• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 7744
  • 3354
  • 87
  • 86
  • 84
  • 84
  • 84
  • 84
  • 77
  • 76
  • 3
  • 1
  • 1
  • 1
  • 1
  • Tagged with
  • 11103
  • 11103
  • 10844
  • 10805
  • 10804
  • 10804
  • 2033
  • 1998
  • 1781
  • 1780
  • 984
  • 984
  • 218
  • 218
  • 91
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Dificuldades escolares secundária a problemas intelectuais

Santos, Manuella Caroline Barcelos dos 05 February 2015 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas, Florianópolis, 2014 / Made available in DSpace on 2015-02-05T20:48:16Z (GMT). No. of bitstreams: 1 327376.pdf: 964133 bytes, checksum: eadae7c03cc9eb5c9f49225f9f02f668 (MD5) / Introdução: A Deficiência Intelectual (DI) é um dos transtornosneuropsiquiátricos mais comuns em crianças e adolescentes. Ataxa de prevalência fica entre 1% a 3% da população jovem. NoBrasil, estima-se que 1,6% da população seja acometida. Existedificuldade nesses achados quando referentes ao funcionamentointelectual limítrofe. Normalmente a queixa apresentada aopediatra é de atraso na fala, alteração do comportamento socialou baixo rendimento escolar. O processo de aprendizagemocorre através da inter-relação entre os aspectos cognitivos,afetivos e sociais. Logo, a dificuldade de aprendizagem ocorrequando estes mecanismos não funcionam adequadamente, quepor sua vez podem estar alterados por várias razões, sejam elas:intelectual, emocional, pedagógica e social. Tanto a criança comdesempenho intelectual limítrofe como a criança com DI leve,apresentam maior lentidão em sua aprendizagem edesenvolvimento. É provável que enfrentem dificuldades naescola e que poderão necessitar de um tempo maior para tentarconsolidar o processo de aprendizagem. Objetivo: O objetivodeste estudo foi identificar preditores biopsicossociais dadeficiência intelectual e do funcionamento intelectual limítrofe pormeio da avaliação interdisciplinar de crianças com problemasescolares encaminhadas por professores da rede pública deensino da Capital do Estado de Santa Catarina ? Brasil. Método:No total, 290 crianças entre sete e 14 anos, dos quais 68,4%eram do sexo masculino, passaram pela avaliação interdisciplinarcompleta no serviço de referência. Dois procedimentos foramutilizados: um protocolo de triagem desenvolvido pela equipepara identificar o perfil biopsicossociais e aplicação de testesespecíficos nas áreas de psicologia, pedagogia, fonoaudiologia eassistência social. Associações bi e multivariadas foramrealizadas entre deficiência intelectual e inteligência limítrofe e osdados da avaliação breve. Resultados: Os principais achadosassociados à deficiência intelectual leve e funcionamentointelectual limítrofe foram associação positiva com a baixaescolaridade da mãe (OR= 12,15; IC 1,28-114,60; p=0,02) ehistória de atraso no desenvolvimento neuropsicomotor (OR=4,58; IC 1,30-16,19; p=0,01). Conclusão: Encontrou-seassociação entre deficiência intelectual leve e funcionamentointelectual limítrofe com aspectos biológicos e psicossociais esugerem que ambos são preditores de risco para dificuldades deaprendizagem secundárias a deficiência intelectual leve efuncionamento intelectual limítrofe.<br> / Abstract: Introduction: Intellectual Disability (ID) is one of the mostcommon neuropsychiatric disorders in children and adolescents.Prevalence among the young population ranges between 1-3 %.In Brazil, it is estimated that 1.6 % of the population is affected.Usually, complaints to the pediatrician are speech delay, alteredsocial behavior, or poor learning performance at school. Thelearning process occurs through the inter-relationship betweencognitive, affective, and social aspects. Therefore, learningdifficulties occur when these mechanisms do not functionproperly, which in turn can be altered for various reasons,whether organic, intellectual, emotional, educational, or social.Both children with borderline intellectual (BI) performance andchildren with mild ID show slower learning and developmentrates. It is likely that they will face difficulties at school and thatthey might require more time to consolidate their learningprocess. Objective: The aim of this study was to identifybiopsychosocial predictors of ID and BI through theinterdisciplinary assessment of children with learning problemsreferred for evaluation by teachers of public schools ofFlorianópolis, the capital of the state of Santa Catarina - Brazil.Method: A total of 290 children between seven and 14 years, ofwhich 68.4 % were male, underwent a full evaluation by amultidisciplinary team of a reference service. Two processeswere used: A screening protocol developed by the team toidentify the biopsychosocial profile, and the application of specifictests in psychology, pedagogy, speech therapy, and social work.Bivariate and multivariate correlations were made betweenintellectual disability and borderline intelligence, and the dataobtained during the brief evaluation. Results: The major findingsassociated with mild intellectual disability and borderlineintelligence were positively correlated with low schooling of themother (OR = 12.15, CI = 1.28 to 114.60, p = 0.02) and a historyof delayed neuropsychomotor development (OR = 4.58, CI = 1.30to 16.19, p = 0.01). Conclusion: An association was foundbetween mild intellectual disability and borderline intelligence,and biological and psychosocial aspects, and this suggests thatboth are risk predictors for learning difficulties secondary to mildintellectual disability and borderline intelligence.
2

Avaliação dos parâmetros clínicos e polissonográficos do sono de pacientes com epilepsia do lobo temporal por esclerose mesial temporal resistente às drogas antiepilépticas

Lima, Aline Vieira Scarlatelli January 2015 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Ciência Médicas, Florianópolis, 2015. / Made available in DSpace on 2015-09-08T04:06:12Z (GMT). No. of bitstreams: 1 334118.pdf: 1787852 bytes, checksum: 0c0d3c5a9527a06c0e066c1982fa0295 (MD5) Previous issue date: 2015 / A relação entre sono e epilepsia é mútua e complexa. O sono é um conhecido ativador de crises e paroxismos epileptiformes (PEs) como pode ser observado em algumas síndromes epilépticas em que há um nítido padrão de distribuição das crises relacionado ao ciclo sono-vigília. Além do mais, a epilepsia e seus tratamentos têm efeitos sobre o sono, alterando sua estrutura e provocando fragmentação. O objetivo deste estudo é avaliar os efeitos da epilepsia sobre parâmetros objetivos e subjetivos do sono em um grupo homogêneo de pacientes com epilepsia de lobo temporal por esclerose mesial (ELT-EMT) resistente às medicações antiepilépticas. Para isso, a pesquisa foi feita através de questionários clínicos estruturados e previamente validados no Brasil, exame clínico, exame de imagem, videoeletroencefalografia (VEEG) e polissonografia (PSG). Cinquenta e seis pacientes com diagnóstico de ELT-EMT candidatos à cirurgia para controle da epilepsia responderam a questionários que incluíam história clínica detalhada, escala de sonolência de Epworth (ESE), índice de qualidade do sono de Pittsburgh (PSQI), escala de sonolência de Stanford (ESS) e questionário adaptado de Fletcher & Luckett (FLAQ), exame neurológico, ressonância magnética (RM) de 1,5 T. Pacientes com ELT-EMT apresentaram fragmentação do sono, aumento da porcentagem de sono non rapid eyes movement (NREM) 3, redução do sono rapid eyes movement (REM) e presença do padrão alfa-delta. A análise dos PEs interictais mostrou a maior taxa de PEs/minuto durante o sono NREM3 e alta concordância em relação à localização da zona epileptogênica entre os PEs durante o sono e dados de RM. Concluímos que pacientes com ELT-EMT apresentam alterações da arquitetura do sono e que o sono NREM ativa os PEs focais tendo, estes, um bom valor localizatório da zona epileptogênica.<br> / Abstract : The aim of this study was to assess the effect of epilepsy on objective and subjective sleep parameters in a homogeneous group of patients with drug-resistant mesial temporal lobe epilepsy (MTLE) through structured clinical questionnaires, video-electroencephalographic (VEEG) and polysomnographic (PSG) studies. Fifty six patients with definite diagnosis of MTLE who were candidates for epilepsy surgery underwent questionnaires that included detailed clinical history, the Pittsburgh Sleep Quality Index (PSQI), the Epworth Sleepiness Scale (ESS), the Stanford Sleepiness Scale (SSS), the Fletcher & Luckett Adapted Questionnaire (FLAQ), neurological examination, 1.5T brain magnetic resonance imaging. Patients with medically resistant epilepsy by MTLE showed sleep fragmentation, increased of non rapid eye movement (NREM) 3 sleep, decreased rapid eye movement (REM) sleep and increased alpha delta patterns. The analysis of interictal epileptic discharges (IEDs) showed highest spike rate in NREM3 sleep and higher concordance with imaging data when IEDs were recorded in sleep. We concluded that patients with MTLE showed disrupted sleep architecture that can result in daytime dysfunction and sleep complains. Furthermore, NREM sleep activates focal IEDs and these - recorded during sleep - have high localizing value.
3

Avaliação dos parâmetros clínicos e polissonográficos do sono de pacientes com epilepsia do lobo temporal por esclerose mesial temporal resistente às drogas antiepilépticas

Lima, Aline Vieira Scarlatelli January 2015 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Ciência Médicas, Florianópolis, 2015. / Made available in DSpace on 2017-07-11T04:05:58Z (GMT). No. of bitstreams: 1 334118.pdf: 1787852 bytes, checksum: 0c0d3c5a9527a06c0e066c1982fa0295 (MD5) Previous issue date: 2015 / A relação entre sono e epilepsia é mútua e complexa. O sono é um conhecido ativador de crises e paroxismos epileptiformes (PEs) como pode ser observado em algumas síndromes epilépticas em que há um nítido padrão de distribuição das crises relacionado ao ciclo sono-vigília. Além do mais, a epilepsia e seus tratamentos têm efeitos sobre o sono, alterando sua estrutura e provocando fragmentação. O objetivo deste estudo é avaliar os efeitos da epilepsia sobre parâmetros objetivos e subjetivos do sono em um grupo homogêneo de pacientes com epilepsia de lobo temporal por esclerose mesial (ELT-EMT) resistente às medicações antiepilépticas. Para isso, a pesquisa foi feita através de questionários clínicos estruturados e previamente validados no Brasil, exame clínico, exame de imagem, videoeletroencefalografia (VEEG) e polissonografia (PSG). Cinquenta e seis pacientes com diagnóstico de ELT-EMT candidatos à cirurgia para controle da epilepsia responderam a questionários que incluíam história clínica detalhada, escala de sonolência de Epworth (ESE), índice de qualidade do sono de Pittsburgh (PSQI), escala de sonolência de Stanford (ESS) e questionário adaptado de Fletcher & Luckett (FLAQ), exame neurológico, ressonância magnética (RM) de 1,5 T. Pacientes com ELT-EMT apresentaram fragmentação do sono, aumento da porcentagem de sono non rapid eyes movement (NREM) 3, redução do sono rapid eyes movement (REM) e presença do padrão alfa-delta. A análise dos PEs interictais mostrou a maior taxa de PEs/minuto durante o sono NREM3 e alta concordância em relação à localização da zona epileptogênica entre os PEs durante o sono e dados de RM. Concluímos que pacientes com ELT-EMT apresentam alterações da arquitetura do sono e que o sono NREM ativa os PEs focais tendo, estes, um bom valor localizatório da zona epileptogênica.<br> / Abstract : The aim of this study was to assess the effect of epilepsy on objective and subjective sleep parameters in a homogeneous group of patients with drug-resistant mesial temporal lobe epilepsy (MTLE) through structured clinical questionnaires, video-electroencephalographic (VEEG) and polysomnographic (PSG) studies. Fifty six patients with definite diagnosis of MTLE who were candidates for epilepsy surgery underwent questionnaires that included detailed clinical history, the Pittsburgh Sleep Quality Index (PSQI), the Epworth Sleepiness Scale (ESS), the Stanford Sleepiness Scale (SSS), the Fletcher & Luckett Adapted Questionnaire (FLAQ), neurological examination, 1.5T brain magnetic resonance imaging. Patients with medically resistant epilepsy by MTLE showed sleep fragmentation, increased of non rapid eye movement (NREM) 3 sleep, decreased rapid eye movement (REM) sleep and increased alpha delta patterns. The analysis of interictal epileptic discharges (IEDs) showed highest spike rate in NREM3 sleep and higher concordance with imaging data when IEDs were recorded in sleep. We concluded that patients with MTLE showed disrupted sleep architecture that can result in daytime dysfunction and sleep complains. Furthermore, NREM sleep activates focal IEDs and these - recorded during sleep - have high localizing value.
4

A influência do feedback estruturado sobre a curvas de aprendizado de habilidades em ultrassonografia aplicada à anestesia regional

Mettrau, Francisco de Assis Caire January 2017 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas, Florianópolis, 2017. / Made available in DSpace on 2017-08-15T04:10:00Z (GMT). No. of bitstreams: 1 347034.pdf: 1369499 bytes, checksum: 063c55f1a5cce5bde36f132d1c56814f (MD5) Previous issue date: 2017 / Introdução: O feedback é a avaliação construtiva e objetiva do desempenho dado para melhorar as habilidades (1). Sua aplicação rela-ciona-se a melhora do desempenho, podendo acelerar as curvas de aprendizado (2).A introdução da ultrassonografia para auxiliar a realização de anestesias regionais fez surgir novas habilidades básicas necessárias à execução desse procedimento, entre elas, o alinhamento da agulha ao feixe de ultrassom durante sua progressão e a correta identificação, localização e abordagem do alvo. O papel do feedback durante o aprendiza-do dessas habilidades ainda não foi estabelecido.Objetivos: Avaliar a influência do feedback estruturado sobre as curvas de aprendizado de habilidades em anestesia regional com auxílio de ultrassonografia, em modelos biológicos inanimados (phantoms).Materiais e métodos: Participaram deste estudo estudantes de medicina do último ano, médicos residentes e especialistas. Os participantes foram aleatoriamente separados em dois grupos, diferenciados pela aplicação ou não de feedback estruturado durante as seções de treinamento em ambiente de simulação com um phanthom. Duas tarefas precisaram ser completadas: experimento 1- avançar a agulha dentro do modelo mantendo a imagem da agulha na tela de ultrassom e experimento 2- atingir um alvo dentro do modelo com a agulha mantendo a sua visualização e, em seguida, injetar líquido em sua vizinhança. Os participantes realizaram um total de 26 ensaios em cada experimento. Todos os participantes foram avaliados utilizando uma lista de verificção baseada na decomposição da tarefa, desenvolvida anteriormente ao estudo. Aos participantes atribuídos no grupo de feedback foi aplicado feedback estruturado, de acordo com sua avaliação pela lista de verificação, após cada ensaio. As imagens geradas foram gravadas e, posterior-mente, avaliadas por dois avaliadores independentes com experiência em ultrassonografia, que desconheciam a que grupo pertenciam os vídeos e utilizaram, para pontuação, escores de qualidade de desempenho previamente estabelecidos para cada experimento. Com os resultados obtidos, das avaliações das imagens, foram feitas análises do ponto de mudança (change-point) e construíram-se modelos preditivos e curvas de aprendizado para ambos os grupos nos dois experimentos de acordo com o modelo matemático de Bush & Mosteller para a probabilidade de sucesso de 95% nas tentativas e avaliou-se o número de erros por tentativa em cada grupo e, por fim, a duração dos ensaios.Resultados: Dos 52 participantes inicialmente convidados, houve perda de dados de 10 participantes no experimento 1 e 12 participantes no experimento 2, terminando com um total de 42 e 40 participantes para os experimentos 1 e 2, respectivamente.Os participantes que receberam feedback mostraram maior inter-valo de aprendizagem e maiores taxas de sucesso quando analisados pelo ponto de mudança em relação aos sem feedback. As curvas de aprendizado descritas pelo modelo matemático de Bush e Mosteller apresentaram número previsto de testes necessários para alcançar proficiência significativamente menor no grupo de feedback, (37 e 43) versus (61 e 65) no grupo de controle. A mediana de erros do grupo de feedback foi menor que a do grupo de controle nos dois experimentos (12 e 7) versus (21 e 19) respectivamente.Conclusão: A aplicação de feedback estruturado favorece o aprendizado dessas habilidades e diminui o número de erros por tentativa.<br> / Abstract : Introduction: Feedback is the constructive and objective evalua-tion of performance given to improve skills (1). Its application is related to the improvement of the performance, being able to accelerate the learning curves. The introduction of ultrasonography to assist in region-al anesthesia gave rise to new basic skills necessary to perform this pro-cedure, including the alignment of the needle to the ultrasound beam during its progression and the correct identification, location and ap-proach of the target. The role of feedback while learning these skills is yet to be established.Objectives: To evaluate the influence of structured feedback on skill learning curves of regional anesthesia with the aid of ultrasound in inanimate biological models.Materials and methods: Senior medical students, resident physi-cians and specialists participated in this study. They were randomly separated into two groups, differentiated by the application or not of structured feedback during their training sessions in a simulation envi-ronment with a phanthom. Two tasks needed to be completed: experi-ment 1- to advance the needle into the model while keeping the needle image on the ultrasound screen and experiment 2- to reach a target with-in the model with the needle maintaining its visualization and then in-jecting liquid into its vicinity. Participants performed a total of 26 trials in each experiment. All participants were assessed using a previously made checklist based on task decomposition. Participants assigned in the feedback group were given structured feedback, as assessed by the checklist, after each trial. Generated images were recorded and later evaluated by two independent evaluators with experience in ultrasonog-raphy, who did not know to which group belonged the videos and used a quality performance score previously established for scoring. With the results obtained, from image evaluations, change-point analyzes were done and predictive models and learning curves were constructed for both groups in the two experiments according to the Bush & Mosteller mathematical model for 95% success probability in attempts. The learn-ing between groups was then compared in relation to the beginning, end and duration of the learning interval and resulting learning curves in each group were compared as well as prediction of the number of tests required for proficiency.Results: From 52 participants initially convened, there was loss of data from 10 participants in experiment 1 and 12 participants in ex-periment 2, ending with a total of 42 and 40 participants for experiments 1 and 2, respectively.Predicted number of tests required to achieve proficiency was significantly lower in structured feedback group in both experiments, feedback group also presented fewer errors per attempt.Conclusion: Structured feedback is a technique that assists in learning these skills. Students who received structured feedback showed superior performance in their learning curves compared to the control group.
5

"Natimortalidade no Brasil e revisão sistemática sobre os sistemas de classificação utilizados para o esclarecimento das causas do óbito fetal"

Vieira, Maria Salete Medeiros January 2017 (has links)
Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas, Florianópolis, 2017. / Made available in DSpace on 2017-08-15T04:12:34Z (GMT). No. of bitstreams: 1 347033.pdf: 4255568 bytes, checksum: fedceccce5e5eafdff1fd16d0be75e3f (MD5) Previous issue date: 2017 / A natimortalidade compreende, mundialmente, mais de 2,6 milhões de óbitos por ano, com taxas que variam de padrões tão baixos quanto 2,0/1000 nascidos (N), em alguns países de alta renda, a taxas tão altas quanto 40,0/1000N, em países da África Subsaariana, deixando clara sua relação com as condições de acesso à assistência obstétrica de boa qualidade. Objetivos: descrever, de forma abrangente, os óbitos fetais no Brasil; verificar a capacidade de sistemas de classificação, usados para encontrar a causa básica para o óbito fetal, em reduzir o número de casos que permanecem inexplicados ou mal definidos; identificar os fatores de risco para o óbito fetal no Brasil. Métodos: Para alcançar os objetivos foram realizados três estudos. O primeiro compreendeu um estudo ecológico, com os dados do DATASUS, para estudar as taxas de natimortos no Brasil, no período de 1996 a 2012. O segundo estudo foi uma revisão sistemática da literatura, nas bases LILACS, PubMed, ProQuest Dissertations and Theses, Web of Science e Scopus, sobre os sistemas de classificação de causa do óbito fetal para identificar o que obtinha o menor número de causas que permaneciam inexplicadas. O terceiro foi um estudo transversal com dados de uma pesquisa nacional, chamada ?Nascer no Brasil?, onde se analisou os fatores de risco para o óbito fetal, comparando dois grupos de regiões, agrupadas com base no IDH das regiões: grupo 1 (Norte e Nordeste) e grupo 2 (Sudeste, Sul e Centro-Oeste). Foi usado teste ?2 (5% significância) para testar a associação entre as variáveis preditoras e o óbito fetal e regressão logística múltipla para testar a força da associação, com IC 95%. Resultados: No primeiro estudo a taxa de natimortalidade no Brasil (2012) foi de 10,0/1000N. Encontrou-se uma disparidade importante entre as regiões, sendo as taxas das regiões Norte (10,3/1000N) e Nordeste (12,1/1000N) bem mais altas que as da região Sul (7,7/1000N). Quarenta por cento das causas de óbito permaneceram inexplicadas. A revisão sistemática selecionou 6 estudos que possibilitaram a condução de uma metanálise com 5 sistemas - Wigglesworth, CODAC, Tulip, de Galan-Roosen e ReCoDe. O ReCoDe apresentou a menor proporção (12.62%) de causas que permaneceram como inexplicadas. O estudo dos fatores de risco envolveu uma amostra de 24058 puérperas e 269 natimortos (= 22 semanas de gestação). A idade materna de 35 anos ou mais, escolaridade materna menor que nível superior, história obstétrica de natimorto prévio, doença hipertensiva e síndromes hemorrágicas, todas se mantiveram associadas com a natimortalidade, em ambos os grupos. Raça/cor preta e nuliparidade foram associados à natimortalidade, no grupo 2. Já diabetes, sífilis, inadequação do pré-natal e peregrinação constituíram fatores de risco nas regiões Norte e Nordeste. Conclusão: A taxa brasileira de natimortalidade foi quase duas vezes a de países de alta renda (2,0 a 6,0/1000 N). O sistema ReCoDe, obteve a menor proporção de causas inexplicadas (12,62%). O grupo 1 (Norte/Nordeste) apresentou fatores de risco mais prevalentes em países de baixa renda, como sífilis e a baixa escolaridade, enquanto no grupo 2 (Sudeste/Sul/Centro-oeste), os fatores mais fortemente associados com o óbito fetal foram mais próximos aos dos países de renda média/alta ? hipertensão na gestação e síndromes hemorrágicas.<br> / Abstract : Stillbirths worldwide account for more than 2.6 million deaths per year, with rates ranging from as low as 2.0/1000 births (B) in some high-income countries at rates as high as 40.0/1000B in countries of sub-Saharan Africa, making it clear its relation with the conditions of access to good quality obstetric care. Objectives: to describe comprehensively the fetal deaths in Brazil; to verify the capacity of classification systems, used to find the underlying cause for fetal death, to reduce the number of cases that remain unexplained or poorly defined; identify the risk factors for fetal death in Brazil. Methods: Three studies were carried out to achieve the objectives. The first comprised an ecological study, with data from DATASUS, to study rates of stillbirths in Brazil, from 1996 to 2012. The second study was a systematic review of the literature, in databases LILACS, PubMed, ProQuest Dissertations and Theses, Web of Science and Scopus, on classification systems to identify the one that obtained the lowest number of unexplained. The third was a cross-sectional study with data from a national survey, called ?Nascer no Brasil? (Born in Brazil), where the risk factors for fetal death were analyzed, comparing two groups of regions, grouped based on the HDI of the regions in group 1 (North and Northeast) and group 2 (Southeast, South and Center-West). It was used ?2 test (5% significance) to test the association between the predictor variables and fetal death and multiple logistic regression with 95% CI was used for the strength of the association. Results: Data from DATASUS showed a rate of stillbirth in Brazil (2012) of 10.0/1000B and a significant disparity between regions, with rates in the North (10.3/1000 B) and Northeast (12.1/1000 B) much higher than those in the South region (7.7/1000 B). Forty percent of the causes of death remained unexplained. The systematic review selected 6 studies that enabled the conduction of a meta-analysis of 5 systems - Wigglesworth, CODAC, Tulip, De Galan-Roosen and ReCoDe. The ReCoDe system presented the lowest proportion (12.62%) of causes that remained unexplained. The study of risk factors involved a sample of 24058 postpartum women and 269 stillbirth (= 22 weeks? gestation). The maternal age of 35 years or more, maternal schooling lower than higher education, obstetric history of previous stillbirth, hypertensive disease and hemorrhagic syndromes, all remained associated with stillbirth in both groups. Black race / color and nulliparity were associated with stillbirth in group 2. Diabetes, syphilis, prenatal inadequacy and pilgrimage were risk factors in the North and Northeast regions. Conclusion: The Brazilian rate of stillbirths was almost twice that of high-income countries (2.0 to 6.0/1000B). The ReCoDe system obtained the lowest proportion of unexplained causes (12.62%). Group 1 (North / Northeast) had the most prevalent risk factors in low-income countries, such as syphilis and low schooling, while in group 2 (Southeast / South / Center-West), factors most strongly associated with fetal death were closer to those of middle / high income countries - hypertension during pregnancy and hemorrhagic syndromes.
6

Comparação biomecânica entre duas montagens de fixação externa circular híbrida para tratamento de fraturas do planalto tibial

Cardoso, Gracielle Silva January 2015 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas, Florianópolis, 2015. / Made available in DSpace on 2016-04-19T04:06:45Z (GMT). No. of bitstreams: 1 337781.pdf: 1720160 bytes, checksum: 3b1dc1053639649a7d0ef91ff938e466 (MD5) Previous issue date: 2015 / Introdução: Fraturas do planalto tibial de alta energia seguem sendo um dos grandes desafios da traumatologia ortopédica, sendo que ainda existe muita controvérsia no que concerne o seu tratamento. Dentre as possibilidades de tratamento, a abordagem mínima associada à fixação externa tem gerado interesse nos últimos anos. Objetivo: Comparar o desvio interfragmentário entre duas diferentes montagens de fixação circular híbrida de Ilizarov utilizadas para tratamento de fraturas de alta energia do planalto tibial por meio de ensaios biomecânicos. Materiais e Métodos: Dois diferentes grupos de montagens de fixação circular híbridas, respeitando as restrições anatômicas locais, foram realizadas em tíbias compósitas osteotomizadas em sua metáfise proximal simulando fraturas do planalto tibial com dissociação metáfiso-diafisária. A montagem padrão foi realizada conforme descrito por Catagni-Cattaneo e a montagem teste foi realizada substituindo-se os fios Kirschner distais por pinos de Schanz. Ambos os grupos foram submetidos a ensaios biomecânicos com carga axial cíclica variando entre 300 N e 1.000 N por 10.000 ciclos. Foram analisados os desvios e as rotações interfragmentários. Resultados e Discussão: A montagem padrão se comportou de forma semelhante a uma montagem de Ilizarov clássica, permitindo um maior movimento axial (eixo Y) e um menor movimento angular látero-lateral (eixo X) quando comparada com a montagem teste. Enquanto a montagem teste apresentou um comportamento mais semelhante ao observado em fixadores externos lineares, proporcionando uma estabilidade axial (eixo Y) superior à observada na montagem padrão, uma estabilidade ântero-posterior (eixo Z) semelhante entre os dois grupos e uma menor estabilidade látero-lateral (eixo X). Apesar dessas diferenças, em ambos os grupos de montagens o deslocamento axial sobrepujou os deslocamentos nos demais eixos. Conclusão: O aumento do número de pinos de Schanz e a diminuição do número de fios de Kirschner em montagens de fixação circular hibrida gerou montagens com comportamento mecânico tendendo ao dos fixadores externos lineares.<br> / Abstract : Introduction: High-energy tibial plateau fractures remain as one of the greatest challenges of orthopedic traumatology, it still gives rise to controversy in what concerns treatment, especially when approaching fractures with metaphysio-diaphyseal dissociation. Treatment with percutaneous or minimal direct reduction associated with circular external fixation has recently generated interest, although there is no consensus among the type of external fixation to be used. Objective: Compare the interfragmentary displacement between to different hybrid circular external fixation mountings used to treat high-energy tibial plateau fractures through biomechanical testing by cyclic axial loading.Material and Methods: Two different groups of hybrid circular external fixation frame mountings respecting anatomical restrictions were assembled, using composite tibiae with proximal metaphysary osteotomies simulating tibial plateau fractures with metaphysio-diaphyseal dissociation. Standard frame mounting was assembled as described by Catagni-Cattaneo and test frame mounting was assembled replacing the distal Kirschner wires by half-pins. Both groups were biomechanically tested through cyclic loading between 300 N and 1,000 N for 10,000 cycles. Interfragmentary rotational and angular displacements were analyzed. Results and Discussion: Standard frame mounting behaved similarly to a classic Ilizarov frame, allowing a greater axial movement and a smaller latero-lateral angular displacement when compared with the test frame. While the test frame behaved more similarly to a linear external fixator, providing greater axial stability, similar angular antero-posterior displacement and lower angular latero-lateral stability. In despite of these differences, in both frame mounting groups the axial displacement was greater then the prejudicial non-axial movements. Conclusion: Increasing the number of half-pins and diminishing the number of Kirschner wires in hybrid circular external fixation generated frames that tend to behave more similarly to linear external fixators.
7

Avaliação das atividades de levantar e sentar em indivíduos com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC)

Cunha, Maíra Junkes January 2016 (has links)
Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas, Florianópolis, 2016 / Made available in DSpace on 2016-09-20T04:41:05Z (GMT). No. of bitstreams: 1 340428.pdf: 3489333 bytes, checksum: 4947a3a521177146986452b1464ffd40 (MD5) Previous issue date: 2016 / A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) está associada a diversas manifestações extrapulmonares decorrentes de uma inflamação sistêmica, tendo como um de seus principais efeitos a fraqueza muscular esquelética, predominante em membros inferiores, o que pode resultar no comprometimento da capacidade funcional. As atividades de Levantar e Sentar são pré-requisitos para muitas atividades de vida diária (AVD) e representam independência funcional, sendo que a fraqueza muscular é um dos fatores que pode comprometer a sua execução. Objetivos: Investigar o modo de execução das atividades de Levantar e Sentar, e sua relação com a gravidade da obstrução ao fluxo de ar das vias aéreas em indivíduos com DPOC; investigar a área de secção transversa do músculo reto femoral (ASTRF), as limitações nas AVD, os sintomas e o nível de marcadores inflamatórios. Métodos: Estudo transversal, com 79 participantes, sendo 45 indivíduos com diagnóstico de DPOC de acordo com os critérios da Global Initiative for Chronic Obstructive Lung Disease (GOLD) e 34 indivíduos hígidos, todos com idade superior a 40 anos. Os indivíduos com DPOC foram avaliados em duas visitas consecutivas. Na primeira visita, foram realizadas a espirometria, a aplicação dos questionários London Chest Activity of Daily Living (LCADL), Escala do Medical Research Council (mMRC) e o COPD Assessment Test (CAT), a avaliação das medidas antropométricas, e a avaliação das atividades de Levantar e Sentar por meio do registro de vídeos nas vistas anterior (VA) e lateral (VL) com os resultados classificados de acordo com o grau de inadequação. Na segunda visita, foram realizadas as medidas da ASTRF, circunferência e espessura, e a coleta das amostras de sangue para a contagem dos marcadores inflamatórios proteína C-reativa (PCR), eosinófilos, fibrinogênio e velocidade de hemossedimentação (VHS). Os indivíduos hígidos foram avaliados em uma única visita (medidas antropométricas e atividades de Levantar e Sentar). Resultados: Indivíduos com DPOC apresentaram pior média de pontuação nas atividades de Levantar e Sentar em ambas as vistas (VA e VL), comparados aos indivíduos hígidos (p=0,000). Houve diferença estatisticamente significativa (p=0,019) nas médias de pontuação entre os grupos classificados de acordo com o grau de dispneia (<2 e =2) na atividade de Levantar (VA). Houve diferença estatisticamente significativa nas médias de pontuação entre os grupos classificados de acordo com o nível dos sintomas (CAT <10 e =10 pontos) na atividade de Sentar (VA), p=0,001; Levantar (VA), p=0,014 e Levantar (VL), p=0,048. Quanto à variabilidade entre os grupos classificados de acordo com a gravidade da doença (GOLD A,B,C,D), houve diferença estatisticamente significativa (p=0,009) somente na atividade de Sentar (VA). A atividade de Sentar na VA apresentou correlação com a VHS (r=0,300; p<0,05). A atividade de Sentar na VL apresentou correlação com a SatO2 (r=-0,390; p<0,001). A atividade de Levantar na VA apresentou correlação com a VHS (r=0,400; p<0,001). Houve correlação entre a ASTRF e a mMRC (r=0,300; p<0,05). Conclusões: Indivíduos com DPOC apresentam pior condição funcional comparados a indivíduos hígidos. O grau de inadequação na execução das atividades de Levantar e Sentar é um parâmetro funcional independente do grau de obstrução do fluxo nas vias aéreas, porém aumenta conforme o agravamento dos sintomas. Medidas da ASTRF e o nível de marcadores inflamatórios não influenciam no modo de execução das atividades de Levantar e Sentar. O grau de inadequação funcional permite a identificação dos movimentos dos segmentos corporais, sendo um parâmetro objetivo que pode representar a limitação nas AVD em indivíduos com DPOC. <br> / Abstract : Chronic obstructive pulmonary disease (COPD) is associated with several extrapulmonary manifestations due to systemic inflammation. Skeletal muscle weakness is one of its main effects, which is predominant in the lower limbs and can result in impaired functional capacity. The Sit-to-Stand and Stand-to-Sit are prerequisites for many activities of daily living (ADL) and represent functional independence. Muscle weakness is one of the factors that may affect its execution. Objectives: To investigate the execution mode of Sit-to-Stand and Stand-to-Sit activities, and their relationship to the severity of the obstruction to airflow in the airways of patients with COPD; investigate the cross-sectional area of the rectus femoris muscle (CSARF), the ADL limitations, symptoms and the level of inflammatory markers. Methods: Cross-sectional study, with 79 participants, being 45 individuals diagnosed with COPD according to the criteria of the Global Initiative for Chronic Obstructive Lung Disease (GOLD) and 34 healthy individuals, all aged over 40 years. Individuals with COPD were evaluated in two consecutive visits. On the first visit, there were performed the spirometry, the application of the questionnaires London Chest Activity of Daily Living (LCADL), Medical Research Council Scale (mMRC) and COPD Assessment Test (CAT), the assessment of anthropometric measurements, and evaluation of Sit-to-Stand and Stand-to-Sit activities by recording videos in the anterior (AV) and lateral views (LV) with the results classified according to the degree of inadequacy. On the second visit, the measures of CSARF, circumference and thickness were performed, and the blood samples were collected for the counting of inflammatory markers C-reactive protein (CRP), eosinophils, fibrinogen, and erythrocyte sedimentation rate (ESR). The healthy individuals were evaluated in a single visit (anthropometric measurements and Sit-to-Stand and Stand-to-Sit activities). Results: Individuals with COPD had a worse score average in the Sit-to-Stand and Stand-to-Sit activities in both views (AV and LV), compared to healthy subjects (p=0.000). There was statistically significant difference (p=0.019) in score averages among the groups classified according to the degree of dyspnea (<2 and =2) in the Sit-to-Stand activity (AV). There was statistically significant difference in score averages among the groups classified according to the level of symptoms (CAT <10 and =10 points) in the Stand-to-Sit activity (AV), p=0.001; Sti-to-Stand (VA), p=0.014 and Sit-to-Stand (VL), p=0.048. Regarding the variability among the groups classified according to the severity of the disease (GOLD A, B, C, D), there was statistically significant difference (p=0.009) only in the Stand-to-Sit activity (AV). The Stand-to-Sit activity on AV correlated with ESR (r=0.300; p<0.05). The Stand-to-Sit activity on LV correlated with SpO2 (r=-0.390; p<0.001). The Sit-to-Stand activity on AV correlated with ESR (r=0.400; p<0.001). There was a correlation between the CSARF and mMRC (r=-0.300; p<0.05). Conclusions: Individuals with COPD have a worse functional status compared to healthy individuals. The degree of inadequacy in the execution of Sit-to-Stand and Stand-to-Sit activities is a functional parameter that is independent of the degree of obstruction of flow in the airways, but increases with worsening of symptoms. CSARF measures and the level of inflammatory markers do not influence the execution mode of Sit-to-Stand and Stand-to-Sit activities. The degree of functional inadequacy allows the movements identification of body segments, and it is an objective parameter which can represent ADL limitation in individuals with COPD.
8

Práticas integrativas e complementares exercidas pelos profissionais de saúde no Sistema Único de Saúde

Paiva, Laís Fernanda January 2016 (has links)
Dissertação (mestrado profissional) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação Multidisciplinar em Saúde, Florianópolis, 2016 / Made available in DSpace on 2016-09-20T05:07:32Z (GMT). No. of bitstreams: 1 339980.pdf: 1613774 bytes, checksum: d48a17b74f7ed30e5c272618b5e88dfa (MD5) Previous issue date: 2016 / É crescente a visibilidade que as Práticas Integrativas e Complementares (PIC) têm demonstrado no cenário brasileiro. Destacam-se diversos eventos que constituíram uma conjuntura favorável para a legitimação e institucionalização desse modo de cuidado em saúde, em especial a aprovação da Portaria 971/2006, que publicou a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC). Apesar disso, pouco se sabe a respeito das instituições de saúde e os profissionais que empregam PIC no cuidado, assim como, as circunstâncias de seu uso pelos usuários. Neste contexto ainda são limitadas as publicações nessa área, o que evidencia a necessidade em desenvolver estudos que permitam evidenciar os riscos e benefícios relacionados a esse modo de cuidado. Com base na escassa produção científica na área e na necessidade em conhecer os processos de inserção de PIC no cotidiano do Sistema Único de Saúde é que se propõe este estudo. A intenção é contribuir para futuras reflexões sobre as PIC, destacando sua relevância para a promoção de uma saúde embasada na perspectiva ampliada e integral. Ainda, investigar o que se apresenta de mais atual na literatura científica acerca dessas práticas e sua implementação no SUS. Esta pesquisa possui o objetivo de investigar na literatura científica quais e por quem são realizadas as Práticas Integrativas e Complementares em saúde no Sistema Único de Saúde. Trata-se de um estudo de revisão sistemática da literatura, seguindo os sete passos propostos pela Colaboração Cochrane, Handbook (2008), que envolvem: formulação da pergunta; localização e seleção dos estudos; avaliação crítica dos estudos; coleta de dados; análise e apresentação dos dados; interpretação dos dados e o aprimoramento e atualização da revisão. A pergunta de pesquisa foi estruturada mediante o acrônimo PICO, no qual cada letra representa um componente importante para a realização de uma revisão sistemática: P (POPULAÇÃO): Usuários do SUS que fazem uso das Práticas Integrativas e Complementares; e Profissionais de Saúde; I (INTERVENÇÃO): Práticas Integrativas e Complementares em Saúde; C (COMPARAÇÃO): Escolha e manejo das Práticas Integrativas e Complementares nos três níveis de atenção à saúde do SUS; O (OUTCOMES): Práticas no SUS; Profissionais do SUS; Níveis de atenção à saúde no SUS. As bases de dados utilizadas foram SciELO; PubMed; Web of Science; Scopus e LILACS. A partir dos componentes do PICO foram selecionados os termos a compor as estratégias de busca, entre descritores, sinônimos e palavras-chave. Foram incluídas todas as publicações que apresentassem a temática relacionada às Práticas Integrativas e Complementares, realizadas e/ou indicadas por profissionais de saúde no âmbito do SUS, encontradas retrospectivamente a partir de abril de 2015 a qualquer data; nos idiomas português, inglês e espanhol; disponíveis gratuitamente e na integra. Constituíram critérios de exclusão os trabalhos de revisão; relatos de experiência; relatórios; pesquisas de opinião; livros; teses; dissertações; cartas ao leitor; trabalhos apresentados em seminários, congressos e conferências e; documentos oficiais de órgãos públicos. Para a seleção dos artigos foram utilizados Testes de Relevância I, II e III, propostos por Pereira e Bachion (2006). Foram selecionados para compor a Revisão 16 artigos. Os resultados organizados em quatro categorias temáticas denominadas: Acupuntura; Homeopatia; Plantas Medicinais e Fitoterapia; Outras Abordagens. Podemos concluir perante os estudos analisados o predomínio entre as práticas de Acupuntura, Homeopatia, Plantas Medicinais e Fitoterapia. Não foram identificados estudos que abordassem Termalismo e Crenoterapia, e Medicina Antroposófica. Entre os profissionais que as aplicam, foram identificados os profissionais das áreas de medicina, enfermagem, fisioterapia, biologia e biomedicina, com maior representividade entre os profissionais da medicina. Conclui-se que a publicação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares tem contribuído para a expansão de Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde e entre os profissionais de saúde. Verifica-se o aumento de estudos nessa área, o que vem a favorecer a oferta do cuidado humanizado e a garantia da universalidade, integralidade e equidade. <br> / Abstract : The visibility of the Integrative and Complementary Practices is increasing in the Brazilian scene. Several events have contributed for the legitimization and institutionalization of this kind of health care, in particular the adoption of Policy 971/2006, which published the National Policy on Integrative and Complementary Practices. Even with increased visibility, not much is known about the health institutions and professionals that employ these practices in health care, as well as the circumstances of its use by the population. In this context it is still limited publications in this area, which highlights the need to develop studies that investigate the risks and benefits related to this kind of care. Based on the scarce scientific literature in the area and the need to know the Integrative and Complementary Practices integration processes in the Health System everyday does it propose this study. The purpose of this research is to contribute to further reflections on the Integrative and Complementary Practices, highlighting its importance in promoting health.on an integrative perspective. Further, to investigate what the latest features in the scientific literature about these practices and their implementation in Unified Health System. The objetctive of this research is to investigate which complementary and integrative practices are held in the National Health System and which professionals perform them. This is a systematic literature review that followed seven steps proposed by Cochrane Collaboration, Handbook (2008): defining the review question; locating and searching for studies; selecting studies; collecting data; analyzing data and presenting results; interpreting results and overview the results of review.The research question was structed by the acronym PICO, in wich each letter represents an important component for conducting a systematic review : P ( POPULATION ) : Users of the Unified Health System who make use of Integrative and Complementary Practices ; and Health Professionals; I ( INTERVENTION ) : Integrative and Complementary Practices in Health; C ( COMPARISON ) : Choice and management of Integrative and Complementary Practices in the three levels of health care for the Unified Health System; O ( OUTCOMES ) : Practices in Unified Health System ; Professionals of the Unified Health System ; health care levels in the Unified Health System. The databases used were SciELO; PubMed; Web of Science; Scopus and LILACS. The terms to compose the search strategies were selected from the PICO components, among descriptors, synonyms and keywords. There were included all publications related to to Integrative and Complementary Practices , held and / or indicated by health professionals in the SUS , found retrospectively from April 2015 to any date; in Portuguese, English and Spanish; available for free and in full. Exclusion criteria: literature review; experience reports; reports; opinion polls; books; theses; dissertations; letters to the reader; papers presented at seminars, congresses and conferences; official documents of public institutions. The selection of the articles was done with Relevance Tests I, II and III, proposed by Pereira and Bachion (2006). It was found to compose the Review 16 articles. The results were organized into four thematic categories: Acupuncture; Homeopathy; Medicinal plants and herbal medicine; Other approaches. The prevalence of studies remained among the acupuncture practices, Homeopathy, Medicinal Plants and Herbal Medicine. No studies were found about Hydrotherapy and Crenotherapy, and Anthroposophical Medicine. It was identified the professionals of medicine, nursing, physiotherapy, biology and biomedicine, with predominancy among medical professionals. It follows that the publication of the National Policy on Integrative and Complementary Practices has contributed to the expansion of Integrative and Complementary Practices in Health System and among health professionals. There is increasing research in this area, which might contribute to the humanized care, universality and equity.
9

Validação dos critérios de controle da Gina 2015

Tavares, Michelle Gonçalves de Souza January 2016 (has links)
Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas, Florianópolis, 2016 / Made available in DSpace on 2016-09-20T04:03:04Z (GMT). No. of bitstreams: 1 340430.pdf: 1286395 bytes, checksum: 61f613f358a56add48cf94d95c65072c (MD5) Previous issue date: 2016 / A meta terapêutica da asma é obter e manter o controle pelo maior tempo possível. Entretanto, existem dúvidas e controvérsias em relação aos parâmetros utilizados para definir controle, não existindo uma forma de avaliar o controle universalmente aceita. Diversas variáveis devem ser consideradas, como sintomas e exame físico, número e gravidade de exacerbações recentes, função pulmonar, biomarcadores, risco de futuro evento adverso e escores de controle obtidos por questionários. A avaliação do controle da asma através dos critérios da Iniciativa Global para Asma (GINA) é amplamente recomendada e aceita, apesar de não ter sido formalmente validada. Na sua última versão, excluiu a função pulmonar como parâmetro de controle. A comunidade científica ainda questiona a importância deste critério para avaliar o controle da asma. Objetivos: Validar os critérios da Iniciativa Global para a Asma (GINA 2014-2015) para o controle da asma. Para isso fez-se necessário determinar a concordância entre os critérios de controle da asma da GINA 2010-2012 e GINA 2014-2015; estimar a prevalência dos fenótipos inflamatórios (eosinofílico, neutrofílico e paucigranulocítico) nos diferentes graus de controle da asma, aferidos pelos critérios da GINA 2010-2012 e GINA 2014-2015 e determinar a concordância entre os níveis de controle de asma propostos pela GINA 2010-2012 e GINA 2014-2015 e as escalas de controle ACQ, ACT e ACSS. Métodos: Estudo transversal, com 178 participantes. Foram incluídos asmáticos com idade superior a 18 anos, capazes de fornecer consentimento informado; em tratamento medicamentoso para asma, com qualquer nível de controle da asma (GINA 2010-2012 e GINA 2012- 2015); confirmação objetiva do diagnóstico de asma, há mais de seis meses, pela limitação reversível ao fluxo de ar (aumento de VEF1>15% após a inalação de BD de curta duração) nos participantes com um VEF1<70% do previsto ou VEF1/CVF<70%, ou por HRVA à metacolina (PC20<8mg/ml) quando de um VEF1>70% do previsto; sem infecção respiratória nas últimas quatro semanas; sem exacerbação da asma nos últimos três meses e; não fumante ou ex-fumante, por no mínimo um ano, com carga tabágica inferior a 10 maços/ano e capazes de produzir escarro. A avaliação aconteceu em única visita matinal realizadas no Núcleo de Pesquisa em Asma e Inflamação das Vias Aéreas, do Hospital Universitário, da Universidade Federal de Santa Catarina (NUPAIVA/HU/UFSC). Foram realizados: a espirometria sob a influência de LABA; aplicação dos instrumentos ACQ-7, ACT e ACSS; indução e exame do escarro. O estudo seguiu as normas do Comitê de Ética em Pesquisas em Seres Humanos. Resultados: De um total de 178 indivíduos, 173 (97.2%) foram incluídos no estudo por produzirem escarro após indução. A maioria participantes foi composta por asmáticos do gênero feminino (68,8%), atópicos (79,9%), não tabagistas (87,3%), com IMC normal (37,6%) ou sobrepeso (23,1%). Cerca de metade dos participantes [(n=87(50,3%)] estavam usando doses médias (equivalência em budesonida >400 800µg/dia) enquanto que os demais 38,7% (n=67) e 11% (n=19), respectivamente estavam usando doses baixas (equivalência em budesonida 200 400µg/dia) ou elevadas (equivalência em budesonida >800µg/dia) de CI. Verificou-se que, existe diferença estatística na classificação de controle de asma pelos critérios 2010-2012 e 2014-2015 (p<0,001). Entretanto, houve concordância entre estes critérios que foram: substancial para a asma controlada (k=0,76), moderada para a asma parcialmente controlada (k=0,59) e quase perfeita para a asma não controlada (k=0,84). Para a asma controlada os critérios de controle da GINA 2014-2015 apresentaram excelentes sensibilidade e valor preditivo negativo (99% e VPN=0,99%). Para identificar asma parcialmente controlada, o desempenho da GINA 2014-2015 foi baixo (Sensibilidade=68,3%), mas com VPN=0,84%, considerado alto. A GINA 2014-2015 teve seu melhor desempenho observado na identificação da asma não controlada (sensibilidade 80,1%, especificidade=99,5%, excelentes VPP e VPN (0,99 e 0,90, respectivamente). Não houve discordância entre os critérios de controle da GINA de 2010-2012 e GINA 2014-2015 quanto à presença de asma não controlada. Quando houve discordância entre os critérios de controle da GINA de 2010-2012 e GINA 2014-2015 quanto à asma controlada, foram os valores espirométricos que mostraram ser consideravelmente diferentes (p<0,001). Os fenótipos celulares são diferentes de acordo com o nível de controle, independentemente se classificado pela GINA 2010-2012 ou GINA 2014-2015. O fenótipo paucigranulócito foi predominante na asma controlada, nos critérios da GINA 2010-2012 e 2014-2015 (63,3% e 58,8%). Tanto na asma parcialmente controlada quanto na asma não controlada predominaram os fenótipos eosinofílico ou neutrofílico. Em indivíduos com asma parcialmente controlada pelos critérios 2010-2012 e classificados como asma controlada pelos critérios 2014-2015 o fenótipo celular da proporção de indivíduos com asma paucigranulocítica foi similar à de indivíduos com asma eosinofílica. Os fenótipos inflamatórios dos indivíduos com asma controlada discordante (controlados pelos critérios 2010-2012 e parcialmente controlada pelos critérios 2014-2015) foram semelhantes aos da asma não controlada, com mais eosinófilos (47,4%). A classificação de controle usando os critérios da GINA de 2010-2012, da GINA 2014-2015, do ACQ-7, do ACT e do ACSS diferiram significativamente entre si (p<0,001). O ACT foi o único instrumento que não diferenciou asma controlada de asma parcialmente controlada, pelos critérios da GINA 2010-2012 (p<0,02). Com a classificação da GINA 2014-2015 a performance do ACSS foi menor (p<0,1). As piores concordâncias entre os instrumentos de avaliação para o controle de asma ocorreram com o ACT e ACSS (p<0,23). A concordância entre os critérios da GINA de 2010-2012 e da GINA 2014-2015 com o ACQ-7, ACT e ACSS apresentou-se moderada (k=0,69). Conclusões: Os resultados deste estudo indicam que a GINA 2014-2015, com a supressão do critério de função pulmonar no controle da asma, têm boa capacidade de discriminar indivíduos com asma não-controlada daqueles com asma controlada, apesar de que os indivíduos classificados como parcialmente controlados podem ser melhor avaliados. Os classificados como parcialmente controlados pelos critérios da GINA 2014-2015 possuem fenótipos celulares inflamatórios que se caracterizam como risco para futuras exacerbações. / Abstract : The goal of asthma treatment is to achieve and maintain control as long as possible. However, there are doubts and controversies regarding the parameters used to define control, thus there is no unanimously accepted way to assess the control. Several variables, such as symptoms and physical examination, number and severity of recent exacerbations, lung function, biomarkers, risks of future adverse events and control scores obtained by questionnaires must be taken under consideration. The assessment of asthma control using the criteria of the Global Initiative for Asthma (GINA) is widely recommended and accepted, despite it not having been formally validated. In its last version, it excluded lung function as a control parameter. The scientific community still questions the importance of this criterion to assess asthma control. Objectives: To validate the criteria of the Global Initiative for Asthma (GINA 2014-2015) for asthma control. Therefore it was necessary to determine the correlation between the asthma control criteria of both GINA 2010-2012 and GINA 2014-2015; to estimate the prevalence of inflammatory phenotypes (eosinophilic, neutrophilic and paucigranulocytic) in the different degrees of asthma control, as measured by the criteria of GINA 2010-2012 and GINA 2014-2015, and to determine the correlation between the levels of asthma control proposed by GINA 2010-2012 and GINA 2014-2015, as well as the ACQ, ACT and ACSS control scales. Methods: Cross-sectional study with 178 participants. The study was held regarding adult Asthma patients over the age of 18, that were able to provide informed consent, undergoing drug treatment for asthma, with any level of asthma control (GINA 2010-2012 and GINA 2014-2015) with objective confirmation of asthma for more than six months, due to reversible limit of air flow (increase in FEV1>15% after inhalation of short-term BD) in subjects with FEV1<70% as predicted or FEV1/FVC<70%, or airway hyper reactivity caused by methacholine (PC20<8 mg/ml) when FEV1>70% as predicted; without respiratory infection in the last four weeks; with no asthma exacerbation in the preceding three months and; non smokers or ex-smokers for at least one year, with smoking history of less than 10 pack/year and capable of producing sputum. The evaluation took place in a single morning visit held in the Center for Research in Asthma and Airway Inflammation at the Federal University of Santa Catarina (NUPAIVA/HU/UFSC). Spirometry under the influence of LABAs; application of ACQ-7 instruments, ACT and ACSS; induction and sputum tests were performed. The study followed the rules of the Ethics Committee on Human-Beings Research. Results: From a total of 178 individuals, 173 (97.2%) were included in the study because they produced sputum after induction. Most of the sample consisted of asthmatic females (68.8%), atopic ones (79.9%), nonsmokers (87.3%) with normal BMI (37.6%) or overweight (23, 1%). About half of the participants [(n = 87 (50.3%)] were using average doses (equivalent in > 400-800) while the remaining 38.7% (n=67) and 11% (n=19) were using respectively low IC doses (equivalence budesonide 200-400µg budesonide/day) or high ones (equivalence budesonide> 800µg/day). It was found that there is significant difference in asthma control rating criteria by 2010-2012 and 2014-2015 (p <0.001). However, there was agreement on these criteria, namely, substantial agreement for the controlled asthma (k = 0.76), moderate for partially controlled asthma (k = 0.59) and almost perfect for uncontrolled asthma (k = 0.84). For controlled asthma from 2014-2015 GINA control criteria showed excellent sensitivity and negative predictive value (99% and NPV = 0.99%). The 2014-2015 GINA performance was considered low to identify partially controlled asthma (sensitivity = 68.3%), but its VPN=0.84%, was considered high. The GINA 2014-2015 had its best performance observed in uncontrolled asthma identification (sensitivity=80.1%, specificity=99.5%, excellent PPV and NPV (0.99 and 0.90, respectively). There was no disagreement between the GINA control criteria of 2010-2012 and 2014-2015 GINA regarding the presence of uncontrolled asthma. When there was disagreement between the GINA control criteria for 2010-2012 and 2014-2015 as the GINA controlled asthma, spirometry values were the ones shown to be significantly different (p <0.001). The cell phenotypes are different according to the level of control, whether classified by GINA 2010-2012 or 2014-2015. The paucigranulocytic phenotype was prevalent in controlled asthma in both the 2010-2012 and 2014-2015 GINA criteria (63.3% and 58.8% respectively). In partly controlled as in uncontrolled asthma eosinophilic and neutrophilic phenotype predominated. In individuals with partly controlled asthma in 2010-2012 and considered as controlled asthma in 2014-2015 cellular phenotype of the proportion of subjects with asthma paucigranulocytic was similar to that of subjects with eosinophilic asthma. The inflammatory phenotypes of subjects with discordance regarding asthma control (controlled in 2010-2012 and partially controlled in 2014-2015) were similar to those of uncontrolled asthma, with more eosinophils (47.4%). The control rating using GINA criteria of 2010-2012, GINA 2014-2015, ACQ-7, ACT and ACSS differ significantly (p <0.001). ACT was the sole instrument that did not differentiate partly controlled asthma from controlled asthma regarding the criteria of GINA 2010-2012 (p <0.02). With the classification of GINA 2014-2015 the ACSS performance decresed (p <0.1). The worst concordances between the assessment tools for asthma control occurred regarding ACT and ACSS (p <0.23). The agreement between the 2010-2012 and 2014-1015 GINA criteria with ACQ-7, ACT and ACSS showed itself as moderate (k = 0.69). Conclusions: Results of this study indicate that GINA 2014-2015, with the deletion of pulmonary function criteria in asthma control, have good ability to discriminate individuals with uncontrolled asthma from those with controlled asthma, although that individuals classified as partially controlled can be better evaluated. Those classified as partially controlled by GINA 2014-2015 criteria have inflammatory cellular phenotypes characterized as risk for future exacerbations.
10

Estudo comparativo do estado nutricional em pacientes cirróticos atendidos ambulatorialmente em um hospital de ensino

Rosa, Kenia Silva da January 2015 (has links)
Dissertação (mestrado profissional) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação Multidisciplinar em Saúde, Florianópolis, 2015. / Made available in DSpace on 2015-10-27T03:09:34Z (GMT). No. of bitstreams: 1 335753.pdf: 643817 bytes, checksum: 8f641b5d69e9f666829f9e341b228444 (MD5) Previous issue date: 2015 / Introdução: A cirrose apresenta influência direta no estado nutricional predispondo o paciente ao surgimento da desnutrição. O diagnóstico precoce atua norteando a conduta dietoterápica, que visa prevenir ou recuperar as deficiências nutricionais. Objetivos: Investigar a evolução do estado nutricional e sua associação com indicadores de gravidade em portadores de cirrose acompanhados ambulatorialmente em dois momentos. Métodos: Estudo longitudinal com pacientes cirróticos adultos e idosos, de ambos os sexos, realizado em duas etapas, 2012 e 2014. O estado nutricional e risco nutricional foram avaliados através dos instrumentos Royal Free Hospital Global Assessment (RFH-GA) e Nutritional Risk Screening 2002 (NRS-2002), medidas antropométricas isoladas e consumo de calorias e macronutrientes. Foi utilizado como marcador de prognóstico o índice Child-Pugh. Na análise estatística foram utilizados testes para verificar a normalidade da distribuição dos dados, comparação das variáveis numéricas, e a diferença das variáveis. Resultados e discussão: De 60 pacientes avaliados a média de idade foi 56,25 ± 12 anos, com predominância do sexo masculino (65%), índice de prognóstico Child-Pugh A em 81,6% e B 16,6%. Não houve diferenças significativas no diagnóstico de desnutrição e risco nutricional quando comparado os dados de 2012 e 2014 para o RFH-GA; a NRS-2002, como também quando estratificado pelo índice prognóstico. Houve diminuição na prevalência de desnutrição pela CMB e aumento pela PTC. O consumo de energia e proteínas ficou abaixo do recomendado nos dois momentos de avaliação. Conclusões: Observou-se que métodos utilizados de forma isolada, no caso a CMB e PTC, apresentaram maior variação na avaliação nutricional, enquanto o IMC e NRS-2002, não foram bons métodos na detecção do risco ou diagnóstico de desnutrição. O RFH-GA não detectou diferença significativa no diagnóstico de desnutrição nas duas fases da pesquisa, entretanto novos estudos longitudionais devem ser implementados avaliando assim sua aplicabilidade. A ingestão adequada de lipídios e carboidratos foi demonstrada nas duas etapas, entretanto o consumo de calorias e proteínas foram abaixo das recomendações. Sugere-se mais estudos para avaliar e acompanhar o estado nutricional de pacientes cirróticos, a fim de identificar a forma mais adequada de avaliar estes pacientes.<br> / Abstract : Introduction: Cirrhosis has direct influence on nutritional status predisposes the patient to the emergence of malnutrition. Early diagnosis acts guiding the diet therapeutic conduct, which aims to prevent or recover nutritional deficiencies. Objectives: To investigate the evolution of nutritional status and its association with indicators of severity of cirrhosis in patients outpatients at two points. Methods: Longitudinal study of cirrhotic patients older adults, of both sexes, conducted in two stages, in 2012 and 2014. The nutritional status and nutritional risk were assessed using the instruments Royal Free Hospital Global Assessment (RFH-GA) and Nutritional Risk Screening 2002 (NRS-2002), isolated anthropometric measurements and consumption of calories and macronutrients. It was used as a prognostic marker of the Child-Pugh index. Statistical analysis tests were used to verify the normal distribution of data, comparison of numerical variables, and the difference of the variables. Results and Discussion: Of 60 patients evaluated the average age was 56.25 ± 12 years, predominantly male (65%), prognostic index Child-Pugh A and B in 81.6% 16.6%. There were no significant differences in the diagnosis of malnutrition and nutritional risk compared data from 2012 and 2014 for the RFH-GA; the NRS-2002, as well as stratified by prognostic index. There was a decrease in the prevalence of malnutrition by CMB and increased by PTC. The consumption of energy and protein was below the recommended levels in both time points. Conclusions: We found that methods used in isolation, if the CMB and PTC showed greater variation in nutritional assessment, while BMI and NRS-2002, were not good methods to detect the risk or diagnosis of malnutrition. The RFHGA detected no significant difference in diagnosing malnutrition in the two phases of the research, however longitudionais new studies should be implemented thus evaluating its applicability. Adequate intake of lipids and carbohydrates was demonstrated in two stages, however the consumption of calories and proteins were below the recommendations. It is suggested more studies to assess and monitor the nutritional status of cirrhotic patients in order to identify the most appropriate way to assess these patients.

Page generated in 0.5198 seconds