• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 113
  • 1
  • Tagged with
  • 114
  • 114
  • 50
  • 46
  • 16
  • 15
  • 13
  • 12
  • 12
  • 12
  • 11
  • 11
  • 9
  • 8
  • 8
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Efeito da N-acetil cisteína em pacientes com AIDS que fazem uso da terapia anti-retroviral

Ávila Júnior, Silvio 2001 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Farmácia Made available in DSpace on 2012-10-18T12:42:01Z (GMT). No. of bitstreams: 0Bitstream added on 2014-09-25T21:52:40Z : No. of bitstreams: 1 181633.pdf: 898157 bytes, checksum: d0fa69a76dfde3ffef642b9afbf2a099 (MD5)
2

Avaliação da ativação da via UPR (Unfolded Protein Response) em células de indivíduos HIV positivos sob diferentes esquemas terapêuticos

Borsa, Mariana 2012 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Biológicas. Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia Made available in DSpace on 2012-10-26T10:40:25Z (GMT). No. of bitstreams: 1 302478.pdf: 1631379 bytes, checksum: a3c3cfd874fb540789246fcf12ef6437 (MD5) A via UPR (do inglês Unfolded Protein Response) é uma resposta celular ao acúmulo de proteínas desenoveladas no lúmen do retículo endoplasmático, possuindo três braços (PERK, IRE1 e ATF6) que atuam sinergicamente em controles traducionais e transcricionais com o objetivo de restabelecer a homeostase celular. Os vírus, ao induzirem a célula a produzir proteínas virais, aumentam a carga de proteínas que devem ser dobradas no retículo endoplasmático, frequentemente causando a ativação da via UPR. O presente trabalho teve como objetivo estudar o impacto da infecção do HIV sobre a via UPR em células de indivíduos HIV positivos submetidos a diferentes esquemas terapêuticos. Lisados proteicos provenientes de linfócitos B, linfócitos T CD4+ e monócitos de indivíduos sadios e de pacientes HIV positivos virgens de tratamento, sob tratamento antirretroviral sem inibidor de protease ou com inibidor de protease foram avaliados quanto à presença de proteínas relacionadas à via UPR através de Western Blot. BiP teve expressão significantemente maior em linfócitos B de indivíduos HIV positivos. O fator eIF2., relacionado ao braço PERK, foi detectado em pacientes HIV positivos sob terapia antirretroviral; na sua forma não-fosforilada foi encontrado em monócitos enquanto na sua forma fosforilada e inativada, em linfócitos B e linfócitos T CD4+. P-IRE1 foi expresso em linfócitos B e linfócitos T CD4+ de indivíduos HIV negativos e pacientes HIV positivos, porém esta expressão mostrou-se significantemente maior em células de indivíduos sob tratamento antirretroviral. Células de indivíduos HIV positivos apresentaram ainda níveis de clivagem e ativação de ATF6 significantemente maiores quando comparados a indivíduos sadios. O perfil de ativação da via UPR mostrou-se diferente para indivíduos HIV negativos e HIV positivos e dentre os últimos, indivíduos virgens de tratamento ativaram apenas o braço ATF6 da via UPR, enquanto pacientes sob terapia antirretroviral ativaram os três braços. Os diferentes perfis fenotípicos de expressão de proteínas relacionadas à via UPR parecem estar relacionados à infecção pelo HIV e às cargas virais apresentadas pelos indivíduos HIV positivos, estando estas últimas vinculadas à presença ou não de terapia antirretroviral. The Unfolded Protein Response (UPR) is a mechanism initiated whenever protein folding in the endoplasmic reticulum (ER) is compromised. The UPR pathway has three sensors of ER stress (PERK, IRE1, and ATF6), which promotes the cell metabolism back to homeostasis through transcriptional and translational controls. Virus leads infected cells to produce a great amount of new proteins, which increases the number of unfolded proteins in the ER lumen and activates the UPR signal pathways. The aim of this study was to analyze the HIV infection impact in the UPR activation in cells from HIV-positive individuals under different antiretroviral therapy. Protein lysates from B lymphocytes, T CD4+ lymphocytes and monocytes from healthy individuals, treatment-naive HIV-positive patients, and HIV-positive patients under antiretroviral therapy with or without protease inhibitors were evaluated about their expression of UPR related proteins. Amounts of BiP were significantly higher in B lymphocytes from HIV-positive individuals when compared to healthy individuals. The eIF2. factor, related to the ER stress PERK sensor, was detected in cells from HIV-positive individuals under antiretroviral therapy; non-phosphorylated eIF2. was found in monocytes whereas its phosphorylated form was expressed in B lymphocytes and T CD4+ lymphocytes. P-IRE1 was expressed in B lymphocytes and T CD4+ lymphocytes from HIV-negative and HIV-positive individuals, however this expression was significantly higher in cells from treated HIV-positive individuals. Cells from HIV-positive patients also showed higher levels of ATF6 cleavage and activation in relation to healthy individuals. The expression profile of UPR related proteins showed to be different in HIV-negative and HIV-positive individuals. Differences were also detected between the expression protein profiles from treatment-naive and treated HIV-positive individuals. In treatment-naive patients only the ATF6 pathway was activated while in HIV-positive patients under antiretroviral treatment all the three ER stress sensors were activated. These non-equal phenotypes of UPR activation seem to be related to the HIV infection and the viral loads presented by the HIV-positive patients, being the number of infective particles in their plasmas connected to the presence of antiretroviral therapy.
3

Estudo de fatores solúveis e comportamentais envolvidos na resistência ao HIV em parceiros soronegativos de casais HIV sorodiscordantes

Rosa, Elis Amaral 2012 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Biológicas. Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia e Biociências Made available in DSpace on 2013-06-25T21:03:01Z (GMT). No. of bitstreams: 1 308833.pdf: 1251787 bytes, checksum: 6c274d33ed40787afced961b4f2c06ac (MD5) Existem indivíduos que mesmo expostos sexualmente ao HIV não são infectados, como no caso de casais sorodiscordantes. A despeito do contato com o vírus, o parceiro saudável permanece soronegativo e os mecanismos envolvidos nessa possível resistência seguem pouco esclarecidos. Fatores genéticos, imunológicos, virológicos e comportamentais podem estar envolvidos nesta proteção. Assim, o presente trabalho buscou avaliar e comparar hábitos de vida e moléculas relacionadas ao sistema imune de 9 casais sorodiscordantes e 12 indivíduos saudáveis, os quais foram divididos em três grupos: parceiros soropositivos, parceiros soronegativos e controle. Os voluntários responderam a um questionário sócio-comportamental e cederam amostras de sangue periférico e saliva. No plasma e saliva foram quantificadas as ?-defensinas HBD2 e HBD3 através de ensaios de ELISA e as ?-quimiocinas RANTES, MIP1-?, eotaxina-1 e MCP-1 através de ensaios de CBA. Entre os grupos não houve diferença significativa na média de idade, tempo de relacionamento, gênero, índice de massa corporal, prática de atividade física e ingestão de álcool. O consumo de carne vermelha foi maior e o de cereais menor entre os indivíduos soronegativos. Somente entre os casais sorodiscordantes houve transfusões sanguíneas, tabagismo e uso de drogas recreativas. Não foram observadas diferenças significativas nas concentrações de HBD2 e MIP1-? entre os grupos avaliados. Os soropositivos apresentaram menores concentrações de HBD3 na saliva e maiores concentrações de RANTES no plasma. Não se observou expressão aumentada de HBD2, HBD3, RANTES ou MIP1-? entre os expostos e não soroconvertidos embora tais moléculas tenham sido descritas como capazes de inibir a replicação viral. Em contrapartida, MCP-1 e eotaxina-1 foram observadas em maiores concentrações no plasma dos indivíduos soronegativos, indicando que estas moléculas podem estar relacionadas à proteção contra o HIV. Por conseguinte, a resistência ao HIV é potencialmente conferida por uma gama de fatores e estudos que demonstrem a contribuição de diferentes moléculas aos mecanismos de resistência são muito importantes na compreensão da dinâmica da infecção viral. Some individuals are exposed to HIV but not become infected, as in serodiscordant couples. Despite the contact with the virus, the healthy partner remains seronegative and the mechanisms involved in this resistance are poorly understood. Genetic, immunological, virological, and behavioral factors may be involved in this protection. Thus, this study aimed to evaluate and compare lifestyles and immunological molecules of 9 serodiscordant couples and 12 healthy individuals, which were divided into three groups: seropositive partners, seronegative partners and controls. The volunteers answered a social and behavioral questionnaire and donated peripheral blood and saliva samples. â-defensins HBD2 and HBD3 were quantified in plasma and saliva by ELISA assays and â-chemokines RANTES, MIP1-â, eotaxin-1 and MCP-1 by CBA. There was no significant difference among the groups related to averages of age, time of relationship, gender, alcohol consumption, body mass index and physical activity. The consumption of red meat was higher within seronegative group, while they consumed cereals less frequently. Only serodiscordant couples had received blood transfusion and consumed drugs or cigarettes. There were no significant differences in HBD2 and MIP1-â concentrations among the groups. The seropositives partners had lower concentrations of HBD3 in saliva and higher concentrations of RANTES in plasma. Although described in the literature as able to inhibit viral replication, an increased expression of HBD2, HBD3, RANTES or MIP1-â between the exposed seronegative individuals was not observed. However, eotaxin-1 and MCP-1 were observed in higher concentrations in plasma of seronegative partners. Therefore, the resistance to HIV is likely due to a range of factors, and studies that demonstrate the contribution of different molecules to the virus resistance mechanisms are considerably important to understand the dynamic of viral infection.
4

Estratégias de cristalização e caracterização de cocristais e cristais modificados da nevirapina

Siedler, Sana 2015 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Farmácia, Florianópolis, 2015. Made available in DSpace on 2016-10-19T13:12:55Z (GMT). No. of bitstreams: 1 336844.pdf: 3161632 bytes, checksum: aab4ccd37e8e15413531d8ca9d8ded26 (MD5) Previous issue date: 2015 A nevirapina (NVP) é um fármaco antirretroviral pertencente à classe dos inibidores não nucleosídeos da transcriptase reversa, usado para o tratamento da infecção pelo vírus HIV. Pertence à classe II do Sistema de Classificação Biofarmacêutica (SCB), ou seja, é pouco hidrossolúvel com alta permeabilidade. A sua solubilidade intrínseca em água é baixa, o que dá origem a dificuldades na formulação e leva a taxas de dissolução variáveis, com uma resultante diminuição na biodisponibilidade. Portanto, estratégias para melhorar as propriedades de dissolução são relevantes. Algumas delas podem apresentar modificações na química do composto (por ex: cocristal), na estrutura cristalina (por ex: polimorfo) e/ou na morfologia (por ex: cristal oco). Este trabalho tem como objetivo desenvolver metodologias de cristalização para a preparação de cristais modificados de NVP (cocristais e cristais ocos), visando aplicações para a indústria farmacêutica. Os cristais modificados morfologicamente, denominados cristais ocos foram obtidos a partir da cristalização antissolvente e a nova morfologia do cristal proporcionou um aumento no perfil de dissolução do fármaco. A partir da classificação dos cristais ocos no SCB, verificou-se correspondência à classe II, com um aumento da eficiência de dissolução em pH 1,2 de 9% quando comparado a matéria-prima. A mecanossíntese foi utilizada como metodologia para preparar cocristais de NVP em forma pura com possibilidade de aplicação para a indústria farmacêutica. Foram estudados os coformadores: ácido salicílico (AS), cafeína (CAF), sacarina (SAC), ureia (URE) e teofilina (TEO). No processo de mecanossíntese usou-se, como variáveis: diferentes equipamentos de moagem, assistido por solventes ou a seco; modificações na proporção molar e no tempo de moagem. Foram obtidos cocristais já reportados com os coformadores SAC e AS e também houve a formação de um possível novo polimorfo do cocristal com o coformador AS ou nova forma cristalina.
Abstract : Nevirapine (NVP) is an antiretroviral drug classified as a non-nucleoside reverse transcriptase inhibitor, and it is used in treatment of HIV infection. It belongs to Class II of the Biopharmaceutics Classification System (BCS), meaning it has high permeability but low solubility. Its low water solubility leads to formulation difficulties and variable dissolution rates, resulting in lower bioavailability. As such, strategies are needed to improve its dissolution properties. Some employ changes to the compound s chemical structure (e.g., cocrystals), to the crystalline structure (e.g., polymorphs), or its morphology (e.g., hollow crystals). This work aims at crystallization methods for creating modified NVP crystals (cocrystals and hollow crystals), with potential uses in the pharmaceutical industry. Morphologically modified crystals, denominated hollow crystals, were obtained through antisolvent crystallization, and the new morphology afforded an increase in the drug s dissolution profile. They conformed with Class II of the classification of hollow crystals on BCS, and the dissolution efficiency increased by 9% at pH 1.2 compared with the unprocessed compound. Mechanosynthesis was used as method for producing NVP cocrystals with potential industry applications. Studies were carried with the following coformers: salicylic acid (AS), saccharin (SAC), urea (URE), and theophylline (TEO). During mechanosynthesis the subsequent variables were analysed: different grinding machines; solvent-assisted or dry; modifications in molar proportions and grinding times. We obtained the previously reported cocrystals with coformers SAC and AS, and achieved a potential new cocrystal polymorph with coformer AS, or a new crystalline form.
5

Avaliação da ativação de mecanismos apoptóticos mediados pela via UPR (unfolded protein response) em células Jurkat estimulados com a proteína Tat do HIV-1

Campestrini, Jéssica 2017 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia e Biociências, Florianópolis, 2017. Made available in DSpace on 2017-07-25T04:09:50Z (GMT). No. of bitstreams: 1 347088.pdf: 3940415 bytes, checksum: 28dbecb4b7a705a97c97b2cb3135050b (MD5) Previous issue date: 2017 Indivíduos HIV-positivos geralmente apresentam uma elevada depleção de linfócitos T CD4. A morte de células infectadas ou não por HIV-1 é resultado, entre diversos outros fatores, da apoptose mediada por proteínas virais. Está apoptose pode ser ativada por mecanismos extrínsecos ou intrínsecos, respectivamente através de receptores celulares ou ativação de moléculas sinalizadoras de morte. Uma das vias celulares que regula a sobrevivência ou morte da célula é a via UPR (Unfolded Protein Response), que regula o estresse reticular causado pelo acúmulo de proteínas mal dobradas através do bloqueio da tradução proteica, aumento da expressão de chaperonas que auxiliam no dobramento e direcionam as proteínas mal dobradas para a via de degradação de proteínas associada ao retículo (ERAD). Quando o estresse reticular é prolongado, como no caso de infecções virais, a via UPR induz apoptose através da expressão da molécula pró-apoptótica CHOP. Neste trabalho, observou-se que após 72 horas de estímulo com 200 nM da proteína Tat houve um aumento significativo na taxa de apoptose das células Jurkat (12,05%, P<0.0001), indicando que provavelmente a proteína Tat exerce um efeito biológico que desencadeia o processo de apoptose. Células estimuladas também apresentam significativas alterações no perfil de transcritos dos genes que codificam as proteínas da via UPR: PERK, ATF6, IRE1, BIP, eIF2a, XBP1-u, XBP1-s, CHOP; e genes relacionado a apoptose mediada pelo estresse de RE: ATF4, CHOP, GADD34, BIM e BCL-2. Esses resultados indicam que a proteína Tat induz alterações celulares que geram estresse no RE levando a ativação da via UPR. O aumento na transcrição de CHOP pode indicar que o estresse no RE está envolvido no mecanismo de apoptose dessas células. Foi observado ainda, que células estimuladas sofrem parada nas fases S e G2 do ciclo celular e perdem o potencial de membrana de mitocôndria, sendo esses outros possíveis mecanismos de apoptose induzido por Tat. A identificação do papel de Tat no estresse no RE com posterior indução apoptótica podem reforçar a sugestão da via UPR como um possível alvo terapêutico.
Abstract : HIV-positive individuals usually have a high depletion of of CD4 lymphocytes. The death of cells infected or not by the HIV is a result, among many other factors, the apoptosis mediated by viral proteins. Extrinsic or intrinsic pathways, respectively through cell surface receptors or activation of death signaling molecules, can trigger apoptosis cell death. The Unfolded Protein Response (UPR) is one of the cellular pathways that regulate cell survival or cell death. UPR also regulates the Endoplasmic Reticulum (ER) stress caused by the accumulation of misfolded or unfolded protein, by blocking the cell protein translation, increased expression of chaperones that assist in protein folding and lead misfolded proteins for the degradation pathway associated with the ER. When the ER stress is prolonged, as in the case of viral infections, the UPR induces apoptosis through the expression of pro-apoptotic molecule CHOP. In the present work, it was observed that after 72 hours of stimulation with 200nM of Tat protein there was a significant increase in apoptosis rate in Jurkat cells (12,05%, p<0.0001), indicating that Tat protein most likely exerts a biologic effect which triggers the apoptosis pathway. Cells stimulated also showed significant changes in transcription profile of genes encoding proteins of the UPR pathway: PERK, ATF6, IRE1, BIP, eIF2a, XBP1-u, XBP1-s, CHOP; and the genes related to ER stress-mediated apoptosis: ATF4, CHOP, GADD34, BIM e BCL-2. The increase in CHOP transcription may indicate that the ER stress is involved in the mechanisms that induces apoptosis in Jurkat cells. Furthermore, Tat stimulation induces cell cycle arrest and loss of mitochondrial membrane potencial in Jurkat cells. Identification the role of Tat in ER stress-induced apoptosis may reinforce the suggestion of the UPR pathway as a possible therapeutic target.
6

Avaliação psicológica de pessoas com HIV

Pacheco Filho, José Roberto. 2010 (has links)
Orientador: Marcia Elizabeth Torresi Banca: Diana Pancini de Sá Antunes Ribeiro Banca: Ari Bassi do Nascimento Resumo: O Brasil é o país da América do Sul com maior número de casos da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids), possuindo mais de 500 mil casos confirmados. Prejuízos cognitivos, decorrentes da infecção do sistema nervoso central pelo HIV (vírus de imunodeficiência humana), provocam diversos graus de retardo motor, bem como alterações cognitivas e comportamentais, concomitantes às doenças oportunistas. Entretanto, a literatura é pouco específica em relação às alterações mais associadas aos aspectos psicológicos e funcionais, os quais podem interferir na qualidade de vida da pessoa infectada. OBJETIVO: Identificar quais são as alterações cognitivas e comportamentais mais freqüentes em pessoas infectadas pelo HIV, no estágio sintomático. MÉTODO: Para tal, 46 pessoas soronegativas (grupo controle) e 46 pessoas soropositivas divididas em dois grupos (23 com contagem de T CD4+ maior que 350 até 499 mm³ de sangue, constituindo o grupo leve, e 23 com contagem de T CD4+ entre 200 e 350 mm³ de sangue, constituindo o grupo moderado) foram avaliadas por meio de uma bateria de testes psicológicos e instrumentos de avaliação emocional. RESULTADOS: Foram observadas alterações na memória, linguagem, atenção e habilidades vísuo-espaciais em ambos os grupos, bem como elementos relacionados à depressão, ansiedade e desesperança. Prejuízos nas habilidades motoras e funções executivas foram características do grupo com sintomas moderados. CONCLUSÃO: Ambos os grupos - leve e moderado - apresentaram alterações, tanto nos testes psicológicos, quanto nos instrumentos de rastreio emocional, porém com perfis diferenciados, conduzidos de acordo com a contagem de células T CD4+ . Abstract: Brazil is the South America country with the largest number of cases of Acquired Immunodeficiency Syndrome (AIDS), with more than 500,000 confirmed cases. Cognitive impairments resulting from central nervous system infection by HIV (Human Immunodeficiency Virus), causing many degrees of motor retardation, as well as cognitive and behavioral losses, concomitants to opportunistic diseases. However, the literature is not well specific in relation to changes associated with functional and psychological aspects, which can interfere in the infected person quality of life. PURPOSE: To identify what are the cognitive and behavioral alterations frequently found in HIV-infected people in the symptomatic stage. METHOD: To this end, 46 people seronegative (control group) and 46 seropositive individuals divided into two groups (23 with T CD4+ count greater than 350 to 499 mm ³ of blood, constituting the mild group, and 23 with T CD4+ count greater than 200 to 350 mm ³ of blood, being the moderate group) were evaluated using a battery of psychological and emotional evaluation tests. RESULTS: We observed changes in memory, language, attention and visuospatial skills in both groups, as well as factors related to depression, anxiety and hopeless. Losses in motor skills and executive functions were features of the group with moderate symptoms. CONCLUSION: Both groups - mild and moderate - showed changes in psychological tests and in the emotional screening instruments, but with different profiles, conducted according to the T CD4+ cells count. Mestre
7

Análise de possíveis fatores relacionados à resistência ao HIV em parceiros soronegativos de casais HIV-sorodiscordantes da região da Grande Florianópolis

Santos, Iris Mattos 2014 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Biológicas, Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia e Biociências, Florianópolis, 2014. Made available in DSpace on 2015-02-05T20:33:46Z (GMT). No. of bitstreams: 1 332308.pdf: 1927780 bytes, checksum: bac3d6624f9545f4001af33becb735d1 (MD5) Previous issue date: 2014 Atualmente, existem diversos relatos de indivíduos que se expuseram ao HIV e não se infectaram, sugerindo a existência de mecanismos de resistência natural. Esses indivíduos podem ser representados por parceiros soronegativos de casais sorodiscordantes. O objetivo deste estudo foi analisar possíveis fatores que podem conferir resistência à infecção pelo HIV em indivíduos expostos ao HIV e não infectados, que foram comparados com indivíduos HIV-soropositivos e com um grupo controle composto por indivíduos saudáveis não expostos ao vírus. Foi realizada análise do subtipo e do tropismo do vírus presente nos pacientes soropositivos e a pesquisa da mutação CCR5?32 em todos os indivíduos estudados. Identificou-se a presença do subtipo C do HIV em quatro (44,4%) dos nove indivíduos soropositivos analisados, subtipo B em dois indivíduos (22,2%), forma recombinante BC em dois pacientes (22,2%) e forma recombinante CFB em apenas um paciente (11,1%). Dessa forma, observou-se um predomínio do subtipo C. No entanto, devido ao pequeno número de indivíduos analisados, não foi possível realizar uma análise de prevalência ou uma relação de categoria de exposição com o subtipo encontrado. Não foi observado nenhum indivíduo homozigoto para a mutação CCR5?32, sendo dois (22,2%) indivíduos heterozigotos para essa mutação entre os nove HIV-soropositivos, dois (22,2%) entre os nove indivíduos soronegativos expostos ao HIV e um (9,1%) entre os indivíduos controle. Entre os pacientes infectados pelo HIV somente um apresentava infecção por um vírus X4; interessantemente, nesse mesmo paciente foi encontrada a forma heterozigota para a mutação CCR5?32, assim como para seu parceiro soronegativo. Esse resultado indica forte evidência de adaptação viral. Além disso, foi realizada a quantificação dos níveis dos transcritos de genes cujas proteínas estão envolvidas na infecção pelo HIV (APOBEC3G, CFLAR, TRIM5?, LEDGF/p75, BST-2 e SAMHD1) em linfócitos T CD4+ e monócitos de todos os grupos estudados. Não foram observadas diferenças significativas na expressão desses genes em linfócitos T CD4+ e monócitos de pacientes soropositivos, soronegativos e expostos e indivíduos controle. Dessa forma, considera-se que a capacidade de controlar a infecção ou retardar a progressão da doença é regulada por um equilíbrio entre fatores virais e do hospedeiro, sendo o estudo desses fatores muito importante para o esclarecimento dos mecanismos envolvidos na resistência ao HIV.
Abstract : Currently there are many reports of individuals who were exposed to HIV and were not infected, suggesting the existence of mechanisms that lead to natural resistance to this virus. These individuals can be represented by seronegative partners of serodiscordant couples. The aim of this study was to analyze possible factors of resistance to HIV infection in HIV-exposed seronegative individuals when compared to HIV positive individuals and a control group of healthy individuals. Analysis of subtype and tropism viral present in HIV-seropositive patients and presence of CCR5?32 in all individuals were performed. Four (44.4%) out of nine HIV-1 isolates analyzed were classified as subtype C, 2 (22.2%) as B/C inter-subtype recombinants, 2 (22.2%) as subtype B, and one (11.1%) as B/C/F mosaic form. The most frequent HIV genetic form was subtype C. However, due to the small sample number, it was not possible to conduct a prevalence analysis or establish a relationship between exposure category and subtype found. The absence of the homozygous deletion CCR5?32 among HIV-seropositive, exposed seronegative subjects and HIV-seronegative volunteers was observed. In addition, two individuals (22.2%) among the nine HIV-positive were heterozygous for this mutation. Considering the HIV-seropositive individuals, only one showed infection by X4 virus. Interestingly, the same patient showed heterozygosity for the CCR5?32, as well as their HIV-negative partner. This result indicates strong evidence of viral adaptation. In addition, study of mRNA levels of genes whose proteins are involved in HIV infection (APOBEC3G, CFLAR, TRIM5?, LEDGF/p75, BST-2 and SAMHD1) in T CD4+ lymphocytes and monocytes was performed. Similar mRNA levels of these genes where found in T CD4+ lymphocytes and monocytes from HIV-infected patients, HIV-exposed seronegative subjects, and healthy controls. Thus, it might be considered that the ability to control infection or delay disease progression is regulated by a balance between viral and host factors. Hence, the study of these factors is very important for the elucidation of mechanisms involved in the resistance to HIV-infection.
8

Detecção de Chlamydia trachomatis em amostras endocervicais de mulheres HIV soropositivas de Palhoça/SC

Pereira, Joice de Souza 2016 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Programa de Pós-Graduação em Farmácia, Florianópolis, 2016. Made available in DSpace on 2017-04-18T04:17:11Z (GMT). No. of bitstreams: 1 345303.pdf: 3466861 bytes, checksum: e9c2e5bdc3733d3791f1d037929b06b9 (MD5) Previous issue date: 2016 A infecção genital por Chlamydia trachomatis (CT) é reconhecida atualmente como uma das infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) mais prevalentes no mundo, acometendo principalmente mulheres jovens. O caráter primariamente assintomático da infecção por CT constitui a base para formação de reservatórios que perpetuam a transmissão e a aquisição de demais IST, favorecendo a ascensão da infecção para o trato genital superior, resultando em agravos que modulam o risco de transição da infecção cervical para a malignidade. Admite-se que a coinfecção por CT em mulheres HIV soropositivas favorece a infectividade viral, prolongando e/ou aumentando o seu potencial de infecciosidade no trato genital, promovendo o aumento da excreção viral em decorrência do recrutamento de leucócitos infectados pelo HIV em resposta à infecção local e/ou por causa da crescente produção de citocinas inflamatórias que podem estimular a replicação do vírus. Diante desse cenário, o objetivo deste estudo transversal foi avaliar a prevalência de CT em mulheres HIV soropositivas atendidas pelo Sistema Único de Saúde do Município de Palhoça/SC. Durante o período de abril a julho de 2016, foram coletadas 111 amostras endocervicais durante consulta médica ginecológica no Centro Especializado em Aconselhamento e Prevenção (CEAP) de Palhoça/SC. As análises foram realizadas em parceria com o Laboratório de Biologia Molecular, Sorologia e Micobactérias (LBMM) da Universidade Federal de Santa Catarina. As amostras foram submetidas à extração de DNA utilizando um método in house baseado na extração por Acetato de Amônio, e posteriormente submetidas à técnica padronizada de PCR multiplex, utilizando os conjuntos de iniciadores PCO3/PCO4 para identificação do gene da ß-globina humana, e CTP1/CTP2 para a identificação do DNA bacteriano. A coinfecção CT/HIV foi detectada com taxa de prevalência de 1,8% (2/111) na população estudada. Observou-se associação da coinfecção CT/HIV com a variável idade (p=0,013). Não houve diferença significativa entre as demais variáveis e a positividade para CT. Das 104 (93,7%) participantes que relataram 2 ou mais parceiros ao longo da vida, 48,1% (50) relataram uso irregular de camisinha. No grupo das coinfectadas CT/HIV, 50,0% (1) também declarou uso descontínuo de preservativo. Esse fato eleva a chance de infecção por outras ISTs e/ou reinfecção, possibilitando inclusive gestações de alto risco. Foi observada a associação entre o conhecimento de ter HPV e o histórico de lesão no colo do útero (p=0,001). De maneira mais minuciosa, do total de 96 (86,5%) pacientes que responderam não ter HPV ou desconhecer ter, 10 (10,4%) declararam algum grau de lesão. O histórico de condiloma acuminado (HPV) também foi associado ao conhecimento de ter HPV (p=0,000). A metodologia de PCR multiplex exibiu bom desempenho no estudo para a identificação do material genético bacteriano. A técnica de PCR é financeiramente vantajosa e pode ser aplicada em processos de rastreamento que se baseiam na investigação de infecções assintomáticas em mulheres HIV soropositivas. Apesar da baixa prevalência na população analisada, mais estudos acerca da epidemiologia sinérgica da coinfecção CT/HIV em mulheres são necessários a fim de reduzir as conseqüências à saúde da mulher e os custos com tratamento, principalmente em mulheres com idade =30 anos. Por conseguinte, é necessário aprimorar a gestão de campanhas de prevenção e esclarecimento a respeito das ISTs, suas causas e desfechos, juntamente com a inclusão do rastreamento de CT em mulheres HIV soropositivas na prática clínica aos programas já existentes no Município.
Abstract : Chlamydia trachomatis (CT) genital infection is currently recognized as one of the most prevalent sexually transmitted infections (STIs) in the world, affecting mainly young women. The primary asymptomatic character of CT infection is the basis for the formation of reservoirs that perpetuate the transmission and acquisition of other STIs, favoring the rise of infection to the upper genital tract, resulting in diseases that modulate the risk of transition from cervical infection to malignity. It is believed that CT coinfection in HIV-seropositive women favors viral infectivity by prolonging and / or increasing its infectivity potential in the genital tract, promoting the increase of viral excretion due to the recruitment of HIV-infected leukocytes in response to infection and/or due to increased production of inflammatory cytokines that may stimulate virus replication. In view of this scenario, the objective of this cross-sectional study was to evaluate the prevalence of TC in HIV-seropositive women treated by the Unified Health System of the city of Palhoça/SC. During the period from April to July 2016, 111 endocervical samples were collected during a gynecological medical visit at the Specialized Center for Counseling and Prevention (CEAP) in Palhoça/SC. The analyzes were carried out in partnership with the Laboratory of Molecular Biology, Serology and Mycobacteria (LBMM) of the Federal University of Santa Catarina. The samples were submitted to DNA extraction using an in-house method based on Ammonium Acetate extraction, and then submitted to a standard multiplex PCR technique, using the PCO3/PCO4 primer sets to identify the human ß-globin gene, and CTP1/CTP2 for identification of bacterial DNA. CT/HIV coinfection was detected with a prevalence rate of 1,8% in the studied population. There was an association between CT/HIV coinfection and age (p=0.013). There was no significant difference between the other variables and the positivity for CT. Of the 104 (93,7%) participants who reported 2 or more lifetime partners, 48,1% (50) reported using irregular condoms. In the CT/HIV coinfected group, 50,0 (1/2) also reported discontinuous condom use. This fact raises the chance of infection by other STIs and/or reinfection, making possible even high-risk pregnancies. The association between the knowledge of having HPV and the history of cervical lesion (p=0.001) was observed. In a more detailed way, of the total of 96 (86,5%) patients who responded not to have HPV or to be unaware of it, 10 (10,4%) reported some degree of injury. The history of condyloma acuminata (HPV) was also associated with knowledge of having HPV (p = 0.000). The multiplex PCR methodology showed good performance in the study for the identification of bacterial genetic material. The PCR technique is financially advantageous and can be applied in screening processes that are based on the investigation of asymptomatic infections in HIV-seropositive women. Despite the low prevalence in the analyzed population, more studies on the synergistic epidemiology of CT/HIV coinfection in women are needed in order to reduce the consequences to women's health and treatment costs, especially in women aged =30 years. Therefore, it is necessary to improve the management of prevention and enlightenment campaigns regarding STIs, their causes and outcomes, together with the inclusion of CT screening in HIV-seropositive women in clinical practice to existing programs in the county.
9

A função cardíaca diastólica em crianças portadoras do vírus da imunodeficiência humana

Silva, Mauricio Laerte 2000 (has links)
Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catariana, Centro de Ciências da Saúde. Made available in DSpace on 2012-10-18T02:37:44Z (GMT). No. of bitstreams: 0Bitstream added on 2014-09-25T16:03:52Z : No. of bitstreams: 1 170745.pdf: 11784395 bytes, checksum: da908b9fd30bfcafee95d2334dc1f408 (MD5) Noventa e quatro crianças portadoras do vírus da imunodeficiência humana por transmissão vertical, sintomáticas, acompanhadas em um ambulatório de referência regional no atendimento à AIDS pediátrica, na faixa etária de 20,3 meses a 170,6 meses, foram submetidas à avaliação da função cardíaca diastólica por meio da ecocardiografia com Doppler. Cinqüenta crianças (54,3%) apresentaram disfunção ventricular, sendo a mesma biventricular em 13 (14,1%) delas. A disfunção ventricular esquerda isolada ocorreu em 36 crianças (38,7%), sendo mais comum a disfunção do tipo complacência anormal, e a disfunção ventricular direita isolada ocorreu em 27 crianças (29,4%), sendo mais freqüente a disfunção do tipo relaxamento anormal. Não se verificou associação da disfunção diastólica, independentemente do ventrículo comprometido, com fatores como sexo, idade e estado imunológico.
10

Estudo de dois genes da imunidade inata (MBL 2 e o receptor CCR5) na transmissão materno infantil do HIV-1

Roberto Eleuterio de Souza, Paulo 2006 (has links)
Made available in DSpace on 2014-06-12T15:54:11Z (GMT). No. of bitstreams: 2 arquivo5201_1.pdf: 3875906 bytes, checksum: e19cd4aac5e7105844659ea731a31627 (MD5) license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) Previous issue date: 2006 A Síndrome da Imunodeficiência adquirida (AIDS) é uma doença causada pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV), e é caracterizada pela destruição de células pertencentes ao sistema imunológico, tais como, macrófagos e linfócitos T CD4+. Segundo as estatísticas da Junta das Nações Unidas sobre o HIV/AIDS (UNAIDS) aproximadamente 42 milhões de pessoas no mundo estão infectadas pelo HIV-1, e somente no Brasil aproximadamente 600 mil pessoas são portadores do vírus. O entendimento dos mecanismos da imunidade natural é de fundamental importância no controle da infecção e replicação. Este trabalho teve como objetivo propor uma metodologia simples, rápida e eficaz para correlacionar através da genotipagem de dois genes relacionados com a resposta imune inata (CCR5 e MBL-2), a susceptibilidade ou resistência à infecção pelo HIV, e o risco de transmissão materno infantil do vírus, utilizando os pares mães e filhos brasileiros, infectados pelo HIV-1, através da metodologia da PCR em tempo real, baseado na técnica de melting temperature assay . Nossos resultados para genotipagem do gene MBL-2 estão de acordo com os dados da literatura que indicam que a presença do alelo 0 confere risco relativo de 1,37 para infecção através da transmissão vertical. Neste trabalho, nós também analisamos a freqüência de quatro polimorfismos dentro da região promotora e um dentro da região codificadora do gene CCR5. Os polimorfismos foram detectados por amplificações por PCR e posteriormente confirmados por sequenciamento. Observamos que, embora não houvesse diferença significativa entre os polimorfismos CCR5-Δ32, CCR5- 59356-C/T e CCR5-59653 C/T, as freqüências dos genótipos CCR5-59353 C/T e CCR5-59402-A/G diferem entre crianças HIV +, HIV - e saudáveis. A presença do genótipo CCR5-59353-TT indicou uma tendência ao aumento do risco da transmissão vertical da infecção do HIV-1 em crianças brasileiras, enquanto a presença do genótipo CCR5-59402-AA é sugestiva para um efeito protetor contra a transmissão vertical do HIV-1

Page generated in 0.0459 seconds