• Refine Query
  • Source
  • Publication year
  • to
  • Language
  • 12
  • Tagged with
  • 12
  • 12
  • 12
  • 6
  • 4
  • 4
  • 4
  • 3
  • 3
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • 2
  • About
  • The Global ETD Search service is a free service for researchers to find electronic theses and dissertations. This service is provided by the Networked Digital Library of Theses and Dissertations.
    Our metadata is collected from universities around the world. If you manage a university/consortium/country archive and want to be added, details can be found on the NDLTD website.
1

Análise do SNP C892T do gene HSP70 como marcador de resistência do camarão Litopenaeus vannamei ao vírus da mionecrose infecciosa - IMNV

Nogueira, Luiz Fagner Ferreira January 2016 (has links)
NOGUEIRA, L. F. F. Análise do SNP C892T do gene HSP70 como marcador de resistência do camarão Litopenaeus vannamei ao vírus da mionecrose infecciosa - IMNV. 2016. 49 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Marinhas Tropicias) - Instituto de Ciências do Mar, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2016. / Submitted by Geovane Uchoa (geovane@ufc.br) on 2016-06-22T15:48:25Z No. of bitstreams: 1 2016_dis_lffnogueira.pdf: 1386179 bytes, checksum: 84b078e38967bc8e262a3926e8d964f1 (MD5) / Approved for entry into archive by Nadsa Cid (nadsa@ufc.br) on 2016-06-22T18:05:03Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2016_dis_lffnogueira.pdf: 1386179 bytes, checksum: 84b078e38967bc8e262a3926e8d964f1 (MD5) / Made available in DSpace on 2016-06-22T18:05:03Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2016_dis_lffnogueira.pdf: 1386179 bytes, checksum: 84b078e38967bc8e262a3926e8d964f1 (MD5) Previous issue date: 2016 / This study assessed the C892T polymorphism of the HSP70 gene in two Litopenaeus vannamei strains regarding resistance/susceptibility to infectious myonecrosis, using allelic discrimination through real-time PCR. Post-larvae from two strains of shrimp, one selected for growth (L.C) and one selected for resistance to infectious myonecrosis virus (L.R) were obtained from two commercial hatcheries. At the end of the growth period, it was observed that L.C achieved a higher average weekly growth rate compared to L.R (1.18 g / week and 0.97g / week, respectively). However, under experimental challenge, L.R obtained a better performance against exposure to the virus, reaching the 30th day post infection with 13% survival, while L.C reached 100% mortality at 12 days post injection. The evolution of viral load was similar in both strains. Shrimp categorized as susceptible presented 103 to 105 IMNV copies/μg RNA, while shrimp considered resistant presented 106 to 107 viral copies/ μg RNA. In contrast to what could be expected, allele T of the SNP C892T, which was previously associated with viral resistance, was less frequent in L.R than in L.C. However, its frequency was higher in the resistant group of each lineage. This may be associated with lower genetic variability found in L.R when compared to L.C. The allelic discrimination assay through qPCR allowed successful genotyping for this research showing that SNP C892T is associated with resistance groups / susceptibility to infectious myonecrosis virus. This evidence supports the hypothesis of interaction of this marker with viral diseases present in aquaculture and its potential application in selection programs of shrimp strains resistant to specific pathogens. / Este estudo avaliou o polimorfismo C892T do gene HSP70 em duas linhagens de camarão Litopenaeus vannamei em relação à resistência/susceptibilidade ao vírus na mionecrose infecciosa (IMNV) por meio de ensaio de discriminação alélica por PCR em tempo real. Pós-larvas de duas linhagens de camarões, uma selecionada para o crescimento (L.C) e outra para a resistência ao vírus da mionecrose infecciosa (L.R) foram obtidas de duas empresas especializadas. No final do período de crescimento, observou-se que L.C obteve uma maior taxa de crescimento semanal média em relação a L.R (1,18 g/semana e 0,97g/semana, respectivamente). Sob desafio experimental, a evolução da carga viral foi similar entre os grupos infectados das duas linhagens. Os grupos selecionados como susceptíveis de ambas as linhagens apresentaram uma carga viral entre 103 e 105 cópias do IMNV/μg de RNA, enquanto os grupos resistentes exibiram carga viral entre 106 e 107 cópias. L.R obteve um melhor desempenho frente a exposição ao vírus, chegando ao 30° dia pós injeção do inóculo viral com 13% de sobrevivência, enquanto L.C atingiu 100% de mortalidade ao 12º dia pós injeção. Ao contrário do que poderia ser esperado, o alelo T do SNP C892T, que foi previamente associado à resistência, não foi mais frequente em L.R. Porém, sua frequência foi mais elevada nos grupos de resistência de cada linhagem. Isso pode estar associado à baixa variabilidade genética encontrada em L.R em relação a L.C. O ensaio de discriminação alélica por qPCR possibilitou a obtenção de genótipos para esta pesquisa mostrando que o SNP C892T está associado aos grupos de resistência/suscetibilidade ao vírus da mionecrose infecciosa. Esta evidência reforça a hipótese de interação deste marcador com doenças virais presentes na aquicultura, e sua potencial aplicação em programas de seleção de linhagens resistentes a patógenos específicos.
2

Redução no uso de farinha de peixe em dietas suplementadas com atratores alimentares para cultivo do camarão branco, Litopenaeus vannamei

Andriola Neto, Francisco Felipe January 2009 (has links)
ANDRIOLA NETO, F. F. Redução no uso de farinha de peixe em dietas suplementadas com atratores alimentares para cultivo do camarão branco, Litopenaeus vannamei. 2009. 79 f. Dissertação (mestrado em Ciências Marinhas Tropicais) - Instituto de Ciências do Mar, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2009. / Submitted by Nadsa Cid (nadsa@ufc.br) on 2015-04-06T20:11:26Z No. of bitstreams: 1 2009_dis_ffandriolaneto.pdf: 1377109 bytes, checksum: 76722f7cb238f7fff4a8a213c1875a1e (MD5) / Approved for entry into archive by Nadsa Cid(nadsa@ufc.br) on 2015-04-06T20:12:41Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2009_dis_ffandriolaneto.pdf: 1377109 bytes, checksum: 76722f7cb238f7fff4a8a213c1875a1e (MD5) / Made available in DSpace on 2015-04-06T20:12:41Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2009_dis_ffandriolaneto.pdf: 1377109 bytes, checksum: 76722f7cb238f7fff4a8a213c1875a1e (MD5) Previous issue date: 2009 / Replacement of fishmeal and fish oil in aquaculture diets for more abundant and less expensive protein sources, such as soybean meal and land animal by-products, lead to a reduced feed intake. As shrimp detect and find the food source through chemical stimuli dissolved in water, feed attractiveness becomes an important parameter in low fishmeal diets. The present study aimed at evaluating if the inclusion of feeding effectors in experimental diets with a progressive reduction of Anchovy fishmeal (FPA) and (or) formulated levels of methionine could balance and enhance the growth and feeding responses of the white shrimp, Litopenaeus vannamei. Juvenile shrimp of 3.14 ± 0.60 g body weight were simultaneously stocked in 30 indoor (500-l) and 18 outdoor (1,000-l) tanks at 100 and 60 shrimp/m2, respectively. Shrimp were reared under clear (indoor) and green-water (outdoor) conditions for 72 days. For the study, six diets were formulated, three with the feeding effectors krill meal and wholes squid meal. Diets with and without feeding effectors were designated as ATMt and FPMt, respectively. For each diet group, one was designated as the basal diet (80) with a high inclusion of FPA and methionine levels above other diets. Remainder diets were identified as 70 and 60, diets formulated to meet 70% and 60%, respectively, of methionine requirements reported for penaeid shrimp. The attractiveness study consisted in the measurement of the feeding responses of L. vannamei using a double choice chamber (Y-maze apparatus). All experimental diets were confronted against each other 20 times each, allowing each diet to be tested 10 times in each side of the chamber. Diet attractiveness was measured visually through the animal feeding behavior categorized in accordance to the following responses: (1) time spent until detection; (2) times spent during orientation and locomotion to the food source, and (3) time spent for feeding. At harvest, under the indoor system, minimum and maximum shrimp body weight were achieved with diets ATMt(80) (16.19 ± 2.09 g) and FPMt(60) (17.30 ± 2.19 g). Comparatively, animals reared under green water achieved a body weight between 14.35 ± 2.53 g (FPMt(70)) and 15.46 ± 2.56 g (FPMt(60)). In clear water, inclusion of whole squid meal and krill meal in ATMt diets did not promote a greater shrimp body weight at harvest compared to FPMt diets. Under these conditions, L. vannamei achieved a final survival above 90% in all treatments, except for FPMt(60) (i.e., 61.4 ± 13.6%). Mean shrimp survival in green water conditions was 83.8 ± 9.6%, lower than under the indoor Andriola-Neto, F.F. Redução no uso de farinha de peixe em dietas suplementadas... xviii system. Shrimp yield indoors was twice higher than outdoors. In both indoor and outdoor systems, inclusion of feeding effectors in ATMt diets did not promote a higher feed intake for L. vannamei compared to FPMt diets. A total of 338 shrimp behavioral observations were conducted to evaluate diet attractiveness. There was no statistical difference between ATMt diets for the time spent until detection, orientation and locomotion and feeding. Diets FPMt exhibited differences for the time spent in orientation and locomotion and feeding. No statistical differences were observed for shrimp behavioral responses when ATMt and FPMt diets with similar methionine levels were compared individually. The present study indicated that the rearing system had an influence over the growth responses of L. vannamei. Shrimp farmed under clear-water (indoor) displayed better growth responses compared to those reared under green-water (outdoor). Whole squid meal and krill meal did not enhance growth performance and feeding responses of L. vannamei. However, the use of feeding effectors allowed balancing these parameters in diets containing similar formulated levels of methionine, for both rearing systems. The different levels of formulated methionine (60, 70 and 80% shrimp requirements) only influenced shrimp performance when these were fed with diets without feeding effectors. / A substituição da farinha e do óleo de peixe em dietas para organismos aquáticos por fontes protéicas mais abundantes e baratas, como o farelo de soja e farinhas de animais terrestres, leva a uma redução no consumo alimentar. Como os camarões detectam e localizam o alimento através de estímulos químicos dissolvidos em água, a atratividade do alimento torna-se um importante parâmetro em rações com baixa inclusão de farinha de peixe. O presente estudo teve como objetivo avaliar se a inclusão de atratores alimentares em dietas com uma redução progressiva no uso de farinha de peixe de Anchoveta (FPA) e (ou) no nível formulado de metionina poderia equilibrar e promover uma melhora no desempenho zootécnico e nas respostas alimentares do camarão branco, Litopenaeus vannamei. Camarões juvenis de 3,14 ± 0,60 g de peso corporal foram estocados simultaneamente em 30 tanques indoor (500 l) e 24 tanques outdoor (1.000 l) sob 100 e 60 camarões/m2, respectivamente. Os camarões foram cultivados sob condições de água clara (indoor) e de água verde (outdoor) por 72 dias. Para o estudo, seis dietas foram formuladas, sendo três com inclusão dos atratores alimentares, farinha de krill e farinha de lula inteira. O grupo de dietas com e sem atratores foi designado como sendo ATMt e FPMt, respectivamente. Dentro de cada grupo de dietas, uma foi designada como sendo a dieta basal (80), com alto teor de FPA e níveis de metionina acima das demais dietas. As demais dietas foram identificadas como sendo 70 e 60; dietas formuladas para atender em 70% e 60%, respectivamente, os requerimentos de metionina reportados para camarões peneídeos cultivados. O estudo de atratividade consistiu na mensuração das respostas alimentares do camarão L. vannamei em um aquário de dupla escolha (aquário em Y). Todas as rações experimentais foram confrontadas entre si totalizando 20 ensaios comportamentais, alternando-se o lado de oferta de cada ração a cada 10 observações. A atratividade das dietas foi medida visualmente através da observação do comportamento alimentar do animal, e categorizada de acordo com as respostas alimentares: (1) tempo de detecção, (2) tempo de orientação e locomoção e (3) tempo de alimentação. Na despesca, no sistema indoor, o valor mínimo e máximo de peso corporal foram obtidos com os camarões alimentados com as dietas ATMt(80) (16,19 ± 2,09 g) e FPMt(60) (17,30 ± 2,19 g). Comparativamente, os animais cultivados em água verde alcançaram um peso corporal entre 14,35 ± 2,53 g (FPMt(70)) e 15,46 ± 2,56 g (FPMt(60)). Em água clara, a inclusão de Andriola-Neto, F.F. Redução no uso de farinha de peixe em dietas suplementadas... xvi farinha de lula inteira e farinha de Krill nas dietas ATMt não promoveu um maior peso corporal dos camarões na despesca quando comparado com as dietas FPMt. Nestas condições, o camarão L. vannamei alcançou uma sobrevivência superior a 90% em todos os tratamentos, exceto para FPMt(60) (i.e., 61,4 ± 13,6%). A sobrevivência média dos camarões em água verde foi de 83,8 ± 9,6%, menor comparada com o sistema indoor. A produtividade de camarões no sistema indoor foi duas vezes maior do que a do sistema outdoor. Em ambos os sistemas indoor e outdoor, a inclusão dos atratores alimentares nas dietas ATMt, não promoveu um maior consumo alimentar no L. vannamei em relação às dietas FPMt. Um total de 338 avaliações comportamentais foram conduzidas para avaliar a atratividade das dietas experimentais. Não foi encontrada diferença estatística significativa entre as dietas ATMt em relação aos tempos de resposta alimentar (detecção, orientação e alimentação). Já para as dietas FPMt foram encontradas diferenças estatísticas para os tempos de orientação e alimentação. Não foi observada diferença para o tempo de detecção, orientação e alimentação quando as dietas ATMt e FPMt, com mesmo nível formulado de metionina, foram comparadas individualmente entre si. Através do presente estudo concluiu-se que o sistema de cultivo teve influencia sobre o desempenho zootécnico do camarão L. vannamei nos diferentes tratamentos estudados. Os camarões cultivados em água clara (sistema indoor) exibiram melhores resultados de desempenho zootécnico comparado aos cultivados em água verde (sistema outdoor). A farinha de lula e a farinha de krill não promoveram melhores resultados de desempenho e respostas alimentares para o L. vannamei. Porém, o uso dos atratores proporcionou um equilíbrio entre as dietas com diferentes níveis de metionina, para ambos os sistemas de cultivo. Os diferentes níveis de metionina formulada (60, 70, 80% da exigência do animal) só demonstraram influenciar o desempenho quando os camarões foram alimentados com dietas sem atratores alimentares.
3

Suplementação dietética de metionina em resposta a densidade de estocagem do camarão Litopenaeus vannamei (BOONE, 1931) em água verde

Façanha, Felipe Nobre January 2015 (has links)
FAÇANHA, F. N. Suplementação dietética de metionina em resposta a densidade de estocagem do camarão Litopenaeus vannamei (BOONE, 1931) em água verde. 2015. 32 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Marinhas Tropicais) - Instituto de Ciências do Mar, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2015. / Submitted by Geovane Uchoa (geovane@ufc.br) on 2016-05-02T12:41:26Z No. of bitstreams: 1 2015_dis_fnfacanha.pdf: 453190 bytes, checksum: bb8195b6331fbbcf9428d5b4c386f04b (MD5) / Approved for entry into archive by Nadsa Cid (nadsa@ufc.br) on 2016-06-14T19:22:11Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2015_dis_fnfacanha.pdf: 453190 bytes, checksum: bb8195b6331fbbcf9428d5b4c386f04b (MD5) / Made available in DSpace on 2016-06-14T19:22:11Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2015_dis_fnfacanha.pdf: 453190 bytes, checksum: bb8195b6331fbbcf9428d5b4c386f04b (MD5) Previous issue date: 2015 / This study evaluated the growth performance of the white shrimp, Litopenaeus vannamei, reared under green water at 50, 75 and 100 shrimp/m2, in response to diets containing 50 g/kg of salmon meal and supplementation of DL-methionyl-DL-methionine (Met-Met) at 0, 1.1, 2.1, 3.1, and 4.1 g/kg of the diet (as fed basis). Diets with 361 ± 5.3 g/kg of crude protein contained 4.8, 6.2, 7.2, 8.1, and 9.4 g/kg of methionine (Met, in a dry matter basis), respectively. Shrimp were reared for 70 days in 75 independent tanks of 1 m3, kept outdoors, equipped with an individual water inlet and outlet. Tanks operated with continuous water exchange (14.2% daily) and aeration. Shrimp were fed daily at 07:00, 10:00, 13:00 and 16:00 h, exclusively in feeding trays. Shrimp final survival exceeded 90%, but it was adversely affected under 75 shrimp/m2 when fed a diet containing 4.8g/kg Met (83.1 ±<0.001%). Feed intake differed only between dietary Met levels at 50 and 75 shrimp/m2, with a trend towards increased intake up to 8.1 g/kg Met. FCR varied between 1.53 ± 0.07 and 1.84 ± 0.06 (minimum and a maximum, respectively) reducing from 4.8 to 9.4 g/kg Met under 50 shrimp/m2 and from 4.8 to 6.2 g/kg Met under 75 shrimp/m2. There was a significant effect of both stocking density and dietary Met on shrimp weekly growth and final body weight. Up to 7.2 g/kg Met, shrimp weekly growth was reduced from 1.49 ± 0.11 to 1.36 ± 0.06 g when stocking density exceeded 50 shrimp/m2. Under 50 and 100 shrimp/m2, shrimp final body weight increased progressively up to 7.2 g/kg Met (maximum of 16.80 ± 1.95 g). Under 75 shrimp/m2 highest final body weight was observed witha dietary Met of 8.1 g/kg (16.59 ± 1.88 g). Dietary Met beyond these levels did not result in a higher shrimp body weight. Gained shrimp yield increased in response to higher stocking densities, although the same effect was not detected for the dietary Met levels. Shrimp yield was not increased when dietary Met exceeded 6.2 g/kg under 50 and 75 shrimp/m2. Under 100 shrimp/m2 no statistical effect of dietary Met was observed on yield. This study demonstrated that the increase in shrimp stocking densities from 50 to 75 and 100 shrimp/m2 did not respond to increasing dietary levels of methionine. Regardless of the density used, under green water and with the nutrient dietary profile adopted, the optimal level of methionine to achieve maximum growth of L. vannamei juveniles was between 7.2 and 8.1 g/kg of the diet. / Este estudo avaliou o desempenho zootécnico do camarão Litopenaeus vannamei cultivado nas densidades de estocagem de 50, 75 e 100 camarões/m2 em água verde, frente a dietas com uma inclusão de 50 g/kg de farinha de salmão e suplementação de DL-metionil-DL-metionina (Met-Met) de 0, 1,1, 2,1, 3,1 e 4,1 g/kg da dieta (na base natural). As dietas contendo 361 ± 5,3 g/kg de proteína bruta apresentaram 4,8, 6,2, 7,2, 8,1 e 9,4 g/kg de metionina (Met, na matéria seca), respectivamente. O cultivo dos camarões durou 70 dias, sendo utilizados 75 tanques independentes de 1m3, mantidos ao ar livre, cada um equipado com entrada e saída individual de água, renovação (14,2% ao dia) e aeração contínua de água. Os camarões foram alimentados diariamente, às 07:00, 10:00, 13:00 e 16:00 h, exclusivamente em bandejas de alimentação. A sobrevivência final dos camarões alcançou valores superiores a 90%, sendo afetada negativamente sob 75 camarões/m2 quando utilizada a dieta contendo 4,8 g/kg de Met (83.1 ± <0,001%). O consumo alimentar variou apenas entre os níveis de Met nas densidades de 50 e 75 camarões/m2, em geral apresentando uma tendência de aumento até 8,1 g/kg de Met. O FCA variou de um mínimo e máximo de 1.53 ± 0,07 e 1.84 ± 0,06, respectivamente, diminuindo estatisticamente entre 4,8 e 9,4 g/kg de Met sob 50 camarões/m2e entre 4,8 e 6,2 g/kg de Met sob 75 camarões/m2. Em termos de crescimento semanal e peso corporal final, houve um efeito significativo tanto da densidade de estocagem como dos níveis dietéticos de Met. Até 7,2 g/kg de Met, o crescimento semanal foi reduzido de 1,49 ± 0,11 para 1,36 ± 0,06 g, quando a densidade de estocagem excedeu 50 camarões/m2. Sob 50 e 100 camarões/m2, o peso corporal final dos camarões aumentou progressivamente até o nível de 7,2 g/kg de Met (máximo de 16,80 ± 1,95 g). Na densidade de 75 camarões/m2 o peso final foi mais elevado ao nível de 8,1 g/kg de Met (16,59 ± 1,88 g). Valores excedentes de Met na dieta não proporcionaram aos camarões um maior peso corporal. A produtividade de camarão aumentou em resposta a densidades mais elevadas, embora o mesmo efeito não tenha sido detectado para níveis dietéticos de Met. O ganho de produtividade de camarões não foi incrementado quando as dietas apresentaram níveis de Met acima de 6,2 g/kg nas densidades de 50 e 75 camarões/m2. Sob 100 camarões/m2, não foi detectado efeito estatístico dos níveis de Met sobre a produtividade. Este trabalho demonstrou que o aumento nas densidades de estocagem de camarão de 50 para 75 e 100 camarões/m2, não apresentou relação com os níveis crescentes de metionina nas dietas. Independente da densidade empregada, com água verde e perfil nutricional das dietas práticas adotadas, o nível ótimo de metionina para um máximo crescimento de juvenis de L. vannamei ficou entre 7,2 e 8,1 g/kg da dieta.
4

Avaliação de subprodutos do abate de animais terrestres e de resíduos do processamento de peixes como fonte de proteína em rações para o camarão branco do pacífico, Litopenaeus vannamei (BOONE, 1931)

Santos, Pedro Henrique Gomes dos January 2013 (has links)
SANTOS, Pedro Henrique Gomes dos. Avaliação de subprodutos do abate de animais terrestres e de resíduos do processamento de peixes como fonte de proteína em rações para o camarão branco do pacífico, Litopenaeus vannamei (BOONE, 1931). 2013. 77f. Dissertação (Mestrado em Ciências Marinhas Tropicais) - Universidade Federal do Ceará, Instituto de Ciências do Mar, Fortaleza, 2013. / Submitted by Solange Gomes (solagom@yahoo.com.br) on 2013-07-01T17:20:43Z No. of bitstreams: 1 2013_dis_phgdossantos.pdf: 860179 bytes, checksum: c374148759a78102155795752b96f1c6 (MD5) / Approved for entry into archive by Nadsa Cid(nadsa@ufc.br) on 2013-07-15T17:20:32Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2013_dis_phgdossantos.pdf: 860179 bytes, checksum: c374148759a78102155795752b96f1c6 (MD5) / Made available in DSpace on 2013-07-15T17:20:32Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2013_dis_phgdossantos.pdf: 860179 bytes, checksum: c374148759a78102155795752b96f1c6 (MD5) Previous issue date: 2013 / The dietary effects of land and aquatic animal by-products on the growth performance of the white shrimp Litopenaeus vannamei are little known. This study evaluated the growth performance and feeding responses of juvenile shrimp L. vannamei when fed diets which partially or completely replaced a salmon byproduct meal for rendered animal byproducts obtained from the slaughtering of land animals and from fish processing waste. The work was divided into two phases, one consisting of rearing 2.03 ± 0.21 g shrimp for 72 days in 500 l tanks, under clear-water with continuous water recirculation and filtration. In the second phase, two-by-two comparisons were carried out with each individual ingredient in a double-choice aquarium using 7.12 ± 0.65 g shrimp. In the growth study, diets consisted of a control diet S14 with 14.37% of a salmon byproduct meal, while others contained animal proteins in partial or complete replacement of this ingredient: diet PL7+S10 with 7.00% spray-dried swine plasma meal, diet SG7+S9 with 7.00% spray-dried blood meal, diet Ca13+S6 with 12.95% meat and bone meal 40% crude protein (CP), diet Pn14+S4 with 14.39% hydrolyzed feather meal, diet CB18+S2 with 17.72% meat and bone meal 45% CP, diet Til15 with 15.12% farmed-tilapia processing waste meal, diet PV15 with 16.24% poultry byproduct with feather meal, diet V16 with 16.24% poultry byproduct meal and diet Px19 with 18.67% fisheries by-catch and processing waste meal. For the attractability assays, animal protein ingredients were added at a 3.0% dietary inclusion in a plant-based diet. At harvest, shrimp displayed statistically significant differences for all growth parameters evaluated. With the exception of diet S9+SG7, all other diets led to a reduction in the final body weight of L. vannamei compared to the control diet (11.05 ± 0.18 g). In comparison to diet S14, there was also a significant loss in the gain of yield (diet PV15, 288 ± 30 vs. 555 ± 59 g/m2), weekly growth (diets PV15, Til15 and CB18+S2, 0.55 ± 0.02, 0.60 ± 0.05, 0.67 ± 0.04 vs. 0.87 ± 0.07 g, respectively), feed intake (diet PV15, 8.9 ± 0.42 vs. 13.5 ± 0.02 g/shrimp) and feed conversion ratio (diet PV15, 2.24 ± 0.18 vs. 1.74 ± 0.08). The percentage of positive choices and (or) rejection of feed intake was poorer for all animal ingredients than the salmon byproduct meal, except for the meat and bone meal 45% CP, the hydrolyzed feather meal and the poultry by-product meal. In conclusion, in diets for juvenile shrimp L. vannamei, the spray-dried blood meal and the poultry by-product meal, were the most recommended animal ingredients for partial and total replacement of salmon byproduct meal,respectively, within the maximum levels of dietary inclusion adopted. / Os efeitos da utilização de subprodutos animais em dietas para o camarão Litopenaeus vannamei são pouco conhecidos. O presente estudo avaliou o desempenho zootécnico e as respostas alimentares de juvenis do camarão L. vannamei quando alimentados com dietas contendo subprodutos do abate de animais terrestres e de resíduos do processamento de peixes como substitutos parciais ou totais da farinha de peixe. O trabalho foi dividido em duas etapas, uma consistindo do cultivo de camarões de 2,03 ± 0,21 g por 72 dias em tanques de 500 l, sob um regime de recirculação e filtragem contínua da água. Na segunda etapa, os subprodutos animais foram avaliados em um aquário de dupla escolha quanto a sua atratividade alimentar para camarões de 7,12 ± 0,65 g. As dietas usadas no cultivo consistiram de um controle S14 contendo 14,37% de farinha de resíduos da filetagem de salmão cultivado, sendo as demais acompanhadas pela substituição parcial ou total deste ingrediente: dieta Pl7+S10 com 7,00% de farinha de plasma de sangue suíno ultra-filtrado e seco por pulverização, dieta Sg7+S9 com 7,00% de farinha de sangue seca por pulverização, dieta Ca13+S6 com 12,95% de farinha de carne e ossos 40, dieta Pn14+S4 com 14,39% de farinha hidrolisada de penas, dieta Cb18+S2 com 17,72% de farinha de carne e ossos 45, dieta Til15 com 15,12% de farinha de resíduos da filetagem de tilápia cultivada, dieta PV15 com 16,24% de farinha de penas e vísceras de aves, dieta V16 com 16,24% de farinha de vísceras de aves e dieta Px19 com 18,67% de farinha de resíduos da filetagem de peixes marinhos da pesca extrativista. Para as avaliações de atratividade, os ingredientes foram incorporados a uma inclusão de 3,0% em uma ração constituída apenas por ingredientes de origem vegetal. Na despesca, foi observada diferença estatística significativa entre os tratamentos para todos os parâmetros zootécnicos avaliados. Com exceção da dieta Sg7+S9, todas as demais dietas levaram a uma redução no peso corporal final do L. vannamei em relação à dieta controle (11,05 ± 0,18 g). Comparado à dieta S14, houve também uma perda significativa no ganho de produtividade (dieta PV15, 288 ± 30 vs. 555 ± 59 g/m2), crescimento semanal (dietas PV15, Til15 e Cb18+S2, 0,55 ± 0,02, 0,60 ± 0,05, 0,67 ± 0,04 vs. 0,87 ± 0,07 g, respectivamente), consumo alimentar (dieta PV15, 8,9 ± 0,42 vs. 13,5 ± 0,02 g/camarão) e fator de conversão alimentar (dieta PV15, 2,24 ± 0,18 vs. 1,74 ± 0,08). As avaliações de atratividade demonstraram que com exceção da farinha de carne e ossos 45, farinha hidrolisada de penas e farinha de vísceras de aves, todas as proteínas animais apresentaram um baixo percentual de escolhas e (ou) alta rejeição alimentar comparado com a farinha de salmão. Em conclusão, a farinha de sangue seca por pulverização e a farinha de vísceras de aves mostraram-se, dentro dos níveis de inclusão adotados, como os ingredientes mais recomendados para substituições parciais e totais da farinha de salmão, respectivamente, em dietas para juvenis do camarão L. vannamei.
5

Coeficientes de digestibilidade aparente da proteína e de aminoácidos de ingredientes de origem animal e vegetal utilizados em dietas para o camarão Litopenaeus vannamei

Vieira, Carolina Cavalcanti Fernandes January 2015 (has links)
VIEIRA, C. C. F. Coeficientes de digestibilidade aparente da proteína e de aminoácidos de ingredientes de origem animal e vegetal utilizados em dietas para o camarão Litopenaeus vannamei. 2015. 54 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Marinhas Tropicais) - Instituto de Ciências do Mar, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2015. / Submitted by Geovane Uchoa (geovane@ufc.br) on 2017-03-07T15:43:56Z No. of bitstreams: 1 2015_dis_ccfvieira.pdf: 700795 bytes, checksum: 3b7ee26f9adc598c23f28412f03b002e (MD5) / Approved for entry into archive by Nadsa Cid (nadsa@ufc.br) on 2017-04-24T16:04:08Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2015_dis_ccfvieira.pdf: 700795 bytes, checksum: 3b7ee26f9adc598c23f28412f03b002e (MD5) / Made available in DSpace on 2017-04-24T16:04:08Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2015_dis_ccfvieira.pdf: 700795 bytes, checksum: 3b7ee26f9adc598c23f28412f03b002e (MD5) Previous issue date: 2015 / The determination of digestibility is essential to meet the nutrient requirements of farmed animals, formulate on a least-cost basis and minimize excretion of nutrients in water. This study aimed at determining the apparent digestibility coefficients (ADC) for crude protein (CP) and essential amino acids (EAA) of 12 ingredients commonly used in the composition of shrimp feeds for the rearing of juvenile Litopenaeus vannamei. The following plant-derived feedstuffs, in addition to rendered animal by-products of terrestrial and aquatic origin were evaluated: soy protein concentrate (SPC), corn gluten meal (CGM), soybean meal (SBM), wheat flour (WHF), poultry and feather by-product meal (PBM), meat and bone meal (MBM), feather meal (FEA), blood meal (BLD), tilapia waste meal (TLM), Brazilian marine fish processing waste meal (FBM), salmon by-product meal (SLM) and krill meal (KLM). The ADC was estimated by the indirect method using an inert marker, chromium III oxide (Cr2O3), at 10 g/kg (as is basis) in a reference (REF) mixture. Each raw material was incorporated into the REF mixture at a 30-70 ratio. The study was conducted over three experimental stages, lasting 29-30 days each. Sampling of shrimp feces took place by syphoning. Shrimp of 6 and 8 g were stocked in 44 tanks of 61 L each. A total of 11 tanks were assigned to each test ingredient, four for the REF diet. At harvest, final shrimp survival exceeded 96%. Final shrimp body weight exhibited a significant linear correlation with dietary CP and EAA. In the case of CP, lysine and methionine, higher dietary levels of these nutrients resulted in increased shrimp body weights. ADC ranged from 66.7% for a diet containing BLD to 84.2% for the REF diet. Higher ADC were observed for aquatic proteins compared to plant and land animal proteins. Aside from SPC (ADC = 79.3%), other plant ingredients, SBM, CGM and WHF, showed a low ADC of protein, between 32.0 to 47.7%. Among land-animal by-products, ADC of protein was higher in MBM, PBM, BLD, and FEA (71.2, 62.8, 48.6 and 45.9%, respectively). With the exception of KLM (61.6%), ADCs of protein for all other aquatic ingredients exceeded 80%. It can be concluded that TLM, FBM, and SLM, resulted in a better utilization of protein and EAA by L. vannamei, while KLM promoted the highest growth performance. / A determinação da digestibilidade é essencial para conhecer as exigências nutricionais da espécie cultivada, formular dietas de custo mínimo e assim minimizar a excreção de nutrientes na água. O presente estudo teve como objetivo avaliar a digestibilidade aparente da proteína e dos aminoácidos essenciais (EAA) de 12 matérias primas utilizadas na composição de rações comerciais para juvenis do camarão Litopenaeus vannamei. Foram estudados subprodutos de origem vegetal e oriundos do processamento de resíduos de animais terrestres e aquáticos: concentrado protéico de soja (SPC), glúten de milho (CGM), farelo de soja (SBM), farinha de trigo (WHF), farinha de vísceras e penas de aves (PBM), farinha de carne e ossos (MBM), farinha de penas (FEA), farinha de sangue (BLD), farinha de resíduos de tilápia (TLM), farinha de resíduos de peixes marinhos (FBM), farinha de resíduos do processamento de salmão (SLM) e farinha de krill (KLM). O coeficiente de digestibilidade aparente (CDA) dos ingredientes foi estimada mediante o método indireto, utilizando o marcador inerte óxido de crômio III (Cr2O3) a 10 g/kg (da dieta, base natural) em uma mistura referência (REF). Cada ingrediente teste foi incorporado a REF na proporção de 30-70. O estudo foi realizado em três etapas experimentais, com duração de 29-30 dias cada. A coleta de fezes ocorreu por sifonamento. Foram empregados camarões entre 6 e 8 g, estocados em 44 tanques de 61 L cada. Um total de 10 tanques foi designado para cada ingrediente teste, sendo quatro para uma dieta REF. Na despesca, a sobrevivência final dos camarões excedeu 96%. O peso corporal final exibiu uma correlação linear significativa com a PB e alguns EAA das dietas. No caso da PB, lisina e metionina, valores mais elevados desses nutrientes na dieta resultaram em pesos corporais mais elevados nos camarões. O CDA variou de 66,7% para a dieta contendo BLD para 84,2% para a dieta REF. Valores mais elevados de CDA foram observados para as proteínas aquáticas, comparado as vegetais e de animais terrestres. Com exceção do SPC (CDA = 79,3%), os demais ingredientes vegetais, SBM, CGM e WHF, tiveram um baixo CDA da proteína, entre 32,0 a 47,7%. Entre os ingredientes de animais terrestes, o CDA da protéina foi mais elevado na MBM, PBM, BLD e FEA (71,2, 62,8, 48,6 e 45,9%, respectivamente). Com exceção do KLM (61,6%), todas as demais proteinas aquáticas avaliadas alcançaram CDA da proteina superior a 80%. Conclui-se que as proteínas da TLM, FBM, SLM, são as que proporcionam maior aproveitamento da proteína e dos EAA no L. vannamei, enquanto a KLM é a que resulta em maior desempenho zootécnico.
6

Avaliação da farinha de glúten de trigo como aglutinante natural em dietas para alimentação de juvenis do camarão branco litopenaeus vannamei cultivados em água verde

Silva, Raimundo Nonato Gomes da January 2016 (has links)
SILVA, R. N. G. da. Avaliação da farinha de glúten de trigo como aglutinante natural em dietas para alimentação de juvenis do camarão branco litopenaeus vannamei cultivados em água verde. 2016. 49 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Marinhas Tropicais) - Instituto de Ciências do Mar. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2016. / Submitted by Geovane Uchoa (geovane@ufc.br) on 2017-11-01T14:58:48Z No. of bitstreams: 1 2016_dis_rngdasilva.pdf: 716370 bytes, checksum: 3d2ed586df6efa31fa6d355ee4ad6caa (MD5) / Approved for entry into archive by Nadsa Cid (nadsa@ufc.br) on 2017-11-01T17:53:06Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2016_dis_rngdasilva.pdf: 716370 bytes, checksum: 3d2ed586df6efa31fa6d355ee4ad6caa (MD5) / Made available in DSpace on 2017-11-01T17:53:06Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2016_dis_rngdasilva.pdf: 716370 bytes, checksum: 3d2ed586df6efa31fa6d355ee4ad6caa (MD5) Previous issue date: 2016 / This aim of this study was evaluate the zootechnical and economic parameters, the use of wheat gluten flour as a natural binder in diets for the juvenile white shrimp L. vannamei grown in green water to replace a synthetic binder. The cultivation lasted 70 days, 25 independent tanks of 1m3 was used, outdoor system, each tank was equipped with individual inlet and outlet water, renovation (14.2% daily) and continuous aeration of water. The shrimps were fed daily at 07:00, 10:00, 13:00 and 16:00, exclusively on feed trays. The average moisture content of the diets reached to 8.22 ± 0.69 (P <0.05). On the other hand, the hardness of the pellets did not differ between treatments. The commercial feed shown the highest hardness (4.92 ± 1.18 kg) compared to the experimental diets (3.35 ± 0.85 kg). The physical stability of the control diet (CTL), diet with 1.5% wheat gluten (AMY1.5) and commercial diet (COM) varied between 88.5 and 92.5%, and was statistically superior to 3.0% wheat gluten diet (AMY3.0) the diet with 5.0 wheat gluten (AMY5.0) diets with 74.8 and 58.1%, respectively. The final survival of shrimp ranged from a minimum of 71.1 ± 9.3% AMY5.0 to a maximum of 95.0 ± 3.3% CTL. However, the dietary effect there was no statistical difference on the growth variables of the shrimp or Factor Conversion Ratio (FCR). The weekly weight gain (1.48 ± 0.03 g), the percentage weight gain (925 ± 17%), the specific growth rate (3.53 ± 0.03%) and feed intake (22.3 ± 0.1 g / shrimp) did not differ statistically between the experimental treatments (P> 0.05). Although, the AMY1.5 diet provided the best result, economically, it was not possible to establish statistically significant difference in gross revenue, gross profit and ROI to compare it with the CTL and AMY3.0 diets (P> 0.05). In general, the experimental diets shown lowest hardness, diameter and length compared to commercial feed. Higher inclusion levels of wheat gluten flour produced no positive effect to reduce the water absorption and leaching. Body growth of the shrimp was not affected by dietary treatment. Found that a combination of 1.5% of wheat gluten flour associated with 0.4% synthetic binder leads to a high physical stability of the diet, in addition best results in the zootechnical performance and economical parameters of the juvenile white shrimp, L. vannamei. Keywords: wheat / Este estudo teve como objetivo avaliar, do ponto de vista zootécnico e econômico, o uso da farinha de glúten de trigo como aglutinante natural em dietas para alimentação de juvenis do camarão L. vannamei cultivados em água verde em substituição a um aglutinante sintético. O cultivo durou 70 dias, sendo utilizados 25 tanques independentes de 1 m3, mantidos ao ar livre, cada um equipado com entrada e saída individual de água, com renovação (14,2% ao dia) e aeração contínua de água. Os camarões foram alimentados diariamente, às 07:00, 10:00, 13:00 e 16:00 horas, exclusivamente em bandejas de alimentação. O teor de umidade das dietas alcançou uma média de 8,22 ± 0,69 (P < 0,05). Por outro lado, a dureza dos pellets não variou entre as dietas. A dieta comercial apresentou maior dureza (4,92 ± 1,18 kg) comparada às dietas experimentais (3,35 ± 0,85 kg). A estabilidade física da dieta controle (CTL), dieta com 1,5 % de glúten de trigo (AMY1.0) e dieta comercial (COM) variou entre 88,5 e 92,5%, estatisticamente superior a dieta com 3,0 % de glúten de trigo (AMY3.0) e a dieta com 5,0 de glúten de trigo (AMY5.0) 74,8 e 58,1%, respectivamente. A sobrevivência dos camarões variou de um mínimo de 71,1 ± 9,3% AMY5.0 a um máximo de 95,0 ± 3,3% CTL. No entanto, não houve efeito dietético sobre as variáveis de crescimento dos camarões ou fator de conversão alimentar (FCA). O ganho de peso semanal (1,48 ± 0,03 g), o ganho de peso percentual (925 ± 17%), a taxa de crescimento específico (3,53 ± 0,03%), e o consumo de ração (22,3 ± 0,1 g/camarão) não variou estatisticamente entre os tratamentos experimentais (P > 0,05). Embora a dieta AMY1.5 foi a que proporcionou o melhor resultado economicamente, não foi possível estabelecer diferença estatisticamente significativa na receita bruta, lucro bruto e ROI ao compará-la com as dietas CTL e AMY3.0 (P > 0,05). Em geral, as dietas experimentais mostraram-se com menor dureza, diâmetro e comprimento comparado a dieta comercial. Níveis mais elevados da farinha de glúten de trigo não produziu efeitos positivos na absorção de água ou na lixiviação. O crescimento corporal dos camarões não foi afetado pelo tratamento dietético. Verificou que uma combinação de 1,5% de farinha de glúten de trigo associado com 0,4% de aglutinante sintético leva a uma alta estabilidade física da dieta, além de um melhor desempenho zootécnico e econômico no cultivo de juvenis do L. vannamei. Palavras-chave: Farinha de glúten de trigo, Litopenaeus vannamei, aglutinante, dietas experimentais, estabilidade física, desempenho zootécnico.
7

Efeitos da salinidade, luminosidade e alimentação na larvicultura do camarão-da-amazônia, Macrobrachium amazonicum

Araújo, Mariana Cutolo de [UNESP] 14 February 2005 (has links) (PDF)
Made available in DSpace on 2016-09-27T13:40:13Z (GMT). No. of bitstreams: 0 Previous issue date: 2005-02-14. Added 1 bitstream(s) on 2016-09-27T13:45:35Z : No. of bitstreams: 1 000330173.pdf: 377788 bytes, checksum: 6b7569c1ae257dbcf813728f816468d7 (MD5) / Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) / Os objetivos da presente tese foram determinar a salinidade mínima na qual larvas de Macrobrachium. amazonicum não alimentadas sobrevivem e se desenvolvem, determinar a intensidade luminosa adequada ao desenvolvimento larval, investigar a incidência alimentar no tubo digestivo de larvas em relação a náuplios de Artemia e dieta inerte, bem como o estágio no qual se inicia a ingestão de alimento exógeno e avaliar o efeito de regimes alimentares no desenvolvimento, na incidência alimentar no tubo digestivo, na sobrevivência, na produtividade e no crescimento na larvicultura dessa espécie. Os dados demonstraram que as larvas da população estudada dessa espécie não sobrevivem em água doce. No entanto, completam seu desenvolvimento larval em salinidades baixas de até 1‰. A luminosidade 7,8±2,5 μmol.s-1.m-2 (aproximadamente 390±125 lux) melhora o desempenho das larvas de M. amazonicum em termos de desenvolvimento larval, produtividade e ganho de peso. As larvas dessa espécie a partir de zoea II começam a se alimentar de náuplios de Artemia. As larvas para se desenvolverem precisam se alimentar de náuplios de Artemia do estágio II ao IV. As larvas dessa espécie no estágio III preferem náuplios de Artemia, mas ingerem dieta inerte muito bem se este for o único alimento disponível. A substituição total de náuplios de Artemia por dieta inerte a partir de zoea V não afeta negativamente o desenvolvimento larval dessa espécie / The present thesis studied Macrobrachium amazonicum larvae for determining: 1) the minimal salinity required for the survival and development of feed deprived larvae; 2) the best light intensity suitable for larval development; 3) the digestive tract content (Artemia nauplii and/or inert food) and the larval stage at the beginning of exogenous food ingestion; and 4) the effect of feeding regimes on the development, digestive tract content, survival, productivity and growth. The results showed that these larvae do not survive in freshwater, but the development can be completed in low salinity (1‰). Mean light intensity of 7.8±2.5 μmol.s-1.m-2 (about 390±125 lux) improves M. amazonicum larval development, productivity and weight gain. Moreover, larvae at Zoea II stage start feeding on Artemia nauplii and this live food is required until zoea IV. Zoea III larvae prefer Artemia nauplii, but accept inert food when it is the only available food. Total substitution of inert diet in place of Artemia nauplii from zoea V stage does not affect M. amazonicum larval development
8

Efeitos da salinidade, luminosidade e alimentação na larvicultura do camarão-da-amazônia, Macrobrachium amazonicum /

Araújo, Mariana Cutolo de. January 2005 (has links)
Orientador: Wagner Cotroni Valenti / Resumo: Os objetivos da presente tese foram determinar a salinidade mínima na qual larvas de Macrobrachium. amazonicum não alimentadas sobrevivem e se desenvolvem, determinar a intensidade luminosa adequada ao desenvolvimento larval, investigar a incidência alimentar no tubo digestivo de larvas em relação a náuplios de Artemia e dieta inerte, bem como o estágio no qual se inicia a ingestão de alimento exógeno e avaliar o efeito de regimes alimentares no desenvolvimento, na incidência alimentar no tubo digestivo, na sobrevivência, na produtividade e no crescimento na larvicultura dessa espécie. Os dados demonstraram que as larvas da população estudada dessa espécie não sobrevivem em água doce. No entanto, completam seu desenvolvimento larval em salinidades baixas de até 1‰. A luminosidade 7,8±2,5 μmol.s-1.m-2 (aproximadamente 390±125 lux) melhora o desempenho das larvas de M. amazonicum em termos de desenvolvimento larval, produtividade e ganho de peso. As larvas dessa espécie a partir de zoea II começam a se alimentar de náuplios de Artemia. As larvas para se desenvolverem precisam se alimentar de náuplios de Artemia do estágio II ao IV. As larvas dessa espécie no estágio III preferem náuplios de Artemia, mas ingerem dieta inerte muito bem se este for o único alimento disponível. A substituição total de náuplios de Artemia por dieta inerte a partir de zoea V não afeta negativamente o desenvolvimento larval dessa espécie / Abstract: The present thesis studied Macrobrachium amazonicum larvae for determining: 1) the minimal salinity required for the survival and development of feed deprived larvae; 2) the best light intensity suitable for larval development; 3) the digestive tract content (Artemia nauplii and/or inert food) and the larval stage at the beginning of exogenous food ingestion; and 4) the effect of feeding regimes on the development, digestive tract content, survival, productivity and growth. The results showed that these larvae do not survive in freshwater, but the development can be completed in low salinity (1‰). Mean light intensity of 7.8±2.5 μmol.s-1.m-2 (about 390±125 lux) improves M. amazonicum larval development, productivity and weight gain. Moreover, larvae at Zoea II stage start feeding on Artemia nauplii and this live food is required until zoea IV. Zoea III larvae prefer Artemia nauplii, but accept inert food when it is the only available food. Total substitution of inert diet in place of Artemia nauplii from zoea V stage does not affect M. amazonicum larval development / Doutor
9

Alimentação de Macrobrachium rosenbergii (De Man, 1879)(crustacea, palaemonidae) durante a fase larval : efeitos da densidade de náuplios de Artemia, do tamanho das partículas de ração, do tipo de alimento e do fotoperíodo /

Barros, Helenice Pereira de. January 2001 (has links)
Orientador: Wagner Cotroni Valenti / Resumo: A freqüência de aceitação de alimento (FAA) por larvas de M. rosenbergii foi utilizada como medida para determinar o tamanho de partícula e o tipo de alimento mais adequados para cada estágio de desenvolvimento. Foram testados quatro classes de tamanho de partículas (250-425; 425-710; 710-1000 e 1000-1190 mm) de dois tipos de ração (seca e úmida). Verificou-se também a freqüência de aceitação das duas rações e de náuplios de Artemia em cada estágio larval. A freqüência de aceitação foi obtida pela avaliação qualitativa da ingestão de cada alimento pelas larvas por meio da observação do trato digestório das mesmas sob estereomicroscópio. Não houve relação significativa (P < 0,01) entre o tamanho das partículas na freqüência de aceitação das rações pelas larvas no decorrer do desenvolvimento. Náuplios de Artemia foram significativamente mais ingeridos por larvas entre os estágios II e VII; aceitação similar para a ração úmida e seca foi obtida a partir dos estágios VII e IX, respectivamente. Verificou-se que o alimento inerte foi capturado e ingerido por mais de 50% das larvas apenas a partir dos estágios VII (ração úmida) e VIII (ração seca). Nossos resultados indicam que a complementação da dieta com alimento inerte deve se iniciar a partir do estágio VII / The functional response (relationship between ingestion rate and food concentration) was determined for each larval stage of Macrobrachium rosenbergii. Artemia nauplii were supplied at six different densities: 2, 4, 6, 8, 10 and 12 ind/mL. The nauplii were counted manually using a Pasteur pipette and placed in Petri dishes containing 40 mL of brackish water (12‰). A single Macrobrachium rosenbergii larvae was placed in each Petri dish and after 24 hours the leftover nauplii were counted. Daily average ingestion rate by larva was calculated for each zoeal stage. Consumption pattern was defined by the model I = Im(1-e-kP). Ingestion rate increased with food density in the medium. The best relationship between predator and prey seemed to occur during stages IV and V. The high values for maximum ingestion (Im) and the low values for constant k obtained in the last larval stages indicate the necessity of supplementary diet during the final stages of development / Doutor
10

Farinha de Spirulina como aditivo atrato-palatabilizante em dietas balanceadas para o camarão marinho Litopenaeus vannamei / Spirulina meal as an additive in palatability attractive-balanced diets for marine shrimp Litopenaeus vannamei

Silva Neto, José Fernandes da January 2010 (has links)
SILVA NETO, José Fernandes da. Farinha de Spirulina como aditivo atrato-palatabilizante em dietas balanceadas para o camarão marinho Litopenaeus vannamei. 2010. 44 f. : Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Ceará, Centro de Ciências Agrárias, Departamento de Engenharia de Pesca, Fortaleza-CE, 2010 / Submitted by Nádja Goes (nmoraissoares@gmail.com) on 2016-07-18T12:43:34Z No. of bitstreams: 1 2010_dis_jfsilvaneto.pdf: 604995 bytes, checksum: db4e480a37925c8c84d3801a616871b4 (MD5) / Approved for entry into archive by Nádja Goes (nmoraissoares@gmail.com) on 2016-07-18T12:43:54Z (GMT) No. of bitstreams: 1 2010_dis_jfsilvaneto.pdf: 604995 bytes, checksum: db4e480a37925c8c84d3801a616871b4 (MD5) / Made available in DSpace on 2016-07-18T12:43:54Z (GMT). No. of bitstreams: 1 2010_dis_jfsilvaneto.pdf: 604995 bytes, checksum: db4e480a37925c8c84d3801a616871b4 (MD5) Previous issue date: 2010 / At present, there is a great effort to partially or completely replace fishmeal in artificial diets for less costly and more predictable vegetable protein ingredients. Experimental results of some studies indicate the potential of the Spirulina meal as a growth impeller in diets for marine shrimp. Despite its nutritional quality, no work has been conducted so far about the use of Spirulina meal as an additive in complete diets for Litopenaeus vannamei. The present work aimed at investigating the growth performance and feeding preference of L. vannamei raised under controlled laboratory conditions fed diets supplemented or deprived with Spirulina meal. Juveniles of L. vannamei (3.89  0.25 g) were stocked under intensive conditions at 44 shrimp/tank (64 juveniles/m²) in 28 polyethylene tanks of 500 L and raised for 71 days. Diets were supplemented with 0.5% of a commercial feed attractant for marine shrimp (MAC and BAC) or with 0.5% of Spirulina meal (MSP and BSP). In MAC and MSP and BAC and BSP, inclusion of fishmeal was reduced at 25% and 50%, respectively. In a second study, diets were offered to animals in a two feeding trays clearly identified, in equal amounts, delivered at the same time in the opposite sides of each tank and simultaneously recovered. Feed remaining in each feeding tray was collected and weighted to calculate the dry weight. Weekly shrimp weight gain fed diet MSP (0.89 ± 0.03 g) was not significantly different from those fed diet MAC (0.89 ± 0.01 g). Feed conversion rate and protein efficiency rate for shrimp fed diet MSP were not significantly different from those seen for CN1 and P. Final body weight and survival of shrimp fed diet MSP were not significantly different from those observed for CN1 and P. The attractability study demonstrated that MSP showed a significantly higher preference compared to MAC diet. It can be concluded that Spirulina meal added at 0.5% in a complete diet for juveniles of L. vannamei acted as a feeding attractant capable of promoting the same effects of a commercial additive. Further work is required to evaluate others inclusion levels, cheap production techniques, compounds responsible for attractability’s Spirulina meal etc / Há, presentemente, grande esforço de pesquisa no sentido de se substituir, parcial ou totalmente, a farinha de peixe das dietas artificiais por fontes protéicas vegetais, de menor custo e maior previsibilidade de produção. Os resultados experimentais obtidos em alguns trabalhos evidenciam o bom potencial da farinha de Spirulina como aditivo impulsor do crescimento em dietas para camarões marinhos. Apesar de sua qualidade nutricional, nenhum trabalho foi conduzido até agora sobre o uso da farinha de Spirulina como aditivo em dietas completas para L. vannamei. O presente trabalho objetivou o estudo do desempenho zootécnico e da preferência alimentar de juvenis de Litopenaeus vannamei criados em laboratório sob condições controladas alimentados com diferentes dietas suplementadas ou não com farinha de Spirulina. Juvenis de L. vannamei (3,89 ± 0,25 g) foram estocados intensivamente em 28 tanques circulares de polietileno de 500 L, na densidade de 44 camarões/tanque (64 juvenis/m2) por 71 dias. As dietas foram suplementadas com 0,5% de um atrativo comercial para rações de camarão (MAC e BAC) ou com 0,5% de farinha de Spirulina (MSP e BSP). Em MAC e MSP e em BAC e BSP houve reduções de 25% e 50% do nível de inclusão de farinha de peixe, respectivamente. No segundo experimento, as dietas foram oferecidas aos animais em duas bandejas claramente identificadas, em quantidades iguais, colocadas no mesmo momento, em lados opostos dentro de cada tanque e foram recolhidas no mesmo instante. A ração remanescente em cada bandeja de alimentação foi coletada e pesada para calcular o peso seco posteriormente. O ganho em peso semanal dos camarões alimentados com a ração MSP (0,89 ± 0,03 g) não foi significativamente diferente daqueles que se alimentaram com a dieta MAC (0,89 ± 0,01 g) e P (0,95 ± 0,08 g). O fator de conversão alimentar e a taxa de eficiência protéica dos camarões alimentados com MSP não foram estatisticamente diferentes daqueles observados em CN1 e P. O peso corporal final e a sobrevivência dos camarões alimentados com MSP não foram significativamente diferentes daqueles observados em CN1 e P. O estudo da atratividade mostrou que MSP teve preferência significativamente maior pelos camarões do que a dieta MAC. Pode ser concluído que a farinha de Spirulina adicionada a 0,5% em uma dieta completa para juvenis de L. vannamei atuou como um atrativo alimentar, e foi capaz de promover os mesmos efeitos de um aditivo comercial. Trabalhos futuros são requeridos para avaliar outros níveis de inclusão, técnicas de produção baratas, compostos responsáveis pela atratividade da farinha de Spirulina etc

Page generated in 0.1144 seconds