• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 26
  • 3
  • Tagged with
  • 29
  • 29
  • 19
  • 17
  • 14
  • 14
  • 9
  • 8
  • 6
  • 6
  • 6
  • 5
  • 5
  • 5
  • 5
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Qualidade ágil de software

ALBUQUERQUE, Carlos Antônio Menezes de January 2005 (has links)
Made available in DSpace on 2014-06-12T16:01:20Z (GMT). No. of bitstreams: 2 arquivo7785_1.pdf: 1923694 bytes, checksum: f057da8f8ec225a5dfd9e46558d1ca2c (MD5) license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) Previous issue date: 2005 / Com a necessidade de se ter metodologias que facilitassem a produção de software para que fossem evitados a baixa qualidade, os atrasos, bem como os gastos excessivos, foram introduzidos diversos padrões e processos de desenvolvimento de software. Porém, em alguns casos houve uma preocupação excessiva em relação aos papéis exercidos, documentação e artefatos gerados. Tais metodologias passaram a ser consideradas, por alguns, burocráticas e com ênfase nas atividades meio, pois traziam a necessidade de um grande formalismo para os artefatos intermediários (por exemplo, especificações e modelos) ao invés de focarem na qualidade dos artefatos fins (por exemplo, código). Surgiram então algumas metodologias mais simplificadas, voltadas para equipes menores com intensa comunicação, utilizando processos mais leves e uma maior flexibilidade a mudanças, as quais foram chamadas de metodologias ágeis. Tanto em metodologias tradicionais como nas ágeis, é aconselhável que exista alguma atividade que garanta a qualidade tanto do processo que está sendo utilizado como do produto sendo construído. Neste contexto, a garantia da qualidade auxilia o controle do projeto, fornecendo uma visão adequada do processo que está sendo utilizado pelo projeto de software e dos produtos que estão sendo construídos. Entre suas atividades podemos ressaltar, revisões, validações e auditorias nos produtos e processos de software. Um dos representantes dos modelos de melhoria da qualidade é o CMMI (Capability Maturity Model Integration) que apresenta a possibilidade de uma evolução contínua, fornecendo maior flexibilidade, focando em áreas de processo específicas, de acordo com metas e objetivos de negócio. Neste trabalho apresentamos uma disciplina, doravante chamada Qualidade Ágil de Software (QAS), para qualidade de software, independente de metodologia de desenvolvimento e voltada para projetos com equipes de até 20 pessoas. A QAS foi desenvolvida com base no TSP (Team Software Process) e em metodologias ágeis, de modo a estar alinhada ao nível 2 de Capacidade do CMMI (segundo o modelo contínuo) para as áreas de processo Verificação, Validação e Garantia da Qualidade do Processo e do Produto
2

Uma abordagem para priorização de requisitos em ambientes ágeis

ASFORA, Diego Maciel 31 January 2009 (has links)
Made available in DSpace on 2014-06-12T15:55:55Z (GMT). No. of bitstreams: 2 arquivo2332_1.pdf: 1957193 bytes, checksum: fe5921a6c67f04f5ca88a92a2b0d9cd3 (MD5) license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) Previous issue date: 2009 / Atualmente, empresas de software precisam desenvolver sistemas de forma rápida e eficiente. A competição crescente tem levado empresas a adotar metodologias de desenvolvimento ágeis para garantir a vantagem competitiva e aumentar a satisfação de clientes. A priorização de requisitos é uma atividade crítica do desenvolvimento de software. Esta atividade envolve a análise da importância de cada requisito por parte dos stakeholders e seleção dos requisitos que irão ser implementados em determinada versão do sistema. A decisão errada sobre quais requisitos priorizar pode afetar a qualidade global do sistema, e conseqüentemente sua aceitação pelos clientes. No desenvolvimento ágil é mais enfatizada a indicação do cliente para realizar a priorização dos requisitos. Nela alguns problemas podem ocorrer, pois o cliente pode acreditar que determinado requisito tem mais importância do que ele realmente possui, assim como ele pode não dar a devida importância a um requisito que ele desejava muito, mas que só sente necessidade quando o sistema estiver pronto e com aquela funcionalidade faltando. Metodologias ágeis com Scrum e Extreme Programming oferecem orientações bastante básicas sobre como conduzir essa priorização. Dentre as principais limitações do processo de priorização descrito pelas metodologias ágeis destacamos a dificuldade de comparar a real importância dada aos requisitos e a falta de análise caso determinados requisitos não sejam selecionados. O objetivo central desta pesquisa é propor um processo de priorização de requisitos para projetos de software ágeis baseado na técnica Kano, que foi originalmente proposta na área da administração. Os diagramas produzidos pela técnica Kano objetivam priorizar requisitos através de uma pergunta funcional e uma pergunta disfuncional para cada requisito. O processo proposto nesta dissertação auxilia a priorização de requisitos e melhora a forma de visualizar os resultados da priorização através de gráficos e quadros mais ilustrativos, facilitando a tomada de decisão por parte dos stakeholders do projeto. Com o objetivo de avaliar a adequação da proposta foram realizados estudos de caso em duas empresas de software em Recife. Os resultados encontrados sugerem que a abordagem proposta facilitou a priorização de requisitos por ser um processo simples e intuitivo
3

RUP-pe : uma metodologia ágil, baseada no RUP e no TSP, para pequenas equipes

Pedro Carvalho de Oliveira, Joaquim January 2003 (has links)
Made available in DSpace on 2014-06-12T15:58:48Z (GMT). No. of bitstreams: 2 arquivo4705_1.pdf: 2915142 bytes, checksum: 012649ad1d7cc96f9995fc379be3179f (MD5) license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) Previous issue date: 2003 / Pesquisas recentes têm mostrado que projetos de software de curta duração e que utilizam equipes pequenas possuem maiores chances de sucesso. Entretanto, a escolha da metodologia a ser utilizada neste tipo de projeto deve levar em consideração suas características, como a comunicação facilitada e o menor grau de formalismo nos artefatos. Para se utilizar metodologias de desenvolvimento pesadas, como o RUP e o OPEN, deve-se fazer uma adaptação da metodologia escolhida, pois elas se propõem servir a uma grande diversidade de projetos, possuindo um grande número de atividades, muitas vezes desnecessárias. Apesar do detalhamento de suas atividades ser útil para sua adoção, isto torna a adaptação da metodologia uma atividade complexa e custosa. Por outro lado, a adoção de metodologias ágeis, como XP e Scrum, muitas vezes não é suficiente. Por adotarem uma abordagem mais informal para o desenvolvimento de software, estas metodologias muitas vezes carecem de descrições mais detalhadas e deixam atividades importantes em segundo plano, como por exemplo, gerenciamento de riscos e planejamento de recursos. Caso se deseje estar alinhado ou de acordo com um modelo de qualidade como o Capability Maturity Model for Software (SW-CMM), esta informalidade é um obstáculo ainda maior. Todavia, várias práticas propostas por estas metodologias têm se mostrado eficazes em projetos pequenos. Como exemplos, temos a integração contínua e o uso de iterações de curta duração. Neste trabalho, apresentamos o RUP-pe, uma metodologia ágil, voltada para equipes de até 15 desenvolvedores. Ele foi elaborado com base no RUP e incorpora práticas de diversas metodologias ágeis. Além disto, também foi definido com base no TSP, um processo de software completamente alinhado com o SW-CMM. O objetivo do RUP-pe é ser uma metodologia adequada às pequenas equipes, sem ser excessivamente informal, e alinhada, desde sua definição, com um modelo de qualidade reconhecido mundialmente. São apresentadas as disciplinas Implementação e Gerenciamento de Projeto, e um website que possui todo o detalhamento das atividades propostas, servindo de guia para as equipes que desejem utilizá-lo
4

Análise da utilização de métodos ágeis no desenvolvimento de ambientes virtuais de aprendizagem: um estudo de caso do Solar 2.0 / Analysis of the use of agile methods in the development of virtual learning environments: a case study of the Solar 2.0

Torres Filho, Ari do Amaral January 2014 (has links)
TORRES FILHO, A. A. Análise da utilização de métodos ágeis no desenvolvimento de ambientes virtuais de aprendizagem: um estudo de caso do Solar 2.0. 2014. 158 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Computação) - Centro de Ciências, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2014. / Submitted by Daniel Eduardo Alencar da Silva (dealencar.silva@gmail.com) on 2015-01-23T20:18:36Z No. of bitstreams: 1 2014_dis_aatfilho.pdf: 5052662 bytes, checksum: bbc494f5731e2ba4a447896641ee5d11 (MD5) / Approved for entry into archive by Rocilda Sales(rocilda@ufc.br) on 2015-09-23T16:29:47Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2014_dis_aatfilho.pdf: 5052662 bytes, checksum: bbc494f5731e2ba4a447896641ee5d11 (MD5) / Made available in DSpace on 2015-09-23T16:29:47Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2014_dis_aatfilho.pdf: 5052662 bytes, checksum: bbc494f5731e2ba4a447896641ee5d11 (MD5) Previous issue date: 2014 / In the last two decades there has been considerable progress in the use of Information Technologies and Digital Communication in the process of teaching and learning, both in the form of classroom education as distance. In this context, the use of Virtual Learning Environments - software designed to support the courses via the Internet - is growing and access becoming increasingly diverse, ranging from desktop computers to mobile smartphones. Thus, the complexity of creating these environments becomes increasingly technical and requires Software Engineering and Project Management always better to ensure product quality and customer satisfaction generated. Given such a scenario, this paper proposes the use of Agile methodologies in the development and project management of virtual environments as a more interesting way than traditional software delivery based only on product quality, forgetting often , customer satisfaction and motivation of developers. This paper reports the adoption of agile methodologies in the development of the SOLAR AVA 2.0, showing that it is possible to succeed in both the technical level and at the organizational and personally with the adoption of agile practices in the development of AVAs that can be proven through experiments done with the satisfaction surveys with users and project developers. / Nas duas últimas décadas houve um considerável avanço no uso de Tecnologias da Informação e Comunicação Digitais no processo de ensino e aprendizagem, tanto na modalidade de Educação presencial quanto a distância. Neste contexto, o uso de Ambientes Virtuais de Aprendizagem - softwares criados para o suporte a cursos através da Internet - vêm crescendo e seu acesso se tornando cada vez mais diversificado, indo de computadores desktop a celulares smartphones. Desta forma, a complexidade de criação destes ambientes se torna cada vez maior e exige técnicas de Engenharia de Software e Gestão de Projetos cada vez melhores para garantir a qualidade do produto gerado e a satisfação do cliente. Tendo em vista tal cenário, o presente trabalho propõe o uso de Metodologias Ágeis tanto no desenvolvimento quanto na gestão de projetos de ambientes virtuais como uma solução mais interessante que a tradicional forma de criação de softwares baseada somente na qualidade do produto, esquecendo, muitas vezes, a satisfação do cliente e a motivação dos desenvolvedores
5

Um modelo para garantia da qualidade de software: combinando maturidade e agilidade

SILVA, Fernando Selleri 23 February 2015 (has links)
Submitted by Luiza Maria Pereira de Oliveira (luiza.oliveira@ufpe.br) on 2015-05-13T18:48:58Z No. of bitstreams: 2 license_rdf: 1232 bytes, checksum: 66e71c371cc565284e70f40736c94386 (MD5) Tese_FernandoSelleri_CInUFPE.pdf: 4016061 bytes, checksum: c8f2058ad33d236808b3167426cb98c4 (MD5) / Made available in DSpace on 2015-05-13T18:48:58Z (GMT). No. of bitstreams: 2 license_rdf: 1232 bytes, checksum: 66e71c371cc565284e70f40736c94386 (MD5) Tese_FernandoSelleri_CInUFPE.pdf: 4016061 bytes, checksum: c8f2058ad33d236808b3167426cb98c4 (MD5) Previous issue date: 2015-02-23 / FACEPE / Contexto: a área de Garantia da Qualidade, por assegurar a conformidade aos padrões, práticas e processos definidos, pode contribuir com organizações desenvolvedoras de software que buscam aderência a níveis de maturidade por meio de processos ágeis e que demandem baixos níveis de esforço, a fim de conquistarem clientes, aumentando a qualidade e a produtividade. Objetivo: o presente trabalho tem como objetivo identificar valores e práticas das metodologias ágeis, aderentes a modelos de maturidade, para a condução da garantia da qualidade de processo e produto, no contexto de uma organização desenvolvedora de software, orientando atividades, papéis, práticas e artefatos. Metodologia: os métodos de pesquisa empregados foram: revisão sistemática de literatura, sobre utilização de modelos de maturidade e metodologias ágeis; estudo de caso, realizado em uma empresa de desenvolvimento de software que executa a garantia da qualidade com metodologias ágeis e modelos de maturidade; e pesquisa de campo (ou survey) com base na opinião de especialistas e de profissionais de empresas de software, usado para avaliação da proposta apresentada como contribuição do trabalho. Resultados: entre os resultados está a definição de um modelo de referência para a garantia da qualidade ágil, denominado AgileQA-RM e organizado em cinco níveis de maturidade, que orienta a condução da garantia da qualidade empregando práticas de metodologias ágeis, particularmente Scrum e XP, em complemento aos modelos de maturidade CMMI e MPS.BR. Conclusão: metodologias ágeis podem ser utilizadas para a condução da garantia da qualidade de processo e produto em organizações que buscam implementar modelos de maturidade, para melhoria do processo de software. / Context: Quality Assurance (QA) area, for ensuring compliance with the defined standards, practices and processes, can contribute to software development organizations seeking adherence to maturity levels through agile processes that require low levels of effort, in order to win customers, increasing quality and productivity. Objective: this study aims to identify the agile practices and values, adherents to maturity models, to conduct the process and product quality assurance, in the context of a software development organization, guiding activities, roles, practices and artifacts. Method: the research methods chosen were: systematic literature review, about the use of maturity models and agile methodologies; case study, conducted in a software development company that performs quality assurance with agile methodologies and maturity models; survey with expert opinions and software company practitioners, to evaluate the proposal presented as main contribution. Results: among the results is the definition of a reference model for agile quality assurance, named AgileQA-RM and organized into five maturity levels, which guides quality assurance using agile practices, particularly from Scrum and XP, in complement to CMMI and MPS.BR maturity models. Conclusion: agile methodologies can be used to conduct process and product quality assurance in organizations looking to implement maturity models for software process improvement.
6

Aplicação de pontos por função em projetos que usam métodos ágeis: uma análise comparativa entre abordagens existentes

WANDERLEY, Eduardo Garcia 25 February 2015 (has links)
Submitted by Isaac Francisco de Souza Dias (isaac.souzadias@ufpe.br) on 2015-10-20T19:03:31Z No. of bitstreams: 2 license_rdf: 1232 bytes, checksum: 66e71c371cc565284e70f40736c94386 (MD5) Dissertação-Eduardo Garcia Wanderley.pdf: 11192438 bytes, checksum: eebfb4cc65e6adab984340c8b4c10049 (MD5) / Made available in DSpace on 2015-10-20T19:03:31Z (GMT). No. of bitstreams: 2 license_rdf: 1232 bytes, checksum: 66e71c371cc565284e70f40736c94386 (MD5) Dissertação-Eduardo Garcia Wanderley.pdf: 11192438 bytes, checksum: eebfb4cc65e6adab984340c8b4c10049 (MD5) Previous issue date: 2015-02-25 / O desenvolvimento ágil tem se tornado cada vez mais comum no ambiente de desenvolvimento de software. Contudo estimativas de esforço em projetos de software que usam metodologias ágeis são feitas de maneira diferente das realizadas em projetos que usam metodologias tradicionais. Com base nesses problemas e com respeito ao grau de precisão de estimativa de esforço, essa dissertação apresenta uma análise comparativa entre as abordagens Extending Function Point Analysis, Function Point Analysis and Cost Estimation in An Agile Development Environment e Agile Estimation Using Functional Metrics. Através de um mapeamento sistemático, foram identificadas as formas de estimativas de esforço existentes na literatura e, a partir do mapeamento, foram escolhidas três abordagens que utilizam Pontos de Função como base para realizar estimativas. Por meio de uma pesquisa experimental e controlada com três cenários distintos, as abordagens foram avaliadas no intuito de testar sua aplicabilidade e analisar seus resultados. No mapeamento sistemático foram identificados 2572 estudos. Entre estes, 40 estudos primários que passaram por uma avaliação da qualidade foram incluídos para serem analisados em profundidade. Os resultados do experimento mostraram, que no contexto estudado, a abordagem Function Point Analysis and Cost Estimation in An Agile Development Environment não se adequou bem e teve os piores resultados em todos os cenários. Nos dois primeiros cenários, as abordagens Extending Function Point Analysis e Agile Estimation Using Functional Metrics se mostraram com resultados bem semelhantes e se mostraram adequadas. No último cenário a abordagem Agile Estimation Using Functional Metrics foi a que melhor adequou-se, sendo considerada assim a melhor abordagem para os cenários explorados pelo experimento. / Agile development has become increasingly common in software development environment. However, effort estimation in software projects using agile methodologies are made differently to those undertaken in projects using traditional methods. Based on these problems and with respect to the degree of effort estimation accuracy, this work presents a comparative analysis between the approaches: Extending Function Point Analysis, Function Point Analysis and Cost Estimation in An Agile Development Environment, and Agile Estimation Using Functional Metrics. By performing a systemtaic mapping, it was identified forms of effort estimation existing in the literature and three approaches based of Function Points to perform estimation were chosen. By performing an experimental and controlled research using three different scenarios, the approaches were evaluated in order to test their applicability and analyze their results. In the systematic mapping it was identified 2572 studies. Among these, 40 primary studies that have undergone a quality assessment were included for a deep analysis. The experiment results showed that, in the context studied, the Function Point Analysis and Cost Estimation in An Agile Development Environment wasn't suitable and presented the worst results in all scenarios. The first two scenarios the approaches Extending Function Point Analysis and Agile Estimation Using Functional Metrics presented very similar results and were considered suitable. In the latter scenario, the approach Agile Estimation Using Functional Metrics presented the best results, being considered the best approach to the scenarios explored in the experiment.
7

Um modelo de gerenciamento de projetos baseado nas metodologias ágeis de desenvolvimento de software e nos princípios da produção enxuta. / A project management model based on agile software development methodologies and lean production principles.

Franco, Eduardo Ferreira 22 May 2007 (has links)
Procurando obter ganhos sustentáveis de produtividade e qualidade no desenvolvimento de software, diversos modelos, formas de organização do trabalho e abordagens inovadoras foram desenvolvidos para auxiliar os gerentes de projeto. O presente trabalho propõe um modelo de gerenciamento de projetos, baseado nas metodologias ágeis de desenvolvimento de software (Extreme Programming e o Scrum), e nos princípios e valores do pensamento enxuto, originado na manufatura automobilística japonesa. Após a proposição do modelo, ele é aplicado em um estudo de caso, avaliando os resultados obtidos na combinação entre as metodologias ágeis e nos princípios e valores da produção enxuta. Em seguida, este modelo é analisado qualitativamente com o intuito de determinar suas vantagens de utilização e seu escopo de aplicação. Para tanto, recorreu-se a uma avaliação do modelo proposto e o tradicional modelo cascata, ainda amplamente adotado no setor de software, e mapeando como este modelo contorna os problemas apontados na literatura, advindos da utilização do modelo cascata. / Looking for sustainable gains in productivity and quality in the development of software, several models, forms of work organization and innovative approaches were developed to support software development managers. The present work proposes a model of project management, based on agile software development methodologies (Extreme Programming and Scrum) and on lean principles and values borrowed from the Japanese automobile manufacturing. After describing the proposed model, it is applied in a case study, describing the results of combining the agile software development methodologies with the lean production principles and values. After this, the model is qualitatively analyzed to determine its advantages and its scope of application. For this, the proposed model is evaluated with the traditional waterfall model - until now widely adopted in the software industry - and mapping how it addresses problems, cited in the literature, derived from the use of the waterfall model.
8

Um modelo de gerenciamento de projetos baseado nas metodologias ágeis de desenvolvimento de software e nos princípios da produção enxuta. / A project management model based on agile software development methodologies and lean production principles.

Eduardo Ferreira Franco 22 May 2007 (has links)
Procurando obter ganhos sustentáveis de produtividade e qualidade no desenvolvimento de software, diversos modelos, formas de organização do trabalho e abordagens inovadoras foram desenvolvidos para auxiliar os gerentes de projeto. O presente trabalho propõe um modelo de gerenciamento de projetos, baseado nas metodologias ágeis de desenvolvimento de software (Extreme Programming e o Scrum), e nos princípios e valores do pensamento enxuto, originado na manufatura automobilística japonesa. Após a proposição do modelo, ele é aplicado em um estudo de caso, avaliando os resultados obtidos na combinação entre as metodologias ágeis e nos princípios e valores da produção enxuta. Em seguida, este modelo é analisado qualitativamente com o intuito de determinar suas vantagens de utilização e seu escopo de aplicação. Para tanto, recorreu-se a uma avaliação do modelo proposto e o tradicional modelo cascata, ainda amplamente adotado no setor de software, e mapeando como este modelo contorna os problemas apontados na literatura, advindos da utilização do modelo cascata. / Looking for sustainable gains in productivity and quality in the development of software, several models, forms of work organization and innovative approaches were developed to support software development managers. The present work proposes a model of project management, based on agile software development methodologies (Extreme Programming and Scrum) and on lean principles and values borrowed from the Japanese automobile manufacturing. After describing the proposed model, it is applied in a case study, describing the results of combining the agile software development methodologies with the lean production principles and values. After this, the model is qualitatively analyzed to determine its advantages and its scope of application. For this, the proposed model is evaluated with the traditional waterfall model - until now widely adopted in the software industry - and mapping how it addresses problems, cited in the literature, derived from the use of the waterfall model.
9

Ambidestria em empresas desenvolvedoras de software: barreiras para adoção de metodologias ágeis e seu impacto na escolha do modelo organizacional / Ambidexterity in Software Development Companies: Barriers to Adoption of agile methodologies and its impacts in the Organizational Model Selection

Cordeiro, José Henrique Dell'Osso 11 June 2014 (has links)
Organizações desenvolvedoras de software enfrentam hoje em dia o desafio de atuar concomitantemente em projetos que exigem tanto a prática de Metodologias Tradicionais quanto a de Metodologias Ágeis, metodologias de desenvolvimento de software com características opostas e conflitantes. Para atender a essa demanda as empresas têm adotado a Ambidestria Organizacional no desenvolvimento de softwares, criando estruturas organizacionais, processos e equipes capacitadas para atuar com ambas as metodologias de forma simultânea. Vários modelos podem ser adotados para a criação da Ambidestria Organizacional, mas pouco se sabe sobre como cada um deles surge e se desenvolve nas empresas. Nesta pesquisa objetivou-se conhecer um dos aspectos que podem influenciar a seleção do modelo de Ambidestria: as barreiras que uma organização pode enfrentar ao introduzir uma Metodologia Ágil em ambiente que já pratica alguma modalidade de Metodologia Tradicional. Através de dados secundários e do método de Estudo de Casos foi possível evidenciar a influência de algumas dessas barreiras no tipo de ambidestria escolhido pelas empresas, concluindo ainda que os impactos das barreiras de introdução de uma metodologia ágil podem ser muito diferentes quando comparamos sua ocorrência entre empresas desenvolvedoras de software para uso próprio e empresas desenvolvedoras de software sob encomenda, influenciando-as de modo diferente na escolha do modelo para a criação da Ambidestria Organizacional. Os resultados obtidos e as conclusões presentes neste estudo estabelecem, portanto, importante contribuição para pesquisas futuras, evidenciando que estudos sobre a Ambidestria Organizacional no campo do desenvolvimento de software devem ser realizados levando-se em consideração os diferentes perfis de empresa e as relações dessas empresas com seus clientes de projeto. / Software development organizations face nowadays challenges in conducting simultaneous projects, applying at the same time both Traditional and Agile Methodologies, software development processes with opposite and conflicting characteristics. In order respond to this challenges this companies adopt Organizational Ambidexterity in software development, creating organizational structures, processes and teams able to deal with both practices simultaneously. Different models exist for creating Organizational Ambidexterity, but there is a lack of knowledge about how each of these models emerge and grow at the companies. In this research we focused in understanding just one of the topics that influences the selection of the ambidexterity model: the barriers companies faces adopting Agile Methodologies on an environment where Traditional Methodologies are in use. Through secondary data analysis and Case Study methodology it was possible to reveal evidences of the influences that some of these barriers puts over the ambidexterity model selection, also concluding that barriers in agile methodologies introduction may be different when comparing their effects over on-demand software development companies and companies which develop software for their own use, influencing both their choices of ambidexterity model in different ways. The results and conclusions we present in this work, bring important contributions for future research, showing that future Organizational Ambidexterity in software development needs to attempt to different companies profile and their relationship with the projects customer.
10

Investigação sobre o uso de teletrabalho no contexto de metodologias ágeis.

COSTA, Larissa Nepomuceno. 30 August 2018 (has links)
Submitted by Lucienne Costa (lucienneferreira@ufcg.edu.br) on 2018-08-30T18:58:34Z No. of bitstreams: 1 LARISSA NEPOMUCENO COSTA – DISSERTAÇÃO (PPGCC) 2018.pdf: 1744146 bytes, checksum: 0bcd79f3d6e7fdb18cb617ae84dec90f (MD5) / Made available in DSpace on 2018-08-30T18:58:34Z (GMT). No. of bitstreams: 1 LARISSA NEPOMUCENO COSTA – DISSERTAÇÃO (PPGCC) 2018.pdf: 1744146 bytes, checksum: 0bcd79f3d6e7fdb18cb617ae84dec90f (MD5) Previous issue date: 2018-02-01 / O teletrabalho é um modo de trabalho especial, há muitos anos utilizada no Brasil e no mundo, onde o teletrabalhador desenvolve suas atividades remotamente, fora do local de trabalho tradicional. Existem poucas pesquisas e estudos de caso na literatura sobre a experiência de teletrabalho em ambientes de desenvolvimento de software que utilizam metodologias ágeis. A intenção deste trabalho é investigar o impacto da implantação do teletrabalho em projetos de desenvolvimento de software que utilizam métodos ágeis na percepção dos teletrabalhadores, gerentes e telegerentes e indicar recomendações práticas que orientem a adoção do teletrabalho. Foi executado um estudo de caso, envolvendo dois projetos de desenvolvimento de software, com o intuito de investigar o impacto da introdução do teletrabalho na qualidade e produtividade de projetos reais. Ainda foi elaborada uma pesquisa qualitativa em que seus resultados foram importantes ao gerar as diretrizes para a implantação do teletrabalho em projetos de desenvolvimento de software. Os resultados deste trabalho mostram que, de acordo com a percepção dos gerentes e desenvolvedores, a produtividade da equipe aumentou e a qualidade do código não foi afetada. Também é importante dar atenção à comunicação, utilizando ferramentas de áudio e vídeo que minimizem o tempo de resposta das iterações entre a equipe. Além disso, foram apresentadas recomendações e diretrizes práticas para orientar a fase de implantação do teletrabalho em projetos de desenvolvimento de software usando metodologias ágeis. / Remote working is a special working method, used in Brazil and in the world for many years, in which the teleworker develops his activities remotely, outside the traditional workspace. Few researches and case studies on the teleworking experience in software development environments that use agile methodologies can be found in the literature. This work aims to investigate the impact of teleworking in software development projects that use agile methods in the perception of teleworkers, managers and tele-managers and indicate practical recommendations that guide the adoption of this method. A case study involving two software development projects was carried out in order to investigate the impact of the introduction of teleworking on the quality and productivity of real projects. A qualitative research was also developed, and its results were important to generate the guidelines for implementing teleworking in software development projects. The results of this work show that, according to the perception of the managers and developers, the productivity of the team increased and the quality of the code was not affected. It is also important to pay attention to communication, using audio and video tools that minimize the response time of the interactions between the team. Furthermore, recommendations and practical guidelines were presented to guide the implementation phase of teleworking in software development projects using agile methodologies.

Page generated in 0.0916 seconds