• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 118
  • 4
  • 4
  • 4
  • 4
  • 3
  • 1
  • Tagged with
  • 118
  • 73
  • 58
  • 18
  • 18
  • 15
  • 12
  • 10
  • 9
  • 9
  • 9
  • 8
  • 8
  • 8
  • 7
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Doença periodontal inflamatória induzida por ligadura: Caracterização microscópica e estudo da presença de mastócitos e das enzimas óxido nítrico sintase induzível (iNOS) e metaloproteinases -2 e -9

Rodini, Camila de Oliveira 29 April 2005 (has links)
A doença periodontal inflamatória envolve mecanismos imunopatológicos e inflamatórios contra microrganismos da placa dentobacteriana, sendo que diversas células, tanto residentes quanto inflamatórias, e mediadores químicos participam ativamente da resposta do hospedeiro. O presente trabalho teve como objetivo caracterizar o modelo experimental da doença periodontal inflamatória induzida por ligadura em ratos, com ênfase na avaliação clínica e microscópica, bem como no estudo quantitativo dos mastócitos e da presença de RNA mensageiro (RNAm) codificador das enzimas óxido nítrico sintase induzível (iNOS) e metaloproteinases (MMPs) -2 e –9. Para este fim, as amostras correspondentes foram obtidas em diferentes períodos de indução da doença periodontal inflamatória experimentalmente induzida (1, 3, 7, 14, 28, 42 e 56 dias ou 1, 3, 7, 14 e 30 dias) e avaliadas microscopicamente por meio das colorações de hematoxilina-eosina e azul de toluidina, bem como semi-quantitativamente por meio de Reação em Cadeia da Polimerase precedida por Transcrição Reversa (RT-PCR). Para fins comparativos, foram utilizadas amostras de tecido gengival normal do mesmo animal. Microscopicamente, observou-se exuberante presença de polimorfonucleares (PMNs) nos tecidos afetados pela doença periodontal inflamatória, especialmente nos períodos inicias. Detectou-se ainda a expressão aumentada de RNAm para MMP-9 apenas nos tecidos afetados pela doença periodontal nos períodos de 3 e 7 dias, porém não se observou aumento estatisticamente significativo na expressão de RNAm para MMP-2 em nenhuma das comparações analisadas. Com relação à iNOS, a expressão de seu RNAm foi maior nos tecidos doentes quando comparados com os tecidos gengivais controle no período de 3 dias, assim como nos tecidos afetados pela doença periodontal no período de 3 dias ao se comparar com os tecidos doentes aos 7 dias após a indução. Ainda, o número de mastócitos/mm2 na região adjacente aos epitélios sulcular e juncional, bem como na área de inserção conjuntiva, apresentou-se diminuído na doença periodontal inflamatória experimentalmente induzida em ratos, com relação aos tecidos gengivais saudáveis, tanto no lado vestibular quanto no lingual. Nossos resultados sugerem que a doença periodontal experimentalmente induzida em ratos caracteriza-se por lesões inflamatórias com predomínio de células PMNs e áreas de reabsorção óssea alveolar desde as primeiras 24 horas após a indução, porém sem progressão para um infiltrado inflamatório linfoplasmocitário organizado focalmente que caracteriza a doença humana. Provavelmente, a MMP-9 e o óxido nítrico (NO) têm participação na evolução e patogênese da doença periodontal experimentalmente induzida por ligadura, incluindo destruição tecidual e perda óssea alveolar. De forma contrária, os mastócitos parecem ter limitada participação na referida doença, não constituindo, provavelmente, fonte significativa da iNOS e da MMP-9. / Inflammatory periodontal disease envolves imunopathological and inflammatory mechanisms against bacterial dental plaque, including the participation of host resident as well as inflammatory cells and chemical mediators. The present work characterized a ligature-induced model of experimental inflammatory periodontal disease, emphasysing clinical and microscopic valuation as well as quantitative study of the number of mast cells and the presence of expression of mesanger RNA (mRNA) of inducible nitric oxide (iNOS) and metalloproteinases (MMPs) -2 and -9. Samples were obtained from different periods and microscopically analysed trough hematoxylin-eonin and toluidin blue stainings, and quantitatively estimated through Reverse Transcriptase Polimerase Chain Reaction (RT-PCR). The results revealed the presence of numerous polymorphonuclear (PMN) cells on tissues affected by inflammatory periodontal disease, mainly on initial periods. Significant expression of MMP-9 was still detected on tissues affected by inflammatory periodontal disease on day 3 and 7, with no significant difference on the expression of MMP-2. iNOs expression was also higher on diseased tissues compared to controls on day 3 and between days 3 and 7 diseased tissues themselves. Mast cells numbers were reduced on the dentogengival area of diseased tissues compared to controle ones, on buccal and ligual sides. Our results suggest that experimentally induced inflammatory periodontal disease are characterized by inflammatory lesions with the predominance of PMNs and bone resorption areas since the first day of induction, although without a progression to a lymphocyte / plasma cells inflammatory infiltrate characteristic of human disease. Probably, MMP-9 and iNOS participate on the evolution and pathogenesis of ligature-induced periodontal disease, including tissue destruction and alveolar bone resorption. On the other hand, mast cells seem no to be a significant source of iNOS and MMP-9.
2

Quantificação demastócitos em lesões de psoríase e correlação com a intensidade do prurido apresentado pelos pacientes com esta dermatose

Peres, Letícia Pangendler January 2015 (has links)
Introdução: A psoríase é uma doença de caráter crônico e bastante prevalente. O prurido associado a ela é um sintoma muito frequente e de difícil controle, podendo trazer sérios prejuízos na qualidade de vida dos pacientes. Estudos prévios demonstraram o aumento na quantificação de mastócitos em lesões de psoríase, porém a associação entre a quantidade células mastocitárias e a intensidade do prurido na psoríase nunca foi avaliada. Objetivo: Avaliar a associação entre a quantificação de mastócitos em lesões de psoríase e a intensidade do prurido apresentado pelos portadores dessa dermatose. Pacientes e Métodos: Foram avaliados 29 pacientes com diagnóstico clínico de psoríase em placas, atendidos no ambulatório de Dermatologia do HCPA. Todos os participantes tiveram suas lesões quantificadas pelos índices PASI (Psoriasis Area and Severity Index) e BSA (Body Surface Area) e responderam a dois questionários: um para definição do impacto da psoríase na qualidade de vida, através do DLQI (Dermatology Life Quality Index), e outro com informações clínicas. A intensidade do prurido foi aferida através de uma escala análogo visual (EAV) e obtida uma biópsia de pele para a quantificação dos mastócitos. A contagem dos mastócitos foi realizada através das colorações Giemsa e imunohistoquímica (IHQ) para CD-117. Resultados: Dos pacientes estudados, 44,8% eram homens e 55,2% mulheres. A idade média dos pacientes foi de 50 anos (desvio padrão = 15 anos). A avaliação do PASI apresentou uma uma mediana de 7.6 (IIC 5,35-15,05) e do BSA de 16% (IIC 10- 29,5). O DLQI apresentou um valor mínimo de 0 e máximo de 26, com mediana de 5 (IIC 2,5-12,5) . Em relação ao prurido, a EAV teve uma variação de 0 à 10, e median com valor de 6 (IIC 2-8), sendo que 93,1% dos pacientes apresentaram algum grau de prurido. Na quantificação de mastócitos nas biópsias de pele, obtivemos uma média de 11,32 mastócitos/campo na técnica de imunohistoquímica (desvio padrão= 4,47) e uma média de 6,72 mastócitos/campo para a coloração de Giemsa (desvio padrão= 2,57). Entretanto, não conseguimos estabelecer correlação entre a intensidade do prurido e a contagem de mastócitos, sendo encontrado um valor de p = 0,152 para a IHQ e de p = 0,116 para Giemsa. Após dividirmos os pacientes em psoríase leve/moderada (PASI≤10) e psoríase grave (PASI>10) também não foi observada correlação estatísticamente significativa com nenhuma das seguintes variáveis: quantificação de mastócitos, tempo de duração da doença, intensidade de prurido, uso de metotrexato, uso de corticóide tópico, tabagismo, presença de comorbidades (hipertensão, dislipidemia ou diabete) sexo e idade. A comparação entre os dois métodos de quantificação de mastócitos, através da técnica de Bland and Altman, mostrou que o IC entre eles está entre -1,49 e 10,83, sendo a técnica de imunohistoquímica considerada a mais sensível. Conclusão: Apesar de os mastócitos serem mediadores pruritogênicos em diversas doenças cutâneas, e ainda que já esteja bem documentado o aumento do número de mastócitos em lesões de psoríase, nossos resultados não foram capazes de estabelecer uma relação entre a quantificação dessas células com a intensidade do prurido referido pelos pacientes. Estes achados reforçam o conceito de que o prurido presente na psoríase possui uma fisiopatologia complexa e multifatorial, envolvendo outros mediadores pruritogênicos além dos mastócitos. / Introduction: Psoriasis is a chronic disease with a high prevalence. The associated pruritus is a very common symptom and one that is difficult to control, but the mediators involved in psoriatic itching have not been fully established. Objective: To evaluate associations between the number of mast cells in psoriatic lesions and the intensity of pruritus in patients with psoriasis. Patients and Methods: A sample of 29 patients with clinical diagnoses of plaque psoriasis was recruited. All participants were assessed using the Psoriasis Area and Severity Index (PASI) and by Body Surface Area (BSA). A questionnaire was administered to obtain clinical information and the Dermatology Life Quality Index (DLQI) was administered to acquire details relating to the impact of psoriasis on their quality of life. Pruritus was assessed using a visual analog scale (VAS) and skin biopsies were taken for staining with Giemsa and Immunohistochemistry (IHC) with CKit. Results: The immunohistochemical method revealed a mean of 11.32 mast cells/field (standard deviation= 4.47) and Giemsa staining revealed a mean of 6.72 mast cells/field (standard deviation= 2.57). However, there were no correlations between intensity of itching and the mast cell counts, with p values of p = 0.152 for IHC and p = 0.116 for Giemsa. Conclusions: Although mast cells are mediators of pruritus in many cutaneous diseases, our findings support the view that the psoriatic pruritus has complex and multifactorial pathophysiology, involving other pruritogenic mediators beyond mast cells.
3

Doença periodontal inflamatória induzida por ligadura: Caracterização microscópica e estudo da presença de mastócitos e das enzimas óxido nítrico sintase induzível (iNOS) e metaloproteinases -2 e -9

Camila de Oliveira Rodini 29 April 2005 (has links)
A doença periodontal inflamatória envolve mecanismos imunopatológicos e inflamatórios contra microrganismos da placa dentobacteriana, sendo que diversas células, tanto residentes quanto inflamatórias, e mediadores químicos participam ativamente da resposta do hospedeiro. O presente trabalho teve como objetivo caracterizar o modelo experimental da doença periodontal inflamatória induzida por ligadura em ratos, com ênfase na avaliação clínica e microscópica, bem como no estudo quantitativo dos mastócitos e da presença de RNA mensageiro (RNAm) codificador das enzimas óxido nítrico sintase induzível (iNOS) e metaloproteinases (MMPs) -2 e –9. Para este fim, as amostras correspondentes foram obtidas em diferentes períodos de indução da doença periodontal inflamatória experimentalmente induzida (1, 3, 7, 14, 28, 42 e 56 dias ou 1, 3, 7, 14 e 30 dias) e avaliadas microscopicamente por meio das colorações de hematoxilina-eosina e azul de toluidina, bem como semi-quantitativamente por meio de Reação em Cadeia da Polimerase precedida por Transcrição Reversa (RT-PCR). Para fins comparativos, foram utilizadas amostras de tecido gengival normal do mesmo animal. Microscopicamente, observou-se exuberante presença de polimorfonucleares (PMNs) nos tecidos afetados pela doença periodontal inflamatória, especialmente nos períodos inicias. Detectou-se ainda a expressão aumentada de RNAm para MMP-9 apenas nos tecidos afetados pela doença periodontal nos períodos de 3 e 7 dias, porém não se observou aumento estatisticamente significativo na expressão de RNAm para MMP-2 em nenhuma das comparações analisadas. Com relação à iNOS, a expressão de seu RNAm foi maior nos tecidos doentes quando comparados com os tecidos gengivais controle no período de 3 dias, assim como nos tecidos afetados pela doença periodontal no período de 3 dias ao se comparar com os tecidos doentes aos 7 dias após a indução. Ainda, o número de mastócitos/mm2 na região adjacente aos epitélios sulcular e juncional, bem como na área de inserção conjuntiva, apresentou-se diminuído na doença periodontal inflamatória experimentalmente induzida em ratos, com relação aos tecidos gengivais saudáveis, tanto no lado vestibular quanto no lingual. Nossos resultados sugerem que a doença periodontal experimentalmente induzida em ratos caracteriza-se por lesões inflamatórias com predomínio de células PMNs e áreas de reabsorção óssea alveolar desde as primeiras 24 horas após a indução, porém sem progressão para um infiltrado inflamatório linfoplasmocitário organizado focalmente que caracteriza a doença humana. Provavelmente, a MMP-9 e o óxido nítrico (NO) têm participação na evolução e patogênese da doença periodontal experimentalmente induzida por ligadura, incluindo destruição tecidual e perda óssea alveolar. De forma contrária, os mastócitos parecem ter limitada participação na referida doença, não constituindo, provavelmente, fonte significativa da iNOS e da MMP-9. / Inflammatory periodontal disease envolves imunopathological and inflammatory mechanisms against bacterial dental plaque, including the participation of host resident as well as inflammatory cells and chemical mediators. The present work characterized a ligature-induced model of experimental inflammatory periodontal disease, emphasysing clinical and microscopic valuation as well as quantitative study of the number of mast cells and the presence of expression of mesanger RNA (mRNA) of inducible nitric oxide (iNOS) and metalloproteinases (MMPs) -2 and -9. Samples were obtained from different periods and microscopically analysed trough hematoxylin-eonin and toluidin blue stainings, and quantitatively estimated through Reverse Transcriptase Polimerase Chain Reaction (RT-PCR). The results revealed the presence of numerous polymorphonuclear (PMN) cells on tissues affected by inflammatory periodontal disease, mainly on initial periods. Significant expression of MMP-9 was still detected on tissues affected by inflammatory periodontal disease on day 3 and 7, with no significant difference on the expression of MMP-2. iNOs expression was also higher on diseased tissues compared to controls on day 3 and between days 3 and 7 diseased tissues themselves. Mast cells numbers were reduced on the dentogengival area of diseased tissues compared to controle ones, on buccal and ligual sides. Our results suggest that experimentally induced inflammatory periodontal disease are characterized by inflammatory lesions with the predominance of PMNs and bone resorption areas since the first day of induction, although without a progression to a lymphocyte / plasma cells inflammatory infiltrate characteristic of human disease. Probably, MMP-9 and iNOS participate on the evolution and pathogenesis of ligature-induced periodontal disease, including tissue destruction and alveolar bone resorption. On the other hand, mast cells seem no to be a significant source of iNOS and MMP-9.
4

Quantificação demastócitos em lesões de psoríase e correlação com a intensidade do prurido apresentado pelos pacientes com esta dermatose

Peres, Letícia Pangendler January 2015 (has links)
Introdução: A psoríase é uma doença de caráter crônico e bastante prevalente. O prurido associado a ela é um sintoma muito frequente e de difícil controle, podendo trazer sérios prejuízos na qualidade de vida dos pacientes. Estudos prévios demonstraram o aumento na quantificação de mastócitos em lesões de psoríase, porém a associação entre a quantidade células mastocitárias e a intensidade do prurido na psoríase nunca foi avaliada. Objetivo: Avaliar a associação entre a quantificação de mastócitos em lesões de psoríase e a intensidade do prurido apresentado pelos portadores dessa dermatose. Pacientes e Métodos: Foram avaliados 29 pacientes com diagnóstico clínico de psoríase em placas, atendidos no ambulatório de Dermatologia do HCPA. Todos os participantes tiveram suas lesões quantificadas pelos índices PASI (Psoriasis Area and Severity Index) e BSA (Body Surface Area) e responderam a dois questionários: um para definição do impacto da psoríase na qualidade de vida, através do DLQI (Dermatology Life Quality Index), e outro com informações clínicas. A intensidade do prurido foi aferida através de uma escala análogo visual (EAV) e obtida uma biópsia de pele para a quantificação dos mastócitos. A contagem dos mastócitos foi realizada através das colorações Giemsa e imunohistoquímica (IHQ) para CD-117. Resultados: Dos pacientes estudados, 44,8% eram homens e 55,2% mulheres. A idade média dos pacientes foi de 50 anos (desvio padrão = 15 anos). A avaliação do PASI apresentou uma uma mediana de 7.6 (IIC 5,35-15,05) e do BSA de 16% (IIC 10- 29,5). O DLQI apresentou um valor mínimo de 0 e máximo de 26, com mediana de 5 (IIC 2,5-12,5) . Em relação ao prurido, a EAV teve uma variação de 0 à 10, e median com valor de 6 (IIC 2-8), sendo que 93,1% dos pacientes apresentaram algum grau de prurido. Na quantificação de mastócitos nas biópsias de pele, obtivemos uma média de 11,32 mastócitos/campo na técnica de imunohistoquímica (desvio padrão= 4,47) e uma média de 6,72 mastócitos/campo para a coloração de Giemsa (desvio padrão= 2,57). Entretanto, não conseguimos estabelecer correlação entre a intensidade do prurido e a contagem de mastócitos, sendo encontrado um valor de p = 0,152 para a IHQ e de p = 0,116 para Giemsa. Após dividirmos os pacientes em psoríase leve/moderada (PASI≤10) e psoríase grave (PASI>10) também não foi observada correlação estatísticamente significativa com nenhuma das seguintes variáveis: quantificação de mastócitos, tempo de duração da doença, intensidade de prurido, uso de metotrexato, uso de corticóide tópico, tabagismo, presença de comorbidades (hipertensão, dislipidemia ou diabete) sexo e idade. A comparação entre os dois métodos de quantificação de mastócitos, através da técnica de Bland and Altman, mostrou que o IC entre eles está entre -1,49 e 10,83, sendo a técnica de imunohistoquímica considerada a mais sensível. Conclusão: Apesar de os mastócitos serem mediadores pruritogênicos em diversas doenças cutâneas, e ainda que já esteja bem documentado o aumento do número de mastócitos em lesões de psoríase, nossos resultados não foram capazes de estabelecer uma relação entre a quantificação dessas células com a intensidade do prurido referido pelos pacientes. Estes achados reforçam o conceito de que o prurido presente na psoríase possui uma fisiopatologia complexa e multifatorial, envolvendo outros mediadores pruritogênicos além dos mastócitos. / Introduction: Psoriasis is a chronic disease with a high prevalence. The associated pruritus is a very common symptom and one that is difficult to control, but the mediators involved in psoriatic itching have not been fully established. Objective: To evaluate associations between the number of mast cells in psoriatic lesions and the intensity of pruritus in patients with psoriasis. Patients and Methods: A sample of 29 patients with clinical diagnoses of plaque psoriasis was recruited. All participants were assessed using the Psoriasis Area and Severity Index (PASI) and by Body Surface Area (BSA). A questionnaire was administered to obtain clinical information and the Dermatology Life Quality Index (DLQI) was administered to acquire details relating to the impact of psoriasis on their quality of life. Pruritus was assessed using a visual analog scale (VAS) and skin biopsies were taken for staining with Giemsa and Immunohistochemistry (IHC) with CKit. Results: The immunohistochemical method revealed a mean of 11.32 mast cells/field (standard deviation= 4.47) and Giemsa staining revealed a mean of 6.72 mast cells/field (standard deviation= 2.57). However, there were no correlations between intensity of itching and the mast cell counts, with p values of p = 0.152 for IHC and p = 0.116 for Giemsa. Conclusions: Although mast cells are mediators of pruritus in many cutaneous diseases, our findings support the view that the psoriatic pruritus has complex and multifactorial pathophysiology, involving other pruritogenic mediators beyond mast cells.
5

Mastocitoma canino: abordagem histopatológica e imunoistoquímica na busca de biomarcadores prognósticos /

Pinczowski, Pedro. January 2008 (has links)
Orientador: Renée Laufer Amorim / Banca: Luiz Henrique de Araújo Machado / Banca: Paulo César Maiorka / Resumo: O mastocitoma ou tumor de mastócitos é a neoplasia cutânea mais comum em cães. O sistema de graduação histopatológico proposto por Patnaik et al. (1984), é um importante critério preditivo para o estadiamento da neoplasia e determinação de terapia adjuvante. O grau I representa a neoplasia bem diferenciada, o grau II a moderadamente diferenciada e o grau III a pouco diferenciada ou anaplásica. Alguns autores demonstraram a discrepância entres observadores quando realizadas comparações nas graduações histopatológicas, devendo-se principalmente a subjetividade do sistema atualmente utilizado. A busca de biomarcadores prognósticos pode ser feita utilizando-se anticorpos primários contra as proteínas envolvidas no processo de iniciação, promoção e progressão tumoral, angiogênese, além mediadores inflamatórios. Estudos foram realizados avaliando-se a expressão de c-KIT (indutor de proliferação celular), VEGF (indutor de angiogênese), PGE2 (mediador inflamatório), com a graduação histopatológica. Além de uma avaliação do próprio sistema de graduação. Foi observada uma discrepância ao avaliar 42 casos de mastocitomas, onde em 21,4% dos casos houve concordância entre os quatro observadores envolvidos no estudo. Em 45 mastocitomas avaliados não houve correlação entre a intensidade de expressão de c-KIT com a graduação histopatológica. No entanto o padrão de marcação de c-KIT apresenta correlação com a graduação histopatológica, sendo a membranosa mais frequente no grau I, citoplasmática difusa no grau II e citoplasmática focal no grau III. Ao correlacionar o percentual de células marcadas por campo e a intensidade de coloração do VEGF e PGE2 com a graduação histopatológica de 53 mastocitomas, não houve correlação estatística da expressão de VEGF, visto que todos mastocitomas expressam altas quantidades de VEGF. / Abstract: The mast cell tumor is the most common cutaneous neoplasia in dogs. The histopathologic grading system proposed by Patnaik et al. (1984) is an important predictive criteria for stablishing the neoplasia staging and therapy. The grade I represents a well diferentiated neoplasia, grade II a moderate differentiated, and grade III a poorly diferentiated or anaplasic. Some authors demonstrated a disagreement among pathologists when comparing histopathologic grading, due mainly to the subjective grading system in use. The search for prognostic biomarkers can be made using primary antibodies against proteins involved in the process of tumor initiation, promotion and progression, angiogenesis and inflammatory mediators. Studies were made evaluating c-KIT (cellular proliferation inductor), VEGF (angiogenesis inductor) and PGE2 (inflammatory mediator) expression and its correlation with the histopathologic grading. A evaluation of the grading system itself was also performed. It was found a disagreement when evaluating 42 canine cutaneous mast cell tumors, where 21,4% of the tumors had agreement of all four pathologists. In 45 mast cell tumors evaluated, there was no correlation between the c-KIT expression intensity and the histopathologic grading. However the expression pattern of c-KIT presented a correlation with the histopathologic grading, where the membrane pattern was more frequent in grade I, diffuse citoplasmatic in grade II and focal citoplasmatic in grade III. When correlating the percentual of marked cells and the expression intensity of VEGF and PGE2 with the histopathologic grading of 53 mast cell tumors, there was no statistical correlation of VEGF, due to all mast cell tumors express high levels of VEGF. The PGE2 presented correlation between the percentual of marked cells when comparing grades I and III. / Mestre
6

Quantificação demastócitos em lesões de psoríase e correlação com a intensidade do prurido apresentado pelos pacientes com esta dermatose

Peres, Letícia Pangendler January 2015 (has links)
Introdução: A psoríase é uma doença de caráter crônico e bastante prevalente. O prurido associado a ela é um sintoma muito frequente e de difícil controle, podendo trazer sérios prejuízos na qualidade de vida dos pacientes. Estudos prévios demonstraram o aumento na quantificação de mastócitos em lesões de psoríase, porém a associação entre a quantidade células mastocitárias e a intensidade do prurido na psoríase nunca foi avaliada. Objetivo: Avaliar a associação entre a quantificação de mastócitos em lesões de psoríase e a intensidade do prurido apresentado pelos portadores dessa dermatose. Pacientes e Métodos: Foram avaliados 29 pacientes com diagnóstico clínico de psoríase em placas, atendidos no ambulatório de Dermatologia do HCPA. Todos os participantes tiveram suas lesões quantificadas pelos índices PASI (Psoriasis Area and Severity Index) e BSA (Body Surface Area) e responderam a dois questionários: um para definição do impacto da psoríase na qualidade de vida, através do DLQI (Dermatology Life Quality Index), e outro com informações clínicas. A intensidade do prurido foi aferida através de uma escala análogo visual (EAV) e obtida uma biópsia de pele para a quantificação dos mastócitos. A contagem dos mastócitos foi realizada através das colorações Giemsa e imunohistoquímica (IHQ) para CD-117. Resultados: Dos pacientes estudados, 44,8% eram homens e 55,2% mulheres. A idade média dos pacientes foi de 50 anos (desvio padrão = 15 anos). A avaliação do PASI apresentou uma uma mediana de 7.6 (IIC 5,35-15,05) e do BSA de 16% (IIC 10- 29,5). O DLQI apresentou um valor mínimo de 0 e máximo de 26, com mediana de 5 (IIC 2,5-12,5) . Em relação ao prurido, a EAV teve uma variação de 0 à 10, e median com valor de 6 (IIC 2-8), sendo que 93,1% dos pacientes apresentaram algum grau de prurido. Na quantificação de mastócitos nas biópsias de pele, obtivemos uma média de 11,32 mastócitos/campo na técnica de imunohistoquímica (desvio padrão= 4,47) e uma média de 6,72 mastócitos/campo para a coloração de Giemsa (desvio padrão= 2,57). Entretanto, não conseguimos estabelecer correlação entre a intensidade do prurido e a contagem de mastócitos, sendo encontrado um valor de p = 0,152 para a IHQ e de p = 0,116 para Giemsa. Após dividirmos os pacientes em psoríase leve/moderada (PASI≤10) e psoríase grave (PASI>10) também não foi observada correlação estatísticamente significativa com nenhuma das seguintes variáveis: quantificação de mastócitos, tempo de duração da doença, intensidade de prurido, uso de metotrexato, uso de corticóide tópico, tabagismo, presença de comorbidades (hipertensão, dislipidemia ou diabete) sexo e idade. A comparação entre os dois métodos de quantificação de mastócitos, através da técnica de Bland and Altman, mostrou que o IC entre eles está entre -1,49 e 10,83, sendo a técnica de imunohistoquímica considerada a mais sensível. Conclusão: Apesar de os mastócitos serem mediadores pruritogênicos em diversas doenças cutâneas, e ainda que já esteja bem documentado o aumento do número de mastócitos em lesões de psoríase, nossos resultados não foram capazes de estabelecer uma relação entre a quantificação dessas células com a intensidade do prurido referido pelos pacientes. Estes achados reforçam o conceito de que o prurido presente na psoríase possui uma fisiopatologia complexa e multifatorial, envolvendo outros mediadores pruritogênicos além dos mastócitos. / Introduction: Psoriasis is a chronic disease with a high prevalence. The associated pruritus is a very common symptom and one that is difficult to control, but the mediators involved in psoriatic itching have not been fully established. Objective: To evaluate associations between the number of mast cells in psoriatic lesions and the intensity of pruritus in patients with psoriasis. Patients and Methods: A sample of 29 patients with clinical diagnoses of plaque psoriasis was recruited. All participants were assessed using the Psoriasis Area and Severity Index (PASI) and by Body Surface Area (BSA). A questionnaire was administered to obtain clinical information and the Dermatology Life Quality Index (DLQI) was administered to acquire details relating to the impact of psoriasis on their quality of life. Pruritus was assessed using a visual analog scale (VAS) and skin biopsies were taken for staining with Giemsa and Immunohistochemistry (IHC) with CKit. Results: The immunohistochemical method revealed a mean of 11.32 mast cells/field (standard deviation= 4.47) and Giemsa staining revealed a mean of 6.72 mast cells/field (standard deviation= 2.57). However, there were no correlations between intensity of itching and the mast cell counts, with p values of p = 0.152 for IHC and p = 0.116 for Giemsa. Conclusions: Although mast cells are mediators of pruritus in many cutaneous diseases, our findings support the view that the psoriatic pruritus has complex and multifactorial pathophysiology, involving other pruritogenic mediators beyond mast cells.
7

Liberação de serotonina de mastocitos de rato induzida por poliaminoacidos cationicos

Binhara, Iramaia Mendes 18 July 1996 (has links)
Orientador: Edson Antunes / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciencias Medicas / Made available in DSpace on 2018-07-21T12:25:57Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Binhara_IramaiaMendes_M.pdf: 1552383 bytes, checksum: e0083856ae06fb79873d77624a7b709e (MD5) Previous issue date: 1996 / Resumo: Poliaminoácidos básicos tais como a polilisina e poliarginina produzem uma variedade de efeitos biológicos incluindo aumento da permeabilidade vascular, infiltração de leucócitos, inflamação pulmonar, agregação de plaquetas e ativação de mastócitos. Neste estudo, investigamos os mecanismos envolvidos na desgranulação de mastócitos induzida por poliarginina e polilisina usando-se mastócitos peritoneais isolados de ratos. Mastócitos de 10 ratos machos Wistar (200 a 300 g) foram obtidos por injeção de solução Krebs Ringer Fosfato (KRF) na cavidade peritoneal. O lavado peritoneal foi removido e centrifugado a 300 9 por 5 minutos à temperatura ambiente. A suspensão de células foi lavada com KRF e incubada com C4C]serotonina (C4C]5-HT; 40 nCi/ml) por 60 minutos. As células foram então lavadas 3 vezes em KRF. Alíquotas da suspensão celular foram aqueci das a 37°C por 20 minutos. Os agentes desgranuladores foram adicionados à suspensão. As células foram então centrigugadas (300 g, 10 minutos) e o sobrenadante removido para determinação da C4C]5-HT. A concentração de C4C]5-HT (%) foi determinada medindo-se a cintilação em contador f3 ...Observação: O resumo, na íntegra, poderá ser visualizado no texto completo da tese digital / Abstract: Basic polyaminoacids such as polylysine and polyarginine produce a variety of biological effects including increase in vascular permeability, leucocytic infiltration, lung infllammation, platelet aggregation and mast cell activation. In this study we have further investigated the mechanisms involved in the mast cell degranulation induced by polyarginine and polylysine using isolated rat peritoneal mast cells. Mast cells of 10 male Wistar rats (200 - 300 g) were obtained by the injection of Krebs-Ringer Phosphate solution (KRP) into peritoneal cavity. The fluid was withdrawn and centrifuged at 300 9 for 5 min at roem temperaature. The cell suspension was washed twice in KRP and incubated with 40 nCi/ml of C"C]5-HT at 37C by 60 min. The cells were then washed three times in KRP. Aliquots of the peritoneal cell suspension were warmed at 37°C for 20 mino The stimulus were added to the suspension. The cells were then centrifuged (300 g, 10 min) aand the supematant removed for [1"C]5-HT determination. The [1"C]5 HT concentrations (%) was determined by measuring the radioactivity in a y counter. Poly-l-arginine caused a dose-dependent C"C]5-HT release (139.2 kD; 11 :t 5, 67 :t 4.4 and 70.4 :t 0.6% for 0.01, 0.1 and 1J,LM, respectively; n = 4). Similar responses were observed for either poly-D-Iysine (94.9 kD; 4 :t 0.6, 28 :t 6 and 41 :t 14 for 0.01,0.1 and 1 IlM, respectively; n = 4) and poly-l-Iysine (80.4 kD; 30 :t 1 and 61 :t 3.3% for 0.1 and 1 J,LM, respectively; n=12). The polyarginine-induced C4C]5-HT release was also dependent on the molecular weight of the polycation (5 1: 2 and 27 1: 7% for 11.6 kD and 139.3 kD, respectively; n = 6). Heparin (15 - 250 U/ml) and dermatan sulfate (0.1 mg I ml) virtually abolished the [14C] 5-HT release induced by polyarginine. In contrast, the enzymes chondroitinase AC, heparitinase I, heparitinase 11 and heparinase had no effect on the polyarginine-induced [14C] 5-HT release / Mestrado / Farmacologia / Mestre em Ciências
8

Estudo da população de mastocitos e da concentração de histamina na supervolução e na atresia folicular em ratas wistar pre-puberes

Miguel, Katia Jacqueline 02 October 2003 (has links)
Orientadores: Regina Celia Spadari-Bratfisch, Alzira Amelia Martins Rosa e Silva / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Biologia / Made available in DSpace on 2018-08-03T06:33:28Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Miguel_KatiaJacqueline_M.pdf: 6120317 bytes, checksum: 9552b661fb7d6de5ef63d7e15516adee (MD5) Previous issue date: 2003 / Resumo: Nos últimos anos, diversos estudos têm sidos conduzidos visando o conhecimento dos folículos ovarianos e da dinâmica folicular ovariana nas principais espécies de mamíferos domésticos bem como em humanos. Dos folículos que compõem o "pool" de folículos recrutados e selecionados somente um ou alguns poucos (quota ovulatória) ovulam e o restante, que é a grande maioria entra em estado de atresia folicular. Os mastócitos têm sido estudados principalmente por seu envolvimento em reações alérgicas e inflamatórias. Os mastócitos constituem a principal fonte de histamina nos tecidos. Sabe-se que os mastócitos são influenciados por hormônios esteróides principalmente estradiol e testosterona. A histamina aumenta a permeabilidade vascular e o fluxo sanguíneo ovariano, em resposta ao hormônio luteinizante (LH). Algumas ações dos estrógenos, como vasodilatação e permeabilidade vascular, parecem ser mediadas pela histamina liberada de mastócitos uterinos. Assim, o presente estudo foi conduzido para determinar os efeitos da superovulação e atresia na concentração de histamina no ovário e no útero de ratas pré-púberes. O procedimento experimental de indução de atresia folicular mostrou no ovário características morfológicas e humorais condizentes com o processo clássico de atresia folicular ovariana, ou seja, folículos ovarianos com vários sítios de ruptura nas células da granulosa (CG), aumento da concentração de progesterona e baixa razão entre estradiol e progesterona (E2:P4). Nestes animais, a concentração de histamina intra-ovariana e intra-uterina estava reduzida. O procedimento experimental de indução de superovulação mostrou, no ovário, características morfológicas e humorais condizentes com o processo clássico de superovulação ovariana, ou seja, folículos pré ovulatórios com alguns sítios de ruptura, folículos antes da ovulação e folículos depois da ovulação, aumento da concentração de estradiol e de progesterona e elevada razão E2:P4. Nestes animais, a concentração de histamina intra-uterina estava aumentada, já a concentração de histamina intra-ovariana não se alterou. Estes resultados se revestem de importância ao demonstrarem que existe uma inter-relação entre os sistemas imune e reprodutivo, e que há uma conexão entre hormônios esteróides (estradiol e progesterona), gonadotrofinas (FSH e LH), fatores de crescimento ovarianos e uterinos e mastócitos/histamina / Abstract: Lately several studies have been aiming the understanding of the ovarian follicles and follicular dynamies in the main mammals species as well as in human beings. From those follicles that compound the pool of recruited and selected follicles just only one or a few of them (ovulatory quote) ovulate and the remaining follicles that are majority undergo to atresia. Mast cells have been studied mainly for their involvement in allergic and inflammatory reactions. These secretory cells are the main source of histamine. Nowadays, it has been well established that sex steroids, particularly estradiol and testosterone, significantly affect mast cells in rodents. Histamine has been proposed increase vascular permeability and ovarian blood flow in response to luteininzing hormone. Some actions of estrogens like uterine vasodilatation and vascular permeability seem to be mediated through the release of histamine from uterine mast cells. So, the present study was conducted to determine the effects of superovulation and atresia on ovarian and uterine histamine concentration in pre-pubertal female rats. The experimental procedure of follicular atresia induction showed that the morphological and hormonal characteristics in the ovary are similar to that classic ovarian atresia process: ovarian follicles with many rupture site forms in the granulosa cells, layer increased progesterone concentration and decreased ratio E2:P4 and reduced intra-ovarian and intra-uterine histamine concentration. The experimental procedure of superovulation induction showed that morphological and hormonal characteristics in the ovary are the same from the classic superovulation process: the presence of many pre- and post-ovulatory follicles, increased estradiol and progesterone concentrations and increased ratio E2:P4. The intra-uterine histamine concentration was low and the intra-ovarian histamine concentration did not change. This results are important because based on them it is possible to show that there is a inter-relationship between endocrine and immunological systems and there is a connection between steroids hormones (estradiol and progesterone), gonadotrophins (FSH and LH), ovarian and uterine growth factors and mast cells/histamine / Mestrado / Fisiologia / Mestre em Biologia Funcional e Molecular
9

Interação entre celulas conjuntivas hepaticas e mastocitos

Brito Neto, Jose Marques 19 July 2018 (has links)
Orientador: Radovan Borojevic / Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas / Made available in DSpace on 2018-07-19T13:39:53Z (GMT). No. of bitstreams: 1 BritoNeto_JoseMarques_M.pdf: 2590243 bytes, checksum: ae5da90113b75839a3721392c7aceeef (MD5) Previous issue date: 1994 / Resumo: Na esquistossomose, parte dos ovos liberados pelo S. mansoni são embolizados no figado. Inicia-se então um processo inflamatório que evolui em um granuloma periovular. As células inflamatórias, principalmente macrófagos, são as primeiras a formarem o granuloma. Posteriormente há o crescimento de células conjuntivas hepáticas, que passam a ser um dos principais constituintes do granuloma e também há grande deposição de matriz extracelular. Os fatores envolvidos neste processo ainda não estão esclarecidos. Nesta etapa foi descrita a proliferação localizada de células mielóides e monomacrofágicas. As células conjuntivas derivadas do granuloma (GR) periovular mostraram-se capazes de sustentar in vitro a proliferação de células mielóides FDC-P1 e AD-3. O objetivo deste trabalho foi identificar qual ou quais fatores estariam sendo secretados pelas células GR. Em nosso estudo usamos mastócitos como modelo para identificar estes fatores. Eles são dependentes de interleucina-3, Interleucina-4 e/ou "Stem Cell Factor". As células GR sustentaram a viabilidade e proliferação de mastócitos peritoneais murinos, os quais mantiveram a síntese de heparina por cinco semanas em cocultura com células GR. Também sustentaram a proliferação de mastócitos humanos (dependentes de "Stem Cell Factor") por nove dias de cocultura. Demonstramos que células GR podem ser induzidas por mastócitos a expressar mensagem para "Stem Cell Factor", além de apresentarem o fator associado a membrana. Pois estromas de células GR fixadas que tiveram contato prévio com mastócitos sustentaram a viabilidade de novos mastócitos plaqueados até terceiro dia de cultura. Acreditamos que o "Stem Cell Factor" seja o fator responsável pela proliferação dos mastócitos, como também participe in vivo no processo granulomatoso / Abstract: In the schistosomal infection, a part of S.mansoni eggs are brought into the liver here they embolize. Granulomas are initially composed of inflammatory cells, mong which macrophages are predominant. The hepatic connective tissue cells grow and the associeted extracelular matrix becomes a important element of granulomas. The actors involved in these event are still unknown. In the later phase of periovular infection myeloid and monomacrophagic cells were able to proliferate. In vitro, granuloma-derived connective tissue cells (GR) have been shown to induce proliferation of myeloide cells FDC-P1 and AD-3. Our interest was to identify which factors are produced by GR cells. In this work, we have used mast-cells as a model to describe these factors, because mast cells are dependent of Interleukine-3, Interleukine-4 and/or Stem Cell Factor. The GR cells have supported the survival and proliferation of peritoneal murine mast cells, which have mantained their heparin synthesis for tive weeks in coculture with GR cells. Human mast cells (Stem Cell Factor-dependent) proliferated in six days in coculture with GR cells. We have shown that mast cells can induce GR cells to express message for Stem Cell Factor and the stroma-associated form of the factor. We believe that the Stem Cell Factor could be responsable for the mast cells proliferation and participate in the granulomatous process in vivo / Mestrado / Mestre em Farmacologia
10

Distribuição dos mastocitos e proteínas relacionadas com a diferenciação miofibroblástica (SMA, PAR-2, IL-6 e TGFβ1) em tumores de glândula salivar.

Ismerim, Adna Barros January 2016 (has links)
Submitted by Programa de Pós-Graduação em Odontologia Saúde (mestrodo@ufba.br) on 2017-04-04T15:06:18Z No. of bitstreams: 1 pdf final.pdf: 2399331 bytes, checksum: 1a144def38498f9edb85ce2273368827 (MD5) / Approved for entry into archive by Delba Rosa (delba@ufba.br) on 2017-07-06T12:54:51Z (GMT) No. of bitstreams: 1 pdf final.pdf: 2399331 bytes, checksum: 1a144def38498f9edb85ce2273368827 (MD5) / Made available in DSpace on 2017-07-06T12:54:51Z (GMT). No. of bitstreams: 1 pdf final.pdf: 2399331 bytes, checksum: 1a144def38498f9edb85ce2273368827 (MD5) / CAPES / As neoplasias de glândulas salivares representam um importante grupo de neoplasias cujos aspectos morfológicos são diversos, no entanto, o seu conteúdo estromal tem sido pouco investigado. Este estudo visa estudar a distribuição de mastócitos e proteínas relacionadas (SMA, PAR-2, TGFβ1, IL-6), bem como a sua contribuição na diferenciação miofibroblástica em diferentes neoplasias de glândulas salivares com e sem conteúdo mioepitelial e com alto e baixo índice proliferativo. Técnica imunohistoquímica para triptase de células mastocitárias, SMA, PAR-2, TGFβ1, IL- 6 foi realizada em 10 casos de Adenoma Pleomórfico (AP), nove casos de Adenoma de Células Basais (AB), 10 casos de Adenocarcinoma Polimorfo de Baixo Grau (APBG), 14 casos de Carcinoma Mucoepidermóide (CME) e 10 casos de Carcinoma Adenóide Cístico (CAC), sendo inicialmente os tumores classificados de acordo com o seu conteúdo mioepitelial (<50% ou ≥ 50%) e de proliferação celular (alto ou baixo), por meio da calponina e do Ki-67, respectivamente. Adicionalmente foi realizada dupla marcação imunohistoquímica para mastócitos e actina alfa de músculo liso (SMA). A densidade de mastócitos foi maior na região periparenquimal em todos os tumores, sendo mais elevada nos tumores malignos (p=0,025), especialmente no CME. Foi encontrada uma correlação positiva entre mastócitos intraparenquimais e periparenquimais nos tumores benignos (p=0,020), e uma correlação negativa nos tumores malignos (p >0,05). Tumores benignos com alto índice proliferativo apresentaram alta expressão de PAR-2 e TGFβ1, baixa expressão de SMA e IL-6, e menor densidade de mastócitos periparenquimais quando comparados aos tumores de baixo índice proliferativo; nos tumores benignos com conteúdo mioepitelial <50% observou-se alta expressão de TGFβ1, alta expressão de PAR-2 em 50% dos casos, baixa expressão de SMA e IL-6 e menor densidade de mastócitos periparenquimais quando comparados aos tumores com conteúdo mioepitelial >50% (p>0,05). Tumores malignos com alto índice proliferativo apresentaram alta expressão de PAR-2, baixa expressão de SMA, IL-6 e TGFβ1 e maior densidade de mastócitos totais, intra e periparenquimais quando comparados aos tumores de baixo índice proliferativo; no CME, tumores com baixo índice proliferativo apresentaram maior expressão de SMA (p=0,031); nos tumores malignos com conteúdo mioepitelial <50% observou-se alta expressão de PAR-2, baixa expressão de SMA, IL-6, TGFβ1, e maior densidade de mastócitos totais, intra e periparenquimais quando comparados aos tumores com conteúdo mioepitelial >50% (p>0,05). Quando comparada a densidade de mastócitos com a marcação miofibroblástica (SMA), tumores benignos e malignos com alta expressão de SMA apresentaram maior densidade de mastócitos totais e periparenquimais, com destaque para a densidade periparenquimal no APBG (p=0,017). Em relação à expressão das proteínas PAR-2, IL-6 e TGFβ1 e a densidade de mastócitos e SMA não foi observada diferença estatisticamente significante (p>0,05). Os resultados do presente trabalho apontam para uma possível participação dos mastócitos no desenvolvimento tumoral de tumores de glândula salivar. No entanto, não foi possível estabelecer a relação entre os mastócitos e a diferenciação miofibroblástica em tumores de glândula salivar. / Salivary gland neoplasms represent an important group of neoplasms whose morphology is different, however, its content stromal has been little investigated. This study aims to study the distribution of mast cells and related proteins (SMA, PAR-2, TGFβ1, IL-6), as well as their contribution to the myofibroblastic differentiation in different tumors of the salivary glands with and without myoepithelial content and high and low proliferative index. Immunohistochemistry for tryptase mast cells, SMA, PAR- 2, TGFβ1, IL-6 was performed in 10 cases of Pleomorphic Adenoma (PA), nine cases of Basal Cell Adenoma (AB), 10 cases of Polymorphous Low- Grade Adenocarcinoma (PLGA), 14 cases of Mucoepidermoid Carcinoma (MEC) and 10 cases of adenoid cystic carcinoma (ACC) initially being tumors were classified according to their myoepithelial content (<50%, or ≥ 50%) and cellular proliferation (high or low) by means of calponin and Ki-67, respectively. Additionally Double labeling immunohistochemistry was performed to mast cells and alpha smooth muscle actin (SMA). The density of mast cells was larger in the region periparenquimal all tumors and is higher in malignant tumors (p = 0.025), especially in MEC. A positive correlation between intraparenchymal and periparenchymal mast cells in benign tumors were found (p = 0.020), and a negative correlation in malignant tumors (p> 0.05). Benign tumors with high proliferation index showed high expression of PAR-2 and TGFβ1, low expression of SMA and IL-6, and lower density periparenchymal mast cells tumors compared to low proliferative index; in benign tumors with myoepithelial content of <50% was observed high expression of TGFβ1, high PAR-2 expression in 50% of cases, low SMA expression and IL-6 and lower density periparenchymal mast cells when compared to tumors with myoepithelial content > 50% (p> 0.05). Malignant tumors with high proliferative index showed high expression of PAR-2, low-SMA expression, IL-6 and TGFβ1 and higher density of total mast cells, intra and periparenchymal when compared to tumors of low proliferation index; the MEC, tumors with low proliferation index showed higher expression of SMA (p = 0.031); in malignant tumors with myoepithelial content <50% was observed high expression PAR- 2, low-SMA expression, IL-6, TGFβ1, and higher density of total mast cells, intra and periparenchymal when compared to tumors with myoepithelial content> 50% (p> 0.05). Compared the density of mast cells with myofibroblastic marking (SMA), benign and malignant tumors with high expression of SMA showed a higher density of total and periparenchymal mast cells, highlighting the periparenchymal density in PLGA (p = 0.017). Regarding the expression of PAR-2 protein, IL-6 and TGFβ1 and the density of mast cells and SMA was no statistically significant difference (p> 0.05). The results of this study point to a possible role of mast cells in tumor development of salivary gland tumors. However, it was not possible to establish the relationship between mast cells and myofibroblast differentiation in salivary gland tumors.

Page generated in 0.0594 seconds