• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 11
  • 1
  • Tagged with
  • 16
  • 16
  • 16
  • 4
  • 4
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Aspectos clínico-laboratoriais de pacientes com formas graves de dengue em Fortaleza, Ce / Clínical and laboratorial aspects of patients with serious forms of affection in Fortaleza - Ceará

Rolim, Meire Luce Moreira January 2005 (has links)
ROLIM, Meire Luce Moreira. Aspectos clínico-laboratoriais de pacientes com formas graves de dengue em Fortaleza, Ce. 2005. 141 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2005. / Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2011-11-08T14:12:52Z No. of bitstreams: 1 2005_dis_mlmrolim.pdf: 1699008 bytes, checksum: d6b9c4810f467805af50196824687fb0 (MD5) / Approved for entry into archive by Eliene Nascimento(elienegvn@hotmail.com) on 2011-12-05T13:13:46Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2005_dis_mlmrolim.pdf: 1699008 bytes, checksum: d6b9c4810f467805af50196824687fb0 (MD5) / Made available in DSpace on 2011-12-05T13:13:46Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2005_dis_mlmrolim.pdf: 1699008 bytes, checksum: d6b9c4810f467805af50196824687fb0 (MD5) Previous issue date: 2005 / Dengue is an acute viral disease of varied clinical spectrum and of great epidemiological importance in Brazil, including Ceará being Fortaleza a district in which the magnitude of the problem consists in concentrating a larger number of severe cases of the state. This research is about a descriptive study and prospective of secondary data of 103 cases of dengue registered in Fortaleza. The general objective was to describe profile of the platelets counting and of the hematócrito correlating them with the clinical evolution and type immunological response of patients with severe cases of dengue in three hospitals this district in 2003. The data were collected from hospital files and were included only the cases confirmed by serology for the virus of dengue by ELISA technique. For statistic analysis we used the non-parametrical tests of Wilcoxon post addings. As a result we found out that: the low value of platelets (trombocytopenia) was known to all analyzed patients (the minimum value were varied from 13.000/mm³ to 75.000/mm³), with the decrease in the platelets counting from the first day in which the exam was done being more evident from the fifth to the eighth day of the evolution of the disease. The value of the hematócrito was instable during the days of the evolution of the disease with a higher average from the third to the sixth day. The maximum average value was of 44,5% presented by only 25% of the patients of the sub-sample. The first hemorrhagic manifestation occurred on the first day of the symptoms, being more elevated from the fifth to the seventh day, but after the tenth day of the disease no patient presented this manifestation. It was not established any relation between Trombocytopenia and hemorrhagic manifestations. There was no relation between secondary response and trombocytopenia nor with hemoconcentration but it was significant the relation with hemorrhagic or alert sign of hemoconcentration for the patients of the sub-sample. Primary immunological response to the virus of dengue was more present (72,3%) than the secondary response (27,7%). Unusual cases of dengue were identified in 06 (5,8%) of the patients of the sample, and probably were the most severe cases. The importance of these results consists of the available data analysis, allowing the knowledge of the severe forms of dengue in order to identify the early signs of gravity and the best way of monitoring. Nevertheless it is still necessary to know better the dynamic of the illness in our environment. Moreover it is necessary to assure the effective control of the illness, which is a problem of great seriousness especially in the big centers of our country. / Dengue é uma doença viral, aguda, de variado espectro clínico e grande importância epidemiológica no Brasil, inclusive no Ceará, sendo Fortaleza um município no qual a magnitude do problema consiste na concentração do maior número de casos graves do estado. Esta pesquisa trata-se de um estudo descritivo, prospectivo de dados secundário de 103 casos de dengue registrados em Fortaleza. O objetivo geral foi descrever o perfil da contagem de plaquetas e do hematócrito correlacionando-os com a evolução clinica e tipo de resposta imunológica de pacientes com formas complicadas de dengue internados em três hospitais de Fortaleza em 2003. Os dados foram coletados dos prontuários e somente foram incluídos os casos confirmados por sorologia para o vírus da dengue pela técnica ELISA. Para análise estatística utilizou-se o teste não paramétrico de soma dos postos de Wilcoxon. Como resultados obteve-se que: baixa contagem de plaquetas (trombocitopenia) foi comum a todos pacientes analisados (o valor mínimo variou de 13.000/mm³ a 75.000/mm³), com declínio na contagem de plaquetas a partir do primeiro dia que foi realizado o exame, sendo mais acentuado do 5º ao 8º dia de evolução da doença. O valor do hematócrito foi instável durante os dias de evolução da doença, com a média mais elevada do 3º ao 6º dia. O valor máximo da média foi de 45.5%, apresentado por apenas 25% dos doentes da sub-amostra. A 1ª manifestação hemorrágica ocorreu desde o 1º dia do início dos sintomas, sendo mais elevada do 5º ao 7º dia; mas após o 10º dia de evolução da doença nenhum paciente apresentou esta manifestação. Não foi estabelecida relação entre trombocitopenia e manifestações hemorrágicas. Não houve relação entre resposta imunológica secundária e trombocitopenia, nem com hemoconcentração, mas foi significante a relação com hemorragia ou sinais de alerta para os pacientes da sub-amostra que hemoconcentração. Resposta imunológica primária ao vírus da dengue foi mais presente (72,3%) do que resposta secundária (27.7%). Formas não usuais de dengue foram identificadas em 06 (5,8%) dos pacientes da amostra e provavelmente foram os casos mais graves. A importância destes resultados consiste na análise dos dados disponíveis, contribuindo com o conhecimento do perfil das formas graves de dengue no que se refere à identificação precoce dos sinais preditores de gravidade para o melhor monitoramento dos casos. No entanto, ainda são necessários estudos com o intuito de conhecer melhor a dinâmica da doença no nosso meio. Sobretudo, prescinde de políticas que assegurem o efetivo controle da dengue, que se configura um problema de grande severidade, em especial nos grandes centros do país.
2

Avaliação dos aspectos clínicos e laboratoriais no diagnóstico de pacientes com suspeita de dengue em Fortaleza-Ceará, 2010 / Evaluation of the clinical and laboratory diagnosis of patients with suspected dengue in Fortaleza - Ceará, 2010

Gomes, Almira Maria Monteiro January 2012 (has links)
GOMES, Almira Maria Monteiro. Avaliação dos aspectos clínicos e laboratoriais no diagnóstico de pacientes com suspeita de dengue em Fortaleza-Ceará, 2010. 2012. 99 f. Dissertação (mestrado em Patologia) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2012. / Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2013-12-03T11:11:09Z No. of bitstreams: 1 2012_dis_ammgomes.pdf: 2429107 bytes, checksum: 202d0adce0955d06fa7cd3484f9e2d93 (MD5) / Approved for entry into archive by denise santos(denise.santos@ufc.br) on 2013-12-03T11:13:24Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2012_dis_ammgomes.pdf: 2429107 bytes, checksum: 202d0adce0955d06fa7cd3484f9e2d93 (MD5) / Made available in DSpace on 2013-12-03T11:13:24Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2012_dis_ammgomes.pdf: 2429107 bytes, checksum: 202d0adce0955d06fa7cd3484f9e2d93 (MD5) Previous issue date: 2012 / Dengue is transmitted by blood-sucking mosquitoes of the species of the genus Aedes aegypti and albopictus. Dengue virus (DENV) belongs to the genus Flavivirus of the Flaviviridae family and has four serotypes that were designated as: DENV-1, DENV-2, DENV-3 and DENV-4. The disease can manifest as an acute infectious disease characterized by a wide clinical spectrum ranging from asymptomatic forms of infection or undifferentiated fever to severe forms, with bleeding and / or shock. This study had as objective to describe the epidemiological, clinical and laboratory features of patients with suspected dengue fever treated at the St Joseph Hospital of Infectious Diseases (HSJ) and the Hospital Nossa Senhora da Conceição (HDNSC) in the period from February to December 2010. Thus, we recruited 93 patients, 86 met the inclusion criteria. Patients were recruited by an active search in emergencies and in the ward of these hospitals and underwent a follow-up protocol through an initial clinical evaluation form (from day 1 to day 5 of illness) and an evaluation form following (from the 6° to 7° day of illness). Were performed at least two measurements of hematocrit, platelets, and biochemical tests and specific tests for dengue. The signs and symptoms more prevalent in patients with suspected dengue were fever, headache and myalgia. Twenty-five patients (29%) had spontaneous bleeding manifestations and the cutaneous bleeding (petechiae and ecchymosis) were the most frequent (15%). When evaluating the female population of reproductive age, 6% had metrorrhagia. The tourniquet test was performed in 80 patients and was positive in 20 patients. Of 86 patients, 48 (55,8%) were positive for dengue at least one of the techniques: immunochromatography NS1 (16%), RT-PCR (19%), IgM ELISA (44%), IgM immunochromatography (42%) and NS1 ELISA (27%). The dengue virus was detected in 16 patient and, DENV-1 in 1 patient (6.2%), DENV-2 in 14 patients (87.5%) and DENV-3 in 1 patient (6.2%). Twenty- six patients (54,1%) met the criteria of the Ministry of Health (MOH) Classic Dengue (DC), 10 (20,8%) of Dengue Hemorrhagic Fever (DHF) and 12 (25%) of Dengue with complication (DCC). The relationship bet ween females and males were approximately 1.1/1, with higher prevalence in young adults The criterion for severity of MOH, 60% of suspected dengue cases were classified as grade II and none as grade IV. Plasma extravasation of criteria recommended by MOH, hypoalbuminemia was present in 5 patients (10,4%). The drop in hematocrit higher than 20% after hydration was observed in only 4 patients (8,3%). During the study period, two patients were diagnosed with dengue and leptospirosis, and one patient complicated with idiopathic thrombocytopenic purpura, these patients had a benign outcome. Therefore we stress the need for early diagnosis, before the development of severe manifestations, of policies to eradicate Aedes and structure a reference service. / A dengue é transmitida por mosquitos hematófagos do gênero Aedes das espécies aegypti e albopictus. O vírus dengue (DENV) pertence à família Flaviviridae do gênero Flavivírus e possui quatro sorotipos que foram designados como: DENV-1, DENV-2, DENV-3 e DENV-4. A doença pode manifestar-se como uma enfermidade infecciosa aguda, caracterizada por um amplo espectro clínico que varia desde formas de infecção assintomática ou febre indiferenciada até as formas graves, com hemorragia e/ou choque. Este estudo apresentou como objetivo descrever os aspectos epidemiológicos, clínicos e laboratoriais de pacientes com suspeita de dengue atendidos no Hospital São José de Doenças Infecciosas (HSJ) e no Hospital Nossa Senhora da Conceição (HDNSC) no período de fevereiro a dezembro de 2010. Dessa forma, foram recrutados 93 pacientes, sendo que, 86 preencheram os critérios de inclusão. Os pacientes foram recrutados por busca ativa nas emergências e nas enfermarias dos referidos hospitais e submetidos a um protocolo de acompanhamento por meio de uma ficha de avaliação clínica inicial (1° ao 5°dia de doença) e de uma ficha de avaliação subsequente (6° ao 7° dia de doença). Foram realizadas pelo menos duas mensurações de hematócrito, plaquetas, além de exames bioquímicos e exames específicos para dengue. Os sinais e os sintomas mais prevalentes nos pacientes com suspeita de dengue foram: febre, cefaleia e mialgia. Vinte e cinco pacientes (29%) apresentavam manifestações hemorrágicas espontâneas, sendo que, as hemorragias cutâneas (petéquias e equimoses) foram as mais encontradas (15%). Quando avaliada a população feminina em idade reprodutiva, 6% apresentaram metrorragia. A prova do laço foi realizada em 80 pacientes, sendo positiva em 20 pacientes (25%). Dos 86 pacientes, 48 (55,8%) foram positivos para dengue por pelo menos uma das técnicas: imunocromatografia NS1 (16%), RT-PCR (19%), ELISA IgM (44%), imunocromatografia IgM (42%) e ELISA NS1 (27%). O vírus dengue foi detectado em 16 pacientes, sendo, DENV-1 em 1 paciente (6,2%), DENV-2 em 14 pacientes (87,5%) e DENV-3 em 1 paciente (6,2%). Vinte e seis pacientes (54,1%) preencheram os critérios do Ministério da Saúde (MS) de Dengue Clássica (DC), 10 (20,8%) de Febre Hemorrágica de Dengue (FHD) e 12 (25%) de Dengue com Complicação (DCC). A relação entre sexo feminino e masculino foi de aproximadamente 1,1/1, com predomínio maior de adultos jovens. Quanto ao critério de gravidade do MS, 60% dos casos suspeitos de dengue foram classificados como grau II e nenhum caso como grau IV. Dos critérios de extravasamento plasmático preconizado pelo MS, a hipoalbuminemia esteve presente em 5 pacientes (10,4%). A queda do hematócrito acima de 20% após hidratação foi observada em apenas 4 pacientes (8,3%). No período do estudo, foram diagnosticados dois pacientes com dengue e leptospirose, sendo que um paciente complicou com púrpura trombocitopênica idiopática, esses pacientes tiveram evolução benigna. Portanto salientamos a necessidade de um diagnóstico precoce, antes do desenvolvimento das manifestações graves, de políticas de erradicação do Aedes e da estruturação de um serviço de referência.
3

Fatores de risco para ocorrência da Febre Hemorrágica do Dengue.

Figueiredo, Maria Aparecida Araújo January 2009 (has links)
Submitted by Maria Creuza Silva (mariakreuza@yahoo.com.br) on 2018-08-25T02:58:43Z No. of bitstreams: 2 capa TESE - Final.pdf: 98644 bytes, checksum: 537c9c01cde085e81f84ad839c05a03f (MD5) TESE parte 2. Maria Aparecida.pdf: 582678 bytes, checksum: 9f54f0b6f6cc52e6a8ad64444116757f (MD5) / Approved for entry into archive by Maria Creuza Silva (mariakreuza@yahoo.com.br) on 2018-08-25T02:59:40Z (GMT) No. of bitstreams: 2 capa TESE - Final.pdf: 98644 bytes, checksum: 537c9c01cde085e81f84ad839c05a03f (MD5) TESE parte 2. Maria Aparecida.pdf: 582678 bytes, checksum: 9f54f0b6f6cc52e6a8ad64444116757f (MD5) / Made available in DSpace on 2018-08-25T02:59:40Z (GMT). No. of bitstreams: 2 capa TESE - Final.pdf: 98644 bytes, checksum: 537c9c01cde085e81f84ad839c05a03f (MD5) TESE parte 2. Maria Aparecida.pdf: 582678 bytes, checksum: 9f54f0b6f6cc52e6a8ad64444116757f (MD5) / Introdução: A partir da introdução do DENV3, no final do ano 2000, e a intensa circulação deste sorotipo nos anos subsequentes, algumas importantes mudanças na epidemiologia e expressão clínica do dengue passaram a ser observadas no Brasil. Objetivo: Analisar a relação entre a introdução do sorotipo DENV3 no Brasil e as mudanças no padrão de ocorrência da FHD, no período de 2001 a 2008. Métodos: Estudo ecológico, de agregados espaço-temporal, conduzido a partir dos casos, internamentos e óbitos por FHD no Brasil, entre 2001 a 2008, utilizando região geográfica e ano-calendário como unidades de análise. A evolução temporal da FHD foi analisada a partir da comparação da magnitude dos coeficientes anuais de incidência, hospitalização, mortalidade e letalidade, segundo a idade, por região geográfica. A existência de associação entre a variável de exposição (idade) e as variáveis de efeito (incidência, hospitalização, mortalidade e letalidade por FHD) foi avaliada mediante estimativa do Risco Relativo (RR), tomando como referência o grupo de menores de 15 anos. Os programas Epi-info (versão 6) e o SPSS (versão 13.0) foram empregados para a análise dos dados. Resultados: A linha de tendência da incidência da FHD no Brasil foi semelhante à linha de tendência da incidência FD, embora com menor magnitude. Ambas apresentaram elevação em 2002, seguida de um declínio em 2004, voltando a crescer a partir de 2005. Entre 2001 e 2008, foram notificados no Brasil 11.064 casos de FHD. O Risco Relativo inicialmente caracterizado por associações negativas entre a ocorrência de FHD e idade inferior a 15 anos (RR=0,38 em 2001) aumentou linearmente, atingindo, em 2008, um valor quase cinco vezes maior entre as crianças (RR=3,16), quando comparado aos adultos, em relação ao mesmo período. A taxa de hospitalização por FHD foi mais elevada entre os indivíduos com idade igual ou superior a 15 anos até o ano de 2006, contudo, nos anos 2007 e 2008 o RR de hospitalização entre crianças foi 2,05 e 3, 27, respectivamente, quando comparados aos adultos. Entre 2001 a 2006, o RR de óbitos por FHD foi maior entre os adultos, entretanto, a partir de 2007, as crianças passaram a ser o grupo de maior risco de morrer (RR = 1,20), alcançando RR= 2,20 em 2008. Com exceção do ano 2004, a letalidade foi maior entre os adultos em todo o período. Discussão: Os resultados indicam um deslocamento do risco e da gravidade da FHD para os menores de 15 anos, seis anos após a introdução do DENV3 no país. O período entre 2001 a 2006 foi caracterizado pela predominância dos casos de FHD em adultos, enquanto os anos de 2007 e 2008 foram marcados por elevação da incidência, mortalidade e hospitalização em crianças que passaram a ser o grupo de maior risco. A diminuição dos casos de FHD entre adultos, observada nos anos 2007 e 2008, pode ter resultado da alta imunidade de grupo entre esses indivíduos. O atual cenário da FHD no Brasil parece sinalizar para uma tendência de permanência do maior risco entre crianças. Considerações finais: As repercurssões no perfil epidemiológico, mensuradas pela magnitude e gravidade da doença, apontam para a necessidade aportar subsídios que venham contribuir no aprimoramento de protocolos de manejo dessas crianças, na perspectiva de redução da morbi-mortalidade por dengue severo.
4

Vinte anos de atividade dos vírus dengue tipo 2 no Brasil: caracterização molecular e filogenia de cepas isoladas de 1990-2010

Faria, Nieli Rodrigues da Costa January 2010 (has links)
Submitted by Anderson Silva (avargas@icict.fiocruz.br) on 2012-03-26T18:51:42Z No. of bitstreams: 1 nieli_rc_faria_ioc_mt_0004_2010.pdf: 2864802 bytes, checksum: c145add19e57c3ab4fb2c9dd01632d8e (MD5) / Made available in DSpace on 2012-03-26T18:51:42Z (GMT). No. of bitstreams: 1 nieli_rc_faria_ioc_mt_0004_2010.pdf: 2864802 bytes, checksum: c145add19e57c3ab4fb2c9dd01632d8e (MD5) Previous issue date: 2010 / Fundação Oswaldo Cruz. Instituto Oswaldo Cruz / A epidemiologia do dengue mudou dramaticamente nos últimos 50 anos, especialmente nas regiões tropicais do mundo. No Brasil, o dengue tem sido um problema de saúde pública desde a sua introdução nos anos 80. Estudos filogenéticos constituem uma ferramenta importante para monitor a introdução e a dispersão dos vírus, assim como predizer as potenciais conseqüências epidemiológicas destes eventos. Com o objetivo de realizar a caracterização molecular e análise filogenética de cepas de DENV-2 isoladas no país durante vinte anos de circulação viral, cepas isoladas de pacientes infectados e apresentando diferentes manifestações clínicas (n=34), representantes de seis estados do país (RJ, ES, BA, RN, CE e RS), do período compreendido entre 1990 e 2010 foram seqüenciadas. Em 25 cepas foi realizado o sequenciamento dos genes C/prM/M/E e em 9 foi realizado o sequenciamento completo do genoma (região codificante). A análise da similaridade entre os DENV-2 com cepas de referência identificou a formação de dois grupos epidemiologicamente distintos: um formado por cepas isoladas entre os anos de 1990 a 2003 e outro por cepas entre 2007 e 2010. Todas as cepas analisadas neste estudo possuem uma asparagina (N) em E390, previamente caracterizada como um provável determinante genético desencadeador de FHD detectado em cepas de origem asiática. Não foram observadas diferenças consistentes entre as seqüências dos genes codificantes das cepas dos diferentes casos clínicos de dengue, sugerindo que a gravidade da doença seja multifatorial e que, não se deve apenas as diferenças observadas no genoma viral. Os resultados obtidos referentes à caracterização do genoma completo dos DENV-2 de diferentes casos clínicos não apontaram diferenças consistentes que pudessem estar associadas a um quadro mais grave da doença. Sugere- se, porém, que a ocorrência de infecção secundária tenha sido um fator de risco ao desenvolvimento dos casos graves e fatais. A análise filogenética baseada no sequenciamento parcial ou completo do genoma caracterizou DENV-2 como pertencentes ao genótipo do Sudeste Asiático, porém com uma segregação em duas linhagens distintas sustentada por um “bootstrap” de 100%. A análise filogenética independente de cada gene sugeriu com um suporte de “bootstrap” de 100% que todos os genes estruturais (C, prM/M e E) e não–estruturais (NS1, NS2A, NS2B, NS3, NS4A, NS4B e NS5) podem ser utilizados para a genotipagem dos DENV-2. Contudo, a árvore filogenética baseada na análise de prM/M foi incapaz de discriminar corretamente a segregação do genótipo do Sudeste Asiático nas duas linhagens distintas. Ficou caracterizado que as cepas do período pré-emergência (1990-2003) pertencem ao genótipo do Sudeste Asiático, Linhagem I e as cepas isoladas após a re-emergência deste sorotipo em 2007, pertencem ao genótipo Sudeste Asiático, Linhagem II. O percentual de similaridade destas cepas com a cepa isolada na República Dominicana em 2001 combinado ao percentual de divergência com as cepas introduzidas no país na década de 90 sugere que estes vírus não sofreram uma evolução local, e sim uma introdução no país de uma linhagem viral distinta provavelmente importada do Caribe. / Dengue epidemiology has changed dramatically in the last 50 years, especially in the tropical regions of the world. In Brazil, dengue has been a major public health problem since its introduction in the 80`s. Phylogenetic studies constitute an valuable tool to monitor the introduction and spread of viruses as well as to predict the potential epidemiological consequences of such events. Aiming to perform the molecular characterization and phylogenetic analysis of DENV-2 during twenty years of viral activity in the country, viral strains isolated from patients presenting different disease manifestations (n=34), representing six states of the country (RJ, ES, BA, RN, CE e RS), from 1990 to 2010 were sequenced. Partial genome sequencing (genes C/prM/M/E) was performed in 25 DENV-2 strains and full-length genome sequencing (coding region) was performed in 9 strains. The percentage of similarity among the DENV-2 strains in this study and reference strains available in Genbank identified two groups epidemiologically distinct: one represented by strains isolated from 1990 to 2003 and one from strains isolated from 2007 to 2010. All DENV-2 strains analyzed in this study presented an aspargin (N) in E390, previously identified as a probable genetic marker of virulence observed in DHF strains from Asian origin. No consistent differences were observed on coding region from the different clinical manifestations analyzed, suggesting that if the disease severity has multifactorial, it is not only due to the differences observed on genome region viral. The results obtained by the DENV-2 full-length genome sequencing did not point out consistent differences related to a more severe disease either. However, it is suggested that secondary infections may be implicated as a risk factor for a more severe disease and fatal outcome. Phylogenetic analysis based on the partial or complete genome sequencing has characterized the brazilian DENV-2 from this study as belonging to the Southeast Asian genotype, however a distinction of two clades within this genotype has been identified and supported by a bootstrap of 100%. The phylogeny based on the analysis of individual genes suggested with a bootstrap of 100% that all structural (C, prM/M and E) and non- structural genes (NS1, NS2A, NS2B, NS3, NS4A, NS4B and NS5) may be used for DENV-2 genotyping. However, the phylogenetic tree generated from the analysis of the prM/M gene was unable to correctly discriminate the two clades observed for the Southeast Asian genotype. It was established that strains circulating prior DENV-2 emergence (1990-2003) belong to Southeast Asian genotype, clade I and strains isoladed after DENV-2 emergence in 2007 belong to Southeast Asiant genotype, clade II. The percentage of identity of the latter with the Dominican Republic strain isolated in 2001 combined to the percentage of divergence with the strains first introduced in the country in the 90 ́s suggests that those viruses did not evolved locally but were due to a new viral clade introduction in the country from the Caribbean.
5

Evolução da dengue no estado de Pernambuco, 1987-2006: epidemiologia e caracterização molecular dos sorotipos circulantes / Development of dengue in the state of Pernambuco, Brazil, 1987-2006: epidemiology and molecular characterization of circulating serotypes

Cordeiro, Marli Tenório January 2008 (has links)
Made available in DSpace on 2012-05-07T14:40:38Z (GMT). No. of bitstreams: 2 license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) 000011.pdf: 3402351 bytes, checksum: 815d847349c1018a30585a34805422bf (MD5) Previous issue date: 2008 / Em Pernambuco, o primeiro surto de dengue ocorreu em 1987, pelo sorotipo 1. Em 1995, após sete anos sem notificação da doença, ocorreu nova epidemia causada pelo sorotipo 2. Em 2002, após a introdução do sorotipo 3, circularam simultaneamente os três sorotipos. Nesta tese são apresentados aspectos epidemiológicos, clínicos e laboratoriais das epidemias de dengue ocorridas no período de 1987 a 2006. Procedeu-se a caracterização molecular dos vírus dengue pelo seqüenciamento da junção dos genes E/NS1 para os sorotipos 1 e 2 e prM/M/E para o sorotipo 3. Análises filogenéticas realizadas identificaram os genótipos América/África, Sudeste Asiático e India Subcontinental para os sorotipos 1, 2 e 3, respectivamente. De 1987 a 2006 foram notificados 380.492 casos, com 612 casos confirmados de dengue hemorrágica e 33 óbitos. A taxa de incidência de casos aumentou de 134/100.000 para 1.438/100.000 habitantes, em 1995 e 2002, respectivamente. Adultos, entre 20 e 49 anos foram os mais atingidos inclusive pela dengue hemorrágica; a partir de 2003 aumentaram os casos entre menores de 15 anos. A razão entre casos do sexo masculino e feminino se manteve constante em 1:1,5. Dos casos notificados, 40,7 por cento eram do sexo masculino e 59,3 por cento do feminino (p0,0001). Casos de dengue hemorrágica foram registrados a partir de 1996. A razão entre dengue hemorrágica e dengue clássica foi 1:618 e a taxa de mortalidade de 5,4 por cento (1996 a 2006). Entre 225 casos de dengue hemorrágica analisados foram identificados 96/225 (42,7 por cento) casos de infecções primárias e 129/225 (57,3 por cento) de secundária (p0,05). A Região Metropolitana do Recife e o Agreste apresentaram as maiores taxas de incidência de casos de dengue. A análise laboratorial de 91.480 casos suspeitos confirmou 48.300 casos (52,8 por cento), por pelo menos um dos testes: isolamento de vírus, detecção do RNA viral, presença de anticorpos IgM e/ou aumento de quatro vezes no título de anticorpos inibidores da hemaglutinação. Os principais sinais e sintomas referidos pelos 48.300 casos confirmados foram: febre, cefaléia, dor retro-orbitária, mialgia e artralgia. As manifestações hemorrágicas mais freqüentes na forma grave da doença foram petéquias, metrorragia, sangramento gengival, epistaxe, melena e hematêmese. Trinta e dois pacientes apresentaram manifestações neurológicas sob a forma de encefalite, meningoencefalite e Guillian Barré. Formas graves e casos fatais foram observados pelos sorotipos 1, 2 e 3 e ocorreram tanto em casos de infecção primária como em secundária. Foi identificado apenas um genótipo para cada um dos três sorotipos que circularam no estado no período estudado
6

Desenvolvimento e avaliação de duas novas estratégias vacinais contra o vírus da Dengue / Development and evaluation of two new vaccine strategies against dengue virus

Silva, Andréa Nazaré Monteiro Rangel da January 2011 (has links)
Made available in DSpace on 2015-06-01T19:28:11Z (GMT). No. of bitstreams: 2 536.pdf: 12060845 bytes, checksum: 5af1c56abad31cc9c82bc99e14652b56 (MD5) license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) Previous issue date: 2011 / Fundação Oswaldo Cruz. Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães. Recife, PE, Brasil / A dengue é um problema de Saúde Pública em termos de morbidade e mortalidade, sendo reconhecida em mais de 100 países. No entanto, o desenvolvimento de uma vacina encontra sua dificuldade na imunopatogênese da doença, fazendo-se necessária a construção de uma vacina tetravalente que seja capaz de imunizar contra os quatro sorotipos do vírus, em diferentes faixas etárias, sem elicitar o efeito deletério da febre hemorrágica do dengue. Para isto, novas tecnologias têm sido utilizadas no lugar dos sistemas de atenuação e inativação viral. Diante disto, o presente trabalho teve como objetivo desenvolver duas novas estratégias vacinais contra o vírus dengue, utilizando as seguintes abordagens: a primeira consistiu no desenvolvimento de uma vacina de DNA que expressava epítopos definidos de células B e T, do DENV-3, associados ao sinal de tráfego celular da proteína de membrana do lisossomo- LAMP. A segunda consistiu na expressão in tandem dos domínios III da proteína do envelope dos quatro sorotipos, fusionados ao replicon do vírus da febre amarela 17D. Foram utilizadas técnicas padrão de clonagem e de recombinação homóloga em levedura para a construção das diferentes abordagens. A expressão da vacina de DNA e a replicação autônoma dos replicons foram confirmadas pelo ensaio de imunofluorescência indireta de células transfectadas. Os resultados para a vacina de DNA mostraram com sucesso a expressão do LAMP-1 humano fusionado aos epítopos, no entanto, a construção não foi capaz de gerar resposta imune por anticorpos neutralizantes. A vacina baseada em replicons mostrou que é possível utilizar com sucesso os replicons como vetores vacinais e que estes permitem a expressão de genes heterólogos alvos. Nossos estudos representam uma etapa inicial para o desenvolvimento de novas formulações vacinais que podem constituir um importante avanço para o desenvolvimento de vacinas de última geração para o dengue
7

Avaliação da acurácia dos critérios para definição de caso de febre hemorrágica da dengue e dengue grave utilizados pela organização mundial de saúde de acordo com as classificações tradicional e revisada

FERNANDES, Ana Isabel Vieira 31 August 2012 (has links)
Submitted by Heitor Rapela Medeiros (heitor.rapela@ufpe.br) on 2015-03-06T11:52:06Z No. of bitstreams: 2 Tese doutorado - Ana Isabel Vieira Fernandes_2012.pdf: 5747684 bytes, checksum: 34a3a87357db507b346922bdb10d1dda (MD5) license_rdf: 1232 bytes, checksum: 66e71c371cc565284e70f40736c94386 (MD5) / Made available in DSpace on 2015-03-06T11:52:06Z (GMT). No. of bitstreams: 2 Tese doutorado - Ana Isabel Vieira Fernandes_2012.pdf: 5747684 bytes, checksum: 34a3a87357db507b346922bdb10d1dda (MD5) license_rdf: 1232 bytes, checksum: 66e71c371cc565284e70f40736c94386 (MD5) Previous issue date: 2012-08-31 / CNPq / A dificuldade para preencher os critérios de febre hemorrágica da dengue (FHD) levou a Organização Mundial de Saúde a propor uma nova classificação. Entre março de 2009 e maio de 2011 formou-se uma coorte prospectiva de base hospitalar com suspeitos de dengue em dois hospitais da capital da Paraíba no nordeste do Brasil. De 770 pacientes, 554 tiveram confirmação laboratorial do diagnóstico de dengue, sendo coletadas informações clínicas, laboratoriais, ultrassonografia e classificados segundo Organização Mundial de Saúde (OMS) de 1997 e 2009, além do padrão ouro, extravasamento de plasma. Foram testadas a sensibilidade (S), especificidade (E), razão de verossimilhança positiva e negativa (RVSP e RVSN), Valores preditivos positivo e negativo (VPP e VPN) da variação do hematócrito ≥20%, albumina abaixo de 3,5g/dL, prova do laço, sangramentos de mucosas, derrames cavitários e plaquetas ≤100mil/mm3 para as duas classificações e comparada pela curva ROC as áreas abaixo da curva (AUC) da variação do hematócrito, da albumina e dos derrames cavitários. Dos 554 pacientes 27(4,9%) foram classificados como FHD III/FHD IV e 59 (10,6%) como DG. A sensibilidade e especificidade da classificação OMS 1997 em relação ao extravasamento de plasma foram 77,5% e 93,04%, respectivamente e da OMS 2009 foram 81,17% e 62,17%. O Kappa entre as duas classificações foi 0,489 com p=0,000. A comparação entre as AUC apontou a albumina como sendo superior à variação do hematócrito e não mostrou diferença em relação ao espessamento da vesícula biliar. A curva ROC apontou a variação do hematócrito acima de 10% como melhor ponto de corte para FHD melhorando sua sensibilidade e especificidade. A acurácia entre as duas classificações apresenta bom grau de concordância. A validação da classificação OMS 1997 apresenta sensibilidade pouco inferior à da OMS 2009, mas apresenta uma excelente especificidade quando se toma o extravasamento de plasma como padrão ouro.
8

Imunopatologia de casos fatais de dengue e correlações com um modelo experimental murino para estudos da doença

Póvoa, Tiago Fajardo January 2012 (has links)
Submitted by Priscila Nascimento (pnascimento@icict.fiocruz.br) on 2013-03-20T19:12:45Z No. of bitstreams: 1 Tiago_Póvoa.pdf: 6904413 bytes, checksum: 89b7d7a97e24eb2dfd28a1d63fbce130 (MD5) / Made available in DSpace on 2013-03-20T19:12:45Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Tiago_Póvoa.pdf: 6904413 bytes, checksum: 89b7d7a97e24eb2dfd28a1d63fbce130 (MD5) Previous issue date: 2012 / Fundação Oswaldo Cruz. Instituto Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro, RJ, Brasil. / A dengue representa um sério problema de saúde pública mundial entre as doenças causadas por arbovírus. Seu agente etiológico, o vírus da dengue, compreende 4 sorotipos antigenicamente distintos (DENV1-4). Os sintomas da dengue variam desde a febre da dengue (FD) até a febre hemorrágica da dengue (FHD) e a síndrome do choque da dengue (SCD). No presente trabalho, iniciamos um estudo com o material obtido de diferentes órgãos (fígado, baço, pulmão, coração e rim) de quatro casos fatais de dengue. Análises histopatológicas revelaram, em todos os casos, áreas com edema e hemorragia; presença de esteatose (micro e macrovesicular) e necrose no fígado; degeneração de fibras cardíacas; necrose tubular aguda dos túbulos contorcidos proximais renais; destruição dos centros germinativos e atrofia de folículos linfóides do baço; espessamento dos septos alveolares e hipertrofia de macrófagos alveolares nos pulmões dos quatro pacientes e também a formação de membrana hialina nos casos 1 e 2. Detectamos antígenos virais em todos os órgãos e também um aumento de infiltrado inflamatório mononuclear, com aumento da população de macrófagos ativados e linfócitos B no rim; predomínio somente de linfócitos B no coração; aumento do número de macrófagos ativados e linfócitos T CD4+ no fígado e pulmão, e de linfócitos T CD8+ no pulmão. No baço, observamos uma diminuição das populações de linfócitos T CD4+, T CD8+ e B. A quantificação de células expressando citocinas mostrou: aumento da expressão de RANTES em todos os órgãos; um equilíbrio entre a produção das citocinas pró-inflamatórias (TNF-α e IFN-γ) e anti-inflamatórias (IL-10 e TGF-β) no fígado, rim e pulmão; aumento das citocinas pró-inflamatórias e diminuição das anti-inflamatórias no baço e o perfil oposto no tecido cardíaco, com predomínio da detecção de TGF-β. Além disso, avaliamos o efeito da infecção com DENV-2 em camundongos BALB/c inoculados pelas vias intraperitoneal (i.p.) e intravenosa (i.v.). A análise histopatológica do fígado e baço destes animais revelou alterações semelhantes às observadas nos casos de dengue (áreas de edema e hemorragia, esteatose, necrose e tumefação no fígado, e desorganização da arquitetura dos folículos no baço). De um modo geral, a inoculação pela via i.p. induziu danos em áreas focais, enquanto a via i.v. provocou lesões mais difusas em ambos os tecidos. Entretanto, essas diferenças entre as vias de inoculação não se refletiram em diferenças nas subpopulações de linfócitos. Verificamos que, em ambos os casos, as alterações das subpopulações linfocitárias ocorreram já no segundo dia de infecção. A quantificação dessas subpopulações revelou uma diminuição de linfócitos B totais e um aumento de linfócitos T CD4+ totais no fígado dos camundongos infectados, enquanto que no sangue, observamos um comportamento inverso dessas subpopulações. Já no baço, verificamos uma diminuição da subpopulação de linfócitos T CD8+ totais e um aumento de linfócitos T CD8+ ativados nos animais com 2 dias de infecção. De um modo geral, tais resultados poderão contribuir para um melhor entendimento da doença e para a validação do modelo experimental murino em novas abordagens vacinais ou terapêuticas. / Dengue is a serious worldwide public health problem among the diseases caused by arboviruses. Its etiologic agent, the dengue virus, comprises four antigenically distinct serotypes (DENV1-4). Dengue symptoms range from the dengue fever (DF) to the dengue hemorrhagic fever (DHF) and dengue shock syndrome (DSS). In the present work, we initiated a study with materials obtained from different organs (liver, spleen, lung, heart and kidney) of four dengue fatal cases. Histopathological analysis revealed, in all cases, areas with edema and hemorrhage; the presence of steatosis (micro and macrovesicular) and necrosis in the liver; degeneration of cardiac fibers; acute tubular necrosis of renal proximal convoluted tubules; destruction of the germinal centers and atrophy of lymphoid follicles in the spleen; thickened alveolar septa and hypertrophy of alveolar macrophages in the lungs of the four patients and also the presence of hyaline membrane in cases 1 and 2. Virus antigens were detected in all organs as well as an increase of mononuclear cell infiltration, with the increase of activated macrophages population and B lymphocytes in the kidney; predominance of only B lymphocytes in the heart; increased number of activated macrophages and CD4+ T cells in the liver and the lung, and of CD8+ T cells in the lung. In the spleen, we observed a decrease of CD4+ T, CD8+ T and B populations. The quantification of cells expressing cytokines showed: increase of RANTES expression in all organs, a balance between production of proinflammatory (TNF-α e IFN-γ) and anti-inflammatory (IL-10 and TGF-β) cytokines in the liver, kidney and lung; increase of proinflammatory and decrease of anti-inflammatory cytokines in the spleen, while the opposite profile was observed in the cardiac tissue, with the predominance of TGF-β. In addition, we evaluated the effect of DENV-2 infection in BALB/c mice inoculated by the intraperitoneal (i.p.) and intravenous (i.v.) routes. Histopathological analysis in the liver and the spleen of these animals showed alterations similar to those observed in the dengue cases (areas of edema and hemorrhage, steatosis, necrosis and swelling hepatocytes in the liver, as well as disorganization of splenic follicle architectures). In general, results indicated that the i.p. inoculation induced damages in focal areas, whereas the lesions caused by the i.v. route were more diffused in both tissues. However, these differences between the two inoculation routes were not reflected in differences in the lymphocyte subsets. We observed that changes in lymphocyte subpopulations occurred by the second day after infection in both cases. The quantification of these subpopulations revealed a decrease of total B lymphocytes and an increase of total CD4+ T cells in the liver of infected mice, whereas in the blood we were observed an inverse behavior of such subpopulations. In the spleen, we verified a decrease of the total CD8+ T lymphocyte subpopulation and an increased of activated CD8+ T cells, two days after infection. Overall, these results may contribute to a better understanding of the disease and to the validation of this murine experimental model for novel vaccine or therapeutic approaches.
9

Caracterização molecular e análise filogenética de Dengue virus 1 isolado em Alfenas, Minas Gerais

FAGUNDES, Luís Gustavo da Silva 17 January 2014 (has links)
A dengue é uma arbovirose transmitida ao ser humano, através da picada de fêmeas do mosquito Aedes aegypti infectadas. A doença é endêmica em 112 países da África, das Américas, do Mediterrâneo, do Sudeste Asiático e do Pacífico Oeste. Conforme Estimativas da Organização Mundial de Saúde, 40% da população mundial vive em áreas de risco para dengue. A caracterização molecular contribui para compreender e acompanhar a diversidade genética do Dengue virus, assim como, a variabilidade da virulência dos isolados virais circulantes. Em Minas Gerais, circulam os quatro sorotipos do Dengue virus, porém poucos estudos vêm sendo realizados sobre sua dinâmica populacional. O isolado BR/Alfenas/2012, analisado neste estudo, foi obtido a partir da amostra de soro de um paciente com febre hemorrágica da dengue. A região codificadora da proteína E e NS5 foram amplificadas por RT-PCR e utilizadas nos estudos filogenéticos. As análises agruparam este isolado no genótipo V, linhagem L1, próxima a isolados provenientes do Rio de Janeiro, do Norte do Brasil e outros isolados da Venezuela e Colômbia. A análise filogeográfica forneceu evidências que o isolado BR/Alfenas/2012 é descendente direto de amostras do Rio de Janeiro de 2010 e 2011, tendo como ancestral comum o isolado DENV-1/VE/BID-V2468/2008, proveniente da Venezuela. A análise da região codificadora da proteína E, mostrou que o isolado BR/Alfenas/2012 apresenta uma diferença de 14 bases em relação aos outros isolados presentes no mesmo genótipo e linhagem, gerando desta forma, mutações sinônimas e não-sinônimas. Para caracterizar o potencial virulento desta amostra, camundongos Swiss foram infectados por via intraperitoneal com 1 x 104 unidades formadoras de placas. Sete dias pós-infecção os animais foram sacrificados e o fígado retirado para estudo histopatológico, onde os animais infectados apresentaram infiltrados inflamatórios, esteatose hepática, além de edema, hemorragia e pontos de necrose focais. Este é o primeiro relato do isolamento de DENV-1, no Sul do estado de Minas Gerais, o que possibilita iniciar uma inferência sobre a distribuição genética e diversidade desse vírus, nesta região. / Dengue virus is an arbovirus transmitted to humans through the bite of infected female Aedes aegypti mosquitoes. The disease is endemic in 112 countries in Africa, Americas, Mediterranean, South East Asia and Western Pacific. The World Health Organization estimates that 40% of the world population lives in areas at risk for dengue. Molecular characterization helps to understand and monitor the genetic diversity of DENV, as well as the variability in virulence of circulating viral isolated. The four serotypes of DENV circulate in Minas Gerais state, however few studies have been conducted about the population dynamics of DENV in this state. The isolate BR/Alfenas/2012 analyzed in this study was obtained from the serum sample from a patient with dengue hemorrhagic fever. The coding region of the E and NS5 protein were amplified by RT-PCR and used in phylogenetic studies. The analysis grouped this isolate in genotype V, line L1, getting very close to isolates from Rio de Janeiro, Brazil's North and other isolated from Venezuela and Colombia. The phylogeographic analysis provided evidence that the isolated BR/Alfenas/2012 is a direct descendant of samples from Rio de Janeiro in 2010 and 2011, and the common ancestor isolated DENV-1/VE/BID-V2468/2008, from Venezuela. Analysis of the coding region of the E protein showed that the isolated BR/Alfenas/2012 differ from 14 to other isolates from the same genotype and lineage, thereby generating mutations synonymous and non-synonymous. To characterize the virulent potential of this isolate, Swiss mice were infected with 1 x 104 plaque forming units. Seven days after infection, the animals were sacrified and the liver removed for histopathological analysis. The liver of infected animals showed a presence of inflammatory cells, steatosis and also focal points of edhema, hemorrhage and necrosis. This is the first report of the isolation of DENV-1, in the south of Minas Gerais, which allowed starting an inference about the distribution and genetic diversity of the virus.
10

Diagnóstico molecular, tipagem e estudo filogenético dos vírus da dengue circulantes na maior epidemia de dengue de uma cidade hiperendêmica do Oeste Paulista

Neves, Michele Marcondes January 2014 (has links)
Orientador: Profa. Dra. Márcia Aparecida Sperança / Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do ABC. Programa de Pós-Graduação em Biossistemas, 2014

Page generated in 0.2001 seconds