• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 227
  • 5
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • 3
  • 2
  • 2
  • 1
  • 1
  • 1
  • Tagged with
  • 237
  • 134
  • 33
  • 25
  • 25
  • 23
  • 20
  • 19
  • 19
  • 18
  • 17
  • 16
  • 16
  • 15
  • 15
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Testosterona estimula la actividad del PPARß en cardiomiocitos de rata neonata

Silva Andrades, Patricio Abel January 2011 (has links)
Memoria para optar el título de Bioquímico / La testosterona, a través de aumentos del Ca2+ intracelular mediado por el receptor para inositol 1,4,5 trifosfato (IP3R), produce hipertrofia del cardiomiocito. La hipertrofia conlleva un cambio metabólico que se asocia a modificaciones del sustrato energético usado para la generación de ATP. Sin embargo, los efectos metabólicos de la testosterona en la célula cardiaca no han sido estudiados. Los PPARs (peroxisome proliferator activated-receptors) son una familia de factores de transcripción que controlan el metabolismo celular y que, activados en forma diferencial, permiten la selección de los sustratos energéticos. En este trabajo se estudiaron los efectos de la testosterona sobre la actividad de PPARs específicos a través de procesos mediados por el IP3R y su efecto sobre enzimas metabólicas. En este estudio se utilizaron cultivos primarios de cardiomiocitos. Para determinar la actividad transcripcional de los PPARs, los cardiomiocitos se co-transfectaron con el plasmidio PPREx3-tk-Luc y con un plasmidio control de transfección (CMV-Renilla). Primero, la efectividad de este plasmidio se evaluó utilizando activadores farmacológicos para el PPARα (Wy 14643, 100 μM) y para el PPARβ (L-165041, 10 μM). El efecto de la testosterona (100 nM) sobre PPARs específicos se determinó estimulando cardiomiocitos transfectados con PPREx-tk-Luc en presencia de inhibidores de PPARα (GW6471, 10 μM) o del PPARβ (GSK 0660, 1 μM). Los cambios en la expresión de las proteínas de los PPARs fueron evaluados por inmunodetección. Para determinar el efecto sobre enzimas metabólicas se realizaron RT-PCR para la hexoquinasa II (HKII), la fosfofructoquinasa (PFK) y la carnitina palmitoil transferasa-1b muscular (mCPT-1b). Para investigar la participación de los procesos mediados por el IP3R se utilizó el 2- aminoetildifenilborato (2-APB). La estimulación con 100 nM de testosterona por 3 horas aumentó la actividad luciferasa de cardiomiocitos transfectados con el plasmidio PPREx3-tk-Luc. Este efecto fue parcialmente inhibido por el tratamiento previo de las células con el inhibidor del PPARβ, GSK 0660, mientras que el inhibidor del PPARα, GW6471, tuvo un efecto menor. Este resultado sugiere que la testosterona podría activar preferencialmente el PPARβ. Consecuente con este resultado la testosterona incrementa la expresión del PPARβ, pero no la del PPARα. Por otra parte, 2-APB aumentó la actividad de los PPARs a las 3 horas de tratamiento. Por el contrario, este inhibidor farmacológico parcialmente previno el incremento de la expresión del PPARβ inducido por testosterona. Estos resultados sugieren una activación diferencial del PPARβ por esta hormona. En diversos modelos celulares se ha demostrado que la activación diferencial de PPARs específicos regula el metabolismo celular, modificando el sustrato energético usado por la célula. Por ello se estudió los niveles del MRNA de la HKII y la PFK, como marcadores de la vía glicolítica, y del mCPT-1b como marcador de la β-oxidación. La testosterona aumentó los niveles del MRNA de la HKII y la PFK, mientras que los niveles del mCPT-1b no fueron modificados. Siendo la PFK un sensor clave de la vía glicolítica, se seleccionó este gen para determinar tanto el efecto de la inhibición de PPARβ como de procesos dependientes del IP3R. De este modo se demostró que la inhibición del PPARβ anuló el aumento de los niveles del MRNA de la PFK inducidos por la testosterona. Mientras que el 2-APB aumentó los niveles del MRNA de esta enzima. Estos datos muestran una regulación de los niveles del MRNA de la PFK inducida por la testosterona. Estos resultados sugieren que la testosterona activa al PPARβ. La participación de los procesos mediados por el IP3R son poco concluyentes, sin embargo es claro la relación entre crecimiento y metabolismo por lo que se requieren estudios más acabados de la vía IP3 para determinar su real participación. Además, esta hormona aumenta el MRNA de las enzimas glicolíticas como la HKII y la PFK, evento dependiente en parte de la activación de la vía del PPARβ. Estos resultados exploratorios sugieren que la actividad del PPARβ estimulada por la testosterona podría aumentar el metabolismo glicolítico, lo que podría ser relevante en el proceso hipertrófico del cardiomiocito inducido por esta hormona. Los resultados muestran la primera evidencia de la acción de la testosterona sobre PPARs y su posible rol metabólico sobre las células cardiacas / Testosterone-induced cardiomyocyte hypertrophy involve intracellular Ca2+ increases mediated by the inositol 1,4,5 trisphosphate receptor (IP3R). Cardiac hypertrophy leads to metabolic changes, which are associated with modifications of energy substrate used for ATP generation. However, metabolic effects of testosterone on cardiomyocytes have not been studied. The PPARs (peroxisome proliferator-activated receptors) are a family of transcription factors that control cell metabolism and, when they are differentially activated, allow the selection of energy substrates used by the cells. In this work, we study the impact of testosterone on the activation of specific PPARs through process mediated by the IP3R and its effect on metabolic enzymes. For this propose we used primary cultures of neonatal cardiomyocytes. To determine the transcriptional activity of PPARs, cardiomyocytes were co-transfected with the plasmid PPREx3- tk-Luc and CMV-Renilla, which was used as control. First, we evaluated the effectiveness of this plasmid using pharmacological activators for either PPARα (Wy 14643, 100 μM) or PPARβ (L- 165041, 10 μM). The effects of testosterone (100 nM) on specific PPARs were determined stimulating PPREx-tk-Luc-transfected cardiomyocytes in the presence or absence of inhibitors for either PPARα (GW6471, 10 μM) or PPARβ (GSK 0660, 1 μM). Second, changes in protein expression of PPARs were assessed by immunoblotting. Third, by RT-PCR we determine the effect of testosterone stimulation on metabolic enzymes including: Hexokinase II (HKII), Phosphofructokinase (PFK) and muscular Carnitine Palmitoyl Transferase-1b (mCPT-1b). Finally, to assess the role of process mediated by IP3R, 2-aminoetildiphenilborate (2-APB, 20 μM) was used. Testosterone (100 nM) stimulation of cardiomyocytes transfected with the plasmid PPREx3-tk-Luc by 3 hours increased the luciferase activity. This effect was partially inhibited by pre-treatment of cells with GSK 0660, while GW 6471 had minor effect. These results suggest that testosterone activates preferentially PPARβ. According to these findings, testosterone also increased the expression of PPARβ protein, but not PPARα. Moreover, 2-APB increased the transcriptional activation of PPARs, and partially inhibited the protein expression of PPARβ. In different cell models have been shown that differential activation of specific PPARs regulate cell metabolism, which can modify the energy substrate used by the cell. Therefore we studied the mRNA levels of HKII and PFK, as markers of glycolysis, and mCPT-1b as β-oxidation marker. Testosterone increased HKII and PFK mRNA levels, whereas mCPT-1b mRNA levels were not modified. Since, PFK is a key sensor for glycolysis, this enzime was selected to determine the effects of both PPARβ and process mediated by IP3R on mRNA PFK levels. Thus, inhibition of PPARβ blocked, while 2-APB increased the PFK mRNA induced by testosterone. Accordingly to this, testosterone regulates the mRNA of PFK by PPARβ. Taken together, these results suggest that testosterone activates PPARβ. Participation of process mediates by IP3R is poor clear; however it is clear the relationship between growth and metabolism so that further studies of the IP3 pathway are required to determine its participation. Furthermore, testosterone increased the mRNA levels of the glycolytic enzymes HKII and PFK. In addition, increased levels of PFK mRNA require the activation of the PPARβ pathway. These primary findings may suggest that PPARβ activity increase glycolysis, which could be relevant in the process of cardiomyocyte hypertrophy induced by testosterone. These results are the first evidence for the action of testosterone on PPARs and show a possible metabolic role for this hormone on cardiac cells
2

Concentrações plasmáticas de testosterona e fertilidade de machos caprinos das raças Boer e Alpina durante as estações reprodutiva e não reprodutiva /

Cavalcante, Tânia Vasconcelos. January 2003 (has links)
Orientador: Cesar Roberto Esper / Banca: Vera Fernanda Martins Hossepian de Lima / Banca: José Octavio Jacomini / Banca: Renato Campanarut Barnabé / Banca: Francisco Guilherme Leite / Resumo: Avaliou-se a influência das estações reprodutiva e não reprodutiva in vivo sobre a fertilidade e in vitro pedizer a qualidade do sêmen de caprinos das raças Boer e Alpina em duas etapas. A primeira foi conduzida na FMVZ - Botucatu e FCAV Jaboticabal. Selecionou-se nove caprinos das raças Boer e Alpina mantidos em criação intensiva e sob luminosidade natural. Estudou-se as características seminais, congelabilidade do sêmen, e testes para predição da fertilidade como: integridade do DNA, análises computadorizadas da motilidade e morfometria espermática, avaliação da peça intermediária e a integridade de membrana de 71 ejaculados no outono e 64 na primavera. Amostras de sangue foram colhidas nas duas estações, para mensuração da testosterona plasmática. Na segunda etapa, 164 cabras SRD foram inseminadas com o sêmen colhido na primeira etapa. Aplicou-se ANOVA seguida do teste de comparação múltipla de Tukey-Kramer para cada uma das variáveis, teste T de Student e qui-quadrado. Nas características seminais, observaram-se diferenças estatísticas (P<0,01) para o volume e concentração espermática. A morfologia espermática apresentou-se dentro da normalidade. As taxas de fertilidade para as fêmeas inseminadas foram 26,74, 19,77 e 34,62 e 29,49, com sêmen colhido no outono e primavera, para as raças Boer e Alpina, respectivamente. Não houve diferença de fertilidade dos machos Os testes de fertilidade mostraram que a integridade da cromatina apresentou menos de 10% de espermatozóides danificados. A motilidade espermática, os índices de atividade citoquímica e a integridade de membrana plasmática diferiram estatisticamente (P<0,01) nas amostras pós-colheita e pós-descongelação, entretanto, sem diferença entre as estações. A morfometria da cabeça e a quantificação de testosterona não apresentaram diferenças estatísticas (P<0,01) entre as amostras... (Resumo completo, clicar acesso eletrônico abaixo) / Abstract: The season breeding and non-breeding influence on in vivo and in vitro fertility of Boer and Alpine Bucks was evaluated two steps. The first was conducted at FMVZ - Botucatu and FCAV - Jaboticabal. Nine bucks of Boer and Alpine breed were selected and kept under intensive production regimen and natural luminosity. The seminal characteristics, freezing and fertility prediction tests was evaluated using: DNA integrity, sperm motility computer analysis, head morphometric, middle piece evaluation and membrane integrity of 71 ejaculates on autumn and 64 on spring. Blood samples were collected in both for seasons to measurement of plasmatic testosterone (PT). In second step, 164 female goats, without defined breed, were insemination with the semen collected in the first step. ANOVA was applied followed by the Tukey-Kramer multiple comparison tests for each of the characteristics. T-Student and Chi-square tests were performed and for PT and fertility rate (FR). For seminal characteristics evaluation, statistical differences (P<0.01) were observed for volume and concentration. The spermatic morphological analysis showed normal patterns. The FR for pregnancy were 26.74, 19.77, 34.62 and 29.49, for semen that was collected in Autumn and Spring, to Boer and Alpine breeds respectively. There was no difference in males' fertility. Prediction fertility tests showed less than 10% of damaged spermatozoon on chromatin integrity evaluation. Spermatic motility parameters, citochemistry activity rates and integrity membrane plasmatic were statistically different (P<0.01) in samples after-collection and after-thawing, however, between seasons differences were not seen. The head morphometry and the testosterone quantification did not show statistical differences (P>0.01) between the samples. It was concluded that Boer and Alpine breeds did not differ in fertility, when used for artificial insemination, in Autumn and Spring. / Doutor
3

Concentrações plasmáticas de testosterona e fertilidade de machos caprinos das raças Boer e Alpina durante as estações reprodutiva e não reprodutiva

Cavalcante, Tânia Vasconcelos [UNESP] 18 December 2003 (has links) (PDF)
Made available in DSpace on 2014-06-11T19:35:11Z (GMT). No. of bitstreams: 0 Previous issue date: 2003-12-18Bitstream added on 2014-06-13T21:07:28Z : No. of bitstreams: 1 cavalcante_tv_dr_jabo.pdf: 513638 bytes, checksum: 073a21ec173f620f19ec2cbbe21ac512 (MD5) / Avaliou-se a influência das estações reprodutiva e não reprodutiva in vivo sobre a fertilidade e in vitro pedizer a qualidade do sêmen de caprinos das raças Boer e Alpina em duas etapas. A primeira foi conduzida na FMVZ - Botucatu e FCAV Jaboticabal. Selecionou-se nove caprinos das raças Boer e Alpina mantidos em criação intensiva e sob luminosidade natural. Estudou-se as características seminais, congelabilidade do sêmen, e testes para predição da fertilidade como: integridade do DNA, análises computadorizadas da motilidade e morfometria espermática, avaliação da peça intermediária e a integridade de membrana de 71 ejaculados no outono e 64 na primavera. Amostras de sangue foram colhidas nas duas estações, para mensuração da testosterona plasmática. Na segunda etapa, 164 cabras SRD foram inseminadas com o sêmen colhido na primeira etapa. Aplicou-se ANOVA seguida do teste de comparação múltipla de Tukey-Kramer para cada uma das variáveis, teste T de Student e qui-quadrado. Nas características seminais, observaram-se diferenças estatísticas (P<0,01) para o volume e concentração espermática. A morfologia espermática apresentou-se dentro da normalidade. As taxas de fertilidade para as fêmeas inseminadas foram 26,74, 19,77 e 34,62 e 29,49, com sêmen colhido no outono e primavera, para as raças Boer e Alpina, respectivamente. Não houve diferença de fertilidade dos machos Os testes de fertilidade mostraram que a integridade da cromatina apresentou menos de 10% de espermatozóides danificados. A motilidade espermática, os índices de atividade citoquímica e a integridade de membrana plasmática diferiram estatisticamente (P<0,01) nas amostras pós-colheita e pós-descongelação, entretanto, sem diferença entre as estações. A morfometria da cabeça e a quantificação de testosterona não apresentaram diferenças estatísticas (P<0,01) entre as amostras... / The season breeding and non-breeding influence on in vivo and in vitro fertility of Boer and Alpine Bucks was evaluated two steps. The first was conducted at FMVZ - Botucatu and FCAV - Jaboticabal. Nine bucks of Boer and Alpine breed were selected and kept under intensive production regimen and natural luminosity. The seminal characteristics, freezing and fertility prediction tests was evaluated using: DNA integrity, sperm motility computer analysis, head morphometric, middle piece evaluation and membrane integrity of 71 ejaculates on autumn and 64 on spring. Blood samples were collected in both for seasons to measurement of plasmatic testosterone (PT). In second step, 164 female goats, without defined breed, were insemination with the semen collected in the first step. ANOVA was applied followed by the Tukey-Kramer multiple comparison tests for each of the characteristics. T-Student and Chi-square tests were performed and for PT and fertility rate (FR). For seminal characteristics evaluation, statistical differences (P<0.01) were observed for volume and concentration. The spermatic morphological analysis showed normal patterns. The FR for pregnancy were 26.74, 19.77, 34.62 and 29.49, for semen that was collected in Autumn and Spring, to Boer and Alpine breeds respectively. There was no difference in males' fertility. Prediction fertility tests showed less than 10% of damaged spermatozoon on chromatin integrity evaluation. Spermatic motility parameters, citochemistry activity rates and integrity membrane plasmatic were statistically different (P<0.01) in samples after-collection and after-thawing, however, between seasons differences were not seen. The head morphometry and the testosterone quantification did not show statistical differences (P>0.01) between the samples. It was concluded that Boer and Alpine breeds did not differ in fertility, when used for artificial insemination, in Autumn and Spring.
4

Níveis séricos dos hormônios do eixo hipotalâmico-hipofisiário-testicular em homens com ou sem neoplasia de próstata

Schmitt, Caio da Silva January 2009 (has links)
A prevalência do câncer de próstata está aumentando ao longo dos anos, o que vem gerando diversos estudos em busca de seu melhor entendimento. O envolvimento dos andrógenos, incluindo a testosterona, como potencial fator etiológico no câncer de próstata tem sido questionado e debatido na literatura, permanecendo o seu papel discutível e não completamente entendido. Método: a população em estudo foi composta por homens submetidos à biópsia de próstata por suspeita de neoplasia prostática no período de Março de 2006 a Dezembro de 2007. Esta população foi dividida em três grupos de acordo com o resultado anatomopatológico da biópsia em ausência de neoplasia, proliferação atípica de pequenos ácinos (ASAP) e câncer de próstata. Os indivíduos foram avaliados quanto aos dados demográficos, como idade, índice de massa corporal, raça, tabagismo e presença de doenças crônicas. Além das dosagens do antígeno prostático específico (PSA), testosterona total (TT), hormônio folículo estimulante (FSH) e luteinizante (LH), prolactina e estradiol. Para fins de significância estatística considerou-se um P<0.05. Resultados: Cento e oitenta e seis homens foram submetidos à biópsia de próstata neste período. Destes, inicialmente 123 tiveram como resultado ausência de neoplasia, 26 com ASAP e 37 com câncer de próstata. Após considerar os resultados da re-biópsia dos indivíduos com ASAP, o número de indivíduos com câncer de próstata passou para 45 e os verdadeiros ASAP para 18 homens. Os grupos foram similares quanto à idade, índice de massa corporal, raça, tabagismo, presença de doenças crônicas e nível sérico de PSA total (P>0.05). Os níveis médios séricos de TT, FSH, LH, prolactina e estradiol foram similares entre os diferentes grupos (P>0.05). Não se encontrou uma maior prevalência de homens hipogonádicos entre aqueles com diagnóstico de câncer de próstata assim como o escore de Gleason foi similar entre os grupos estudados (P>0.05) Conclusão: O presente estudo não demonstrou níveis séricos distintos de TT, FSH, LH, prolactina e estradiol em homens com biópsia de próstata com ausência de neoplasia, proliferação atípica de pequenos ácinos ou câncer de próstata.
5

Estudo dos efeitos da inibição crônica do óxido nítrico na reprodução de ratos machos / Study of the effect of the chronic inhibition of nitric oxide in the reproduction of male rats

Tomé, Adriana da Rocha January 2002 (has links)
TOMÉ, Adriana da Rocha. Estudo dos efeitos da inibição crônica do óxido nítrico na recuperação de ratos machos. 2002. 112 f. Tese (Doutorado em Farmacologia) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2002. / Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2012-05-18T12:16:54Z No. of bitstreams: 1 2002_tese_artomé.pdf: 1873530 bytes, checksum: 22a2763e24eca5383f6873b715c465e1 (MD5) / Approved for entry into archive by Eliene Nascimento(elienegvn@hotmail.com) on 2012-05-18T13:01:34Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2002_tese_artomé.pdf: 1873530 bytes, checksum: 22a2763e24eca5383f6873b715c465e1 (MD5) / Made available in DSpace on 2012-05-18T13:01:34Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2002_tese_artomé.pdf: 1873530 bytes, checksum: 22a2763e24eca5383f6873b715c465e1 (MD5) Previous issue date: 2002 / Nitric Oxide (NO) derived from L-arginine by the nitric oxide synthase (NOS) which is expressed by various isoforms, is considered to be na important messenger molecule in several organ systems including the male genital tract. This study analysed the possible effects of L-NAME (NG-nitro-L-arginine methyl ester), a nonselective NOS inhibitor on testicilar descent; cholinergic stimulation-induced seminal emission; testicular function; sexual behaviour; and on fertility of male Wistar rats. Treatment of 20 days old male rats with L-NAME at 20mg/kg/day for 10 consecutive days caused a significant delay in the testes descent compared to controls that receives only normal saline. This effect of L-NAME was fully reversed in animals pretreated with L-arginine (600mg/kg, s.c.), a substrate for NO biosynthesis, suggesting stimulant drug pilocarpine (0.75 – 3.0 mg/kg, i.p.) induced a dose-related seminal emission. The seminal emission response to 3.0mg/kg of pilocarpine was greatly diminished in atropinized animals, suggesting a cholinomimetic effect. L-NAME, also inhibited the pilocarpine-induced seminal emission which could be reversed by L-arginine (600mg/kg, s.c.). Further, urine analysis for nitrate/nitrite metabolites showed marked alterations in accordance to the drug treatments. These results suggest that NO mediates the inhibitory neurotransmission responsible for seminal emission in pilocarpine stimulated rats. In experiments carried out to verify the effects of chonic NOS inhibition on copulatory behavior, treatment of rats with L-NAME (40mg/kg/day) for a period of one complete spermatogenic cycle caused an inhibitory influence on sexual behavior as evidenced by a increase in the first mount and intromission latencies and marked inhibitions of the intromission and ejaculation frequencies. Chronic NOS inhibition further evidenced impaired testicular function, reflected by decreases in serum levels of testosterone, epididymal sperm counts and sperm abnormalities. The number of females impregnated with males that received chronic L-NAME treatment was highly reduced, resulting in 75% inhibition of fertility. The adverse influence of L-NAME on male infertility could be due to NOS inhibition at both peripheral and central sites causing inhibition of local androgen and/or gonadotropin secretions. These results provide evidence that NO importantly regulates male reproductive processes such as testicular descent, sexual behavior and fertility. / O óxido nítrico (NO), derivado da L-arginina pela óxido nítrico sintetase (NOS), a qual existe em várias isoformas, é considerado um importante mensageiro molecular em vários órgãos incluindo o trato genital masculino. Este estudo analisou o possível efeito do L-NAME (NG-nitro-L-arginina metil éster), um inibidor não seletivo de NOS sobre a descida testicular, emissão seminal induzida por colinérgico, função testicular, comportamento sexual e fertilidade em ratos Wistar machos. O tratamento de ratos machos de 20 dias de idade com L-NAME na dose de 20mg/kg/dia por 10 dias consecutivos promoveu um significativo retardo na descida testicular comparado ao controle que recebeu salina. Este efeito do L-NAME foi bloqueado em animais pré-tratados com L-arginina (600mg/kg, s.c.), um substrato para a biossíntese de NO, sugerindo que o NO exerce um papel modulador na descida testicular. Em ratos machos adultos, a pilocarpina (0,75 e 3,0 mg/kg, i.p.), droga colinérgica, induziu a emissão seminal de maneira dose-dependente. A emissão seminal em resposta a pilocarpina ( 3,0 mg/kg) foi diminuída em animais atropinizados sugerindo um efeito colinérgico. L-NAME tembém inibiu a emissão seminal induzida por pilocarpina e este efeito foi revertido por L-arginina (600mg/kg, s.c.) ou pela administração conjunta de nitroprussiato de sódio (0,5mg/kg, s.c.). Além disto, a análise urinária de nitrato/nitrito demonstrou marcada alteração em concordância com o tratamento. Estes resultados sugerem que o NO participa na neurotransmissão inibitória responsável pela emissão seminal em ratos estimulados com pilocarpina. Em experimentos realizados para verificar os efeitos da inibição crônica de NOS sobre o comportamento copulatório, o tratamento de ratos com L-NAME (40mg/kg/dia) durante um período de um ciclo completo de espermatogênese uma influência inibitória sobre o comportamento sexual foi evidenciada por um aumento na latência da primeira monta e intromissão e marcada inibição da frequência de intromissão e ejulação. A inibição crônica de NOS também demonstrou alteração na função testicular refletida pela diminuição nos níveis séricos de testosterona, contagem de espermatozóides e anormalidades espermáticas. O número de fêmeas grávidas, de machos que receberam tratamento crônico com L-NAME, foi reduzido resultando em 75% de inibição da fertilidade. O efeito de L-NAME sobre a fertilidade masculina pode dever-se a inibição da NOS periférica e central promovendo inibição da secreção local de androgênios e/ou gonadotrofinas. Os resultados mostram evidências que o NO regula de maneira importante o processo reprodutivo masculino tais como descida testicular, comportamento sexual e fertilidade.
6

Análise do impacto na função gonadal e erétil da captação de espermatozoides no testículo de animais submetidos a orquidopexia experimental : comparação da técnica de extração convencional com a aspirativa / Analysis of the impact on gonadal and erectile function of the capture of sperm in the testicles of animals undergoing experimental : comparison of orchidopexy extraction technique with the former

Barroso, Leocácio Venicius de Sousa January 2015 (has links)
BARROSO, Leocácio Venicius de Sousa. Análise do impacto na função gonadal e erétil da captação de espermatozoides no testículo de animais submetidos a orquidopexia experimental : comparação da técnica de extração convencional com a aspirativa. 2015. 82 f. Tese (Doutorado em Cirurgia) – Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2015. / Submitted by denise santos (denise.santos@ufc.br) on 2015-10-22T13:08:29Z No. of bitstreams: 1 2015_tese_lvsbarroso.pdf: 1697551 bytes, checksum: 888860c298ce405ca9727f4ef3c3ba74 (MD5) / Approved for entry into archive by denise santos(denise.santos@ufc.br) on 2015-10-22T13:20:17Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2015_tese_lvsbarroso.pdf: 1697551 bytes, checksum: 888860c298ce405ca9727f4ef3c3ba74 (MD5) / Made available in DSpace on 2015-10-22T13:20:17Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2015_tese_lvsbarroso.pdf: 1697551 bytes, checksum: 888860c298ce405ca9727f4ef3c3ba74 (MD5) Previous issue date: 2015 / The development of intracytoplasmic sperm injection (ICSI) and assisted reproductive technology was a major breakthrough in the treatment of male infertility causes. Consequently ICSI testicular biopsy is done not only to evaluate spermatogenesis, but also to capture spermatozoa. This study aims to compare the impact of conventional extraction technique with aspiration for sperm retrieval in gonadal and erectile function in rats with orquidopexy testicles. Pilot study to determine the damage caused by orchidopexy was initially performed in six rats. Then 26 rats were randomized into 4 groups: Group 1 (n = 6) - Rats intact (non-operated) underwent dosage of testosterone and the next day monitoring of intra-cavernous pressure; Group 2 (n = 7) - At first the animals were subjected to experimental orchidopexy. Fifteen days after orchidopexy, the animals were subjected to testosterone dosage and the next day the sperm retrieval. After one week period, testosterone dosed again followed by monitoring of intra-cavernous pressure the following day; Group 3 (n = 7) - Initially, the animals were subjected to experimental orchidopexy. Fifteen days after, animals were subjected to determination of testosterone and the day after subjected to testicular sperm extraction. After one week period, testosterone was dosed again and followed by monitoring of intra-cavernous pressure; Group 4 (n = 6) - testosterone was dosed at study entry and followed by orchidopexia. Fifteen days later made new dosage testosterona. On the next day we performed a sham procedure. One week later the rats were subjected to the assay of testosterone and the next day the monitoring of intra-cavernous pressure. Was considered significant P <0.05 (5%). Comparisons between groups were made with t-test, ANOVA and Tukey. Regarding the damage to spermatogenesis, 15 days orchidopexia was enough to cause testicular damage. Regarding the effect of hormone function in orchidopexic rats there was no significant difference (p = 0.4446) compared to testosterone at baseline (D0) 4.58 ± 1.44ng/ml with testosterone at the end of the experiment (D15) 4.99 ± 1.96ng/ml). There was no significant difference (p = 0.4446) comparing the serum concentration of testosterone measured in rats submitted to orchidopexy (in GROUPS 2:03) (6.66 ± 4.67ng/ml) with the animals of group 1 (not operated) (4.75 ± 1.45ng/ml). There was no impact of testosterone in animals subjected to suction and sperm orchidopexy (Group 3) (± 3.96. 0.80ng/ml) compared to non-operated animals (Group 1) (4.75 ± 1.45ng/ml) p = 0.27. Similarly, there was no significant difference (P = 0.2625) in testosterone of rats subjected to orchidopexy and aspiration Group 3 (3.96 ± 0.80ng/ml) compared with animals subjected to isolated orchidopexy Group 4 (4.99 ± 1.96ng/ml) p = 0.26. The surgical sperm retrieval did not cause hypogonadism in orquidopexics animals. Testosterone Group 2 (orchidopexy and extraction), and Group 1 animals were not operated (5.35 ± 4.65ng/ml) and (4.75 ± 1.45ng/ml), respectively, p = 0.76. There was no difference in testosterone of animals subjected to orchidopexy and extraction (5.35 ± 4.65 ng / ml) compared with animals underwent isolated orchidopexy (4.99 ± 1.96 ng / ml) p = 0.86. There was no significant difference comparing testosterone Sham Group Group 4 (3.70 ± 1.27ng/ml), rats subjected to orchidopexy and simulated operation with non-operated animals (4.75 ± 1.45ng/ml) p = 0.21. The absolute number of sperm obtained by extraction technique (41.00 ± 7.01) was significantly higher than the number of spermatozoa obtained by aspiration technique (21.33 ± 8.14) p = 0.0012. The weight of testicular tissue obtained by extraction technique (0.09 ± 0.02 g) was significantly higher than that obtained by aspiration technique (0.04 ± 0.04 g) p = 0.0452. Regarding the effect of collecting sperm in erectile function there was no significant difference comparing Groups 1 and 4 for the reason ICP/MAP (intracavernous pressure/mean arterial pressure) and for the AUC (area under the curve) in neither of the frequencies (Hz 2, 4, 6, 8, 10). There was no significant difference comparing Groups 2, 3 and 4 for the reason PIC/PAM and ASC for none of the frequencies (2, 4, 6, 8, 10Hz). In conclusion, the harvest of testicular sperm in orquidopexics rats by extraction technique or by aspiration did not change the gonadal and erectile function of the animal. The amount of sperm obtained in the extraction technique was greater than the aspiration technique. / O desenvolvimento da injeção intracitoplasmática de espermatozóides (ICSI) como técnica de reprodução assistida foi um grande avanço no tratamento da causa masculina de infertilidade. Em consequência da ICSI a biópsia testicular é feita não apenas para avaliar espermatogênese, mas também para captar espermatozóides. Este estudo tem por objetivo comparar o impacto da técnica de extração convencional com a aspirativa para captação de espermatozóides nas função gonadal e erétil de ratos com testículos orquidopéxicos. Estudo piloto para verificar o dano causado pela orquidopexia foi realizado inicialmente em seis ratos. Em seguida 26 ratos foram randomizados em 4 GRUPOS: GRUPO 1 (n=6) - Ratos intactos (não operados) foram submetidos à dosagem de testosterona e no dia seguinte a monitorização da pressão intra-cavernosa; GRUPO 2 (n=7) - No início os animais foram submetidos à orquidopexia experimental. Quinze dias após orquidopexia, os animais foram submetidos à dosagem de testosterona e no dia seguinte à captação de espermatozóides. Após período de uma semana, dosado novamente a testosterona seguido de monitorização da pressão intra-cavernosa no dia seguinte; GRUPO 3 (n=7) - Inicialmente, os animais foram submetidos a orquidopexia experimental. Quinze dias após orquidopexia, os animais foram submetidos à dosagem de testosterona e no dia seguinte à aspiração de espermatozóides testiculares. Após período de uma semana, dosado novamente a testosterona seguido de monitorização da pressão intra-cavernosa no dia seguinte; GRUPO 4 (n=6) - Foi dosado a testosterona dos animais no início do estudo seguido de orquidopexia. Após quinze dias, feita nova dosagem de testosterona. No dia seguinte foi realizado um procedimento simulado. Uma semana depois os ratos foram submetidos a nova dosagem de testosterona e no dia seguinte à monitorização da pressão intra-cavernosa . Foi considerado como significativo P<0,05 (5%). Comparações entre os GRUPOS foram feitos com teste t, ANOVA e Tukey. Em relação ao dano à espermatogênese, 15 dias de orquidopexia foi suficiente para causar dano testicular. Em relação ao efeito da orquidopexia na função hormonal não foi observada diferença significativa (p= 0,4446) comparando a testosterona na linha de base (D0) 4,58 ± 1,44 ng/ml com a testosterona no fim do experimento (D15) 4,99 ± 1,96 ng/ml). Não se observou diferença significativa (p=0,4446) comparando a concentração sérica da testosterona mensurada dos ratos submetidos a orquidopexia (nos GRUPOS 2 e 3 ) (6,66 ±4,67ng/ml) com os animais do GRUPO 1 (não operados) (4,75 ±1,45ng/ml). Não houve impacto na testosterona dos animais submetidos à aspiração de espermatozóides e orquidopexia (Grupo 3) (3,96 ±. 0,80ng/ml) comparado aos animais não operados (Grupo 1) (4,75 ± 1,45ng/ml) p= 0,27. Da mesma forma, não houve diferença significante (P = 0,2625) na testosterona dos ratos submetidos a orquidopexia e aspiração Grupo 3 (3,96 ± 0,80 ng/ml) comparando-se com os animais submetidos à orquidopexia isolada Grupo 4 (4,99 ± 1,96ng/ml) p=0,26. A captação cirúrgica de espermatozóides não causou hipogonadismo nos animais orquidopéxicos. Testosterona do Grupo 2 (orquidopexia e extração) e os animais não operados Grupo 1 foram (5,35 ± 4,65 ng/ml) e (4,75 ± 1,45ng/ml), respectivamente p=0,76. Também não houve diferença na testosterona dos animais orquidopexia e extração (5,35 ± 4,65ng/ml) comparada com os animais submetidos a orquidopexia isolada (4,99 ± 1,96ng/ml) p=0,86. Não houve diferença significativa comparando a testoterona do Grupo Sham Grupo 4 (3,70 ± 1,27 ng/ml), ratos submetidos a orquidopexia e operação simulada de captação de espermatozoides do testículo, com os animais não operados (4,75 ± 1,45ng/ml) p=0,21. O número absoluto de espermatozóides captados pela técnica de extração (41,00 ± 7,01) foi significantemente maior que o número de espermatozoides obtidos pela técnica de aspiração (21,33 ± 8,14) p=0,0012. O peso do tecido testicular obtido pela técnica de extração (0,09 ± 0,02 g) foi significantemente maior que aquele obtido pela técnica de aspiração (0,04 ± 0,04g) p=0,0452. Em relação aos efeitos da captação de espermatozóides na função erétil não foi obervado diferença significativa comparando os Grupos 1 e 4 em relação à razão PIC/PAM (pressão intracavernosa/pressão arterial média), e em relação a ASC (área sob a curva) em nenhuma das frequências avaliadas (2, 4, 6, 8, 10Hz). Não houve diferença significante comparando os Grupos 2, 3 e 4 em relação à razão PIC/PAM e ASC em nenhuma das frequências avaliadas (2, 4, 6, 8, 10Hz). Em conclusão, a captação de espermatozóides do testículo de ratos orquidopéxicos seja por técnica de extração ou aspiração não alterou a função gonadal e erétil do animal. A quantidade de espermatozóides captados na técnica de extração foi maior que na técnica aspirativa.
7

Níveis séricos dos hormônios do eixo hipotalâmico-hipofisiário-testicular em homens com ou sem neoplasia de próstata

Schmitt, Caio da Silva January 2009 (has links)
A prevalência do câncer de próstata está aumentando ao longo dos anos, o que vem gerando diversos estudos em busca de seu melhor entendimento. O envolvimento dos andrógenos, incluindo a testosterona, como potencial fator etiológico no câncer de próstata tem sido questionado e debatido na literatura, permanecendo o seu papel discutível e não completamente entendido. Método: a população em estudo foi composta por homens submetidos à biópsia de próstata por suspeita de neoplasia prostática no período de Março de 2006 a Dezembro de 2007. Esta população foi dividida em três grupos de acordo com o resultado anatomopatológico da biópsia em ausência de neoplasia, proliferação atípica de pequenos ácinos (ASAP) e câncer de próstata. Os indivíduos foram avaliados quanto aos dados demográficos, como idade, índice de massa corporal, raça, tabagismo e presença de doenças crônicas. Além das dosagens do antígeno prostático específico (PSA), testosterona total (TT), hormônio folículo estimulante (FSH) e luteinizante (LH), prolactina e estradiol. Para fins de significância estatística considerou-se um P<0.05. Resultados: Cento e oitenta e seis homens foram submetidos à biópsia de próstata neste período. Destes, inicialmente 123 tiveram como resultado ausência de neoplasia, 26 com ASAP e 37 com câncer de próstata. Após considerar os resultados da re-biópsia dos indivíduos com ASAP, o número de indivíduos com câncer de próstata passou para 45 e os verdadeiros ASAP para 18 homens. Os grupos foram similares quanto à idade, índice de massa corporal, raça, tabagismo, presença de doenças crônicas e nível sérico de PSA total (P>0.05). Os níveis médios séricos de TT, FSH, LH, prolactina e estradiol foram similares entre os diferentes grupos (P>0.05). Não se encontrou uma maior prevalência de homens hipogonádicos entre aqueles com diagnóstico de câncer de próstata assim como o escore de Gleason foi similar entre os grupos estudados (P>0.05) Conclusão: O presente estudo não demonstrou níveis séricos distintos de TT, FSH, LH, prolactina e estradiol em homens com biópsia de próstata com ausência de neoplasia, proliferação atípica de pequenos ácinos ou câncer de próstata.
8

Avaliação funcional das celulas de Leydig e de Sertoli em 24 casos de ambiguidade genital com cariotipo 46,XY

Perez, Eliana Gabas Stuchi 25 July 2018 (has links)
Orientador: Gil Guerra Junior / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas / Made available in DSpace on 2018-07-25T17:46:27Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Perez_ElianaGabasStuchi_M.pdf: 2505257 bytes, checksum: db16601e0613f7774d570e98ba6347ba (MD5) Previous issue date: 1999 / Resumo: A investigação diagnóstica etiológica da ambigüidade genital é muito complexa. A diferenciação sexual é dependente da ação de dois hormônios testiculares: a testosterona e o hormônio anti-MüIleriano (HAM). Apesar da função testicular ser tradicionalmente avaliada apenas pela capacidade esteroidogênica das células de Leydig e pela espermatogênese, tem sido mostrado recentemente que a determinação sérica do HAM pode ser de grande utilidade para os clínicos, como rnarcador da função das células de Sertoli. O HAM é o responsável pela regressão dos duetos de MüIler no feto, continua a ser secretado após o nascimento pelas células de Sertoli imaturas, e é negativamente regulado pela testosterona na puberdade. O objetivo deste estudo foi avaliar a função das células de Leydig e de Sertoli em pacientes com ambigüidade genital e cariótipo 46,XY para estabelecer parâmetros bioquímicos a fim de auxiliar no diagnóstico etiológico. Foram realizadas as determinações séricas dos andrógenos, do HAM e das gonadotrofinas em 24 pacientes com ambigüidade genital e cariótipo 46,XY. O diagnóstico etiológico destes casos foi: 8 com disgenesia gonadal, 5 com insensibilidade androgênica, 4 com deficiência de 5a-redutase tipo 2, 3 com deficiência da enzima 3p-OH-esteróide desidrogenase, e 4 idiopáticos. Os resultados mostraram que quando a testosterona estava baixa e as gonadotrofinas algumas vezes elevadas no~ pacientes com disgenesia gonadal ou deficiência da enzima 3 p-OH-esteróide desidrogenase, o HAM apresentou-se muito diminuído no primeiro grupo e normal ou elevado no segundo, auxiliando o diagnóstico. Os valores séricos de HAM e gonadotrofinas mostraram-se normais ou elevados em pacientes com deficiência da enzima 3p-OH-esteróide desidrogenase e insensibilidade androgênica, porém nestes casos a testosterona possibilitou o diagnóstico diferencial. Os valores séricos de testosterona e das gonadotrofinas foram normais ou elevados nas insensibilidades androgênicas e nos casos de deficiência de 5a-redutase tipo 2, entretanto, o HAM apresentou-se normal ou elevado nas insensi.bilidades androgênicas, e diminuído nos outros casos, indicando que a testosterona não necessita ser transformada em dehidrotestosterona para inibir o HAM no testículo. Concluiu-se que a avaliação combinada de andrógenos, HAM egonadotrofinas permite a compreensão fisiopatológica testicular e possibilita o estabelecimento do diagnóstico diferencial de pacientes com ambigüidade genital / Abstract: The investigation of the origin of sex ambiguity is a very complex matter. Sex differentiation is dependent upon the action of two testicular hormones: testosterone and anti-Müllerian hormone (AMH). Although testicular function has traditionally been assessed only by examining the steroidogenic capacity of Leydig cells and spermatogenesis, it has recently been shown that the measurement of the serum AMH may also help clinicians, as a marker of Sertoli cell function. AMH is responsible for the regression of Müllerian ducts in the male fetus, continues to be secreted after birth by immature Sertoli cells, and is negatively regulated by testosterone at puberty. The aim of this study was to evaluate both Leydig and Sertoli cell function in 46,XY patients with intersex states in order to establish biochemical patterns that would help to reach an etiologic diagnosis. We measl,lred serum androgens, AMH and gonadotropins in 24 patients with sex ambiguity and XY karyotype. The diagnosis of these cases was: 8 with gonadal dysgenesis, 5 with androgen insensitivity syndrome, 4 with 5a-reductase 2 deficiency, 3 with 3 p-hydroxysteroid dehydrogenase deficiency, and 4 idiopathic. Our results showed that while testosterone was low and gonadotropins sometimes elevated in patients with either gonadal dysgenesis or 3 p-hydroxysteroid dehydrogenase deficiency, AMH was very low in the former and normal or high in the latter, helping to guide the diagnosis. Serum AMH and gonadotropins were normal or high in patients with either 3 p-hydroxysteroid dehydrogenase deficiency or androgen insensitivity syndrome, but testosterone levels made the distinction. Serum testosterone and gonadotropins were normal or high in androgen insensitivity syndrome and 5a-reductase 2 deficiency patients; however, while AMH was normal or elevated in androgen insensitivity syndrome, it was not the case in 5a-reductase 2 deficiency patients, indicating that testosterone does not need to be transformed to dihydrotestosterone to inhibit AMH in the testis. We conclude that the combined measurement of androgens, AMH and gonadotropins enhances the comprehension of testicular pathophysiology and helps to establish the diagnosis in intersex patients / Mestrado / Clinica Medica / Mestre em Clinica Medica
9

Sintese de acidos graxos E-2-enoicos, E,E-2,4-dienoicos, 2,4-diinoicos e sua esterificação com testosterona

Frighetto, Nelson, 1946- 17 July 2018 (has links)
Orientador : Edmundo A. Ruveda / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Quimica / Made available in DSpace on 2018-07-17T07:13:55Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Frighetto_Nelson_M.pdf: 15256281 bytes, checksum: 7d674c60be1a785c6cb9c0f3fd5a2df6 (MD5) Previous issue date: 1978 / Mestrado
10

Associação de testosterona e praziquantel no tratamento da esquistossomose mansone experimental

CÉSAR, Fernanda Andrade de 31 January 2008 (has links)
Made available in DSpace on 2014-06-12T15:50:05Z (GMT). No. of bitstreams: 2 arquivo1530_1.pdf: 8895886 bytes, checksum: 2a9d2919baecc4de762b9e0b315725f3 (MD5) license.txt: 1748 bytes, checksum: 8a4605be74aa9ea9d79846c1fba20a33 (MD5) Previous issue date: 2008 / Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior / Os hormônios sexuais, em especial a testosterona, são implicados como um dos fatores que controlam o estabelecimento e patogênese da esquistossomose, seja modulando a resposta imune protetora, ou regulando a infecção por Schistosoma, afetando a maturação e oviposição do parasita. Além disso, o praziquantel (PZQ) fármaco de escolha para esquistossomose, tem pouca eficácia contra as formas imaturas do parasito, havendo excelentes resultados quando associado à esteróides. Este estudo tem como objetivo avaliar a associação de testosterona e praziquantel no tratamento da esquistossomose mansoni experimental. Camundongos infectados com S. mansoni (cepa BH) foram divididos em grupos tratados com PZQ, PZQ+testosterona, testosterona, e grupo controle infectado. A testosterona foi administrada nas doses 350 e 700&#956;g/camundongo, por via intraperitoneal, duas vezes por semana, começando 10 dias antes da infecção até 1 semana antes da eutanásia. O PZQ foi administrado nas doses 250 e 83mg/kg, que correspondem a 50 e 16% da dose efetiva respectivamente, por via oral, durante três dias consecutivos após 50 dias de infecção. A avaliação foi feita quanto à carga parasitária, produção e viabilidade dos ovos, e alterações histopatológicas. O tratamento com testosterona na dose 350&#956;g/camundongo foi ineficaz em reduzir a carga parasitária, porém sua associação com PZQ (250mg/kg) reduziu em 93,65%, um aumento de 13% na eficácia do último (80,3%). Na dose de 700&#956;g/camundongo, a testosterona sozinha reduziu o número de vermes em 25,90%, o PZQ (250mg/kg) em 73,05%, e a associação de ambos em 95,80%, quando comparados ao controle não tratado. O tratamento dos camundongos apenas com a testosterona aumentou o número de ovos inviáveis em relação ao controle infectado. A associação de PZQ e testosterona induziu uma maior redução no número de ovos nas fezes. O tratamento com PZQ promoveu uma maior preservação dos tecidos hepático e intestinal, não havendo uma potenciação desse efeito protetor pela testosterona. Os resultados sugerem que a testosterona apresenta um efeito benéfico no tratamento da esquistossomose mansoni, aumentando a eficácia do praziquantel

Page generated in 0.0677 seconds