• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 208
  • 2
  • Tagged with
  • 211
  • 211
  • 61
  • 51
  • 43
  • 33
  • 25
  • 25
  • 22
  • 20
  • 20
  • 20
  • 19
  • 19
  • 18
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
21

Efeitos da redução ponderal por meio de dietoterapia com ou sem exercício físico sobre os níveis de grelina acilada em indivíduos com obesidade grau 1

Lopes, André Luiz January 2010 (has links)
O aumento alarmante da prevalência de obesidade na população configura uma epidemia global dessa doença. Diferentes estratégias têm sido usadas para combater os efeitos deletérios promovidos pela obesidade, entre essas estratégias as mais recomendadas são dieta e exercício físico. O foco da maioria dos estudos são os valores de composição corporal, dos marcadores Lipídicos (Colesterol Total, LDL - colesterol e HDL - colesterol), da Insulina e Glicose, da Taxa Metabólica Basal (TMB), ao passo que os valores do hormônio grelina acilada não são geralmente verificados na população obesa. Nosso objetivo foi verificar os efeitos da redução ponderal por meio do uso de dieta ou dieta e exercício físico em obesos de grau 1, analisando parâmetros antropométricos, sanguíneos, TMB e grelina acilada. Métodos: Foram recrutados 18 sujeitos de ambos os sexos com obesidade de grau 1, que não apresentassem os efeitos deletérios da obesidade. Os sujeitos foram divididos aleatoriamente em dois grupos; grupo dieta (n°9) e grupo dieta e exercício físico (n°9). Os sujeitos eram testados em parâmetros de composição corporal, perfil lipídico, TMB e grelina acilada ante e após o período de tratamento. Nossos resultados mostram que os sujeitos que fazem tratamento usando apenas dieta apresentam valores reduzidos de Colesterol Total (Pré 194,2 ± 28,51- Pós 174 ± 45,8) e LDL - colesterol (Pré 107,2 ± 20,2 – Pós 88,85 ± 9,2), em contra partida têm aumentado os valores de TMB (Pré 1623±432 – Pós 1774 ± 329) e grelina acilada (Pré 36,8 ± 23,3 – Pós 43,5 ± 28,8). O grupo dieta e exercício físico apresentou redução no HDL (Pré 44,5 ± 9 – Pós 38,4 ± 5), e diminuição significativa na grelina acilada (Pré 54,4 ± 35,3 – Pós 33,2 ± 29,1), já a TMB (Pré 1363 ± 379 – Pós 1633 ± 223) desse grupo se mostrou significativamente maior. Sendo assim, concluímos que sujeitos que fazem dieta e reduzem a massa corporal total apresentam redução do Colesterol Total, LDL - colesterol, sem alterar significativamente HDL - colesterol, TMB e grelina acilada. Sendo assim, concluímos que o grupo dieta e exercício físico não reduziu o Colesterol Total e LDL - colesterol, e apresentam redução do HDL, porém apresentam aumento significativo da TMB e redução significativa de grelina acilada.
22

Efeitos agudos e crônicos do treinamento em hidroginástica no perfil lipídico e na enzima lipase lipoprotéica de mulheres pré-menopausicas dislipidêmicas

Costa, Rochelle Rocha January 2011 (has links)
O objetivo do presente estudo foi verificar os efeitos agudos e crônicos do treinamento em hidroginástica no perfil lipídico (PL) e na enzima lipase lipoprotéica (LPL) de mulheres pré-menopáusicas dislipidêmicas. Para tanto, 30 mulheres foram randomicamente distribuídas em dois grupos, um que realizou treinamento aeróbico em aulas de hidroginástica (HA; n=16; 45,88 ± 2,80anos; 1,59 ± 0,07m; 74,02 ± 12,21kg) e outro que não realizou nenhum tipo de treinamento (GC; n=14; 47,36 ± 3,69anos; 1,58 ± 0,06m; 72,76 ± 15,59kg). As voluntárias realizaram o treinamento aeróbico intervalado durante 12 semanas, com 2 sessões semanais de 45 minutos cada, com intensidades variando de 9 a 15 na Escala de Percepção Subjetiva de Borg ao longo dos mesociclos. As variáveis colesterol total (CT), triglicerídeos (TG), lipoproteína de baixa (LDL) e muito baixa densidade (VLDL), lipoproteína de alta densidade (HDL), relação CT/HDL, lipase lipoprotéica (LPL) e consumo máximo de oxigênio (VO2máx) foram avaliados cronicamente (antes e após o treinamento de 12 semanas) nas voluntárias de ambos os grupos e agudamente em dois momentos (pré e pós-sessão enquanto sedentárias; e pré e pós-sessão depois de treinadas aerobicamente nesta modalidade) nas participantes do grupo HA. Para análise dos dados foi usada estatística descritiva, ANOVA para medidas repetidas com os fatores tempo e grupo (análise crônica), e ANOVA two way para medidas repetidas (fatores sessão e estado de treinamento) para análise aguda, nas interações significativas realizou-se um teste F por fator, todos os testes com nível de significância α=0,05. A análise aguda demonstrou redução significativa do momento pré para o pós-sessão de todas as variáveis aterogênicas do PL, ou seja, CT (1,47% enquanto sedentárias e 2,10% após treinadas), LDL (2,85% enquanto sedentárias e 2,79% após treinadas), TG e VLDL (2,54% enquanto sedentárias e 6,71% após treinadas); e incremento das anti-aterogênicas, a saber HDL (3,45% enquanto sedentárias e 2,98% após treinadas) e LPL (25,02% enquanto sedentárias e 24,65% após treinadas), independente do estado de treinamento das voluntárias do grupo HA. Já a análise crônica demonstrou que as 12 semanas de treinamento causaram nas participantes do grupo HA diminuições significativas nas concentrações de CT (9%), LDL (16,4%) e na relação CT/HDL (17%), assim como incremento no VO2máx (6,59%) e nos níveis de HDL (10%) e da LPL (17%), sem, entretanto, serem observadas alterações significativas nas concentrações de TG e VLDL. Ressalta-se, ainda, que não foram observadas alterações estatisticamente significativas em nenhuma das variáveis nas voluntárias do grupo GC. Desta forma, conclui-se que o treinamento em hidroginástica de caráter aeróbico intervalado produz efeitos benéficos no PL e nos níveis de LPL de mulheres pré-menopáusicas dislipidêmicas, e que os efeitos agudos são independentes do seu estado de treinamento.
23

Possível papel do exercício físico como modulador da função de células beta pancreáticas : a importância de Interleucina-6(IL-6) e da mobilização de L-arginina/glutamina

Krause, Maurício da Silva January 2009 (has links)
O presente trabalho será apresentado na forma das três publicações as quais deu origem. O primeiro trata-se de uma revisão que deu estrutura para a criação da hipótese e da justificativa de nosso trabalho com diabetes. Nesta revisão, criamos a hipótese de que a redução da disponibilidade de L-arginina para a célula beta, que é usada para produção de óxido nítrico para a secreção assistida de insulina, causa uma mudança no metabolismo da glutamina desviando-o da síntese de glutationa para a produção de novo de L-arginina, causando uma mudança redox que culmina na ativação do NF-B exacerbando o processo inflamatório (insulite) e então morte celular. A partir desta hipótese testamos o papel do aumento da disponibilidade de L-arginina para uma célula clonal produtora de insulina (BRIN-BD11) sob influência de um coquetel sub-letal de citocinas pró-inflamatórias, mimetizando o ambiente real do inicio da insulite. Os resultados desta estratégia renderam observações interessantes: o aumento de L-arginina resultou em síntese de glutationa (GSH) e redução de dissulfeto de glutationa (GSSG), além de ter aumentado a expressão das heme-oxigenases (HO-1 e HO-3), conhecidas por suas ações anti-inflamatórias e anti-oxidantes, além de serem necessárias para a manutenção da função normal de células beta. Este tratamento ainda resultou em aumento no consumo de glicose e diminuição da produção de lactato, indicando que este aminoácido induziu o aumento das vias oxidativas e redução do metabolismo anaeróbio. A célula beta demonstrou apresentar uma significativa atividade basal da arginase e esta, juntamente com a NOS2, se mostrou induzível por citocinas pró-inflamatórias, fato importante para uma célula cuja função é dependente de óxido nítrico e apresenta baixas defesas antioxidantes, permitindo assim que a parte de L-arginina, por competição de substrato, seja desviada da síntese de óxido nítrico, evitando uma possível citotoxicidade. Estes resultados indicam que as células-beta necessitam de níveis basais de L-arginina para manter-se cosntitutivamente protegidas contra os efeitos das ações de citocinas pró-inflamatórias. No segundo trabalho investigamos o papel da IL-6, em concentrações similares as encontradas no exercício físico moderado (50g/mL) na secreção de insulina e sinalização celular das mesmas células clonais (BRIN-BD11). De forma interessante, a IL-6 induziu o aumento na secreção de insulina tanto de forma crônica, quanto em condições basais e em situações de desafio metabólico (secreção estimulada pro glicose + alanina). Além disso o consumo de glicose foi aumentado em paralelo. Como mecanismos de ação para este aumento de sensibilidade induzido por IL-6, encontramos um nível aumentado de AMPK-p (forma ativa) juntamente com aumento de NOS2 e nitritos. Ambas as enzimas estão relacionadas com o controle metabólico, especialmente de ácidos graxos e, por esta razão sua ativação resultou em aumento de metabolismo e, consequentemente a secreção de insulina. A partir deste resultado, sugerimos que a IL-6 pode ser o ele de comunicação entre as células musculares e células beta pancreáticas durante e após o exercício, e que esta interação é importante para processos de adaptação e de diminuição da resistência a insulina.
24

Papel do sistema nervoso simpático sobre metabolismo e na resposta imunológica de monócitos circulantes de ratos durante o exercício agudo de intensidade moderada (natação)

Rossato, Juliane da Silva January 2009 (has links)
O exercício físico de intensidade moderada tem apresentado um papel como potencial indutor na modulação da resposta imunológica. Estudos recentes de nosso grupo demonstraram que uma sessão de exercício moderado pode promover um incremento da resposta imunológica de células como monócitos/macrófagos, estimulando uma resposta inflamatória através da ativação do fator nuclear NF-κB. Diante desses resultados, investigamos a possibilidade de o sistema nervoso simpático periférico, através da liberação local de catecolaminas, estar participando desse mecanismo. Para isso, foram utilizados ratos Wistar machos adultos (3/grupo) aos quais foram administrados i.p (100μL/100g) de Salina (PBS), Prazosina (antagonista α1, 2mg/kg), fentolamina (α não seletivo, 10mg/kg), propranolol (β não seletivo, 10mg/kg) e duplo bloqueio, sendo esses subdivididos em grupos controle e exercício (natação por 1 hora com peso equivalente a 5% do peso do animal no peito). Parâmetros como lacticemia, glicemia, triglicerídemia, lipoperóxidos plasmáticos e relação GSSG/GSH em eritrócitos circulantes foram dosados, sendo que houve um aumento dos níveis de lactato e redução da glicemia nos animais com fentolamina. Como o bloqueio α2 promove um aumento da secreção de insulina, gerando um estado de um hipoglicemia e aumento de lactato, que levava os animais a fadiga, a prazosina foi o fármaco de escolha a fim de minimizar os efeitos metabólicos que poderiam influenciar na resposta imunológica. No exercício, os monócitos/macrófagos apresentaram um aumento da capacidade fagocítica, produção de nitritos, que são fatores que demonstram um estado de ativação da resposta imunológica. O mesmo comportamento foi observado quando realizado um bloqueio β. No entanto, os animais com administração de um antagonista α1 demonstraram um aumento expressivo na fagocitose, na produção de nitritos, assim como também a imunodetecção de NOS2 e HSP72 (após 6 horas do exercício). Esses fatores têm sua expressão condicionada à ativação do fator nuclear NF-κB . Da mesma forma, o bloqueio duplo (α1 e β) demonstrou uma resposta de monótos/macrófagos semelhante ao bloqueio por α1. O bloqueio α1 aumentou a fagocitose e a produção de NO, além de comprovar a ativação do NFκB pela expressão da NOS2 e da HSP72, independentemente da realização do exercício, ou seja pela maior disponibilidade de catecolaminas circulantes. Podendo indicar um efeito inibitório tônico produzido por receptores α1 perifericamente, que quando bloqueados gerariam um aumento da responsividade de monócitos/macrófagos. Mecanismos envolvendo a estimulação de α2 e β receptores devem ainda ser investigados. Da mesma forma, podem ser sugeridos outros participantes dessa imunomodulação periférica, como o eixo CRH periférico-histamina e a própria HSP70 extracelular (eHSP70) produzida pelas células imunológicas. / Previous studies from our laboratory have demonstrated that a single session of moderate exercise induces many changes in immune system, such as increased phagocytic capacity, production of nitric oxide (NO) and hydrogen peroxide, though NFκB pathway. In this work, we investigated the relationship between immune system and peripheral sympathetic nervous system in NFκB activation-related changes, during the exercise. Adults male Wistar rats were i.p. administered (100μl/100g) with specific adrenergic antagonists 30 min before exercise protocol: Saline (PBS), phentolamine (α1,α2 antagonist, 10mg/kg), prazosin (α1 antagonist 2mg/kg), propranolol (β1,β2 antagonist 10mg/kg) and double blockade (α and β). The protocol consisted in a single session of moderate (5% body weight overload on the chest) exercise (swimming) for 60 minutes. We tested blood lactate, glucose, triglycerides, lipoperoxidation and the systemic oxidative stress and the results showed an increase of the lactate levels and glucose reduction in the animals with phentolamine blockade. Since an α2 antagonist promote an increase in the insulin secretion, resulting in hypoglycemic status, increase lactate levels and taking fatigue, we chose prozosin as the pharmacologic α1 blocker, excluding metabolic changes that could influence in the immunological analysis. After exercise, monocytes/macrophages showed an increase in phagocytic capacity and NO production, thus suggesting activation of an immune response. The same behavior was observed after β blockade. However, administration of α1 antagonist prazosin, as well as the double blockade, increased the phagocytic capacity, NO production, and the NOS2 and HSP72 immunodetection (6 hours after exercise session), with suggests some physiological alteration on monocyte/macrophage NFκB activation, exercise independent. We suggested a peripheral α1 adrenoreceptor inhibitory tonus, and that the α1 antagonism could reverse this mechanism, resulting in increase in the monocyte/macrophage responsiveness. However, we need to further investigate α2 and β adrenoreceptors stimulation, as well as CRH-histamine peripheral axis and the endogenous HSP72, other mechanisms that could be involved in the immunological response.
25

Possível papel do exercício físico como modulador da função de células beta pancreáticas : a importância de Interleucina-6(IL-6) e da mobilização de L-arginina/glutamina

Krause, Maurício da Silva January 2009 (has links)
O presente trabalho será apresentado na forma das três publicações as quais deu origem. O primeiro trata-se de uma revisão que deu estrutura para a criação da hipótese e da justificativa de nosso trabalho com diabetes. Nesta revisão, criamos a hipótese de que a redução da disponibilidade de L-arginina para a célula beta, que é usada para produção de óxido nítrico para a secreção assistida de insulina, causa uma mudança no metabolismo da glutamina desviando-o da síntese de glutationa para a produção de novo de L-arginina, causando uma mudança redox que culmina na ativação do NF-B exacerbando o processo inflamatório (insulite) e então morte celular. A partir desta hipótese testamos o papel do aumento da disponibilidade de L-arginina para uma célula clonal produtora de insulina (BRIN-BD11) sob influência de um coquetel sub-letal de citocinas pró-inflamatórias, mimetizando o ambiente real do inicio da insulite. Os resultados desta estratégia renderam observações interessantes: o aumento de L-arginina resultou em síntese de glutationa (GSH) e redução de dissulfeto de glutationa (GSSG), além de ter aumentado a expressão das heme-oxigenases (HO-1 e HO-3), conhecidas por suas ações anti-inflamatórias e anti-oxidantes, além de serem necessárias para a manutenção da função normal de células beta. Este tratamento ainda resultou em aumento no consumo de glicose e diminuição da produção de lactato, indicando que este aminoácido induziu o aumento das vias oxidativas e redução do metabolismo anaeróbio. A célula beta demonstrou apresentar uma significativa atividade basal da arginase e esta, juntamente com a NOS2, se mostrou induzível por citocinas pró-inflamatórias, fato importante para uma célula cuja função é dependente de óxido nítrico e apresenta baixas defesas antioxidantes, permitindo assim que a parte de L-arginina, por competição de substrato, seja desviada da síntese de óxido nítrico, evitando uma possível citotoxicidade. Estes resultados indicam que as células-beta necessitam de níveis basais de L-arginina para manter-se cosntitutivamente protegidas contra os efeitos das ações de citocinas pró-inflamatórias. No segundo trabalho investigamos o papel da IL-6, em concentrações similares as encontradas no exercício físico moderado (50g/mL) na secreção de insulina e sinalização celular das mesmas células clonais (BRIN-BD11). De forma interessante, a IL-6 induziu o aumento na secreção de insulina tanto de forma crônica, quanto em condições basais e em situações de desafio metabólico (secreção estimulada pro glicose + alanina). Além disso o consumo de glicose foi aumentado em paralelo. Como mecanismos de ação para este aumento de sensibilidade induzido por IL-6, encontramos um nível aumentado de AMPK-p (forma ativa) juntamente com aumento de NOS2 e nitritos. Ambas as enzimas estão relacionadas com o controle metabólico, especialmente de ácidos graxos e, por esta razão sua ativação resultou em aumento de metabolismo e, consequentemente a secreção de insulina. A partir deste resultado, sugerimos que a IL-6 pode ser o ele de comunicação entre as células musculares e células beta pancreáticas durante e após o exercício, e que esta interação é importante para processos de adaptação e de diminuição da resistência a insulina.
26

Papel do sistema nervoso simpático sobre metabolismo e na resposta imunológica de monócitos circulantes de ratos durante o exercício agudo de intensidade moderada (natação)

Rossato, Juliane da Silva January 2009 (has links)
O exercício físico de intensidade moderada tem apresentado um papel como potencial indutor na modulação da resposta imunológica. Estudos recentes de nosso grupo demonstraram que uma sessão de exercício moderado pode promover um incremento da resposta imunológica de células como monócitos/macrófagos, estimulando uma resposta inflamatória através da ativação do fator nuclear NF-κB. Diante desses resultados, investigamos a possibilidade de o sistema nervoso simpático periférico, através da liberação local de catecolaminas, estar participando desse mecanismo. Para isso, foram utilizados ratos Wistar machos adultos (3/grupo) aos quais foram administrados i.p (100μL/100g) de Salina (PBS), Prazosina (antagonista α1, 2mg/kg), fentolamina (α não seletivo, 10mg/kg), propranolol (β não seletivo, 10mg/kg) e duplo bloqueio, sendo esses subdivididos em grupos controle e exercício (natação por 1 hora com peso equivalente a 5% do peso do animal no peito). Parâmetros como lacticemia, glicemia, triglicerídemia, lipoperóxidos plasmáticos e relação GSSG/GSH em eritrócitos circulantes foram dosados, sendo que houve um aumento dos níveis de lactato e redução da glicemia nos animais com fentolamina. Como o bloqueio α2 promove um aumento da secreção de insulina, gerando um estado de um hipoglicemia e aumento de lactato, que levava os animais a fadiga, a prazosina foi o fármaco de escolha a fim de minimizar os efeitos metabólicos que poderiam influenciar na resposta imunológica. No exercício, os monócitos/macrófagos apresentaram um aumento da capacidade fagocítica, produção de nitritos, que são fatores que demonstram um estado de ativação da resposta imunológica. O mesmo comportamento foi observado quando realizado um bloqueio β. No entanto, os animais com administração de um antagonista α1 demonstraram um aumento expressivo na fagocitose, na produção de nitritos, assim como também a imunodetecção de NOS2 e HSP72 (após 6 horas do exercício). Esses fatores têm sua expressão condicionada à ativação do fator nuclear NF-κB . Da mesma forma, o bloqueio duplo (α1 e β) demonstrou uma resposta de monótos/macrófagos semelhante ao bloqueio por α1. O bloqueio α1 aumentou a fagocitose e a produção de NO, além de comprovar a ativação do NFκB pela expressão da NOS2 e da HSP72, independentemente da realização do exercício, ou seja pela maior disponibilidade de catecolaminas circulantes. Podendo indicar um efeito inibitório tônico produzido por receptores α1 perifericamente, que quando bloqueados gerariam um aumento da responsividade de monócitos/macrófagos. Mecanismos envolvendo a estimulação de α2 e β receptores devem ainda ser investigados. Da mesma forma, podem ser sugeridos outros participantes dessa imunomodulação periférica, como o eixo CRH periférico-histamina e a própria HSP70 extracelular (eHSP70) produzida pelas células imunológicas. / Previous studies from our laboratory have demonstrated that a single session of moderate exercise induces many changes in immune system, such as increased phagocytic capacity, production of nitric oxide (NO) and hydrogen peroxide, though NFκB pathway. In this work, we investigated the relationship between immune system and peripheral sympathetic nervous system in NFκB activation-related changes, during the exercise. Adults male Wistar rats were i.p. administered (100μl/100g) with specific adrenergic antagonists 30 min before exercise protocol: Saline (PBS), phentolamine (α1,α2 antagonist, 10mg/kg), prazosin (α1 antagonist 2mg/kg), propranolol (β1,β2 antagonist 10mg/kg) and double blockade (α and β). The protocol consisted in a single session of moderate (5% body weight overload on the chest) exercise (swimming) for 60 minutes. We tested blood lactate, glucose, triglycerides, lipoperoxidation and the systemic oxidative stress and the results showed an increase of the lactate levels and glucose reduction in the animals with phentolamine blockade. Since an α2 antagonist promote an increase in the insulin secretion, resulting in hypoglycemic status, increase lactate levels and taking fatigue, we chose prozosin as the pharmacologic α1 blocker, excluding metabolic changes that could influence in the immunological analysis. After exercise, monocytes/macrophages showed an increase in phagocytic capacity and NO production, thus suggesting activation of an immune response. The same behavior was observed after β blockade. However, administration of α1 antagonist prazosin, as well as the double blockade, increased the phagocytic capacity, NO production, and the NOS2 and HSP72 immunodetection (6 hours after exercise session), with suggests some physiological alteration on monocyte/macrophage NFκB activation, exercise independent. We suggested a peripheral α1 adrenoreceptor inhibitory tonus, and that the α1 antagonism could reverse this mechanism, resulting in increase in the monocyte/macrophage responsiveness. However, we need to further investigate α2 and β adrenoreceptors stimulation, as well as CRH-histamine peripheral axis and the endogenous HSP72, other mechanisms that could be involved in the immunological response.
27

Efeitos da redução ponderal por meio de dietoterapia com ou sem exercício físico sobre os níveis de grelina acilada em indivíduos com obesidade grau 1

Lopes, André Luiz January 2010 (has links)
O aumento alarmante da prevalência de obesidade na população configura uma epidemia global dessa doença. Diferentes estratégias têm sido usadas para combater os efeitos deletérios promovidos pela obesidade, entre essas estratégias as mais recomendadas são dieta e exercício físico. O foco da maioria dos estudos são os valores de composição corporal, dos marcadores Lipídicos (Colesterol Total, LDL - colesterol e HDL - colesterol), da Insulina e Glicose, da Taxa Metabólica Basal (TMB), ao passo que os valores do hormônio grelina acilada não são geralmente verificados na população obesa. Nosso objetivo foi verificar os efeitos da redução ponderal por meio do uso de dieta ou dieta e exercício físico em obesos de grau 1, analisando parâmetros antropométricos, sanguíneos, TMB e grelina acilada. Métodos: Foram recrutados 18 sujeitos de ambos os sexos com obesidade de grau 1, que não apresentassem os efeitos deletérios da obesidade. Os sujeitos foram divididos aleatoriamente em dois grupos; grupo dieta (n°9) e grupo dieta e exercício físico (n°9). Os sujeitos eram testados em parâmetros de composição corporal, perfil lipídico, TMB e grelina acilada ante e após o período de tratamento. Nossos resultados mostram que os sujeitos que fazem tratamento usando apenas dieta apresentam valores reduzidos de Colesterol Total (Pré 194,2 ± 28,51- Pós 174 ± 45,8) e LDL - colesterol (Pré 107,2 ± 20,2 – Pós 88,85 ± 9,2), em contra partida têm aumentado os valores de TMB (Pré 1623±432 – Pós 1774 ± 329) e grelina acilada (Pré 36,8 ± 23,3 – Pós 43,5 ± 28,8). O grupo dieta e exercício físico apresentou redução no HDL (Pré 44,5 ± 9 – Pós 38,4 ± 5), e diminuição significativa na grelina acilada (Pré 54,4 ± 35,3 – Pós 33,2 ± 29,1), já a TMB (Pré 1363 ± 379 – Pós 1633 ± 223) desse grupo se mostrou significativamente maior. Sendo assim, concluímos que sujeitos que fazem dieta e reduzem a massa corporal total apresentam redução do Colesterol Total, LDL - colesterol, sem alterar significativamente HDL - colesterol, TMB e grelina acilada. Sendo assim, concluímos que o grupo dieta e exercício físico não reduziu o Colesterol Total e LDL - colesterol, e apresentam redução do HDL, porém apresentam aumento significativo da TMB e redução significativa de grelina acilada.
28

Comportamento de variáveis cardiorrespiratórias durante e após exercício, nos meios terra e água, em gestantes e não-gestantes

Finkelstein, Ilana January 2005 (has links)
O objetivo deste trabalho foi comparar o comportamento da pressão arterial (PA) e do consumo de oxigênio (V&O2 ), no exercício em bicicleta ergométrica, realizado na terra (20,8 ± 3,29ºC) e na água (32,4 ± 0,37ºC), por gestantes e não-gestantes, na freqüência cardíaca (FC) do primeiro limiar ventilatório (V&O2LV ) e no período de 30 minutos em repouso sentado na terra, após o exercício. A amostra foi composta por 20 mulheres adaptadas ao meio líquido, com idade entre 28 e 38 anos, sendo 10 gestantes (com idade gestacional entre 27 e 29 semanas) e 10 não-gestantes saudáveis. Foram realizados dois testes em cicloergômetro (um na água e um na terra), na FC correspondente ao V&O2LV , com duração de 30 minutos cada, com intervalo mínimo de 48 e máximo de 72 horas entre eles. Para análise dos resultados, foi utilizada ANOVA two-way e foi estabelecido, como nível de significância, um erro alfa de até 5%. Mulheres não-gestantes e gestantes (no início do último trimestre da gravidez) apresentaram respostas cardiovasculares semelhantes durante exercício contínuo, quando este foi realizado na intensidade correspondente ao V&O2LV . Houve diferenças significativas nos valores da pressão arterial sistólica (PAS) (131,64 ± 8,25; 142,64 ± 11,32), pressão arterial diastólica (PAD) (64,80 ± 5,91; 74,52 ± 5,38), e pressão arterial média estimada (PAM) (87,08 ± 4,18; 97,23 ± 5,70), no exercício aquático e terrestre, respectivamente, no grupo de gestantes. O grupo de não-gestantes também apresentou valores de PAS (130,56 ± 8,49; 135,96 ± 8,74), PAD (67,44 ± 5,73; 69,00 ± 10,18), e PAM estimada (88,48 ± 4,82; 91,32 ± 7,80) mais baixos no exercício na água do que na terra, respectivamente É provável que o estado gravídico potencialize o comportamento mais baixo da PAD e PAM estimada durante exercício aquático. Os valores de V&O2 absoluto não apresentaram diferenças significativas, durante exercício entre gestantes e não-gestantes, como também nos meios aquáticos e terrestres. Após 5 minutos de repouso pós-exercício, tanto a PA quanto o V&O2 já apresentavam valores semelhantes aos de repouso pré-exercício, sendo que este comportamento se manteve constante durante os 25 minutos seguintes. Concluiu-se que, no último trimestre de gestação, a escolha pelo exercício aquático realizado na FC correspondente ao V&O2LV é adequada, pois a gestante poderá realizar um programa de condicionamento cardiovascular, apresentando comportamento de pressão arterial mais baixo do que o correspondente no meio terrestre.
29

Efeitos agudos e crônicos do treinamento em hidroginástica no perfil lipídico e na enzima lipase lipoprotéica de mulheres pré-menopausicas dislipidêmicas

Costa, Rochelle Rocha January 2011 (has links)
O objetivo do presente estudo foi verificar os efeitos agudos e crônicos do treinamento em hidroginástica no perfil lipídico (PL) e na enzima lipase lipoprotéica (LPL) de mulheres pré-menopáusicas dislipidêmicas. Para tanto, 30 mulheres foram randomicamente distribuídas em dois grupos, um que realizou treinamento aeróbico em aulas de hidroginástica (HA; n=16; 45,88 ± 2,80anos; 1,59 ± 0,07m; 74,02 ± 12,21kg) e outro que não realizou nenhum tipo de treinamento (GC; n=14; 47,36 ± 3,69anos; 1,58 ± 0,06m; 72,76 ± 15,59kg). As voluntárias realizaram o treinamento aeróbico intervalado durante 12 semanas, com 2 sessões semanais de 45 minutos cada, com intensidades variando de 9 a 15 na Escala de Percepção Subjetiva de Borg ao longo dos mesociclos. As variáveis colesterol total (CT), triglicerídeos (TG), lipoproteína de baixa (LDL) e muito baixa densidade (VLDL), lipoproteína de alta densidade (HDL), relação CT/HDL, lipase lipoprotéica (LPL) e consumo máximo de oxigênio (VO2máx) foram avaliados cronicamente (antes e após o treinamento de 12 semanas) nas voluntárias de ambos os grupos e agudamente em dois momentos (pré e pós-sessão enquanto sedentárias; e pré e pós-sessão depois de treinadas aerobicamente nesta modalidade) nas participantes do grupo HA. Para análise dos dados foi usada estatística descritiva, ANOVA para medidas repetidas com os fatores tempo e grupo (análise crônica), e ANOVA two way para medidas repetidas (fatores sessão e estado de treinamento) para análise aguda, nas interações significativas realizou-se um teste F por fator, todos os testes com nível de significância α=0,05. A análise aguda demonstrou redução significativa do momento pré para o pós-sessão de todas as variáveis aterogênicas do PL, ou seja, CT (1,47% enquanto sedentárias e 2,10% após treinadas), LDL (2,85% enquanto sedentárias e 2,79% após treinadas), TG e VLDL (2,54% enquanto sedentárias e 6,71% após treinadas); e incremento das anti-aterogênicas, a saber HDL (3,45% enquanto sedentárias e 2,98% após treinadas) e LPL (25,02% enquanto sedentárias e 24,65% após treinadas), independente do estado de treinamento das voluntárias do grupo HA. Já a análise crônica demonstrou que as 12 semanas de treinamento causaram nas participantes do grupo HA diminuições significativas nas concentrações de CT (9%), LDL (16,4%) e na relação CT/HDL (17%), assim como incremento no VO2máx (6,59%) e nos níveis de HDL (10%) e da LPL (17%), sem, entretanto, serem observadas alterações significativas nas concentrações de TG e VLDL. Ressalta-se, ainda, que não foram observadas alterações estatisticamente significativas em nenhuma das variáveis nas voluntárias do grupo GC. Desta forma, conclui-se que o treinamento em hidroginástica de caráter aeróbico intervalado produz efeitos benéficos no PL e nos níveis de LPL de mulheres pré-menopáusicas dislipidêmicas, e que os efeitos agudos são independentes do seu estado de treinamento.
30

Efeitos da redução ponderal por meio de dietoterapia com ou sem exercício físico sobre os níveis de grelina acilada em indivíduos com obesidade grau 1

Lopes, André Luiz January 2010 (has links)
O aumento alarmante da prevalência de obesidade na população configura uma epidemia global dessa doença. Diferentes estratégias têm sido usadas para combater os efeitos deletérios promovidos pela obesidade, entre essas estratégias as mais recomendadas são dieta e exercício físico. O foco da maioria dos estudos são os valores de composição corporal, dos marcadores Lipídicos (Colesterol Total, LDL - colesterol e HDL - colesterol), da Insulina e Glicose, da Taxa Metabólica Basal (TMB), ao passo que os valores do hormônio grelina acilada não são geralmente verificados na população obesa. Nosso objetivo foi verificar os efeitos da redução ponderal por meio do uso de dieta ou dieta e exercício físico em obesos de grau 1, analisando parâmetros antropométricos, sanguíneos, TMB e grelina acilada. Métodos: Foram recrutados 18 sujeitos de ambos os sexos com obesidade de grau 1, que não apresentassem os efeitos deletérios da obesidade. Os sujeitos foram divididos aleatoriamente em dois grupos; grupo dieta (n°9) e grupo dieta e exercício físico (n°9). Os sujeitos eram testados em parâmetros de composição corporal, perfil lipídico, TMB e grelina acilada ante e após o período de tratamento. Nossos resultados mostram que os sujeitos que fazem tratamento usando apenas dieta apresentam valores reduzidos de Colesterol Total (Pré 194,2 ± 28,51- Pós 174 ± 45,8) e LDL - colesterol (Pré 107,2 ± 20,2 – Pós 88,85 ± 9,2), em contra partida têm aumentado os valores de TMB (Pré 1623±432 – Pós 1774 ± 329) e grelina acilada (Pré 36,8 ± 23,3 – Pós 43,5 ± 28,8). O grupo dieta e exercício físico apresentou redução no HDL (Pré 44,5 ± 9 – Pós 38,4 ± 5), e diminuição significativa na grelina acilada (Pré 54,4 ± 35,3 – Pós 33,2 ± 29,1), já a TMB (Pré 1363 ± 379 – Pós 1633 ± 223) desse grupo se mostrou significativamente maior. Sendo assim, concluímos que sujeitos que fazem dieta e reduzem a massa corporal total apresentam redução do Colesterol Total, LDL - colesterol, sem alterar significativamente HDL - colesterol, TMB e grelina acilada. Sendo assim, concluímos que o grupo dieta e exercício físico não reduziu o Colesterol Total e LDL - colesterol, e apresentam redução do HDL, porém apresentam aumento significativo da TMB e redução significativa de grelina acilada.

Page generated in 0.0875 seconds