-17T13:47:02Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2009_dis_dbdelias.pdf: 3072701 bytes, checksum: 48257d613b0dfb82a04492bb659b30b2 (MD5) Previous issue date: 2009 The sickle-cell disease (SCD) is characterized by hemolytic chronic anemia and with vase-occlusive phenomena, followed by target organs which are responsible for the mortality associated with this disease. The vase-occlusive phenomenon is associated with the inflammatory process unleashed by the polymerization of deoxygenated HbS, which favors the polymerization of erythrocytes in the microcirculation and the subsequent obstruction of endothelia light. Several evidences suggest that the reduction of the bioavailability of the nitric oxide (NO) can be a factor to favor the vase-occlusion and that the free radicals produced give rise to the lipidic peroxidation and the subsequent production of the abnormal quantities of malonaldehyde (MDA), which induce the permeability of the red cell membrane. Among the genetic factors that modulate the clinic of the AF, there is the HbF levels. The hydroxyurea (HU) is used in the treatment of SCD and apart from increasing the HbF levels it also seems to contribute as a nitric oxide donator. In this context, the present work aims to evaluate the oxidative stress by means of seric dosage of the MDA and to determinate the levels of NO and lactate desidogenase lactica (LDH) in patients with SCD by means within the Walter Cantídeo University Hospital (HUWC) and to correlate with the use of HU. This way, it was used 65 samples of peripheral blood of adult patients with AF with either HU or not, and a control group was composed by 20 donors of the blood bank with HbAA. The levels of NO, MDA and LDH were determined by biochemical methods. The participants of the research were selected in the Center of Hematology and Hemotherapy of Ceará State (HEMOCE). All the participants have signed a document stating free consent and approval (TCLE) and they were submitted to a previously elaborated questionnaire. The obtained data were expressed as averages ± pattern deviation and analyzed by using a statistics software SPSS15.0, using Pearson and Spearman correlation coefficients for the study of the correlations among MDA, NO, LDH, HbF and Hb. In order to compare the three groups through the levels of MDA, NO and LDH, the results were obtained by means of deviance analysis (ANODEV). It has been observed a majority of females and fallow race (group I) and black (group II), in which the most part of these patients have ages in the range of 20-35 (group I) and 20-40 (group II) and come from Ceará State. Most of them did not smoke, drink alcohol nor use vitamin supplements (C and E). The levels of MDA in the three groups are all different, i. e., the control group showed an average level of MDA higher than group II, and the later higher than that of the group one. It was not verified difference in the seric levels of NO in relation to the use of HU. In the three groups, it was observed that only the control group is different, showing an average much lower than those of the other two groups of patients regarding the levels of LDH. It was also observed a correlation inversely proportional between the two levels of NO and HbF for the group I, while in the group II there was no correlation. Regarding to the concentration of Hb, there was no correlation both in the group I and in the group II, with levels of NO. There was no significantly correlation among the levels of MDA, Hb and HbF for the studied groups. It was found a correlation inversely proportional between the levels of LDH and Hb for the group I. It was observed accentuated levels of MDA in patients of group II who have made two or more transfusions throughout the year, who had leg ulcers and who had three or more vase-occlusive crises form both the groups. It was found no relation of NO with the clinic variables. CONCLUSÃO: Our results have shown that patients who use HU are not protected against lipidic peroxidation, hemolysis and consume of available NO A anemia falciforme (AF) se caracteriza por anemia hemolítica crônica e com fenômenos vaso-oclusivos, seguidos de lesões a órgãos alvos, responsáveis pela mortalidade associada a esta doença. O fenômeno vaso-oclusivo está associado ao processo inflamatório desencadeado pela polimerização da HbS desoxigenada, favorecendo a impactação das hemácias na microcirculação e subseqüente obstrução da luz do endotélio. Numerosas evidências sugerem que a redução da biodisponibilidade do óxido nítrico (NO) pode ser um fator que favoreça a vaso-oclusão e que os radicais livres formados induzem à peroxidação lipídica e à subseqüente produção de quantidades anormais de malonaldeído (MDA), que provoca alteração da permeabilidade da membrana eritrocitária. Dentre os fatores genéticos que modulam a clínica da AF consta os níveis de HbF. A hidroxiuréia (HU) é utilizada no tratamento da AF e além de aumentar os níveis de HbF parece contribuir como um doador de óxido nítrico. Nesse contexto, os objetivos do presente trabalho foram avaliar o estresse oxidativo por meio da dosagem sérica de MDA e determinar os níveis de NO e de lactato desidrogenase láctica (LDH) em pacientes com AF em acompanhamento ambulatorial no Hospital Universitário Walter Cantídeo (HUWC) e correlacionar com o uso da HU. Desta forma foram utilizadas 65 amostras de sangue periférico de pacientes adultos com AF em uso ou não de HU, e um grupo controle foi elaborado por 20 doadores do banco de sangue com HbAA. Os níveis de NO, MDA e LDH foram determinados por métodos bioquímicos. Os participantes da pesquisa foram selecionados junto ao centro de hematologia e hemoterapia do Ceará (HEMOCE). Todos os indivíduos assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE) e foram submetidos a um questionário pré-estruturado. Os dados obtidos foram expressos como médias  desvio padrão e analisados utilizando-se o programa estatístico SPSS15.0, utilizamos os coeficientes de correlação de Pearsaon e de Spearman para o estudo das correlações entre MDA, NO, LDH, HbF e Hb. Para comparar os três grupos através dos níveis de MDA, NO e LDH obtemos os resultados através da análise de deviance (ANODEV). verificamos um predomínio do sexo feminino, e das raças parda (grupo I) e negra (grupo II), sendo a grande maioria desses pacientes com idade variando de 20 a 35 anos (grupo I) e 20 a 40 anos (grupo II) e procedentes do estado de Ceará. Em sua maioria, não faziam uso de fumoetilismo e de suplementação de vitaminas (C e E). Os níveis de MDA nos três grupos são todos diferentes, isto é, o grupo controle apresentou um nível médio de MDA superior ao grupo II, e este por sua vez superior ao grupo I. Não encontramos diferença nos níveis séricos de NO em relação ao uso de HU. Nos três grupos observamos que apenas o grupo controle difere, apresentando uma média bem inferior a dos dois grupos de pacientes quanto aos níveis de LDH. Observamos uma correlação inversamente proporcional entre os de níveis NO e de HbF para o grupo I, enquanto que para o grupo II não houve correlação. Em relação à concentração da Hb não houve correlação tanto no grupo I quanto no grupo II, com os níveis de NO. Não houve correlação significativa entre os níveis de MDA e Hb e HbF para nenhum dos grupos estudados. Encontramos uma correlação inversamente proporcional entre os níveis de LDH e de Hb para o grupo I. Observou-se níveis elevados de MDA em pacientes do grupo II que realizaram duas ou mais transfusões no decorrer do ano, que apresentaram úlcera de perna maleolar e que tiveram três ou mais crises vaso-oclusivas para ambos os grupos. Não encontramos nenhuma relação do NO com as variáveis clínicas. CONCLUSÃO: Nossos resultados mostram que os paciente em uso de HU não estão protegidos contra a peroxidação lipídica, hemólise quanto ao consumo de NO disponível.
5

Estudo de citotoxicidade, inflamação e estresse oxidativo em neutrófilos de pacientes com anemia falciforme : influência do tratamento com hidroxiuréia Study cytotoxicity, inflammation and oxidative stress in neutrophils of patients with sickle cell disease : the influence treatment with hydroxyurea

Pedrosa, Alano Martins 2013 (has links)
PEDROSA, Alano Martins. Estudo de citotoxicidade, inflamação e estresse oxidativo em neutrófilos de pacientes com anemia falciforme : influência do tratamento com hidroxiuréia. 2013. 111 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Fortaleza, 2013. Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2013-05-17T16:35:04Z No. of bitstreams: 1 2013_dis_ampedrosa.pdf: 808373 bytes, checksum: b4f933762ac58a15a0212b4c8cbefccf (MD5) Approved for entry into archive by Erika Fernandes(erikaleitefernandes@gmail.com) on 2013-05-20T12:59:51Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2013_dis_ampedrosa.pdf: 808373 bytes, checksum: b4f933762ac58a15a0212b4c8cbefccf (MD5) Made available in DSpace on 2013-05-20T12:59:51Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2013_dis_ampedrosa.pdf: 808373 bytes, checksum: b4f933762ac58a15a0212b4c8cbefccf (MD5) Previous issue date: 2013 Falciform Anemia (FA) is a hereditary hemoglobinopathy resulting from a β-globin gene mutation (α2β26 GLU→ VAL) that originates a hemoglobin variant called S (HbS). Its polymerization promotes hemolytic and vaso-occlusive crises (VOC). Nowadays it is known that these reactions are initial FA events that unleash a chain reaction that ends with the generation of oxygen reactive types (ORT) nitric oxide (NO) bioavailability reduction, endothelial lesion, susceptibility to infections and a chronic inflammatory process with direct involvement of neutrophils in the development of such mechanisms. Neutrophils of FA patients, besides developing more rigid, non-deformable structures, also show alterations in the expression of adhesion molecules and the production of cytokines and other mediators that may induce or aggravate clinical events observed in the disease. Hydroxyurea (HU) is the most important improvement in FA treatment and the only medicine with a strong impact on the patients’ quality of life, reducing the number of VOC, hospitalizations and deaths resulting from this condition. However, not much is known about the effects of this medicine on neutrophils and on the functionality of these cells. The present study aimed at investigating cytotoxicity, inflammation and oxidative stress markers in neutrophils of FA patients, as well as the effect of HU treatment over these parameters in hematology ambulatory patients from a university hospital and a blood center, both reference centers in Fortaleza – Ceará. The sample included 101 adult patients of both sexes diagnosed with FA through molecular study and it was divided into two groups: the SS Group – composed of 47 FA patients and the SSHU Group – composed of 54 FA patients under HU treatment. A control Group AA was composed of 50 healthy individuals, voluntary blood donors matched by age and sex. Neutrophils were isolated from whole blood by differential gradient and used to measure test. In toxicity tests carried out, it was observed that HU did not have any cytotoxic effect on patients’ neutrophils, however, was shown a cytoprotective action when compared to group AA and SS patients, with a significant reduction (p<0,001) in lactate dehydrogenase (LDH) levels and an increase in the percentage of viable cells through the metil tiazol tetrazolium (MTT) (p<0,001) and the Trypan Blue exclusion tests. Analyzing neutrophil involvement in inflammatory and oxidative stress processes and in FA, there was a significant elevation in the levels of cytokines and pro-inflammatory markers (TNF-α, MPO) and reduced antiinflammatory interleukin IL-10 group SS, as well as a significant decrease in the activity of antioxidant enzymes (SOD and GSH-Px). Patients under medical treatment with the tested medicine showed similar levels to those found in group AA. Oxidative damage were analyzed through malonaldehyde measurement (MDA), which was evidenced statistical differences between all studied groups (p<0,001), however with a higher average value in the non-treated group of patients. The present study ratified the important role of neutrophils in the inflammatory response promoted by the AF, and shown in an unprecedented way, with the Northeast-BR patients, treatment with HU did not reduce the viability of neutrophils, and modulates its mechanisms pro-inflammatory and pro -oxidants at levels comparable to those of healthy individuals. Anemia Falciforme (AF) é uma hemoglobinopatia hereditária resultante de uma mutação pontual do gene da β-globina (α2β26 GLU→ VAL), originando a hemoglobina S (HbS), cuja polimerização promove crises hemolíticas e vaso-oclusivas (CVO). Atualmente, sabe-se que as mesmas são eventos iniciais na AF desencadeando uma cascata de reações que culmina com geração de espécies reativas de oxigênio, redução da biodisponibilidade do óxido nítrico, lesão endotelial, susceptibilidade às infecções e processo inflamatório crônico, com envolvimento direto dos neutrófilos nesses mecanismos. Os neutrófilos de pacientes com AF exibem estruturas mais rígidas e indeformáveis e alterações na expressão de moléculas de adesão e produção de citocinas e outros mediadores que podem induzir ou agravar as manifestações clínicas da doença. A hidroxiuréia (HU) constitui o avanço mais importante no tratamento da AF, sendo o único medicamento que, efetivamente, tem forte impacto na melhora da qualidade de vida dos pacientes, reduzindo o número de CVO, hospitalizações e óbitos. No entanto, pouco se sabe sobre os efeitos deste medicamento sobre os neutrófilos e na funcionalidade dessas células. O estudo teve como objetivo principal investigar a citotoxicidade, inflamação e estresse oxidativo em neutrófilos de pacientes com AF, bem como o efeito do tratamento com HU sobre esses parâmetros em pacientes atendidos pelos serviços ambulatoriais de hematologia de um hospital universitário e de um hemocentro, ambos de referência em Fortaleza-Ceará. A amostra foi constituída por 101 pacientes adultos, de ambos os sexos, diagnosticados por estudo molecular, sendo divididos em dois grupos: Grupo SS– formado por 47 pacientes com AF, e, Grupo SSHU– formado por 54 pacientes em tratamento com HU. Um grupo controle, Grupo AA, foi formado por 50 indivíduos saudáveis, doadores voluntários de sangue, com idade e sexo pareados. Os neutrófilos foram isolados do sangue total por diferença de gradiente e utilizados para mensuração dos testes. Nos ensaios de toxicidade, observou-se que a HU não exerceu efeito citotóxico nos neutrófilos dos pacientes, entretanto, foi evidenciado uma ação citoprotetora sobre os mesmos quando comparados aos pacientes SS e grupo AA, com uma redução significativa (p<0,001) na atividade de lactato desidrogenase (LDH) e aumento no percentual de células viáveis pelo teste de exclusão por Azul de Tripan e ensaio do metil tiazol tetrazólio (MTT) (p<0,001). Analisando o envolvimento dos neutrófilos nos processos de inflamação e estresse oxidativo na AF, constatou-se uma significativa elevação nos níveis de citocinas e marcadores pró-inflamatórios (TNF-α, MPO) e uma redução da interleucina anti-inflamatória IL-10 no grupo SS, bem como uma diminuição significante da atividade das enzimas antioxidantes (SOD e GSH-Px). Os pacientes em terapia com HU apresentaram níveis semelhantes aos encontrados no grupo AA. Danos oxidativos foram analisados pela mensuração do malonaldeído (MDA), evidenciando diferença estatística entre todos os grupos do estudo (p<0,001), porém, com valor de média superior no grupo SS. O presente estudo ratificou o papel preponderante dos neutrófilos na resposta inflamatória promovida pela AF, e mostrou de maneira inédita, com pacientes do Nordeste-BR, que o tratamento com HU não reduziu a viabilidade de neutrófilos, e modulou seus mecanismos pró-inflamatórios e pró-oxidantes a níveis comparáveis aos de indivíduos sadios.
6

Caracterização físico-química de proteínas presentes na membrana de hemácias de pacientes com anemia falciforme Characterization physical and chemical of protein present in rbc membrane of patients with sickle cell anemia

Cruz, Francisca Denyse Antonia Mendes 2013 (has links)
CRUZ, F. D. A. M. Caracterização físico-química de proteínas presentes na membrana de hemácias de pacientes com anemia falciforme. 2013. 80f. Dissertação (Mestrado em Biotecnologia) - Campus de Sobral, Universidade Federal do Ceará, Sobral, 2013. Submitted by Djeanne Costa (djeannecosta@gmail.com) on 2016-06-29T12:33:04Z No. of bitstreams: 1 2013_dis_fdamcruz.pdf: 2045057 bytes, checksum: a0cb1ea43ac3bc0105250682d5ce4ec5 (MD5) Approved for entry into archive by Djeanne Costa (djeannecosta@gmail.com) on 2016-06-29T12:47:56Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2013_dis_fdamcruz.pdf: 2045057 bytes, checksum: a0cb1ea43ac3bc0105250682d5ce4ec5 (MD5) Made available in DSpace on 2016-06-29T12:47:56Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2013_dis_fdamcruz.pdf: 2045057 bytes, checksum: a0cb1ea43ac3bc0105250682d5ce4ec5 (MD5) Previous issue date: 2013 Sickle cell anemia (SCA) is the most common hereditary disease in Brazil and is present in about 0.1 to 0.3% of the population of African origin. This disease is caused by homozygous mutation of a single nucleotide (Glu6Val gene Hb S) that modify the function of the red cell in the body, which implies changes in membrane components and, consequently, the event sickling of red blood cells, causing vaso-occlusion. In this work we aim to identify, quantify and correlate changes in erythrocyte membrane glycoproteins associated with the framework and clinical evolution of the disease, using ion exchange chromatography (IEC) and SDS-PAGE. Were performed ion exchange chromatography on membrane proteins extracted from peripheral blood erythrocytes of 31 patients with AF. The chromatograms showed significant differences in the concentration of protein present in the membranes of red blood cells when we relate absorbance / elution range between seizure freedom and volunteers without a diagnosis of AF, depending on the clinical manifestations, patients may show differences in protein concentration. 1D SDS-PAGE revealed the presence of distinct proteins, suggesting that there are differences in the type and concentration of membrane proteins in sickle erythrocytes (both in patients without crisis as a crisis), when related to those extracted from red cells not anemic. In SDS-PAGE 2D 254 spots were identified, of which 8 spots were not identified by the program TagIdent. Most spots were distributed in the pH range 7-10, with a predominance of proteins with molecular weight less than or equal to 20 kDa. Our results suggest that analysis of sickle cells by IEC, followed by SDS-PAGE (1D and 2D), allowed differentiation and partially characterize membrane proteins of erythrocytes of patients (symptomatic and asymptomatic) with AF when related to volunteers without a diagnosis of AF . Our data reinforce the variety of biomodulation related AF, suggesting that their identification is of paramount importance for the study of adhesion between these cells sickle and the endothelium, which triggers vaso-occlusion, resulting in various symptoms A anemia falciforme (AF) é a doença hereditária mais comum no Brasil e está presente em cerca de 0,1 a 0,3% da população afrodescente. A doença é uma homozigotia causada pela mutação de um único nucleotídeo (Glu6Val no gene Hb S) que altera a função da célula vermelha no organismo, o que implica em alterações nos componentes da membrana e, em conseqüência, o evento de falcização das hemácias, desencadeando crises de vaso-oclusão. Nesse trabalho objetivamos identificar, quantificar e correlacionar alterações em glicoproteínas da membrana eritrocitária associados com o quadro e evolução clínica da enfermidade, utilizando cromatografia de troca iônica (IEC) e SDS-PAGE. Foram realizadas cromatografias de troca iônica em proteínas de membrana extraídas de hemácias de sangue periférico de 31 portadores de AF. Os cromatogramas revelaram diferenças significativas quanto à concentração de proteínas presentes nas membranas das hemácias quando relacionamos absorbância/faixa de eluição entre pacientes sem crises e voluntários sem diagnóstico de AF; dependendo das manifestações clínicas, pacientes podem apresentar diferenças nas concentrações protéicas. SDS-PAGE 1D revelou a presença de proteínas distintas, sugerindo que há diferenças no tipo e na concentração das proteínas de membrana de hemácias falcêmicas (tanto em pacientes sem crise, quanto em crise) quando relacionadas àquelas extraídas da membrana de hemácias não falcêmicas. Na SDS–PAGE 2D foram identificados 254 spots, dos quais 8 spots não foram identificados pelo programa TagIdent. A maioria dos spots estavam distribuídos na faixa de pH 7-10, com predomínio de proteínas com massa molecular menor ou igual a 20 KDa. Nossos resultados sugerem que análise das células falcêmicas por IEC, acompanhadas de SDS-PAGE (1D e 2D), permitiu diferenciar e caracterizar parcialmente proteínas de membrana de hemácias de pacientes (sintomáticos e assintomáticos) com AF quando relacionadas ao controle, sem diagnóstico de AF. Nossos dados reforçam a variedade de biomoduladores relacionados AF, sugerindo que sua identificação é de suma importância para o estudo da adesão entre células falcêmicas e destas ao endotélio, o que pode desencadear a vasoclusão, resultando em diversos sintomas.
7

Estudo dos marcadores de inflamação: associação com os haplótipos do cluster da β-globina na anemia falciforme Study of a marker of inflammation: association with cluster of haplotypes β-globin in sickle cell disease

Bandeira, Izabel Cristina Justino 20 February 2013 (has links)
BANDEIRA, I. C. J. Estudo dos marcadores de inflamação: associação com os haplótipos do cluster da β-globina na anemia falciforme. 2013. 87 f. Dissertação (Mestrado em Patologia) - Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará, 2013. Submitted by Erika Fernandes (erikaleitefernandes@gmail.com) on 2016-07-19T13:13:59Z No. of bitstreams: 1 2013_dis_icjbandeira.pdf: 2138054 bytes, checksum: 16abdc3bcd1ea1d1c334877620c01618 (MD5) Approved for entry into archive by Erika Fernandes (erikaleitefernandes@gmail.com) on 2016-07-19T13:14:08Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2013_dis_icjbandeira.pdf: 2138054 bytes, checksum: 16abdc3bcd1ea1d1c334877620c01618 (MD5) Made available in DSpace on 2016-07-19T13:14:08Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2013_dis_icjbandeira.pdf: 2138054 bytes, checksum: 16abdc3bcd1ea1d1c334877620c01618 (MD5) Previous issue date: 2013-02-20 The Sickle Cell Anemia (SCA) is an inherited disease characterized by homozygous severe hemolytic anemia and clinical variables, considered a chronic inflammatory disease. SCA results from a mutation in a nitrogenous base in the sixth codon of the beta globin gene, leading to substitution of adenine for thymine nucleotide (GAG → GTG), which results in the production of the amino acid valine in place of glutamic acid. The inflammatory pathophysiology of SCA is centered on the ability of HbS polymerization that leads to chronic hemolysis and vaso-occlusion. SCA patients are a chronic inflammatory state of multifactorial origin that involves endothelial cells, erythrocytes, leukocytes and platelets by increasing the interactions between cell-cell and cell-endothelium starting an endothelial injury. The study was a cross-sectional prospective in order to investigate the association of haplotypes with the inflammatory profile of patients with AF. Was performed to confirm the HbSS and then study the haplotypes BS mutation in the gene for beta globin chain. We measured markers IL-6, IL-8, TNF-α, IL-17, CRP, IL-10 and TGF-β on 67 patients with SCA and 26 healthy subjects. We observed the prevalence of Bantu haplotype (67.1%) in the patient population studied, followed by the Benin haplotype (28.3%). The study confirms that SCA patients are in a chronic inflammatory state, as had elevated markers of proinflammatory and anti-inflammatory when compared to healthy subjects. The Bantu achieved higher levels of proinflammatory cytokines and CRP compared to the values for Haplotype Benin. For the anti-inflammatory profile, Bantu haplotype also showed high levels of the markers when compared to patients Benin haplotype. Then, the inflammatory profile of patients with SCA is associated with genetic polymorphisms. A Anemia Falciforme (AF) é uma doença hereditária homozigótica caracterizada por anemia hemolítica grave e manifestações clínicas variáveis, considerada uma doença inflamatória crônica. A AF resulta de uma mutação pontual em uma base nitrogenada no sexto códon do gene da beta globina, levando a substituição do nucleotídeo adenina por timina (GAG → GTG), o que resulta na produção do aminoácido valina no lugar do ácido glutâmico. A fisiopatologia inflamatória da AF está centralizada na capacidade de polimerização da HbS que leva à hemólise crônica e à vaso-oclusão. Os pacientes com AF encontram-se em um estado inflamatório crônico de origem multifatorial, que envolve células endoteliais, eritrócitos, leucócitos e plaquetas através do aumento nas interações entre célula-célula e célula-endotélio iniciando uma lesão endotelial. O estudo foi do tipo transversal prospectivo com a finalidade de investigar a associação dos haplótipos com o perfil inflamatório de pacientes com AF. Foi realizada a confirmação da HbSS e em seguida o estudo dos haplótipos da mutação BS no gene da cadeia beta globínica. Foram dosados os marcadores IL-6, IL-8, TNF-α, IL-17, PCR-us, IL-10 e TGF-β em 67 pacientes com AF e em 26 indivíduos saudáveis. Observou-se a prevalência do haplótipo Bantu (67,1%) na população de pacientes estudada, seguido do haplótipo Benin (28,3%). O estudo confirma que os pacientes com AF encontram-se em um estado inflamatório crônico, pois apresentaram valores elevados de marcadores pró-inflamatórios e antiinflamatório, quando comparadas à indivíduos saudáveis. O haplótipo Bantu obteve mais elevados índices das citocinas pró-inflamatórias e da PCR-us quando comparados aos valores para o Haplótipo Benin. Para o perfil antiinflamatório, o haplótipo Bantu também apresentou valores elevados dos marcadores, quando comparados aos pacientes de haplótipo Benin. Então, o perfil inflamatório dos pacientes com AF está associado à polimorfismos genéticos.
8

Epidemiologia das internações hospitalares e tratamento farmacológico dos eventos agudos em doença falciforme Epidemiology of the hospitalization and farmacological therapy of the sharp events in illness sickle cell

Loureiro, Monique Morgado 2006 (has links)
Made available in DSpace on 2012-09-05T18:23:48Z (GMT). No. of bitstreams: 2 license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) 247.pdf: 1331631 bytes, checksum: d3b2b86a329cd73f4257d8604e1d0a0d (MD5) Previous issue date: 2006 A doença falciforme (DF) é uma enfermidade genética que afeta principalmente os indivíduos da raça negra, tendo como principais características clínicas a anemia hemolítica e recorrentes crises de dor aguda. Estas e outras manifestações da doença devem-se à hemoglobina mutante, denominada hemoglobina S. Durante o curso da doença, diversas complicações clínicas ocorrem, o que leva à necessidade de repetidas internações hospitalares. Nesta tese são apresentados três artigos científicos que versam sobre características epidemiológicas e clínicas, e sobre aspectos do tratamento dos casos internados com DF. No primeiro artigo foram estudados 9349 pacientes portadores de doença falciforme, internados em hospitais da Bahia, Rio de Janeiro e São Paulo, no período de 2000 a 2002, utilizando-se os dados do Sistema de Internações Hospitalares do Sistema Único de Saúde (SIH/SUS). Dentre os principais resultados, destacaram-se o predomínio de óbitos entre adultos jovens e as diferentes freqüências de internação entre os estados estudados. Nos demais artigos foram coletados dados de 230 internações ocorridas entre 2000 e 2004, a partir dos registros de um hospital público universitário, referência no atendimento da DF no estado do Rio de Janeiro. No segundo artigo, o tempo mediano de permanência hospitalar variou segundo a idade, os motivos clínicos de internação e o tratamento recebido. Os analgésicos mais prescritos foram da classe dos opióides, o que vem ao encontro das recomendações da literatura internacional. A letalidade hospitalar foi maior entre aqueles com infecção bacteriana (10 por cento) e insuficiência renal (27,3 por cento), fatores de risco já conhecidos para óbito em doença falciforme. No terceiro artigo foram analisados os fatores associados ao risco de reinternação hospitalar para 71 pacientes com DF, comparando diferentes modelos de sobrevida na identificação de características individuais e da internação prévia. Os modelos de Andersen-Gill (AG), Prentice, Willians & Peterson (PWP) e um modelo de fragilidade foram ajustados. Na análise de resíduos observamos não proporcionalidade de algumas covariáveis. O ajuste dos modelos AG e PWP apresentou limitações, indicando a necessidade do uso de modelo de fragilidade e sugerindo que fatores não incluídos na modelagem atuaram para a reinternação.
9

Avaliação de marcadores associados à sintese de hemoglobina fetal em indivíduos com anemia falciforme e persistência hereditária da hemoglobina fetal

Santos, Nadja de Jesus Gonçalves dos 2012 (has links)
Submitted by Ana Maria Fiscina Sampaio (fiscina@bahia.fiocruz.br) on 2012-11-19T18:11:37Z No. of bitstreams: 1 Nadja de Jesus G. dos Santos. Hemoglobina fetal...pdf: 2812470 bytes, checksum: 55476e9f2f10311274d9f1a3382fda56 (MD5) Made available in DSpace on 2012-11-19T18:11:37Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Nadja de Jesus G. dos Santos. Hemoglobina fetal...pdf: 2812470 bytes, checksum: 55476e9f2f10311274d9f1a3382fda56 (MD5) Previous issue date: 2012 Fundação Oswaldo Cruz. Centro de Pesquisas Gonçalo Moniz. Salvador, Bahia, Brasil O estudo de marcadores associados à síntese de hemoglobina fetal (HbF) é de grande interesse científico, pois contribui para o entendimento dos mecanismos regulatórios dos genes envolvidos na síntese das cadeias globínicas gama, uma vez que esta Hb é importante na modulação genética da anemia falciforme (HbSS). O objetivo desse estudo foi investigar a influência de alterações em genes envolvidos na síntese de HbF e suas associações com marcadores laboratoriais e clínicos na HbSS e caracterizar o fenótipo e o genótipo de indivíduos com o perfil sugestivo de persistência hereditária de hemoglobina fetal (PHHF). Dessa forma, foi realizado um estudo de corte transversal, seguido de caso-controle com a casuística de 43 indivíduos HbSS com HbF> 3,0% e 3 indivíduos com perfil sugestivo de PHHF. O presente estudo foi aprovado pelo CEP-CpGM-Fiocruz. Os polimorfismos HBG2 -396/-391del, HBG2 SNP -369 C>G, HBG2 -309 A>G, HBG2 -157 T>C, HBG1 -499 T>A, HBG1 -369 C>G, HBG1 -271 C>T e HBG1-225/-222del foram investigados por sequenciamento automático de DNA; os haplótipos ligados ao gene da globina beta foram investigados por PCR-RFLP; os polimorfismos BCL11Ars766432, BCL11Ars6732518, OR51B5/6rs4910756, OR51B5/6rs7483122, HMIPrs11759553, HMIPrs35959442 foram investigados por PCR em tempo real; a talassemia alfa 23.7 Kb e as deleções PHHF-1, PHHF-2 e PHHF-4 por PCR. As análises hematológicas foram realizadas em contador automático de células, o perfil de hemoglobina foi confirmado por cromatografia líquida de alto desempenho e as dosagens bioquímicas foram investigadas por quimiluminescência. As concentrações de HbF foram associadas com HbS (p<0,0001), hematócrito (p=0,035), VCM (p=0,010), HCM (p=0,045), colesterol VLDL (p=0,044), ferro (p=0,001) e ferritina (p=0,042). Os polimorfismos estudados apresentaram associação com marcadores laboratoriais e clínicos no grupo estudado. O polimorfismo HBG1 -271 C>T foi associado com a concentração de HbF (p=0,027; RP=4,45; IC95%= 1,14 – 17,41) e ferro (p=0,0076); o HBG1 -499 T>A com as concentrações de glicose (p=0,007) e de alfa-1 antitripsina (p=0,008); o HBG1 -225/-222del com as concentrações de colesterol LDL (p=0,017); o HBG2 -396/-391del com as concentrações de HbS (p=0,017), creatinina (p=0,042) e bilirrubina p=0,030), sendo associado também ao quadro clínico mais grave da doença, com ocorrência frequente de crises vaso-oclusivas (p=0,046), litíase biliar (p=0,021) e o uso de hemoterápicos (p=0,009); o BCL11A rs766432 com a contagem de reticulócitos (p<0,0001) e a concentração de colesterol total (p=0,033); o BCL11Ars6736518 com concentração de glicose (p=0,049) e a contagem de eosinófilos (p=0,012); o HMIPrs35959442 com as concentrações de ferritina (p=0,035), creatinina (p=0,008) e VCM (p=0,022); o HMIPrs11759553 com as concentrações de ácido úrico (p=0,033) e ferritina (p=0,020); e os polimorfismos OR51B5/6rs7483122 e OR51B5/6 rs4910756 com as concentrações de creatinina (p=0,001). A análise multivariada mostrou associação do genótipo CAR/CAR com a concentração diminuída de HbF e o uso de hemoterápicos. A talassemia alfa 23.7 Kb apresentou efeito protetor, sendo associada com as concentrações de ALT (p=0,044), AST (p=0,039) e com a contagem de linfócitos (p=0,050). Os três casos associados ao fenótipo de PHHF não apresentaram alterações clínicas e laboratoriais significativas, inclusive o caso 3, que apresentou o genótipo HbSF. É importante salientar que esses indivíduos não eram portadores de nenhuma das formas de PHHF investigadas. Estudos adicionais devem ser conduzidos com o objetivo de validar os resultados encontrados nesse estudo e de esclarecer os possíveis mecanismos pelos quais os marcadores moleculares investigados interferem na modulação da síntese de HbF e se esses biomarcadores podem apresentar mecanismos diferenciados daqueles comumente investigado, uma vez que foram descritas associações com marcadores importantes para o acompanhamento clínico de indivíduos HbSS. The study of markers associated with the fetal hemoglobin (HbF) synthesis is of great scientific interest, since it can contribute to understanding regulatory mechanisms of genes involved in the synthesis of globin chains, once that HbF participate in the genetic modulation of sickle cell anemia (HbSS). The aim of this study was to investigate the influence of changes in genes involved in the synthesis of HbF and their associations with clinical and laboratory markers in HbSS and characterize the phenotype and genotype of individuals with the profile suggestive of hereditary persistence of fetal hemoglobin (HPFH). Thus, we performed a cross-sectional study, followed by a case-control, in a group of 43 HbSS individuals with HbF> 3.0% and 3 individuals with a suggestive profile of HPFH. Polymorphisms HBG2 -396/-391del, the HBG2 SNP -369 C> G, HBG2 -309 A> G, HBG2 -157 T> C, HBG1 -499 T> A, HBG1 -369 C> G HBG1 the -271 C> T and HBG1-225/-222del were investigated by automated DNA sequencing; haplotypes linked to the beta globin gene were investigated by PCR-RFLP; single nucleotide polymorphisms of BCL11Ars766432, BCL11Ars6732518, OR51B5/6rs4910756, OR51B5/6rs7483122 , HMIPrs11759553, HMIPrs35959442 were investigated by real-time PCR, alpha thalassemia 2 with 3.7 Kb deletion and HPFH-1 , HPFH-2 and HPFH-4 deletions by PCR Hematological tests were performed in automatic cell counter, the profile of hemoglobin was confirmed by high performance liquid chromatography and biochemical analysis were investigated by immunochemistry assay method. Levels of HbF were associated with HbS (p <0.0001), hematocrit (p= 0.035), MVC (p= 0.010), MHC (p= 0.045), VLDL cholesterol (p= 0.044), iron (p= 0.001) and ferritin (p= 0.042). Polymorphisms were associated with clinical and laboratory markers in the studied group. The polymorphism HBG1 -271 C>T was associated with the concentration of HbF (p = 0.027, PR = 4.45, 95% CI 1.14 - 17.41) and iron (p= 0.0076); the HBG1 - 499 T> A was associated with the level of glucose (p= 0.007) and alpha-1 antitrypsin (p= 0.008); the HBG1 -225/-222del with LDL cholesterol concentrations (p= 0.017); the HBG2 - 396/-391del with Hb concentrations (p= 0.017), creatinine (p= 0.042) and bilirubin (p= 0.030), and also with a more severe clinical disease, with frequent occurrence of vaso-occlusive crises (p= 0.046), gallstones (p= 0.021) and the use of haemotherapic (p= 0.009); the BCL11A rs766432 with the reticulocyte count (p<0.0001) and the concentration of total cholesterol (p= 0.033) and BCL11Ars6736518 with the level of glucose (p= 0.049) and eosinophil count (p= 0.012); the HMIPrs35959442 with ferritin concentrations (p= 0.035), creatinina (p= 0.008 ) and MCV (p= 0.022), the HMIPrs11759553 with concentrations of uric acid (p= 0.033) and ferritin (p= 0.020); and the polymorphisms OR51B5/6rs7483122 and the OR51B5/6rs4910756 with creatinine concentrations (p= 0.001 ). Multivariate analysis pointed for the association of the genotype CAR / CAR with a decrease in HbF concentration with the use of blood therapy. The alpha thalassemia 2 with 3.7 Kb deletion showed a protective effect, being associated with concentrations of ALT (p= 0.044), AST (p= 0.039) and lymphocyte count (p= 0.050). The three cases associated with HPFH phenotype did not show significant association with clinical and laboratory data, including the case 3, that showed the genotype HbSF. It is noteworthy that these individuals were not classified in any described HPFH type investigated. Further studies should be conducted in order to validate results found in this work and to clarify the possible mechanisms by which those investigated molecular markers can interfere with the modulation of the HbF synthesis and if they have mechanisms differentiate from the ones commonly investigated, once that the present study described association with important biomarkers that have been used for monitoring individuals with HbSS.
10

Uso da proteína quimiotática de monócitos-1 como biomarcador de lesão renal precoce em pacientes com anemia falciforme Use of protein monocyte chemoattractant-1 as a biomarker early kidney injury in patients with sickle cell disease

Santos, Talyta Ellen de Jesus dos 2014 (has links)
SANTOS, Talyta Ellen de Jesus dos. Uso da proteína quimiotática de monócitos-1 como biomarcador de lesão renal precoce em pacientes com anemia falciforme. 2014. 57 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Fortaleza, 2014. Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2014-06-03T16:19:08Z No. of bitstreams: 1 2014_dis_tejsantos.pdf: 733980 bytes, checksum: e20f4ee3ef69dc267da81ea52bbb356d (MD5) Approved for entry into archive by denise santos(denise.santos@ufc.br) on 2014-06-03T16:20:12Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2014_dis_tejsantos.pdf: 733980 bytes, checksum: e20f4ee3ef69dc267da81ea52bbb356d (MD5) Made available in DSpace on 2014-06-03T16:20:12Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2014_dis_tejsantos.pdf: 733980 bytes, checksum: e20f4ee3ef69dc267da81ea52bbb356d (MD5) Previous issue date: 2014 Novos biomarcadores da função renal estão sendo estudados com o propósito de detectar precocemente alterações renais em portadores de AF, dentre eles encontra-se a proteína quimiotática de monócitos 1 (MCP-1), uma quimiocina de monócitos e macrófagos, produzida por células do sistema renal em resposta ao processo de isquemia-reperfusão. OBJETIVO: Avaliar o uso de MCP-1 como biomarcador de lesão renal precoce em pacientes adultos com anemia falciforme em uso ou não de hidroxiureia (HU). METODOLOGIA: Participaram do estudo 50 pacientes: 30 em uso de (HU)-grupo SSHU e 20 sem HU-grupo SS. Um grupo controle foi composto por 20 indivíduos com HbAA, sem complicações renais. Proteinúria, albuminúria, creatinina e uréia urinárias, marcadores do estresse oxidativo como MDA e NOx foram determinados por métodos espectrofotométricos. MCP-1 urinário foi detectado por enzima imunoensaio (ELISA). Os dados clínicos e de hemograma, creatinina e ureia séricas foram retirados do prontuário médico. Foi coletada a primeira urina do dia. O programa Graph Pad Prism 5.0 foi utilizado para análise estatística. A comparação das médias entre os grupos foi realizada através do teste t de Student e análise de variância (ANOVA). RESULTADOS E DISCUSSÃO: Albumina urinária esteve maior nos pacientes em relação ao grupo controle (Controle-3.12 ± 4.35; SSHU- 11.85 ± 9.16; SS- 14.13 ± 12.22; p <0.0001). A taxa de filtração glomerular estimada apresentou-se significantemente menor no grupo controle (Controle- 95.9 ± 19.92; SSHU- 137.9 ± 40.7 e SS- 140.1 ± 53.9; p= 0.0024). Observaram-se níveis elevados de MCP-1 (Controle- 42.12 ± 27.6; grupo SSHU- 166.2 ± 88.37 e grupo SS- 219.7 ± 115.0; p<0.001; p=0.039); MDA (Controle- 2.29 ± 1.13; grupo SSHU-5.25 ± 2.33 e grupo SS- 6.93 ± 2.12; p<0.0001;p=0.006) e NOx (Controle-2.25±1.9; grupo SSHU-56.54 ± 9.15 e grupo SS 39.12 ±9.02; p<0.0001; p=0.001) nos pacientes em comparação aos controles saudáveis, e mais elevados no grupo SS em relação ao grupo SSHU. Os pacientes com haplótipo Bantu/Bantu apresentaram maior concentração de MCP-1, independente do uso de HU, seguido de Bantu/ Benin e Benin/Benin (p=0.01). Observou-se correlação positiva entre os uma correlação entre os níveis de MCP-1 e contagem de monócitos (p=0.004; r= 0.42); proteinúria (p=0.002; r=0.43); albuminúria (p=0.0004; r=0.47); TFG (p=0.02; r=0.32); MDA (p=0.02; r=0.32) e NOx (p=0.007; r= 0.38). CONCLUSÃO: Os resultados indicam que MCP-1 foi preditivo na detecção de alteração renal, e que pode estar correlacionado ao dano causado pelo estresso oxidativo nos rins, evidenciado pelos altos níveis de MDA. Ainda, a HU parece ter reduzido o dano renal, visto que os pacientes em uso do fármaco apresentaram níveis reduzidos desses parâmetros.

Page generated in 0.0659 seconds