• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 1317
  • 35
  • 3
  • 1
  • Tagged with
  • 1373
  • 717
  • 321
  • 197
  • 197
  • 184
  • 173
  • 161
  • 159
  • 159
  • 148
  • 130
  • 127
  • 125
  • 124
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Adultos com depressão : prevalência no Brasil e em estudo de base populacional no Distrito Federal

Silva, Marcus Tolentino 21 May 2013 (has links)
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, 2013. Submitted by Elna Araújo (elna@bce.unb.br) on 2013-07-26T22:14:50Z No. of bitstreams: 1 2013_MarcusTolentinoSilva.pdf: 1133392 bytes, checksum: 781a8d6e646a890542f6c70d1b8b93f9 (MD5) Approved for entry into archive by Luanna Maia(luanna@bce.unb.br) on 2013-07-29T14:58:57Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2013_MarcusTolentinoSilva.pdf: 1133392 bytes, checksum: 781a8d6e646a890542f6c70d1b8b93f9 (MD5) Made available in DSpace on 2013-07-29T14:58:57Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2013_MarcusTolentinoSilva.pdf: 1133392 bytes, checksum: 781a8d6e646a890542f6c70d1b8b93f9 (MD5) Introdução: A depressão é um problema de saúde pública associado à incapacidade funcional e à elevada morbimortalidade. Apesar de comum, suas estimativas de frequência estão fragmentadas em diversos estudos, e o Distrito Federal carece de estimativas recentes. Objetivo: Realizaram-se duas pesquisas, uma para avaliar a prevalência de depressão em adultos (18 a 65 anos) em estudos realizados no Brasil e outra para estimar a prevalência e os fatores associados à depressão autorreferida em adultos residentes no Distrito Federal. Métodos: Na primeira pesquisa, conduziu-se uma revisão sistemática. Foram elegíveis estudos transversais de base populacional, sem restrição quanto ao idioma, data ou tipo de publicação. Até abril de 2013, pesquisou-se no MEDLINE, Embase, Scopus, LILACS, SciELO e Domínio Público. Após seleção pareada e independente, a qualidade metodológica dos estudos incluídos foi avaliada seguindo instrumento padronizado. Realizaram-se meta-análises a partir do modelo de efeito randômico de Mantel-Haenszel para obter a estimativa global, e metarregressões para investigar a heterogeneidade. Na segunda pesquisa, realizou-se um estudo transversal de base populacional, com amostragem probabilística, por conglomerados, em dois estágios. Partiu-se dos setores censitários urbanos e com mais de 200 moradores. Recrutaram-se adultos entre 18 a 65 anos. Considerou-se a depressão autorreferida como desfecho primário. A partir de uma análise hierarquizada em blocos e uma regressão de Poisson com variância robusta, calculou-se as razões de prevalência (RP) dos seguintes fatores associados: renda, escolaridade, ocupação, sexo, idade, estado conjugal, doenças crônicas autorreferidas, utilização de serviços de saúde e avaliação subjetiva do estado de saúde. Resultados: A primeira pesquisa selecionou 23 estudos (n = 455.058, 65,7% mulheres). A prevalência de depressão foi 13,7% (IC 95%: 12,5-14,9%; I² = 99,4%) na população geral; 18,8% (IC 95%, 16,9-20,0%; I² = 99,3%) em mulheres; e 6,8% (IC 95%: 5,9-7,7%; I² = 97,9%) em homens. Constatou-se tendência de aumento da prevalência com a idade de recrutamento no sexo feminino (p < 0,01) e de declínio no masculino (p = 0,02). A segunda pesquisa incluiu 1.593 adultos, dos quais 58,3% eram mulheres. A depressão foi autorreferida por 11,2% (IC 95%: 9,8-12,9%) dos entrevistados. A frequência em mulheres foi 14,6% (IC 95%: 12,0-17,6%) e em homens 7,7% (IC 95%: 5,6-10,2). A análise multivariada apontou os seguintes fatores estatisticamente significantes à depressão autorreferida: sexo feminino (RP = 1,8; IC 95%: 1,4-2,5), 50 a 65 anos (RP = 1,6; IC 95%: 1,1-2,2), hipertensão (RP = 1,6; IC 95%: 1,1-2,4), problemas cardíacos (RP = 2,0; IC 95%: 1,3-3,0), problemas respiratórios (RP = 2,9; IC 95%: 2,1-4,1), hospitalização nos últimos 12 meses (RP = 1,76; IC 95%: 1,2-2,5), limitações na realização de atividades habituais (RP = 2,0; IC 95%: 1,2-3,2) e dor/desconforto (RP = 1,6; IC 95%: 1,1-2,2). Conclusão: Apesar de a elevada heterogeneidade sugerir inconsistência dos resultados das meta-análises, os dados apontam elevado impacto da depressão na população adulta brasileira, afetando principalmente as mulheres com idade mais avançada. A depressão é uma doença frequente na população adulta do Distrito Federal. As mulheres e as pessoas entre 50 a 65 anos foram os mais susceptíveis. Os demais fatores identificados podem nortear ações de prevenção. __________________________________________________________________________ ABSTRACT Introduction: Depression is a public health problem, associated to functional incapacity, morbidity and mortality. Despite being frequent, estimates of population prevalence are fragmented in several studies. Brasilia, the federal capital of Brazil, lacks recent estimates in the field. Objective: We performed two researches: the first assessed the prevalence of depression in adults (18 to 65 years old) in studies held in Brazil. The second estimated the prevalence of depression and associated factors in adults that live in Brasilia. Methods: In the first research we did a systematic review of cross-sectional, population-based studies. No restrictions of language, date, or publication type applied. We searched MEDLINE, Embase, Scopus, LILACS, SciELO, and Dominio Publico databases up to April 2013. After a duplicate selection of studies, their methodological quality was assessed following a previously standardized tool. We calculated meta-analyses using random effects model to obtain the overall estimate and metarregressions to investigate heterogeneity. In the second research, a cross- sectional, population-based study was held in Brasilia, following a probabilistic cluster sampling of two stages. Adults of 18 to 65 years old residents in census tracks higher than 200 inhabitants were eligible. The primary outcome was self-referred depression. Prevalence ratios (PR) were obtained through Poisson regression of robust variance following a hierarchical model to assess the association of the following factors: income, education, occupation, sex, age, marital status, self- reported chronic diseases, healthcare services utilization, and subjective health state assessment. Results: Twenty-three studies were included in the systematic review (n = 455,058; 65.7% women). The prevalence of depression was 13.7% (IC 95%: 12.5- 14.9%; I² = 99.4%) in the general population, 18.8% (IC 95%: 16.9-20.0%; I² = 99.3%) in women, and 6.8% (IC 95%: 5.9-7.7%; I² = 97.9%) in men. We observed a tendency of increase in the prevalence with higher recruitment ages in women (p < 0.01) and of decrease in men (p = 0.02). The cross-sectional study included 1,593 adults (women = 58.3%). Depression was self-reported by 11.2% (IC 95%: 9.8- 12.9%) of the participants. Prevalence in women was 14.6% (IC 95%: 12.0-17.6%) and in men it was 7.7% (IC 95%: 5.6-10.2). Multivariate analysis showed positive association of the following factors to self-reported depression: women (RP = 1.8; IC 95%: 1.4-2.5), age from 50 to 65 years old (RP = 1.6; IC 95%: 1.1-2.2), hypertension (RP = 1.6; IC 95%: 1.1-2.4), cardiac diseases (RP = 2.0; IC 95%: 1.3-3.0), respiratory illnesses (RP = 2.9; IC 95%: 2.1-4.1), hospital addition in the last 12 months (RP = 1.76; IC 95%: 1.2-2.5), limitation in usual activities (RP = 2.0; IC 95%: 1.2-3.2), and pain or discomfort (RP = 1.6; IC 95%: 1.1-2.2). Conclusion: In spite of the high heterogeneity that suggests inconsistency of the meta-analyses results, data shows a high impact of depression in Brazilian adults, mainly in older women. Depression is a frequent disease in adults that live in Brasilia, and women of older ages are more vulnerable. The other identified risk factors can be useful for planning prevention policies.
2

Estudo dos efeitos comportamentais e neuroquímicos do extrato padronizado de Justicia pectoralis (chambá) em camundongos Behavioral and neurochemical study of standardized extract of justicia pectoralis (CHAMBÁ) in mice

Venâncio, Edith Teles 2009 (has links)
VENÂNCIO, Edith Teles. Estudo dos efeitos comportamentais e neuroquímicos do extrato padronizado de Justicia pectoralis (Chambá) em camundongos. 2009. 132 f. Dissertação (Mestrado em Farmacologia) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2009. Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2012-03-22T13:02:14Z No. of bitstreams: 1 2009_dis_etvenâncio.pdf: 1329890 bytes, checksum: e245d79b09f869f02ae83ee169c416b2 (MD5) Approved for entry into archive by Eliene Nascimento(elienegvn@hotmail.com) on 2012-03-22T13:45:22Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2009_dis_etvenâncio.pdf: 1329890 bytes, checksum: e245d79b09f869f02ae83ee169c416b2 (MD5) Made available in DSpace on 2012-03-22T13:45:22Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2009_dis_etvenâncio.pdf: 1329890 bytes, checksum: e245d79b09f869f02ae83ee169c416b2 (MD5) Previous issue date: 2009 The standardized extract of chamba, prepared from the aerial parts of Justicia pectoralis Jacq. var stenophylla Leonard, was evaluated in classical animal models to the screening of drugs with activity in axiety, depression, sedation and convulsion, such as elevated plus maze (EPM), light/dark, open field, rota rod, forced swimming, tail suspension, pentobarbital-induced sleep time and pentilenotetrazole-induced seizures and a neurochemistry study, through the level of monoamines and its metabolites, such as dopamine (DA), 3,4-dihydroxyphenyl acetic acid (DOPAC), homovanilic acid (HVA), norepinephrine (NE), 5-hydroxytryptamine (5HT) and 5-hydroxyindoleacetic acis (5HIAA). Chambá was administered acutely in all tests, in the doses of 50, 100 and 200 mg/kg, through the oral via (p.o.). Results showed that the extract presented an anxiolytic effect in the models of EPM and light/dark, since increased all the parameters analyzed in the EPM, such as NEOA, PEOA, TPOA, PTOA, as well as the permanence time in the light compartment. This effect is probably related with the GABAergic system since Flumazenil, an antagonist of GABAA/benzodiazepinic, reversed the anxiolytic effect of chamba in the EPM. In the open field, it was not observed any alteration in the locomotor activity, as well as the number of grooming and rearing. Chamba presented depressor effect of Central Nervous System (CNS), since in the forced swimming and tail suspension, increased the immobility time of animals. The sedative/hypnotic evaluation of chamba, in pentobarbital-induced sleep time showed that it has no alteration in the duration of sleep of animals, discarding sedative effect. In the pentilenotetrazole-induced seizures, chamba did not change the convulsion latency, as well the death latency. This result suggests that chamba did not have anticonvulsivant effect. The neurochemistry evaluation comproved the depressor effect of the extract, since it was verified a reduction in the level of monoamine levels, involved in the depression. In conclusion, these effects showed that chamba presented anxiolytic effect, probably related with the GABAergic system and depressor effect disproved anticonvulsant and sedative effects. O extrato padronizado de chambá, preparado a partir das partes aéreas da Justicia pectoralis Jacq. var stenophylla Leonard, foi avaliado em modelos animais clássicos para screening de drogas com atividade em ansiedade, depressão, sedação e convulsão, tais como, labirinto em cruz elevado (LCE), claro/escuro, campo aberto, rota rod, nado forçado, suspensão da cauda, tempo de sono induzido por pentobarbital e convulsão induzida por pentilenotetrazol, e em estudo neuroquímico, através da concentração de monoaminas e seus metabólitos, tais como dopamina (DA), ácido diidrofenil acético (DOPAC), ácido homovalínico (HVA), noradrenalina (NE), 5-hidroxitriptamina (5-HT) e ácido 5-hidroxindolacético (5-HIAA). O chambá foi administrado de forma aguda em todos os testes, nas doses de 50, 100 e 200 mg/kg, através da via oral (v.o.) Os resultados mostraram que o extrato apresentou efeito ansiolítico nos modelos LCE e claro/escuro, pois aumentou todos os parâmetros analisados no LCE, como NEBA, PEBA, TPBA e PTBA, assim como o tempo de permanência no box claro no claro/escuro. Este efeito está possivelmente relacionado com o sistema gabaérgico já que o flumazenil, antagonista dos receptores GABAA/Benzodiazepínico, reverteu o efeito ansiolítico do chambá no LCE. No teste do campo aberto, não foi observado nenhuma alteração na atividade locomotora, bem como no número de grooming e rearing. O chambá apresentou efeito depressor do Sistema Nervoso Central (SNC), pois nos testes nado forçado e suspensão da cauda, aumentou o tempo de imobilidade dos animais. A avaliação sedativa/hipnótica do chambá, no teste do tempo de sono induzido por pentobarbital, mostrou que não houve alteração na duração do sono dos animais, descartando efeito sedativo. No teste da convulsão induzida por pentilenotetrazol, o chambá não alterou a latência de convulsão, bem como a latência de morte. Esse resultado sugeriu que o chambá não possui efeito anticonvulsivante. A avaliação neuroquímica comprovou o efeito depressor do extrato, pois foi verificada uma redução da concentração das monoaminas. Em conclusão, esses efeitos mostraram que o chambá apresenta efeito ansiolítico, provavelmente relacionado com o sistema gabaérgico e efeito depressor, desprovido de atividade anticonvulsivante e sedativa.
3

Estudo dos efeitos comportamentais e neuroquímicos da piplartina, alcamida isolada de Piper tuberculatum JACQ., em camundongos Study of behavioral and neurobiochemical effects of piplartine, alcamide isolated from piper tuberculatum JACQ., in mice

Felipe, Cícero Francisco Bezerra 2009 (has links)
FELIPE, Cícero Francisco Bezerra. Estudo dos efeitos comportamentais e neuroquímicos da piplartina, alcamida isolada de Piper tuberculatum JACQ., em camundongos. 2009. 189 f. Tese (Doutorado em Farmacologia) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2009. Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2012-05-25T12:55:25Z No. of bitstreams: 1 2009_tese_cfbfelipe.pdf: 977956 bytes, checksum: 4f82f562eaec1a2284c8657842e94836 (MD5) Approved for entry into archive by Eliene Nascimento(elienegvn@hotmail.com) on 2012-05-30T14:17:01Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2009_tese_cfbfelipe.pdf: 977956 bytes, checksum: 4f82f562eaec1a2284c8657842e94836 (MD5) Made available in DSpace on 2012-05-30T14:17:01Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2009_tese_cfbfelipe.pdf: 977956 bytes, checksum: 4f82f562eaec1a2284c8657842e94836 (MD5) Previous issue date: 2009 Piper tuberculatum Jacq. (pimenta de macaco) is a Piperaceae widely used in Northeast Brazil as a spicy or remedy. The few studies found in the literature on Piplartine (PIP), an alcamide isolated from the plant, lead us to evaluate its potential behavioral and neurobiochemical effects. The results showed that PIP (50 e 100 mg/Kg, i.p.) increased the number of grooming and rearing of mice in the open field and reversed the catalepsy induced by haloperidol. The compound also showed an anxyolitic effect, on the elevated plus maze, which was reversed by flumazenil. The hypnotic activity of PIP was registered only in the presence of ether, but not in the presence of tiopental. Despite of these effects, the drug did not induce motor coordination deficit on the animals subjected to the rota rod test. PIP (50 e 100 mg/Kg, i.p.) had an antidepressant effect, by reversing the akinesia of reserpine pre-treated animals and by decreasing the immobility time of mice subjected to the forced swimming test. In this task, the effect of PIP (20 mg/Kg, i.p.) was potentiated by imipramine (6 mg/Kg, i.p.), but not by paroxetine (1 mg/Kg, i.p.). Also, PIP (100 mg/Kg, i.p.) increased the level of NA and DA in striatum of pre-treated animals, suggesting that the drug has an antidepressant and pro-convulsant TCA-like effects. The pro-convulsant effect was noted by the decrease of the death time in PTZ-treated mice. Piplartine showed an antimuscarinic action only on the tremours induced by oxotremorine (0,5 mg/Kg, i.p.) and no other effects of the alcamide were registered on the cholinergic system of the animals treated with pilocarpine (350 mg/Kg, i.p.) or subjected to the passive-avoidance task or on the density of muscarinic (M1 + M2) receptors. PIP was devoided of antioxidant action against DPPH, but the drug decreased the concentration of TBARS and nitrite, generated on brain homogenates subjected to a thermic chock. At last, piplartine (1, 5 and 50 µg/mL) did not alter the viability of mesemcephalic rat cells and protected them from the action of 6-OHDA (10 µg/mL). The concentration of 100 µg/mL of PIP was toxic, when isolated or associated to 6-OHDA. All these findings indicate that piplartine has important effects on behavior, as the result of the interaction of the drug with some neurotransmitters systems and cellular biochemical events. Piper tuberculatum Jacq. (pimenta de macaco) é uma Piperaceae muito usada no Nordeste do Brasil como condimento ou remédio. A piplartina (PIP), uma alcamida isolada da planta, ainda é pouco estudada e isto incentivou a investigação do seu potencial efeito comportamental e neurobioquímico. Os resultados mostraram que a PIP (50 e 100 mg/Kg, i.p.) aumentou o número de grooming e rearing de camundongos no campo aberto e reverteu a catalepsia induzida por haloperidol. O composto também apresentou efeito ansiolítico, no labirinto em cruz elevado, que foi revertido pelo flumazenil. A atividade hipnótica da PIP foi observada apenas no teste de potencialização do tempo de sono com éter, mas não no tempo de sono barbitúrico. Apesar desses efeitos, a droga não induziu déficit motor nos animais no teste do rota rod. A PIP (50 e 100 mg/Kg, i.p.) apresentou efeito antidepressivo ao reverter a acinesia em animais pré-tratados com reserpina (10 mg/Kg, i.p.) e ao reduzir o tempo de imobilidade dos camundongos submetidos ao nado forçado. Neste teste, o efeito da PIP (20 mg/Kg, i.p.) foi potencializado com a imipramina (6 mg/Kg, i.p.), mas não com a paroxetina (1 mg/Kg, i.p.). Além desses efeitos a PIP (100 mg/Kg, i.p.) aumentou a concentração de NA e DA no corpo estriado dos animais, sugerindo que a droga tenha uma ação antidepressiva e pró-convulsivante semelhante aos ATC’s. Este último efeito foi observado com a redução do tempo de morte de camundongos tratados com PTZ (80 mg/Kg, i.p.). A piplartina apresentou ação antimuscarínica apenas sobre os tremores induzidos por oxotremorina (0,5 mg/Kg, i.p.), não sendo observados outros efeitos da alcamida sobre o sistema colinérgico de animais tratados com pilocarpina (350 mg/Kg, i.p.) ou submetidos ao teste da esquiva-passiva ou sobre a densidade de receptores muscarínicos (M1 + M2). A alcamida não apresentou ação anti-oxidante frente ao DPPH, mas reduziu as concentrações de TBARS e de nitrito, gerados em homogenatos de cérebro submetidos ao choque térmico. Por fim, a droga (1, 5 e 50 µg/mL) não alterou a viabilidade de células mesencefálicas de ratos e protegeu-as da ação da 6-OHDA (10 µg/mL). Na concentração de 100 µg/mL, a PIP mostrou-se tóxica, isoladamente ou associada a 6-OHDA. Estes resultados mostram que a piplartina possui importantes efeitos sobre o comportamento, que têm como base a interação da droga com alguns sistemas de neurotransmissão e eventos bioquímicos celulares.
4

Relação entre a concentração de hormônio liberador de corticotrofina no líquido cefalorraquidiano no final da gestação e a presença de sintomas depressivos antes e após o parto

Zaconeta, Alberto Carlos Moreno 15 March 2012 (has links)
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, 2012. Submitted by Elna Araújo (elna@bce.unb.br) on 2012-07-11T20:43:10Z No. of bitstreams: 1 2012_AlbertoCarlosMorenoZaconeta.pdf: 1697341 bytes, checksum: 9e3bc9b51af85953d0a305c445e1f069 (MD5) Approved for entry into archive by Jaqueline Ferreira de Souza(jaquefs.braz@gmail.com) on 2012-07-18T12:30:41Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2012_AlbertoCarlosMorenoZaconeta.pdf: 1697341 bytes, checksum: 9e3bc9b51af85953d0a305c445e1f069 (MD5) Made available in DSpace on 2012-07-18T12:30:41Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2012_AlbertoCarlosMorenoZaconeta.pdf: 1697341 bytes, checksum: 9e3bc9b51af85953d0a305c445e1f069 (MD5) INTRODUÇÃO: Além da sua função como carro chefe do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal, o hormônio liberador de corticotrofina (CRH) participa de circuitos neuronais envolvidos na fisiopatologia da depressão. Como na gestação há grande produção de CRH pela placenta, que cessa abruptamente após o parto, estudos recentes avaliaram a relação entre a concentração plasmática de CRH e a ocorrência de depressão antes e após o parto, com resultados conflitantes. A relação entre a concentração desse hormônio no líquido cefalorraquidiano durante a gestação e os transtornos do humor no periparto não foi estudada até o presente. OBJETIVOS: Determinar se há diferença na concentração de CRH no LCR de mulheres grávidas e não grávidas e se a concentração de CRH no LCR no final da gestação tem correlação com a presença de sintomas depressivos na gestação e após o parto. MÉTODOS: Estudo de coorte prospectivo. O CRH foi medido no LCR de 111 mulheres grávidas e 22 voluntárias não grávidas. Nas gestantes, os sintomas depressivos foram avaliados com a Escala de Depressão pós-natal de Edimburgo (EPDS) com ponto de corte ≥13, aplicada logo antes do parto e entre quatro a oito semanas após o nascimento da criança. A diferença de concentração de CRH no LCR foi avaliada pela comparação de médias, utilizando o teste t de Student (p <0,05). RESULTADOS: Amostra final composta por 107 gestantes e 22 mulheres não gestantes. A concentração de CRH no LCR foi significativamente maior no LCR das gestantes, com média de 28pg/ml a mais do que nas não gestantes (p=0,001). Foram encontrados sintomas depressivos em 11% das mulheres durante a gestação e em 12% no período pós-parto. A comparação da concentração de CRH no LCR de pacientes sem sintomas depressivos e com sintomas depressivos antes ou após o parto não mostrou diferença significativa. CONCLUSÃO: Na presente amostra foi encontrada maior concentração de CRH no LCR de pacientes grávidas quando comparadas com não grávidas, mas a concentração de CRH no LCR não foi diferente em pacientes com e sem sintomas depressivos. _________________________________________________________________________________ ABSTRACT INTRODUCTION: In addition to its key role as a regulator of the hypothalamic-pituitary-adrenal axis, corticotrophin-releasing hormone (CRH) is implicated in neuronal circuits involved in the pathophysiology of depression. During pregnancy the placenta secretes CRH into the systemic circulation and greatly increases its circulating levels, which reduce abruptly after delivery. Because of these changes in the circulating levels of CRH, recent studies have investigated the relationship between plasma CRH levels and the occurrence of depression before and after delivery, with conflicting results. The relationship between CRH levels in cerebrospinal fluid and peripartum mood disorders has not been studied to date. OBJECTIVES: To determine if there are differences in CRH levels in the CSF of pregnant and non-pregnant women, and if CRH levels in CSF at the end of pregnancy correlate with the presence of depressive symptoms during pregnancy and in the postpartum period. METHODS: This was a prospective cohort study in which CRH levels were measured in the CSF of 111 pregnant and 22 non-pregnant women. In pregnant women, depressive symptoms were assessed immediately before delivery and four to eight weeks after childbirth, using the Edinburgh Postnatal Depression Scale (EPDS), with a cutoff of at least 13. Differences between mean CRH levels in CSF were evaluated by using Student’s t test (p<0.05). RESULTS: 107 pregnant and 22 non-pregnant women composed the final sample. CRH levels in the CSF were significantly higher in pregnant women, on average 28 pg/mL higher in this group as compared to non-pregnant women (p=0.001). Depressive symptoms were found in 11% of women during pregnancy and in 12% of them in the post-partum period. There was no significant difference in CRH levels in the CSF of women with or without depressive symptoms before or after delivery. CONCLUSION: In this sample greater CRH levels in the CSF were found in pregnant women as compared to non-pregnant women, but there were no significant differences in these levels in women with or without depressive symptoms.
5

Depressão: pontos de vista e conhecimento do enfermeiro da rede básica de saúde. Depression: nurses view points and knowledge in the basic health network.

Mariluci Camargo Ferreira da Silva 29 June 2001 (has links)
Esta pesquisa objetivou identificar os pontos de vista e o conhecimento sobre depressão de enfermeiros da rede básica de saúde. Os 73 enfermeiros participantes encontram-se na secretaria municipal de saúde e direção regional de saúde, ambos em São José do Rio Preto-SP. Acham-se distribuídos em 28 unidades de saúde. Em se tratando de um estudo psicométrico, foram utilizados quatro instrumentos para a coleta de dados: A- Pontos de vista sobre depressão; B- Conhecimento sobre depressão; C- Inventário de Beck; D- Escala de Zung. Todos foram auto-aplicados. Utilizou-se a análise quantitativa para os dados gerais e a qualitativa para a reflexão sobre os mesmos dados. Nos resultados gerais, a maioria das respostas evidencia acordo com o que se esperava, com médio conhecimento sobre depressão. Entretanto, as análises individuais dessas questões indicam que esses profissionais não estão em contato direto com o paciente, não sabem identificar pacientes deprimidos, não observam estes indicadores nos pacientes por eles atendidos ou não entendem que seja sua tarefa fazer esta identificação. Surgiram reflexões acerca da possível relação entre as ações de saúde mental com a formação profissional do enfermeiro. Desse modo, o ensino da depressão no curso de enfermagem e na educação continuada passam a ter maior importância no desenvolvimento das ações de enfermagem para a saúde mental. Esperamos que esta pesquisa constitua-se em para a assistência, para o ensino e para a pesquisa em enfermagem podendo sensibilizar os enfermeiros sobre a necessidade de uma atuação transformadora de suas práticas. This research aimed at identifying the viewpoints and knowledge on depression of nurses working in the basic health network. The 73 participant nurses were stationed in the Municipal Health Secretariat and Regional Health Department in São José do Rio Preto-SP. They were distributed in 28 health units. Considering that this was a psychometric study, four instruments were used for data collection: A- Viewpoints on depression; B- Knowledge on depression; C- Beck's Inventory; D- Zung's Scale. All of them were self-applied. Quantitative analysis was used for general data and qualitative analysis was utilized for reflection on the same data. In the general results, most of the answers were in accordance with what was expected, that is, average knowledge on depression was shown. However, the individual analysis of such questions indicated that these professionals are not in direct contact with patients, they do not know how to identify depressed patients, they do not observe these indicators in the patients that they assist or do not understand that it is their task to do so. Reflections appeared on the possible relationship between mental health actions and nurses’ professional education. In this way, including studies about depression in undergraduate and continuing education become more important in the development of nursing actions for mental health. We believe that this research constitutes an important contribution to nursing assistance, teaching and research, since it is able to sensitize nurses as to the need for transforming actions in their practice.
6

Aplicabilidade da musicoterapia nas complicações neurológicas decorrentes da hipóxia isquêmica encefálica, induzida experimentalmente por nitrito de sódio

Ribeiro, Mara Claudia 7 December 2017 (has links)
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Medicina, Programa de Pós-Graduação em Ciências Médicas, 2017. Submitted by Raquel Almeida (raquel.df13@gmail.com) on 2018-03-23T17:00:08Z No. of bitstreams: 1 2017_MaraClaudiaRibeiro.pdf: 21050587 bytes, checksum: c5725d841025af7acdc2c6114aedaa62 (MD5) Approved for entry into archive by Raquel Viana (raquelviana@bce.unb.br) on 2018-03-28T21:13:48Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2017_MaraClaudiaRibeiro.pdf: 21050587 bytes, checksum: c5725d841025af7acdc2c6114aedaa62 (MD5) Made available in DSpace on 2018-03-28T21:13:48Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2017_MaraClaudiaRibeiro.pdf: 21050587 bytes, checksum: c5725d841025af7acdc2c6114aedaa62 (MD5) Previous issue date: 2018-03-28 Introdução: Anualmente, milhares de pessoas sofrem hipóxia cerebral, apresentando o dobro de chance de desenvolver alterações cognitivocomportamentais relacionadas à ansiedade e à depressão. Como forma de tratamento não farmacológico para tais condições pode-se utilizar a musicoterapia. Objetivo: Analisar as alterações histológicas hipocampais e cerebelares e possíveis repercussões comportamentais e bioquímicas provocadas pela Sonata de Mozart em animais sem e com hipóxia isquêmica encefálica induzida experimentalmente por Nitrito de Sódio. Metodologia: Foi realizado um estudo experimental com 36 ratas Wistar distribuídas em grupos que sofreram hipóxia e que ouviram música em protocolos de aplicações agudas e crônicas. A hipóxia foi induzida experimentalmente por Nitrito de Sódio na dosagem de 60mg/kg durante 15 dias. Foram analisadas variáveis comportamentais no Campo aberto, Labirinto em Cruz Elevado (comportamento sugestivo de ansiedade) e o Nado Forçado (comportamento sugestivo de depressão). Análises bioquímicas verificaram o estresse agudo e crônico por meio dos níveis de cortisol, glicose, colesterol e lactato. Foram coletadas e analisadas amostras histológicas do hipocampo, regiões CA1, CA2, CA3, CA4 e Giro Denteado e do córtex cerebelar. Resultados: Os animais que sofreram a lesão encefálica e não receberam o protocolo de música apresentaram o pior desempenho nos testes de ansiedade e de depressão, demonstrando claramente o efeito ansiogênico da lesão encefálica. O efeito ansiogênico também foi verificado no grupo que sofreu hipóxia e recebeu música crônica. Já os grupos que receberam música aguda e crônica (sem lesão) e o grupo que recebeu música aguda após lesão apresentaram características de efeito ansiolítico. Destacou-se também efeito antidepressivo da música aguda e crônica em todos os grupos. Em relação as análises bioquímicas, o cortisol foi a variável que apresentou destaque, com níveis elevados no grupo que sofreu hipóxia e também no grupo que recebeu o protocolo de música crônica. Em relação aos aspectos histológicos, a região CA1 foi a área menos atingida pela hipóxia. Os animais que apenas receberam música, seja no protocolo agudo ou crônico, não apresentaram diferença significante (p≤ 0,05) na contagem de neurônios sadios em relação ao grupo controle. Já os animais que receberam o protocolo de música aguda após a lesão encefálica apresentaram melhores contagens de neurônios sadios nas áreas CA1, CA3, CA4 e Giro Denteado que os demais grupos com hipóxia. O cerebelo não apresentou alterações significativas nos animais que receberam música, apenas nos que sofreram hipóxia foi possível observar a lesão. Conclusões: A hipóxia isquêmica encefálica pode provocar danos estruturais e comportamentais, sendo que os animais que apenas sofreram hipóxia apresentaram menor peso encefálico, comportamento similar a depressão e a ansiedade, maior nível de cortisol e menor contagem de neurônios sadios em todas as áreas, exceto CA1. A música aguda e crônica em animais saudáveis, demonstraram efeitos antidepressivos e ansiolíticos, porém, o estresse acompanhou o grupo que ouviu música crônica. Embora estes grupos tenham apresentado maior número de neurônios sadios que lesionados em todas as áreas, não houve melhor contagem que no grupo controle. O destaque da atual pesquisa e deu no grupo de animais que sofreu lesão e recebeu o protocolo de música aguda devido ao elevado peso do encéfalo, assim como o efeito ansiolítico e efeitos antidepressivos, e mais os valores de cortisol que também foram menores que no grupo hipóxia. Este grupo apresentou o maior número de neurônios sadios em quase todas as áreas do hipocampo, exceto a área CA2. Já os animais que sofreram lesão e receberam o protocolo de música crônica apresentaram respostas ansiogênicas e sinais de estresses, possivelmente relacionados com os efeitos da lesão somado ao da música crônica. Destaca-se negativamente o fato de que estes animais apresentaram desempenho semelhante ao grupo que apenas sofreu hipóxia, no que tange a contagem de neurônios, de forma que, para a região hipocampal, a música aguda após a lesão por hipóxia, foi aquela que promoveu os melhores estímulos. Ao se projetar estes achados em humanos, é provável que possa haver repercussões positivas sobre aspectos comportamentais e histológicos e, consequentemente, na qualidade de vida de pessoas com lesões encefálicas decorrentes de hipóxia. Introduction: Every year thousands of people suffer from cerebral hypoxia, which has a double chance of developing cognitive-behavioral changes related to anxiety and depression. As a form of non-pharmacological treatment for such conditions music therapy may be used. Objective: To analyze hippocampal and cerebellar histological changes and possible behavioral and biochemical repercussions caused by Mozart's Sonata in animals without and with ischemic hypoxia experimentally induced by Sodium Nitrite. Methods: An experimental study was performed with 36 Wistar rats distributed in groups that had hypoxia and who had heard music in protocols for acute and chronic applications. Hypoxia was experimentally induced by Sodium Nitrite at a dose of 60 mg/kg for 15 days. Behavioral variables were analyzed in Open Field, Elevated Plus Maze (anxiety like-behavior) and Forced Swimming (depression like- behavior). Biochemical analyzes verified acute and chronic stress through the levels of cortisol, glucose, cholesterol and lactate. Histological samples from the hippocampus, CA1, CA2, CA3, CA4, and Dentade Gyrus and cerebellar cortex regions were collected and analyzed. Results: Animals that suffered brain damage and did not receive the music protocol presented the worst performance in the tests of anxiety and depression, clearly demonstrating the anxiogenic effect of the brain injury. The anxiogenic effect was also verified in the group that suffered hypoxia and received chronic music. The groups that received acute and chronic music (without injury) and the group that received acute music after injury showed characteristics of anxiolytic effect. The anti-depressive effect of acute and chronic music was also highlighted in all groups. Regarding the biochemical analyzes, cortisol was the variable that presented prominence, with high levels in the group that suffered hypoxia and also in the group that received the chronic music protocol. Regarding the histological aspects, the CA1 region was the area less affected by hypoxia. Animals that only received music, whether in the acute or chronic protocol, did not present significant difference (p≤0.05) in the healthy neuron count in relation to the control group. The animals that received the acute music protocol after the brain injury presented better scores of healthy neurons in the CA1, CA3, CA4 and Dentade Gyrus areas than the other groups with hypoxia. The cerebellum did not show significant changes in the animals that received music, only in those who suffered hypoxia was it possible to observe the lesion. Conclusions: Brain ischemic hypoxia can promote structural and behavioral damage, animals that only suffered hypoxia presented lower brain weight, depression and anxiety like- behavior, higher level of cortisol and lower number of healthy neurons in all areas except CA1. Acute and chronic music in healthy animals created anti-depressant and anxiolytic effects. However, stress accompanied the group who heard chronic music. And although these groups had more healthy neurons than lesions in all areas, there was no better counting than in the control group. In the present research the group of animals that suffered injury and received the protocol of acute music due to the high weight of the encephalon, as well as the anxiolytic effect and anti-depressive effects, and, cortisol values were also lower than in the hypoxia group. As well as, this group had the highest number of healthy neurons in almost all areas of the hippocampus, except the CA2 area. The animals that suffered injury and received the chronic music protocol presented anxiogenic effects and signs of stress, possibly related to the effects of the injury added to that of chronic music. Thus, for the hippocampal region, he acute music, after the hypoxia lesion, was the one that promoted the best stimulus. When projecting these findings in humans, it is probable that there may be positive repercussions, on behavioral and histological aspects, and consequently on he quality of life of people with encephalic lesions due to hypoxia.
7

A prevalência do transtorno depressivo e transtorno depressivo recorrente em trabalhadores brasileiros do ano de 2004

Martins, Rosa Otilia Abdon 26 April 2010 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, 2010. Submitted by Shayane Marques Zica (marquacizh@uol.com.br) on 2011-06-28T18:37:37Z No. of bitstreams: 1 2010_RosaOtiliaAbdonMartins.pdf: 1273099 bytes, checksum: 70d1d51b9f39d03d8f58b0ade7a18c9d (MD5) Approved for entry into archive by Guilherme Lourenço Machado(gui.admin@gmail.com) on 2011-06-29T12:34:54Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2010_RosaOtiliaAbdonMartins.pdf: 1273099 bytes, checksum: 70d1d51b9f39d03d8f58b0ade7a18c9d (MD5) Made available in DSpace on 2011-06-29T12:34:54Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2010_RosaOtiliaAbdonMartins.pdf: 1273099 bytes, checksum: 70d1d51b9f39d03d8f58b0ade7a18c9d (MD5) Quando se observam as tendências e preocupações com a Saúde do Trabalhador, pensa-se em quanto representam os afastamentos provocados por transtornos mentais. Foi objetivo deste estudo avaliar a prevalência do Transtorno Depressivo (TD) em trabalhadores brasileiros no ano de 2004 e, como objetivos específicos: determinar os ramos de atividade com maior prevalência do TD; avaliar a faixa etária para o surgimento e curso do TD; determinar os tipos de benefícios concedidos por TD; determinar o tempo de duração dos benefícios concedidos; o custo dos benefícios durante o período de auxílio e, por fim, determinar os anos potenciais de trabalho perdido por TD. A metodologia para desenvolvimento desta pesquisa foi a abordagem quantitativa, transversal, descritivo, realizado por meio do Banco de Dados fornecido pelo Instituto Nacional de Previdência Social (INSS) e Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (DATAPREV) com os dados dos benefícios concedidos no ano de 2004, n = 48.682. O pacote estatístico utilizado para obter os resultados dos dados pesquisados foi BioEstat 5.0, desenvolvido para análises estatísticas nas ciências biomédicas, na análise das variáveis como duração e custo médio foi utilizado, com nível de significância de 95,0% (p<0,05). Foram usadas como variáveis para a mostra: Classificação Nacional de Atividade Econômica (CNAE), idade de desenvolvimento do transtorno; tipo de benefício concedido; tempo de afastamento; valores gastos pelo INSS com benefícios pagos a trabalhadores. Também foram discutidas as condições de trabalho e os fatores de risco aos quais estes trabalhadores estão expostos e que, contribuíram para um quadro de surgimento do TD. A conclusão do estudo nos mostra que na variável faixa etária houve maior prevalência entre 25 e 50 anos tanto para mulheres n = 23.099 ( 47,4%) como para homens n = 12.450 (25,6%) para o surgimento do TD e que, as faixa etárias correspondentes a <20 anos representam n = 164 (0,3%) para mulheres e, n = 80 (0,2%). As mulheres entre 20 e 25 anos correspondem a n = 2.281 (4.7%) enquanto que os homens n = 1.029 (2,1%). As mulheres representam 65,2% de todos os afastamentos de trabalho, enquanto que os homens representam 34,7%. Na variável tempo de afastamento o período mínimo de afastamento é de três meses e, que, 41,18% dos benefícios pagos pela previdência social a seus segurados por TD já duram mais de um ano. O Custo com a Depressão no Brasil em 2004 foi da ordem aproximada de R$ 419.367.693,04 (quatrocentos e dezenove milhões, trezentos e sessenta e sete mil, seiscentos e noventa e três reais e quatro centavos), só com os pagamentos diretos a trabalhadores cujo prazo de beneficio já se encerrou, porém se vislumbramos os valores mensais pagos com aqueles que até a presente data ainda recebem o benefício, estima-se que o valor total seja de mais de 1 bilhão de reais. Estas estimativas e cálculos foram realizados com base no valor recebido mensalmente pelos trabalhadores brasileiros afastados por Depressão. _______________________________________________________________________________ ABSTRACT When you look at the trends and concerns with the Occupational Health, thinks of as representing the leaves caused by mental disorders. Purpose of this study was to evaluate the prevalence of Depressive Disorder (TD) in Brazilian workers in 2004, and as specific objectives: to determine the activity sectors with the highest prevalence of TD; evaluate the age for the onset and course of TD; determine types of benefits at TD; determine the duration of benefits, the cost of benefits during the period of aid and, finally, determine the potential years of lost work by TD. The methodology for this research was a quantitative approach, cross-sectional, descriptive, conducted through the database provided by the National Social Security Institute (INSS) and Enterprise Information Technology and Social Security (DATAPREV) with data from benefits in 2004, n = 48 682. The statistical package used to obtain the results of the research data was BioEstat 5.0, developed for statistical analysis in biomedical sciences, the analysis of variables such as duration and average cost was used, with a significance level of 95.0% (p <0.05 ). Were used as variables for the show: National Classification of Economic Activities (NACE), age of development of the disorder, type of benefit granted, time off, with amounts spent by Social Security benefits paid to workers. It also discussed the working conditions and risk factors to which these workers are exposed and which contributed to a framework for the emergence of TD. The conclusion shows that the variable age group was more prevalent between 25 and 50 years for both women n = 23 099 (47.4%) and for men n = 12 450 (25.6%) of the onset of TD and the age range corresponding to <20 years represent n = 164 (0.3%) for women, n = 80 (0.2%). Women between 20 and 25 correspond to n = 2281 (4.7%) while men n = 1,029 (2.1%). Women represent 65.2% of all clearances work, while men account for 34.7%. In the variable time off the minimum distance is three months and that, 41.18% of benefits paid by social security to its policyholders by TD has lasted over a year. The Cost of Depression in Brazil in 2004 was of the order of approximately R $ 419,367,693.04 (four hundred and nineteen million, three hundred and sixty-seven thousand, six hundred and ninety-three reais and four cents), only with direct payments the workers whose benefit period has ended, but if we see the monthly amounts paid to those who to date still receive the benefit, it is estimated that the total amount is more than a billion dollars. These estimates and calculations were made based on the monthly amount received by Brazilian workers dismissed by the Depression.
8

Prevalência de transtorno depressivo maior em centro de referência no tratamento de hipertensão arterial e outros fatores de risco cardiovasculares

Amaral, Geraldo Francisco do 13 August 2007 (has links)
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, 2007. Submitted by Diogo Trindade Fóis (diogo_fois@hotmail.com) on 2009-12-23T12:00:54Z No. of bitstreams: 1 2007_GeraldoFranciscodoAmaral.pdf: 1380773 bytes, checksum: fd0f3ec26635bb9b460415e42ab2bee2 (MD5) Approved for entry into archive by Joanita Pereira(joanita) on 2009-12-23T19:11:08Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2007_GeraldoFranciscodoAmaral.pdf: 1380773 bytes, checksum: fd0f3ec26635bb9b460415e42ab2bee2 (MD5) Made available in DSpace on 2009-12-23T19:11:08Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2007_GeraldoFranciscodoAmaral.pdf: 1380773 bytes, checksum: fd0f3ec26635bb9b460415e42ab2bee2 (MD5) Previous issue date: 2007 Objetivo: Investigar a prevalência de transtorno depressivo maior em pacientes hipertensos matriculados em um centro de referência universitário para tratamento de hipertensão arterial e outros fatores de risco cardiovasculares. Métodos: estudo transversal, descritivo, em amostra aleatória representativa obtida de forma sistemática de pacientes em atendimento contínuo na Liga de Hipertensão Arterial da Universidade Federal de Goiás. Aplicou-se o Inventário de Depressão de Beck (BDI) para rastreamento de sintomas depressivos e a entrevista estruturada SCID I/P-DSM-IV para avaliação diagnóstica de transtorno depressivo maior. Foram constituídos um grupo com pacientes portadores de depressão maior, denominado grupo estudo (GE) e um grupo com pacientes não portadores de depressão maior, denominado grupo controle (GC). Variáveis sócio-demográficas, pressão arterial e bioquímica sanguínea foram avaliadas no momento da coleta de dados. Resultados: Foram entrevistados 285 pacientes tendo sido encontrada prevalência de 20% de depressão maior na população investigada. A idade média foi significativamente menor para o GE, com predomínio do sexo feminino. A prática de atividade física regular foi também significativamente menor entre os pacientes do GE que também apresentaram valores mais elevados de pressão arterial diastólica e de colesterolemia. Conclusão: Foi encontrada uma prevalência de Transtorno Depressivo Maior em pacientes hipertensos superior àquela encontrada na população geral, além de dados consistentes quanto a maior nível de pressão arterial diastólica, colesterolemia e menor realização de atividade física entre indivíduos do Grupo Estudo. Isso aponta para uma necessidade de maior atenção para o diagnóstico dos transtornos depressivos em pacientes hipertensos em atendimento primário e ambulatorial. _________________________________________________________________________________________ ABSTRACT Objective: Investigating the prevalence of major depression disorders in hypertensive patients enrolled in a university reference center for the treatment of hypertension and other cardiovascular risk factors. Methods: cross-sectional, descriptive study of a representative randomized sample of patients, obtained according to a systematic protocol, among individuals enrolled for continuous treatment at the Hypertension League of the Universidade Federal de Goiás. The Beck Depression Inventory (BDI) was administered for detecting the depressive symptoms, and the SCID I/P-DSM-IV structured interview, for the diagnostic classification of the major depressive disorder. Two groups were formed, one with patients with major depressive disorder, called study group (SG) and another with patients without depression, called control group (CG). Sociodemographic variables, blood pressure and plasma biochemistry were evaluated at the time of the interview. Results: From the two-hundred eighty-five patients who were evaluated the results indicated a 20% prevalence of major depression in the population included in the study. The mean age was significantly lower for the SG, where female individuals were predominant. Regular physical activity was less common among patients in the SG; and higher diastolic blood pressure values as well as cholesterolemia were also found in this group. Conclusion: these results show a higher prevalence of major depressive disorder among these patients, relative to the population as a whole. More attention should be paid to establishing an adequate diagnosis for depressive disorders in hypertensive patients, both in primary care facilities and in outpatient clinics.
9

Construções entre narcisismo e perda na depressão

Sarmento, Mariana Machado 2008 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, 2008. Submitted by Raquel Viana (tempestade_b@hotmail.com) on 2010-03-10T20:26:37Z No. of bitstreams: 1 2008_MarianaMachadoSarmento.pdf: 190519 bytes, checksum: 11141edcc12df0bb3959c181cf2fcc57 (MD5) Approved for entry into archive by Lucila Saraiva(lucilasaraiva1@gmail.com) on 2010-03-11T00:17:02Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2008_MarianaMachadoSarmento.pdf: 190519 bytes, checksum: 11141edcc12df0bb3959c181cf2fcc57 (MD5) Made available in DSpace on 2010-03-11T00:17:02Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2008_MarianaMachadoSarmento.pdf: 190519 bytes, checksum: 11141edcc12df0bb3959c181cf2fcc57 (MD5) Previous issue date: 2008 Este trabalho propõe-se a apresentar construções teóricas em psicanálise a respeito da depressão como expressão de sofrimento psíquico. Para isso, busca-se investigar a dinâmica do psiquismo na depressão e seus efeitos na transferência. Partindo da experiência da clínica psicanalítica, são destacados aspectos que correspondem ao conceito de narcisismo e à perda, elementos que ecoam a situação do deprimido. Qualificando-se a depressão como neurose narcísica, propõe-se uma aproximação da descrição do estado deprimido ao melancólico conforme apresentado na obra freudiana. Considerando o narcisismo como mecanismo central na depressão, relaciona-se a questão da constituição do eu com a noção de vinculação aos objetos no estado deprimido. Concebendo que o investimento no eu como único objeto pulsional indica um funcionamento narcisista, questiona-se acerca da restituição do objeto na fantasia nas neuroses narcísicas. Propõe-se, então, uma problemática entre fantasia, angústia e perda, sugerindo que a fantasia tenha uma função de reorganizar a perda, inscrevendo-se aí uma relação de temporalidade. Em função da organização narcisista e sua relação com a perda de amor, supõe-se que na depressão haja uma recusa à ligação ao outro como dispositivo de defesa. A desconsideração ao outro leva a problematizar a questão transferencial com deprimidos, tendo como núcleo o narcisismo como obstáculo à transferência. Assim, discute-se a constituição do eu nas neuroses narcisistas e suas implicações no processo analítico, apontando-se caminhos para a efetividade do trabalho psicanalítico com pacientes deprimidos, tendo como eixo o amor de transferência. __________________________________________________________________________________________ ABSTRACT This work intends to present theoretical constructions in psychoanalysis in what respects depression as the expression of psychic suffering. In order for this to be achieved, it investigates the dynamics of the psychism in depression and its effects in transference. Starting from the experience of psychoanalytical clinic, aspects corresponding to the concepts of narcissism and loss are enhanced. These elements echo the situation of the depressed subject. In qualifying depression as a narcissistic neurosis, the present works proposes an approximation of the description of the depressive condition to the melancholic one as presented in Freudian works. Considering narcissism as the central mechanism in depression, the issue of the constitution of self is linked to the notion of connection to objects in the depressive state. Considering that the investment in the self as the only driving object indicates a narcissistic functioning, it raises questions about the restitution of the object in fantasy in the narcissistic neurosis. A problematic relation between fantasy, anguish and loss is then proposed, suggesting that fantasy has as a role the reorganization of the loss, which inscribes in it a temporality relation. Due to the narcissistic organization and its relation to the loss of love, it is supposed that, in depression, there is a denial in connecting to the other as a defense mechanism. The disregard for the other leads to the problematization of the issue of transference in depressed subjects, being narcissism, as an obstacle to transference, the core issue of this matter. Thus, the present work discusses the constitution of self in narcissistic neuroses and its implications in the psychoanalytical process, pointing out paths for an effective psychoanalytical work with depressed patients, which will have as axis the love of transference.
10

O impacto prognóstico dos sintomas depressivos detectados na manifestação do infarto agudo do miocárdio em uma coorte de pacientes submetidos a cuidados intensivos de prevenção cardiovascular após o evento

Borges, Andréa Plácido 6 March 2009 (has links)
Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Medicina, 2009. Submitted by Jaqueline Ferreira de Souza (jaquefs.braz@gmail.com) on 2010-03-10T19:07:34Z No. of bitstreams: 1 2009_AndreaPlacidoBorges.pdf: 1325286 bytes, checksum: 25be31952ce8d61d31545cf41654fe78 (MD5) Approved for entry into archive by Daniel Ribeiro(daniel@bce.unb.br) on 2010-05-19T20:18:47Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2009_AndreaPlacidoBorges.pdf: 1325286 bytes, checksum: 25be31952ce8d61d31545cf41654fe78 (MD5) Made available in DSpace on 2010-05-19T20:18:47Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2009_AndreaPlacidoBorges.pdf: 1325286 bytes, checksum: 25be31952ce8d61d31545cf41654fe78 (MD5) Previous issue date: 2009-03-06 Fundamentos: Um substancial volume de evidências associa a presença de sintomas depressivos ao aumento do risco cardiovascular em pacientes que sofreram infarto agudo do miocárdio (IAM) Entretanto, a força de associação estimada pela razão de chances varia amplamente entre os estudos e, em alguns desses, essa associação não atingiu significância estatística. Embora não esteja clara a razão para a divergência de resultados, é hipoteticamente plausível que a variação da qualidade dos cuidados de prevenção cardiovascular recebidos modifique a natureza dessa associação. Além disso, é também possível que limitações na diferenciação entre sintomas somáticos do IAM ou da depressão possam enviesar a estimativa da força de associação. Objetivos: O presente estudo tem como objetivos: (i) Avaliar o impacto da presença de sintomas depressivos no risco do desfecho combinado: morte intra-hospitalar, morte súbita e IAM fatal ou não fatal, em pacientes com IAM com supradesnivelamento do segmento ST submetidos a cuidados intensivos de prevenção cardiovascular; (ii) Avaliar a associação entre os sintomas somáticos investigados pelo BDI-II e as características clínicas ou anatômicas do IAM ou o risco do desfecho combinado; (iii) Avaliar a existência de associação entre os sintomas depressivos e a resposta inflamatória do IAM ou fatores de risco cardiovasculares; (iv) Investigar a existência de associação independente entre cada um dos 21 sintomas depressivos estimados pelo BDI-II e o risco dos desfechos combinados. Casuística e métodos: Foram admitidos 245 pacientes nas primeiras 24 horas após IAM com supradesnivelamento do segmento ST. Todos pacientes foram submetidos à avaliação clínica, antropométrica e de sintomatologia depressiva pelo inventário de depressão de Beck (BDI-II) nas primeiras 24 horas da admissão. A evolução foi acompanhada pelos investigadores na fase intra-hospitalar e até dois anos após o evento inicial. Amostras de sangue foram colhidas na admissão e no quinto dia após IAM em todos os pacientes arrolados. Resultados: Encontramos uma tendência à recorrência de eventos cardiovasculares, morte intra-hospitalar, morte súbita e IAM fatal ou não fatal, nos pacientes com BDI-II superior a 10 ou ao percentil 90. Entretanto, a associação não atingiu significância estatística (p=0,63). Na regressão multivariada de Cox a associação entre cada um dos sintomas depressivos e o desfecho combinado, nos dois anos de acompanhamento clínico, foram independentemente associados aos desfechos a idade (p=0,004) e os sintomas depressivos pessimismo (p=0,019) e perda do prazer (p=0,035). Os sintomas perda de auto-estima (p=0,09) e perda do interesse (p=0,07) tiveram uma tendência à associação significativa. Entre os fatores de risco para a DAC, somente hipertensão arterial sistêmica (HAS) foi estatisticamente associada à intensidade dos sintomas depressivos estimada pelo BDI-II (p=0,006). A gravidade da DAC (p=0,98) e a presença de trombos intracoronários (p=1,0) não se relacionaram à gravidade dos sintomas. Também não houve associação estatisticamente significante entre a intensidade dos sintomas e a atividade inflamatória sistêmica, estimada pela PCR plasmática, na admissão hospitalar (p= 0,65) ou seu aumento durante o IAM (p=0,9). A intensidade dos sintomas não se associou significativamente à extensão da massa infartada ou mesmo à gravidade clínica da manifestação do IAM (p>0,05). Encontramos associação independente entre HAS e presença de fadiga (p= 0,016) e alterações do sono (p=0,007) e associação de síndrome metabólica e sentimentos de punição (p= 0,006). Indivíduos com baixa escolaridade apresentaram mais freqüentemente perda da auto-estima (p=0,003), sentimentos de punição (p=0,018), irritabilidade (p=0,028) e perda do prazer (p=0,008). Indivíduos com baixa renda apresentaram autocrítica exacerbada (p=0,007) e sentimento de inutilidade (p=0,04). Conclusões: Em pacientes que recebem cuidados clínicos intensivos após IAM, a intensidade dos sintomas depressivos estimada pelo BDI-II não prediz a recorrência de eventos coronarianos agudos. No entanto, mesmo em condições ideais de prevenção cardiovascular, indivíduos que apresentam os sintomas depressivos pessimismo e perda do prazer têm maior risco de morte súbita ou recorrência de IAM. Parte da ligação causal entre a presença de sintomas depressivos e o risco de IAM pode decorrer da associação desses sintomas com fatores de risco para DAC como HAS, síndrome metabólica e fatores de risco psicossociais. __________________________________________________________________________________- ABSTRACT Background: A substantial amount of evidence links the presence of depressive symptoms to increased cardiovascular risk in patients who suffered acute myocardial infarction (AMI). However, the strength of association estimated by the odds ratio varies widely between studies and, in some, this association did not reach statistical significance. Although not clear the reason for the divergence of results, it is hypothetically plausible that the variation in the quality of the preventive cardiovascular care would change the nature of this association. It is also possible that constraints on the differentiation between somatic symptoms from AMI or from depression may bias the estimated strength of association. Objectives: This study aims to: (i) assess the prognostic impact of the presence of depressive symptoms during AMI in the outcome of patients undergoing intensive cardiovascular prevention care; (ii) assess the presence of independent association between the 21 major depressive symptoms and the risk of clinical outcomes: sudden death or fatal or nonfatal AMI; and (iii) evaluate the existence of association between depressive symptoms and inflammatory response during AMI or risk factors for coronary artery disease (CAD). Patients and methods: We admitted 245 patients (60 11 years) in the first 24 hours after AMI with ST-segment elevation. All patients underwent clinical evaluation, anthropometric and depressive symptoms by the Beck Depression Inventory (BDI-II) in the first 24 hours of admission. Blood samples were collected at admission and on the fifth day after AMI in all patients enrolled. The clinical outcome was accompanied by the investigators in the in-hospital phase and up to two years after the initial event. Results: We found a tendency for recurrence of cardiovascular events, death and fatal or nonfatal AMI in patients with BDI-II greater than 10 or the 90th percentile. However, the association did not reach statistical significance (p = 0.63). In Cox multivariate regression of the association between each of the depressive symptoms and the combined outcome were considered independent predictors: age (p=0.004) and the depressive symptoms pessimism (p=0.019) and loss of pleasure (p=0.035). Loss of self-concept (p=0.09) and loss of interest (p=0.07) had a trend toward significant association. Among the risk factors for CAD, only hypertension was statistically associated with the intensity of depressive symptoms as estimated by the BDIII (p=0.006). The severity of CAD (p=0.98) and the presence of intracoronary thrombus (p=1.0) were not related to the severity of depressive symptoms. There was also no statistically significant association between the intensity of symptoms and systemic inflammatory activity, estimated by plasma CRP, at hospital admission (p=0.65) or its increase during AMI (p=0.9). The intensity of symptoms was not significantly associated with the extension of the infarcted mass or even the severity of AMI clinical manifestation (p>0.05). We found an independent association between hypertension and the presence of fatigue (p=0.016) and sleep disorders (p=0.007) and metabolic syndrome and feelings of self-punishment (p=0.006). Individuals with lower education had more frequent loss of self-esteem (p=0.003), feelings of punishment (p=0.018), irritability (p=0.028) and loss of pleasure (p=0.008). Individuals with low income had exacerbated self-blame (p=0.007) and feelings of worthlessness (p=0.04). Conclusions: In patients receiving intensive medical care after AMI, the intensity of depressive symptoms estimated by the BDI-II does not predict the recurrence of acute coronary events. However, even under ideal conditions for preventing cardiovascular disease, individuals who present the depressive symptoms pessimism and loss of pleasure are at increased risk of sudden death or recurrent AMI. Part of the causal link between the presence of depressive symptoms and risk of AMI may result from the association of these symptoms with risk factors for CAD such as hypertension, metabolic syndrome and psychosocial factors

Page generated in 0.0728 seconds