• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 75
  • Tagged with
  • 76
  • 76
  • 31
  • 29
  • 17
  • 17
  • 16
  • 14
  • 11
  • 9
  • 9
  • 9
  • 9
  • 8
  • 8
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Relações entre os scripts de apego individuais e compartilhados em casais com um filho com autismo

Semensato, Márcia Rejane January 2009 (has links)
Esse estudo investigou as relações entre o apego individual e o apego compartilhado em três casais cujo filho apresenta autismo. O script de apego individual foi avaliado através do Attachment Script Assessment e o apego de casais através de uma entrevista semi-estruturada. A análise dos instrumentos foi realizada de forma independente. Os principais resultados mostraram que em casais com um ou ambos com acesso ao script de apego seguro, a relação como parceiros parentais estava mais preservada. A relação conjugal, no entanto, estava afetada na vida de todos os casais. A diferença foi que em casais com script de apego mais seguro, apesar dos conflitos na vida conjugal, havia expectativas e perspectivas com o casal trabalhando para atingir essa meta. Os casais com um ou ambos com acesso ao script de apego seguro individual também foram os que apresentaram um maior número de indicadores de apego compartilhado em sua relação.
2

A transição para o casamento

Menezes, Clarissa Corrêa January 2006 (has links)
O presente estudo teve como objetivo analisar como os casais coabitantes e os não coabitantes passam pela transição para o casamento, desde o semestre anterior, até o final do primeiro ano após o casamento. Participaram quatro casais adultos, residentes em Porto Alegre, com idades entre 25 e 32 anos, sendo que dois eram coabitantes e dois não coabitantes antes do casamento. Trata-se de uma pesquisa com delineamento de estudo de caso coletivo que abrangeu, para cada caso, quatro etapas: o último semestre antes do casamento e o primeiro, o sexto e o décimo segundo mês de casamento. As entrevistas com os participantes foram analisadas através de análise de conteúdo qualitativa, a qual gerou algumas categorias que foram agrupadas em três eixos temáticos: a individualidade e a conjugalidade, a avaliação da própria relação e da cerimônia de casamento; e a relação com a família de origem. Os resultados revelaram que há uma tendência à polarização e à estabilidade no que se refere à administração da individualidade e da conjugalidade e à relação com as famílias de origem Para estes temas, não se constatou diferença entre os casais coabitantes e os não coabitantes. No que se referiu à avaliação da própria relação e à cerimônia de casamento, perceberam-se algumas diferenças entre os coabitantes e os não coabitantes: os casais coabitantes mencionaram que a coabitação auxiliou a preparação para o casamento e relacionaram o mesmo à aprovação social e familiar e à potencial transição para a parentalidade. Nos casais não coabitantes, houve uma modificação, em termos longitudinais, nos conceitos acerca de um bom e de um mau casamento, à medida que vivenciavam, pela primeira vez, o casamento. Os achados deste estudo corroboram o entendimento de que há um ciclo de vida da família e do casal, que se coadunam ao entendimento sistêmico de tendência à homeostase e à transformação, sendo importante identificar como cada casal se situa nesta etapa de transição do ciclo de vida. Discute-se ainda a coabitação como possível estágio da relação conjugal e do ciclo de vida dos casais.
3

Relações entre os scripts de apego individuais e compartilhados em casais com um filho com autismo

Semensato, Márcia Rejane January 2009 (has links)
Esse estudo investigou as relações entre o apego individual e o apego compartilhado em três casais cujo filho apresenta autismo. O script de apego individual foi avaliado através do Attachment Script Assessment e o apego de casais através de uma entrevista semi-estruturada. A análise dos instrumentos foi realizada de forma independente. Os principais resultados mostraram que em casais com um ou ambos com acesso ao script de apego seguro, a relação como parceiros parentais estava mais preservada. A relação conjugal, no entanto, estava afetada na vida de todos os casais. A diferença foi que em casais com script de apego mais seguro, apesar dos conflitos na vida conjugal, havia expectativas e perspectivas com o casal trabalhando para atingir essa meta. Os casais com um ou ambos com acesso ao script de apego seguro individual também foram os que apresentaram um maior número de indicadores de apego compartilhado em sua relação.
4

A transição para o casamento

Menezes, Clarissa Corrêa January 2006 (has links)
O presente estudo teve como objetivo analisar como os casais coabitantes e os não coabitantes passam pela transição para o casamento, desde o semestre anterior, até o final do primeiro ano após o casamento. Participaram quatro casais adultos, residentes em Porto Alegre, com idades entre 25 e 32 anos, sendo que dois eram coabitantes e dois não coabitantes antes do casamento. Trata-se de uma pesquisa com delineamento de estudo de caso coletivo que abrangeu, para cada caso, quatro etapas: o último semestre antes do casamento e o primeiro, o sexto e o décimo segundo mês de casamento. As entrevistas com os participantes foram analisadas através de análise de conteúdo qualitativa, a qual gerou algumas categorias que foram agrupadas em três eixos temáticos: a individualidade e a conjugalidade, a avaliação da própria relação e da cerimônia de casamento; e a relação com a família de origem. Os resultados revelaram que há uma tendência à polarização e à estabilidade no que se refere à administração da individualidade e da conjugalidade e à relação com as famílias de origem Para estes temas, não se constatou diferença entre os casais coabitantes e os não coabitantes. No que se referiu à avaliação da própria relação e à cerimônia de casamento, perceberam-se algumas diferenças entre os coabitantes e os não coabitantes: os casais coabitantes mencionaram que a coabitação auxiliou a preparação para o casamento e relacionaram o mesmo à aprovação social e familiar e à potencial transição para a parentalidade. Nos casais não coabitantes, houve uma modificação, em termos longitudinais, nos conceitos acerca de um bom e de um mau casamento, à medida que vivenciavam, pela primeira vez, o casamento. Os achados deste estudo corroboram o entendimento de que há um ciclo de vida da família e do casal, que se coadunam ao entendimento sistêmico de tendência à homeostase e à transformação, sendo importante identificar como cada casal se situa nesta etapa de transição do ciclo de vida. Discute-se ainda a coabitação como possível estágio da relação conjugal e do ciclo de vida dos casais.
5

Relações entre os scripts de apego individuais e compartilhados em casais com um filho com autismo

Semensato, Márcia Rejane January 2009 (has links)
Esse estudo investigou as relações entre o apego individual e o apego compartilhado em três casais cujo filho apresenta autismo. O script de apego individual foi avaliado através do Attachment Script Assessment e o apego de casais através de uma entrevista semi-estruturada. A análise dos instrumentos foi realizada de forma independente. Os principais resultados mostraram que em casais com um ou ambos com acesso ao script de apego seguro, a relação como parceiros parentais estava mais preservada. A relação conjugal, no entanto, estava afetada na vida de todos os casais. A diferença foi que em casais com script de apego mais seguro, apesar dos conflitos na vida conjugal, havia expectativas e perspectivas com o casal trabalhando para atingir essa meta. Os casais com um ou ambos com acesso ao script de apego seguro individual também foram os que apresentaram um maior número de indicadores de apego compartilhado em sua relação.
6

A transição para o casamento

Menezes, Clarissa Corrêa January 2006 (has links)
O presente estudo teve como objetivo analisar como os casais coabitantes e os não coabitantes passam pela transição para o casamento, desde o semestre anterior, até o final do primeiro ano após o casamento. Participaram quatro casais adultos, residentes em Porto Alegre, com idades entre 25 e 32 anos, sendo que dois eram coabitantes e dois não coabitantes antes do casamento. Trata-se de uma pesquisa com delineamento de estudo de caso coletivo que abrangeu, para cada caso, quatro etapas: o último semestre antes do casamento e o primeiro, o sexto e o décimo segundo mês de casamento. As entrevistas com os participantes foram analisadas através de análise de conteúdo qualitativa, a qual gerou algumas categorias que foram agrupadas em três eixos temáticos: a individualidade e a conjugalidade, a avaliação da própria relação e da cerimônia de casamento; e a relação com a família de origem. Os resultados revelaram que há uma tendência à polarização e à estabilidade no que se refere à administração da individualidade e da conjugalidade e à relação com as famílias de origem Para estes temas, não se constatou diferença entre os casais coabitantes e os não coabitantes. No que se referiu à avaliação da própria relação e à cerimônia de casamento, perceberam-se algumas diferenças entre os coabitantes e os não coabitantes: os casais coabitantes mencionaram que a coabitação auxiliou a preparação para o casamento e relacionaram o mesmo à aprovação social e familiar e à potencial transição para a parentalidade. Nos casais não coabitantes, houve uma modificação, em termos longitudinais, nos conceitos acerca de um bom e de um mau casamento, à medida que vivenciavam, pela primeira vez, o casamento. Os achados deste estudo corroboram o entendimento de que há um ciclo de vida da família e do casal, que se coadunam ao entendimento sistêmico de tendência à homeostase e à transformação, sendo importante identificar como cada casal se situa nesta etapa de transição do ciclo de vida. Discute-se ainda a coabitação como possível estágio da relação conjugal e do ciclo de vida dos casais.
7

Tornar-se mulher : a experiência vivida na conjugalidade contemporânea sob uma perspectiva fenomenológico-existencial / Becoming a Woman: The Lived Experience in the Contemporary Conjugality under a Phenomenological-Existential Perspective (Inglês)

Benevides, Rafaelle Fernanda Costa 30 April 2018 (has links)
Made available in DSpace on 2019-03-30T00:31:35Z (GMT). No. of bitstreams: 0 Previous issue date: 2018-04-30 / This investigation started from the questioning about the experience lived of women in contemporary conjugality and in the exercise of motherhood, aiming to understand how they experience the current roles they assume in these relationships and which directions they assign to these experiences. From a phenomenological-existential perspective based on concepts bequeathed by the philosopher Jean-Paul Sartre and of the invaluable contributions of Simone de Beauvoir's studies on the situation of the woman, it was possible to understand how the being-project of the collaborators of this study, middle-class women, married and with children, living in Fortaleza, Ceará, occurs. It was through concepts such as freedom, situation and being-project that this study carried out an analysis on the praxis of women who, through their choices, reinforce and at the same time offer resistance to the roles assigned to them, denoting the anguish expressed by ambiguity which marks their discourses on the maternal role, the difficulty of domestic and professional responsibilities, and the personal satisfaction that the exercise of all these roles end up giving them. The method used for data collection was the open interview with the trigger question "what is it like to be a woman? ", which establishes the focus of the research on the experience lived by the collaborators. For the analysis of the results it was used the Progressive-Regressive method (Sartre, 1978). Social aspects were considered such as economic class and local culture that permeate these experiences and, from a regressive analysis and a gradual synthesis of the data obtained, it was possible to understand how these factors influenced women's choices towards their projects. The interviews were conducted individually with ten middle-class women, married, having children and engaged in some paid activity. What this research revealed is how women experience marital experience today and how the responsibilities of the roles they play in the family change their lives. Maternity, among all the experiences cited, appears as the most transformative, deeply modifying the body, the time and the quality of life of these women. Rivalry between women appears to be a concern, while mutual support between women appears as a current need for them to be able to account for the responsibilities arising from the roles they have assumed. Female empowerment and feminism emerge as still vague and superficial discussions that do not seem to influence their praxis but are presented to them as questions that make them reflect on their current situations. In contrast, the naturalizing discourse is still adopted by them and directly influences how they perform their daily activities and how they understand their responsibilities and their spouses in the family relationship and in the distribution of domestic obligations. In sum, the results show that, even with formal education and financial independence of women, the feminine roles in conjugality have undergone few modifications with respect to the accumulation of responsibilities that fall on them. The belief in a supposed feminine nature permeates the experience lived by these women in the motherhood, in the conjugal relation and in the market, indicating that there are still several obstacles to solving the social problems through these women's history of life. Keywords: woman, being-project, contemporary conjugality, existential phenomenology. / Esta investigação partiu do questionamento da experiência vivida de mulheres na conjugalidade contemporânea e no exercício da maternidade, tendo como objetivo compreender como elas experienciam os atuais papéis que assumem nessas relações e quais os sentidos que atribuem a essas vivências. A partir de uma perspectiva fenomenológicoexistencial baseada em conceitos legados pelo filósofo Jean-Paul Sartre, e das inestimáveis contribuições advindas dos estudos de Simone de Beauvoir sobre a situação da mulher, foi possível compreender como se desenvolve o projeto de ser das colaboradoras deste estudo, mulheres de classe média, casadas e com filhos, residentes em Fortaleza, Ceará. Foi através de conceitos como liberdade, situação e projeto de ser, que este estudo realizou uma análise sobre as práxis de mulheres que, mediante suas escolhas, reforçam e ao mesmo tempo oferecem resistência aos papéis a elas atribuídos, denotando a angústia expressa pela ambiguidade que marca seus discursos sobre o papel materno, sobre a dificuldade das responsabilidades domésticas e profissionais, e sobre a satisfação pessoal que o exercício de todos esses papéis acaba proporcionando a elas. O método utilizado para a coleta de dados foi a entrevista aberta com a pergunta disparadora ¿como é ser mulher?¿, que estabelece o foco da investigação sobre a experiência vivida das colaboradoras. Para a análise dos resultados foi utilizado o método Progressivo-Regressivo (Sartre, 1978). Foram considerados os aspectos sociais como a classe econômica e a cultura local que perpassam essas experiências e, a partir de uma análise regressiva e de uma síntese progressiva dos dados obtidos, foi possível compreender como esses fatores influenciaram as escolhas das mulheres em direção aos seus projetos de ser. As entrevistas foram realizadas individualmente com dez mulheres de classe média, casadas, que têm filhos e que realizam alguma atividade remunerada. Esta pesquisa revelou como as mulheres vivenciam a experiência conjugal na atualidade e como as responsabilidades dos papéis por elas assumidos na família modificam suas vidas. A maternidade, entre todas as experiências citadas, aparece como a mais transformadora, modificando profundamente o corpo, o tempo e a qualidade de vida dessas mulheres. A rivalidade entre mulheres aparece como preocupação, ao passo que o apoio mútuo entre mulheres aparece como necessidade atual para que consigam dar conta das responsabilidades decorrentes dos papéis que assumiram. O empoderamento feminino e o feminismo emergem como discussões ainda vagas e superficiais, que não parecem influenciar suas práxis, porém se apresentam para elas como questões que as fazem refletir sobre suas situações atuais. Em contraposição, o discurso naturalizante ainda é adotado por elas e influencia diretamente na forma como realizam suas atividades diárias e como compreendem suas responsabilidades e as de seus cônjuges na relação familiar e na distribuição das obrigações domésticas. Em suma, os resultados mostram que, mesmo com a instrução formal e a independência financeira das mulheres, os papéis femininos na conjugalidade têm sofrido poucas modificações com relação ao acúmulo de responsabilidades que recaem sobre elas. A crença em uma suposta natureza feminina perpassa a experiência vivida dessas mulheres na maternidade, na relação conjugal e no mercado de trabalho, indicando que ainda há diversos obstáculos à resolução dos problemas sociais que atravessam a história de vida dessas mulheres. Palavras-chave: mulher, projeto de ser, conjugalidade contemporânea, fenomenologia existencial.
8

Viver no feminino : entre a família e o trabalho : em dois mundos sociais diferentes

Oliveira, Paula Cristina Lima Alves January 2005 (has links)
A actual paisagem social portuguesa mostra uma dupla marca de modernidade e de tradição. Enquanto indicadores demográficos como os de nupcialidade, de divorcialidade ou de natalidade parecem mostrar-nos uma sociedade tradicional, as taxas de atividade feminina e os níveis de escolaridade das mulheres mais jovens exibem traços de modernidade. A mulher portuguesa continua, assim, a valorizar a componente familiar, casando e tendo filhos, sem deixar de investir na sua actividade profissional. Embora existam algumas variações regionais, muitas das suas congéneres europeias casam menos e trabalham menos tempo. Esta dissertação de mestrado aborda a relação da mulher com estas duas dimensões fundamentais da sua vida: a família e o trabalho. Partindo dos discursos das mulheres de dois mundos sociais diferentes que, falando na primeira pessoa, revelam as suas práticas, subjectividades e atitudes, explora-se a tese de que embora se esteja na presença de formas diferentes de viver, consoante o volume de capitais das mulheres em questão, existe uma tendência central, um fio condutor que mostra como a identidade fefeminina se constrói na sua relação com a família e o trabalho.
9

Família, trabalho e relações conjugais : perspectivas de dominação e de igualdade no feminino e no masculino

Patel, Maria Joana Vinagre Marques da Silva January 2005 (has links)
A família mantém-se a célula do indivíduo, onde este cresce e aprende a viver em sociedade. O trabalho é sinónimo de sobrevivência para os indivíduos. Entre as várias modalidades que coexistem nos dias de hoje, o trabalho assalariado é aprincipal fonte de rendimentos para metade dos portugueses. As relações conjugais são um espaço de intensas trocas afectivas que interferem com os indicadores de natalidade e com estabilidade emocional de cada indivíduo. Se é precsio aumentar o investimento profissional, como se organizam as famílias? Como é que são feitas as escolhas individuais e em que medida é que estas interferem no equilíbrio familiar? Porque é que a redistribuição de tarefas familiares é um assunto tabu, em que ninguém quer mexer? serve os interesses de quem? Os indivíduos têm consciência das desigualdades? Se têm, porque as mantêm? Par5a aprofundar estas questões efectuam-se entrevistas a alguns casais profissionalmente activos e com filhos. A partir de estudos de caso definem-se relações conjugais que se podem estabelecer em termos de dominação ou de igualdade.
10

Os relacionamentos conjugais entre pessoas do mesmo sexo e as dinâmicas relacionais nas dimensões afetivas e legal

Silva Neto, João Alves da January 2012 (has links)
Made available in DSpace on 2013-08-07T19:08:20Z (GMT). No. of bitstreams: 1 000449808-Texto+Completo-0.pdf: 1196958 bytes, checksum: 3bb669a6882b58b02b4236ba29c0dbf1 (MD5) Previous issue date: 2012 / Same-sex conjugal relationships are factual in the Brazilian society, however, such couples live the impossibility of access to marriage. The non-acquisition of rights by the LGBTT (lesbian, gay, bisexual, transvestite and transgender) reinforces the subaltern position of these individuals and the logics of gender policy. Due to these factors, the conjugal relation of these couples imply more difficulties to acquire the objectives of relational satisfaction, since it falls into the matters of punitive, exculpatory, and discriminating states, tolerance fomenters, disrespect and inequality inciters. Considering the importance of knowledge development about minority groups for the social development, this research aims at knowing what couples in a conjugal relationship with a same-sex person think about conjugality and how they describe their relationships, in the affective and legal dimensions, as well as the implications of these variables between themselves and in the quality of the conjugal relation. In order to understand this phenomenon, the Queer Theory was used in the analyses. At that, this thesis was organized into four sections. In the first section there is the theoretical discussion of the interaction among the politics, social processes and the constitution of the individual and its relations.Two factors were used: (1) the process of formation and meaning of the individual and social identity and citizenship; and (2) the relational, social and legal aspects of the institution of marriage. Subsequently, in the second section, through a thematic essay, there is an attempt to prove the thesis that the affective and sexual relationships between people of the same sex can and need to be considered as conjugality, for they are factual and they associate with the human rights of LGBTT population. It is also argued that the focus in the study designs on conjugality must start from the relationship, instead of primarily or compulsively from sexuality. The third section presents the study developed from the qualitative exploratory-descriptive approach, through documentary analysis, that had as objective to know the characteristics of blogs and the contents of the communications published in the context of the blogosphere about the subject of the affective and love of long term duration relationships between gays and between lesbians, including the experiences and the opinions on the subject. 24 blogs had been selected, and the data referring to the classification of blogs, to the framing of the content of the messages, as well as of the content of the interactivity had been analyzed through the Bardin’s Content Analysis proposal.The last section contains the second study of this thesis, aimed at knowing the conjugal relationships between same-sex people in its depth, describing the experiences of these couples, through interviews with couples formed of same sex-people . A qualitative study was developed, with exploratory and descriptive study design, through in-depth interviews with six couples, which had been chosen by the convenience criterion. For the collection of the data the interview narratives were used, and the methodology of the speech analysis was used for interpretation. As for analysis technique the Method of the Explicitation of the Underlying Speech was used. / Os relacionamentos conjugais entre pessoas do mesmo sexo são fáticos na sociedade brasileira, no entanto tais casais vivem a impossibilidade de acesso ao casamento. A não aquisição de direitos pela população LGBTT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais) reforça o posicionamento de subalternidade desses indivíduos e a lógica da sexopolítica. Em decorrência desses fatores, a relação conjugal desses casais é implicada em mais dificuldades para adquirir os objetivos de satisfação relacional, pois se encontra na seara dos estados punitivos, excludentes, discriminadores, fomentadores da intolerância, estimuladores do desrespeito e da desigualdade. Considerando a importância do desenvolvimento de conhecimento sobre os grupos minoritários para o desenvolvimento social, buscamos nesta pesquisa conhecer o que os casais em relacionamento conjugal com pessoa do mesmo sexo pensam sobre conjugalidade e como descrevem seus relacionamentos, nas dimensões afetiva e legal, assim como as implicações dessas variáveis entre si e na qualidade da relação conjugal. Para a compreensão desse fenômeno utilizamos a Teoria Queer em nossas análises. Frente a isso, organizamos esta tese em quatro seções. Na primeira discutimos teoricamente a interação entre a política, processos sociais e constituição do indivíduo e suas relações.Para isso utilizamos dois fatores: (1) o processo de formação e significação individual e social da identidade e da cidadania; e (2) os aspectos relacionais, sociais e legais da instituição do casamento. Em seguida, na segunda seção, buscamos comprovar, através de um ensaio temático, a tese que os relacionamentos afetivos e sexuais entre pessoas do mesmo sexo podem e precisam ser considerados conjugalidade, pois são fáticos e se associam com os direitos humanos da população LGBTT. Também discutimos que o foco no delineamento dos estudos sobre conjugalidade deve partir da relação, não prioritariamente e compulsoriamente da sexualidade. A terceira seção apresenta o estudo desenvolvido a partir do enfoque qualitativo, exploratório-descritivo através de análise documental, que teve como objetivo conhecer as características dos blogs e os conteúdos das comunicações publicadas no contexto da blogosfera sobre o tema dos relacionamentos afetivos e amorosos de longa duração entre gays e entre lésbicas, incluindo as vivências e as opiniões sobre o tema.Foram selecionados 24 blogs, e analisados os dados referentes à classificação dos blogs, ao enquadramento do conteúdo das mensagens, assim como do conteúdo da interatividade, através da Análise de Conteúdo proposta por Bardin. A última seção contém o segundo estudo desta tese que teve como objetivo conhecer os relacionamentos conjugais entre pessoas do mesmo sexo na sua profundidade, descrevendo as vivências desses casais, através de entrevistas com casais formados por pessoas do mesmo sexo. Desenvolvemos um estudo qualitativo, com delineamento do tipo exploratório e descritivo, através de entrevistas em profundidade com seis casais, os quais foram escolhidos pelo critério de conveniência. Para a coleta dos dados utilizamos a entrevista narrativa, e na interpretação utilizamos a metodologia da análise de discurso. Como técnica de análise empregamos o Método da Explicitação do Discurso Subjacente.

Page generated in 0.0306 seconds