• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 112
  • 1
  • Tagged with
  • 113
  • 77
  • 29
  • 26
  • 25
  • 22
  • 21
  • 20
  • 17
  • 15
  • 15
  • 14
  • 14
  • 12
  • 12
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
31

Estudo do complexo Amblyomma cajennense no Brasil / Study of the complex Amblyomma cajennense in Brazil

Thiago Fernandes Martins 11 April 2014 (has links)
Trabalhos recentes de genética, morfologia e biologia conduzidos nas Américas, demostraram que Amblyomma cajennense é um complexo de pelo menos seis espécies distintas, cada espécie associada a uma área biogeográfica. Neste contexto, o presente estudo conduzido no Brasil realizou análises morfológicas e moleculares de carrapatos adultos, previamente identificados como A. cajennense e depositados nas coleções de carrapatos Coleção Nacional de Carrapatos, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo, e na Coleção Acarológica do Instituto Butantan do Instituto Butantan de São Paulo. Amostras adicionais de carrapatos foram obtidos através de trabalhos de campo. Os carrapatos foram coletados em vida livre, animais domésticos (equinos, suínos) e silvestres atropelados (anta, tamanduá), durante três expedições de coleta, sendo uma no nordeste do país entre os municípios de Bequimão/MA e Estrela do Norte/GO; uma no noroeste do país entre os municípios de Presidente Médici/RO e Vila Bela da Santíssima Trindade/MT; e uma terceira no centro-norte do país entre os municípios de Sinop/MT e Cuiabá/MT. Os resultados morfológicos e moleculares obtidos demonstraram a ocorrência de pelo menos duas espécies distintas de carrapatos (A. cajennense sensu stricto e Amblyomma sculptum) do complexo A. cajennense ocorrendo no território nacional. De modo geral, a distribuição da espécie A. cajennense s. s. está confirmada no Brasil em três estados da região Norte (Pará, Rondônia e Tocantins), em um estado da região Nordeste (Maranhão) e do Centro-Oeste (Mato Grosso). Salienta-se um único encontro de uma fêmea de A. cajennense s. s. em uma propriedade rural do município de Porangatu, no extremo norte do estado de Goiás, na divisa com o estado de Tocantins. A ocorrência de A. sculptum está confirmada nos seguintes estados brasileiros da região Norte: Pará, Rondônia e Tocantins; Nordeste: Bahia, Maranhão, Pernambuco e Piauí; Centro-Oeste: Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul; Sudeste: Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo; e Sul: Paraná. Estes dados indicam que o papel de cada uma destas espécies na transmissão de patógenos deve ser reavaliado de acordo com seu novo status taxonômico. / Recent genetic, biological and morphological studies have demonstrated that Amblyomma cajennense is a complex of at least six distinct species, each species linked to a biogeographic area in the American continent. In this context, the present study aimed to perform morphological and molecular analyzes of adult ticks, previously identified as A. cajennense, deposited in the collections of ticks \"Coleção Nacional de Carrapatos\", the Faculty of Veterinary Medicine and Zootechny of the University of São Paulo and in the \"Coleção Acarológica do Instituto Butantan\" the Butantan Institute of São Paulo. Adicional tick specimens were obtained through fieldwork. Ticks were collected in the vegetation, domestic animals (horses, pigs) and road-killed wild animals (tapir, anteater) during three field expeditions, one in the northeast of the country between the municipalities of Bequimão/MA and Estrela do Norte/GO; one in the northwest of the country between the municipalities of Presidente Médici/RO and Vila Bela da Santíssima Trindade/MT; and a third one in the center-north of the country between the municipalities of Sinop/MT and Cuiabá/MT. The morphological and molecular results demonstrated the occurrence of at least two distinct species of ticks (A. cajennense sensu stricto and Amblyomma sculptum) of the A. cajennense species complex occurring in the Brazilian land. In general, the distribution of the species A. cajennense s. s. is confirmed in Brazil in three northernern states (Pará, Rondônia and Tocantins) one Northeast state (Maranhão) and one Midwest state (Mato Grosso). It is note worthy the findings of a single female of A. cajennense s. s. on a farm in the municipality of Porangatu, in the far north of the state of Goiás at the northern end of the state of Goiás, at the border with the state of Tocantins. The occurrence of A. sculptum is confirmed in the following Brazilian states Northern region: Pará, Rondônia and Tocantins; Northeastern region: Bahia, Maranhão, Piauí and Pernambuco; Midwester region: Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso and Mato Grosso do Sul; Southeastern region: Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro and São Paulo; and Southern region: Paraná. These data indicate that the role of each of these species in pathogen transmission should be re-assessed according to its new taxonomic status.
32

Perfil sorológico e molecular de zoonoses transmitidas por carrapatos em humanos e animais domésticos oriundos de seis municípios do Estado do Espírito Santo / Serological and molecular profile of tick-borne diseases in humans and domestic animals from six municipalities in the State of Espírito Santo

Mariana Granziera Spolidorio 03 December 2009 (has links)
O estudo objetivou realizar um levantamento de doenças transmitidas por carrapatos em amostras de humanos e animais domésticos oriundos do Estado do Espírito Santo. Foram estudadas as Riquétsioses, Erliquiose, Babesiose, Borreliose, e especificamente em cães a Hepatozoonose canina. Três expedições científicas foram realizadas, onde foram coletadas amostras de sangue de humanos (n=201), cães (n=92) e eqüídeos (n=27). As amostras foram testadas utilizando-se os ensaios de Imunofluorescência Indireta (RIFI) e ELISA Indireto, dependendo do antígeno de eleição. A Reação em Cadeia de Polimerase (PCR) foi realizada utilizando primers específicos para os gêneros dos agentes pesquisados. Foi possível concluir que os municípios estudados podem ser considerados endêmicos para as zoonoses pesquisadas / This study aimed to perform a survey on tick-borne diseases in blood samples from humans and domestic animals from the State of Espírito Santo. The following diseases were studied: Rickettsiosis, Ehrlichiosis, Babesiosis, Borreliosis, and specifically in dogs, Canine Hepatozoonosis. Three scientific expeditions were performed, where blood samples from humans (n=201), dogs (n=92) and equids (n=27) were collected. Samples were tested using Indirect Immunofluorescence Assays (IFA) and Indirect ELISA, depending on the antigen. Polymerase Chain Reactions (PCR) were performed using specific primers to the genera of the surveyed agents. We concluded that the studied municipalities can be considered endemic areas to the surveyed zoonosis
33

Efeitos da infecção por Rickettsia rickettsii sobre o perfil de expressão gênica do carrapato vetor Amblyomma aureolatum. / Effects of the infection with Rickettsia rickettsii on the gene expression profile of the tick vector Amblyomma aureolatum.

Camila Dantas Malossi 09 December 2013 (has links)
Rickettsia rickettsii é o agente etiológico da Febre Maculosa das Montanhas Rochosas, que no Brasil é transmitida pelos carrapatos Amblyomma cajennense e A. aureolatum. Para elucidar os mecanismos de virulência sobre seus vetores, construímos bibliotecas subtrativas utilizando RNA de A. aureolatum infectados ou não com o patógeno. Com a análise bioinformática, foram obtidas 56 sequências únicas com expressão induzida e 12 com expressão reprimida pela infecção. Após a validação dos dados por RT-qPCR 3 genes foram caracterizados por RNAi: uma hebraeína, uma proteína dissulfeto isomerase (PDI) e uma proteína com domínio Kunitz-type. Um maior número de carrapatos adquiriu R. rickettsii quando a expressão gênica da hebraeína e da PDI foi silenciada, sugerindo que elas participam na defesa do carrapato contra a infecção. Nenhum efeito foi observado sobre a transmissão da bactéria para o hospedeiro ou sobre o fitness de carrapatos nos três genes analisados. O presente estudo apontou genes importantes que possibilitam uma melhor compreensão da relação carrapato-riquétsia. / Rickettsia rickettsii is the etiological agent of Rocky Mountain Spotted Fever and, in Brazil, it is transmitted by Amblyomma cajennense and A. aureolatum. To elucidate mechanisms of virulence to its vectors, we construct cDNA libraries with RNA of ticks A. aureolatum infected or not with this pathogen. After bioinformatic analysis, 56 unique sequences were obtained representing up-regulated genes and 12 down-regulated by infection. After data validation by RT- qPCR, 3 genes were characterizated by RNAi: a hebraein, a protein disulfide isomerase (PDI), and a protein with Kunitz-type domain. A higher number of ticks acquired R. rickettsii when the gene expression of hebraein and PDI was silenced, suggesting that both proteins participate in the defense of the tick against infection. No effect on the transmission of the bacterium to the host or on the fitness of ticks was observed after knockdown of the 3 analyzed genes. Data obtained by the present study pointed out important genes that provide information to better understand of the tick-rickettsia relationship.
34

Avalia??o da atividade carrapaticida das fra??es dos ?leos essenciais de citronela (Cymbopogon winterianus), alecrim (Rosmarinus officinalis) e aroeira (Schinus molle)

Torres, Fernando Cidade 29 April 2010 (has links)
Made available in DSpace on 2015-04-14T13:58:38Z (GMT). No. of bitstreams: 1 424625.pdf: 590854 bytes, checksum: 23d60a8ced7f8ab7559177d76937975b (MD5) Previous issue date: 2010-04-29 / A utiliza??o de produtos naturais na pesquisa de carrapaticidas para o Rhipicephalus (Boophilus) microplus tem aumentado a cada ano. Neste sentido, o trabalho em quest?o visa o emprego de ?leos essenciais e suas respectivas fra??es obtidas por destila??o fracionada a v?cuo como agentes carrapaticidas naturais. Os produtos selecionados para este estudo foram os ?leos essenciais de citronela (Cymbopogon winterianus Jowitt), alecrim (Rosmarinus officinalis L.) e aroeira (Schinus molle L.). Estes ?leos essenciais foram extra?dos das respectivas plantas arom?ticas pelo processo de destila??o por arraste a vapor e posteriormente foram fracionados por destila??o a v?cuo. As composi??es dos ?leos essenciais e suas respectivas fra??es foram analisadas por cromatografia gasosa-espectrometria de massa (GC-MS). Todos os extratos obtidos foram avaliados experimentalmente quanto ao seu efeito em larvas do carrapato bovino, R.(B.) microplus, considerando diferentes dilui??es dos agentes carrapaticidas e concluiu-se que existem diferen?as significativas entre a a??o do ?leo essencial e das fra??es pesadas obtidas por destila??o fracionada a v?cuo, principalmente para as fra??es dos ?leos essenciais de citronela e de aroeira.
35

Resposta imune humoral de bovinos infestados experimentalmente contra o carrapato Rhipicephalus (Boophilus) microplus

Cruz, Ana Paula Rottini 17 December 2008 (has links)
Made available in DSpace on 2015-04-14T14:50:54Z (GMT). No. of bitstreams: 1 408007.pdf: 7713390 bytes, checksum: bf92d92b7f1e311023e32849423ed23c (MD5) Previous issue date: 2008-12-17 / O carrapato Rhipicephalus (Boophilus) microplus ? um ectoparasito hemat?fago de bovinos, amplamente distribu?do nos rebanhos da Am?rica, ?sia, ?frica e Oceania. O uso de acaricidas ? o principal m?todo para o controle do carrapato, por?m o custo das drogas e da m?o-de-obra requerida para aplicar o tratamento, o aparecimento crescente de carrapatos resistentes a v?rios acaricidas, a perman?ncia de res?duos qu?micos nos alimentos e a polui??o ambiental decorrente do seu uso tornam importante o desenvolvimento de outras formas de controle. O desenvolvimento de um m?todo de controle imunol?gico como uma alternativa para o controle qu?mico depende da identifica??o de mol?culas antig?nicas que geram uma resposta imune protetora. Como bovinos desenvolvem resist?ncia ao carrapato durante sucessivas infesta??es, a an?lise da resposta imune desenvolvida por bovinos infestados pode tornar-se de grande import?ncia na busca por ant?genos protetores. ELISA e Western Blot foram utilizados para investigar o padr?o de respostas de anticorpos de seis bovinos infestados doze vezes com R. microplus (seis infesta??es pesadas seguidas por seis infesta??es leves) contra extratos de gl?ndula salivar, intestino e larva. Durante infesta??es pesadas foram observados n?veis maiores de IgGs reconhecendo extratos prot?icos de gl?ndula salivar, intestino e larva, e uma diminui??o no n?mero e no peso de carrapatos que completam o ciclo parasit?rio. O padr?o mudou iniciando na s?tima infesta??o, mostrando uma diminui??o nos n?veis de IgG, e um aumento inicial seguido por uma significante diminui??o na propor??o de carrapatos que completam o ciclo parasit?rio. O n?mero de mol?culas reconhecidas em Western Blot foi maior pelos soros das infesta??es pesadas do que das infesta??es leves, embora uma grande varia??o nos perfis detectados pode ser visto entre os bovinos. Esses resultados indicam que n?veis de anticorpos contra o carrapato n?o est?o necessariamente relacionados de forma direta com n?veis de resist?ncia. Al?m disso, infesta??es pesadas e leves parecem modular de forma diferente a magnitude da resposta humoral e possivelmente os mecanismos imunes na aquisi??o natural de resist?ncia ao carrapato.
36

Zoonoses transmitidas por carrapatos: aspectos regionais e vigilância no vale do Paraíba, Estado de São Paulo / Zoonoses transmitted by ticks: regional aspects and surveillance in the Paraiba Valley, State of Sao Paulo

Ana Claudia Silveira da Silva 10 August 2009 (has links)
Introdução: A OMS recomendou às Américas, em 2004, implementar e aperfeiçoar sistemas específicos de vigilância epidemiológica das rickettsioses, caracterizando as áreas de transmissão dos diferentes agravos, investindo em vigilância epidemiológica e ambiental ativas. Estas são zoonoses relacionadas aos fatores fundamentais da expansão urbana, bem como ao aumento populacional de vetores e hospedeiros em contato com a população humana. Nas regiões do Vale do Paraíba paulista não há situação de endemia reconhecida, porém esta apresenta semelhanças ambientais e socioeconômicas com outras regiões ditas endêmicas, do Estado de São Paulo, não rara é a ocorrência de carrapatos das espécies descritas como vetores de doenças e ocorre importante intercâmbio de pessoas com objetivos de trabalho e lazer ao longo desta região, inclusive com freqüente fluxo internacional. Método: Avaliação do potencial de risco de transmissão de zoonoses por carrapatos em áreas selecionadas. Através de informações ambientais, prevalência de carrapatos transmissores de zoonoses e acessibilidade da população humana a áreas infestadas, criou-se uma escala para caracterização do risco. Resultados: Em 252 áreas das 6 microrregiões do Vale do Paraíba Paulista, no período de mai./2008 a mar./ 2009, foram encontrados 7.800 carrapatos adultos, além de ninfas e larvas, muitas das quais em criações familiares de coelhos e galinheiros. A classificação final apontou 42,5% das áreas inspecionadas em situação de risco iminente de transmissão de zoonoses por carrapatos. Outros 33% correspondeu ao risco limitado ou moderado. Nos restantes 24% da área estudada a classificação foi risco potencial para transmissão rickettsioses. Recomendações: Às áreas sob risco iminente, de situação de risco de transmissão de zoonoses por carrapatos, recomenda-se que os serviços de saúde locais mantenham uma vigilância acarológica programada e orientações à população. Às áreas sob risco limitado ou moderado, recomenda-se a manutenção de rotina de vigilância acarológica e inclusão da vigilância ambiental, com envolvimento da população. Às áreas sob risco potencial para transmissão de zoonoses, recomenda-se imediata elaboração de estratégias controle para as espécies encontradas, envolvendo os setores de saúde e a população. O aprimoramento da articulação com os serviços regionais e profissionais veterinários é de fundamental importância. Além disso, a estruturação dos serviços de saúde da região, adequação da área física, recursos humanos e materiais, são indispensáveis. / Introduction: OMS recommended America, in the year of 2004, implement and to improve specific systems of epidemic surveillance of the rickettsiasis, characterizing the areas of transmission of the different offences and investing in active epidemic and environmental surveillance. Those zoonosis are related to the fundamental factors of the urban expansion, as well as to the population increase of vectors and hosts in contact with the human population. In the areas called Vale do Paraíba from State of São Paulo there is no situation of recognized endemy, however this presents environmental and socioeconomic similarities with other recognized endemic areas of the State of São Paulo, no rare it is the occurrence of ticks described as vectors of diseases and it happens important exchange of people with work and leisure purposes there, besides with frequent international flow. Method: Evaluation of potential risk of zoonosis transmission by ticks in selected categorized areas. Through environmental information, the prevalence of vector ticks and accessibility of the human population to infested areas, a scale for characterization of the risk was build. Results: In 252 areas of the 6 districts of the Vale do Paraíba, in the Estado de São Paulo, on period between may/2008 and march/ 2009, they were found 7.800 adult ticks, also nymphs and larvas, many of which in family nurturing of rabbits and hen houses. The final classification pointed 42,5% of the inspected areas corresponding to the situation of imminent risk of transmission of zoonosis by ticks. Other 33% correspond to limited risk in the scale. In the remaining 24% of the studied area the classification went potential risk for transmission of tick related rickettsiasis. Recommendations: For the imminent risk areas, it is recommended that the local health services maintain proper vector surveillance and educational programmes for its populations. For the limited risk areas, it is recommended the maintenance of a proper vector surveillance routine and also the inclusion of an environmental surveillance. For the areas under potential transmission risk of those illnesses, priority elaboration of vectors control strategies is strongly recommended with proper engagement of all local health services, as well as the population. The enhancement of the articulation with the regional services and professional veterinarians is fundamental. Besides, an adequate structuring for the local health services administration, with rational and efficient managing of material and human resources, is indispensable.
37

Infecção experimental de equinos por Rickettsia rickettsii e avaliação da transmissão para carrapatos Amblyomma cajennense / Experimental infection of horses with Rickettsia rickettsii and evaluation of transmission to ticks Amblyomma cajennense

Tatiana Evelyn Hayama Ueno 01 August 2014 (has links)
Rickettsia rickettsii é uma bactéria intracelular obrigatória e agente etiológico da febre maculosa brasileira, uma grave enfermidade para humanos. Na América do Sul, o principal vetor para o agente é o carrapato Amblyomma cajennense. Alguns animais exercem um papel importante na manutenção da bactéria na natureza, uma vez que a mantêm em níveis altos na corrente sanguínea por alguns dias ou semanas, garantindo que novos carrapatos se infectem. Os equinos são um dos principais hospedeiros para A. cajennense, porém sua importância como hospedeiro amplificador de R. rickettsii ainda não havia sido estudada. Objetivou-se no presente trabalho detectar, em equinos experimentalmente infectados com R. rickettsii, possíveis alterações clínicas, ocorrência e duração de riquetsemia e ocorrência de transmissão da bactéria dos equinos para carrapatos A. cajennense, além de observar a curva de anticorpos IgG anti-R. rickettsii nestes animais. Para tanto, quatro equinos foram infectados com a amostra Taiaçu de R. rickettsii, sendo dois por meio de infestação com carrapatos A. cajennense infectados e dois por meio de inoculação intraperitoneal. Durante 30 dias, os animais foram examinados diariamente e amostras de sangue foram coletadas a cada dois dias para realização de hemograma, PCR em tempo real do sangue para detecção de Rickettsia e inoculação do sangue em cobaias. Adicionalmente, exames bioquímicos foram realizados a cada seis dias e RIFI para detecção de anticorpos IgG foi realizada até os animais se tornarem soronegativos. Para verificar a capacidade de transmissão para carrapatos, os equinos foram infestados com larvas, ninfas e adultos de A. cajennense não infectados. Após serem retirados dos equinos, estes carrapatos foram alimentados em coelhos e/ou testados pela PCR em tempo real e PCR convencional para detecção de Rickettsia. Os equinos não apresentaram sinais clínicos nem alterações significativas no hemograma e testes bioquímicos. Todas as amostras de sangue foram negativas na PCR em tempo real e nenhuma cobaia inoculada com sangue dos equinos apresentou sinais clínicos compatíveis com infecção por R. rickettsii, nem soroconversão. Os equinos apresentaram anticorpos detectáveis a partir de 10 ou 12 dias pós-inoculação ou infestação e permaneceram soropositivos por no mínimo 177 dias. Nenhum coelho infestado com carrapatos previamente alimentados nos equinos apresentou sinais clínicos ou soroconversão após 21 dias da infestação. Apenas um carrapato, originário de um equino infectado via carrapatos infectados, foi positivo concomitantemente na PCR em tempo real e PCR convencional. Conclui-se que equinos experimentalmente infectados com uma amostra brasileira de R. rickettsii não apresentam alterações clínicas nem bacteremia detectável e transmitem a bactéria para uma quantidade ínfima de carrapatos, porém desenvolvem boa resposta humoral. Pode-se inferir que, em condições naturais, equinos não são importantes como hospedeiros amplificadores para R. rickettsii. / Rickettsia rickettsii is an obligate intracellular bacterium and the etiological agent of Brazilian spotted fever, a severe illness of humans. In South America, the main vector for the agent is the tick Amblyomma cajennense. Some animals play an important role in maintenance of the bacterium in nature, since they develop high levels of bacteremia for a few days or weeks, ensuring that new ticks become infected. Horses are one of the major hosts for A. cajennense, but its importance as an amplifier host for R. rickettsii had not yet been studied. This study aimed to evaluate possible clinical changes, the occurrence and duration of rickettsemia, and the occurrence of transmission of the bacterium from horses to A. cajennense ticks in horses experimentally infected with R. rickettsii, in addition to observe the kinetics of anti-R. rickettsii IgG antibodies. Therefore, four horses were infected with R. rickettsii strain Taiaçu, two by infestation with infected A. cajennense ticks and two by intraperitoneal injection. For 30 days, the animals were examined daily and blood samples were collected every two days for hemogram, real-time PCR of whole blood for the detection of Rickettsia, and inoculation of guinea pigs with blood. Additionally, biochemical tests were performed every six days and IFA test for detection of IgG antibodies was performed until the animals become seronegative. In order to verify the ability of the horses to transmit the infection to ticks, horses were infested with uninfected A. cajennense larvae, nymphs and adults. After being removed from horses, these ticks were fed on rabbits and/or tested by real-time PCR and conventional PCR. The horses showed no clinical signs or significant changes in the blood count and biochemical tests. All blood samples were negative in the real-time PCR and no guinea pig inoculated with the horse blood showed clinical signs consistent with infection by R. rickettsii, neither seroconversion. Horses had detectable antibodies from 10 or 12 days post-inoculation or infestation and remained seropositive for at least 177 days. None of the rabbits infested with ticks previously fed on the horses showed clinical signs or seroconversion after 21 days of infestation. Only one tick fed on a horse infected by infected ticks was positive in the real-time PCR and conventional PCR. The results allows to conclude that horses, experimentally infected with a Brazilian strain of R. rickettsii, do not exhibit clinical changes or detectable bacteremia, and transmit the bacterium to a very small amount of ticks, but develop good humoral response. We can infer that horses are not important as amplifiers hosts for R. rickettsii under natural conditions.
38

Influência do fotoperíodo e da temperatura na diapausa comportamental de larvas não-alimentadas de Amblyomma cajennense (Acari: Ixodidae) provenientes de Pirassununga, São Paulo, Brasil / Effect of photoperiod and temperature on the behavioral diapause of Amblyomma cajennense unfed larvae from Pirassununga, São Paulo, Brazil

Ricardo Ramos Cabrera 15 April 2008 (has links)
A diapausa comportamental em carrapatos é caracterizada pela perda temporária da agressividade do indivíduo, tendo como conseqüência o prolongamento do período sem alimentação, sendo detectada em larvas de Amblyomma cajennense. Esta espécie destaca-se como principal vetor da Febre Maculosa no Sudeste brasileiro. Este estudo objetivou avaliar os efeitos do fotoperíodo e da temperatura na regulação da diapausa comportamental em larvas não-alimentadas de A. cajennense. Para isso, fêmeas ingurgitadas foram obtidas de eqüinos naturalmente infestados de Janeiro à Fevereiro de 2005 e 2006. No laboratório, cada grupo experimental foi composto por oito fêmeas ingurgitadas colocadas em vaso contendo capim braquiária (Brachiaria decumbens). Cada vaso foi exposto a uma condição de temperatura e fotoperíodo dentro de incubadoras B.O.D. (Marconi MA 402). A fotofase foi estabelecida por 4 lâmpadas (Philips TLT 75RS Extra luz do dia 20w) e a escotofase pela ausência total de luz. Os parâmetros biológicos observados foram período de pré-postura, incubação dos ovos, de permanência das larvas debaixo do capim e de presença de larvas na ponta do capim (comportamento de busca pelo hospedeiro). Paralelamente, verificou-se o poder infestante de larvas em diapausa para frangos (Gallus gallus), em comparação com larvas em não diapausa. Os resultados obtidos demonstram que, sob variação de fotoperíodo com temperatura constante de 25oC, a duração do intervalo de pré-postura e de incubação dos ovos foi semelhante em todos os grupos experimentais (1 a 2 semanas para período de pré-postura e 5 semanas para período de incubação dos ovos). Observou-se que a combinação de fotoperíodo 14:10 (claro:escuro) induziu a diapausa, sendo que o fotoperíodo de 12:12 ou 10:14 determinaram o término da diapausa. Em outras combinações de fotoperíodo, onde larvas estiveram no fotoperíodo de 12:12 ou 10:14 desde a eclosão, a aglomeração nas pontas do capim ocorreu dentro das primeiras semanas de vida das larvas. Larvas mantidas em fotoperíodo 12:12 e 10:14 não entraram em dormência e larvas mantidas em condição de fotoperíodo de 14:10 permaneceram no solo por tempo maior que as outras. No entanto, a diminuição da temperatura de 25 para 15oC, no fotoperíodo constante de 14:10, induziu o término da diapausa. Em todos os experimentos realizados sob fotoperíodo de 10:14, nenhum dos regimes de temperatura foi eficiente para induzir a diapausa. Houve diferença no intervalo de incubação dos ovos entre grupos experimentais com temperatura de 25 e 20oC. Não houve diferenças significantes (P > 0,05) entre proporções de larvas em diapausa e em não diapausa que se ingurgitaram nos frangos, embora larvas em diapausa apresentaram período parasitário significativamente mais longo (P < 0,05). Conclui-se que a diapausa em larvas de A. cajennense é induzida somente se a condição de fotoperíodo estiver com maior número de horas de claro (14:10) durante a eclosão das larvas. Temperaturas de 20 ou 25oC não são capazes de induzir a diapausa, quando mantidas em fotoperíodo 12:12 ou 10:14. O término da diapausa é desencadeado tanto pela mudança de fotoperíodo (14:10 para 12:12 ou 10:14) como pela diminuição da temperatura de 25 para 15oC. / Behavioral diapause in ticks is characterized by the temporary loss of aggressiveness, and consequently, to the extension of the starvation period, as recently detected in Amblyomma cajennense larvae. This species is the main vector of spotted fever in southeastern Brazil. The present study aimed to evaluate the effect of photoperiod and temperature on the regulation of behavioral diapause of A. cajennense unfed larvae. For this purpose, engorged females were obtained from horses naturally infested from January to February in each of the years 2005 and 2006. In the laboratory, each experimental group was composed by eight engorged females, which were placed in a grass plot composed by the grass Brachiaria decumbens, held in a small basket (40 cm diameter). Each plot was exposed to a particular condition of temperature and photoperiod within a BOD incubator (Marconi MA 402). Photoperiod was provided by 4 lamps (Philips TLT 75RS 20w) and scotophase by total darkness. Evaluated tick biological parameters were preoviposition and incubation periods, as well as the period of time the larvae remained under the grass after hatching, and the period of time that larvae were seen questing on the top of the grass leaves (host questing). The infestation capacity of diapause larvae to feed on chickens (Gallus gallus) was compared to larvae without being in diapause. The results showed that under variation of photoperiod and constant temperature of 25oC, the duration of preoviposition and incubation periods were similar in all the experimental groups (1 to 2 weeks to preoviposition and 5 weeks for egg incubation). Photoperiod 14:10 (light: dark) induced recently hatched larvae to enter diapause, whereas photoperiod 12:12 or 10:14 determined the end of diapause. In other combinations of photoperiod, where larvae were in photoperiod 12:12 or 10:14 from the eclosion, formation of larval clusters on the top of grass leaves occurred within the first weeks after larval eclosion. Larvae kept in photoperiod 12:12 and 10:14 did not enter in dormancy, whereas larvae maintained in photoperiod 14:10 since eclosion remained in the soil under the grass for longer periods. However, the decrease in temperature from 25 to 15oC under constant photoperiod of 14:10 triggered the end of diapause. In all experiments performed under photoperiod of 10:14, none of the temperature regimes was effective to induce diapause. There were different incubation periods between experimental groups held at 25 and 20oC. There were no significant differences (P > 0.05) between the proportions of diapause and non-diapause larvae that engorged on chickens, although the period of parasitism of larvae in diapause was significantly longer (P < 0.05). As conclusions for the present study, diapause in A. cajennense larvae is induced only if the condition of photoperiod is with more hours of light (14:10) during larval eclosion. Temperatures of 20 or 25oC are not able to induce diapause, when kept in photoperiod 12:12 or 10:14. The end of diapause is triggered both by the change in photoperiod (14:10 to 12:12 or 10:14) and the decrease in temperature from 25 to 15oC.
39

Competência vetorial de carrapatos do grupo Rhipicephalus sanguineus do Brasil, Argentina e Uruguai para transmissão da bactéria Ehrlichia canis, agente etiológico da erliquiose monocítica canina / Vector competence of the group Rhipicephalus sanguineus ticks from Brazil, Argentina and Uruguay for transmission of the bacterium Ehrlichia canis, causative agent of canine monocytic ehrlichiosis

Jonas Moraes Filho 22 August 2013 (has links)
Estudos filogenéticos recentes mostram que na América Latina há dois grupos distintos de carrapatos identificados como R. sanguineus. Carrapatos R. sanguineus da chamada América Latina temperada (Chile, Argentina, Uruguai e estado do Rio Grande do Sul) formam um grupo monofilético, claramente distinto de um segundo grupo monofilético, formado por R. sanguineus da denominada América Latina tropical (desde México ao estado Brasileiro de Santa Catarina), com claras possibilidades desses dois grupos estarem representados por duas espécies distintas dentro do complexo sanguineus. Estudos sobre erliquiose canina (causada por Ehrlichia canis) na América Latina indicam que E. canis é altamente prevalente em países da América Latina tropical, porém rara ou escassa na América Latina temperada. Desta forma, a hipótese primária do presente projeto foi que a ausência ou escassez de casos de erliquiose canina na América Latina temperada se deve à baixa competência vetorial dos carrapatos sob o táxon R. sanguineus presentes nessa região, ao contrário da América tropical, em que os carrapatos presentes sob o táxon R. sanguineus possuem alta competência vetorial para E. canis. Baseado no exposto acima, o objetivo geral do presente projeto foi avaliar de forma comparativa a competência vetorial de quatro populações de R. sanguineus da região Neotropical, uma representando a América Latina tropical e três representando a América Latina temperada. Carrapatos nas fases de larvas e ninfas, derivados de quatro populações de R. sanguineus, provenientes da Argentina (América Latina temperada), Estado do Rio Grande do Sul (América Latina temperada), Uruguai (América Latina temperada) e da cidade de São Paulo, Brasil (América Latina tropical) foram expostos a E. canis, ao se alimentarem em cães infectados com E. canis, na fase aguda da doença. Em paralelo, larvas e ninfas não infectadas de cada uma das quatro populações foram levadas a infestar cães não infectados (grupo controle). As larvas e ninfas ingurgitadas, recuperadas nessa primeira fase, foram deixadas em estufa para realizarem ecdise para ninfas e adultos, respectivamente. Parte destas ninfas e adultos foi separada para análises moleculares. Outra parte dessas ninfas e adultos foi levada a infestar cães susceptíveis, a fim de se verificar a competência vetorial desses carrapatos das quatro populações. Nas infestações realizadas, amostras de sangue dos cães infestados foram colhidas semanalmente durante sessenta dias. Parte desse sangue foi processado imediatamente para hemograma, mostrando que somente os cães infestados com adultos de R. sanguineusde São Paulo, expostos a E. canis na fase de ninfa, apresentaram alterações marcantes de números de eritrócitos, volume globular, hemoglobina e plaquetas abaixo do valor mínimo de referência para cães sadios. Todos os demais cães infestados apresentaram valores de hemograma sem grandes alterações significativas. Nenhum cão apresentou febre. A outra parte do sangue colhido semanalmente foi separada para processamento por PCR em tempo real para pesquisa de DNA de E. canis e sorologia para pesquisa de anticorpos anti-E. canis. As análises moleculares (PCR em tempo real para pesquisa de DNA de E. canis) e sorológicas (imunofluorescência indireta) de todos esses cães foram realizadas, assim como as análises moleculares dos carrapatos, a fim de se verificar a freqüência de carrapatos de cada população que se infectou, após se alimentarem em cães infectados. Os resultados indicam que somente os carrapatos da colônia de São Paulo (América Latina tropical) foram competentes para transmitir a doençaa três cães sadios, que se mostraram positivos na PCR em tempo real e na soroconversão para E. canis. Todos os cães infestados com carrapatos das colônias da América Latina temperada (Chile, Argentina, Uruguai e estado do Rio Grande do Sul) não se infectaram por E. canis, mesmo que esses carrapatos haviam se alimentado, num estágio anterior, em um cão sabidamente infectado. Os testes moleculares dos carrapatos corroboram esses resultados, uma vez que nenhum carrapato adulto (exposto E. canis na fase de ninfa) das colônias da Argentina e Uruguai se mostrou positivo na PCR em tempo real, ao passo que pelo menos 1% das ninfas e 28% dos adultos de R. sanguineus da colônia São Paulo se mostraram positivos, após se alimentarem como larvas e ninfas, respectivamente, no mesmo cão infectado que serviu de alimento para os carrapatos da América Latina temperada (Uruguai, Argentina e Rio Grande do Sul). Em relação aos carrapatos provenientes do estado do Rio Grande do Sul, 4% dos adultos analisados logo após a ecdise se apresentaram positivos na PCR em tempo real, mas nenhum adulto foi positivo 30 dias após a ecdise. Como os carrapatos dessa população não foram competentes para transmitir a bactéria para cães susceptíveis, presume-se que os resultados positivos na PCR logo após a ecdise se deva a DNA residual da bactéria ingerida na alimentação da ninfa no cão infectado. Carrapatos adultos das quatro populações estudadas foram inoculados pela via intracelomática com emulsão de células DH82 infectadas com E. canis. Após ficarem incubados por 10 dias numa incubadora BOD a 25oC, se alimentaram por cinco dias em coelhos, quando então foram manualmente retirados e tiveram suas glândulas salivares dissecadas e submetidas a extração de DNA. Pela PCR em tempo real, somente 1 (10%) de 10 carrapatos da população de São Paulo foi positivo para E. canis, ao passo que nenhum carrapato das demais populações (10 carrapatos por população) foi positivo.Amostras de carrapatos adultos do grupo R .sanguineus coletados a campo em diferentes regiões do Brasil foram analisadas através da técnica de PCR em tempo real para verificar a presença da bactéria E. canis. Foram coletados R.sanguineus dos seguintes locais (30 a 374 carrapatos por localidade): São Paulo/SP, Cuiabá/MT, Campo Grande/MS, Paulo Afonso/BA, Cachoeira do Sul/RS, São Luís/MA, Uberlândia/MG, Bandeirantes/PR, Petrolina/PE, Ji-Paraná/RO; e amostras de Montevidéu (Uruguai) e Rafaela (Argentina). Apenas os carrapatos de Cachoeria do Sul/RS, Campo Grande/MS, Montevidéu (Uruguai) e Rafaela (Argentina) foram todos negativos na PCR. Nas demais localidades, o percentual de carrapatos positivos para E. canis variou de 2,0 a 7.9%. Os resultados deste trabalho servem para uma melhor compreensão da ausência de casos de infecção canina por E. canis na América Latina temperada (cone sul) e reforçam a hipótese de que tal fato se deve à baixa competência vetorial dos carrapatos sob o táxon R. sanguineus presentes nessa região, ao contrário da América tropical, onde os carrapatos presentes sob o táxon R. sanguineus possuem alta competência vetorial. / Philogenetic studies have shown that in Latin America two different groups of the tick species Rhipicephalus sanguineus. These two groups found apart in two different regions, the Temperate region (Chile, Argentina, Uruguay and Southern Brazil) and the Tropical region (From Southern Brazil up to Mexico). It is likely that those two groups are represented by two different species within R. sanguineus group. Studies on ehrlichiosis (caused by Ehrlichiacanis) in the Latin America point thet E. canis is highly prevalent in the Tropical region whereas is rarely report in Temperate region. The present study tests the hypothesis that the distribution of ehrlichiosis are related to the low vectorial competence of the tick within the taxon group R. sanguineus found in the Temperate area and the high vectorial competence of the tick within the taxon group R. sanguineus found in the Tropical area. The objective of this study was to evaluate comparatively the vectorial competence of four R. sanguineus tick population, where three were collected in Temperate Area, from Argentina, Uruguay and State of Rio Grande do Sul (Brazil) and one from Tropical Area from the State of São Paulo (Brazil). Ticks from all four populations were exposed to E. canins through feeding upon infected dogs in acute disease phase, a control group were set up for each population by feeding larvae and nymphs on non infected dogs. All larvae and nymphs collected in this part of the study were allowed to molt in incubator (27oC,>85%RH) to nymphs and adults, respectively. Part of the ticks were selected to underwent molecular analysis, other part were released on susceptible dogs, in order to determine the vectorial competence for each of the tick populations. From the carried out infestations, samples of blood from the infested dogs were drawn weekly during 60 days. Part of the drawn blood was processed for hemogram that yielded that dogs infested with ticks from the São Paulo population, exposed to E. canis during the nymphal stage, showed important alteration on the number of erytrocytes, hemoglobine, packed cell volume, and platelets underneath the threshold for health dogs. All other dogs showed no important alteration in blood parameters. No fever was detected in any of the dogs. The other part of the weekly drawn blood from each dog was processed by real time PCR targeting E. canis DNA and processed by serology (Indirect immunofluorescence) seeking for anti-E. canis antibodies. Molecular analysis (real time PCR) on ticks were carried out in order to detect the prevalence of infected ticks on each population. Results show that only the ticks from the São Paulo population (Tropical Region) were competent in transmitting E. canis to three susceptible dogs, since material from these three fogs yielded positive in real time PCR and sorology tests. All dogs infested with ticks from the Argentina, Urugay and State of Rio Grande do Sul (Temperate Regions) population have not being infected by E. canis. The molecular tests on the ticks support this find since no tick from Argentina and Uruguay population yielded positive in the real time PCR, whereas about 1% of the nymphs and 28% of the adults of ticks from São Paulo population yielded positive in the real time PCR. The ticks from the State of Rio Grande do Sul population showed 4% of positive for real time PCR among the adult ticks tested, but when these ticks fed on susceptible dogs, they were not competent in transmitting the bacterium, what may shown that these PCR positive ticks might have residual bacterium DNA in the midgut. Analysis on the salivary gland from the adult ticks from all four tick populations that were either incoculates in vitro with E. canis or feeding upon infected dogs, showed positive for E. canis DNA only in the São Paulo population. Samples of ticks collected from different regions of Brazil were analyzed by real time PCR in order to detect E. canis bacterium DNA. There were collected R. sanguineus from the cities of São Paulo, Cuiabá, Campo Grande, Paulo Afonso, Cachoeira do Sul, São Luís, Uberlândia, Bandeirantes, Petrolina, Ji-Paraná; e amostras de Montevidéu (Uruguay) e Rafaela (Argentina). The State of Maranhão showed 7.94% of positive ticks, that being the highest prevalence found. Samples from State of Rio Grande do Sul, Campo Grande City, alongside with cities of Rafaela (Argentina) and Montevidéu (Uruguay), showed none positive tick for E. canins bacterium DNA. All presented data contribute for a better understanding on the absence of canine ehrlichiosis cases in the Temperate Latin America (Southern South America) and therefore support the hypothesis that this fact is related to the low vetorial competence of the ticks within the R. sanguineus taxon founded in this region, on the other hand, ticks within the R. sanguineus taxon found in Tropical Latin America show high vectorial competence in E. canis transmission.
40

Análise filogenética de diferentes populações do carrapato Rhipicephalus sanguineus provenientes de diferentes regiões do Brasil, da América Latina, Espanha, Itália e África do Sul / Genetic Analysis of different populations of Rhipicephalus sanguineus from Brazil, Latin America, Spain, Italy and South Africa

Jonas Moraes-Filho 26 February 2010 (has links)
Dentro do gênero Rhipicephalus, há o chamado complexo sanguineus formado por várias espécies presentes apenas no Velho Mundo, das quais apenas a espécie Rhipicephalus sanguineus é considerada de ocorrência no Novo Mundo. Como as espécies deste complexo apresentam grande similaridade morfológica, é possível que mais de uma espécie do complexo sanguineus esteja ocorrendo nas Américas. Um trabalho recente relatou parâmetros biológicos e genéticos significativamente diferentes entre uma população de R. sanguineus do Brasil e outra da Argentina, sugerindo que o status biosistemático de R. sanguineus na América do Sul deva ser revisto. Diante disto, e da inquestionável importância medico-veterinária de R. sanguineus na América do Sul, este projeto objetivou realizar uma análise genética de 32 populações de R. sanguineus, sendo 17 do Brasil (englobando 13 estados), 3 do Chile, 2 da Venezuela, 2 da Colômbia e 1 de cada um dos seguintes países: Argentina, Uruguai, Itália, Espanha, África do Sul, Costa Rica, Panamá, México. Uma amostra de Rhipicephalus turanicus da Espanha e uma da África do sul também foram analisadas. Para tal, carrapatos oriundos das diferentes populações foram analisados geneticamente através de seqüências dos genes mitocondriais 16S rDNA. O resultado deste trabalho permitiu inferir sobre a possibilidade da existência no mínimo de dois grupos distintos de carrapatos sob o táxon R. sanguineus na América Latina, um se aproximando dos carrapatos de origem africana e com distribuição na América tropical e subtropical e outro se aproximando das amostras européias e com distribuição temperada do sul da América do Sul / Among the genus Rhipicephalus, there is the sanguineus complex composed by many species of distribution restricted to the Old World. It has been considered that Rhipicephalus sanguineus is the only species from this complex to be present in the New World. Due to the high similarity between the sanguineus complex species, it is possible that more than one species is present in the Americas, as suggested by recent papers. The present study performed a genetic evaluation based on 16S rDNA mitochondrial gene sequences of ticks representative 26 R. sanguineus populations from South America, one from: Italy, Spain, South Africa, Costa Rica, Panama, Mexico. Additionally, Rhipicephalus turanicus ticks from South Africa and Spain were also used. The results confirm the existence of genetically distinct populations of the \"sanguineus\" complex in the Americas

Page generated in 0.0809 seconds