• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 97
  • 4
  • Tagged with
  • 103
  • 103
  • 103
  • 50
  • 23
  • 23
  • 16
  • 15
  • 15
  • 15
  • 15
  • 14
  • 12
  • 12
  • 11
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
41

Inflação, politica salarial e relações do trabalho no Brasil

Conzatti, Cacilda Carneiro January 1989 (has links)
Submitted by Marcia Bacha (marcia.bacha@fgv.br) on 2011-05-13T13:25:19Z No. of bitstreams: 1 000052256.pdf: 4299723 bytes, checksum: 840529a736184c507ab1403f37da8f90 (MD5) / Approved for entry into archive by Marcia Bacha(marcia.bacha@fgv.br) on 2011-05-13T13:25:33Z (GMT) No. of bitstreams: 1 000052256.pdf: 4299723 bytes, checksum: 840529a736184c507ab1403f37da8f90 (MD5) / Approved for entry into archive by Marcia Bacha(marcia.bacha@fgv.br) on 2011-05-13T13:25:38Z (GMT) No. of bitstreams: 1 000052256.pdf: 4299723 bytes, checksum: 840529a736184c507ab1403f37da8f90 (MD5) / Made available in DSpace on 2011-05-13T13:25:45Z (GMT). No. of bitstreams: 1 000052256.pdf: 4299723 bytes, checksum: 840529a736184c507ab1403f37da8f90 (MD5) Previous issue date: 1989 / Políticas governamentais frente ao fenômeno inflacionário e seus reflexos nas relações de trabalho durante o processo de desenvolvimento brasileiro. Destacam-se os aspectos mais relevantes do comportamento da inflação e das relações de trabalho no Brasil, ate 1988. Abordam-se os instrumentos de políticas governamentais adotadas para conter inflação em diferentes momentos do processo evolutivo da economia brasileira, especialmente, as politicas salariais e consequentes efeitos sobre as relações de trabalho.
42

A estrutura a termo da taxa de juros no Brasil: testando relações de codependência de ordem zero

Stoppini, Gabriel Magalhães 18 August 2011 (has links)
Submitted by Gabriel Magalhães Stoppini (gmstoppini@gmail.com) on 2011-09-07T14:38:04Z No. of bitstreams: 1 Dissertaçao - Final.pdf: 276585 bytes, checksum: d248aa86183a33ff8f02f9f6be359082 (MD5) / Approved for entry into archive by Gisele Isaura Hannickel (gisele.hannickel@fgv.br) on 2011-09-08T12:45:24Z (GMT) No. of bitstreams: 1 Dissertaçao - Final.pdf: 276585 bytes, checksum: d248aa86183a33ff8f02f9f6be359082 (MD5) / Approved for entry into archive by Gisele Isaura Hannickel (gisele.hannickel@fgv.br) on 2011-09-08T12:47:58Z (GMT) No. of bitstreams: 1 Dissertaçao - Final.pdf: 276585 bytes, checksum: d248aa86183a33ff8f02f9f6be359082 (MD5) / Made available in DSpace on 2011-09-08T12:48:29Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Dissertaçao - Final.pdf: 276585 bytes, checksum: d248aa86183a33ff8f02f9f6be359082 (MD5) Previous issue date: 2011-08-18 / This paper tests for zero order codependence of spreads derived from the Brazilian term structure of interest rate. The goal is to analyze the existence of linear combinations of the spreads that result in a contemporaneous white noise process. Those linear combinations could be used for future interest rate forecasting given that departures from those stable relationships would imply future movement of interest rates in order to restore equilibrium. The Nelson and Siegel (1987) model is used as theoretical background for the empirical tests. Testing for zero order codependence implies analyzing assumptions on model’s parameters regarding the Brazilian term structure of interest rate. The evidences derived from empirical tests suggest the rejection of the zero order codependence hypothesis and, therefore, the absence of linear combinations above mentioned. This finding can be related to instability periods found in the sample or the presence of codependence of order higher than zero. / Este trabalho testa a existência de relações de codependência de ordem zero em spreads formados a partir da estrutura a termo da taxa de juros no Brasil. O objetivo é verificar se existem combinações lineares dos spreads que geram um processo ruído branco contemporâneo. Essas combinações lineares poderiam ser utilizadas para a previsão de taxas de juros futuras dado que desvios destas relações estáveis implicariam em um movimento futuro das taxas de juros no sentido de restabelecer o equilíbrio. O modelo de Nelson e Siegel (1987) serve de base teórica para os testes empíricos. Ao verificar a hipótese de codependência de ordem zero é possível também analisar premissas quanto aos parâmetros do modelo em relação à estrutura a termo da taxa de juros no Brasil. As evidências obtidas a partir dos resultados empíricos apontam na rejeição da hipótese de codependência de ordem zero e, consequentemente, na impossibilidade de definir as combinações lineares mencionadas. Esta constatação pode estar relacionada aos períodos de instabilidade presentes na amostra ou na existência de codependência de ordem superior a zero.
43

Política monetária e instabilidade financeira: uma análise para o regime de metas de inflação no Brasil / Monetary policy and financial instability: an analysis for the inflation targeting regime in Brazil

Ferreira, Douglas Marcos 26 August 2015 (has links)
Submitted by Marco Antônio de Ramos Chagas (mchagas@ufv.br) on 2016-04-20T09:51:49Z No. of bitstreams: 1 texto completo.pdf: 895860 bytes, checksum: 49bb29b448d3d618a715588e73e77b5c (MD5) / Made available in DSpace on 2016-04-20T09:51:49Z (GMT). No. of bitstreams: 1 texto completo.pdf: 895860 bytes, checksum: 49bb29b448d3d618a715588e73e77b5c (MD5) Previous issue date: 2015-08-26 / Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico / A intensificação dos processos de globalização financeira e liberalização dos mercados de capitais trouxeram novos desafios para os bancos centrais do mundo. Assim, a crise financeira internacional, iniciada em 2007, reabriu a necessidade de explorar a relação entre o setor financeiro e a política monetária, ao colocar em debate o envolvimento dos bancos centrais em garantir a estabilidade de preços e a estabilidade financeira. Inserido nesse contexto de maior preocupação em resguardar a estabilidade financeira, torna-se relevante investigar se o Banco Central do Brasil reagiu às instabilidades financeiras que atingiram a economia ao longo do regime de metas para inflação e qual a intensidade dessa reação caso ela tenha ocorrido. Dessa forma, este trabalho teve por objetivo analisar qual o padrão de resposta do Banco Central do Brasil diante dos episódios de instabilidades financeiras que incidiram sobre a economia do país. Especificamente, buscou-se identificar e caracterizar os cenários de estresses financeiros que afetaram a economia brasileira durante o regime de metas para inflação, bem como mensurar os impactos dessas instabilidades financeiras sobre a taxa de juros básica da economia. Para atender ao primeiro objetivo, o trabalho introduziu uma estimativa ordinal dos estresses financeiros sob a forma de um índice, o Índice de Estresse Financeiro (I.F.S.), que teve como base seis variáveis do mercado financeiro relacionadas aos setores bancário, acionário, de dívida e cambial. O I.F.S. teve bom desempenho na identificação de episódios amplamente reconhecidos de estresse financeiro na economia brasileira ao longo do regime de metas. Foram identificados 20 episódios ao longo do período analisado, e as instabilidades nos setores cambial e acionário potencializaram os principais episódios de estresses que atingiram a economia brasileira. A fim de analisar e quantificar a resposta da política monetária, via alterações na taxa Selic, diante dos estresses financeiros, estimou-se a função de reação do Banco Central com parâmetros variantes no tempo, a partir do filtro de Kalman. A análise empírica proposta neste trabalho permitiu não só quantificar o efeito dos estresses financeiros sobre a taxa de juros, como também indicar os períodos em que tais episódios foram mais preocupantes para a autoridade monetária brasileira. Os resultados indicaram que o Banco Central do Brasil elevou a taxa de juros básica da economia diante dos principais cenários financeiramente instáveis, porém a magnitude dessas reações foi heterogênea. A magnitude dos efeitos do estresse financeiro, decorrente da crise do subprime, sobre a taxa Selic foi a maior verificada ao longo do regime de metas. A instabilidade financeira durante o período de sucessão eleitoral, no segundo semestre de 2002, também foi levada em consideração na condução da política monetária brasileira. Em relação aos demais períodos analisados, nos quais o nível de estresse foi mais moderado, os impactos dos estresses financeiros não foram significativos sobre a taxa Selic. Dessa forma, os resultados revelaram o comportamento ativo do Banco Central diante dos principais episódios de estresse financeiro ao longo do regime de metas no Brasil, além de evidenciarem que as questões envolvendo estabilidade financeira foram consideradas na condução da política monetária. / The intensification of the financial globalization process and the liberalization of capital markets have brought new challenges to central banks around the world. Thus, the international financial crisis, which initiated in 2007, reopened the necessity to explore the relationship between the financial sector and the monetary policy by putting in debate the involvement of central banks in ensuring price stability and financial stability. Inserted in this context, of a major concern to safeguard the financial stability, it is relevant to investigate whether Brazil’s Central Bank acted against the financial instabilities in the economy during the inflation targeting regime and how active these reactions might have been. Hence, this paper aims to analyze what role, in terms of response pattern, Brazil’s Central Bank performed before the financial stabilities episodes that were present in the country’s economy. Specifically, we sought to identify and characterize the financial stress scenarios which affected the Brazilian economy during the inflation targeting regime, and also measure the financial instability impacts on the basic interest rate of the economy. To meet the first objective, the study introduced an ordinal estimate of the financial stresses in the form of an index, the Financial Stress Index (FSI), based on six variables of the financial market related to banking, stock, debt and exchange sectors. The FSI had good performance in identifying the financial stress episodes largely recognized in the Brazilian economy throughout the inflation targeting regime. We identified twenty episodes in the analyzed period and the instabilities of the stock and exchange sectors inflamed the main episodes of stresses in the Brazilian economy. To analyze and quantify the response of the monetary policy, via changes in the Selic rate, in regards to the financial stresses, we estimated the Central Bank’s reaction function with time-variant parameters using the Kalman filter. The empirical analysis of this study not only allowed us to quantify the financial stress effect on the interest rate, but also to elucidate periods when these episodes were most alarming for the Brazilian monetary authority. The results indicated that Brazil’s Central Bank raised the basic interest rate of the economy to face the most unstable financial scenarios; however, the magnitudes of these reactions were heterogeneous. The magnitude of the financial stress due to the subprime crisis was the most significant throughout the inflation targeting regime. The financial instability during the presidential elections of 2002 was also reflected in the Brazilian monetary policy conduction. In relation to the other periods, in which the stress level was moderate, the financial stress impacts were not significant over the Selic rate. Thus, the results revealed an active behavior of the Central Bank when facing the most important episodes of financial stress during the inflation targeting regime in Brazil, and also we found evidence that the financial stability has influenced the conduction of the monetary policy.
44

Uma crítica pós-Keynesiana à meta de PIB nominal

Brazil, Hugo Leonardo Salgado 24 June 2015 (has links)
Submitted by Maykon Nascimento (maykon.albani@hotmail.com) on 2015-10-02T18:33:40Z No. of bitstreams: 2 license_rdf: 23148 bytes, checksum: 9da0b6dfac957114c6a7714714b86306 (MD5) Uma critica Pos Keynesiana a meta do PIB Nominal.pdf: 1179768 bytes, checksum: 12681cd060811666163b808607ffa4a8 (MD5) / Approved for entry into archive by Patricia Barros (patricia.barros@ufes.br) on 2015-10-15T15:46:41Z (GMT) No. of bitstreams: 2 license_rdf: 23148 bytes, checksum: 9da0b6dfac957114c6a7714714b86306 (MD5) Uma critica Pos Keynesiana a meta do PIB Nominal.pdf: 1179768 bytes, checksum: 12681cd060811666163b808607ffa4a8 (MD5) / Made available in DSpace on 2015-10-15T15:46:41Z (GMT). No. of bitstreams: 2 license_rdf: 23148 bytes, checksum: 9da0b6dfac957114c6a7714714b86306 (MD5) Uma critica Pos Keynesiana a meta do PIB Nominal.pdf: 1179768 bytes, checksum: 12681cd060811666163b808607ffa4a8 (MD5) Previous issue date: 2015 / CAPES / O mainstream de política monetária estimula o uso de regras de política econômica a fim de evitar problemas de inconsistência temporal e garantir controle inflacionário. Ao longo da história, diversos tipos de regimes monetários foram implementados, como nos casos da Meta de Taxa de Câmbio e Metas Monetárias. Atualmente, países dentre os quais, Nova Zelândia, Brasil, Espanha, Reino Unido, Canadá, Suécia utilizam o Regime de Metas de Inflação, que consiste em assegurar uma taxa de inflação definida pela autoridade monetária alcançada por meio de um instrumento de política, no caso, a taxa de juros nominal de curto prazo. A quebra do banco Lehman Brothers e da seguradora AIG em setembro de 2008 desencadeou uma profunda crise financeira em escala mundial com queda brusca da atividade econômica, principalmente em países da Europa e nos EUA. Diante deste cenário, grande parte dos Bancos Centrais entrou, seguindo o receituário imposto pela teoria dominante, em um processo de redução da taxa de juros nominal. Contudo, quando o instrumento de política atingiu seu nível inferior, a atuação da política monetária se tornou limitada, fazendo as autoridades monetárias adotarem métodos não-convencionais para tentar alavancar a economia. Com as lições que a crise impôs à teoria dominante, uma crítica interna fez ressurgir (o tema é estudado desde o fim da década de 1970) a proposta de troca de regime monetário em favor da Meta de PIB Nominal. Autores mainstream como Krugman (2011), Romer (2011) e Frankel (2013) entre outros, encaram a mudança de regime como a melhor forma de conseguir recolocar a economia aos níveis anteriores à crise. Em relação à crítica externa, os pós-keynesianos fazem duras críticas à política monetária adotada pela Nova Síntese Macroeconômica, especialmente ao regime de Metas de Inflação. Entretanto, não há uma literatura que faça a crítica teórica à Meta de PIB Nominal. Com isso, o objetivo desta dissertação será fazer, no âmbito da teoria heterodoxa, críticas à Meta de PIB Nominal, partindo dos conceitos pós-keynesiano como não-neutralidade da moeda, o papel dos Bancos Centrais, a importância do efeito acelerador do investimento e a endogenia do produto potencial pelo lado da demanda. A crítica diz respeito ao uso do produto potencial determinado pelo lado da oferta, o que torna a Meta de PIB Nominal uma extensão da Meta de Inflação, a limitação de atuação do Banco Central em estimular o investimento e alterar capacidade produtiva da economia e a irreversibilidade do tempo em relação à “dependência histórica” proposta por um tipo de Meta de PIB Nominal. Caso o BC tenha características heterodoxas, a Meta de PIB Nominal pode garantir maiores ganhos com produto devido a sua maior flexibilidade, em especial no caso de choques de oferta. / The monetary policy mainstream encourages the use of rules of economic policy in order to avoid time inconsistency problems and ensure inflation control. Throughout history, various types of monetary regimes were implemented, as in the case of Exchange Rate Targeting and Monetary Targeting. Currently, countries among them, New Zealand, Spain, United Kingdom, Canada, Sweden use the Inflation Targeting, which is to ensure an inflation rate set by the monetary authority achieved through a policy instrument, in the case, short-term nominal interest rate. The fall of Lehman Brothers and AIG in September 2008 triggered a deep financial crisis worldwide with rapid drop in economic activity, especially in european countries and the USA. In this scenario, most central banks came following the prescriptions imposed by the dominant theory in a process of reducing nominal interest rate. However, when the policy instrument reached its zero lower bound, the monetary policy stance has become limited, making the monetary authorities adopt unconventional methods try to leverage the economy. With the lessons that the crisis imposed on dominant theory, an internal critique has resurrected (the subject is studied since the late 1970’s) the proposed monetary regime change in favor of Nominal GDP Targeting. Mainstream authors such as Krugman (2011), Romer (2011) and Frankel (2013) among others, regard regime change as the best way to get the economy to replace pre-crisis levels. With regard to external review, post-keynesians do several criticism of the monetary policy adopted by the New Synthesis, especially Inflation Targeting. However, there is a literature that makes the theoretical critique of Nominal GDP Targeting. Thus, the aim of this work is provide, within the heterodox theory, theoretical criticism of Nominal GDP Targeting, starting from post-keynesian concepts such as non-neutrality of money, the role of central banks, the importance of investment and endogenous potential output on the demand side. The criticism concerns the use of potential output determined by the supply side, which makes the Nominal GDP an extension of Inflation Targeting, the Central Bank's actions limitation to stimulate investment and change productive capacity of the economy and the irreversibility of time compared to "historical dependence" proposed by a kind of Meta Nominal GDP. If Central Bank has unorthodox characteristics, Nominal GDP can ensure higher gains from product due to their greater flexibility, especially in the case of supply shocks.
45

Dívida pública, classes e democracia no Brasil pós-real / Public debt, classes and democracy in "post-real" Brazil / Dette publique, classes et démocratie au Brésil après-Real / Deuda pública, clases у democracia en el Brasil posreal

Bin, Daniel 06 1900 (has links)
Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Sociais, Departamento de Sociologia, 2010. / Submitted by Marília Freitas (marilia@bce.unb.br) on 2011-05-02T22:43:42Z No. of bitstreams: 1 2010_DanielBin.pdf: 2122301 bytes, checksum: 32fa7ba2c70e6a24c48acddfda399dad (MD5) / Approved for entry into archive by Luanna Maia(luanna@bce.unb.br) on 2011-05-24T12:14:39Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2010_DanielBin.pdf: 2122301 bytes, checksum: 32fa7ba2c70e6a24c48acddfda399dad (MD5) / Made available in DSpace on 2011-05-24T12:14:39Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2010_DanielBin.pdf: 2122301 bytes, checksum: 32fa7ba2c70e6a24c48acddfda399dad (MD5) / A tese versa sobre exploração de classe e democracia econômica no Brasil pós-real, tendo como objeto analítico a sua dívida pública. Partindo da conjuntura mundial de substituição da ideologia liberal keynesiana pela neoliberal monetarista, aborda fenômenos de crise e reconstrução capitalistas que conduziram à expansão financeira da economia brasileira. Essa expansão, simultânea não ao diminuído, mas modificado papel econômico do Estado, reproduziu-se no interior do seu aparato, que, sob o novo liberalismo, passou a ter na lógica financeira o referencial hegemônico de ação. Compressão de orçamentos vinculados a políticas de bem-estar, fundamentalismo antiinflacionário e responsabilidade fiscal seletiva são expressões concretas dessa lógica. Mais do que o caráter de classe do Estado, elas denotam um caráter de fração de classe, no caso, a financeira, o que se reforça pela exploração do trabalho alheio levada a cabo justamente pelo complexo distributivo dívida pública e sistema tributário. Como o Estado tem legitimidade para elevar a taxa de mais-valia agregada via tributação, tem também para elevá-la ainda mais no limite equivalente aos juros que entrega aos credores da dívida pública. Trata-se de um mecanismo não capitalista — acumulação primitiva — que serve à acumulação de capital. Na dimensão política, que não é estranha à econômica, a dívida pública é mais uma das instituições que reafirmam o capitalismo como antitético à democracia. Faz isso ao ampliar a desigualdade material, que reproduz a desigualdade política e restringe a real liberdade. Outra manifestação dessa democracia limitada é o insulamento seletivo das políticas econômicas, tanto em relação a classes (não) autorizadas a influenciá-las, quanto a temas (não) submetidos ao debate popular. Adicionem-se a omissão e a incapacidade do parlamento de lidar com a agenda macroeconômica, que é, então, controlada pelo aparato econômico do poder executivo sob desproporcional influência política da finança. Enfim, nos processos da dívida pública o Estado brasileiro revela seus caracteres de classe e antidemocrático ao articular a ampliação da exploração do trabalho alheio via políticas fiscais e monetárias e ao restringir a participação popular nas decisões acerca dessas mesmas políticas. Aparentemente interditado, o caminho para desconcentrações de riqueza e de poder político, ou seja, em direção a algum tipo de socialismo democrático, pode ser aberto pela efetiva participação popular nas decisões econômicas, a começar por aquelas que passam pelas lutas de classes travadas em torno do orçamento estatal. _______________________________________________________________________________________ ABSTRACT / This dissertation addresses class exploitation and economic democracy in "post-real" Brazil focusing on the country's public debt as the analytical object. Against the background of the global switch from Keynesian liberal ideology to one of monetarist neohberalism, the study attempts to explain the phenomena of capitalist crisis and readjustment that have led to the expansion of financial activities in Brazil. This expansion, reflecting simultaneously the state's modified but undiminished economic role, has taken firm root in the state apparatus which, responding to the new liberalism, has adopted financial logic as its hegemonic springboard for action. Reduced welfare budgets, anti-inflationary fundamentalism and selective fiscal responsibility are, inter alia, concrete examples of the application of this logic. In addition to the class character of the state these factors denote a class fraction, in this case the financial one, which is reinforced by labor exploitation through the distributive apparatus comprising the tax system and public debt. Since the state possesses the legitimacy to raise the aggregate rate of surplus value through taxation it can also legitimately increase the rate to the upper limit of equivalent interest payments to public debt creditors. This is a noncapitalist— primitive accumulation—device for accumulating capital. In the political dimension, which cannot be separated from the economy dimension, public debt is one of the phenomena which highlights capitalism as antithetical to democracy by expanding material inequality, which in turn leads to political inequality and imposes strict limits on real freedom. A further expression of such restricted democracy is the selective insulation of economic policies from the classes which are (not) allowed the power to influence such policies and those policies which eschew subjects (not) open for public discussion. The legislative branch avoids and is incapable of addressing the macroeconomic agenda whose control is thus assumed by the executive branch economic apparatus, bowing to the disproportionate political influence exercised by financial sectors. In summary, given its approach to public debt management, the Brazilian state manifests its class and anti-democratic credentials by intensifying the exploitation of one's labor, both through its fiscal and monetary policies and through placing restrictions on popular participation in decision-making related to these policies. The apparently blocked pathway to decentralization of political power and wealth, which would signify movement towards some kind of democratic socialism, can be surpassed by enhanced effective popular participation in economic decision-making, commencing with the decisions resulting from class struggle on state budget. ________________________________________________________________________________________ RÉSUMÉ / La presente these a trait à l'exploitation de classe et à la démocratie économique au Brésil après-Real, avec sa dette publique pour objet d'analyse. Partant de la conjecture mondiale d'une idéologie néo-libérale monétariste qui se substitue à celle d'une idéologie libérale keynésienne, cet ouvrage aborde les phénomènes de la crise et de la reconstruction capitalistes qui ont conduit à 1'expansion fmancière de l'économie brésilienne. Cette expansion, simullanément au rôle économique de l'État — modifié, sans pour autant se voir réduit, s'est reproduite à l'intérieur même de son apparei! qui, sous le sceau du nouveau libéralisme, a adopté une logique financière comme référentiel hégémonique d'intervention. Les expressions concretes de celle-ci en som la compression des budgets lies aux politiques du bien-être, le fondamentalisme antiinflationniste et la responsabilité fiscale selective. Bien au-delà du caractère de classe de l'Etat, elles relèvent d'un caractère de fraction de classe, financière en l'occurrence, à laquelle s'ajoute I'exploitation du travail d'autrui, celle-ci précisément concrétisée par le complexe distributif de dette publique et système fiscal. Puisque l'État est en position legitime d'elever le taux de la plus-value qui s'est ajoutée grace à la fiscalité, i! peut l'elever encore davantage, jusqu'a la limite équivalant aux intérêts qu'il verse aux créanciers de la dette publique. Il s'agit là d'un mécanisme non-capitaliste — accumulation primitive — qui desert Taccumulation du capital. Sur le plan politique, qui n'est pas étranger au plan économique, la dette publique est l'une des institutions qui réaffirment l'aspect antithétique du capitalisme vis-à-vis de la democratic Ceci, parce qu'il amplifie l'inégalité matérielle, qui à son tour reproduit l'inégalité politique et limite la vraie liberte. Une autre expression de cette démocratie limitée est l'isolement sélectif des politiques économiques, aussi bien pour ce qui a trait aux classes (non-) autorisées à les influencer, que pour les thématiques qui (ne) participent (pas) au débat populaire. Il faut ajouter à cela l'omission et l'incapacité du parlement de faire face à un cahier de charges macro-économique qui passe alors à être controle par l'appareil économique du pouvoir exécutif, moyennant influence politique mal proportionnée de la finance. Et enfin, au sein des processus de dette publique, l'État brésilien révèle ses caractéres de classe et anti-démocratique : il met en ceuvre une extension de l'exploilation du travail d'autrui, au moyen de politiques fiscales et monétaires, et il limite la participation populaire aux décisions qui ont trait à ces mêmes politiques. Apparemment close, la voie qui permet de déconcentrer la richesse et le pouvoir politique, en d'autres mots, celle d'un certain socialisme démocratique, pourrait être inaugurée par une participation populaire effective aux decisions économiques, à commencer par celles qui ont trait aux luttes de classes qui se jouent autour du budget de l'État. ________________________________________________________________________________________ RESUMEN / La tesis versa sobre la explotación de clase у la democracia económica en el Brasil posreal (es decir, tras la introducción de su actual moneda), у adopta como objeto analítico su deuda pública. Partiendo de la coyuntura mundial de sustitución de la ideologia liberal keynesiana por la neoliberal monetarista, aborda fenómenos de crisis у reconstruccion capitalistas que condujeron a la expansión fmanciera de la economia brasilena. Dicha expansion, simultánea no al disminuido, sino al modificado papel económico del Estado, se reprodujo en el interior de su aparato, el cual, bajo el nuevo liberalismo, pasó a adoptar como referencia hegemónica de acción la lógica fmanciera. La compresión de los presupuestos vinculados a las políticas de bienestar, el fundamentalismo antiinflacionario у la responsabilidad fiscal selectiva son las expresiones concretas de esa lógica. Más que el carácter de clase del Estado, dichas expresiones denotan un carácter de fracción de clase, en este caso la fmanciera, lo cual se refuerza por la explotación del trabajo ajeno llevada a cabo precisamente por el complejo distributivo formado por la deuda pública у el sistema tributario. Como el Estado tiene legitimidad para elevar la tasa de plusvalía agregada vía tributación, también la tiene para elevar la todavia más en el limite equivalente a los intereses que entrega a los acreedores de la deuda pública. Se trata de un mecanismo no capitalista — acumulación primitiva— que sirve a la acumulación de capital. En la dimensión política, que no es extrana a la económica, la deuda pública es una más de las instituciones que reafirman el capitalismo como antitético a la democracia. Lo hace al ampliar la desigualdad material, que reproduce la desigualdad política у restringe la libertad real. Otra manifestación de esa democracia limitada es el aislamiento selectivo de las políticas económicas, tanto en cuanto a clases (no) autorizadas a influir en ellas, como a temas (no) sometidos al debate popular. A esto hay que sumarie la omisión у Ia incapacidad del Parlamento de ocuparse de la agenda macroeconómica, que pasa a ser controlada por el aparato económico del poder ejecutivo bajo la desproporcionada influencia de las finanzas. Por último, en los procesos de la deuda pública el Estado brasileno revela su carácter clasista у antidemocrático al articular la ampliación de la explotación del trabajo ajeno vía políticas fiscales у monetarias у al restringir la participación popular en las decisiones acerca de esas mismas políticas. Aparentemente bloqueado, el camino hacia la desconcentración de la riqueza у del poder político, es decir, en dirección a algún tipo de socialismo democrático, puede ser abierto por la efectiva participación popular en las decisiones económicas, empezando por las que pasan por las luchas de clases entabladas en torno al presupuesto estatal.
46

Dominância fiscal : uma investigação empírica sobre o caso brasileiro no período de 2003 a 2014

Hehr, Deyvid Alberto, 0000-0003-0417-7308 13 June 2017 (has links)
CAPES / A estabilização econômica dos anos de 1990 e a adoção do tripé econômico, a partir de 1999, marcam o fim de um capítulo delicado da história brasileira; a partir de então, era necessária a existência de certa sintonia de políticas monetária e fiscal para a manutenção do controle dos diversos indicadores econômicos. Contudo, com essa reciprocidade na política econômica, são incitadas discussões sobre a orientação do governo na hora de definir suas prioridades nesse campo: as variáveis fiscais são priorizadas e, por conseguinte, determinadas, forçando as monetárias a se ajustarem – ou o contrário? A resposta para esse questionamento leva à discussão sobre a dominância fiscal. Assim, esse trabalho visa verificar empiricamente, usando das modelagens econométricas VAR e estudo de eventos, se há dominância fiscal ou monetária na economia brasileira e se a eficácia da política monetária mudou na transição do governo Lula para o governo Dilma. O resultado foi inconclusivo para o governo Lula e indicou dominância fiscal no governo Dilma. Ainda verificou-se não haver modificação na eficácia da política monetária. / Economic stabilization, in the 1990s, and utilization of an economic tripod, after 1999, represents the end of a delicate chapter in Brazilian history. Ever since, it was necessary the existence of a certain agreement between monetary and fiscal politic, in order to maintain under control a variety of economic indicators. However, this reciprocity (in economic politic) starts discussions about the real government orientations when it comes to define its priority on this subject: are the fiscal variables priorized, and then, determined, forcing monetary variables to adjust themselves, or the opposite? The answer to these questions emerge from the fiscal dominance discussion. This paper intends to empiric verify, using econometric modeling VAR and event study, if there is fiscal dominance or monetary in Brazilian economy and whether the effectiveness of monetary politic has changed in the transition from Lula's government to the Dilma government. The result was inconclusive for the Lula government and indicated fiscal dominance in the Dilma government. There was still no change in the efficiency of the monetary politic.
47

A precariedade da administração monetaria em um pais periferico, sob as regras do padrão-ouro : Brasil, 1888-1900

Meneghetti, Carla Beni 02 September 2006 (has links)
Orientador: Frederico Mathias Mazzucchelli / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Economia / Made available in DSpace on 2018-08-06T02:13:11Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Meneghetti_CarlaBeni_M.pdf: 244700 bytes, checksum: 5e567e29575223e9039dd324d4cc993e (MD5) Previous issue date: 2006 / Mestrado / Historia Economica / Mestre em Desenvolvimento Econômico
48

Uma crítica pós-Keynesiana à meta de PIB nominal

Brazil, Hugo Leonardo Salgado 24 June 2015 (has links)
Submitted by Maykon Nascimento (maykon.albani@hotmail.com) on 2015-10-02T18:33:40Z No. of bitstreams: 2 license_rdf: 23148 bytes, checksum: 9da0b6dfac957114c6a7714714b86306 (MD5) Uma critica Pos Keynesiana a meta do PIB Nominal.pdf: 1179768 bytes, checksum: 12681cd060811666163b808607ffa4a8 (MD5) / Approved for entry into archive by Patricia Barros (patricia.barros@ufes.br) on 2015-10-15T15:46:41Z (GMT) No. of bitstreams: 2 license_rdf: 23148 bytes, checksum: 9da0b6dfac957114c6a7714714b86306 (MD5) Uma critica Pos Keynesiana a meta do PIB Nominal.pdf: 1179768 bytes, checksum: 12681cd060811666163b808607ffa4a8 (MD5) / Made available in DSpace on 2015-10-15T15:46:41Z (GMT). No. of bitstreams: 2 license_rdf: 23148 bytes, checksum: 9da0b6dfac957114c6a7714714b86306 (MD5) Uma critica Pos Keynesiana a meta do PIB Nominal.pdf: 1179768 bytes, checksum: 12681cd060811666163b808607ffa4a8 (MD5) Previous issue date: 2015 / CAPES / O mainstream de política monetária estimula o uso de regras de política econômica a fim de evitar problemas de inconsistência temporal e garantir controle inflacionário. Ao longo da história, diversos tipos de regimes monetários foram implementados, como nos casos da Meta de Taxa de Câmbio e Metas Monetárias. Atualmente, países dentre os quais, Nova Zelândia, Brasil, Espanha, Reino Unido, Canadá, Suécia utilizam o Regime de Metas de Inflação, que consiste em assegurar uma taxa de inflação definida pela autoridade monetária alcançada por meio de um instrumento de política, no caso, a taxa de juros nominal de curto prazo. A quebra do banco Lehman Brothers e da seguradora AIG em setembro de 2008 desencadeou uma profunda crise financeira em escala mundial com queda brusca da atividade econômica, principalmente em países da Europa e nos EUA. Diante deste cenário, grande parte dos Bancos Centrais entrou, seguindo o receituário imposto pela teoria dominante, em um processo de redução da taxa de juros nominal. Contudo, quando o instrumento de política atingiu seu nível inferior, a atuação da política monetária se tornou limitada, fazendo as autoridades monetárias adotarem métodos não-convencionais para tentar alavancar a economia. Com as lições que a crise impôs à teoria dominante, uma crítica interna fez ressurgir (o tema é estudado desde o fim da década de 1970) a proposta de troca de regime monetário em favor da Meta de PIB Nominal. Autores mainstream como Krugman (2011), Romer (2011) e Frankel (2013) entre outros, encaram a mudança de regime como a melhor forma de conseguir recolocar a economia aos níveis anteriores à crise. Em relação à crítica externa, os pós-keynesianos fazem duras críticas à política monetária adotada pela Nova Síntese Macroeconômica, especialmente ao regime de Metas de Inflação. Entretanto, não há uma literatura que faça a crítica teórica à Meta de PIB Nominal. Com isso, o objetivo desta dissertação será fazer, no âmbito da teoria heterodoxa, críticas à Meta de PIB Nominal, partindo dos conceitos pós-keynesiano como não-neutralidade da moeda, o papel dos Bancos Centrais, a importância do efeito acelerador do investimento e a endogenia do produto potencial pelo lado da demanda. A crítica diz respeito ao uso do produto potencial determinado pelo lado da oferta, o que torna a Meta de PIB Nominal uma extensão da Meta de Inflação, a limitação de atuação do Banco Central em estimular o investimento e alterar capacidade produtiva da economia e a irreversibilidade do tempo em relação à “dependência histórica” proposta por um tipo de Meta de PIB Nominal. Caso o BC tenha características heterodoxas, a Meta de PIB Nominal pode garantir maiores ganhos com produto devido a sua maior flexibilidade, em especial no caso de choques de oferta. / The monetary policy mainstream encourages the use of rules of economic policy in order to avoid time inconsistency problems and ensure inflation control. Throughout history, various types of monetary regimes were implemented, as in the case of Exchange Rate Targeting and Monetary Targeting. Currently, countries among them, New Zealand, Spain, United Kingdom, Canada, Sweden use the Inflation Targeting, which is to ensure an inflation rate set by the monetary authority achieved through a policy instrument, in the case, short-term nominal interest rate. The fall of Lehman Brothers and AIG in September 2008 triggered a deep financial crisis worldwide with rapid drop in economic activity, especially in european countries and the USA. In this scenario, most central banks came following the prescriptions imposed by the dominant theory in a process of reducing nominal interest rate. However, when the policy instrument reached its zero lower bound, the monetary policy stance has become limited, making the monetary authorities adopt unconventional methods try to leverage the economy. With the lessons that the crisis imposed on dominant theory, an internal critique has resurrected (the subject is studied since the late 1970’s) the proposed monetary regime change in favor of Nominal GDP Targeting. Mainstream authors such as Krugman (2011), Romer (2011) and Frankel (2013) among others, regard regime change as the best way to get the economy to replace pre-crisis levels. With regard to external review, post-keynesians do several criticism of the monetary policy adopted by the New Synthesis, especially Inflation Targeting. However, there is a literature that makes the theoretical critique of Nominal GDP Targeting. Thus, the aim of this work is provide, within the heterodox theory, theoretical criticism of Nominal GDP Targeting, starting from post-keynesian concepts such as non-neutrality of money, the role of central banks, the importance of investment and endogenous potential output on the demand side. The criticism concerns the use of potential output determined by the supply side, which makes the Nominal GDP an extension of Inflation Targeting, the Central Bank's actions limitation to stimulate investment and change productive capacity of the economy and the irreversibility of time compared to "historical dependence" proposed by a kind of Meta Nominal GDP. If Central Bank has unorthodox characteristics, Nominal GDP can ensure higher gains from product due to their greater flexibility, especially in the case of supply shocks.
49

Liberação economica e produtividade no Brasil dos anos 90 : impactos sobre o emprego

Manzano, Marcelo Prado Ferrari, 1968- 21 February 2000 (has links)
Orientador: Jorge Eduardo Levi Mattoso / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Economia / Made available in DSpace on 2018-07-28T17:11:38Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Manzano_MarceloPradoFerrari_M.pdf: 4428530 bytes, checksum: 675c22a2d086c40ac9e6b118093b2c18 (MD5) Previous issue date: 2000 / Mestrado / Mestre em Economia Social e do Trabalho
50

Restrição comercial ao crescimento economico no Brasil (1980-2000)

Ferreira, Simone Vilela 28 September 2000 (has links)
Orientador: Otaviano Canuto dos Santos Filho / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Economia / Made available in DSpace on 2018-07-28T18:53:54Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Ferreira_SimoneVilela_M.pdf: 7676058 bytes, checksum: 5fb33ddf56fe01f93727835d3cfac858 (MD5) Previous issue date: 2000 / Resumo: Esta dissertação tem como tema principal a abordagem da balança comercial como restrição ao crescimento econômico do país. Todos sabemos que a economia brasileira é de dificil inserção no mercado internacional, mas poucos sabem que temos um potencial enorme de capacidade de substituição de importação. Nos idos da década de 80, tínhamos um enorme superávit comercial, mas a economia continuava mesmo caminhando a passos pequenos, isso quer dizer, continuava a crescer pouco. Pouco significa de 3% a 4% do PRODUTO INTERNO BRUTO (PID). Para produzir superávits absolutamente sem precedente na balança comercial, o Brasil pagou um preço extremamente elevado, sob a forma de recessão, fortes pressões adicionais sobre a taxa de inflação, aumento do desemprego, redução dos salários e retração dos investimentos. A capacidade de gerar saldos comerciais indica, sem dúvida que a dimensão cambial do problema da transferência teria sido equacionada. Mas ainda na década de 80, questionava-se a durabilidade dos resultados comerciais e alguns economistas alertavam para a vulnerabilidade das contas externas brasileiras a uma situação internacional marcada por profunda instabilidade e incerteza. Os anos 90 chegaram cheios de mudanças, houve a abertura comercial, a valorização do real e então começamos a crescer a taxas mais consideráveis, em torno de 6%. Por outro lado, atingimos déficits na balança comercial insustentáveis. Este trabalho busca avaliar a evolução desses índices que permeiam o quanto o Brasil pode crescer sem incorrer em risco da tão famosa vulnerabilidade externa. É fato que não conseguimos crescer mais a índices tão grandes como na década de 70, contudo nosso potencial de crescimento é maior do que no início da década de 90. Certamente, se houvesse um crescimento da ordem de 10% nas exportações, o Brasil poderia apresentar taxa de crescimento do PID em torno de 7%. É fato que o Brasil ganhou mais liberdade com o processo de estabilização econômica deflagrado pelo Plano Real em meados de 1994, mas também é fato que esse processo custou um aumento da dívida equivalente a US$ 200 bilhões e continua dependente de capital externo. É exatamente assim que os investidores observam o país: em progresso, mas dependente do exterior, apesar da forte desvalorização de 1999 / Mestrado / Mestre em Ciências Econômicas

Page generated in 0.3034 seconds